SlideShare uma empresa Scribd logo
Fratura de Tíbia e Fíbula
Proximais
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Introdução
 1% de todas fraturas, 8% das fraturas em
idosos;
 55% a 70% do platô lateral (2 motivos), 10 a
30% bicondilar e 10% a 23% platô medial;
 Preservar a função normal e adequado do
joelho: deve se obter a congruência articular,
preservando o eixo anatômico do joelho, a
estabilidade da articulação e a completa ADM.
 Atualmente tem se dado um valor importante no
envelope de partes moles, como acesso
cirúrgico, momento de abordagem e técnicas
minimamente invasivas, têm ajudado a melhor
os resultados.
Mecanismo de lesão
 Traumas de alta energia (jovens) e baixa
energia (idosos);
 Consideráveis forças em varo ou valgo,
combinadas com solicitação axial;
 “Fratura do pára-choque”;
 Fraturas apenas em clivagem – jovens com osso
esponjoso denso capaz de suportar carga axial;
 Carga axial intensa gera fraturas cominuídas;
 Teoria do ligamento colateral intacto: perdeu
força devido a estudos com RM;
 Fratura do platô medial: + lesões associadas.
Sinais e sintomas
 Joelho edemaciado, doloroso e incapacidade de
sustenta o peso;
 Diminuição da ADM, hipersensibilidade a
palpação da tíbia proximal e da interlinha;
 Avaliar envoltório de tec moles (flictenas,
contusões profundas, falta de enrugamentos da
pele), avaliar presença de fraturas expostas;
 Avaliar compartimento, pulsos e avaliação
neurológicas;
 Avaliar lesões ligamentares associadas.
Avaliação por Imagens
 Radiografias do joelho em AP, Perfil e oblíquas em 40
graus interna e externa;
 Radiografias em tração - avaliar ligamentotaxia;
 RX AP c/ 10 a 15º de inclinação caudal;
 Se dúvida no grau de cominuição e do degrau articular
ou intenção de TTO cirúrgico, solicitar TC. Estudos
mostraram que a TC mudou em 26% dos casos o tto;
 RM tem mesma eficácia da TC para determinar lesões
ósseas, mas superior p/ evidenciar lesões ligamentares
ou/e meniscais. Sendo a melhor técnica de diagnóstico
por imagem. Mas custo alto.
 Arteriografia: alteração nos pulsos distais.
 Frat. Da cab. Fíbula e sinal Segond-instabilidade. Lesão
de Pellegrini-Stieda – não indica.
Classificação
 Diversos sistemas;
 Todos baseando na localização da fratura
e no grau deslocamento;
 Schatzker – mais utilizada na América do
Norte
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Classificação de Moore
Classificação
AO
Classificação
de Schatzker
Rockwood 6ª -
Tipo IV subtipos A e B
Honkonen and
Jarvinen subdividiram
o Tipo VI
Classificação de Schatzker
 Tipo I – adultos jovens, qdo fratura é deslocada
há lesão do menisco lateral ou desinserção
periférica. Pode interpor-se;
 Tipo II – Pctes de 4 década ou pouco mais;
 Tipo III – geralmente é central, as depressões
posteriores e lateral geram mais instabilidades;
 Tipo IV – menos freqüentes, traumas mais
graves, elevada incidência de lesões associadas;
 Tipo V – geralmente fratura medial + depressão
ou cisalhamento e depressão lateral;
 Tipo VI – quedas de grandes alturas, lesão de
partes moles, compartimento lesão do feixe
Classificação de Schatzker
 Tipo I – adultos jovens, qdo fratura é deslocada há lesão
do menisco lateral ou desinserção periférica. Pode
interpor-se;
 Tipo II – Pctes de 4 década ou pouco mais. A lesão do
LCM é mais freqüente neste tipo;
 Tipo III – geralmente é central, as depressões
posteriores e lateral geram mais instabilidades;
 Tipo IV – menos freqüentes, traumas mais graves,
elevada incidência de lesões associadas. Lesões de
meniscos são mais freqüentes nesta;
 Tipo V – geralmente fratura medial + depressão ou
cisalhamento e depressão lateral;
 Tipo VI – quedas de grandes alturas, lesão de partes
moles, compartimento lesão do feixe
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Anatomia Cirúrgica
 Tíbia têm as superfícies de carga com uma inclinação de
10º inferior no sentido ântero – posterior;
 Espinhas tibiais;
 Saliências ósseas onde inserem a mm – TAT e Tubérculo
de gerdy;
 Platô lateral: mais alto, mais estreito e convexo nos dois
sentidos. Cartilagem 3 mm;
 Platô medial: mais baixo e mais largo, côncavo nos dois
sentidos. Cartilagem 4 mm;
