SlideShare uma empresa Scribd logo
BOVINO DE CORTE
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia –
Tocantins Campus Palmas
NELORE
Originário da Índia, apresentam estado geral sadio e vigoroso. A raça
Nelore é essencialmente produtora de carne. A masculinidade e a
feminilidade são acentuadas.O temperamento é ativo e dócil.
Gado Nelore (Foto: Embrapa)
Características da raça
 Apresentam pelagem branca ou cinza-clara
 O Nelore se adaptou muito bem às condições
tropicais brasileiras, por possuir excelente
capacidade de aproveitar alimentos grosseiros.
 Apresenta resistência natural a parasitas, devido
às características de seus pêlos, que impedem ou
dificultam a penetração de pequenos insetos.
 O Nelore é muito resistente ao calor devido à sua
superfície corporal possuir maior número de
glândulas sudoríparas.
 As fêmeas tem excelente habilidade materna,
oferecendo condições de desenvolvimento aos
bezerros até o desmame
Fonte:Associação Brasileira de Inseminação Artificial ASBIA, 2012
TABAPUÃ
A raça Tabapuã originou-se no Brasil, no estado de São Paulo, do
cruzamento de um bezerro Zebu-Mocho, filho de uma vaca Nelore com
animais Nelore, Gir e Guzerá. Atualmente, esta raça é criada em outros
estados brasileiros, além de São Paulo, como: Bahia, Minas Gerais,
Goiás, Rio de Janeiro e Mato Grosso.
Características da raça
 Os animais desta raça são de grande porte.
 Sua pelagem é de coloração branca ou cinza, com variações de tonalidade;
 os pêlos são fino, curtos e sedosos;
 a pele é preta, fina, oleosa e flexível.
 Existe várias qualidades para esses animais, tais como a
docilidade, fertilidade, precocidade reprodutiva, boa conformação
frigorífica e uma excelente habilidade materna, ou seja, vacas precoces, e
férteis.
BRAHMAN
Nos Estados Unidos, o gado de origem indiana recebe o nome de Brahman. Surgiu do
cruzamento das raças Nelore, Guzerá, Gir, Valley e Sindi. A despreocupação do criador
americano em relação à raça, visando uma melhor seleção econômica, levou o gado
Brahman a ser uma mescla de raças indianas altamente produtiva; hoje encontram-se
rebanhos que cobrem extensas áreas do sul dos EUA
Características da raça
 O Brahman atual é mais baixo, mais compacto, apresentando um
corpo mais profundo e musculoso.
 Possui uma pelagem que pode ser toda branca, ou com tonalidade
cinza em algumas regiões do corpo;
 Os pêlos são curtos, grossos e sedosos, refletindo os raios solares; a
pele é solta e de coloração escura, aumentando sua resistência ao
calor.
 No frio, este gado possui a capacidade de contrair a pele,
aumentando deste modo, sua espessura e a densidade dos pêlos.
MANEJO SANITÁRIO
• é um conjunto de medidas cuja finalidade é
proporcionar aos animais ótimas condições de
saúde.
• Os componentes do manejo sanitário buscam
evitar, eliminar ou reduzir ao máximo a
incidência de doenças no rebanho, para um
aumento da produção e produtividade
Os principais manejos a serem seguidos nas propriedades
irão depender da fase que cada animal.
Fase de Cria
Fase de recria
Fase de Lactação
Vacas secas
Principais doenças
• Febre aftosa :É uma vacina de
caráter obrigatório e feita em todo
rebanho, independentemente de
idade
• Brucelose: . A vacina é aplicada
somente em fêmeas de 3 a 4
meses de idade, acompanhada da
marcação com um V seguido do
último número do ano de
nascimento, no lado esquerdo da
cara.
• Carbúnculo sintomático
Quando se utiliza a vacina
polivalente, a aplicação é feita no
pré-parto, ao nascimento, à
desmama e aos 12 meses de
idade.
MANEJO NUTRICIONAL
Frequência ou
sistema de pastejo
Definição Indicação Investimento
Produção
Por
Animal
Por
Hectare
Continuo
O gado fica mais de
30 dias numa mesma
pastagem
Sistemas
extensivos
(pastagens de
baixa produtividade
ou nativas, baixa
lotação animal)
baixo (em
cercas)
Média /alta Média / baixa
Rotativo menos
intensivo
Pastagens com no
máximo quatro sub-
divisões.
O gado fica numa sub-
divisão por 7 a 30 dias,
enquanto as outras
descansam
Sistemas menos
intensivos (pastagem
recém e bem fornada,
média lotação animal).
Médio (em cercas) Média Média
Rotativo mais
intensivo
Pastagens com mais de
quatro sub-divisões.
O gado fica numa sub-
divisão por 1 a 7 dias,
enquanto as outras
descansam
Sistemas intensivos
(pastagem de alta
produção e qualidade,
solos adubados, alta
lotação animal).
Alto (em cercas e
adubos)
Média /baixa Média /alta
Forrageiras mais utilizadas em pastagens no Brasil
BRACHIARIA BRZANTHA - BRACHIARÃO
COLONIÃO
CAPIM ELEFANTE
BRACHIARIA DECUMBENS
CAPIM ELEFANTE
MANEJO REPRODUTIVO
O manejo reprodutivo é o arranjo de um conjunto de práticas
relacionadas com a reprodução animal,que visam aperfeiçoar a
