SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 78
Evaldo Potma
Giovane Hein
Gustavo Denck
Rômulo Garcia de Assis
Pato Peru
Avestruz
Pavão
Codorna
Trazida para o
Brasil em 1532
pelos
Portugueses
Em 1930 a
Avicultura
passou a ser
vista como
uma atividade
lucrativa.
Produção
para carne e
ovos
% na produção nacional de
frango de corte
FONTE: IBGE 2016
PR SC RS SP MG
31,02
16,01
12,21 11,56
7,18
Atualmente a
atividade no Brasil
é um exemplo de
sucesso.
Boa alternativa
para o pequeno
produtor pois
necessita de pouca
área.
Consumo per
capita de 39Kg por
ano.
New Hampshire
- Origem americana;
- Grande produtora de
carne e ovos;
- Peso médio: 3,5kg;
150 a 200 ovos marrom
escuro por ano.
Roland Island Red
- Origem americana
(galinha vermelha);
- Cruzamento de várias
raças;
- Excelentes poedeiras;
- Boa adaptabilidade;
Carne muito valorizada.
New Hampshire
- Origem americana;
- Grande produtora de
carne e ovos;
- Peso médio: 3,5kg;
150 a 200 ovos marrom
escuro por ano.
Plymouth Rock
- Raça mais antiga;
- Dupla aptidão;
- Pode viver de 6 até 8
anos;
- Variedade mais difundida é a
Barrada;
- Utilizada nos cruzamentos
para produção de frangos de
corte.
Gigante Negro
- Origem americana;
- Mais pesada de todas as
raças americanas (5kg);
- Dupla aptidão;
200 ovos por ano.
Australorp
Origem australiana;
Aves grandes (3 a 4kg);
Destinada principalmente
para produção de ovos;
364 ovos em 365 dias.
Cornish
Origem inglesa;
Cruzamentos para
indústrias de frango de
corte;
Crescem rapidamente;
Peso médio: 3kg.
Sussex
Origem inglesa;
Dupla aptidão;
200 ovos por ano;
Peso médio: 3,5kg.
Leghorn
Origem italiana;
Destinada para
produção de ovos;
250 ovos por ano;
Peso médio: 3kg.
Embrapa 051
Frango caipira;
Cruzamento entre linhas Rhode Island Red e
Plymouth Rock Branca;
Especializadas para produção de ovos;
Boa adaptação em sistemas extensivos;
EXTENSIVO
-Quando os frangos são criados em
liberdade
-Geralmente sem muito controle
-Menor custo
SEMI-INTENSIVO
-Conhecido como de
pátio ou quintal
-Animais confinados
em cercado de
arame
-Pequena produção:
200 a 50
-À noite os animais
podem passar em
um galinheiro
INTENSIVO
- Essencialmente
em local fechado
- Maior custo e
mão de obra
- Maior tecnologia
- Maior controle
A SELEÇÃO DA ÁREA PARA
AS INSTALAÇÕES
Clima adequado para
condições de temperatura,
umidade e ventilação,
preferivelmente
temperaturas médias com
boa ventilação (zona de
conforto térmico entre
15°C e 25°C, umidade entre
40 e 70%.
Infraestrutura de
comunicação, de insumos,
energia elétrica,
abastecimento de água,
assistência técnica
Proximidade com os
centros de consumo
Drenagem do solo,
ventilação,
insolação, espaço
físico, topografia,
vias de acesso:
condições de
salubriidade;
Terreno seco, não
pode haver umidade
no piso ou no abrigo
das aves, deve-se
prestar atenção no
tipo do solo, firmeza,
espessura,
profundidade;
Lugares
ensolarados,
influenciam na
umidade e auxilia
na destruição de
germes e
bactérias;
Inclinação suave, auxilia
na drenagem e na
distribuição de rações
(movimento de tratores),
remanejamento de aves,
retiradas de dejetos e
etc..
Lugares arejados:
amplo, sem
obstáculos naturais,
permitindo
veiculação livre em
todas as direções;
A ESCOLHA DO TERRENO
Mão de obra
capacitada;
Vias de transporte adequadas: em
avicultura desenvolvida, não instalam-
se granjas de frango distantes mais
de 50km do abatedouro de aves,
evitando perdas por mortalidade e
ferimentos
Proximidade com o
mercado consumidor:
diminui custos com
frete e melhora o
preço da venda;
A ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO
ESPAÇAMENTO ENTRE GALPÕES:
PARA ANIMAIS DE MESMA IDADE,
OS GALPÕES SÃO ESPAÇADOS
ENTRE SI 10, 20 ATÉ 30 METROS
(PARA UM NÃO IMPEDIR A
VENTILAÇÃO DO OUTRO).
ANIMAIS DE IDADES DIFERENTES
POSSUEM GALPÕES ESPAÇADOS
DE 100 A 200 METROS; DEVENDO
SER PREVISTAS ÁRVORES ENTRE
OS GALPÕES,
EVITANDOTRANSMISSÃO PELO AR
DE DOENÇAS DE AVES MAIS
VELHAS PARA AVES MAIS JOVENS
COMPONENTES
DA GRANJA:
SETOR DE PRODUÇÃO: GALPÃO PARA AVES;
SETOR DE PREPARO DE ALIMENTOS:
ARMAZÉM, SILOS, FÁBRICAS DE RAÇÃO E
ETC..
SETOR ADMINISTRATIVO: ESCRITORIO,
ALMOXARIFADO E PORTÃO DE ENTRADA;
SETOR SANITÁRIO: FOSSAS, CREMATORIO,
PEDILÚVIO, RODOLÚVIO;
SETOR RESIDENCIAL: CASA SEDE, CASA DOS
