SlideShare uma empresa Scribd logo
Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
R2 de Ortopedia e Traumatologia
Hospital Santa Rita
PÉ CAVO
• É uma deformidade complexa, caracterizada pela elevação exagerada do
arco longitudinal medial, devido a flexão plantar do primeiro raio.
 Associada a varo do retropé, adução de antepé e dedos em garra.
• Essa pronação exagerada do antepé não cede mesmo com pé em apoio.
 Pé fica encurtado  Folgado no calçado .
• É raro e geralmente está associado a alguma patologia ortopédica ou
neurológica, ou neuromusculares.
• Doloroso, pois mais carga é direcionada para médio e retropé;
• A área de contato com o solo está diminuída, ocorrendo apoio  Na cabeça
dos metatarsos e no coxim plantar do calcâneo .
• O eixo da articulação talo-calcâneo está verticalizado,
com isso há uma diminuição na ADM.
• A podoscopia serve para analisar a área de contato que nosso pé tem com o solo. E pode
ser classificada de acordo com VALENTI:
CLASSIFICAÇÃO
• O pé cavo pode se apresentar com uma serie de alterações
anatômicas.
 Existem 3 tipos principais de pé cavo, variando desde deformidades leves com
dedos em garra flexíveis ate dedos dolorosos, e rígidos:
• Pé cavo varo: com flexão plantar de antepé e varo de retropé.
• Pé calcâneo cavo: antepé eqüino rígido e retropé calcâneo.
• Pé eqüino cavo: eqüino de antepé e eqüino de retropé.
ETIOLOGIA
• É uma manifestação de um distúrbio neurológico e muscular até que se
prove o contrário.
• Neuromuscular
• Congênitas
• Traumáticas
• 2/3 cursam com alteração neurológica .
 Doença de CHARCOT – MARIE – TOOTH .
 É uma atrofia muscular distal, progressiva e simétrica, acometendo os fibulares, a musculatura intrínseca do
pé e da mão e a região do tnz.
NEUROMUSCULAR
• Doença Muscular:
 Distrofia Muscular
 Tríceps sural excessivamente fraco
• Nervos Perifericos e das raízes nervosas lombosacrais:
 Sind. Charcot – marie – tooth
 Sind. Da medula presa
• Doença da medula espinal e do trato espinocerebelar:
 Ataxia de Friedreich
 Sind. De Roussy – levy
 Polimielite ( paralisia infantil )
• Doença cerebral e cerebelar:
 Doença cerebelar primaria
 Hidrocefalia oculta
 Paralisia cerebral espásticas
CONGÊNITAS
• Pé torno congênito residual
• Artrogripose múltipla congênita
• Pé cavo congênito
• Coalizão tarsal ( talocalcânea e calcaneonavicular )
TRAUMÁTICAS
• Sequelas de Sind. Compartimental
• Queimadura
• Consolidação Viciosa
• Na maioria desses pacientes pode ocorrer fraqueza de tibial anterior .
• Ocorrendo retração das estruturas posteriores.
 Dificuldade para extensão dorsal do Tnz  Ocorre hiperextensão nas articulações
MTTF
• Ação da M. intrínseca do pé e dos flexores  Causar retração da fascia plantar.
 Fazendo uma elevação do arco longitudinal e a flexão plantar dos MTTs com RE da
tíbia.
CLÍNICA
• Deformidade progressiva
• O sapato escapa ou sapato fica folgado no pé
 Devido encurtamento do pé.
• Instabilidade na marcha
 Quedas freqüentes
• Sensação de falseio
• Calosidades dolorosas
 Cabeças MTTs
 Sobre interfalangeanas proximais
 Calcâneo (calcaneocavo)
DEFORMIDADE  RETROPÉ
• Pitch do calcâneo é maior que 30º
 É a linha entre o solo e a superfície plantar do calcâneo, que varia em media de 10 – 30
graus.
• Componente de varismo do retropé:
 Proeminência plantar exagerada da tuberosidade do calcâneo e atrofia do tríceps sural.
 Ocorre hiperceratose sob o calcanhar conferido o pé cavo  Semelhante ao cabo de
pistola ( pistol grip deformity ).
DEFORMIDADE  ANTEPÉ
• Todos os raios mediais do primeiro e do segundo metatarsais estão envolvidos .
 Causando flexão plantar do antepé .
• Ocorre marcha sobre a borda lateral do pé se o retropé estiver posicionado em varo.
 Deformidade em adução A
• Presente quando a borda medial do antepé está
mais fletida plantar do que a borda lateral.
 Deformidade em valgo
• Se não houver dificuldade no desprendimento
do hálux no fim da fase de apoio ; B
• Se houver fraqueza dos fibulares Causando
instabilidade do Tnz no fim da fse de apoio.
 Flexível
DEFORMIDADE  DEDOS
• Deformidade em garra dos dedos podem ser:
 Flexível e redutível ás manobras de redução passiva;
 Rígida com subluxação dorsal das art. MTTF ;
 Deformidade em martelo das interfalângianas ;
• Hálux:
• Retração da articulação IF
• Valgo
• Historia Familiar:
 Charcot- marie – tooth
• Exame Físico:
 Coluna vertebral ( Lesões cutâneas sugestivas de dirafismo)
 Lesões hiperpigmentadas, encovadas na linha mediana vertebral
• Exames neurológico e muscular rigoroso:
 Para planejamento de alguma transferência muscular
• Avaliação detalhada da marcha
• Avaliar amplitude das articulações do pé e do tornozelo
SINAL DO CALCÂNEO ESCONDIDO
• Teste de peek – a book / Sinal de Brian
 Pct em pé de frente para o examinador
 Pé normal  Borda medial o calcaneo fica encoberto, devido o um valgismo de
5 graus.
• Varismo do retropé:
 No retropé em varo  Observa-se na
borda medial um espreitamento do pé.
TESTES ESPECIAIS:
• Teste de Coleman  3 tempos
• 1 T Primeiro raio e hálux permanecem fora do bloco:
 Se houver normalização do retropé a causa da deformidade é o primeiro raio, que esta
em equino exagerado.
• 2T Apoio apenas do calcanhar no bloco:
 Se houver valgização do retropé, a deformidade é a custas do antepé como um todo (
antepé equino e pronado )
• 3 T São usados 2 bloco ( o retropé é colocado em nível superior ao antepé e o
primeiro raio é excluido da carga do peso corporal )
 Se ocorrer valgização do retropé, podemos afastar o retropé da causa da deformidade,
se o retropé permanecer em varo a deformidade deve a combinação de deformidade no
antepé e retropé.
TESTES ESPECIAIS:
• Teste de KELIKIAN:
 Serve para avaliar se deformidade em garra dos dedos é fixa
ou não.
 Pressiona se a cabeça dos MTT de plantar para dorsal
anulando a força dos intrínsecos, corrigindo a deformidade .
TESTES ESPECIAIS:
• Teste de silversköld:
 Fletindo se o joelho e realizando a flexão dorsal do tornozelo
anulamos a ação dos gastrocnêmicos.
 Se a deformidade em eqüino persistir a razão dessa
deformidade é causada pelo solear e quando corrige, a causa
são os gastrocnêmicos.
EXAMES  BIOQUÍMICO
• Teste sanguíneo DNA ( Sind. Charcot – marie – tooth )
EXAMES  IMAGEM
• Radiografia com carga:
• AP  Observa o grau de adução do antepé
• Perfil  Avalia o grau do cavismo do pé;
 Ângulo de MEARY: ângulo entre o eixo do talus e do primeiro MTT.  Normal varia de -5 até
+ 5, sendo em media de 0 graus.
 Ângulo de KITE, vista tanto no AP quanto no P. Esse ângulo é formado pelos eixos do talus e
do calcâneo  Valor normal varia de 20 – 30 graus.
TRATAMENTO
• Infelizmente não existe tratamento das doenças que cursam
com o pé cavo;
• Tratamento conservador ;
• Modificações de calçados, orteses e exercícios não mudam o
curso da doença.
• Palmilhas e calçados corretivos ajudam na marcha e no alivio
da dor para deformidade e sintomas leves.
TRATAMENTO  CIRÚRGICO
• Orientar o paciente que a cirurgia não é curativa, e podendo
haver a necessidade de novo procedimentos cirúrgicos .
• Indicações:
 Deformidade progressiva
 Calosidade dolorosa sob as cabeças dos metatarsais ou base do quinto metatarsal
 Instabilidade do tornozelo
• Liberação das partes moles:
• Procedimento de Steindler:
 Liberação da fáscia plantar, do flexor curto dos dedos e
do quadrado plantar.
• Tenodese do fibular longo e no fibular curto:
 Quando são os causadores da flexão plantar do primeiro raio.
• Alongamento do Gastrocnêmio:
 Nos casos de retração isolado, aliviando a força deformante em varo do tendão do
calcâneo.
PROCEDIMENTO EM PARTES MOLES
OSTEOTOMIAS:
• Cunha na base dorsal do primeiro metatarsal:
 Mais utilizados em pés adulto e rígido.
• Osteotomias do calcâneo:
 Corrigi ate a mais grave e rígida deformidade
em cavo – varo do pé.
 Não altera a movimentação da articulação subtalar
 Dwyer  Para correção varo do retropé
OSTEOTOMIAS
• Osteotomia de deslizamento
 Surgiu como modificação da tecnica de Dwyer;
 Modificou a técnica com elevação ou lateralização do calcâneo .
CORREÇÃO DOS DEDOS
• Procedimento de Jones:
 Utilizado quando há hiperextensão da articulação MTTF do 1º raio, devido a
fraqueza do M. tibial anterior.
• Técnica:
 Transferência do tendão extensor longo do hálux para o colo do 1º metatarsal;
 Facilita a dorsiflexão do tornozelo ;
 Evita a evolução da deformidade em garra do hálux.
CORREÇÃO DOS DEDOS
• Técnica de Du vries e de Parrish:
• Rigidez for na MTTF ou IF  Du Vries
 Será tratada por meio de liberação das partes moles ;
 Tendão extensores e cápsula articular ;
 De Parrish  Estabilização ativa dos dedos na posição neutra por
transferência tendínea.
• Nas IFP rígidas é necessário a ressecção das cabeças das falanges
proximais;
 Para artroplastia de Du Vries;
 Além da fixação intramedular com fio de K .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centraisSemiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centrais
Marcus César Petindá Fonseca
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
pauloalambert
 
Biomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozeloBiomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozelo
washington carlos vieira
 
Semiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico NeurológicoSemiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Dr. Rafael Higashi
 
Facies & Marcha
Facies & MarchaFacies & Marcha
Facies & Marcha
pauloalambert
 
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e MãoOmbro, Cotovelo, Punho e Mão
Reflexos
Reflexos Reflexos
Reflexos
pauloalambert
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
saulo vinicius
 
Modulo 11
Modulo 11Modulo 11
Modulo 11
SemioOrto
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Modulo 14
Modulo 14Modulo 14
Modulo 14
SemioOrto
 
Rx ombro
Rx ombroRx ombro
Rx ombro
Marcos Dias
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
Caio Gonçalves de Souza
 
exame neurologico blog nona
exame neurologico blog nonaexame neurologico blog nona
exame neurologico blog nona
ERALDO DOS SANTOS
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
Nuno Amaro
 
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Wendesor Oliveira
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
pauloalambert
 
Tônus muscular
Tônus muscularTônus muscular
Tônus muscular
Psicomotricidade
 
Força 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame NeurológicoForça 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame Neurológico
Paulo Alambert
 
Aula pé cavo
Aula pé cavoAula pé cavo
Aula pé cavo
Mauricio Fabiani
 

Mais procurados (20)

Semiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centraisSemiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centrais
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
 
Biomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozeloBiomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozelo
 
Semiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico NeurológicoSemiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico Neurológico
 
Facies & Marcha
Facies & MarchaFacies & Marcha
Facies & Marcha
 
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e MãoOmbro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
 
Reflexos
Reflexos Reflexos
Reflexos
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
 
Modulo 11
Modulo 11Modulo 11
Modulo 11
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Modulo 14
Modulo 14Modulo 14
Modulo 14
 
Rx ombro
Rx ombroRx ombro
Rx ombro
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
exame neurologico blog nona
exame neurologico blog nonaexame neurologico blog nona
exame neurologico blog nona
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
 
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
 
Tônus muscular
Tônus muscularTônus muscular
Tônus muscular
 
Força 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame NeurológicoForça 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame Neurológico
 
Aula pé cavo
Aula pé cavoAula pé cavo
Aula pé cavo
 

Destaque

Pé chato e pé cavo
Pé chato e pé cavoPé chato e pé cavo
Pé chato e pé cavo
Pes_semdor
 