 Menisco lateral recobre uma área bem maior que o
medial;
 Ligamentos meniscostibiais
Tratamento – Visão Geral
 Objetivos: manter a articulação estável,
alinhada, indolor e móvel, e minimizar o risco de
artrose futura;
 Aspectos de prognóstico:
 Grau depressão articular;
 Extensão do afastamento dos fragmentos;
 Grau de cominuição e dissociação metáfise-diáfise;
 Integridade dos tecidos moles.
 Não existe concordância quanto ao grau de
depressão ou desnivelamento para indicar
cirurgia (4 – 10 mm) (3 – 4 mm);
Tratamento – Visão Geral
 Depressão articular suficiente para gerar
instabilidade – superfície deve ser elevada
e sustentada com enxerto;
 Instabilidade está ligada a resultados
ruins, e é uma indicação cirúrgica;
 Desalinhamento dos côndilos com a diáfise
geram resultados ruins;
 Princípios de Schatzker
Tratamento Conservador
 Indicações relativas:
 Fraturas não desviadas ou incompletas;
 Fraturas do platô lateral minimamente desviada e
estáveis;
 Fraturas instáveis em pcte idosos osteoporóticos;
 Osteoporose avançada;
 Fraturas da coluna vertebral e lesões da medula
espinhal;
 Algumas fraturas por PAF;
 Fraturas expostas contaminadas gravemente (IIIB);
 Fraturas infectadas;
 CI ligadas ao paciente ou limitação de técnica.
Tratamento Conservador
 Não pode ter instabilidade varo/valgo maior que 5 a 10
em nenhum ponto do arco de movimento ext – 90 flx.
Não pode ter um desalinhamento maior que 7º coronal;
 Órtese em extensão, em 1 a 2 semanas permitir flexão
progressiva e controlada até 90 graus (em 3 a 4
semanas);
 Manter órtese por 8 a 12 sem, até consolidação;
 Suspender apoio até 4 a 6 semana (fraturas
minimamente desviadas;
 Tração com pino na tíbia distal com férula de Bohlei-
Braun ou tala de Thomas e um acoplamento de
Pearson;3,5 a 4,5 kg- não reduz fragmentos impactados;
 Órtese após sinais de consolidação (3 a 6 sem). Evitar
apoio até 8 a 12 sem;
Tratamento Cirúrgico
 Indicações absolutas:
 Expostas;
 fraturas que desenvolvem compartimento agudo;
 lesão vascular.
 Indicações relativas:
 fraturas do platô lateral que gerem instabilidade;
 maioria das fraturas mediais (todas);
 fraturas bicondilares (todas).
 Melhor momento vai depender do estado do
paciente e da fratura;
 Realizar planejamento pré-operatório;
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Tratamento Cirúrgico
 Acesso Cirúrgicos:
 Incisão parapatelar (medial ou lateral),
longitudinais e retilíneas;
 Preferível uma única incisão;
 Quando necessário uma anterior e outra
póstero-medial ou póstero-lateral;
 Abordagem anterior com osteotomia da TAT –
Schatzker desaprova;
 Distrator;
 Acesso póstero-medial – fraturas atípicas ou
bicondilares no plano coronal;
Tratamento Cirúrgico
 Lesões Tipo I: avaliar menisco (RM ou artroscopia) Se
lesado e aprisionado – redução aberta (geralmente força
em varo), reparo da lesão meniscal e fixação. Se
menisco sem lesão, redução fechada com fixação
percutânea com parafuso canulado. Placa de suporte –
quando tiver cominuição inferior ;
 Lesões tipo II: Redução aberta, incisão longitudinal e
inferior aos meniscos, reduz elevando o fragmento
impactado da superfície articular - pelo componente
cisalhado, janela anterior na tíbia para elevar e reduzir a
superfície articular, fixação + enxerto. Placa ou parafuso.
;
 Lesões tipo III: elevação da superfície articular através
de janela na cortical óssea e fixação com canulados. Uso
artroscopia ou artrotomia.
Tratamento Cirúrgico
 Lesões Tipo I: avaliar menisco (RM ou artroscopia) Se
lesado e aprisionado – redução aberta (geralmente força
em varo), reparo da lesão meniscal e fixação. Se
menisco sem lesão, redução fechada com fixação
percutânea com parafuso canulado. Placa de suporte –
quando tiver cominuição inferior ;
 Lesões tipo II: Redução aberta, incisão longitudinal e
inferior aos meniscos, reduz elevando o fragmento
impactado da superfície articular - pelo componente
cisalhado, janela anterior na tíbia para elevar e reduzir a
superfície articular, fixação + enxerto. Placa ou parafuso.
;
 Lesões tipo III: elevação da superfície articular através
de janela na cortical óssea e fixação com canulados. Uso
artroscopia ou artrotomia.
www.traumatologiaeortopedia.com.b