eficiência reprodutiva de um rebanho
Alguns procedimentos
• O primeiro passo é desmamar animais saudáveis e
precoces, bezerros bem desmamados mostram a
capacidade da mãe em criá-los
• Após o desmame, vem a puberdade, fase em que o sistema
reprodutor se encontra em
formação,culminando como surgimento do primeiro cio,
• Depois,após puberdade,vem a primeira monta ou
inseminação, culminando com a primeira gestação da
fêmea.
• Essa fase que a fêmea pari pela primeira vez, e a idade da
primeira cria, depende de tudo o que aconteceu nas fases
de aleitamento, desmama e puberdade.
TIPO DE MANEJO REPRODUTIVO
A monta controlada
Vantagens da monta controlada:
• Facilita a anotação do dia de cobertura.
• Aumenta a vida útil do touro.
• Diminui a possibilidade de acidente com o touro.
• Possibilita o controle de reprodução, com a programação das
coberturas e parições, e identificação de problemas reprodutivos.
• Possibilita melhor aproveitamento do touro que serve
aproximadamente 100 vacas por ano.
A monta natural
(FONTE: Agência de Informação Embrapa)
Inseminação Artificial
• Dentre suas vantagens,
destacam-se a padronização
do rebanho, o controle de
doenças sexualmente
transmissíveis, a
organização do trabalho na
fazenda, a diminuição do
custo de reposição de
touros, etc.
• o uso de sêmen de touros
mesmo após a sua morte
Inseminação Artificial
Inseminação artificial no mundo
• Um levantamento da FAO, em 135
países em desenvolvimento,
revelou que entre 1980 e 1990 o
número de inseminações
aumentou globalmente em 131 %,
com grande diferença entre
regiões:
• −5 % na África,
• +11 % na América Latina,
• +85 % na Ásia ,
• +203 % no Oriente Médio.
A inseminação artificial no Brasil
• Atualmente, o Brasil produz cerca
de 61,8 % de todo o sêmen
oficialmente utilizado e o restante
depende de importação, segundo
dados da ASBIA (2007).
• Segundo a ASBIA (2007), em 2007
houve comercialização do total
de 7.496.324 doses de sêmen,
nacional e importado, tanto de
bovinos de leite como de bovinos
de corte.
MERCADO NACIONAL
E INTERNACIONAL
Pelas projeções da Organização das Nações Unidas para Agricultura e
Alimentação (FAO), em 2012 a produção das três principais carnes
(bovina, suína e avícola) teve expansão maior que a registrada de 2010
para 2011 (apenas 0,9%).
Produção Mundial
Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA)
A produção brasileira de carne bovina cresceu 64,75% nos últimos 20 anos,
passando de 5,481 milhões de toneladas em 1991 para 9,03 milhões de
toneladas em 2011.
PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM MILHÕES DE TONELADAS
01 12,048 milhões de toneladas
02 9,03 milhões de toneladas
03 8,05 milhões de toneladas
Produção Mundial
 A produção dos Estados Unidos em 2011
representou 21,2% da produção mundial total.
 A produção brasileira em 2011 representou 15,9% do
total mundial.
 A produção de carne bovina da União Européia (UE),
representou 14,2% do total mundial em 2011.
 China (9,8% do total mundial),
 Índia (5,4% do total mundial),
 Argentina (4,4% do total mundial)
 Austrália (3,8% do total mundial).
FONTE (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos –USDA 2011)
Exportações
Reprodução: Rural Centro
Importações
 O maior importador de carne bovina em 2011 foi a
Rússia, com 1,05 milhão de toneladas
 Os Estados Unidos foram o segundo maior
importador de carne bovina com 911 mil toneladas
importadas (13,3% do total).
 Japão, com 725 mil toneladas
 Coréia do Sul, com 410 mil toneladas importadas
 UE, com 370 mil toneladas importadas .
Projeções para o Brasil
 Segundo a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado
de São Paulo) a produção brasileira de carne bovina
deverá alcançar 11,996 milhões de toneladas em 2020,
com aumento de 16,5% em relação a 2012.
 Nos próximos 10 anos é esperado um crescimento de
87,3%, nas exportações.
 A presença brasileira no cenário mundial vai aumentar,
de 38,6% para 43,2%.
 O rebanho bovino deve somar 227 milhões de
cabeças em 2020.
Pecuária de corte no Tocantins
 Atualmente, com um rebanho de 7,5 milhões de animais,
distribuídos em todas as regiões do estado. Até 2011, as
projeções apontam um crescimento para 12 milhões de
bovinos.
 Desde 1997, o Tocantins é reconhecido internacionalmente
como área livre de febre aftosa com vacinação, superando
a marca dos 99% do rebanho imunizado a cada campanha.
 A carne e os derivados do boi tocantinense chegam a todas
as regiões brasileiras e são exportados a mais de 20 países,
especialmente à Europa e à Ásia.
 Em 2007, as exportações do estado somaram 32 milhões
de dólares e ultrapassaram 17 mil toneladas.
Fonte : Governo do Estado do Tocantins

