SlideShare uma empresa Scribd logo
TIPOS DA
EPIDEMIOLOGIA
DOIS TIPOS DE EPIDEMIOLOGIA
• EPIDEMIOLOGIA
DESCRITIVA
• Exame da distribuição de
uma doença em animais e
observação dos
acontecimentos básicos de
sua distribuição em termos
de TEMPO, LUGAR E
ANIMAIS.
• TIPOS TÍPICOS DE ESTUDO:
• Saúde comunitária
(sinônimo de estudo
transversal, estudo
descritivo).
• EPIDEMIOLOGIA
ANALÍTICA
• Provando uma hipótese
específica acerca da
relação de uma doença
a uma causa,
conduzindo estudos
epidemiológicos que se
relacionem à exposição
de interesse com a
doença.
• TIPOS DE ESTUDOS
TÍPICOS:
• COORTE, CASOS
CONTROLES.
A TRIADE BÁSICA DA
EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA.
As três características essenciais das
doenças nós observamos na Epidemiologia
Descritiva.
TEMPO
LUGAR
ORGANISMOS
TEMPO
•  MUTÁVEL OU ESTÁVEL?
• VARIAÇÃO SAZONAL
• AGRUPADO (EPIDÊMICO) OU
UNIFORMEMENTE DISTRIBUIDO
(ENDÊMICO).
• PROPAGADO OU DE UMA SÓ
FONTE.

Recomendado para você

EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA

O documento discute a história da epidemiologia desde Hipócrates e John Graunt, os objetivos da epidemiologia como identificar causas de doenças e padrões de distribuição, e vários conceitos epidemiológicos como coeficientes, investigação epidemiológica, medidas profiláticas e doenças de notificação compulsória.

Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica

O documento apresenta uma introdução à parasitologia, definindo o que é parasitismo e classificando parasitas de acordo com critérios como número de hospedeiros, localização no hospedeiro e número de células. Também descreve as principais adaptações dos parasitas ao parasitismo e as diferentes relações entre parasitas e hospedeiros.

parasitologiabàsicabiomedicina
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia

Este documento discute conceitos básicos de farmacologia, incluindo definições de droga, fármaco, remédio e medicamento. Também explica conceitos como fórmula farmacêutica, veneno, posologia, doses, mecanismo de ação molecular de medicamentos, farmacocinética e farmacodinâmica.

LUGAR
 
• GEOGRAFICAMENTE RESTRITO
OU DISPERSO (PANDEMICO).
• RELACIONADO À ÁGUA OU A
ALIMENTOS.
• GRUPOS MULTIPLOS OU
SOMENTE UM?
ANIMAIS
 
•IDADE
•SEXO
•RAÇA
•COMPORTAMENTO
EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA é
um antecedente necessário da
epidemiologia analítica.
Para empreender um estudo
epidemiológico analítico você deve
primeiro:
•Saber onde observar.
•Saber o que devemos controlar
•Ser capaz de formular hipóteses
compatíveis com as evidencias
laboratoriais.
Um erro comum em epidemiologia é
transportar para a epidemiologia
analítica sem ter uma base sólida da
epidemiologia descritiva da
condição.

Recomendado para você

Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)

O documento resume as principais áreas da farmacologia, incluindo farmacocinética, farmacodinâmica, farmacotécnica, farmacognosia e farmacoterapêutica. Também discute conceitos básicos como drogas, fármacos, vias de administração e tipos de medicamentos. Resume a história da farmacologia e fornece uma bibliografia sugerida sobre o tópico.

investigação epidemiológica
investigação epidemiológicainvestigação epidemiológica
investigação epidemiológica

1 - O documento discute os conceitos e objetivos da investigação epidemiológica, incluindo a identificação da fonte e modo de transmissão de doenças, grupos de maior risco, e fatores determinantes. 2 - As etapas da investigação epidemiológica são descritas, como a coleta de dados sobre casos, busca de casos adicionais, análise dos dados, e recomendação de medidas de controle. 3 - Conceitos como surto, epidemia e sazonalidade são explicados, assim como a importância da investigação para

Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem

O presente material, foi utilizado na aula introdutória da disciplina de Farmacologia do Curso Técnico de Enfermagem de Juruena/MT. Com o objetivo de apresentar a disciplina com uma linha objetiva, clara e interessante.