EMPREGADOS;
SETOR DE APOIO: GALPÃO-OFICINA;
SETOR EXTERNO: POSTO DE VENDAS,
ABATEDOURO
INDÚSTRIA GRANJEIRA
O galpão de criação de frangos de corte
(aviário) deve ser de alvenaria, comprido e
disposto no sentido leste-oeste. De onde
nasce para onde se põe o sol, dessa forma
não bate sol diretamente nas aves.
DENSIDADE DAS AVES:
FATOR QUE VARIA EM FUNÇÃO
DAS CARACTERÍSTICAS
FÍSICAS, COMPORTAMENTO DA
AVE, DO CLIMA E DO NÍVEL
TECNOLÓGICO DO PRODUTOR;
Frangos: 8 a 12 aves/m²
para climas quentes e
baixa tecnologia;
12 a 14 aves/m² para
climas frios e alta
tecnologia;
até 18 aves/m² para
altíssima tecnologia
Chester: 5 a 6
aves/m² no verão;
7 a 8 aves/m² no
inverno;
Patos: 5 a 6
aves/m²;
Ganso: 5 a 6
aves/m;
CONTROLE DOS
EFEITOS DO
CLIMA:
PRINCIPALMENTE
NO VERÃO, SÃO
NECESSÁRIOS
CUIDADOS COM A
TEMPERATURA
MAIS AMENA
POSSÍVEL;
Ventilação forçada
Lanternim
CONTROLE DO
CLIMA
Cortinas: Controle
da entrada de
raios solares,
ventos fortes, do
frio, etc.
Pintura: de
preferência, de
coloração clara,
para melhor
reflexão dos raios
solares;
Opção pela
utilização de
telhas de barro
seria ideal, porém
são altamente
custosas, tendo
sido utilizadas
telhas de
cimento-amianto.
Estas telhas, no
entanto,
aumentam a
temperatura
dentro do galpão,
necessitando de
meios de
atenuação
DETALHES CONSTRUTIVOS DOS
GALPÕES:
PÉ-DIREITO: Estabelecido em função da
largura adotada – ambos os
parâmetros trabalham favorecendo a
ventilação no interior do galpão;
DETALHES CONSTRUTIVOS DOS
GALPÕES:
PISO:
Concreto simples 1:4:8 revestido de
argamassa 1:4; espessura em torno
de 0,05 a 0,06m;
Considerada declividade de 2% no
sentido de uma canaleta central ou
de duas canaletas internas ao galpão
e paralelas no seu eixo longitudinal,
de forma a facilitar a retirada das
águas de limpeza e drenagem da
umidade da cama.
DETALHES CONSTRUTIVOS
DOS GALPÕES:
PEDILÚVIO:
DETALHES CONSTRUTIVOS DOS
GALPÕES:
SISTEMA DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL:
Aumentar o período diário de luz
(fotoperíodo);
Tipos incandescentes ou fluorescentes ;
10 a 12 lúmens por m² de galpão
ACESSÓRIOS E COMPLEMENTOS:
AQUECIMENTO:
São colocados de 500 a 700
pintinhos dentro de círculos
normalmente feitos de chapas de
eucatex ou de outros materiais,
como chapas galvanizadas;
Círculos normalmente tem altura de
0,40m e diâmetro 3,00m, sendo
acima deles afixada a campânula,
elétrica ou a gás.
ACESSÓRIOS E COMPLEMENTOS:
COMEDOURO:
Bandeja de 40x60x6cm feita de
eucatex e pinho ou cedro utilizada
para 100 pintinhos na primeira
semana de vida e para 50 na
segunda semana;
Da terceira semana até o abate:
comedouros tubulares (1 para 25
aves);
Existência de comedouros
automáticos para aves em todas as
idades das aves.
BEBEDOURO:
Copos de pressão com capacidade de 4
litros de água (a para 100 aves na primeira
semana de vida e 1 para 50 na segunda
semana);
Terceira semana até o abate: 1 bebedouro
pendulas para cada 50 aves;
Bebedouro nipple: água canalizada, visa a
otimização da água, sendo colocado um a
cada 20cm de tubulação, atendendo 12,5
aves/nipple.
ACESSÓRIOS E COMPLEMENTOS:
CORTINA DE PROTEÇÃO
Normalmente plástica acionada por
carretilha, manivela e cordões em
roldanas presas à estrutura do
telhado;
Utilizada quando há incidência de
ventos fortes, chuvas, insolação
excessiva e em vasos de mudanças
bruscas de temperatura, sendo
recomendada abertura de cima
para baixo, visando controle da
movimentação do ar dentro do
galpão.
ACESSÓRIOS E COMPLEMENTOS:
Ventiladores/Exaustores/Nebulizadores
Utilizados para o controle de temperatura do
ambiente.
Necessários para o bem estar animal para cada
momento do ciclo de criação
Fundamental em regiões quentes
Manejo
Criação
Desde a preparação
dos galpões e
equipamentos até o
último dia de
alojamento das
aves.
Retirada total do
lote de uma só vez.
Exposição de
equipamentos ao
Sol.
Limpeza dos
resíduos orgânicos e
restos de rações.
Retirada da cama.
Limpeza
Manejo
Cama
- Tem como objetivo
reduzir o impacto e
atrito do animal
sobre o piso.
- Geralmente feita
com materiais
facilmente
disponíveis e de
baixo custo.
- Serragem de
madeira, sabugo de
milho triturado, casca
de arroz, amendoim,
palha de cultura,
fenos de gramíneas e
rama de mandioca.
Manejo
Escolha de pintinhos
