SlideShare uma empresa Scribd logo
Formadores
Diferença entre os três conceitos
• a educação formal é aquela
desenvolvida nas escolas, com
conteúdos previamente preconizados
ou demarcados
• a educação informal como aquela que
os indivíduos aprendem durante seu
processo de socialização na família,
bairro, clube, amigos etc., carregada
de valores e culturas próprias,
• a educação não-formal é aquela que se
aprende “no mundo da vida”, via os
processos de compartilhamento de
experiências, principalmente em
espaços e ações coletivos cotidianas.
• Quem é o educador em cada campo de
educação que estamos tratando? Em
cada campo, quem educa é o agente do
processo de construção do saber?”
Quem é o educador?
• Na educação formal sabemos que são os
professores.
• Na não-formal, o grande educador é o “outro”,
aquele com quem interagimos ou nos
integramos.
• Na educação informal, os agentes educadores
são os pais, a família em geral, os amigos, os
vizinhos, colegas de escola, a igreja paroquial,
os meios de comunicação de massa, etc.
“Onde se educa?
Qual é o espaço físico territorial onde
transcorrem os actos e os
processos educativos?”
• Na educação formal estes espaços
são:
– Os território das escolas,
– as instituições regulamentadas por
lei,
– Instituições certificadoras,
organizadas segundo diretrizes
nacionais.
• Na educação não-formal, os espaços
educativos localizam-se em territórios
que acompanham
• as trajetórias de vida dos indivíduos,
fora das escolas, em locais informais,
• locais onde há processos interativos
intencionais
• Já a educação informal tem seus espaços
educativos demarcados por
– Referências de nacionalidade, localidade,
idade, sexo, religião, etnia etc.
– A casa onde se mora, a rua, o bairro, o
condomínio, o clube que se frequenta, a
igreja ou
– o local de culto a que se vincula sua crença
religiosa,
– o local onde se nasceu, etc.
• “Como se educa?
• Em que situação, em
qual contexto?”
• A educação formal pressupõe ambientes
normativos, com regras e padrões
comportamentais definidos previamente.
• A não-formal ocorre em ambientes e
situações interativos construídos
coletivamente, segundo directrizes de
dados grupos,
• usualmente a participação dos indivíduos
é optativa, mas ela também poderá
ocorrer por forças de certas
circunstâncias da vivência histórica de
cada um.
• Há na educação não-formal uma
intencionalidade na ação, no ato de
participar, de aprender e de transmitir
ou trocar saberes.
• A informal opera em ambientes
espontâneos, onde as relações sociais
se desenvolvem segundo gostos,
preferências, ou herdados.
• “Qual a finalidade ou objetivos de
cada um dos campos de educação
discutidas?”
• Na educação formal, entre outros
objetivos destacam-se os relativos
• ao ensino e aprendizagem de conteúdos
historicamente sistematizados,
normativos por leis,
• dentre os quais destacam-se o de formar
o indivíduo como um cidadão ativo,
desenvolver habilidades e competências
variadas, desenvolver a criatividade,
percepção, motricidade etc.
• A educação informal socializa os
indivíduos,
– desenvolve hábitos, atitudes,
comportamentos, modos de pensar e de
se expressar no uso da linguagem,
– segundo valores e crenças de grupos que
frequentam ou que pertencem por
herança, desde o nascimento
– Trata-se do processo de socialização dos
indivíduos
• A educação não- formal capacita os
indivíduos a se tornarem cidadãos do
mundo, no mundo.
• Sua finalidade é abrir janelas de
conhecimento sobre o mundo que
circunda os indivíduos e suas relações
sociais.
• Seus objectivos não são dados a priori,
eles se constroem no processo interativo,
gerando um processo educativo
ENF:
• Um modo de educar surge como resultado do
processo voltado para os interesses e as
necessidades dos que dele participa.
• A construção de relações sociais baseadas em
princípios de igualdade e justiça social, quando
presentes num dado grupo social, fortalece o
exercício da cidadania.
• A transmissão de informação e formação
política e sociocultural é uma meta na educação
não formal.
• Ela prepara os cidadãos, educa o ser humano
para a civilidade, em oposição à barbaridade, ao
egoísmo, individualismo etc.
• “Quais são os principais atributos
de cada uma das modalidades
educativas que estamos
diferenciando?”
• A educação formal requer tempo, local
específico, pessoal especializado,
organização (inclusive a curricular),
• sistematização sequencial das
atividades, disciplina, regulamentos e
leis, órgãos superiores
• Ela tem caráter metódico e usualmente,
divide-se por idade/classe de
conhecimento.
A educação informal
– não é organizada, os conhecimentos não
são sistematizados e são repassados a
partir das práticas e experiência anteriores,
– Usualmente o passado orientando o
presente.
– Ela atua no campo das emoções e
sentimentos.
– É um processo permanente e não
organizado
• A educação não-formal tem outros
atributos:
– ela não é, organizada por séries/
idade/conteúdos; actua sobre aspectos
subjetivos do grupo;
– Trabalha e forma a cultura política de
um grupo.
– Desenvolve laços de pertencimento.
– Ajuda na construção da identidade
colectiva do grupo (este é um dos
grandes destaques da educação não-
formal na atualidade);
• ela pode colaborar para o
desenvolvimento da auto-estima
• Fundamenta-se no critério da
solidariedade e identificação de
interesses comuns e
• é parte do processo de construção da
cidadania coletiva e pública.
• “Quais são os resultados esperados em
cada campo assinalado?”
• Na educação formal espera-se, sobretudo que
haja uma aprendizagem efectiva (que,
infelizmente nem sempre ocorre), além da
certificação e titulação que capacitam os
indivíduos a seguir para graus mais
avançados.
• Na educação informal os resultados não são
