SlideShare uma empresa Scribd logo
Fraturas do tornozelo
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Epidemiologia
 Pesquisas baseadas na população, indicam
que a incidência de fraturas do tornozelo
aumentou acentuadamente desde os primeiros
anos da década de1960;
 Registro nacional de altas hospitalares da
Finlândia(mais de 60 anos):
 1970: 57:100.000 pessoas;
 1994: 130:100.000 pessoas.
 Malmo(Suécia): aumento semelhante da
incidência;
 Fatores de risco:
 Aumento de massa corporal;
 Tabagismo;
 Mulheres idosas.
Radiologia do tornozelo
 Regras de Ottawa:
 Dor próximo aos maléolos;
 Idade acima dos 55 anos;
 Incapacidade de apoiar o peso do corpo;
 Dor à palpação na borda posterior ou na ponta
de qualquer maléolo.
Radiologia do tornozelo
 Exames radiográficos:
 As radiografias do tornozelo, a ser realizadas no
serviço de traumatologia, incluem incidências da
pinça maleolar(AP verdadeiro), ântero-
posterior(AP) e lateral, sem o apoio de peso;
Radiologia do tornozelo
 A radiografia da pinça malelolar(AP
verdadeiro) é obtida com a perna do
paciente rodada em 15° de rotação interna,
de forma que o feixe radiográfico fique
perpendicular ao eixo transmalelolar.
Radiologia do tornozelo
 A radiografia em AP
deverá ser obtida em
alinhamento com o
segundo raio do pé;
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Radiologia do tornozelo
 A radiografia lateral deverá ser obtida
com o pé perpendicular ao longo eixo
da tíbia, centralizando-se o feixe no
tálus.
Radiologia do tornozelo
 Tomografia
computadorizada:
 Ajuda a delinear a
anatomia óssea,
especialmente quando
o paciente sofreu uma
lesão no pilão tibial.
 Ressonância magnética:
 Pode ser usada na
avaliação de lesões
periarticulares
ocultas(cartilaginosas,
ligamentares ou
tendinosas).
Aferição radiográfica do
alinhamento e da estabilidade
 Parâmetros de alinhamento do tornozelo:
 Linha articular íntegra;
 Ângulo talocrural;
 Espaço vazio medial;
 Avaliação do alargamento sindesmótico
Fraturas do tornozelo
Aferição radiográfica do
alinhamento e da estabilidade
 Linha articular íntegra: linha óssea evidente
e contínua de osso subcondral condensado
ao redor do tálus, que vai do osso
subcondral da tíbia distal até a face medial
da fíbula.
Aferição radiográfica do
alinhamento e da estabilidade
 Ângulo talocrural: é o ângulo subentendido
entre uma linha traçada paralelamente à
superfície articular da tíbia distal, e uma
segunda linha conectando os dois maléolos.
Este Ângulo varia normalmente entre 8° e
15°.
Aferição radiográfica do
alinhamento e da estabilidade
 Espaço vazio medial: trata-se da distância
entre a borda lateral do maléolo medial e a
borda medial do tálus. Um espaço superior
a 4 mm é considerado anormal e indica um
desvio lateral do tálus.
Aferição radiográfica do
alinhamento e da estabilidade
 Avaliação do alargamento sindesmótico: a
abordagem mais simples é medir a distância
entre a parede medial da fíbula e a superfície
reentrante da tíbia. Esse espaço vazio
tibiofibular não deverá ser inferior a 6 mm, tanto
na radiografia em AP verdadeiro ou da pinça
maleolar como na radiografia AP.
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Fraturas do tornozelo
Anatomia cirúrgica e
aplicada
 A anatomia óssea da articulação talo-crural
proporciona estabilidade durante a flexão
dorsal (junta: macho e fêmea) e uma relativa
mobilidade durante a flexão plantar(estruturas
ligamentares);
 Articulação do tornozelo: é complexa, formada
por três ossos. Ela é constituída pelo pilão
tibial, inclusive com o maléolo posterior que
articula-se com o corpo do tálus, e pelos
maléolos medial e lateral. A articulação é
considerada em forma de sela, e a
circunferência maior do domo do tálus localiza-
se mais lateral que medialmente.
Fraturas do tornozelo
Anatomia cirúrgica e
aplicada
 Estruturas ligamentares: existem três grupos
distintos de ligamentos, sustentando a
articulação do tornozelo:
 Os ligamentos sindesmóticos;
 Os ligamentos colaterais laterais;
 O ligamento colateral medial.
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Anatomia cirúrgica e
aplicada
 Tendões e estruturas neurovasculares: a
articulação do tornozelo é cruzada por cinco
nervos, duas artérias e veias importantes e
treze tendões;
 Estes tendões dividem-se em quatro grupos:
 Posterior(tendão calcâneo e os tendões
plantares);
 Medial(tendões flexores);
 Lateral(tendões fibulares);
 Anterior(tendões extensores).
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Biomecânica clínica do
tornozelo
 Os movimentos normais da articulação do
tornozelo ocorrem predominantemente no
plano sagital, mas envolvem graus variados de
rotação ao redor dos eixos vertical e
longitudinal;
 Eixo articular: em flexão dorsal, o eixo inclina-
se para baixo e para o lado, ao passo que, em
flexão plantar, o eixo inclina-se para baixo
medialmente;
 A estabilidade do tornozelo, durante a marcha,
parece decorrer principalmente da congruência
articular.
Fraturas do tornozelo
 As fraturas do tornozelo podem ser descritas