- Devem ser ativos
- Umbigo bem
cicatrizado
- Olhos brilhantes
- Cores e tamanhos
uniformes
Recepção
- Preparar a chegada
- Colocar a cama, ração,
água e iluminação e
temperatura adequadas
(campânulas)
Manejo
Alimentação
- Mediada basicamente
por ração.
- 4 tipos de ração: pré-
inicial (1 a 7 dias), inicial
(8 a 21 dias),
crescimento (22 a 35
dias) e terminação ou
final (36 ao abate).
- Maior parcela do custo.
Manejo Sanitário
- Além da limpeza antes do
estabelecimento das aves, é
importante realiza-la
durante o processo.
- Vacinação para prevenção
de doenças.
- Retirada de animais
mortos.
- Acompanhamento de
números relevantes ao lote.
Manejo
Apanha ou retirada
- Captura deve ser
planejada e
supervisionada por
equipe especializada de
modo a evitar arranhões
e machucados nas aves.
- Retirar ração algumas
horas antes da captura
das aves
Transporte preferencial
pela noite em gaiolas e
caminhões específicos.
Manejo
Fase Inicial
- 1ª a 11ª semana.
- Alimentação rica em
aminoácidos e
vitaminas.
- Podem ser criadas
em camas ou gaiolas.
- Debicagem para
evitar o canibalismo
de ovos.
- É feita de 7 aos 10 dias
de vida e a segunda
entre a 6ª e 10ª semana
de idade.
- O corte do bico
geralmente não é
necessário para
reprodutoras mantidas
sob iluminação
totalmente controlada
Fase Crescimento
- 11ª a 17ª semana.
É feita de 7 aos 10 dias de
vida e a segunda entre a
6ª e 10ª semana de idade.
- O corte do bico não é
necessário para
reprodutoras mantidas
sob iluminação
totalmente controlada
Fase
Produção
Manejo
- A partir da 18ª semana.
- No período de
crescimento ou recria,
deve ser feito o controle
de peso e programa de
luz. Os outros cuidados
são iguais aos de frango
de corte.
- O programa de luz tem
o objetivo de evitar que
as aves não entrem em
postura precoce e, após
o início da postura,
estimular a produção de
ovos.
- A transferência das aves
deve ser realizada com
total cuidado na 15ª
semana de idade.
- As aves devem ser
alojadas em gaiolas ou
ninhos, em grupos de
tamanho uniforme.
- Limpeza e desinfecção
das instalações, vacinas e
registros na criação de
poedeiras comerciais são
atividades indispensáveis
para o bom resultado da
produção.
Características de uma boa poedeira:
• Crista: grande, vermelha, macia,
brilhante.
• Tarsos: úmidos e túrgidos.
• Bico: despigmentado.
• Cloaca: grande, unida, macia e
despigmentada.
• Pele: lisa e macia.
• Penas: abundante e sem brilho.
• Cabeça: fina, delicada e magra.
• Olhos: brilhantes e vivos.
• Ossos pélvicos: flexíveis, fi nos e
abertos.
• Abdômen: volumoso e macio.
Gaiolas
Vantagens: ovos limpos,
menor consumo de ração,
menos problemas com
doenças e menor
mortalidade por
amontoamento.
Desvantagens: maior custo
inicial, maior canibalismo,
problemas com moscas,
dificuldade no tratamento
de doenças.
Ninhos
Vantagens: maior
conforto e
tranquilidade à ave.
Desvantagens: ovos
sujos e de menor
qualidade
Ovos
- Colheita manual ou
mecânica.
- Quando se deseja a
produção de ovos férteis
para incubação, é
necessária a presença do
galo para que haja a
fertilização. Caso os ovos
sejam comercializados
como alimento, é
dispensável a presença do
galo na granja.
Pintos de 1 dia
- O período de incubação
do ovo da galinha é de 21
dias e 6 horas.
- Os ovos são
recepcionados na sala de
recebimento e desinfecção,
onde ocorre o descarte dos
ovos improdutivos.
- Em seguida, passam para a
sala de estocagem, onde são
colocados em bandejas
especiais e levados às salas de
incubação, onde encontram as
câmaras incubadoras. Por fim,
são levados para as salas de
nascedouros, onde ocorre o
nascimento dos pintinhos.
- Aos 21 dias, o pinto já formado
bica a casca e ocorre a
eclosão.
Sexagem dos pintinhos
A diferenciação de maneira
prática ocorre pela diferença
nas penas das asas do
pintinho. Nas fêmeas,
podemos observar penas
sobrepostas com diferentes
tamanhos, o que não é visto
nos machos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNayara Michelle
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosMarília Gomes
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinosPelo Siro
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamentoLucas Camilo
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Rômulo Alexandrino Silva
 