 Placas LCP (bloqueio
na placa) são
excelente alternativa
(ângulo fixo) e
também dão opção
de compressão
(LISS e LCP bom em
osteoporose)
Tratamento Cirúrgico
 Lesões Tipo I: avaliar menisco (RM ou artroscopia) Se
lesado e aprisionado – redução aberta (geralmente força
em varo), reparo da lesão meniscal e fixação. Se
menisco sem lesão, redução fechada com fixação
percutânea com parafuso canulado. Placa de suporte –
quando tiver cominuição inferior ;
 Lesões tipo II: Redução aberta, incisão longitudinal e
inferior aos meniscos, reduz elevando o fragmento
impactado da superfície articular - pelo componente
cisalhado, janela anterior na tíbia para elevar e reduzir a
superfície articular, fixação + enxerto. Placa ou parafuso.
;
 Lesões tipo III: elevação da superfície articular através
de janela na cortical óssea e fixação com canulados. Uso
artroscopia ou artrotomia.
Tratamento Cirúrgico
 Lesões tipo IV: acesso anteromedial, traumas de
baixa energia pode ser tratado com canulados,
de alta energia usar placas de apóio. Fragmento
predominantemente posterior – pode ser
necessário acesso póstero-medial.
 Lesões do tipo V e VI: redução indireta por meio
de distrator, fixação e uso de enxertos. Pode se
combinar duas placas, ou fixação interna e
externa, ou usar fixador externo híbridos.
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Tratamento Cirúrgico
 Lesões tipo IV: acesso anteromedial, traumas de
baixa energia pode ser tratado com canulados,
de alta energia usar placas de apóio. Fragmento
predominantemente posterior – pode ser
necessário acesso póstero-medial.
 Lesões do tipo V e VI: redução indireta por meio
de distrator, fixação e uso de enxertos. Pode se
combinar duas placas, ou fixação interna e
externa, ou usar fixador externo híbridos.
Fraturas expostas
 Raras;
 Desbridamento e irrigação abundante;
 ATB cefalosporina por 48hs;
 Avaliar as condições para fixação imediata.
Ferida da fratura deve permanecer aberta.
 Avaliar a fixação interna definitiva da
fratura, casos Gustillo I e II;
 Fixador externo após lavagem;
Lesões Associadas
 Lesões ligamentares:
 1/3 das frat. de platô têm alguma lesão ligamentar, devem ser
identificadas;
 Ex. físico, rx simples e sob stress, no intra-operatório, RM e
artroscopia pode identificar as lesões;
 Qualquer abertura de 10º sugere instabilidade, mas não
subestimar a fratura;
 Maioria lesão do lig. Colateral medial (20% / 3% LCL), menisco
(20% / 50%) e lig. Cruzado Anterior (10%);
 A literatura defende a necessidade de reparas as grandes
avulsões, e contra indica o reparo, ou o reforço, ou a
reconstrução de ligamentos quando ocorre a ruptura em seu 1/3
médio
Lesões Associadas
 Lesões Vasculares:
 Lesões IV, V e VI;
 Feixe ancorado, com pouco espaço para resistira
qualquer deformidade imposta a fratura;
 Arteriogafia: ausência ou redução acentuada de
pulso; hematoma em expansão, presença de sopros
ou inchaço progressivos, hemorragia arterial
persistente e lesão nervosa correspondente;
 TTO da lesão em conjunto com o TTO da fratura,
dependendo do tempo de isquemia, vai determinar a
ordem do procedimento.
 Se realizar fasciotomia – fazer nos quatro
compartimentos – transfibular.
 Pós operatório:
 ATB, início precoce da mobilização
(dependendo da fixação)CMP;
 Tipo I, II e III: apoio parcial somente após 4
a 6 semanas, e total c/ 3 meses;
 Outros tipos: apoio c/ 6 a 8 semanas -
consolidação
Complicações
 Remoção do material de síntese: frat. De baixa energia –
a partir de 1 ano, alta energia – a partir de 18 a 24
meses. Manter sem apoio por 4 a 6 semanas após
retirada, apoio parcial por mais 1 sem. Esporte 4 a 6 m.
 Infecção: mais comum e devastadora, tto cirúrgico
agressivo e uso de atb 3 a 6 sem;
 Pseudoartrose: rara em traumas de baixo impacto,
maioria no tipo VI;
 Artrose pós traumática: incidência não definida, o varo é
menos tolerado,tende a ser unicompartimental se o eixo
for mantido;
 Rigidez de joelho: não é raro, mais intensa com
imobilização pós RAFI. Pcte tem que atingir 90 flx c/ 4
semanas. Se não tto c/ exercícios agressivos. Se c/ 10
semanas não obter 90, lise artroscópica e manipulação.
www.traumatologiaeortopedia.com.b