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
Amanda Souza
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
Killer Max
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animal
mvezzone
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
gepaunipampa
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
jessica zambonato
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
Natália A Koritiaki
 
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Hugomar Elicker
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Marília Gomes
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
UFSC
 
Sistemas de criação e raças de aves
Sistemas de criação e raças de avesSistemas de criação e raças de aves
Sistemas de criação e raças de aves
Marília Gomes
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Glaucia Moraes
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Lucas Camilo
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
Felisberto Fmuandissa
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Universidade de São Paulo
 
Gado corte
Gado corteGado corte
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
Larissa Lobo
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
Rogger Wins
 

Mais procurados (20)

Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animal
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
 
Sistemas de criação e raças de aves
Sistemas de criação e raças de avesSistemas de criação e raças de aves
Sistemas de criação e raças de aves
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 
Gado corte
Gado corteGado corte
Gado corte
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 

Semelhante a Bovinocultura de Corte

Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
David Quintino
 
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdfCCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
Ruben Alejandro Ovelar Centurión
 
AULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptx
AULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptxAULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptx
AULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptx
CarlosAllanPereirado
 
aula 1 capriovinos importancia social e econômica dos caprinos e ovinos.pptx
aula 1 capriovinos importancia social e econômica dos caprinos e ovinos.pptxaula 1 capriovinos importancia social e econômica dos caprinos e ovinos.pptx
aula 1 capriovinos importancia social e econômica dos caprinos e ovinos.pptx
HELIDAFERNANDESLEAO
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
Carls Tavares
 