esperados, eles simplesmente acontecem a
partir do desenvolvimento do senso comum
nos indivíduos,
• senso este que orienta suas formas de pensar
e agir espontaneamente.
• A educação não- formal poderá desenvolver,
como resultados, uma série de processos tais
como:
• consciência e organização de como agir em
grupos coletivos;
• A construção e reconstrução de concepções de
mundo e sobre o mundo;
• contribuição para um sentimento de identidade
com uma dada comunidade;
• forma o indivíduo para a vida e suas
adversidades (e não apenas capacita-o para
entrar no mercado de trabalho);
• quando presente em programas com crianças ou
jovens adolescentes a educação não-formal
resgata o sentimento de valorização de si próprio
(o que a mídia denomina, simplificadamente,
como auto-estima); ou
• seja dá condições aos indivíduos para
desenvolverem sentimentos de auto-valorização,
de rejeição dos preconceitos que lhes são
dirigidos,
• o desejo de lutarem para ser reconhecidos como
iguais (enquanto seres humanos), dentro de suas
diferenças (raciais, étnicas, religiosas, culturais,
etc.);
• os indivíduos adquirem conhecimento de sua
própria prática, os indivíduos aprendem a ler e
interpretar o mundo que os cerca.
• Algumas características da educação não-formal:
– metas,
– lacunas e
– Metodologias
Metas:
• Aprende-se a conviver com demais e socializa-se
o respeito mútuo;
• Adaptação do grupo a diferentes culturas,
reconhecimento dos indivíduos e do papel de
outros,
• Construção da identidade colectiva de um grupo;
delineamento de regras éticas relativas às
condutas aceitáveis socialmente.
O que falta na educação não-formal ou Lacunas :
• Formação específica a educadores a partir da
definição de seu papel e das atividades a
realizar;
• Definição mais clara de funções e objetivos da
educação não formal;
• Sistematização das metodologias utilizadas no
trabalho cotidiano;
• Construção de metodologias que possibilitem o
acompanhamento do trabalho que vem sendo
realizado;
• Construção de instrumentos metodológicos de
avaliação e análise do trabalho realizado;
• Construção de instrumentos metodológicos de
avaliação e análise do trabalho realizado;
• Construção de metodologias que possibilitem o
acompanhamento do trabalho de grossos que
participou do programas de educação não
formal;
• Criação de metodologias e indicadores para
estudo e análise de trabalhos da Educação não
formal em campos não sistematizados.
• Aprendizagem gerado por actos de vontade do
receptor tais como a aprendizagem via Internet,
para aprender música, tocar um instrumento etc.;
• Mapeamento das formas de educação não formal na
auto aprendizagem dos cidadãos (principalmente
jovens).
Metodologia
• A questão da metodologia merece um destaque
porque é um dos pontos mais fracos na educação
não-formal;
• as metodologias operadas no processo de
aprendizagem parte da cultura dos indivíduos.
• O método nasce a partir de problematização da
vida cotidiana;
• os conteúdos emergem a partir dos temas que
se colocam como
– necessidades,
– carências,
– desafios,
– obstáculos ou
– ações empreendedoras a serem realizadas;
• na educação formal as metodologias são,
usualmente planificada previamente segundo
conteúdos prescritos nas leis.
• As metodologias de desenvolvimento do
processo ensino/aprendizagem são compostas
por um leque grande de modalidades, temas e
problemas.
• 0s conteúdos não são dados a priori, são
construídos no processo.
• O método passa pela sistematização dos modos
de agir e de pensar sobre o mundo que circunda
as pessoas.
• Supõe a existência da motivação das pessoas
que participam.
• Ela não se subordina às estruturas
burocráticas é dinâmica e Visa à formação
integral dos indivíduos.
• Qualquer que seja o caminho metodológico
construído ou reconstruído,
• é de suma importância para o papel dos
agentes mediadores no processo:
• A educação informal tem como método
básico a vivência e a reprodução do
conhecimento, da experiência segundo os
modos e as formas como foram apreendidas
e codificadas.
• os objetivos da educação não-formal são:
– Educação para cidadania;
– Educação para justiça social;
– Educação para direitos (humanos,
– sociais, políticos, culturais, etc.);
– Educação para liberdade;
– Educação para igualdade;
– Educação para democracia;
– Educação contra discriminação;
– Educação pelo exercício da cultura, e
para a manifestação das diferenças
culturais.
Tipico da E-não-formal, é:
• Lutas pelo acesso; Aumento de vagas; Escola
pública com qualidade;
• Gestão democrática da escola; Escola com
projectos pedagógicos que respeitem as
culturas locais;
• Valor das mensalidades das escolas
particulares; Realização de experiências
alternativas;
• Luta no processo de implantação de novos
modelos, experiências ou reformas
educacionais, envolvendo organização,
Tipico da E-não-formal, é:
• trajetória das experiências, acompanhamento,
construção de cultura política, redefinição do
conceito de participação
• Luta dos professores e outros profissionais da
educação por condições salariais e de
trabalho;
• Lutas dos estudantes por vagas, condições,
mensalidades, refeitórios, moradia, contra
discriminações, etc
Conclusões e desafios
• Articular a educação, em seu sentido mais
amplo, com os processos de formação dos
indivíduos como cidadãos, ou articular a
escola com a comunidade educativa
• Concluímos este texto com uma proposta de
caráter sociopolítico: a de transformar as
escolas em centro de referências
Desafios:
• Precisamos de uma nova educação que
forme o cidadão para atuar nos dias de hoje,
e transforme culturas políticas arcaicas, em
culturas políticas transformadoras e
emancipatórias.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
Joao Balbi
 
