SlideShare uma empresa Scribd logo
Epidemiologia
SEMINARIO
• Doença das vacas loucas (BSE)
• Vírus de Imunodeficiência Bovina (BIV)
• Feline Imunodeficiency Vírus (FIV)
• Simian Imunodeficiency Vírus (SIV)
• Bovine Paraplesic Síndrome (BPS)
• H5N1
• Epidemiologia é uma ciência que utiliza
métodos quantitativos para o estudo dos
problemas de saúde.
História da epidemiologia
• A epidemiologia originou-se das bservações
de Hipócrates feitas há mais de 2000 anos de
que fatores ambientais influenciam a
ocorrência de doenças. Entretanto, foi
somente no século XIX que a distribuição das
doenças específicos passou a ser medida em
larga escala.
História da Epidemiologia
• A abordagem epidemiológica que compara os
coeficientes (ou taxas) de doenças em subgrupos de
animais tornou-se uma prática comum no final do
século XIX e início do século XX.
• A sua aplicação foi inicialmente feita visando o
controle de doenças transmissíveis e,
posteriormente, no estudo das relações entre
condições ou agentes ambientais e doenças
específicas
A epidemiologia
• A epidemiologia é uma ciência
fundamental para a saúde pública.
• A epidemiologia tem dado grande
contribuição à melhoria da saúde das
populações.
• A epidemiologia é essencial no processo
de identificação e mapeamento de
doenças emergentes.
Problema Epidemiológico
• Em epidemiologia, o problema tem origem
quando doenças acometem grupos
• É a necessidade de remover fatores
ambientais contrários à saúde ou de criar
condições que a promovam, que determina a
problemática própria da epidemiologia.
Alvo do estudo epidemiológico
• O alvo de um estudo epidemiológico são sempre
os animais, que pode ser definida em termos
geográficos ou outro qualquer.
• Por exemplo, um grupo específico de animais
doentes podem constituir uma unidade de
estudo.
• Em geral, os animais utilizados em um estudo
epidemiológico é aquela localizada em uma
determinada área ou país em um certo momento
do tempo.
• A epidemiologia está, também,
preocupada com a evolução e o desfecho
(história natural) das doenças no animal e
ou nos grupos de animais.
• A aplicação dos princípios e métodos
epidemiológicos no maneio de problemas
encontrados na prática com animais, levou
ao desenvolvimento da epidemiologia
clínica.
Epidemiologia
Tradicionalmente dividida:
• Descritiva: estuda a freqüência e a distribuição
dos parâmetros de saúde ou de fatores de
risco das doenças.
• Analítica: testa hipóteses de relações causais
• A epidemiologia é frequentemente utilizada
para descrever o estado de saúde de grupos
de animais.
• O conhecimento da carga de doenças que
subsiste é essencial para as autoridades.
Conhecimento da carga das doenças
• Esse conhecimento permite melhor utilização
de recursos através da identificação de
programas curativos e preventivos
prioritários.
• Em algumas áreas especializadas, tais como na
epidemiologia ocupacional e ambiental, a
ênfase está no estudo de animais com
exposições muito particulares.
Medir saúde e doença
• Medir saúde e doença é fundamental para a
prática da epidemiologia.
• Diversas medidas são utilizadas para
caracterizar a saúde.
• O estado de saúde não é totalmente medido
em muitas partes do mundo, e essa falta de
informações constitui um grande desafio para
os epidemiologistas.
Medidas de saúde
• Existe dificuldade de medir saúde
• Para avaliar o nível de buscam-se os dados
negativos (não-saúde):
MORTE, DOENÇA E AGRAVOS
Medindo a falta de saúde
• Várias medidas da ocorrência de doenças
são baseadas nos conceitos fundamentais
de incidência e prevalência.
Animais de risco
• São animais susceptíveis a determinadas
doenças são chamadas de animas em risco
e podem ser estudadas conforme fatores
demográficos, geográficos e ambientais.
• Por exemplo, acidentes de trabalho só
ocorrem entre animais que estão
trabalhando. Assim, a população em risco é
constituída somente pelos animais.
Risco e Fator de Risco
• Devido ao seu caráter eminentemente
observacional, a lógica de base da moderna
epidemiologia estrutura-se em torno de um
conceito fundamental – RISCO - e de um conceito
correlato – FATOR DE RISCO.
• De modo simplificado podemos dizer que o
objecto da epidemiologia é “o risco e seus
determinantes”.
.
Risco
• É a probabilidade de ocorrência de uma doença,
agravo, óbito ou condição relacionada à saúde
(incluindo cura, recuperação ou melhora), em
uma população ou grupo, durante um período
determinado.
Risco
• É estimado sob a forma de uma proporção (razão
entre duas grandezas, na qual o numerador se
encontra necessariamente contido no denominador).
• A definição epidemiológica de risco compõe-se
obrigatoriamente de três elementos:
– ocorrência de casos de morte-doença-saúde (numerador)
– base de referência doa animais (denominador)
– base de referência temporal (período)
Factor de risco
• Pode ser definido como o atributo de um grupo
da população que apresenta maior incidência de
uma doença ou agravo à saúde em comparação
com outros grupos definidos pela ausência ou
menor exposição a tal característica.
Factor e marcador de risco
• Fator de risco – cujo efeito pode ser prevenido
• Marcadores de risco – atributos inevitáveis, já
dados, cujo efeito encontra-se, portanto, fora da
possibilidade de controle
Fontes de informação
• Sistemáticas:
arrolamentos
registros de doenças,, etc.
• Assistemáticas:
Levantamentos especiais ( amostra)
•
Medidas de Frequência de Doenças
Incidência
 frequência de casos novos de uma doença ou problema de saúde
 São obtidas nos estudos que envolvem seguimento.
 Medem a frequência com que os animais adoecem independentemente do
tempo que ficam doentes
- oriundos de animais sob risco,
ao longo de um determinado período de tempo
 necessário que cada animal seja observado em no mínimo duas ocasiões
t0 (“sadio”)-------------------------------------------------------------------------------------------------------- t(caso novo)
Medidas de Frequência de Doenças
Incidência
- medida dinâmica  mudanças no estado de saúde
velocidade de agregação de casos novos - Risco
Número absoluto de casos incidentes (I)
Medidas de Incidência expressas como frequências relativas
 Taxa de Incidência (TI) ou Densidade de Incidência
Taxa de ataque ou incidência
• O termo “taxa de ataque” é frequentemente
utilizado, ao invés de incidência, durante uma
epidemia de doença em animais bem definida
em um curto período de tempo.
• A taxa de ataque pode ser calculada como o
número de animais afetadas dividido pelo
número de animais expostas.
Conceito de taxa
• Uma taxa é calculada dividindo-se o número
de casos pelo número de animais em risco e é
expressa como casos por 10n animais.
Cálculo de Frequência de Doenças
 Cálculo depende do tipo de população:
• População fechada
• População aberta
População fechada: nenhum membro novo é incorporado após iniciado o
período de seguimento e integrantes saem somente devido ao evento (ex.
morte)  tamanho (N) diminui sistematicamente ao longo do tempo;
População aberta: novos membros são adicionados no tempo (ex. imigração)
e há perdas de seguimento (ex. emigração)