13 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-201113 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-2011
Cutrim Junior
 
ENGORDÃO AZ
ENGORDÃO AZENGORDÃO AZ
ENGORDÃO AZ
Cláudio Tuamm
 
Apostila - Caprinos e Ovinos.pdf
Apostila - Caprinos e Ovinos.pdfApostila - Caprinos e Ovinos.pdf
Apostila - Caprinos e Ovinos.pdf
Deborah689757
 
Diário Oficial - Búfalos
Diário Oficial - BúfalosDiário Oficial - Búfalos
Diário Oficial - Búfalos
Agricultura Sao Paulo
 
Cabras
CabrasCabras
Cabras
Frama Maria
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinos
Lenildo Araujo
 
bovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.pptbovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.ppt
JulioGarcia972475
 
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxManejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
GabrielMirandaMacamb
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Pbsmal
 
Pequenos Ruminantes-1.pptx
Pequenos Ruminantes-1.pptxPequenos Ruminantes-1.pptx
Pequenos Ruminantes-1.pptx
GernimoDaElizabethNi
 
Projeto leite é bom demais da conta, sô!
Projeto leite é bom demais da conta, sô!Projeto leite é bom demais da conta, sô!
Projeto leite é bom demais da conta, sô!
Liliam Da Paixão
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdfAULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
MedicinaVETERINRIA11
 
Importancia da raca Boer no Melhoramento Genetico da Caprinocultura de Corte ...
Importancia da raca Boer no Melhoramento Genetico da Caprinocultura de Corte ...Importancia da raca Boer no Melhoramento Genetico da Caprinocultura de Corte ...
Importancia da raca Boer no Melhoramento Genetico da Caprinocultura de Corte ...
Natália Borges
 
Coelhos bioclimatologia
Coelhos bioclimatologiaCoelhos bioclimatologia
Coelhos bioclimatologia
Evelyn Golin
 

Semelhante a Bovinocultura de Corte (20)

Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
 
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdfCCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
 
AULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptx
AULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptxAULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptx
AULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptx
 
aula 1 capriovinos importancia social e econômica dos caprinos e ovinos.pptx
aula 1 capriovinos importancia social e econômica dos caprinos e ovinos.pptxaula 1 capriovinos importancia social e econômica dos caprinos e ovinos.pptx
aula 1 capriovinos importancia social e econômica dos caprinos e ovinos.pptx
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
 
13 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-201113 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-2011
 
ENGORDÃO AZ
ENGORDÃO AZENGORDÃO AZ
ENGORDÃO AZ
 
Apostila - Caprinos e Ovinos.pdf
Apostila - Caprinos e Ovinos.pdfApostila - Caprinos e Ovinos.pdf
Apostila - Caprinos e Ovinos.pdf
 
Diário Oficial - Búfalos
Diário Oficial - BúfalosDiário Oficial - Búfalos
Diário Oficial - Búfalos
 
Cabras
CabrasCabras
Cabras
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinos
 
bovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.pptbovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.ppt
 
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxManejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
 
Pequenos Ruminantes-1.pptx
Pequenos Ruminantes-1.pptxPequenos Ruminantes-1.pptx
Pequenos Ruminantes-1.pptx
 
Projeto leite é bom demais da conta, sô!
Projeto leite é bom demais da conta, sô!Projeto leite é bom demais da conta, sô!
Projeto leite é bom demais da conta, sô!
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdfAULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
 
Importancia da raca Boer no Melhoramento Genetico da Caprinocultura de Corte ...
Importancia da raca Boer no Melhoramento Genetico da Caprinocultura de Corte ...Importancia da raca Boer no Melhoramento Genetico da Caprinocultura de Corte ...
Importancia da raca Boer no Melhoramento Genetico da Caprinocultura de Corte ...
 