Sistemas de criação e raças de aves
Sistemas de criação e raças de avesSistemas de criação e raças de aves
Sistemas de criação e raças de avesMarília Gomes
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecniagepaunipampa
 
Aula instalacoes aves
Aula instalacoes avesAula instalacoes aves
Aula instalacoes avesnice1961
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosKiller Max
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaUFSC
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Raquel Jóia
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Glaucia Moraes
 

Mais procurados (20)

Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de postura
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Sistemas de criação e raças de aves
Sistemas de criação e raças de avesSistemas de criação e raças de aves
Sistemas de criação e raças de aves
 
Gado leite
Gado leiteGado leite
Gado leite
 
Manejo de leitões 1
Manejo de leitões 1Manejo de leitões 1
Manejo de leitões 1
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Aula instalacoes aves
Aula instalacoes avesAula instalacoes aves
Aula instalacoes aves
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
 

Semelhante a Avicultura

Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinaçãomvezzone
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraR1Rosolem
 
Criacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornasCriacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornasNDINHO
 
Manual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipirasManual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipirasmvezzone
 
Frango caipira avifran
Frango caipira avifranFrango caipira avifran
Frango caipira avifranLenildo Araujo
 
Pré-abate e Abate de aves.pptx
Pré-abate e Abate de aves.pptxPré-abate e Abate de aves.pptx
Pré-abate e Abate de aves.pptxGiulianeSantos2
 
PALESTRA INTRODUCAO - AVICULTURA DE CORTE.pdf
PALESTRA INTRODUCAO - AVICULTURA DE CORTE.pdfPALESTRA INTRODUCAO - AVICULTURA DE CORTE.pdf
PALESTRA INTRODUCAO - AVICULTURA DE CORTE.pdfRodrigoSilva112215
 