Apresentação congresso app 2009 sobre calcaneo stop
Apresentação congresso app 2009 sobre calcaneo stopApresentação congresso app 2009 sobre calcaneo stop
Apresentação congresso app 2009 sobre calcaneo stop
AntonioRamos74
 
Seminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatricoSeminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatrico
Fagner Athayde
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
Potencial Empresário
 
6 pé diabético ortopedia
6   pé diabético ortopedia6   pé diabético ortopedia
6 pé diabético ortopedia
António Bandarra
 
Pé equino
Pé equinoPé equino
Pé equino
Mariacris37
 
Prevalência do pé plano em crianças dos 3 aos 16 anos, na região do vale do s...
Prevalência do pé plano em crianças dos 3 aos 16 anos, na região do vale do s...Prevalência do pé plano em crianças dos 3 aos 16 anos, na região do vale do s...
Prevalência do pé plano em crianças dos 3 aos 16 anos, na região do vale do s...
AntonioRamos74
 
Pudendal Neuralgia and Lower Extremity (Feet) Biomechanics - ICS 2011, Glasg...
Pudendal Neuralgia and Lower Extremity (Feet) Biomechanics - ICS  2011, Glasg...Pudendal Neuralgia and Lower Extremity (Feet) Biomechanics - ICS  2011, Glasg...
Pudendal Neuralgia and Lower Extremity (Feet) Biomechanics - ICS 2011, Glasg...
Cristina Shupe
 
Pé diabético aspectos clínicos
Pé diabético  aspectos clínicosPé diabético  aspectos clínicos
Pé diabético aspectos clínicos
Simone Regina Grando
 
Gabarito Taro 2015
Gabarito Taro 2015Gabarito Taro 2015
Gabarito Taro 2015
paullaricci
 
Pé, tornozelo e joelho 2014
Pé, tornozelo e joelho   2014Pé, tornozelo e joelho   2014
Pé, tornozelo e joelho 2014
Claudia Maxwell
 
Lesões ósseas císticas benignas
Lesões ósseas císticas benignasLesões ósseas císticas benignas
Lesões ósseas císticas benignas
isadoracordenonsi
 
Pie Plano Expo
Pie Plano ExpoPie Plano Expo
Pie Plano Expo
hadee12
 
Legg calve perthers
Legg calve perthersLegg calve perthers
Legg calve perthers
Omar Mohamad Abdallah
 
Cmt
CmtCmt
Aula charcot marie-tooth
Aula charcot marie-toothAula charcot marie-tooth
Aula charcot marie-tooth
Mauricio Fabiani
 
Semin+írio de anato (patologias relacionadas ao p+®)
Semin+írio de anato (patologias relacionadas ao p+®)Semin+írio de anato (patologias relacionadas ao p+®)
Semin+írio de anato (patologias relacionadas ao p+®)
Luana Dias
 
1 pé diabético - fisiopatologia
1 pé diabético - fisiopatologia1 pé diabético - fisiopatologia
1 pé diabético - fisiopatologia
António Bandarra
 
CMT slides: understand the disease.
CMT slides: understand the disease.CMT slides: understand the disease.
CMT slides: understand the disease.
Elizabeth Ouellette
 
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Andreé Sigala Escamilla
 

Destaque (20)

Pé chato e pé cavo
Pé chato e pé cavoPé chato e pé cavo
Pé chato e pé cavo
 
Apresentação congresso app 2009 sobre calcaneo stop
Apresentação congresso app 2009 sobre calcaneo stopApresentação congresso app 2009 sobre calcaneo stop
Apresentação congresso app 2009 sobre calcaneo stop
 
Seminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatricoSeminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatrico
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
 
6 pé diabético ortopedia
6   pé diabético ortopedia6   pé diabético ortopedia
6 pé diabético ortopedia
 
Pé equino
Pé equinoPé equino
Pé equino
 
Prevalência do pé plano em crianças dos 3 aos 16 anos, na região do vale do s...
Prevalência do pé plano em crianças dos 3 aos 16 anos, na região do vale do s...Prevalência do pé plano em crianças dos 3 aos 16 anos, na região do vale do s...
Prevalência do pé plano em crianças dos 3 aos 16 anos, na região do vale do s...
 
Pudendal Neuralgia and Lower Extremity (Feet) Biomechanics - ICS 2011, Glasg...
Pudendal Neuralgia and Lower Extremity (Feet) Biomechanics - ICS  2011, Glasg...Pudendal Neuralgia and Lower Extremity (Feet) Biomechanics - ICS  2011, Glasg...
Pudendal Neuralgia and Lower Extremity (Feet) Biomechanics - ICS 2011, Glasg...
 