Coelhos bioclimatologia
Coelhos bioclimatologiaCoelhos bioclimatologia
Coelhos bioclimatologia
 

Mais de Carlos Robério Maia Bandeira

Proteção de máquinas e equipamentos e noções de
Proteção de máquinas e equipamentos e noções deProteção de máquinas e equipamentos e noções de
Proteção de máquinas e equipamentos e noções de
Carlos Robério Maia Bandeira
 
Gestão de pessoas
Gestão de pessoasGestão de pessoas
Gestão de pessoas
Carlos Robério Maia Bandeira
 
Algodão
AlgodãoAlgodão
Carta da terra
Carta da terraCarta da terra
Associação de pais e mestres apm.2
Associação de pais e mestres   apm.2Associação de pais e mestres   apm.2
Associação de pais e mestres apm.2
Carlos Robério Maia Bandeira
 
Pronto
ProntoPronto
Análise swot
Análise swotAnálise swot
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Pegada Hidrica
Pegada HidricaPegada Hidrica
Remuneração
RemuneraçãoRemuneração
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Suco de laranja
Suco de laranja Suco de laranja
Papel e Celulose
Papel e CelulosePapel e Celulose

Mais de Carlos Robério Maia Bandeira (13)

Proteção de máquinas e equipamentos e noções de
Proteção de máquinas e equipamentos e noções deProteção de máquinas e equipamentos e noções de
Proteção de máquinas e equipamentos e noções de
 
Gestão de pessoas
Gestão de pessoasGestão de pessoas
Gestão de pessoas
 
Algodão
AlgodãoAlgodão
Algodão
 
Carta da terra
Carta da terraCarta da terra
Carta da terra
 
Associação de pais e mestres apm.2
Associação de pais e mestres   apm.2Associação de pais e mestres   apm.2
Associação de pais e mestres apm.2
 
Pronto
ProntoPronto
Pronto
 
Análise swot
Análise swotAnálise swot
Análise swot
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Pegada Hidrica
Pegada HidricaPegada Hidrica
Pegada Hidrica
 
Remuneração
RemuneraçãoRemuneração
Remuneração
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Suco de laranja
Suco de laranja Suco de laranja
Suco de laranja
 
Papel e Celulose
Papel e CelulosePapel e Celulose
Papel e Celulose
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 