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Jorge Acosta Noriega
 
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
Thassiany Sarmento
 
Anatomia da coluna vertebral
Anatomia da coluna vertebralAnatomia da coluna vertebral
Anatomia da coluna vertebral
Dr. Peterson Xavier @drpetersonxavier
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
Marcelo Costa
 
Complicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de FraturasComplicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
saulo vinicius
 
Fraturas de coluna
Fraturas de colunaFraturas de coluna
Fraturas de coluna
Norberto Werle
 
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical altaLesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
Biancaglorinha
 
Aula de Fixação Externa
Aula de Fixação ExternaAula de Fixação Externa
Aula de Fixação Externa
Pablitoedu
 
Aula pé cavo
Aula pé cavoAula pé cavo
Aula pé cavo
Mauricio Fabiani
 
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. AbdallahPé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
Ágatha Mayara
 
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Hospital Universitario da Universidade Federal de Juiz de Fora -MG Brasil
 
Slides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femurSlides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femur
Luana Morais
 
aula-epifisiolise
aula-epifisioliseaula-epifisiolise
aula-epifisiolise
EmanoelFenelon
 
Fraturas Femorais
Fraturas FemoraisFraturas Femorais
Fraturas Femorais
Danyllo Lucas
 

Mais procurados (20)

Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
 
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
 
Anatomia da coluna vertebral
Anatomia da coluna vertebralAnatomia da coluna vertebral
Anatomia da coluna vertebral
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
 
Complicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de FraturasComplicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de Fraturas
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
 
Fraturas de coluna
Fraturas de colunaFraturas de coluna
Fraturas de coluna
 
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical altaLesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
 
Aula de Fixação Externa
Aula de Fixação ExternaAula de Fixação Externa
Aula de Fixação Externa
 
Aula pé cavo
Aula pé cavoAula pé cavo
Aula pé cavo
 
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. AbdallahPé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
 