Prevalência
• É uma medida de frequência das doenças (ou outras características em
um momento determinado)  casos “antigos” + casos novos
• Descreve a força com que subsistem as doenças nas coletividades
• Descreve a proporção da população afetada por uma doença em um
momento determinado
nº de indivíduos doentes (novos+antigos) em t
P = ---------------------------------------------------------------
nº total de indivíduos da população em t
 Pontual ou Instantânea
 De período
 De toda a vida
Prevalência
• É uma proporção e como tal não tem
dimensões
• valores entre 0 e 1 ou 0 e 100 (percentagem)
• é uma medida valiosa para o administrador na
sua ação de planeiar em função do número de
doentes/mortes na comunidade
Óbitos
Curas
Doentes
que
emigram
Prevalência
Número de casos
Doentes
novos
Doentes
que
imigram
Medidas de Frequência de Doenças
Prevalência
Fatores que podem aumentar a prevalência
• Maior duração da doença;
• Aumento da incidência (I);
• Aumento da sobrevida, sem cura;
• Imigração de casos ou emigração de pessoas sadias;
• Melhoria dos recursos diagnósticos;
• Melhoria do sistema de informação.
Medidas de Frequência de Doenças
Prevalência
Fatores que podem diminuir a prevalência
• Menor duração da doença;
• Diminuição da incidência (I);
• Maior letalidade;
• Imigração de animais sadios ou emigração de casos;
• Aumento da taxa de cura.
Prevalência e Incidência
• A medida da prevalência e da incidência envolve,
basicamente, a contagem de casos em animais em
risco
• A simples quantificação do número de casos de uma
doença, sem fazer referência à animais em risco,
pode ser utilizada para dar uma idéia da magnitude
do problema de saúde ou da sua tendência, em curto
prazo.
Letalidade
• A letalidade mede a severidade de uma
doença e é definida como a proporção de
mortes dentre aqueles doentes por uma causa
específica em um certo período de tempo.
Papel da epidemiologia
• A epidemiologia se desenvolveu a partir do
estudo dos surtos de doenças transmissíveis
(zoonoses) e da interação entre agentes, vetores
e reservatórios.
• A descrição das circunstâncias associadas ao
aparecimento de epidemias nos animais–
migração, fome e desastres naturais –, tem
aumentado a capacidade de controlar a dispersão
das doenças transmissíveis através da vigilância,
prevenção, quarentena e tratamento.
Epidemia
• Epidemia é definida como a ocorrência em
uma região ou comunidade de um número de
casos em excesso, em relação ao que
normalmente seria esperado.
• Ao descrever uma epidemia, deve ser
especificado o período, a região geográfica e
outras particularidades de animais em que os
casos ocorreram.
Epidemia
• Um pequeno número de bactérias, vírus e
parasitas causa a maioria das epidemias, e um
conhecimento mais aprofundado da sua
biologia tem melhorado as medidas
preventivas específicas.
Endemias
• As doenças transmissíveis são chamadas de endêmicas
quando em uma área geográfica ou grupo populacional
apresenta um padrão de ocorrência relativamente estável
com elevada incidência ou prevalência.
Epidemia que se tornou endemia
• A epidemia do HIV é um exemplo de doença
infecciosa que se tornou endêmica em muitas
áreas.
Taxas de mortalidade
• A taxa de mortalidade geral (ou coeficiente de
mortalidade geral) é calculada da seguinte
forma:
Problemas com esse indicador
• A principal desvantagem da taxa de
mortalidade geral é o fato de não levar em
conta que o risco de morrer varia conforme o
sexo, idade, raça, entre outros fatores.
• Não se deve utilizar esse coeficiente para
comparar diferentes períodos de tempo ou
diferentes áreas geográficas.
Morbidade
• As taxas de mortalidade são particularmente
úteis na investigação de doenças com alta
letalidade. Entretanto, muitas doenças
apresentam baixa letalidade.
Morbidade
• Os dados sobre morbidade são frequentemente úteis no
entendimento de certas tendências na mortalidade.
Mudanças nas taxas de mortalidade podem ser
decorrentes de modificações no padrão de morbidade
ou de letalidade de determinada doença.
•
Doencas de declaracao obrigatoria
• FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Epidemiologia básica 1
Epidemiologia básica 1Epidemiologia básica 1
Epidemiologia básica 1
Carolina Restini
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
Anderson da Silva
 
Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1
José Luis Müller
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
Ricardo Alexandre
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
Paula Brustolin Xavier
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Mario Gandra
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Mario Gandra
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
Ghiordanno Bruno
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
Cláudia Hellena Ribeiro
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
WellingtonTeixeira24
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
Ylla Cohim
 
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Conceicao Cavalcante
 

Mais procurados (20)

Epidemiologia básica 1
Epidemiologia básica 1Epidemiologia básica 1
Epidemiologia básica 1
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
 
introduçao epidemio
 introduçao epidemio introduçao epidemio
introduçao epidemio
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
 

Semelhante a Aula 1-epidemiologia

Riscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologiaRiscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologia
Carlos Amade
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
EvertonMonteiro19
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
Leticia Princesiny
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
douglas870578
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
douglas870578
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
Glaydson Reis
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
LIANEDEMUNER1
 
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca prevalencia ou incidencia
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca   prevalencia ou incidencia[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca   prevalencia ou incidencia
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca prevalencia ou incidencia
Yara Cíntia Vieira e Silva
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
Cleber Lima
 
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologiaApostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
wfkam
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
adriana da silva barros
 
Resumo de saude publica
Resumo de saude publicaResumo de saude publica
Resumo de saude publica
AraujoAvelino
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Ricardo Alexandre
 
Estudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
Estudos Epidemiológicos na área de BioestatísticaEstudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
Estudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
FranciscoMendes220914
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
ArtthurPereira2
 
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e EpidemiasInvestigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Vitória Giovanna
 
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
NaiaraMendes13
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
danilo oliveira
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
Socorro Carneiro
 

Semelhante a Aula 1-epidemiologia (20)

Riscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologiaRiscos e doencas. epidemiologia
Riscos e doencas. epidemiologia
 
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptxAula-Epidemiologia (1) (1).pptx
Aula-Epidemiologia (1) (1).pptx
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
 
Aula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptxAula-Epidemiologia.pptx
Aula-Epidemiologia.pptx
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
 
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca prevalencia ou incidencia
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca   prevalencia ou incidencia[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca   prevalencia ou incidencia
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca prevalencia ou incidencia
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
 
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologiaApostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
 
Resumo de saude publica
Resumo de saude publicaResumo de saude publica
Resumo de saude publica
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
 
Estudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
Estudos Epidemiológicos na área de BioestatísticaEstudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
Estudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e EpidemiasInvestigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
 
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
 
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
2 conceitos básicos de epidemiologia e indicadores de saúde
 

Mais de Ivaristo Americo

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
Ivaristo Americo
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
Ivaristo Americo
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
Ivaristo Americo
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
Ivaristo Americo
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
Ivaristo Americo
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Ivaristo Americo
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
Ivaristo Americo
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
Ivaristo Americo
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
Ivaristo Americo
 
Dpp1
Dpp1Dpp1
Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)
Ivaristo Americo
 

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 
Dpp1
Dpp1Dpp1
Dpp1
 
Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)
 