através do provável mecanismo de lesão, como
lesões predominantemente rotacionais ou
causadas por cargas axiais;
 Esta diferenciação é significativa, porque o
tratamento, o prognóstico e a probabilidade de
complicações são consideravelmente
diferentes;
 As fraturas maleolares por rotação constituem
lesões menos graves que as fraturas do pilão
tibial,causadas por cargas axiais.
Fraturas rotacionais do
tornozelo
 Classificação:
 Classificação através da descrição da lesão:
 Classificação de Lauge-Hansen;
 Classificação AO.
Classificação de Lauge-
Hansen
 O tipo de fratura de tornozelo depende de dois
fatores:
 Posição do pé no momento da lesão(pronação
ou supinação);
 Força deformante(rotação externa, abdução ou
adução).
 Diferenciam-se quatro tipos principais de
fraturas:
 Supinação-adução;
 Supinação-rotação externa;
 Pronação-abdução;
 Pronação-rotação externa.www.traumatologiaeortopedia.com.b
Classificação de Lauge-
Hansen
 A lesão inicial pode ser isolada ou seguida em
uma seqüência previsível de lesões
complementares das demais estruturas
próximas ao tornozelo, nos quatro tipos de
fraturas;
 O mecanismo de lesão mais comum é o
supinação-rotação externa, responsável pela
maioria de todos os padrões.
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Classificação AO
 O atual sistema de classificação AO/OTA é uma
extensão da classificação de Weber e utiliza
códigos alfanuméricos, para descrever os
detalhes morfológicos das fraturas rotacionais
do tornozelo;
 Divide-se em três grupos principais e suas
respectivas subdivisões(lesão medial e
característica das fraturas da fíbula).
 Classificação complexa . Limitação da
utilização em pesquisas clinicas.
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Circunstâncias especiais
 Essas eventualidades podem ser divididas em:
 Lesões associadas;
 Fraturas atípicas do tornozelo;
 Problemas inerentes ao paciente.
Circunstâncias especiais
 Lesões associadas:
 Fraturas expostas(as fraturas expostas e as fraturas-
luxações do tornozelo são muito mais raras que as
fraturas fechadas, 2% dos casos);
 Lesões neurovasculares(as forças rotacionais,
combinadas as amplas superfícies articulares lesionadas,
raramente resultam em ruptura do feixe neurovacular);
 Ruptura de tendões(recomenda-se o reparo imediato);
 Síndrome compartimental(manifestação extremamente
rara nas fraturas de tornozelo e é mais comum no
compartimento posterior profundo da perna).
Circunstâncias especiais
 Fraturas atípicas do tornozelo:
 Fraturas associadas: fraturas do colo ou do
corpo do tálus, fraturas-luxações subtalares,
fraturas do calcâneo e lesões do mediopé e
antepé;
 As fraturas rotacionais do tornozelo também
podem ocorrer simultaneamente a uma fratura
da diáfise da tíbia ipsilateral;
 Padrão das lesões x proposta de tratamento.
Circunstâncias especiais
 Problemas inerentes ao paciente:
 Pacientes idosos;
 Obesidade;
 Diabetes.
Tratamento
 Avaliação inicial:
 Histórico(as fraturas do tornozelo resultam normalmente
de forças rotacionais de pouca energia, impostas durante
a prática de esportes ou por tropeções durante as
atividades da vida diária);
 Exame físico(o pé e o tornozelo deverão ser examinados
minuciosamente, em busca de ferimento aberto. Nos
casos de fraturas-luxações, haverá uma acentuada
deformidade do pé em relação à perna distal e o
deslocamento poderá ser lateral, posterior ou medial.
Trata-se de fundamental importância, a avaliação das
condições neurovasculares do pé acometido);
 Tratamento inicial(redução das fraturas-luxações,
imobilização provisória e abordagem das complicações)
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Fraturas do tornozelo
Tratamento
 Opções para o tratamento definitivo:
 Existem relativamente poucos métodos de tratamento
para as fraturas rotacionais do tornozelo;
 Algumas fraturas dispensam a redução e podem ser
tratadas com imobilização do tornozelo(bota gessada ou
órtese removível) e muletas, de acordo com a
necessidade;
 Outras fraturas do tornozelo exigem redução, para obter-
se os resultados ideais. A redução pode ser aberta ou
fechada. A manutenção da redução fechada exige
imobilização com um aparelho de gesso inguino-podálico
abrangendo toda a perna. A maioria das fraturas com
deslocamento exige redução aberta e fixação interna.
Tratamento
 Tratamento fechado:
 Fraturas estáveis:
 O tratamento fechado das fraturas do tornozelo resulta
em excelente função, em uma elevada porcentagem
dos casos;
 Os resultados relativos às fraturas estáveis do
tornozelo são os mais previsíveis, consistindo em uma
fratura da fíbula sem lesão do lado medial.
 As fraturas estáveis do tornozelo deverão ser
protegidas durante 4 a 6 semanas, em uma bota
gessada ou em uma órtese. Poder-se-á começar o
apoio do peso corporal quando os sintomas
desaparecerem.
Tratamento
 Tratamento fechado:
 Fraturas instáveis:
 As fraturas instáveis incluem uma fratura do maléolo
lateral, combinada a uma lesão do lado medial(fratura
ou ruptura do ligamento deltóide); podem apresentar o
tálus de maneira luxada ou subluxada;