facebook
Define host, agent?
A TRÍADE BÁSICA
DA EPIDEMIOLOGIA
ANALÍTICA.
OS TRÊS
FENÔMENOS
GERALMENTE
AVALIADOS EM
EPIDEMIOLOGIA
ANALÍTICA SÃO:
HOSPEDEIRO
AGENTE
AMBIENTE.
AGENTES:
•Nutrientes
•Tóxicos e/ou venenos
•Alérgenos
•Radiação
•Trauma físico
•Micróbios
•Experiências psicológicas
• CARGA GENÉTICA
• ESTADO IMUNOLÓGICO
• IDADE
•
FATORES DO HOSPEDEIRO
MEIO AMBIENTE
AGLOMERAMENTO
AR ATMOSFÉRICO
MODOS DE COMUNICAÇÃO – fenômeno
no meio ambiente que reúne o
hospedeiro ao agente, tal como:
• VETOR
• VEÍCULO
• RESERVATÓRIO

Recomendado para você

História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia

O documento discute a história natural da doença, definida como a evolução de uma doença no indivíduo ao longo do tempo sem intervenção. Ela inclui duas fases: pré-patogênese, quando há exposição ao agente causador, e patogênese, quando há alterações bioquímicas e surgimento de sinais e sintomas. A história natural termina com a recuperação, invalidez ou morte. As medidas de prevenção podem ser aplicadas nas fases pré-clínica, clínica ou pós-clín

história natural da doençafases da história natural da doençaprevencao em saude
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia

O documento introduz os principais conceitos de farmacologia, incluindo sua definição, histórico e áreas. As diferentes áreas da farmacologia estudam processos como farmacocinética, farmacodinâmica e mecanismos de ação dos fármacos. O documento também descreve conceitos básicos como drogas, fármacos, doses e tipos de medicamentos.

Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...

Aula de Epidemiologia clínica ministrada na FAMINAS. Discute a importância dos indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço e discute o processo Saúde-Doença

saúde-doençaindicadores de saúdesistema de informação em saúde
OS EPIDEMIOLOGISTAS DEVEM TER
CONHECIMENTOS DE SAÚDE PÚBLICA,
MEDICINA CLÍNICA, FISIOPATOLOGIA,
ESTATÍSTICAS E CIENCIAS SOCIAIS.
•SAÚDE PÚBLICA – devido a ênfase na prevenção de
enfermidades.
•MEDICINA CLÍNICA – devido a ênfase na classificação
das doenças e seus diagnósticos.
•FISIOPATOLOGIA – devido a necessidade de entender
mecanismos biológicos básicos da doença.
•ESTATÍSTICA – devido a necessidade de quantificar a
frequência das doenças e sua relação com os
antecedentes.
•CIÊNCIAS SOCIAIS – devido a necessidade de entender
o contexto social no qual a doença ocorre e se apresenta.
Determinantes da doença
• Incluem qualquer factor ou variável, que pode
afectar a frequência de ocorrência da doença em
animais.
• Estes podem ser de natureza intrínseca, como
características físicas ou fisiológicas do
hospedeiros ou agente da doença, ou extrínseca,
como influências ambientais ou intervenções pelo
homem. Os factores intrínsecos incluem agentes
de doenças que podem ser vivos (vírus, bactérias,
etc.) ou não-vivos (calor e frio, água etc.).
• determinantes intrínsecas dos agentes
patogénicos vivos incluem infecção que se
refere à invasão de um organismo vivo por
um outro organismo vivo.
• A infecciosidade é a capacidade de um
agente estabelecer-se num hospedeiro.
• A patogenicidade (ou virulência), que
representa a capacidade de um agente
produzir doença numa variedade de
hospedeiros.
• A infecciosidade é a capacidade de um
agente de estabelecer-se num hospedeiro.

Recomendado para você

Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica

O documento descreve a evolução histórica da vigilância epidemiológica no Brasil desde as primeiras intervenções estatais no início do século XX até a criação do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica em 1975. Também aborda os principais conceitos e objetivos da vigilância epidemiológica, como a notificação compulsória de doenças, a coleta e análise de dados, e a recomendação de medidas de prevenção e controle.

vigilância epidemiológicavigilância em saúdevigilância
História natural das doenças
História natural das doençasHistória natural das doenças
História natural das doenças

O documento discute a história natural das doenças, dividida em períodos pré-patogênico e patogênico. No pré-patogênico, fatores ambientais, sociais e individuais podem levar ao risco de doença. No patogênico, a doença se desenvolve desde alterações celulares até sintomas ou cura. Também aborda a prevenção de doenças em diferentes níveis, como promoção da saúde, proteção específica e limitação da incapacidade.

Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva

O documento discute os conceitos fundamentais de saúde coletiva e vigilância epidemiológica. A saúde coletiva é definida como um campo interdisciplinar que estuda a saúde como fenômeno social. Já a vigilância epidemiológica é definida como um conjunto de ações que fornece conhecimento sobre fatores determinantes da saúde coletiva para recomendar medidas de prevenção e controle. O documento também aborda a estratégia saúde da família no Brasil.

• Virulência é uma medida da gravidade da
doença causada por um agente específico e
é normalmente quantificada utilizando o
DL50 (= número de agentes necessária para
matar 50% dos animais susceptíveis
expostos sob condições controladas).
• Um componente importante da
epidemiologia de qualquer processo
infeccioso é a relação entre hospedeiro e
agente. Caracteriza-se como dinâmico, mas
muitas vezes não existe um equilíbrio entre
mecanismos de resistência do hospedeiro,
infectividade e virulência do agente.
• Um estado de portador é caracterizado por
um hospedeiro infectado, que é capaz de
difusão do agente, mas tipicamente não
mostra evidência de doença clínica.
• Portadores incubadores, por outro lado, são
infectadas, mas estão na fase pré-clínica.
• Portadores convalescentes estão infectados,
e estão em fase de pós-clínica.

Recomendado para você

Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença

O documento discute a história natural das doenças, incluindo os períodos epidemiológico e patológico. Também aborda os fatores que influenciam o início do processo patológico, como genética, demografia, nutrição e comportamento. Explora ainda os conceitos de prevenção primária, secundária e terciária.

história natural da doençasaude publicamedicine
Epidemiologia ris
Epidemiologia risEpidemiologia ris
Epidemiologia ris

Este documento discute conceitos fundamentais de epidemiologia, como o estudo da distribuição e determinantes de doenças em populações. Apresenta breve histórico da epidemiologia, indicadores de saúde comumente utilizados e aplicações práticas da epidemiologia.

Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica

O documento discute os conceitos e funções da vigilância epidemiológica, incluindo a coleta e análise de dados através de sistemas de informação de saúde, investigações epidemiológicas e vigilância sanitária. Aborda a história da vigilância no Brasil e no mundo, e explica como os dados são coletados e usados para monitorar doenças e recomendar ações de controle.

• O termo variação antigênica refere-se a
situações biológicas, onde um agente evita a
defesa do hospedeiro, alterando suas
características antigênicas.
• O período de incubação é definido como o
tempo entre a infecção e o aparecimnto dos
primeiros sinais clínicos.
• O período pré-patente refere-se ao tempo
entre a infecção e, quando o agente se torna
detectável.
• Período de transmissibilidade é o tempo
durante o qual o hospedeiro infectado é
capaz de transmitir o agente.
Tipo de transmissao
Transmissão por contato pode ocorrer através
de (doenças venéreas), diretas ou contato
indireto (excreções, secreções, exalações).
Transmissao por veiculo
Depende da sobrevivência do agente no meio
ambiente e o ponto de contacto entre os
indivíduos infectados.

Recomendado para você

Powerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologiaPowerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologia

O documento descreve epidemiologia como o estudo da distribuição e determinantes de doenças em populações. Ele explica que epidemiologia analisa a ocorrência de doenças no tempo e espaço em relação a fatores como idade, sexo e hábitos. Epidemiologia também estuda como fatores de risco promovem doenças e ajuda a planejar ações de saúde pública.

PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS

Este documento resume os principais conceitos da patogênese das doenças infecciosas, incluindo: 1) Uma doença infecciosa é causada por microrganismos chamados patógenos; 2) Nem sempre a exposição a um patógeno resulta em infecção, dependendo de fatores do hospedeiro e do próprio patógeno; 3) Uma infecção pode ser localizada ou sistêmica, dependendo da disseminação do patógeno no organismo.

Saúde pública1
Saúde pública1Saúde pública1
Saúde pública1

O documento discute conceitos fundamentais de saúde pública e epidemiologia, incluindo definições de saúde pública, história natural da doença, prevenção, agentes infecciosos, hospedeiros, vetores e conceitos epidemiológicos como surtos, epidemias e pandemias.