Aula 1-epidemiologia

  • 2. SEMINARIO • Doença das vacas loucas (BSE) • Vírus de Imunodeficiência Bovina (BIV) • Feline Imunodeficiency Vírus (FIV) • Simian Imunodeficiency Vírus (SIV) • Bovine Paraplesic Síndrome (BPS) • H5N1
  • 3. • Epidemiologia é uma ciência que utiliza métodos quantitativos para o estudo dos problemas de saúde.
  • 4. História da epidemiologia • A epidemiologia originou-se das bservações de Hipócrates feitas há mais de 2000 anos de que fatores ambientais influenciam a ocorrência de doenças. Entretanto, foi somente no século XIX que a distribuição das doenças específicos passou a ser medida em larga escala.
  • 5. História da Epidemiologia • A abordagem epidemiológica que compara os coeficientes (ou taxas) de doenças em subgrupos de animais tornou-se uma prática comum no final do século XIX e início do século XX. • A sua aplicação foi inicialmente feita visando o controle de doenças transmissíveis e, posteriormente, no estudo das relações entre condições ou agentes ambientais e doenças específicas
  • 6. A epidemiologia • A epidemiologia é uma ciência fundamental para a saúde pública. • A epidemiologia tem dado grande contribuição à melhoria da saúde das populações. • A epidemiologia é essencial no processo de identificação e mapeamento de doenças emergentes.
  • 7. Problema Epidemiológico • Em epidemiologia, o problema tem origem quando doenças acometem grupos • É a necessidade de remover fatores ambientais contrários à saúde ou de criar condições que a promovam, que determina a problemática própria da epidemiologia.
  • 8. Alvo do estudo epidemiológico • O alvo de um estudo epidemiológico são sempre os animais, que pode ser definida em termos geográficos ou outro qualquer. • Por exemplo, um grupo específico de animais doentes podem constituir uma unidade de estudo. • Em geral, os animais utilizados em um estudo epidemiológico é aquela localizada em uma determinada área ou país em um certo momento do tempo.
  • 9. • A epidemiologia está, também, preocupada com a evolução e o desfecho (história natural) das doenças no animal e ou nos grupos de animais. • A aplicação dos princípios e métodos epidemiológicos no maneio de problemas encontrados na prática com animais, levou ao desenvolvimento da epidemiologia clínica.
  • 10.
  • 11. Epidemiologia Tradicionalmente dividida: • Descritiva: estuda a freqüência e a distribuição dos parâmetros de saúde ou de fatores de risco das doenças. • Analítica: testa hipóteses de relações causais
  • 12. • A epidemiologia é frequentemente utilizada para descrever o estado de saúde de grupos de animais. • O conhecimento da carga de doenças que subsiste é essencial para as autoridades.
  • 13. Conhecimento da carga das doenças • Esse conhecimento permite melhor utilização de recursos através da identificação de programas curativos e preventivos prioritários. • Em algumas áreas especializadas, tais como na epidemiologia ocupacional e ambiental, a ênfase está no estudo de animais com exposições muito particulares.
  • 14. Medir saúde e doença • Medir saúde e doença é fundamental para a prática da epidemiologia. • Diversas medidas são utilizadas para caracterizar a saúde. • O estado de saúde não é totalmente medido em muitas partes do mundo, e essa falta de informações constitui um grande desafio para os epidemiologistas.
  • 15. Medidas de saúde • Existe dificuldade de medir saúde • Para avaliar o nível de buscam-se os dados negativos (não-saúde): MORTE, DOENÇA E AGRAVOS
  • 16. Medindo a falta de saúde • Várias medidas da ocorrência de doenças são baseadas nos conceitos fundamentais de incidência e prevalência.
  • 17. Animais de risco • São animais susceptíveis a determinadas doenças são chamadas de animas em risco e podem ser estudadas conforme fatores demográficos, geográficos e ambientais. • Por exemplo, acidentes de trabalho só ocorrem entre animais que estão trabalhando. Assim, a população em risco é constituída somente pelos animais.
  • 18. Risco e Fator de Risco • Devido ao seu caráter eminentemente observacional, a lógica de base da moderna epidemiologia estrutura-se em torno de um conceito fundamental – RISCO - e de um conceito correlato – FATOR DE RISCO. • De modo simplificado podemos dizer que o objecto da epidemiologia é “o risco e seus determinantes”. .
  • 19. Risco • É a probabilidade de ocorrência de uma doença, agravo, óbito ou condição relacionada à saúde (incluindo cura, recuperação ou melhora), em uma população ou grupo, durante um período determinado.
  • 20. Risco • É estimado sob a forma de uma proporção (razão entre duas grandezas, na qual o numerador se encontra necessariamente contido no denominador). • A definição epidemiológica de risco compõe-se obrigatoriamente de três elementos: – ocorrência de casos de morte-doença-saúde (numerador) – base de referência doa animais (denominador) – base de referência temporal (período)
  • 21. Factor de risco • Pode ser definido como o atributo de um grupo da população que apresenta maior incidência de uma doença ou agravo à saúde em comparação com outros grupos definidos pela ausência ou menor exposição a tal característica.
  • 22. Factor e marcador de risco • Fator de risco – cujo efeito pode ser prevenido • Marcadores de risco – atributos inevitáveis, já dados, cujo efeito encontra-se, portanto, fora da possibilidade de controle
  • 23. Fontes de informação • Sistemáticas: arrolamentos registros de doenças,, etc. • Assistemáticas: Levantamentos especiais ( amostra) •