 Fraturas com deslocamento do tálus: redução fechada
sob analgesia, sendo imobilizado com aparelho de
gesso longo durante 6 semanas, em seguida, mais 4
semanas de imobilização em uma bota de gesso;
 Fraturas bimaleolares: exigem redução exata dos dois
lados do tornozelo e imobilização gessada e
acompanhamento radiográfico durante 4 semanas.
Tratamento
 Tratamento fechado:
 Contra-indicações:
 Impossibilidade de manter o tálus na posição exata da
pinça maleolar;
 Não redução de outros deslocamentos
críticos(deslocamentos de partes consideráveis da
superfície articular da tíbia distal: fraturas do ângulo do
maléolo medial, grandes fraturas do maléolo posterior
e as fraturas do canto ântero-lateral);
 Encurtamento considerável da fíbula;
 Lesão sindesmótica ou diastase tibiofibular distal.
Tratamento
 Tratamento cirúrgico:
 Fraturas estáveis:
 As fraturas estáveis são consideradas para
tratamento cirúrgico somente quando as
lesões associadas, como as fraturas
osteocondrais do domo ou do colo do tálus,
exigirem intervenção cirúrgica;
www.traumatologiaeortopedia.com.b
Tratamento
 Tratamento cirúrgico:
 Fraturas instáveis:
 O tratamento cirúrgico é indicado quando é impossível
obter e manter uma posição adequada, através de
redução fechada, ou quando existe considerável
deslocamento de partes da superfície articular;
 A diastase tibiofibular decorrente de uma lesão da
sindesmose deve ser cirurgicamente reduzida e fixada
internamente;
 Recomenda-se a redução cirúrgica e fixação interna
para as grandes fraturas do maléolo medial
deslocadas.
Tratamento cirúrgico
 Redução e fixação das fraturas do maléolo lateral:
 A fratura da fíbula deve ser diretamente exposta através
da abordagem lateral, deixando o máximo possível de
partes moles intactas sobre a fíbula;
 As fraturas da fíbula são fixadas, em sua maioria, com
uma placa um terço tubular, moldada e adaptada a fíbula
lateral;
 A resistência da fixação poderá ser aumentada,
comprimindo-se o local da fratura com um parafuso de
compressão interfragmentar colocado na direção anterior-
proximal/posterior-distal
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Tratamento cirúrgico
 Fixação do maléolo medial:
 A fratura mais comum do maléolo medial ocorre
no ângulo do pilão tibial e avança obliquamente
em uma direção próximo-medial;
 A fixação definitiva é realizada na maioria dos
casos com dois parafusos para osso esponjoso
parcialmente rosqueados;
 Outro método de fixação das fraturas do
maléolo medial é a amarração em banda de
tensão com dois fios de Kirschner paralelos;
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Tratamento cirúrgico
 Ligamento deltóide:
 A ruptura do ligamento deltóide
raramente precisa ser tratada
cirurgicamente;
Tratamento cirúrgico
 Maléolo posterior:
 A maioria das indicações de fixação baseiam-se
no tamanho do fragmento maleolar, avaliado
radiograficamente. A maioria dos autores
recomenda fixar internamente os fragmentos
cujo tamanho ultrapasse 25% a 30% da
superfície articular.
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
Tratamento cirúrgico
 Sindesmose:
 Freqüentemente associadas as
fraturas rotacionais e luxações;
 Tipos A e B nem sempre acarretam
lesão da sindesmose;
 Tipo C, fratura em pronação, sempre
haverá uma lesão da sindesmose.
Tratamento cirúrgico
 Sindesmose:
 O nível de altura da fratura constitui
apenas um indicio da existência ou
não de lesão da sindesmose;
 Necessidade da avaliação radiológica
pré-op e exame clinico detalhado;
Fraturas do tornozelo
Tratamento cirúrgico
 Sindesmose:
 Fixar 2 cm acima da linha articular da
tibio-társica;
 Rockwood: qualquer nível funciona
adequadamente ;
 Dois parafusos resistem mais.
Tratamento cirúrgico
 Sindesmose:
 Fixar a sindesmose após
restabelecimento do comprimento
fibular;
 Imobilizar a fíbula corretamente em
relação a tíbia;
 Flexão dorsal do tornozelo;
Fraturas do tornozelo
Tratamento cirúrgico
 Sindesmose:
 Três ou quatro corticais?
 Um ou dois parafusos?
 Liberar carga ou não?
 Retirar o parafuso? Se sim quando?
Tratamento cirúrgico
 Procedimentos Combinados:
 Se fratura bimaleolar sem cominuição fixar
primeiro lateral e depois medial;
 Se presente cominuição lateral inverte-se a
fixação;
 Deixar maléolo posterior como última
etapa.
Fraturas do tornozelo
Pós- Operatório
 Cuidados iniciais: Cuidados
iniciais(elevação da extremidade,
imobilização em posição neutra, gelo ou
crioterapia);
 Movimentação e apoio do peso:
precoce, o que impõe menos restrições e
capacita-os a uma mobilidade maior,
durante as primeiras fases de
recuperação.
Pós- Operatório
 Reabilitação: fisioterapia raramente é
indicada, sendo que a manutenção da
flexão dorsal adequada é fundamental
para a obtenção de bons resultados;
 Retirada do material de
osteossíntese: implantes
bioabsorvíveis x fixação da fíbula por
meios de parafusos de compressão.
Complicações
 Perda de redução;
 Consolidação viciosa;
 Pseudoartrose;
 Deiscência de ferida;
 Limitação da ADM;
 Infecção;
 Artrose do Tornozelo.
www.traumatologiaeortopedia.com.b