Transmissao por veiculo
• A presença de vectores ou hospedeiros
intermediários pode ser um requisito para
um agente infeccioso sobreviver dentro de
um eco-sistema.
• Sob tais circunstâncias, o hospedeiro
definitivo (geralmente um vertebrado)
permite que o agente infeccioso sofra uma
fase de desenvolvimento sexual.
• No hospedeiro intermediário (vertebrados,
invertebrados), o agente passa por uma fase
assexuada do desenvolvimento.
• determinantes intrínsecas de hospedeiros
incluem fatores como a espécie, raça, idade
e sexo..
• Determinantes extrínsecos da doença
afetam a interação entre o hospedeiro e o
agente. Eles incluem fatores como clima,
solos e homem.

Recomendado para você

Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)

Epidemiologia é o estudo das doenças, fatores que indicam a frequência, distribuição e determinantes das doenças na população humana. O ciclo de infecção envolve seis componentes, incluindo uma fonte do patógeno, um reservatório, uma porta de saída, um modo de transmissão, uma porta de entrada e um hospedeiro susceptível. Doenças zoonóticas são transmitidas de animais para humanos.

resumo e questões
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..

O documento discute conceitos epidemiológicos relacionados a doenças infecciosas, incluindo definições de termos como incidência, prevalência, mortalidade, doenças endêmicas e pandêmicas. Também aborda fatores que influenciam a ocorrência de doenças, como características dos patógenos, hospedeiros e meio ambiente, assim como formas de transmissão, controle e prevenção.

Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..

O documento discute conceitos epidemiológicos relacionados a doenças infecciosas, incluindo: (1) definições de termos como incidência, prevalência, mortalidade e tipos de doenças; (2) fatores que influenciam a ocorrência de doenças como patógenos, hospedeiros e meio ambiente; (3) formas de transmissão como contato e vetores.

• FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01
Instituto Consciência GO
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
Ivaristo Americo
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
Jaqueline Almeida
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
Glaudstone Agra
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
investigação epidemiológica
investigação epidemiológicainvestigação epidemiológica
investigação epidemiológica
danilo oliveira
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
RAYANE DORNELAS
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
Samuel J. Tacuana
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
Maria Silene Silva
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Ricardo Alexandre
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
Ilca Rocha
 
História natural das doenças
História natural das doençasHistória natural das doenças
História natural das doenças
Will Nunes
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
Epidemiologia ris
Epidemiologia risEpidemiologia ris
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Powerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologiaPowerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologia
Pelo Siro
 
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
Nathy Oliveira
 

Mais procurados (20)

Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
investigação epidemiológica
investigação epidemiológicainvestigação epidemiológica
investigação epidemiológica
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
 
História natural das doenças
História natural das doençasHistória natural das doenças
História natural das doenças
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Epidemiologia ris
Epidemiologia risEpidemiologia ris
Epidemiologia ris
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Powerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologiaPowerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologia
 
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
 

Semelhante a Aula 1 tipos de epidemiologia

Saúde pública1
Saúde pública1Saúde pública1
Saúde pública1
Laís Araújo
 
Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)
Thúlio Bezerra
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
profsempre
 
Epidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde PúblicaEpidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde Pública
brunna queiroz
 
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptxA Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
BethniaOliveira
 
Definições em Epidemio.ppt
Definições em Epidemio.pptDefinições em Epidemio.ppt
Definições em Epidemio.ppt
ElaineCristinaFaria
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção
Mariana Remiro
 
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Pedro Vieira Martins Costa
 
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptxAgentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Ivan892373
 
Revisão de diagnóstico e quimioterapia.pptx
Revisão de diagnóstico e quimioterapia.pptxRevisão de diagnóstico e quimioterapia.pptx
Revisão de diagnóstico e quimioterapia.pptx
JoodeSouzaFilhoBrasi
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
NaiaraMendes13
 
Aula 4 _UFRR Saúde e Doença.pptx
Aula 4 _UFRR Saúde e Doença.pptxAula 4 _UFRR Saúde e Doença.pptx
Aula 4 _UFRR Saúde e Doença.pptx
Ana Paula
 
3. Cadeia de Transmissão das Doenças_pdf.pdf
3. Cadeia de Transmissão das Doenças_pdf.pdf3. Cadeia de Transmissão das Doenças_pdf.pdf
3. Cadeia de Transmissão das Doenças_pdf.pdf
NafthalyBarbosa
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
roseanecordeiro
 