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
 
Slides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femurSlides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femur
 
aula-epifisiolise
aula-epifisioliseaula-epifisiolise
aula-epifisiolise
 
Fraturas Femorais
Fraturas FemoraisFraturas Femorais
Fraturas Femorais
 

Semelhante a Fraturas de tibia e fibula proximais

Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
Marcus Murata
 
Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]
Claudevir Tunussi
 
Fraturas do femur distal
Fraturas do femur distalFraturas do femur distal
Fraturas do femur distal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo
Marcus Murata
 
fraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperioresfraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperiores
GustavoArouche1
 
Fratura-escápula.pptx
Fratura-escápula.pptxFratura-escápula.pptx
Fratura-escápula.pptx
GustavoArouche1
 
Fraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do AntebraçoFraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do Antebraço
Carlos Andrade
 
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Patrícia Oliver
 
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPAAula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
José Maria Abreu Junior
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Aula fratura do úmero proximal
Aula fratura do úmero proximalAula fratura do úmero proximal
Aula fratura do úmero proximal
Mauricio Fabiani
 
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
Joaquim Henrique Lorenzetti Branco
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
Tatiana Lage
 
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdfaulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
ssuser1c7b51
 
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica IIISeminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Universidade Federal de Uberlândia
 
Fratura Transtrocanteriana
Fratura TranstrocanterianaFratura Transtrocanteriana
Fratura Transtrocanteriana
Carlos Andrade
 
Seminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatricoSeminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatrico
Fagner Athayde
 
Lesões do mecanismo extensor do joelho
Lesões do mecanismo extensor do joelhoLesões do mecanismo extensor do joelho
Lesões do mecanismo extensor do joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Osteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelhoOsteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Semelhante a Fraturas de tibia e fibula proximais (20)

Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
 
Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]
 
Fraturas do femur distal
Fraturas do femur distalFraturas do femur distal
Fraturas do femur distal
 
Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo
 
fraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperioresfraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperiores
 
Fratura-escápula.pptx
Fratura-escápula.pptxFratura-escápula.pptx
Fratura-escápula.pptx
 
Fraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do AntebraçoFraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do Antebraço
 
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
 
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPAAula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
 
Aula fratura do úmero proximal
Aula fratura do úmero proximalAula fratura do úmero proximal
Aula fratura do úmero proximal
 
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdfaulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
 
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica IIISeminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
 
Fratura Transtrocanteriana
Fratura TranstrocanterianaFratura Transtrocanteriana
Fratura Transtrocanteriana
 
Seminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatricoSeminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatrico
 
Lesões do mecanismo extensor do joelho
Lesões do mecanismo extensor do joelhoLesões do mecanismo extensor do joelho
Lesões do mecanismo extensor do joelho
 
Osteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelhoOsteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelho
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 