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Hospital Universitario da Universidade Federal de Juiz de Fora -MG Brasil
 
Fraturas do femur distal
Fraturas do femur distalFraturas do femur distal
Fraturas do femur distal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Jorge Acosta Noriega
 
Fratura Exposta 2011
Fratura Exposta 2011Fratura Exposta 2011
Fratura Exposta 2011
Carlos Andrade
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
Caio Gonçalves de Souza
 
Complicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de FraturasComplicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
SemioOrto
 
Fractura dos metacarpos slideshare
Fractura dos metacarpos slideshareFractura dos metacarpos slideshare
Fractura dos metacarpos slideshare
acgbia
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
saulo vinicius
 
Lesões meniscais
Lesões meniscaisLesões meniscais
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o AnoMétodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Carlos Andrade
 
Fraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximaisFraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximais
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
Thassiany Sarmento
 
Powerpoint trações
Powerpoint traçõesPowerpoint trações
Powerpoint trações
Tiago Barata
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
Ágatha Mayara
 
Enfermagem em ortopedia
Enfermagem em ortopediaEnfermagem em ortopedia
Enfermagem em ortopedia
Vitor Pires
 

Mais procurados (20)

Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
 
Fraturas do femur distal
Fraturas do femur distalFraturas do femur distal
Fraturas do femur distal
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
 
Fratura Exposta 2011
Fratura Exposta 2011Fratura Exposta 2011
Fratura Exposta 2011
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
 
Complicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de FraturasComplicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de Fraturas
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
 
Fractura dos metacarpos slideshare
Fractura dos metacarpos slideshareFractura dos metacarpos slideshare
Fractura dos metacarpos slideshare
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
 