Criação de codornas emater
Criação de codornas ematerCriação de codornas emater
Criação de codornas ematerJoyce Muzy
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Aline Maria
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Aline Maria
 
Criacao de frango_caipira
Criacao de frango_caipiraCriacao de frango_caipira
Criacao de frango_caipiraTécio Maciel
 
Frango de corte tipo caipira seminario.pptx
Frango de corte tipo caipira seminario.pptxFrango de corte tipo caipira seminario.pptx
Frango de corte tipo caipira seminario.pptxMirianFernandes15
 

Semelhante a Avicultura (20)

Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipira
 
Criacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornasCriacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornas
 
Manual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipirasManual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipiras
 
Poedeiras
PoedeirasPoedeiras
Poedeiras
 
Criar codornas
Criar codornasCriar codornas
Criar codornas
 
Frango caipira avifran
Frango caipira avifranFrango caipira avifran
Frango caipira avifran
 
Pré-abate e Abate de aves.pptx
Pré-abate e Abate de aves.pptxPré-abate e Abate de aves.pptx
Pré-abate e Abate de aves.pptx
 
Codornas sim
Codornas simCodornas sim
Codornas sim
 
PALESTRA INTRODUCAO - AVICULTURA DE CORTE.pdf
PALESTRA INTRODUCAO - AVICULTURA DE CORTE.pdfPALESTRA INTRODUCAO - AVICULTURA DE CORTE.pdf
PALESTRA INTRODUCAO - AVICULTURA DE CORTE.pdf
 
Criação de codornas emater
Criação de codornas ematerCriação de codornas emater
Criação de codornas emater
 
Bioclimatologia aves
Bioclimatologia avesBioclimatologia aves
Bioclimatologia aves
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
 
Tudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornasTudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornas
 
Criacao de frango_caipira
Criacao de frango_caipiraCriacao de frango_caipira
Criacao de frango_caipira
 
Criação de codornas emater
Criação de codornas ematerCriação de codornas emater
Criação de codornas emater
 
gado deLeite
gado deLeitegado deLeite
gado deLeite
 
Publicacaoh2k38z7g
Publicacaoh2k38z7gPublicacaoh2k38z7g
Publicacaoh2k38z7g
 
Frango de corte tipo caipira seminario.pptx
Frango de corte tipo caipira seminario.pptxFrango de corte tipo caipira seminario.pptx
Frango de corte tipo caipira seminario.pptx
 

Último

Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptA EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptssuserb964fe
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 

Último (7)

Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptA EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 