Bovinocultura de Corte

  • 1. BOVINO DE CORTE Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Tocantins Campus Palmas
  • 2. NELORE Originário da Índia, apresentam estado geral sadio e vigoroso. A raça Nelore é essencialmente produtora de carne. A masculinidade e a feminilidade são acentuadas.O temperamento é ativo e dócil. Gado Nelore (Foto: Embrapa)
  • 3. Características da raça  Apresentam pelagem branca ou cinza-clara  O Nelore se adaptou muito bem às condições tropicais brasileiras, por possuir excelente capacidade de aproveitar alimentos grosseiros.  Apresenta resistência natural a parasitas, devido às características de seus pêlos, que impedem ou dificultam a penetração de pequenos insetos.  O Nelore é muito resistente ao calor devido à sua superfície corporal possuir maior número de glândulas sudoríparas.  As fêmeas tem excelente habilidade materna, oferecendo condições de desenvolvimento aos bezerros até o desmame
  • 4. Fonte:Associação Brasileira de Inseminação Artificial ASBIA, 2012
  • 5. TABAPUÃ A raça Tabapuã originou-se no Brasil, no estado de São Paulo, do cruzamento de um bezerro Zebu-Mocho, filho de uma vaca Nelore com animais Nelore, Gir e Guzerá. Atualmente, esta raça é criada em outros estados brasileiros, além de São Paulo, como: Bahia, Minas Gerais, Goiás, Rio de Janeiro e Mato Grosso.
  • 6. Características da raça  Os animais desta raça são de grande porte.  Sua pelagem é de coloração branca ou cinza, com variações de tonalidade;  os pêlos são fino, curtos e sedosos;  a pele é preta, fina, oleosa e flexível.  Existe várias qualidades para esses animais, tais como a docilidade, fertilidade, precocidade reprodutiva, boa conformação frigorífica e uma excelente habilidade materna, ou seja, vacas precoces, e férteis.
  • 7. BRAHMAN Nos Estados Unidos, o gado de origem indiana recebe o nome de Brahman. Surgiu do cruzamento das raças Nelore, Guzerá, Gir, Valley e Sindi. A despreocupação do criador americano em relação à raça, visando uma melhor seleção econômica, levou o gado Brahman a ser uma mescla de raças indianas altamente produtiva; hoje encontram-se rebanhos que cobrem extensas áreas do sul dos EUA
  • 8. Características da raça  O Brahman atual é mais baixo, mais compacto, apresentando um corpo mais profundo e musculoso.  Possui uma pelagem que pode ser toda branca, ou com tonalidade cinza em algumas regiões do corpo;  Os pêlos são curtos, grossos e sedosos, refletindo os raios solares; a pele é solta e de coloração escura, aumentando sua resistência ao calor.  No frio, este gado possui a capacidade de contrair a pele, aumentando deste modo, sua espessura e a densidade dos pêlos.
  • 9. MANEJO SANITÁRIO • é um conjunto de medidas cuja finalidade é proporcionar aos animais ótimas condições de saúde. • Os componentes do manejo sanitário buscam evitar, eliminar ou reduzir ao máximo a incidência de doenças no rebanho, para um aumento da produção e produtividade
  • 10. Os principais manejos a serem seguidos nas propriedades irão depender da fase que cada animal. Fase de Cria Fase de recria Fase de Lactação Vacas secas
  • 11. Principais doenças • Febre aftosa :É uma vacina de caráter obrigatório e feita em todo rebanho, independentemente de idade • Brucelose: . A vacina é aplicada somente em fêmeas de 3 a 4 meses de idade, acompanhada da marcação com um V seguido do último número do ano de nascimento, no lado esquerdo da cara. • Carbúnculo sintomático Quando se utiliza a vacina polivalente, a aplicação é feita no pré-parto, ao nascimento, à desmama e aos 12 meses de idade.
  • 13. Frequência ou sistema de pastejo Definição Indicação Investimento Produção Por Animal Por Hectare Continuo O gado fica mais de 30 dias numa mesma pastagem Sistemas extensivos (pastagens de baixa produtividade ou nativas, baixa lotação animal) baixo (em cercas) Média /alta Média / baixa Rotativo menos intensivo Pastagens com no máximo quatro sub- divisões. O gado fica numa sub- divisão por 7 a 30 dias, enquanto as outras descansam Sistemas menos intensivos (pastagem recém e bem fornada, média lotação animal). Médio (em cercas) Média Média Rotativo mais intensivo Pastagens com mais de quatro sub-divisões. O gado fica numa sub- divisão por 1 a 7 dias, enquanto as outras descansam Sistemas intensivos (pastagem de alta produção e qualidade, solos adubados, alta lotação animal). Alto (em cercas e adubos) Média /baixa Média /alta
  • 14. Forrageiras mais utilizadas em pastagens no Brasil BRACHIARIA BRZANTHA - BRACHIARÃO COLONIÃO CAPIM ELEFANTE BRACHIARIA DECUMBENS CAPIM ELEFANTE
  • 15.
  • 16. MANEJO REPRODUTIVO O manejo reprodutivo é o arranjo de um conjunto de práticas relacionadas com a reprodução animal,que visam aperfeiçoar a eficiência reprodutiva de um rebanho