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptxepidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
ThaisAndreadeOliveir
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
LIANEDEMUNER1
 

Semelhante a Aula 1 tipos de epidemiologia (20)

Saúde pública1
Saúde pública1Saúde pública1
Saúde pública1
 
Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
 
Epidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde PúblicaEpidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde Pública
 
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptxA Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
 
Definições em Epidemio.ppt
Definições em Epidemio.pptDefinições em Epidemio.ppt
Definições em Epidemio.ppt
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção
 
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
 
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptxAgentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
 
Revisão de diagnóstico e quimioterapia.pptx
Revisão de diagnóstico e quimioterapia.pptxRevisão de diagnóstico e quimioterapia.pptx
Revisão de diagnóstico e quimioterapia.pptx
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
Aula 14
 
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
 
Aula 4 _UFRR Saúde e Doença.pptx
Aula 4 _UFRR Saúde e Doença.pptxAula 4 _UFRR Saúde e Doença.pptx
Aula 4 _UFRR Saúde e Doença.pptx
 
3. Cadeia de Transmissão das Doenças_pdf.pdf
3. Cadeia de Transmissão das Doenças_pdf.pdf3. Cadeia de Transmissão das Doenças_pdf.pdf
3. Cadeia de Transmissão das Doenças_pdf.pdf
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
 
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptxepidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
 

Mais de Ivaristo Americo

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
Ivaristo Americo
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
Ivaristo Americo
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
Ivaristo Americo
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
Ivaristo Americo
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
Ivaristo Americo
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Ivaristo Americo
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
Ivaristo Americo
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
Ivaristo Americo
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
Ivaristo Americo
 
Dpp1
Dpp1Dpp1
Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)
Ivaristo Americo
 

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 
Dpp1
Dpp1Dpp1
Dpp1
 
Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)
 

Último

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
musicasdeteclado
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
luanaazzisesmt
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
LuizGustavoCiciliato
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 

Último (10)

