SlideShare uma empresa Scribd logo
Lesão do
Manguito
Rotador e
Sind. Impacto
http://traumatologiaeortopedia.com.br
Introdução
• Manguito formado por 4 músculos:
1. Subescapular;
2. Supra-espinhal;
3. Infra-espinhal;
4. Redondo menor.
• Função:
1. Estabilidade;
2. Mobilidade;
3. Nutrição glenoumeral.
Origem na escapula e inserção nas tuberosidades do
úmero. http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Introdução
• Esses músculos terminam em tendões largos e achatados,
que continuam com a cápsula articular, formando o
manguito musculotendíneo.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Introdução
• A anatomia vascular do manguito
constitui um dos fatores etiológicos
da desenvolvimento das lesões;
• O músculo supra-espinhal recebe
irrigação da massa muscular, oriunda
da art. Supra-escapular e
secundariamente pelas art.
Circunflexas posterior e anterior;
• A área “crítica de Codman”,
localizada próxima a inserção do
supra-espinhal, é a zona onde a
patologia degenerativa se inicia;http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Introdução
• Ainda que não participe do
manguito rotador, a cabeça longa
do bíceps se localiza entre os m.
subescapular e supra-espinhal,
dentro da goteira bicíptal.;
• Com função de estabilização
anterior da cabeça do úmero e sua
depressão em rotação externa,
ocorrendo alívio da compressão do
tubérculo maior e o acrômio;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
MANGUITO ROTADOR
ARCO CORACOACROMAL
• 1) Acrômio
• 2) Ligamento
Coracoacromial
• 3) Processo coracóide
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Epidemiologia
• Cerca de 10% dos casos atendidos
na pratica diária são de ombro;
• As queixas do ombro só perdem
para Lombalgias nos consultórios da
ortopedia.
• Dessas 4 a 5% de todas as queixas
da ortopedia provêm da:
Degeneração do manguito rotador e
suas diferentes manifestações;
• O manguito envelhece
biologicamente, e grande parte das
lesões ocorre após os 40 anos;http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Etiologia
“Não há consenso entre os autores”
• Fator desencadeante extrínseco:
- Impacto mecânico subacromial = Neer(1972)(compressão
entre acrômio e tubérculo maior; arco doloroso 60-120°)-
IMPINGEMENT (A posição em que o ombro realiza a
maioria das atividades é em flexão ou em elevação e não em
abdução)
• Fator desencadeante intrínseco:
- Hipovascularização tendínea = Rathbun e Macnab(1970)
“Zona crítica de Codman” (área comprimida entre
acrômio, antero-inferior, o lig. coracoacromial e o tubérculo
maior) (mais vasos na porção bursal do que na porção
articular).
• Trauma ;
• Atrito(degeneração).http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Etiologia
• Fukuda – Congresso Mundial de Ombro (1998)
“A patogênese da ruptura do manguito rotador é multifatorial”
Inter-relação entre:
- Degeneração tecidual pela idade (> 40 anos);
- Microtrauma de repetição;
- Trauma (evidente: queda, luxação, estiramento);
- Entesopatia;
- Impacto(atrito em elevação por flexão do manguito com
porção ântero-inferior do acrômio- Neer; Impacto coracóide:
impacto do processo coracóide com o subescapular-
Gerber); Tipo acrômio: reto, curvo e ganchoso – Bigliani.http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
GOHLKE discorda:
O acrômio tipoIII seria o
resultado da formação de osteófitos
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
O MANGUITO
• O número de diagnósticos de lesões do manguito
cresceu por:
– Aumento da espectativa de vida com aumento da prática
de esportes
– O grande desenvolvimento dos esportes
– Desenvolvimento dos métodos diagnósticos
– Melhor entendimento da patologia e seus métodos de
reabilitação
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Evolução
• Neer descreveu a evolução das lesões do manguito:
1. Fase I: edema e hemorragia reversível, pacientes
jovens, por excesso do uso LERs. TTO conservador,
e afastar fator causal;
1. Fase II: fibrose e tendinite crônica e intermitente,
idade 25-45 anos. TTO é conservador e
acromioplastia;
1. Fase III: ruptura completa com alterações ósseas ao
RX, pacientes acima de 40-50 anos. TTO melhora da
dor, acromioplastia e reconstrução.http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Evolução
• Lesão inicial é do supra-espinhal na porção articular e
profunda, e progride da parte profunda para superficial
e de anterior para posterior, atingindo o infra-espinhal;
• A estabilidade glenoumeral é perdida, e ocorre
migração anterior e superior da cabeça;
• O t. biceps passa a exercer função estabilizadora,
tornando-se espessado e alargado. O lig.
Coracoacromial é tensionado formando-se um esporão
subacromial por tração;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Evolução
• Com a progressão, o t. subescapular é acometido;
• Ocorre luxação medial da porção longa do biceps,
gerando mais instabilidade e degeneração articular;
• Ocorre ruptura do manguito, e essa evolui para
substituição das fibras musculares por gordura –
lipossubstituição-Goutallier ( grau 0/I/II/III/IV);
• Essa lipossubstituição tem prognóstico pior no
resultado pós-reparação.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Quadro clínico
• Dor: proporcional a inflamação e não tamanho da
lesão, noturna pelo estiramento das partes moles, pode
irradiar para cotovelo;
• Crepitação: ruptura da bolsa subacromial
acompanhado a ruptura tendínea;
• Perda de movimento e força;