Zabala
ZabalaZabala
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
mtolentino1507
 
Educação formal e não formal
Educação formal e não formalEducação formal e não formal
Educação formal e não formal
Ana Vilalva
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
Roshelly Milanez
 
Didática relação professor /aluno
Didática relação professor /alunoDidática relação professor /aluno
Didática relação professor /aluno
taniaamorim23
 
Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar
Zabala, antonio   a pratica educativa, como ensinarZabala, antonio   a pratica educativa, como ensinar
Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar
marcaocampos
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Silvia Marina Anaruma
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
ADSONTORREZANE
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Gestão da sala de aula
Gestão da sala de aulaGestão da sala de aula
Gestão da sala de aula
Raquel Pereira
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
LD35
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
Renato De Souza Abelha
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
Maria da C.A.Versiani
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
Profissão Professor
 
Aprendizagem
AprendizagemAprendizagem
Aprendizagem
Vania Cardoso
 
METODOLOGIAS ATIVAS (1).pptx
METODOLOGIAS ATIVAS (1).pptxMETODOLOGIAS ATIVAS (1).pptx
METODOLOGIAS ATIVAS (1).pptx
patricia220724
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Ralf Siebiger
 

Mais procurados (20)

03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
 
Educação formal e não formal
Educação formal e não formalEducação formal e não formal
Educação formal e não formal
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Didática relação professor /aluno
Didática relação professor /alunoDidática relação professor /aluno
Didática relação professor /aluno
 
Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar
Zabala, antonio   a pratica educativa, como ensinarZabala, antonio   a pratica educativa, como ensinar
Zabala, antonio a pratica educativa, como ensinar
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
 