Fraturas de tibia e fibula proximais

  • 1. Fratura de Tíbia e Fíbula Proximais www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 2. Introdução  1% de todas fraturas, 8% das fraturas em idosos;  55% a 70% do platô lateral (2 motivos), 10 a 30% bicondilar e 10% a 23% platô medial;  Preservar a função normal e adequado do joelho: deve se obter a congruência articular, preservando o eixo anatômico do joelho, a estabilidade da articulação e a completa ADM.  Atualmente tem se dado um valor importante no envelope de partes moles, como acesso cirúrgico, momento de abordagem e técnicas minimamente invasivas, têm ajudado a melhor os resultados.
  • 3. Mecanismo de lesão  Traumas de alta energia (jovens) e baixa energia (idosos);  Consideráveis forças em varo ou valgo, combinadas com solicitação axial;  “Fratura do pára-choque”;  Fraturas apenas em clivagem – jovens com osso esponjoso denso capaz de suportar carga axial;  Carga axial intensa gera fraturas cominuídas;  Teoria do ligamento colateral intacto: perdeu força devido a estudos com RM;  Fratura do platô medial: + lesões associadas.
  • 4. Sinais e sintomas  Joelho edemaciado, doloroso e incapacidade de sustenta o peso;  Diminuição da ADM, hipersensibilidade a palpação da tíbia proximal e da interlinha;  Avaliar envoltório de tec moles (flictenas, contusões profundas, falta de enrugamentos da pele), avaliar presença de fraturas expostas;  Avaliar compartimento, pulsos e avaliação neurológicas;  Avaliar lesões ligamentares associadas.
  • 5. Avaliação por Imagens  Radiografias do joelho em AP, Perfil e oblíquas em 40 graus interna e externa;  Radiografias em tração - avaliar ligamentotaxia;  RX AP c/ 10 a 15º de inclinação caudal;  Se dúvida no grau de cominuição e do degrau articular ou intenção de TTO cirúrgico, solicitar TC. Estudos mostraram que a TC mudou em 26% dos casos o tto;  RM tem mesma eficácia da TC para determinar lesões ósseas, mas superior p/ evidenciar lesões ligamentares ou/e meniscais. Sendo a melhor técnica de diagnóstico por imagem. Mas custo alto.  Arteriografia: alteração nos pulsos distais.  Frat. Da cab. Fíbula e sinal Segond-instabilidade. Lesão de Pellegrini-Stieda – não indica.
  • 6. Classificação  Diversos sistemas;  Todos baseando na localização da fratura e no grau deslocamento;  Schatzker – mais utilizada na América do Norte www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 7.
  • 10. Classificação de Schatzker Rockwood 6ª - Tipo IV subtipos A e B Honkonen and Jarvinen subdividiram o Tipo VI
  • 11. Classificação de Schatzker  Tipo I – adultos jovens, qdo fratura é deslocada há lesão do menisco lateral ou desinserção periférica. Pode interpor-se;  Tipo II – Pctes de 4 década ou pouco mais;  Tipo III – geralmente é central, as depressões posteriores e lateral geram mais instabilidades;  Tipo IV – menos freqüentes, traumas mais graves, elevada incidência de lesões associadas;  Tipo V – geralmente fratura medial + depressão ou cisalhamento e depressão lateral;  Tipo VI – quedas de grandes alturas, lesão de partes moles, compartimento lesão do feixe
  • 12. Classificação de Schatzker  Tipo I – adultos jovens, qdo fratura é deslocada há lesão do menisco lateral ou desinserção periférica. Pode interpor-se;  Tipo II – Pctes de 4 década ou pouco mais. A lesão do LCM é mais freqüente neste tipo;  Tipo III – geralmente é central, as depressões posteriores e lateral geram mais instabilidades;  Tipo IV – menos freqüentes, traumas mais graves, elevada incidência de lesões associadas. Lesões de meniscos são mais freqüentes nesta;  Tipo V – geralmente fratura medial + depressão ou cisalhamento e depressão lateral;  Tipo VI – quedas de grandes alturas, lesão de partes moles, compartimento lesão do feixe www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 13. Anatomia Cirúrgica  Tíbia têm as superfícies de carga com uma inclinação de 10º inferior no sentido ântero – posterior;  Espinhas tibiais;  Saliências ósseas onde inserem a mm – TAT e Tubérculo de gerdy;  Platô lateral: mais alto, mais estreito e convexo nos dois sentidos. Cartilagem 3 mm;  Platô medial: mais baixo e mais largo, côncavo nos dois sentidos. Cartilagem 4 mm;  Menisco lateral recobre uma área bem maior que o medial;  Ligamentos meniscostibiais