Pé diabético aspectos clínicos
Pé diabético  aspectos clínicosPé diabético  aspectos clínicos
Pé diabético aspectos clínicos
 
Gabarito Taro 2015
Gabarito Taro 2015Gabarito Taro 2015
Gabarito Taro 2015
 
Pé, tornozelo e joelho 2014
Pé, tornozelo e joelho   2014Pé, tornozelo e joelho   2014
Pé, tornozelo e joelho 2014
 
Lesões ósseas císticas benignas
Lesões ósseas císticas benignasLesões ósseas císticas benignas
Lesões ósseas císticas benignas
 
Pie Plano Expo
Pie Plano ExpoPie Plano Expo
Pie Plano Expo
 
Legg calve perthers
Legg calve perthersLegg calve perthers
Legg calve perthers
 
Cmt
CmtCmt
Cmt
 
Aula charcot marie-tooth
Aula charcot marie-toothAula charcot marie-tooth
Aula charcot marie-tooth
 
Semin+írio de anato (patologias relacionadas ao p+®)
Semin+írio de anato (patologias relacionadas ao p+®)Semin+írio de anato (patologias relacionadas ao p+®)
Semin+írio de anato (patologias relacionadas ao p+®)
 
1 pé diabético - fisiopatologia
1 pé diabético - fisiopatologia1 pé diabético - fisiopatologia
1 pé diabético - fisiopatologia
 
CMT slides: understand the disease.
CMT slides: understand the disease.CMT slides: understand the disease.
CMT slides: understand the disease.
 
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
 

Semelhante a Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah

Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
SemioOrto
 
Biomecnica_e_Exame_Fsico_do_pe_e_tornozelo.pdf
Biomecnica_e_Exame_Fsico_do_pe_e_tornozelo.pdfBiomecnica_e_Exame_Fsico_do_pe_e_tornozelo.pdf
Biomecnica_e_Exame_Fsico_do_pe_e_tornozelo.pdf
ericagomesfisioterap
 
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
GustavoMiarelliCampo
 
Artrose de joelho
Artrose de joelhoArtrose de joelho
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
Thais Benicio
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Modulo 19
Modulo 19Modulo 19
Modulo 19
SemioOrto
 
Modulo 08
Modulo 08Modulo 08
Modulo 08
SemioOrto
 
Artrose e osteotomias
Artrose e osteotomiasArtrose e osteotomias
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
7501371-Provas-e-Funcoes tornozelo e pé.ppt
7501371-Provas-e-Funcoes tornozelo e pé.ppt7501371-Provas-e-Funcoes tornozelo e pé.ppt
7501371-Provas-e-Funcoes tornozelo e pé.ppt
AndreyLima16
 
08 - Tipos de órteses.pdf
08 - Tipos de órteses.pdf08 - Tipos de órteses.pdf
08 - Tipos de órteses.pdf
Joaquim Henrique Lorenzetti Branco
 
Praticas de imobilizações
Praticas de imobilizaçõesPraticas de imobilizações
Praticas de imobilizações
foconavida
 
Fisioterapia nas amputações
Fisioterapia nas amputaçõesFisioterapia nas amputações
Fisioterapia nas amputações
Rodney Wenke
 
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
Como tratar a condropatia  patelo-femoral ?Como tratar a condropatia  patelo-femoral ?
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
Fernando Farias
 
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
Lizandra Nunnes
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Luiz Otavio Quintino
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Kn Expedições
 
Modulo 17
Modulo 17Modulo 17
Modulo 17
SemioOrto
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Fabio Mazzola
 

Semelhante a Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah (20)

Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
 
Biomecnica_e_Exame_Fsico_do_pe_e_tornozelo.pdf
Biomecnica_e_Exame_Fsico_do_pe_e_tornozelo.pdfBiomecnica_e_Exame_Fsico_do_pe_e_tornozelo.pdf
Biomecnica_e_Exame_Fsico_do_pe_e_tornozelo.pdf
 
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
 
Artrose de joelho
Artrose de joelhoArtrose de joelho
Artrose de joelho
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Modulo 19
Modulo 19Modulo 19
Modulo 19
 