Lesões meniscais
Lesões meniscaisLesões meniscais
Lesões meniscais
 
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o AnoMétodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
 
Fraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximaisFraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximais
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
 
Powerpoint trações
Powerpoint traçõesPowerpoint trações
Powerpoint trações
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
 
Enfermagem em ortopedia
Enfermagem em ortopediaEnfermagem em ortopedia
Enfermagem em ortopedia
 

Semelhante a Fraturas do tornozelo

Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
GustavoMiarelliCampo
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Welisson Porto
 
Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
Marcus Murata
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
SemioOrto
 
Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactado
Jiga Jose
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani
 
Artrose de joelho
Artrose de joelhoArtrose de joelho
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Modulo 14
Modulo 14Modulo 14
Modulo 14
SemioOrto
 
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Noara Thomaz
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Kn Expedições
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Luiz Otavio Quintino
 
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
Joaquim Henrique Lorenzetti Branco
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
Rosana
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Fabio Mazzola
 
Avaliaoradiologicadotrauma
AvaliaoradiologicadotraumaAvaliaoradiologicadotrauma
Avaliaoradiologicadotrauma
leandrodocarmo6
 
Protocolo Ressonância magnética do joelho e tornozelo
Protocolo Ressonância magnética do joelho e tornozeloProtocolo Ressonância magnética do joelho e tornozelo
Protocolo Ressonância magnética do joelho e tornozelo
arianechaves
 
Trauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombarTrauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombar
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical altaLesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Semelhante a Fraturas do tornozelo (20)

Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
 
Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
 
Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactado
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Artrose de joelho
Artrose de joelhoArtrose de joelho
Artrose de joelho
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
 
Modulo 14
Modulo 14Modulo 14
Modulo 14
 
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
 
Avaliaoradiologicadotrauma
AvaliaoradiologicadotraumaAvaliaoradiologicadotrauma
Avaliaoradiologicadotrauma
 
Protocolo Ressonância magnética do joelho e tornozelo
Protocolo Ressonância magnética do joelho e tornozeloProtocolo Ressonância magnética do joelho e tornozelo
Protocolo Ressonância magnética do joelho e tornozelo
 
Trauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombarTrauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombar
 
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical altaLesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de patela
Fratura de patelaFratura de patela

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
 
Fratura de patela
Fratura de patelaFratura de patela
Fratura de patela
 

Último

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 

Último (7)