Avicultura

  • 1. Evaldo Potma Giovane Hein Gustavo Denck Rômulo Garcia de Assis
  • 2.
  • 4. Trazida para o Brasil em 1532 pelos Portugueses
  • 5. Em 1930 a Avicultura passou a ser vista como uma atividade lucrativa. Produção para carne e ovos % na produção nacional de frango de corte FONTE: IBGE 2016 PR SC RS SP MG 31,02 16,01 12,21 11,56 7,18
  • 6. Atualmente a atividade no Brasil é um exemplo de sucesso. Boa alternativa para o pequeno produtor pois necessita de pouca área. Consumo per capita de 39Kg por ano.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. New Hampshire - Origem americana; - Grande produtora de carne e ovos; - Peso médio: 3,5kg; 150 a 200 ovos marrom escuro por ano.
  • 12. Roland Island Red - Origem americana (galinha vermelha); - Cruzamento de várias raças; - Excelentes poedeiras; - Boa adaptabilidade; Carne muito valorizada.
  • 13. New Hampshire - Origem americana; - Grande produtora de carne e ovos; - Peso médio: 3,5kg; 150 a 200 ovos marrom escuro por ano.
  • 14. Plymouth Rock - Raça mais antiga; - Dupla aptidão; - Pode viver de 6 até 8 anos; - Variedade mais difundida é a Barrada; - Utilizada nos cruzamentos para produção de frangos de corte.
  • 15. Gigante Negro - Origem americana; - Mais pesada de todas as raças americanas (5kg); - Dupla aptidão; 200 ovos por ano.
  • 16. Australorp Origem australiana; Aves grandes (3 a 4kg); Destinada principalmente para produção de ovos; 364 ovos em 365 dias.
  • 17. Cornish Origem inglesa; Cruzamentos para indústrias de frango de corte; Crescem rapidamente; Peso médio: 3kg.
  • 18. Sussex Origem inglesa; Dupla aptidão; 200 ovos por ano; Peso médio: 3,5kg.
  • 19. Leghorn Origem italiana; Destinada para produção de ovos; 250 ovos por ano; Peso médio: 3kg.
  • 20. Embrapa 051 Frango caipira; Cruzamento entre linhas Rhode Island Red e Plymouth Rock Branca; Especializadas para produção de ovos; Boa adaptação em sistemas extensivos;
  • 21.
  • 22. EXTENSIVO -Quando os frangos são criados em liberdade -Geralmente sem muito controle -Menor custo
  • 23. SEMI-INTENSIVO -Conhecido como de pátio ou quintal -Animais confinados em cercado de arame -Pequena produção: 200 a 50 -À noite os animais podem passar em um galinheiro
  • 24. INTENSIVO - Essencialmente em local fechado - Maior custo e mão de obra - Maior tecnologia - Maior controle
  • 25.
  • 26. A SELEÇÃO DA ÁREA PARA AS INSTALAÇÕES Clima adequado para condições de temperatura, umidade e ventilação, preferivelmente temperaturas médias com boa ventilação (zona de conforto térmico entre 15°C e 25°C, umidade entre 40 e 70%. Infraestrutura de comunicação, de insumos, energia elétrica, abastecimento de água, assistência técnica Proximidade com os centros de consumo Drenagem do solo, ventilação, insolação, espaço físico, topografia, vias de acesso: condições de salubriidade;
  • 27. Terreno seco, não pode haver umidade no piso ou no abrigo das aves, deve-se prestar atenção no tipo do solo, firmeza, espessura, profundidade; Lugares ensolarados, influenciam na umidade e auxilia na destruição de germes e bactérias; Inclinação suave, auxilia na drenagem e na distribuição de rações (movimento de tratores), remanejamento de aves, retiradas de dejetos e etc.. Lugares arejados: amplo, sem obstáculos naturais, permitindo veiculação livre em todas as direções; A ESCOLHA DO TERRENO
  • 28. Mão de obra capacitada; Vias de transporte adequadas: em avicultura desenvolvida, não instalam- se granjas de frango distantes mais de 50km do abatedouro de aves, evitando perdas por mortalidade e ferimentos Proximidade com o mercado consumidor: diminui custos com frete e melhora o preço da venda; A ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO
  • 29. ESPAÇAMENTO ENTRE GALPÕES: PARA ANIMAIS DE MESMA IDADE, OS GALPÕES SÃO ESPAÇADOS ENTRE SI 10, 20 ATÉ 30 METROS (PARA UM NÃO IMPEDIR A VENTILAÇÃO DO OUTRO). ANIMAIS DE IDADES DIFERENTES POSSUEM GALPÕES ESPAÇADOS DE 100 A 200 METROS; DEVENDO SER PREVISTAS ÁRVORES ENTRE OS GALPÕES, EVITANDOTRANSMISSÃO PELO AR DE DOENÇAS DE AVES MAIS VELHAS PARA AVES MAIS JOVENS