Modulo 08
Modulo 08Modulo 08
Modulo 08
 
Artrose e osteotomias
Artrose e osteotomiasArtrose e osteotomias
Artrose e osteotomias
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
7501371-Provas-e-Funcoes tornozelo e pé.ppt
7501371-Provas-e-Funcoes tornozelo e pé.ppt7501371-Provas-e-Funcoes tornozelo e pé.ppt
7501371-Provas-e-Funcoes tornozelo e pé.ppt
 
08 - Tipos de órteses.pdf
08 - Tipos de órteses.pdf08 - Tipos de órteses.pdf
08 - Tipos de órteses.pdf
 
Praticas de imobilizações
Praticas de imobilizaçõesPraticas de imobilizações
Praticas de imobilizações
 
Fisioterapia nas amputações
Fisioterapia nas amputaçõesFisioterapia nas amputações
Fisioterapia nas amputações
 
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
Como tratar a condropatia  patelo-femoral ?Como tratar a condropatia  patelo-femoral ?
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
 
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
Como tratar a condropatia patelo-femoral ?
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
Modulo 17
Modulo 17Modulo 17
Modulo 17
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
 

Mais de Omar Mohamad Abdallah

Síndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito RotadorSíndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito Rotador
Omar Mohamad Abdallah
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
Omar Mohamad Abdallah
 
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Pé diabético Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Pé diabético  Dr Omar Mohamad M. Abdallah Pé diabético  Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Pé diabético Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah  Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico
Omar Mohamad Abdallah
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Capsulite adesiva Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Capsulite adesiva  Dr Omar Mohamad M. Abdallah Capsulite adesiva  Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Capsulite adesiva Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Fratura Exposta Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura Exposta Dr Omar Mohamad M. AbdallahFratura Exposta Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura Exposta Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. AbdallahFixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 

Mais de Omar Mohamad Abdallah (13)

Síndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito RotadorSíndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito Rotador
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
 
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Pé diabético Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Pé diabético  Dr Omar Mohamad M. Abdallah Pé diabético  Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Pé diabético Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah  Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Capsulite adesiva Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Capsulite adesiva  Dr Omar Mohamad M. Abdallah Capsulite adesiva  Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Capsulite adesiva Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Fratura Exposta Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura Exposta Dr Omar Mohamad M. AbdallahFratura Exposta Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura Exposta Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. AbdallahFixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fixador Externo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 

Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah

  • 1. Dr. Omar Mohamad M. Abdallah R2 de Ortopedia e Traumatologia Hospital Santa Rita PÉ CAVO
  • 2. • É uma deformidade complexa, caracterizada pela elevação exagerada do arco longitudinal medial, devido a flexão plantar do primeiro raio.  Associada a varo do retropé, adução de antepé e dedos em garra. • Essa pronação exagerada do antepé não cede mesmo com pé em apoio.  Pé fica encurtado  Folgado no calçado .
  • 3. • É raro e geralmente está associado a alguma patologia ortopédica ou neurológica, ou neuromusculares. • Doloroso, pois mais carga é direcionada para médio e retropé; • A área de contato com o solo está diminuída, ocorrendo apoio  Na cabeça dos metatarsos e no coxim plantar do calcâneo . • O eixo da articulação talo-calcâneo está verticalizado, com isso há uma diminuição na ADM.
  • 4. • A podoscopia serve para analisar a área de contato que nosso pé tem com o solo. E pode ser classificada de acordo com VALENTI:
  • 5. CLASSIFICAÇÃO • O pé cavo pode se apresentar com uma serie de alterações anatômicas.  Existem 3 tipos principais de pé cavo, variando desde deformidades leves com dedos em garra flexíveis ate dedos dolorosos, e rígidos: • Pé cavo varo: com flexão plantar de antepé e varo de retropé. • Pé calcâneo cavo: antepé eqüino rígido e retropé calcâneo. • Pé eqüino cavo: eqüino de antepé e eqüino de retropé.
  • 6. ETIOLOGIA • É uma manifestação de um distúrbio neurológico e muscular até que se prove o contrário. • Neuromuscular • Congênitas • Traumáticas • 2/3 cursam com alteração neurológica .  Doença de CHARCOT – MARIE – TOOTH .  É uma atrofia muscular distal, progressiva e simétrica, acometendo os fibulares, a musculatura intrínseca do pé e da mão e a região do tnz.
  • 7. NEUROMUSCULAR • Doença Muscular:  Distrofia Muscular  Tríceps sural excessivamente fraco • Nervos Perifericos e das raízes nervosas lombosacrais:  Sind. Charcot – marie – tooth  Sind. Da medula presa • Doença da medula espinal e do trato espinocerebelar:  Ataxia de Friedreich  Sind. De Roussy – levy  Polimielite ( paralisia infantil ) • Doença cerebral e cerebelar:  Doença cerebelar primaria  Hidrocefalia oculta  Paralisia cerebral espásticas
  • 8. CONGÊNITAS • Pé torno congênito residual • Artrogripose múltipla congênita • Pé cavo congênito • Coalizão tarsal ( talocalcânea e calcaneonavicular )
  • 9. TRAUMÁTICAS • Sequelas de Sind. Compartimental • Queimadura • Consolidação Viciosa
  • 10. • Na maioria desses pacientes pode ocorrer fraqueza de tibial anterior . • Ocorrendo retração das estruturas posteriores.  Dificuldade para extensão dorsal do Tnz  Ocorre hiperextensão nas articulações MTTF • Ação da M. intrínseca do pé e dos flexores  Causar retração da fascia plantar.  Fazendo uma elevação do arco longitudinal e a flexão plantar dos MTTs com RE da tíbia.
  • 11. CLÍNICA • Deformidade progressiva • O sapato escapa ou sapato fica folgado no pé  Devido encurtamento do pé. • Instabilidade na marcha  Quedas freqüentes • Sensação de falseio • Calosidades dolorosas  Cabeças MTTs  Sobre interfalangeanas proximais  Calcâneo (calcaneocavo)
  • 12. DEFORMIDADE  RETROPÉ • Pitch do calcâneo é maior que 30º  É a linha entre o solo e a superfície plantar do calcâneo, que varia em media de 10 – 30 graus. • Componente de varismo do retropé:  Proeminência plantar exagerada da tuberosidade do calcâneo e atrofia do tríceps sural.  Ocorre hiperceratose sob o calcanhar conferido o pé cavo  Semelhante ao cabo de pistola ( pistol grip deformity ).
  • 13. DEFORMIDADE  ANTEPÉ • Todos os raios mediais do primeiro e do segundo metatarsais estão envolvidos .  Causando flexão plantar do antepé . • Ocorre marcha sobre a borda lateral do pé se o retropé estiver posicionado em varo.  Deformidade em adução A • Presente quando a borda medial do antepé está mais fletida plantar do que a borda lateral.  Deformidade em valgo • Se não houver dificuldade no desprendimento do hálux no fim da fase de apoio ; B • Se houver fraqueza dos fibulares Causando instabilidade do Tnz no fim da fse de apoio.  Flexível
  • 14. DEFORMIDADE  DEDOS • Deformidade em garra dos dedos podem ser:  Flexível e redutível ás manobras de redução passiva;  Rígida com subluxação dorsal das art. MTTF ;  Deformidade em martelo das interfalângianas ; • Hálux: • Retração da articulação IF • Valgo
  • 15. • Historia Familiar:  Charcot- marie – tooth • Exame Físico:  Coluna vertebral ( Lesões cutâneas sugestivas de dirafismo)  Lesões hiperpigmentadas, encovadas na linha mediana vertebral • Exames neurológico e muscular rigoroso:  Para planejamento de alguma transferência muscular • Avaliação detalhada da marcha • Avaliar amplitude das articulações do pé e do tornozelo