  • 17. Alguns procedimentos • O primeiro passo é desmamar animais saudáveis e precoces, bezerros bem desmamados mostram a capacidade da mãe em criá-los • Após o desmame, vem a puberdade, fase em que o sistema reprodutor se encontra em formação,culminando como surgimento do primeiro cio, • Depois,após puberdade,vem a primeira monta ou inseminação, culminando com a primeira gestação da fêmea. • Essa fase que a fêmea pari pela primeira vez, e a idade da primeira cria, depende de tudo o que aconteceu nas fases de aleitamento, desmama e puberdade.
  • 18. TIPO DE MANEJO REPRODUTIVO A monta controlada Vantagens da monta controlada: • Facilita a anotação do dia de cobertura. • Aumenta a vida útil do touro. • Diminui a possibilidade de acidente com o touro. • Possibilita o controle de reprodução, com a programação das coberturas e parições, e identificação de problemas reprodutivos. • Possibilita melhor aproveitamento do touro que serve aproximadamente 100 vacas por ano. A monta natural (FONTE: Agência de Informação Embrapa)
  • 19. Inseminação Artificial • Dentre suas vantagens, destacam-se a padronização do rebanho, o controle de doenças sexualmente transmissíveis, a organização do trabalho na fazenda, a diminuição do custo de reposição de touros, etc. • o uso de sêmen de touros mesmo após a sua morte
  • 20. Inseminação Artificial Inseminação artificial no mundo • Um levantamento da FAO, em 135 países em desenvolvimento, revelou que entre 1980 e 1990 o número de inseminações aumentou globalmente em 131 %, com grande diferença entre regiões: • −5 % na África, • +11 % na América Latina, • +85 % na Ásia , • +203 % no Oriente Médio. A inseminação artificial no Brasil • Atualmente, o Brasil produz cerca de 61,8 % de todo o sêmen oficialmente utilizado e o restante depende de importação, segundo dados da ASBIA (2007). • Segundo a ASBIA (2007), em 2007 houve comercialização do total de 7.496.324 doses de sêmen, nacional e importado, tanto de bovinos de leite como de bovinos de corte.
  • 21. MERCADO NACIONAL E INTERNACIONAL Pelas projeções da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), em 2012 a produção das três principais carnes (bovina, suína e avícola) teve expansão maior que a registrada de 2010 para 2011 (apenas 0,9%).
  • 22. Produção Mundial Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) A produção brasileira de carne bovina cresceu 64,75% nos últimos 20 anos, passando de 5,481 milhões de toneladas em 1991 para 9,03 milhões de toneladas em 2011. PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM MILHÕES DE TONELADAS 01 12,048 milhões de toneladas 02 9,03 milhões de toneladas 03 8,05 milhões de toneladas
  • 23. Produção Mundial  A produção dos Estados Unidos em 2011 representou 21,2% da produção mundial total.  A produção brasileira em 2011 representou 15,9% do total mundial.  A produção de carne bovina da União Européia (UE), representou 14,2% do total mundial em 2011.  China (9,8% do total mundial),  Índia (5,4% do total mundial),  Argentina (4,4% do total mundial)  Austrália (3,8% do total mundial). FONTE (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos –USDA 2011)
  • 25. Importações  O maior importador de carne bovina em 2011 foi a Rússia, com 1,05 milhão de toneladas  Os Estados Unidos foram o segundo maior importador de carne bovina com 911 mil toneladas importadas (13,3% do total).  Japão, com 725 mil toneladas  Coréia do Sul, com 410 mil toneladas importadas  UE, com 370 mil toneladas importadas .
  • 26. Projeções para o Brasil  Segundo a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) a produção brasileira de carne bovina deverá alcançar 11,996 milhões de toneladas em 2020, com aumento de 16,5% em relação a 2012.  Nos próximos 10 anos é esperado um crescimento de 87,3%, nas exportações.  A presença brasileira no cenário mundial vai aumentar, de 38,6% para 43,2%.  O rebanho bovino deve somar 227 milhões de cabeças em 2020.
  • 27. Pecuária de corte no Tocantins  Atualmente, com um rebanho de 7,5 milhões de animais, distribuídos em todas as regiões do estado. Até 2011, as projeções apontam um crescimento para 12 milhões de bovinos.  Desde 1997, o Tocantins é reconhecido internacionalmente como área livre de febre aftosa com vacinação, superando a marca dos 99% do rebanho imunizado a cada campanha.  A carne e os derivados do boi tocantinense chegam a todas as regiões brasileiras e são exportados a mais de 20 países, especialmente à Europa e à Ásia.  Em 2007, as exportações do estado somaram 32 milhões de dólares e ultrapassaram 17 mil toneladas. Fonte : Governo do Estado do Tocantins