  • 14.
  • 15. Tratamento – Visão Geral  Objetivos: manter a articulação estável, alinhada, indolor e móvel, e minimizar o risco de artrose futura;  Aspectos de prognóstico:  Grau depressão articular;  Extensão do afastamento dos fragmentos;  Grau de cominuição e dissociação metáfise-diáfise;  Integridade dos tecidos moles.  Não existe concordância quanto ao grau de depressão ou desnivelamento para indicar cirurgia (4 – 10 mm) (3 – 4 mm);
  • 16. Tratamento – Visão Geral  Depressão articular suficiente para gerar instabilidade – superfície deve ser elevada e sustentada com enxerto;  Instabilidade está ligada a resultados ruins, e é uma indicação cirúrgica;  Desalinhamento dos côndilos com a diáfise geram resultados ruins;  Princípios de Schatzker
  • 17. Tratamento Conservador  Indicações relativas:  Fraturas não desviadas ou incompletas;  Fraturas do platô lateral minimamente desviada e estáveis;  Fraturas instáveis em pcte idosos osteoporóticos;  Osteoporose avançada;  Fraturas da coluna vertebral e lesões da medula espinhal;  Algumas fraturas por PAF;  Fraturas expostas contaminadas gravemente (IIIB);  Fraturas infectadas;  CI ligadas ao paciente ou limitação de técnica.
  • 18. Tratamento Conservador  Não pode ter instabilidade varo/valgo maior que 5 a 10 em nenhum ponto do arco de movimento ext – 90 flx. Não pode ter um desalinhamento maior que 7º coronal;  Órtese em extensão, em 1 a 2 semanas permitir flexão progressiva e controlada até 90 graus (em 3 a 4 semanas);  Manter órtese por 8 a 12 sem, até consolidação;  Suspender apoio até 4 a 6 semana (fraturas minimamente desviadas;  Tração com pino na tíbia distal com férula de Bohlei- Braun ou tala de Thomas e um acoplamento de Pearson;3,5 a 4,5 kg- não reduz fragmentos impactados;  Órtese após sinais de consolidação (3 a 6 sem). Evitar apoio até 8 a 12 sem;
  • 19. Tratamento Cirúrgico  Indicações absolutas:  Expostas;  fraturas que desenvolvem compartimento agudo;  lesão vascular.  Indicações relativas:  fraturas do platô lateral que gerem instabilidade;  maioria das fraturas mediais (todas);  fraturas bicondilares (todas).  Melhor momento vai depender do estado do paciente e da fratura;  Realizar planejamento pré-operatório; www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 20. Tratamento Cirúrgico  Acesso Cirúrgicos:  Incisão parapatelar (medial ou lateral), longitudinais e retilíneas;  Preferível uma única incisão;  Quando necessário uma anterior e outra póstero-medial ou póstero-lateral;  Abordagem anterior com osteotomia da TAT – Schatzker desaprova;  Distrator;  Acesso póstero-medial – fraturas atípicas ou bicondilares no plano coronal;
  • 21.
  • 22.
  • 23. Tratamento Cirúrgico  Lesões Tipo I: avaliar menisco (RM ou artroscopia) Se lesado e aprisionado – redução aberta (geralmente força em varo), reparo da lesão meniscal e fixação. Se menisco sem lesão, redução fechada com fixação percutânea com parafuso canulado. Placa de suporte – quando tiver cominuição inferior ;  Lesões tipo II: Redução aberta, incisão longitudinal e inferior aos meniscos, reduz elevando o fragmento impactado da superfície articular - pelo componente cisalhado, janela anterior na tíbia para elevar e reduzir a superfície articular, fixação + enxerto. Placa ou parafuso. ;  Lesões tipo III: elevação da superfície articular através de janela na cortical óssea e fixação com canulados. Uso artroscopia ou artrotomia.
  • 24.
  • 25. Tratamento Cirúrgico  Lesões Tipo I: avaliar menisco (RM ou artroscopia) Se lesado e aprisionado – redução aberta (geralmente força em varo), reparo da lesão meniscal e fixação. Se menisco sem lesão, redução fechada com fixação percutânea com parafuso canulado. Placa de suporte – quando tiver cominuição inferior ;  Lesões tipo II: Redução aberta, incisão longitudinal e inferior aos meniscos, reduz elevando o fragmento impactado da superfície articular - pelo componente cisalhado, janela anterior na tíbia para elevar e reduzir a superfície articular, fixação + enxerto. Placa ou parafuso. ;  Lesões tipo III: elevação da superfície articular através de janela na cortical óssea e fixação com canulados. Uso artroscopia ou artrotomia.
  • 27.