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 

Fraturas do tornozelo

  • 2. Epidemiologia  Pesquisas baseadas na população, indicam que a incidência de fraturas do tornozelo aumentou acentuadamente desde os primeiros anos da década de1960;  Registro nacional de altas hospitalares da Finlândia(mais de 60 anos):  1970: 57:100.000 pessoas;  1994: 130:100.000 pessoas.  Malmo(Suécia): aumento semelhante da incidência;  Fatores de risco:  Aumento de massa corporal;  Tabagismo;  Mulheres idosas.
  • 3. Radiologia do tornozelo  Regras de Ottawa:  Dor próximo aos maléolos;  Idade acima dos 55 anos;  Incapacidade de apoiar o peso do corpo;  Dor à palpação na borda posterior ou na ponta de qualquer maléolo.
  • 4. Radiologia do tornozelo  Exames radiográficos:  As radiografias do tornozelo, a ser realizadas no serviço de traumatologia, incluem incidências da pinça maleolar(AP verdadeiro), ântero- posterior(AP) e lateral, sem o apoio de peso;
  • 5. Radiologia do tornozelo  A radiografia da pinça malelolar(AP verdadeiro) é obtida com a perna do paciente rodada em 15° de rotação interna, de forma que o feixe radiográfico fique perpendicular ao eixo transmalelolar.
  • 6. Radiologia do tornozelo  A radiografia em AP deverá ser obtida em alinhamento com o segundo raio do pé; www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 7. Radiologia do tornozelo  A radiografia lateral deverá ser obtida com o pé perpendicular ao longo eixo da tíbia, centralizando-se o feixe no tálus.
  • 8. Radiologia do tornozelo  Tomografia computadorizada:  Ajuda a delinear a anatomia óssea, especialmente quando o paciente sofreu uma lesão no pilão tibial.  Ressonância magnética:  Pode ser usada na avaliação de lesões periarticulares ocultas(cartilaginosas, ligamentares ou tendinosas).
  • 9. Aferição radiográfica do alinhamento e da estabilidade  Parâmetros de alinhamento do tornozelo:  Linha articular íntegra;  Ângulo talocrural;  Espaço vazio medial;  Avaliação do alargamento sindesmótico
  • 11. Aferição radiográfica do alinhamento e da estabilidade  Linha articular íntegra: linha óssea evidente e contínua de osso subcondral condensado ao redor do tálus, que vai do osso subcondral da tíbia distal até a face medial da fíbula.
  • 12. Aferição radiográfica do alinhamento e da estabilidade  Ângulo talocrural: é o ângulo subentendido entre uma linha traçada paralelamente à superfície articular da tíbia distal, e uma segunda linha conectando os dois maléolos. Este Ângulo varia normalmente entre 8° e 15°.
  • 13. Aferição radiográfica do alinhamento e da estabilidade  Espaço vazio medial: trata-se da distância entre a borda lateral do maléolo medial e a borda medial do tálus. Um espaço superior a 4 mm é considerado anormal e indica um desvio lateral do tálus.
  • 14. Aferição radiográfica do alinhamento e da estabilidade  Avaliação do alargamento sindesmótico: a abordagem mais simples é medir a distância entre a parede medial da fíbula e a superfície reentrante da tíbia. Esse espaço vazio tibiofibular não deverá ser inferior a 6 mm, tanto na radiografia em AP verdadeiro ou da pinça maleolar como na radiografia AP. www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 16. Anatomia cirúrgica e aplicada  A anatomia óssea da articulação talo-crural proporciona estabilidade durante a flexão dorsal (junta: macho e fêmea) e uma relativa mobilidade durante a flexão plantar(estruturas ligamentares);  Articulação do tornozelo: é complexa, formada por três ossos. Ela é constituída pelo pilão tibial, inclusive com o maléolo posterior que articula-se com o corpo do tálus, e pelos maléolos medial e lateral. A articulação é considerada em forma de sela, e a circunferência maior do domo do tálus localiza- se mais lateral que medialmente.
  • 18. Anatomia cirúrgica e aplicada  Estruturas ligamentares: existem três grupos distintos de ligamentos, sustentando a articulação do tornozelo:  Os ligamentos sindesmóticos;  Os ligamentos colaterais laterais;  O ligamento colateral medial.
  • 22. Anatomia cirúrgica e aplicada  Tendões e estruturas neurovasculares: a articulação do tornozelo é cruzada por cinco nervos, duas artérias e veias importantes e treze tendões;  Estes tendões dividem-se em quatro grupos:  Posterior(tendão calcâneo e os tendões plantares);  Medial(tendões flexores);  Lateral(tendões fibulares);  Anterior(tendões extensores).
  • 26. Biomecânica clínica do tornozelo  Os movimentos normais da articulação do tornozelo ocorrem predominantemente no plano sagital, mas envolvem graus variados de rotação ao redor dos eixos vertical e longitudinal;  Eixo articular: em flexão dorsal, o eixo inclina- se para baixo e para o lado, ao passo que, em flexão plantar, o eixo inclina-se para baixo medialmente;  A estabilidade do tornozelo, durante a marcha, parece decorrer principalmente da congruência articular.