  • 30. COMPONENTES DA GRANJA: SETOR DE PRODUÇÃO: GALPÃO PARA AVES; SETOR DE PREPARO DE ALIMENTOS: ARMAZÉM, SILOS, FÁBRICAS DE RAÇÃO E ETC.. SETOR ADMINISTRATIVO: ESCRITORIO, ALMOXARIFADO E PORTÃO DE ENTRADA; SETOR SANITÁRIO: FOSSAS, CREMATORIO, PEDILÚVIO, RODOLÚVIO; SETOR RESIDENCIAL: CASA SEDE, CASA DOS EMPREGADOS; SETOR DE APOIO: GALPÃO-OFICINA; SETOR EXTERNO: POSTO DE VENDAS, ABATEDOURO
  • 31.
  • 32.
  • 34. O galpão de criação de frangos de corte (aviário) deve ser de alvenaria, comprido e disposto no sentido leste-oeste. De onde nasce para onde se põe o sol, dessa forma não bate sol diretamente nas aves.
  • 35. DENSIDADE DAS AVES: FATOR QUE VARIA EM FUNÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, COMPORTAMENTO DA AVE, DO CLIMA E DO NÍVEL TECNOLÓGICO DO PRODUTOR; Frangos: 8 a 12 aves/m² para climas quentes e baixa tecnologia; 12 a 14 aves/m² para climas frios e alta tecnologia; até 18 aves/m² para altíssima tecnologia
  • 36. Chester: 5 a 6 aves/m² no verão; 7 a 8 aves/m² no inverno; Patos: 5 a 6 aves/m²; Ganso: 5 a 6 aves/m;
  • 37. CONTROLE DOS EFEITOS DO CLIMA: PRINCIPALMENTE NO VERÃO, SÃO NECESSÁRIOS CUIDADOS COM A TEMPERATURA MAIS AMENA POSSÍVEL; Ventilação forçada Lanternim
  • 38.
  • 39. CONTROLE DO CLIMA Cortinas: Controle da entrada de raios solares, ventos fortes, do frio, etc. Pintura: de preferência, de coloração clara, para melhor reflexão dos raios solares;
  • 40. Opção pela utilização de telhas de barro seria ideal, porém são altamente custosas, tendo sido utilizadas telhas de cimento-amianto. Estas telhas, no entanto, aumentam a temperatura dentro do galpão, necessitando de meios de atenuação
  • 41. DETALHES CONSTRUTIVOS DOS GALPÕES: PÉ-DIREITO: Estabelecido em função da largura adotada – ambos os parâmetros trabalham favorecendo a ventilação no interior do galpão;
  • 42. DETALHES CONSTRUTIVOS DOS GALPÕES: PISO: Concreto simples 1:4:8 revestido de argamassa 1:4; espessura em torno de 0,05 a 0,06m; Considerada declividade de 2% no sentido de uma canaleta central ou de duas canaletas internas ao galpão e paralelas no seu eixo longitudinal, de forma a facilitar a retirada das águas de limpeza e drenagem da umidade da cama.
  • 44. DETALHES CONSTRUTIVOS DOS GALPÕES: SISTEMA DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL: Aumentar o período diário de luz (fotoperíodo); Tipos incandescentes ou fluorescentes ; 10 a 12 lúmens por m² de galpão
  • 45. ACESSÓRIOS E COMPLEMENTOS: AQUECIMENTO: São colocados de 500 a 700 pintinhos dentro de círculos normalmente feitos de chapas de eucatex ou de outros materiais, como chapas galvanizadas; Círculos normalmente tem altura de 0,40m e diâmetro 3,00m, sendo acima deles afixada a campânula, elétrica ou a gás.
  • 46.
  • 47. ACESSÓRIOS E COMPLEMENTOS: COMEDOURO: Bandeja de 40x60x6cm feita de eucatex e pinho ou cedro utilizada para 100 pintinhos na primeira semana de vida e para 50 na segunda semana; Da terceira semana até o abate: comedouros tubulares (1 para 25 aves); Existência de comedouros automáticos para aves em todas as idades das aves.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51. BEBEDOURO: Copos de pressão com capacidade de 4 litros de água (a para 100 aves na primeira semana de vida e 1 para 50 na segunda semana); Terceira semana até o abate: 1 bebedouro pendulas para cada 50 aves; Bebedouro nipple: água canalizada, visa a otimização da água, sendo colocado um a cada 20cm de tubulação, atendendo 12,5 aves/nipple.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55. ACESSÓRIOS E COMPLEMENTOS: CORTINA DE PROTEÇÃO Normalmente plástica acionada por carretilha, manivela e cordões em roldanas presas à estrutura do telhado; Utilizada quando há incidência de ventos fortes, chuvas, insolação excessiva e em vasos de mudanças bruscas de temperatura, sendo recomendada abertura de cima para baixo, visando controle da movimentação do ar dentro do galpão.
  • 56.
  • 57. ACESSÓRIOS E COMPLEMENTOS: Ventiladores/Exaustores/Nebulizadores Utilizados para o controle de temperatura do ambiente. Necessários para o bem estar animal para cada momento do ciclo de criação Fundamental em regiões quentes
  • 58.
  • 59.
  • 60. Manejo Criação Desde a preparação dos galpões e equipamentos até o último dia de alojamento das aves. Retirada total do lote de uma só vez. Exposição de equipamentos ao Sol. Limpeza dos resíduos orgânicos e restos de rações. Retirada da cama. Limpeza
  • 61.
