SlideShare uma empresa Scribd logo
www.traumatologiaeortopedia.com.br
 Biomecanicamente, as forças resultantes que atravessam o
tendão do quadríceps, patela e lig. patelar muitas vezes
excedem 5 vezes o peso corporal.
 À medida que o nível de atividade aumenta, estas forças
muitas vezes são aplicadas excentricamente e podem
resultar em rupturas de tendão, impacção da cartilagem
articular e/ou luxação da patela.
 Indivíduos jovens: a ruptura do tendão é rara e a
laceração muscular é mais comum.
 Indivíduos idosos: a ruptura tendinosa é mais comum,
em função da fragilidade desta estrutura (vascularização
pobre).
 Ruptura do tendão ou do músculo: combinação de contração
do mecanismo extensor e estiramento aplicado
concomitantemente(pé plantado e joelho parcialmente
flexionado).
 > 40 anos ;
 Ocorrem + comumente em áreas de degeneração
na junção miotendínea;
 Está relacionada com a vascularização
diminuída.
 Fatores de risco:
 Múltiplas injeções de corticóides,
 Diabetes melito,
 Insuficiência renal crônica,
 Hipertiroidismo
 Gota.
www.traumatologiaeortopedia.com.br
 Usualmente, a ruptura parcial ou completa é iniciada
centralmente e progride perifericamente.
 Histopatologia do tendão roto: Inflamação crônica com
necrose fibrinóide e degeneração gordurosa.
 Dor intensa;
 Incapacidade para andar sem auxílio;
 Defeito palpável (GAP) e aumento óbvio secundário a
uma hemartrose;
 Equimose subcutânea;
 Incapacidade de extensão do joelho nos casos de ruptura
total;
Patela mais baixa que
o usual;
Sinal do dente;
 Tratamento conservador
 Lesão parcial
 Retináculo intacto
 Gesso em extensão : 46 sem + carga tolerada
 FST: fortalecimento muscular
 Em virtude dos bons resultados, a intervenção
cirúrgica é preconizada.
www.traumatologiaeortopedia.com.br
 Na reparação aguda:
 Acesso longitudinal (15-20cm);
 Escarificar as extremidades do tendão;
 Tendão distal viável = reparo Témino-terminal;
 Pontos de Colchoeiro (Krackow)
 Alinhar o tendão e avaliar a excursão e altura da
patela
Perfurar 3 orifícios
longitudinais a distâncias
de 1cm;
Fio não absorvível n°5;
 Para a reconstrução retardada do defeito do
quadríceps:
 Fonte autógena de tecido para encher o defeito.
 Se as extremidades puderem ser aproximadas:
ScuderiCodivilla
 Enxertos livres: semitendíneo
 Tto pós operatório:
 Aparelho gessado cilíndrico 4-6sem;
 3ª semana – sustentar peso com muletas;
 Retirado gesso – Órtese articulada 0-60°;
 Ganho de ADM – 10-15° por semana;
 A recuperação do trofismo do quadríceps usualmente leva
6 meses.
 Nos casos de reconstrução tardia, pode haver um déficit
de extensão residual.
 Complicações:
 Perda do movimento (pp flexão);
 Alterações degenerativas na patelofemoral (mal
posicionamento)
 Nova ruptura;
www.traumatologiaeortopedia.com.br
 Geralmente ocorre no polo inferior da patela;
 1:3 mais freqüente que a lesão do tendão quadricipital
(Clínica Mayo).
 <40 anos (Avulsão do T. Patelar);
 Associado a tendinopatia degenerativa;
 Contração forte do m. quadríceps interrompida por um
estiramento passivo.
 História pregressa de tendinite e injeções de esteróides.
 Dor intensa.
 Secundário geralmente a um trauma importante.
 Diagnóstico evidente.
 Claro defeito palpável.
 Incapacidade de extensão do joelho nas lesões completas.
 Patela alta;
 Pode haver avulsão óssea.
 Delineia lacerações parciais
ou completas.
 Tto conservador:
 Lesão parcial;
 Gesso em extensão por 46 sem.
 A intervenção cirúrgica precoce é a regra.
 Nas reparações agudas, a reaproximação direta
da área de ruptura usualmente é possível.
Técnica sugerida:
 Sutura inabsorvível
que possa ser passada
em perfuração através da
patela ou do tubérculo
tibial, dependendo do
local de ruptura.
 Gesso cilíndrico em extensão por 6sem;
 3sem -Exercícios de elevação da perna;
 Após remover gesso – Órtese articulada 0-45°;
 Ganho de ADM 10-15° por semana;
 10-12ª sem – Retirar fio de aço;
www.traumatologiaeortopedia.com.br
 Nas suturas precoces, os resultados a longo prazo são
melhores.
 Principal complicação pós-operatória: patela baixa.
www.traumatologiaeortopedia.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas  ACFraturas subtrocantericas e atipicas  AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
André Cipriano
 