Gestão da sala de aula
Gestão da sala de aulaGestão da sala de aula
Gestão da sala de aula
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 
Aprendizagem
AprendizagemAprendizagem
Aprendizagem
 
METODOLOGIAS ATIVAS (1).pptx
METODOLOGIAS ATIVAS (1).pptxMETODOLOGIAS ATIVAS (1).pptx
METODOLOGIAS ATIVAS (1).pptx
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
 

Semelhante a Formadores

O pedagogo e a educação não-formal
O pedagogo e a educação não-formalO pedagogo e a educação não-formal
O pedagogo e a educação não-formal
profamiriamnavarro
 
Planificação de Atividades Educativas com crianças e jovens.pptx
Planificação de Atividades Educativas com crianças e jovens.pptxPlanificação de Atividades Educativas com crianças e jovens.pptx
Planificação de Atividades Educativas com crianças e jovens.pptx
CatarinaVale11
 
Aula 05 de setembro de 2012
Aula 05 de setembro de 2012Aula 05 de setembro de 2012
Aula 05 de setembro de 2012
Claudia Araújo
 
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
Kadu Lannes
 
Cidadania, inclusão e ética na educação de jovens e adultos
Cidadania, inclusão e ética na educação de jovens e adultosCidadania, inclusão e ética na educação de jovens e adultos
Cidadania, inclusão e ética na educação de jovens e adultos
Silvânio Barcelos
 
Sociologia generico
Sociologia genericoSociologia generico
Sociologia generico
Pedro Oliveira
 
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Jeca Tatu
 
Seminário para a disciplina de educação e movimentos
Seminário para a disciplina de educação e movimentosSeminário para a disciplina de educação e movimentos
Seminário para a disciplina de educação e movimentos
Gabi Senzafine
 
eixos-temc3a1ticos.ppt
eixos-temc3a1ticos.ppteixos-temc3a1ticos.ppt
eixos-temc3a1ticos.ppt
LeandroCarvalho394059
 
Workshop Think 2010 - Aprendizagem informal e Web Social
Workshop Think 2010  - Aprendizagem informal e Web SocialWorkshop Think 2010  - Aprendizagem informal e Web Social
Workshop Think 2010 - Aprendizagem informal e Web Social
Carlos Santos
 
09 marina senne moral e autonomia
09 marina senne moral e autonomia09 marina senne moral e autonomia
09 marina senne moral e autonomia
Instituto Sathya Sai de Educação do Brasil
 
Artigo valores na escola
Artigo valores na escolaArtigo valores na escola
Artigo valores na escola
Luis Carlos Almeida
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
tati mariano
 
Vídeo aula 4
Vídeo aula 4Vídeo aula 4
Vídeo aula 4
giovannimusetti
 
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocpropostaIzabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Secretaria Municipal de Educação de Dona Inês/PB
 
livro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdflivro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdf
JaneNi5
 
durkheim
durkheimdurkheim
Reflexões introdutórias sobre educação
Reflexões introdutórias sobre educaçãoReflexões introdutórias sobre educação
Reflexões introdutórias sobre educação
ThaisSalema
 
Reflexoes sobre curriculo e identidade
Reflexoes sobre curriculo e identidadeReflexoes sobre curriculo e identidade
Reflexoes sobre curriculo e identidade
Elisa Maria Gomide
 
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Thiago Manfredi
 

Semelhante a Formadores (20)

O pedagogo e a educação não-formal
O pedagogo e a educação não-formalO pedagogo e a educação não-formal
O pedagogo e a educação não-formal
 
Planificação de Atividades Educativas com crianças e jovens.pptx
Planificação de Atividades Educativas com crianças e jovens.pptxPlanificação de Atividades Educativas com crianças e jovens.pptx
Planificação de Atividades Educativas com crianças e jovens.pptx
 
Aula 05 de setembro de 2012
Aula 05 de setembro de 2012Aula 05 de setembro de 2012
Aula 05 de setembro de 2012
 
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
O jovem como sujeito do ensino médio, caderno 2
 
Cidadania, inclusão e ética na educação de jovens e adultos
Cidadania, inclusão e ética na educação de jovens e adultosCidadania, inclusão e ética na educação de jovens e adultos
Cidadania, inclusão e ética na educação de jovens e adultos
 