  • 28.  Placas LCP (bloqueio na placa) são excelente alternativa (ângulo fixo) e também dão opção de compressão (LISS e LCP bom em osteoporose)
  • 29. Tratamento Cirúrgico  Lesões Tipo I: avaliar menisco (RM ou artroscopia) Se lesado e aprisionado – redução aberta (geralmente força em varo), reparo da lesão meniscal e fixação. Se menisco sem lesão, redução fechada com fixação percutânea com parafuso canulado. Placa de suporte – quando tiver cominuição inferior ;  Lesões tipo II: Redução aberta, incisão longitudinal e inferior aos meniscos, reduz elevando o fragmento impactado da superfície articular - pelo componente cisalhado, janela anterior na tíbia para elevar e reduzir a superfície articular, fixação + enxerto. Placa ou parafuso. ;  Lesões tipo III: elevação da superfície articular através de janela na cortical óssea e fixação com canulados. Uso artroscopia ou artrotomia.
  • 30.
  • 31. Tratamento Cirúrgico  Lesões tipo IV: acesso anteromedial, traumas de baixa energia pode ser tratado com canulados, de alta energia usar placas de apóio. Fragmento predominantemente posterior – pode ser necessário acesso póstero-medial.  Lesões do tipo V e VI: redução indireta por meio de distrator, fixação e uso de enxertos. Pode se combinar duas placas, ou fixação interna e externa, ou usar fixador externo híbridos.
  • 32.
  • 34. Tratamento Cirúrgico  Lesões tipo IV: acesso anteromedial, traumas de baixa energia pode ser tratado com canulados, de alta energia usar placas de apóio. Fragmento predominantemente posterior – pode ser necessário acesso póstero-medial.  Lesões do tipo V e VI: redução indireta por meio de distrator, fixação e uso de enxertos. Pode se combinar duas placas, ou fixação interna e externa, ou usar fixador externo híbridos.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Fraturas expostas  Raras;  Desbridamento e irrigação abundante;  ATB cefalosporina por 48hs;  Avaliar as condições para fixação imediata. Ferida da fratura deve permanecer aberta.  Avaliar a fixação interna definitiva da fratura, casos Gustillo I e II;  Fixador externo após lavagem;
  • 39. Lesões Associadas  Lesões ligamentares:  1/3 das frat. de platô têm alguma lesão ligamentar, devem ser identificadas;  Ex. físico, rx simples e sob stress, no intra-operatório, RM e artroscopia pode identificar as lesões;  Qualquer abertura de 10º sugere instabilidade, mas não subestimar a fratura;  Maioria lesão do lig. Colateral medial (20% / 3% LCL), menisco (20% / 50%) e lig. Cruzado Anterior (10%);  A literatura defende a necessidade de reparas as grandes avulsões, e contra indica o reparo, ou o reforço, ou a reconstrução de ligamentos quando ocorre a ruptura em seu 1/3 médio
  • 40. Lesões Associadas  Lesões Vasculares:  Lesões IV, V e VI;  Feixe ancorado, com pouco espaço para resistira qualquer deformidade imposta a fratura;  Arteriogafia: ausência ou redução acentuada de pulso; hematoma em expansão, presença de sopros ou inchaço progressivos, hemorragia arterial persistente e lesão nervosa correspondente;  TTO da lesão em conjunto com o TTO da fratura, dependendo do tempo de isquemia, vai determinar a ordem do procedimento.  Se realizar fasciotomia – fazer nos quatro compartimentos – transfibular.
  • 41.  Pós operatório:  ATB, início precoce da mobilização (dependendo da fixação)CMP;  Tipo I, II e III: apoio parcial somente após 4 a 6 semanas, e total c/ 3 meses;  Outros tipos: apoio c/ 6 a 8 semanas - consolidação
  • 42. Complicações  Remoção do material de síntese: frat. De baixa energia – a partir de 1 ano, alta energia – a partir de 18 a 24 meses. Manter sem apoio por 4 a 6 semanas após retirada, apoio parcial por mais 1 sem. Esporte 4 a 6 m.  Infecção: mais comum e devastadora, tto cirúrgico agressivo e uso de atb 3 a 6 sem;  Pseudoartrose: rara em traumas de baixo impacto, maioria no tipo VI;  Artrose pós traumática: incidência não definida, o varo é menos tolerado,tende a ser unicompartimental se o eixo for mantido;  Rigidez de joelho: não é raro, mais intensa com imobilização pós RAFI. Pcte tem que atingir 90 flx c/ 4 semanas. Se não tto c/ exercícios agressivos. Se c/ 10 semanas não obter 90, lise artroscópica e manipulação. www.traumatologiaeortopedia.com.b