  • 27. Fraturas do tornozelo  As fraturas do tornozelo podem ser descritas através do provável mecanismo de lesão, como lesões predominantemente rotacionais ou causadas por cargas axiais;  Esta diferenciação é significativa, porque o tratamento, o prognóstico e a probabilidade de complicações são consideravelmente diferentes;  As fraturas maleolares por rotação constituem lesões menos graves que as fraturas do pilão tibial,causadas por cargas axiais.
  • 28. Fraturas rotacionais do tornozelo  Classificação:  Classificação através da descrição da lesão:  Classificação de Lauge-Hansen;  Classificação AO.
  • 29. Classificação de Lauge- Hansen  O tipo de fratura de tornozelo depende de dois fatores:  Posição do pé no momento da lesão(pronação ou supinação);  Força deformante(rotação externa, abdução ou adução).  Diferenciam-se quatro tipos principais de fraturas:  Supinação-adução;  Supinação-rotação externa;  Pronação-abdução;  Pronação-rotação externa.www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 30. Classificação de Lauge- Hansen  A lesão inicial pode ser isolada ou seguida em uma seqüência previsível de lesões complementares das demais estruturas próximas ao tornozelo, nos quatro tipos de fraturas;  O mecanismo de lesão mais comum é o supinação-rotação externa, responsável pela maioria de todos os padrões.
  • 38. Classificação AO  O atual sistema de classificação AO/OTA é uma extensão da classificação de Weber e utiliza códigos alfanuméricos, para descrever os detalhes morfológicos das fraturas rotacionais do tornozelo;  Divide-se em três grupos principais e suas respectivas subdivisões(lesão medial e característica das fraturas da fíbula).  Classificação complexa . Limitação da utilização em pesquisas clinicas.
  • 41. Circunstâncias especiais  Essas eventualidades podem ser divididas em:  Lesões associadas;  Fraturas atípicas do tornozelo;  Problemas inerentes ao paciente.
  • 42. Circunstâncias especiais  Lesões associadas:  Fraturas expostas(as fraturas expostas e as fraturas- luxações do tornozelo são muito mais raras que as fraturas fechadas, 2% dos casos);  Lesões neurovasculares(as forças rotacionais, combinadas as amplas superfícies articulares lesionadas, raramente resultam em ruptura do feixe neurovacular);  Ruptura de tendões(recomenda-se o reparo imediato);  Síndrome compartimental(manifestação extremamente rara nas fraturas de tornozelo e é mais comum no compartimento posterior profundo da perna).
  • 43. Circunstâncias especiais  Fraturas atípicas do tornozelo:  Fraturas associadas: fraturas do colo ou do corpo do tálus, fraturas-luxações subtalares, fraturas do calcâneo e lesões do mediopé e antepé;  As fraturas rotacionais do tornozelo também podem ocorrer simultaneamente a uma fratura da diáfise da tíbia ipsilateral;  Padrão das lesões x proposta de tratamento.
  • 44. Circunstâncias especiais  Problemas inerentes ao paciente:  Pacientes idosos;  Obesidade;  Diabetes.
  • 45. Tratamento  Avaliação inicial:  Histórico(as fraturas do tornozelo resultam normalmente de forças rotacionais de pouca energia, impostas durante a prática de esportes ou por tropeções durante as atividades da vida diária);  Exame físico(o pé e o tornozelo deverão ser examinados minuciosamente, em busca de ferimento aberto. Nos casos de fraturas-luxações, haverá uma acentuada deformidade do pé em relação à perna distal e o deslocamento poderá ser lateral, posterior ou medial. Trata-se de fundamental importância, a avaliação das condições neurovasculares do pé acometido);  Tratamento inicial(redução das fraturas-luxações, imobilização provisória e abordagem das complicações)
  • 48. Tratamento  Opções para o tratamento definitivo:  Existem relativamente poucos métodos de tratamento para as fraturas rotacionais do tornozelo;  Algumas fraturas dispensam a redução e podem ser tratadas com imobilização do tornozelo(bota gessada ou órtese removível) e muletas, de acordo com a necessidade;  Outras fraturas do tornozelo exigem redução, para obter- se os resultados ideais. A redução pode ser aberta ou fechada. A manutenção da redução fechada exige imobilização com um aparelho de gesso inguino-podálico abrangendo toda a perna. A maioria das fraturas com deslocamento exige redução aberta e fixação interna.
  • 49. Tratamento  Tratamento fechado:  Fraturas estáveis:  O tratamento fechado das fraturas do tornozelo resulta em excelente função, em uma elevada porcentagem dos casos;  Os resultados relativos às fraturas estáveis do tornozelo são os mais previsíveis, consistindo em uma fratura da fíbula sem lesão do lado medial.  As fraturas estáveis do tornozelo deverão ser protegidas durante 4 a 6 semanas, em uma bota gessada ou em uma órtese. Poder-se-á começar o apoio do peso corporal quando os sintomas desaparecerem.