Sociologia generico
Sociologia genericoSociologia generico
Sociologia generico
 
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
 
Seminário para a disciplina de educação e movimentos
Seminário para a disciplina de educação e movimentosSeminário para a disciplina de educação e movimentos
Seminário para a disciplina de educação e movimentos
 
eixos-temc3a1ticos.ppt
eixos-temc3a1ticos.ppteixos-temc3a1ticos.ppt
eixos-temc3a1ticos.ppt
 
Workshop Think 2010 - Aprendizagem informal e Web Social
Workshop Think 2010  - Aprendizagem informal e Web SocialWorkshop Think 2010  - Aprendizagem informal e Web Social
Workshop Think 2010 - Aprendizagem informal e Web Social
 
09 marina senne moral e autonomia
09 marina senne moral e autonomia09 marina senne moral e autonomia
09 marina senne moral e autonomia
 
Artigo valores na escola
Artigo valores na escolaArtigo valores na escola
Artigo valores na escola
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
 
Vídeo aula 4
Vídeo aula 4Vídeo aula 4
Vídeo aula 4
 
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocpropostaIzabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
 
livro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdflivro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdf
 
durkheim
durkheimdurkheim
durkheim
 
Reflexões introdutórias sobre educação
Reflexões introdutórias sobre educaçãoReflexões introdutórias sobre educação
Reflexões introdutórias sobre educação
 
Reflexoes sobre curriculo e identidade
Reflexoes sobre curriculo e identidadeReflexoes sobre curriculo e identidade
Reflexoes sobre curriculo e identidade
 
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
 

Mais de Ivaristo Americo

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
Ivaristo Americo
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
Ivaristo Americo
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
Ivaristo Americo
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
Ivaristo Americo
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
Ivaristo Americo
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Ivaristo Americo
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
Ivaristo Americo
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
Ivaristo Americo
 
Dpp1
Dpp1Dpp1

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 
Dpp1
Dpp1Dpp1
Dpp1
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 