  • 16. SINAL DO CALCÂNEO ESCONDIDO • Teste de peek – a book / Sinal de Brian  Pct em pé de frente para o examinador  Pé normal  Borda medial o calcaneo fica encoberto, devido o um valgismo de 5 graus. • Varismo do retropé:  No retropé em varo  Observa-se na borda medial um espreitamento do pé.
  • 17. TESTES ESPECIAIS: • Teste de Coleman  3 tempos • 1 T Primeiro raio e hálux permanecem fora do bloco:  Se houver normalização do retropé a causa da deformidade é o primeiro raio, que esta em equino exagerado. • 2T Apoio apenas do calcanhar no bloco:  Se houver valgização do retropé, a deformidade é a custas do antepé como um todo ( antepé equino e pronado ) • 3 T São usados 2 bloco ( o retropé é colocado em nível superior ao antepé e o primeiro raio é excluido da carga do peso corporal )  Se ocorrer valgização do retropé, podemos afastar o retropé da causa da deformidade, se o retropé permanecer em varo a deformidade deve a combinação de deformidade no antepé e retropé.
  • 18. TESTES ESPECIAIS: • Teste de KELIKIAN:  Serve para avaliar se deformidade em garra dos dedos é fixa ou não.  Pressiona se a cabeça dos MTT de plantar para dorsal anulando a força dos intrínsecos, corrigindo a deformidade .
  • 19. TESTES ESPECIAIS: • Teste de silversköld:  Fletindo se o joelho e realizando a flexão dorsal do tornozelo anulamos a ação dos gastrocnêmicos.  Se a deformidade em eqüino persistir a razão dessa deformidade é causada pelo solear e quando corrige, a causa são os gastrocnêmicos.
  • 20. EXAMES  BIOQUÍMICO • Teste sanguíneo DNA ( Sind. Charcot – marie – tooth )
  • 21. EXAMES  IMAGEM • Radiografia com carga: • AP  Observa o grau de adução do antepé • Perfil  Avalia o grau do cavismo do pé;  Ângulo de MEARY: ângulo entre o eixo do talus e do primeiro MTT.  Normal varia de -5 até + 5, sendo em media de 0 graus.  Ângulo de KITE, vista tanto no AP quanto no P. Esse ângulo é formado pelos eixos do talus e do calcâneo  Valor normal varia de 20 – 30 graus.
  • 22. TRATAMENTO • Infelizmente não existe tratamento das doenças que cursam com o pé cavo; • Tratamento conservador ; • Modificações de calçados, orteses e exercícios não mudam o curso da doença. • Palmilhas e calçados corretivos ajudam na marcha e no alivio da dor para deformidade e sintomas leves.
  • 23. TRATAMENTO  CIRÚRGICO • Orientar o paciente que a cirurgia não é curativa, e podendo haver a necessidade de novo procedimentos cirúrgicos . • Indicações:  Deformidade progressiva  Calosidade dolorosa sob as cabeças dos metatarsais ou base do quinto metatarsal  Instabilidade do tornozelo
  • 24. • Liberação das partes moles: • Procedimento de Steindler:  Liberação da fáscia plantar, do flexor curto dos dedos e do quadrado plantar. • Tenodese do fibular longo e no fibular curto:  Quando são os causadores da flexão plantar do primeiro raio. • Alongamento do Gastrocnêmio:  Nos casos de retração isolado, aliviando a força deformante em varo do tendão do calcâneo. PROCEDIMENTO EM PARTES MOLES
  • 25. OSTEOTOMIAS: • Cunha na base dorsal do primeiro metatarsal:  Mais utilizados em pés adulto e rígido. • Osteotomias do calcâneo:  Corrigi ate a mais grave e rígida deformidade em cavo – varo do pé.  Não altera a movimentação da articulação subtalar  Dwyer  Para correção varo do retropé
  • 26. OSTEOTOMIAS • Osteotomia de deslizamento  Surgiu como modificação da tecnica de Dwyer;  Modificou a técnica com elevação ou lateralização do calcâneo .
  • 27. CORREÇÃO DOS DEDOS • Procedimento de Jones:  Utilizado quando há hiperextensão da articulação MTTF do 1º raio, devido a fraqueza do M. tibial anterior. • Técnica:  Transferência do tendão extensor longo do hálux para o colo do 1º metatarsal;  Facilita a dorsiflexão do tornozelo ;  Evita a evolução da deformidade em garra do hálux.
  • 28. CORREÇÃO DOS DEDOS • Técnica de Du vries e de Parrish: • Rigidez for na MTTF ou IF  Du Vries  Será tratada por meio de liberação das partes moles ;  Tendão extensores e cápsula articular ;  De Parrish  Estabilização ativa dos dedos na posição neutra por transferência tendínea. • Nas IFP rígidas é necessário a ressecção das cabeças das falanges proximais;  Para artroplastia de Du Vries;  Além da fixação intramedular com fio de K .

Notas do Editor

  1. O primeiro raio fletido não permite eversao na fase de apoio e desprendimento na marcha acrretando a perda de absorçao de choque na art subtalar .
  2. Diminui a mobilidade rotacional das art q integram o complexo subtalar – talonavicular o calcaneocuboide durante a marcha
  3. Charcot- marie – tooth (Doença autossômica dominante ) causa mais frequente de pés cavos