Lesões do lca
Lesões do lcaLesões do lca
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Mauricio Fabiani
 
Lesão do cruzado anterior
Lesão do cruzado anteriorLesão do cruzado anterior
Lesão do cruzado anterior
Sarah Noleto
 
Coxartrose
CoxartroseCoxartrose
Coxartrose
Kleber Rangel
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril ac
André Cipriano
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
Autómono
 
Biomecânica da pelve e quadril 2008
Biomecânica da pelve e quadril 2008Biomecânica da pelve e quadril 2008
Biomecânica da pelve e quadril 2008
fernando
 
Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016
Luis Filipe Senna, MD, MSc
 
Trauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros SuperioresTrauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros Superiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Ankle fracture: posterior malleolar fractures
Ankle fracture: posterior malleolar fractures Ankle fracture: posterior malleolar fractures
Ankle fracture: posterior malleolar fractures
RiverTsai2
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
Gilmar Roberto Batista
 
Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016
Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016
Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016
Luis Filipe Senna, MD, MSc
 
Fraturas Femorais
Fraturas FemoraisFraturas Femorais
Fraturas Femorais
Danyllo Lucas
 
Lesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozeloLesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozelo
Ricardo Sartorato
 
Fraturas diafisarias femur - AC
Fraturas diafisarias femur -  ACFraturas diafisarias femur -  AC
Fraturas diafisarias femur - AC
André Cipriano
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Modulo 17
Modulo 17Modulo 17
Modulo 17
SemioOrto
 
Fraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do AntebraçoFraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do Antebraço
Carlos Andrade
 
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdfAula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
ssuser7da808
 

Mais procurados (20)

Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas  ACFraturas subtrocantericas e atipicas  AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
 
Lesões do lca
Lesões do lcaLesões do lca
Lesões do lca
 
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
 
Lesão do cruzado anterior
Lesão do cruzado anteriorLesão do cruzado anterior
Lesão do cruzado anterior
 
Coxartrose
CoxartroseCoxartrose
Coxartrose
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril ac
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Biomecânica da pelve e quadril 2008
Biomecânica da pelve e quadril 2008Biomecânica da pelve e quadril 2008
Biomecânica da pelve e quadril 2008
 
Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016
 
Trauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros SuperioresTrauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros Superiores
 
Ankle fracture: posterior malleolar fractures
Ankle fracture: posterior malleolar fractures Ankle fracture: posterior malleolar fractures
Ankle fracture: posterior malleolar fractures
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016
Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016
Instabilidade glenoumeral - aula Ortocurso 2016
 
Fraturas Femorais
Fraturas FemoraisFraturas Femorais
Fraturas Femorais
 
Lesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozeloLesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozelo
 
Fraturas diafisarias femur - AC
Fraturas diafisarias femur -  ACFraturas diafisarias femur -  AC
Fraturas diafisarias femur - AC
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Modulo 17
Modulo 17Modulo 17
Modulo 17
 
Fraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do AntebraçoFraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do Antebraço
 
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdfAula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
 

Semelhante a Lesões do mecanismo extensor do joelho

Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
Marcella Reis Goulart
 
Seminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatricoSeminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatrico
Fagner Athayde
 
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica IIISeminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Universidade Federal de Uberlândia
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
Thais Benicio
 