Formadores

  • 2. Diferença entre os três conceitos • a educação formal é aquela desenvolvida nas escolas, com conteúdos previamente preconizados ou demarcados • a educação informal como aquela que os indivíduos aprendem durante seu processo de socialização na família, bairro, clube, amigos etc., carregada de valores e culturas próprias,
  • 3. • a educação não-formal é aquela que se aprende “no mundo da vida”, via os processos de compartilhamento de experiências, principalmente em espaços e ações coletivos cotidianas. • Quem é o educador em cada campo de educação que estamos tratando? Em cada campo, quem educa é o agente do processo de construção do saber?”
  • 4. Quem é o educador? • Na educação formal sabemos que são os professores. • Na não-formal, o grande educador é o “outro”, aquele com quem interagimos ou nos integramos. • Na educação informal, os agentes educadores são os pais, a família em geral, os amigos, os vizinhos, colegas de escola, a igreja paroquial, os meios de comunicação de massa, etc.
  • 5. “Onde se educa? Qual é o espaço físico territorial onde transcorrem os actos e os processos educativos?”
  • 6. • Na educação formal estes espaços são: – Os território das escolas, – as instituições regulamentadas por lei, – Instituições certificadoras, organizadas segundo diretrizes nacionais.
  • 7. • Na educação não-formal, os espaços educativos localizam-se em territórios que acompanham • as trajetórias de vida dos indivíduos, fora das escolas, em locais informais, • locais onde há processos interativos intencionais
  • 8. • Já a educação informal tem seus espaços educativos demarcados por – Referências de nacionalidade, localidade, idade, sexo, religião, etnia etc. – A casa onde se mora, a rua, o bairro, o condomínio, o clube que se frequenta, a igreja ou – o local de culto a que se vincula sua crença religiosa, – o local onde se nasceu, etc.
  • 9. • “Como se educa? • Em que situação, em qual contexto?”
  • 10. • A educação formal pressupõe ambientes normativos, com regras e padrões comportamentais definidos previamente. • A não-formal ocorre em ambientes e situações interativos construídos coletivamente, segundo directrizes de dados grupos, • usualmente a participação dos indivíduos é optativa, mas ela também poderá ocorrer por forças de certas circunstâncias da vivência histórica de cada um.
  • 11. • Há na educação não-formal uma intencionalidade na ação, no ato de participar, de aprender e de transmitir ou trocar saberes. • A informal opera em ambientes espontâneos, onde as relações sociais se desenvolvem segundo gostos, preferências, ou herdados.
  • 12. • “Qual a finalidade ou objetivos de cada um dos campos de educação discutidas?”
  • 13. • Na educação formal, entre outros objetivos destacam-se os relativos • ao ensino e aprendizagem de conteúdos historicamente sistematizados, normativos por leis, • dentre os quais destacam-se o de formar o indivíduo como um cidadão ativo, desenvolver habilidades e competências variadas, desenvolver a criatividade, percepção, motricidade etc.
  • 14. • A educação informal socializa os indivíduos, – desenvolve hábitos, atitudes, comportamentos, modos de pensar e de se expressar no uso da linguagem, – segundo valores e crenças de grupos que frequentam ou que pertencem por herança, desde o nascimento – Trata-se do processo de socialização dos indivíduos
  • 15. • A educação não- formal capacita os indivíduos a se tornarem cidadãos do mundo, no mundo. • Sua finalidade é abrir janelas de conhecimento sobre o mundo que circunda os indivíduos e suas relações sociais. • Seus objectivos não são dados a priori, eles se constroem no processo interativo, gerando um processo educativo
  • 16. ENF: • Um modo de educar surge como resultado do processo voltado para os interesses e as necessidades dos que dele participa. • A construção de relações sociais baseadas em princípios de igualdade e justiça social, quando presentes num dado grupo social, fortalece o exercício da cidadania. • A transmissão de informação e formação política e sociocultural é uma meta na educação não formal. • Ela prepara os cidadãos, educa o ser humano para a civilidade, em oposição à barbaridade, ao egoísmo, individualismo etc.
  • 17. • “Quais são os principais atributos de cada uma das modalidades educativas que estamos diferenciando?”
  • 18. • A educação formal requer tempo, local específico, pessoal especializado, organização (inclusive a curricular), • sistematização sequencial das atividades, disciplina, regulamentos e leis, órgãos superiores • Ela tem caráter metódico e usualmente, divide-se por idade/classe de conhecimento.
  • 19. A educação informal – não é organizada, os conhecimentos não são sistematizados e são repassados a partir das práticas e experiência anteriores, – Usualmente o passado orientando o presente. – Ela atua no campo das emoções e sentimentos. – É um processo permanente e não organizado
  • 20. • A educação não-formal tem outros atributos: – ela não é, organizada por séries/ idade/conteúdos; actua sobre aspectos subjetivos do grupo; – Trabalha e forma a cultura política de um grupo. – Desenvolve laços de pertencimento. – Ajuda na construção da identidade colectiva do grupo (este é um dos grandes destaques da educação não- formal na atualidade);
  • 21. • ela pode colaborar para o desenvolvimento da auto-estima • Fundamenta-se no critério da solidariedade e identificação de interesses comuns e • é parte do processo de construção da cidadania coletiva e pública.
  • 22. • “Quais são os resultados esperados em cada campo assinalado?”