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 

Aula 1 tipos de epidemiologia

  • 2. DOIS TIPOS DE EPIDEMIOLOGIA • EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA • Exame da distribuição de uma doença em animais e observação dos acontecimentos básicos de sua distribuição em termos de TEMPO, LUGAR E ANIMAIS. • TIPOS TÍPICOS DE ESTUDO: • Saúde comunitária (sinônimo de estudo transversal, estudo descritivo). • EPIDEMIOLOGIA ANALÍTICA • Provando uma hipótese específica acerca da relação de uma doença a uma causa, conduzindo estudos epidemiológicos que se relacionem à exposição de interesse com a doença. • TIPOS DE ESTUDOS TÍPICOS: • COORTE, CASOS CONTROLES.
  • 3. A TRIADE BÁSICA DA EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA. As três características essenciais das doenças nós observamos na Epidemiologia Descritiva. TEMPO LUGAR ORGANISMOS
  • 4. TEMPO •  MUTÁVEL OU ESTÁVEL? • VARIAÇÃO SAZONAL • AGRUPADO (EPIDÊMICO) OU UNIFORMEMENTE DISTRIBUIDO (ENDÊMICO). • PROPAGADO OU DE UMA SÓ FONTE.
  • 5. LUGAR   • GEOGRAFICAMENTE RESTRITO OU DISPERSO (PANDEMICO). • RELACIONADO À ÁGUA OU A ALIMENTOS. • GRUPOS MULTIPLOS OU SOMENTE UM?
  • 7. EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA é um antecedente necessário da epidemiologia analítica. Para empreender um estudo epidemiológico analítico você deve primeiro: •Saber onde observar. •Saber o que devemos controlar •Ser capaz de formular hipóteses compatíveis com as evidencias laboratoriais.
  • 8. Um erro comum em epidemiologia é transportar para a epidemiologia analítica sem ter uma base sólida da epidemiologia descritiva da condição.
  • 9. Define host, agent? A TRÍADE BÁSICA DA EPIDEMIOLOGIA ANALÍTICA. OS TRÊS FENÔMENOS GERALMENTE AVALIADOS EM EPIDEMIOLOGIA ANALÍTICA SÃO: HOSPEDEIRO AGENTE AMBIENTE.
  • 11. • CARGA GENÉTICA • ESTADO IMUNOLÓGICO • IDADE • FATORES DO HOSPEDEIRO
  • 12. MEIO AMBIENTE AGLOMERAMENTO AR ATMOSFÉRICO MODOS DE COMUNICAÇÃO – fenômeno no meio ambiente que reúne o hospedeiro ao agente, tal como: • VETOR • VEÍCULO • RESERVATÓRIO
  • 13. OS EPIDEMIOLOGISTAS DEVEM TER CONHECIMENTOS DE SAÚDE PÚBLICA, MEDICINA CLÍNICA, FISIOPATOLOGIA, ESTATÍSTICAS E CIENCIAS SOCIAIS. •SAÚDE PÚBLICA – devido a ênfase na prevenção de enfermidades. •MEDICINA CLÍNICA – devido a ênfase na classificação das doenças e seus diagnósticos. •FISIOPATOLOGIA – devido a necessidade de entender mecanismos biológicos básicos da doença. •ESTATÍSTICA – devido a necessidade de quantificar a frequência das doenças e sua relação com os antecedentes. •CIÊNCIAS SOCIAIS – devido a necessidade de entender o contexto social no qual a doença ocorre e se apresenta.
  • 14. Determinantes da doença • Incluem qualquer factor ou variável, que pode afectar a frequência de ocorrência da doença em animais. • Estes podem ser de natureza intrínseca, como características físicas ou fisiológicas do hospedeiros ou agente da doença, ou extrínseca, como influências ambientais ou intervenções pelo homem. Os factores intrínsecos incluem agentes de doenças que podem ser vivos (vírus, bactérias, etc.) ou não-vivos (calor e frio, água etc.).
  • 15. • determinantes intrínsecas dos agentes patogénicos vivos incluem infecção que se refere à invasão de um organismo vivo por um outro organismo vivo. • A infecciosidade é a capacidade de um agente estabelecer-se num hospedeiro.
  • 16. • A patogenicidade (ou virulência), que representa a capacidade de um agente produzir doença numa variedade de hospedeiros. • A infecciosidade é a capacidade de um agente de estabelecer-se num hospedeiro.
  • 17. • Virulência é uma medida da gravidade da doença causada por um agente específico e é normalmente quantificada utilizando o DL50 (= número de agentes necessária para matar 50% dos animais susceptíveis expostos sob condições controladas).
  • 18. • Um componente importante da epidemiologia de qualquer processo infeccioso é a relação entre hospedeiro e agente. Caracteriza-se como dinâmico, mas muitas vezes não existe um equilíbrio entre mecanismos de resistência do hospedeiro, infectividade e virulência do agente.
  • 19. • Um estado de portador é caracterizado por um hospedeiro infectado, que é capaz de difusão do agente, mas tipicamente não mostra evidência de doença clínica.
  • 20. • Portadores incubadores, por outro lado, são infectadas, mas estão na fase pré-clínica. • Portadores convalescentes estão infectados, e estão em fase de pós-clínica.
  • 21. • O termo variação antigênica refere-se a situações biológicas, onde um agente evita a defesa do hospedeiro, alterando suas características antigênicas.
  • 22. • O período de incubação é definido como o tempo entre a infecção e o aparecimnto dos primeiros sinais clínicos.
  • 23. • O período pré-patente refere-se ao tempo entre a infecção e, quando o agente se torna detectável. • Período de transmissibilidade é o tempo durante o qual o hospedeiro infectado é capaz de transmitir o agente.
  • 24. Tipo de transmissao Transmissão por contato pode ocorrer através de (doenças venéreas), diretas ou contato indireto (excreções, secreções, exalações). Transmissao por veiculo Depende da sobrevivência do agente no meio ambiente e o ponto de contacto entre os indivíduos infectados.
  • 25. Transmissao por veiculo • A presença de vectores ou hospedeiros intermediários pode ser um requisito para um agente infeccioso sobreviver dentro de um eco-sistema. • Sob tais circunstâncias, o hospedeiro definitivo (geralmente um vertebrado) permite que o agente infeccioso sofra uma fase de desenvolvimento sexual.
  • 26. • No hospedeiro intermediário (vertebrados, invertebrados), o agente passa por uma fase assexuada do desenvolvimento.
  • 27. • determinantes intrínsecas de hospedeiros incluem fatores como a espécie, raça, idade e sexo..
  • 28. • Determinantes extrínsecos da doença afetam a interação entre o hospedeiro e o agente. Eles incluem fatores como clima, solos e homem.