  • 24. Medidas de Frequência de Doenças Incidência  frequência de casos novos de uma doença ou problema de saúde  São obtidas nos estudos que envolvem seguimento.  Medem a frequência com que os animais adoecem independentemente do tempo que ficam doentes - oriundos de animais sob risco, ao longo de um determinado período de tempo  necessário que cada animal seja observado em no mínimo duas ocasiões t0 (“sadio”)-------------------------------------------------------------------------------------------------------- t(caso novo)
  • 25. Medidas de Frequência de Doenças Incidência - medida dinâmica  mudanças no estado de saúde velocidade de agregação de casos novos - Risco Número absoluto de casos incidentes (I) Medidas de Incidência expressas como frequências relativas  Taxa de Incidência (TI) ou Densidade de Incidência
  • 26. Taxa de ataque ou incidência • O termo “taxa de ataque” é frequentemente utilizado, ao invés de incidência, durante uma epidemia de doença em animais bem definida em um curto período de tempo. • A taxa de ataque pode ser calculada como o número de animais afetadas dividido pelo número de animais expostas.
  • 27. Conceito de taxa • Uma taxa é calculada dividindo-se o número de casos pelo número de animais em risco e é expressa como casos por 10n animais.
  • 28. Cálculo de Frequência de Doenças  Cálculo depende do tipo de população: • População fechada • População aberta População fechada: nenhum membro novo é incorporado após iniciado o período de seguimento e integrantes saem somente devido ao evento (ex. morte)  tamanho (N) diminui sistematicamente ao longo do tempo; População aberta: novos membros são adicionados no tempo (ex. imigração) e há perdas de seguimento (ex. emigração) 
  • 29. Prevalência • É uma medida de frequência das doenças (ou outras características em um momento determinado)  casos “antigos” + casos novos • Descreve a força com que subsistem as doenças nas coletividades • Descreve a proporção da população afetada por uma doença em um momento determinado nº de indivíduos doentes (novos+antigos) em t P = --------------------------------------------------------------- nº total de indivíduos da população em t  Pontual ou Instantânea  De período  De toda a vida
  • 30. Prevalência • É uma proporção e como tal não tem dimensões • valores entre 0 e 1 ou 0 e 100 (percentagem) • é uma medida valiosa para o administrador na sua ação de planeiar em função do número de doentes/mortes na comunidade
  • 32. Medidas de Frequência de Doenças Prevalência Fatores que podem aumentar a prevalência • Maior duração da doença; • Aumento da incidência (I); • Aumento da sobrevida, sem cura; • Imigração de casos ou emigração de pessoas sadias; • Melhoria dos recursos diagnósticos; • Melhoria do sistema de informação.
  • 33. Medidas de Frequência de Doenças Prevalência Fatores que podem diminuir a prevalência • Menor duração da doença; • Diminuição da incidência (I); • Maior letalidade; • Imigração de animais sadios ou emigração de casos; • Aumento da taxa de cura.
  • 34.
  • 35. Prevalência e Incidência • A medida da prevalência e da incidência envolve, basicamente, a contagem de casos em animais em risco • A simples quantificação do número de casos de uma doença, sem fazer referência à animais em risco, pode ser utilizada para dar uma idéia da magnitude do problema de saúde ou da sua tendência, em curto prazo.
  • 36. Letalidade • A letalidade mede a severidade de uma doença e é definida como a proporção de mortes dentre aqueles doentes por uma causa específica em um certo período de tempo.
  • 37. Papel da epidemiologia • A epidemiologia se desenvolveu a partir do estudo dos surtos de doenças transmissíveis (zoonoses) e da interação entre agentes, vetores e reservatórios. • A descrição das circunstâncias associadas ao aparecimento de epidemias nos animais– migração, fome e desastres naturais –, tem aumentado a capacidade de controlar a dispersão das doenças transmissíveis através da vigilância, prevenção, quarentena e tratamento.
  • 38. Epidemia • Epidemia é definida como a ocorrência em uma região ou comunidade de um número de casos em excesso, em relação ao que normalmente seria esperado. • Ao descrever uma epidemia, deve ser especificado o período, a região geográfica e outras particularidades de animais em que os casos ocorreram.
  • 39. Epidemia • Um pequeno número de bactérias, vírus e parasitas causa a maioria das epidemias, e um conhecimento mais aprofundado da sua biologia tem melhorado as medidas preventivas específicas.
  • 40. Endemias • As doenças transmissíveis são chamadas de endêmicas quando em uma área geográfica ou grupo populacional apresenta um padrão de ocorrência relativamente estável com elevada incidência ou prevalência.
  • 41. Epidemia que se tornou endemia • A epidemia do HIV é um exemplo de doença infecciosa que se tornou endêmica em muitas áreas.
  • 42. Taxas de mortalidade • A taxa de mortalidade geral (ou coeficiente de mortalidade geral) é calculada da seguinte forma:
  • 43. Problemas com esse indicador • A principal desvantagem da taxa de mortalidade geral é o fato de não levar em conta que o risco de morrer varia conforme o sexo, idade, raça, entre outros fatores. • Não se deve utilizar esse coeficiente para comparar diferentes períodos de tempo ou diferentes áreas geográficas.
  • 44. Morbidade • As taxas de mortalidade são particularmente úteis na investigação de doenças com alta letalidade. Entretanto, muitas doenças apresentam baixa letalidade.
  • 45. Morbidade • Os dados sobre morbidade são frequentemente úteis no entendimento de certas tendências na mortalidade. Mudanças nas taxas de mortalidade podem ser decorrentes de modificações no padrão de morbidade ou de letalidade de determinada doença. •
  • 46. Doencas de declaracao obrigatoria