  • 50. Tratamento  Tratamento fechado:  Fraturas instáveis:  As fraturas instáveis incluem uma fratura do maléolo lateral, combinada a uma lesão do lado medial(fratura ou ruptura do ligamento deltóide); podem apresentar o tálus de maneira luxada ou subluxada;  Fraturas com deslocamento do tálus: redução fechada sob analgesia, sendo imobilizado com aparelho de gesso longo durante 6 semanas, em seguida, mais 4 semanas de imobilização em uma bota de gesso;  Fraturas bimaleolares: exigem redução exata dos dois lados do tornozelo e imobilização gessada e acompanhamento radiográfico durante 4 semanas.
  • 51. Tratamento  Tratamento fechado:  Contra-indicações:  Impossibilidade de manter o tálus na posição exata da pinça maleolar;  Não redução de outros deslocamentos críticos(deslocamentos de partes consideráveis da superfície articular da tíbia distal: fraturas do ângulo do maléolo medial, grandes fraturas do maléolo posterior e as fraturas do canto ântero-lateral);  Encurtamento considerável da fíbula;  Lesão sindesmótica ou diastase tibiofibular distal.
  • 52. Tratamento  Tratamento cirúrgico:  Fraturas estáveis:  As fraturas estáveis são consideradas para tratamento cirúrgico somente quando as lesões associadas, como as fraturas osteocondrais do domo ou do colo do tálus, exigirem intervenção cirúrgica;
  • 54. Tratamento  Tratamento cirúrgico:  Fraturas instáveis:  O tratamento cirúrgico é indicado quando é impossível obter e manter uma posição adequada, através de redução fechada, ou quando existe considerável deslocamento de partes da superfície articular;  A diastase tibiofibular decorrente de uma lesão da sindesmose deve ser cirurgicamente reduzida e fixada internamente;  Recomenda-se a redução cirúrgica e fixação interna para as grandes fraturas do maléolo medial deslocadas.
  • 55. Tratamento cirúrgico  Redução e fixação das fraturas do maléolo lateral:  A fratura da fíbula deve ser diretamente exposta através da abordagem lateral, deixando o máximo possível de partes moles intactas sobre a fíbula;  As fraturas da fíbula são fixadas, em sua maioria, com uma placa um terço tubular, moldada e adaptada a fíbula lateral;  A resistência da fixação poderá ser aumentada, comprimindo-se o local da fratura com um parafuso de compressão interfragmentar colocado na direção anterior- proximal/posterior-distal
  • 58. Tratamento cirúrgico  Fixação do maléolo medial:  A fratura mais comum do maléolo medial ocorre no ângulo do pilão tibial e avança obliquamente em uma direção próximo-medial;  A fixação definitiva é realizada na maioria dos casos com dois parafusos para osso esponjoso parcialmente rosqueados;  Outro método de fixação das fraturas do maléolo medial é a amarração em banda de tensão com dois fios de Kirschner paralelos;
  • 61. Tratamento cirúrgico  Ligamento deltóide:  A ruptura do ligamento deltóide raramente precisa ser tratada cirurgicamente;
  • 62. Tratamento cirúrgico  Maléolo posterior:  A maioria das indicações de fixação baseiam-se no tamanho do fragmento maleolar, avaliado radiograficamente. A maioria dos autores recomenda fixar internamente os fragmentos cujo tamanho ultrapasse 25% a 30% da superfície articular.
  • 65. Tratamento cirúrgico  Sindesmose:  Freqüentemente associadas as fraturas rotacionais e luxações;  Tipos A e B nem sempre acarretam lesão da sindesmose;  Tipo C, fratura em pronação, sempre haverá uma lesão da sindesmose.
  • 66. Tratamento cirúrgico  Sindesmose:  O nível de altura da fratura constitui apenas um indicio da existência ou não de lesão da sindesmose;  Necessidade da avaliação radiológica pré-op e exame clinico detalhado;
  • 68. Tratamento cirúrgico  Sindesmose:  Fixar 2 cm acima da linha articular da tibio-társica;  Rockwood: qualquer nível funciona adequadamente ;  Dois parafusos resistem mais.
  • 69. Tratamento cirúrgico  Sindesmose:  Fixar a sindesmose após restabelecimento do comprimento fibular;  Imobilizar a fíbula corretamente em relação a tíbia;  Flexão dorsal do tornozelo;
  • 71. Tratamento cirúrgico  Sindesmose:  Três ou quatro corticais?  Um ou dois parafusos?  Liberar carga ou não?  Retirar o parafuso? Se sim quando?
  • 72. Tratamento cirúrgico  Procedimentos Combinados:  Se fratura bimaleolar sem cominuição fixar primeiro lateral e depois medial;  Se presente cominuição lateral inverte-se a fixação;  Deixar maléolo posterior como última etapa.
  • 74. Pós- Operatório  Cuidados iniciais: Cuidados iniciais(elevação da extremidade, imobilização em posição neutra, gelo ou crioterapia);  Movimentação e apoio do peso: precoce, o que impõe menos restrições e capacita-os a uma mobilidade maior, durante as primeiras fases de recuperação.
  • 75. Pós- Operatório  Reabilitação: fisioterapia raramente é indicada, sendo que a manutenção da flexão dorsal adequada é fundamental para a obtenção de bons resultados;  Retirada do material de osteossíntese: implantes bioabsorvíveis x fixação da fíbula por meios de parafusos de compressão.
  • 76. Complicações  Perda de redução;  Consolidação viciosa;  Pseudoartrose;  Deiscência de ferida;  Limitação da ADM;  Infecção;  Artrose do Tornozelo. www.traumatologiaeortopedia.com.b