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
Giselda morais rodrigues do
 
122090533 revistapodologia-com-004pt
122090533 revistapodologia-com-004pt122090533 revistapodologia-com-004pt
122090533 revistapodologia-com-004pt
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
CONDROPATIA PATELAR - Slides.pptx
CONDROPATIA PATELAR - Slides.pptxCONDROPATIA PATELAR - Slides.pptx
CONDROPATIA PATELAR - Slides.pptx
thiagopennachaves
 
Fraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximaisFraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximais
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Praticas educacao fisica_para_pessoas_com_deficiencia
Praticas educacao fisica_para_pessoas_com_deficienciaPraticas educacao fisica_para_pessoas_com_deficiencia
Praticas educacao fisica_para_pessoas_com_deficiencia
Elisabeth Mattos
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Fabio Mazzola
 
Tendinites em equinos
Tendinites em equinosTendinites em equinos
Tendinites em equinos
Pedro Augusto
 
Pé equino
Pé equinoPé equino
Pé equino
Mariacris37
 
Pé, tornozelo e joelho 2014
Pé, tornozelo e joelho   2014Pé, tornozelo e joelho   2014
Pé, tornozelo e joelho 2014
Claudia Maxwell
 
Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
Marcus Murata
 
fraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperioresfraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperiores
GustavoArouche1
 
Fraturas em Idosos.pptx
Fraturas em Idosos.pptxFraturas em Idosos.pptx
Fraturas em Idosos.pptx
FernandaAbreu83
 
Fisioterapia nas amputações
Fisioterapia nas amputaçõesFisioterapia nas amputações
Fisioterapia nas amputações
Rodney Wenke
 
Ruptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de AquilesRuptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de Aquiles
Felipe Campos
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
Nay Ribeiro
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo

Semelhante a Lesões do mecanismo extensor do joelho (20)

Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
 
Seminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatricoSeminario Pé - pediatrico
Seminario Pé - pediatrico
 
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica IIISeminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
 
122090533 revistapodologia-com-004pt
122090533 revistapodologia-com-004pt122090533 revistapodologia-com-004pt
122090533 revistapodologia-com-004pt
 
CONDROPATIA PATELAR - Slides.pptx
CONDROPATIA PATELAR - Slides.pptxCONDROPATIA PATELAR - Slides.pptx
CONDROPATIA PATELAR - Slides.pptx
 
Fraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximaisFraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximais
 
Praticas educacao fisica_para_pessoas_com_deficiencia
Praticas educacao fisica_para_pessoas_com_deficienciaPraticas educacao fisica_para_pessoas_com_deficiencia
Praticas educacao fisica_para_pessoas_com_deficiencia
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
 
Tendinites em equinos
Tendinites em equinosTendinites em equinos
Tendinites em equinos
 
Pé equino
Pé equinoPé equino
Pé equino
 
Pé, tornozelo e joelho 2014
Pé, tornozelo e joelho   2014Pé, tornozelo e joelho   2014
Pé, tornozelo e joelho 2014
 
Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
 
fraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperioresfraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperiores
 
Fraturas em Idosos.pptx
Fraturas em Idosos.pptxFraturas em Idosos.pptx
Fraturas em Idosos.pptx
 
Fisioterapia nas amputações
Fisioterapia nas amputaçõesFisioterapia nas amputações
Fisioterapia nas amputações
 
Ruptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de AquilesRuptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de Aquiles
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
 

Último

História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 

Último (8)