  • 23. • Na educação formal espera-se, sobretudo que haja uma aprendizagem efectiva (que, infelizmente nem sempre ocorre), além da certificação e titulação que capacitam os indivíduos a seguir para graus mais avançados. • Na educação informal os resultados não são esperados, eles simplesmente acontecem a partir do desenvolvimento do senso comum nos indivíduos, • senso este que orienta suas formas de pensar e agir espontaneamente.
  • 24. • A educação não- formal poderá desenvolver, como resultados, uma série de processos tais como: • consciência e organização de como agir em grupos coletivos; • A construção e reconstrução de concepções de mundo e sobre o mundo; • contribuição para um sentimento de identidade com uma dada comunidade; • forma o indivíduo para a vida e suas adversidades (e não apenas capacita-o para entrar no mercado de trabalho);
  • 25. • quando presente em programas com crianças ou jovens adolescentes a educação não-formal resgata o sentimento de valorização de si próprio (o que a mídia denomina, simplificadamente, como auto-estima); ou • seja dá condições aos indivíduos para desenvolverem sentimentos de auto-valorização, de rejeição dos preconceitos que lhes são dirigidos, • o desejo de lutarem para ser reconhecidos como iguais (enquanto seres humanos), dentro de suas diferenças (raciais, étnicas, religiosas, culturais, etc.); • os indivíduos adquirem conhecimento de sua própria prática, os indivíduos aprendem a ler e interpretar o mundo que os cerca.
  • 26. • Algumas características da educação não-formal: – metas, – lacunas e – Metodologias Metas: • Aprende-se a conviver com demais e socializa-se o respeito mútuo; • Adaptação do grupo a diferentes culturas, reconhecimento dos indivíduos e do papel de outros, • Construção da identidade colectiva de um grupo; delineamento de regras éticas relativas às condutas aceitáveis socialmente.
  • 27. O que falta na educação não-formal ou Lacunas : • Formação específica a educadores a partir da definição de seu papel e das atividades a realizar; • Definição mais clara de funções e objetivos da educação não formal; • Sistematização das metodologias utilizadas no trabalho cotidiano; • Construção de metodologias que possibilitem o acompanhamento do trabalho que vem sendo realizado;
  • 28. • Construção de instrumentos metodológicos de avaliação e análise do trabalho realizado; • Construção de instrumentos metodológicos de avaliação e análise do trabalho realizado; • Construção de metodologias que possibilitem o acompanhamento do trabalho de grossos que participou do programas de educação não formal; • Criação de metodologias e indicadores para estudo e análise de trabalhos da Educação não formal em campos não sistematizados.
  • 29. • Aprendizagem gerado por actos de vontade do receptor tais como a aprendizagem via Internet, para aprender música, tocar um instrumento etc.; • Mapeamento das formas de educação não formal na auto aprendizagem dos cidadãos (principalmente jovens). Metodologia • A questão da metodologia merece um destaque porque é um dos pontos mais fracos na educação não-formal; • as metodologias operadas no processo de aprendizagem parte da cultura dos indivíduos.
  • 30. • O método nasce a partir de problematização da vida cotidiana; • os conteúdos emergem a partir dos temas que se colocam como – necessidades, – carências, – desafios, – obstáculos ou – ações empreendedoras a serem realizadas;
  • 31. • na educação formal as metodologias são, usualmente planificada previamente segundo conteúdos prescritos nas leis. • As metodologias de desenvolvimento do processo ensino/aprendizagem são compostas por um leque grande de modalidades, temas e problemas. • 0s conteúdos não são dados a priori, são construídos no processo. • O método passa pela sistematização dos modos de agir e de pensar sobre o mundo que circunda as pessoas.
  • 32. • Supõe a existência da motivação das pessoas que participam. • Ela não se subordina às estruturas burocráticas é dinâmica e Visa à formação integral dos indivíduos. • Qualquer que seja o caminho metodológico construído ou reconstruído, • é de suma importância para o papel dos agentes mediadores no processo:
  • 33. • A educação informal tem como método básico a vivência e a reprodução do conhecimento, da experiência segundo os modos e as formas como foram apreendidas e codificadas. • os objetivos da educação não-formal são: – Educação para cidadania; – Educação para justiça social; – Educação para direitos (humanos, – sociais, políticos, culturais, etc.);
  • 34. – Educação para liberdade; – Educação para igualdade; – Educação para democracia; – Educação contra discriminação; – Educação pelo exercício da cultura, e para a manifestação das diferenças culturais.
  • 35. Tipico da E-não-formal, é: • Lutas pelo acesso; Aumento de vagas; Escola pública com qualidade; • Gestão democrática da escola; Escola com projectos pedagógicos que respeitem as culturas locais; • Valor das mensalidades das escolas particulares; Realização de experiências alternativas; • Luta no processo de implantação de novos modelos, experiências ou reformas educacionais, envolvendo organização,
  • 36. Tipico da E-não-formal, é: • trajetória das experiências, acompanhamento, construção de cultura política, redefinição do conceito de participação • Luta dos professores e outros profissionais da educação por condições salariais e de trabalho; • Lutas dos estudantes por vagas, condições, mensalidades, refeitórios, moradia, contra discriminações, etc
  • 37. Conclusões e desafios • Articular a educação, em seu sentido mais amplo, com os processos de formação dos indivíduos como cidadãos, ou articular a escola com a comunidade educativa • Concluímos este texto com uma proposta de caráter sociopolítico: a de transformar as escolas em centro de referências Desafios: • Precisamos de uma nova educação que forme o cidadão para atuar nos dias de hoje, e transforme culturas políticas arcaicas, em culturas políticas transformadoras e emancipatórias.