  • 62. Manejo Cama - Tem como objetivo reduzir o impacto e atrito do animal sobre o piso. - Geralmente feita com materiais facilmente disponíveis e de baixo custo. - Serragem de madeira, sabugo de milho triturado, casca de arroz, amendoim, palha de cultura, fenos de gramíneas e rama de mandioca.
  • 63. Manejo Escolha de pintinhos - Devem ser ativos - Umbigo bem cicatrizado - Olhos brilhantes - Cores e tamanhos uniformes Recepção - Preparar a chegada - Colocar a cama, ração, água e iluminação e temperatura adequadas (campânulas)
  • 64.
  • 65.
  • 66. Manejo Alimentação - Mediada basicamente por ração. - 4 tipos de ração: pré- inicial (1 a 7 dias), inicial (8 a 21 dias), crescimento (22 a 35 dias) e terminação ou final (36 ao abate). - Maior parcela do custo. Manejo Sanitário - Além da limpeza antes do estabelecimento das aves, é importante realiza-la durante o processo. - Vacinação para prevenção de doenças. - Retirada de animais mortos. - Acompanhamento de números relevantes ao lote.
  • 67.
  • 68. Manejo Apanha ou retirada - Captura deve ser planejada e supervisionada por equipe especializada de modo a evitar arranhões e machucados nas aves. - Retirar ração algumas horas antes da captura das aves Transporte preferencial pela noite em gaiolas e caminhões específicos.
  • 69.
  • 70.
  • 71. Manejo Fase Inicial - 1ª a 11ª semana. - Alimentação rica em aminoácidos e vitaminas. - Podem ser criadas em camas ou gaiolas. - Debicagem para evitar o canibalismo de ovos. - É feita de 7 aos 10 dias de vida e a segunda entre a 6ª e 10ª semana de idade. - O corte do bico geralmente não é necessário para reprodutoras mantidas sob iluminação totalmente controlada Fase Crescimento - 11ª a 17ª semana. É feita de 7 aos 10 dias de vida e a segunda entre a 6ª e 10ª semana de idade. - O corte do bico não é necessário para reprodutoras mantidas sob iluminação totalmente controlada
  • 72. Fase Produção Manejo - A partir da 18ª semana. - No período de crescimento ou recria, deve ser feito o controle de peso e programa de luz. Os outros cuidados são iguais aos de frango de corte. - O programa de luz tem o objetivo de evitar que as aves não entrem em postura precoce e, após o início da postura, estimular a produção de ovos. - A transferência das aves deve ser realizada com total cuidado na 15ª semana de idade. - As aves devem ser alojadas em gaiolas ou ninhos, em grupos de tamanho uniforme. - Limpeza e desinfecção das instalações, vacinas e registros na criação de poedeiras comerciais são atividades indispensáveis para o bom resultado da produção.
  • 73. Características de uma boa poedeira: • Crista: grande, vermelha, macia, brilhante. • Tarsos: úmidos e túrgidos. • Bico: despigmentado. • Cloaca: grande, unida, macia e despigmentada. • Pele: lisa e macia. • Penas: abundante e sem brilho. • Cabeça: fina, delicada e magra. • Olhos: brilhantes e vivos. • Ossos pélvicos: flexíveis, fi nos e abertos. • Abdômen: volumoso e macio.
  • 74. Gaiolas Vantagens: ovos limpos, menor consumo de ração, menos problemas com doenças e menor mortalidade por amontoamento. Desvantagens: maior custo inicial, maior canibalismo, problemas com moscas, dificuldade no tratamento de doenças.
  • 75. Ninhos Vantagens: maior conforto e tranquilidade à ave. Desvantagens: ovos sujos e de menor qualidade
  • 76. Ovos - Colheita manual ou mecânica. - Quando se deseja a produção de ovos férteis para incubação, é necessária a presença do galo para que haja a fertilização. Caso os ovos sejam comercializados como alimento, é dispensável a presença do galo na granja.
  • 77. Pintos de 1 dia - O período de incubação do ovo da galinha é de 21 dias e 6 horas. - Os ovos são recepcionados na sala de recebimento e desinfecção, onde ocorre o descarte dos ovos improdutivos. - Em seguida, passam para a sala de estocagem, onde são colocados em bandejas especiais e levados às salas de incubação, onde encontram as câmaras incubadoras. Por fim, são levados para as salas de nascedouros, onde ocorre o nascimento dos pintinhos. - Aos 21 dias, o pinto já formado bica a casca e ocorre a eclosão.
  • 78. Sexagem dos pintinhos A diferenciação de maneira prática ocorre pela diferença nas penas das asas do pintinho. Nas fêmeas, podemos observar penas sobrepostas com diferentes tamanhos, o que não é visto nos machos.