História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 

Lesões do mecanismo extensor do joelho

  • 2.  Biomecanicamente, as forças resultantes que atravessam o tendão do quadríceps, patela e lig. patelar muitas vezes excedem 5 vezes o peso corporal.  À medida que o nível de atividade aumenta, estas forças muitas vezes são aplicadas excentricamente e podem resultar em rupturas de tendão, impacção da cartilagem articular e/ou luxação da patela.
  • 3.  Indivíduos jovens: a ruptura do tendão é rara e a laceração muscular é mais comum.  Indivíduos idosos: a ruptura tendinosa é mais comum, em função da fragilidade desta estrutura (vascularização pobre).  Ruptura do tendão ou do músculo: combinação de contração do mecanismo extensor e estiramento aplicado concomitantemente(pé plantado e joelho parcialmente flexionado).
  • 4.  > 40 anos ;  Ocorrem + comumente em áreas de degeneração na junção miotendínea;  Está relacionada com a vascularização diminuída.
  • 5.  Fatores de risco:  Múltiplas injeções de corticóides,  Diabetes melito,  Insuficiência renal crônica,  Hipertiroidismo  Gota. www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 6.  Usualmente, a ruptura parcial ou completa é iniciada centralmente e progride perifericamente.  Histopatologia do tendão roto: Inflamação crônica com necrose fibrinóide e degeneração gordurosa.
  • 7.  Dor intensa;  Incapacidade para andar sem auxílio;  Defeito palpável (GAP) e aumento óbvio secundário a uma hemartrose;  Equimose subcutânea;  Incapacidade de extensão do joelho nos casos de ruptura total;
  • 8.
  • 9. Patela mais baixa que o usual; Sinal do dente;
  • 10.
  • 11.  Tratamento conservador  Lesão parcial  Retináculo intacto  Gesso em extensão : 46 sem + carga tolerada  FST: fortalecimento muscular  Em virtude dos bons resultados, a intervenção cirúrgica é preconizada. www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 12.  Na reparação aguda:  Acesso longitudinal (15-20cm);  Escarificar as extremidades do tendão;  Tendão distal viável = reparo Témino-terminal;  Pontos de Colchoeiro (Krackow)  Alinhar o tendão e avaliar a excursão e altura da patela
  • 13.
  • 14. Perfurar 3 orifícios longitudinais a distâncias de 1cm; Fio não absorvível n°5;
  • 15.  Para a reconstrução retardada do defeito do quadríceps:  Fonte autógena de tecido para encher o defeito.  Se as extremidades puderem ser aproximadas: ScuderiCodivilla  Enxertos livres: semitendíneo
  • 16.
  • 17.
  • 18.  Tto pós operatório:  Aparelho gessado cilíndrico 4-6sem;  3ª semana – sustentar peso com muletas;  Retirado gesso – Órtese articulada 0-60°;  Ganho de ADM – 10-15° por semana;
  • 19.  A recuperação do trofismo do quadríceps usualmente leva 6 meses.  Nos casos de reconstrução tardia, pode haver um déficit de extensão residual.  Complicações:  Perda do movimento (pp flexão);  Alterações degenerativas na patelofemoral (mal posicionamento)  Nova ruptura; www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 20.
  • 21.  Geralmente ocorre no polo inferior da patela;  1:3 mais freqüente que a lesão do tendão quadricipital (Clínica Mayo).  <40 anos (Avulsão do T. Patelar);  Associado a tendinopatia degenerativa;
  • 22.  Contração forte do m. quadríceps interrompida por um estiramento passivo.  História pregressa de tendinite e injeções de esteróides.
  • 23.  Dor intensa.  Secundário geralmente a um trauma importante.  Diagnóstico evidente.  Claro defeito palpável.  Incapacidade de extensão do joelho nas lesões completas.
  • 24.  Patela alta;  Pode haver avulsão óssea.
  • 25.  Delineia lacerações parciais ou completas.
  • 26.  Tto conservador:  Lesão parcial;  Gesso em extensão por 46 sem.  A intervenção cirúrgica precoce é a regra.  Nas reparações agudas, a reaproximação direta da área de ruptura usualmente é possível.
  • 27. Técnica sugerida:  Sutura inabsorvível que possa ser passada em perfuração através da patela ou do tubérculo tibial, dependendo do local de ruptura.
  • 28.
  • 29.  Gesso cilíndrico em extensão por 6sem;  3sem -Exercícios de elevação da perna;  Após remover gesso – Órtese articulada 0-45°;  Ganho de ADM 10-15° por semana;  10-12ª sem – Retirar fio de aço; www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 30.
  • 31.
  • 32.  Nas suturas precoces, os resultados a longo prazo são melhores.  Principal complicação pós-operatória: patela baixa. www.traumatologiaeortopedia.com.br