- Abdução e rotação externa
• Capsulite adesiva: 14%, devido ao processo
inflamatório e imobilidade causada pela dor;
• Tendinite ou ruptura da CLB;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
EXAME FÍSICO
TESTE DE NEER
TESTE DE
YOKUM
TESTE DE
HAWKINS-
KENNEDY
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Teste de Jobe
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Teste de Patte
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Teste de Geber
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Teste de Speed
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Teste de Yergason
Teste para avaliação
de cabeça longa do
bíceps.
Cotovelo fletido
pede-se ao paciente
realizar supinação
contra a resistência.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Diagnóstico
• Hist. clínica;
• Ex. físico;
• Teste xilocaína ou de Neer;
• Ex. Imagem.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
TESTE DA XILOCAÍNA
Injeção de 8 a 10ml de xilocaína no espaço subacromial
Proporcionará alívio imediato da dor
Negativando os testes provocativos e o arco doloroso
Teste de escolha para a lesão de manguito
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Exames complementares
• RX:
- AP “verdadeiro” em rotação interna e externa;
- AP com 30º de inclinação caudal- Rockwood;
- Perfil axilar;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Exames complementares
- Túnel view;
- Zanca;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
RX
• Esclerose óssea;
• Cistos subcondrais;
• Osteófitos na porção
anterior e na
articulação acromioclavicular;
• Contato da cabeça do úmero com o acrômio -
Ruptura maciça.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Artrografia
- Invasivo = Iodo;
- Evidencia rupturas
totais e parciais;
- Extravasamento do
contraste para o
espaço subacromial;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Ecografia
- Não invasivo;
- Depende do equipamento e do examinador;
- Dificuldade em demonstrar lesões menores de 1
cm de circunferência;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Ecografia
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
RM
- Alta sensibilidade e especificidade >90%;
- Preferencialmente contraste;
.Gadolínio
- Útil na fase inflamatória e na ruptura (extensão da
lesão e retrações);
- Detecção da degeneração gordurosa;http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
RM
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Classificação
• Quanto ao número de tendões envolvidos:
- Supra-espinhal;
- Supra-espinhal + infra-espinhal;
- Supra-espinhal + infra-espinhal + CLB;
- Supra-espinal + infra-espinhal + CLB +
subescapular; http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Classificação
• Quanto a etiologia:
- Traumática;
- Degenerativa.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Classificação
• Quanto à duração:
- Aguda;
- Crônica;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Classificação
• Quanto a extensão da lesão:
- Total;
- Parcial;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Classificação
• Quanto à localização das lesões PARCIAIS:
Lado Bursal
(IRRIGAÇÃO
ESCASSA)
Lado Articular
Intratendínea
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Classificação
• Quanto ao diâmetro da lesão TOTAL:
Pequenas Médias Grandes Maciças
(< 1cm) (1 a 3 cm) (3-5 cm) (> 5cm)
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Classificação
• Gary Gartsman definiu lesões irreparáveis como
sendo as de pelo menos 5cm, envolvendo 2 ou mais
tendões, que não possam ser fechadas sem tensão
excessiva após liberação de aderências.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Classificação
• Quanto à forma da lesão:
- Transversal;
- Longitudinal;
- Intratendinosa;
- Linear;
- Triangular.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento
• Critérios:
- Perfil do paciente _ Idade fisiológica
X
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento
• Conservador (tentado por 3-6m) X Cirúrgico;
• Critérios:
- Perfil da lesão;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento Conservador – lesões
parciais
Alívio da dor
. Substituição das atividades que utilizem o membro
superior acima de 90º;
. Suspensão das atividades repetitivas;
. AINES;
. Gelo (aguda) e Calor (crônica);
. Infiltração de corticóide e xilocaína no espaço
subacromial; http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento não-cirúrgico – lesões
parciais
Tratamento Fisioterápico
- Métodos de calor (US, laser, ondar curtas);
- Estiramento capsular - ADM;
- Fortalecimento muscular, após alívio da dor:
. Rotadores internos;
. Rotadores externos;
. Musculatura ao redor da escápula;
- Acupuntura. http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento Fisioterápico
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento cirúrgico
Cirurgia aberta Artroscópica
X
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento cirúrgico para lesões
parciais
• Desbridamento da lesão;
• Acromioplastia;
• Desbridamento da lesão e acromioplastia;
• Reparo da lesão e acromioplastia;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento cirúrgico para lesões
parciais
• Lesão < 50% da espessura do tendão:
- Acromioplastia e Desbridamento.
• Lesão > 50% da espessura do tendão:
- Reparo da lesão e Acromiplastia.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento cirúrgico para lesões
parciais
• Acromiplastia:
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento cirúrgico para lesões
parciais
• Reparo da lesão:
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento cirúrgico para lesões
maiores
SE
IE
SbE
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento cirúrgico para lesões
maiores
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Via Artroscópica
 Pouca agressividade, poupando o deltoíde.
 Reabilitação mais precoce (média de 3 meses).
 Melhor recuperação da força pós-operatória.
 84% força normal, contra 58% via aberta.
 Possibilidade de diagnóstico e tratamento de lesões
intra e extra-articulares gleno-umerais.http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Pós-operatório
• Tipóia comum, órtese de abdução ou tipóia de
almofada baixa por 6 semanas;
• Exercícios assistidos de flexão e rotação lateral;
• Exercícios isométricos de rotação lateral após 6
semanas;
• Após 12 semanas - movimentos ativos
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tratamento cirúrgico para rupturas
maciças
• Cirurgia de MacLaughlin;
• Transferências miotendinosas:
- Cirurgia de Cofield - tendão subescapular;
- Cirurgia de Gerber - músculo latíssimo dorsal;
• Técnica de Rockwood:
- Descompressão e desbridamento
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Cirurgia de MacLaughlin
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Transferências miotendinosas
Cirurgia de Cofield
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Tenotomia da cabeça longa do
bíceps
• Lesão grande com > de 50% da espessura da
CLB em pct > de 60 anos;
• Em instabilidade com luxação ou subluxação
deste tendão;
• Tenotomia com tenodese é realizada em pct <
60 anos.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Artropatia do Manguito Rotador
• 1 vez 1834: J.G. Smith;
• Neer 1983: “ärtropatia do manguito”;
• Associação da ruptura maciça e irreparável do manguito
e artrite degenerativa grave da articulação glenoumeral;
• 4% das lesões maciças evoluem para artropatia.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Artropatia do manguito rotador
FISIOPATOLOGIA
Ausência de depressão normal do supra-espinhal na
cabeça umeral
Tração não impedida do deltóide
Cisalhamento ao longo da glenóide
Cartilagem articular não resiste
Alterações degenerativashttp://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Artropatia do Manguito Rotador
• + frequente em mulheres;
• Acima de 60 anos;
• Algia no ombro de longa data;
• Lado dominante + freq., 60% bilateral;
• Tentado vários TTO, desde infiltrações até reparo;
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Artropatia do Manguito Rotador
• Dor leve a moderada;
• Interfere no sono;
• Piora com atividades diárias;
• Perda progressiva de mobilidade;
• Hemartrose;
• Hipoptrofia muscular;
• Ruptura CLB.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Artropatia do manguito rotador
• Alterações radiográficas:
- Sinal da sobrancelha;
- Osteófitos na parte inferior da cabeça umeral;
- Diminuição do espaço articular glenoumeral;
- Migração superior da cabeça
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Artropatia por lesão do manguito
rotador
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Artropatia por lesão do manguito
rotador
• Tratamento:
- Artroplastia parcial X Artrodese.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Complicações
• Erro diagnóstico com capsulite adesiva.
• Tecnica cirurgica incorreta.
• Lesões iatrogênicas.
• Capsulite pós-operatória.
• Paciente não realiza reabilitação adequada.
• Desinserção do deltóide.
• Infecção.
http://traumatologiaeortopedia.com &
www.ortopediabrasil.blogspot.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
Natha Fisioterapia
 
Modulo 12
Modulo 12Modulo 12
Modulo 12
SemioOrto
 
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
pauloalambert
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
Welisson Porto
 
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoSíndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Mel Medina
 
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloCinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Claudio Pereira
 
ORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIALORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIAL
Janderson Physios
 
Síndrome do desfiladeiro torácico
Síndrome do desfiladeiro torácicoSíndrome do desfiladeiro torácico
Síndrome do desfiladeiro torácico
Christian Sgarbi
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Faculdade Anglo-Americano
 
Aula 1 biomecanica, conceitos, historico e definicoes
Aula 1   biomecanica, conceitos, historico e definicoesAula 1   biomecanica, conceitos, historico e definicoes
Aula 1 biomecanica, conceitos, historico e definicoes
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Complexo articular do ombro
Complexo articular do ombroComplexo articular do ombro
Complexo articular do ombro
Natha Fisioterapia
 
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e MãoOmbro, Cotovelo, Punho e Mão
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
pauloalambert
 
Op aula 01 - introdução ortese prótese
Op   aula 01 - introdução ortese próteseOp   aula 01 - introdução ortese prótese
Op aula 01 - introdução ortese prótese
eduardo alves medina
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
SemioOrto
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
adrianomedico
 

Mais procurados (20)

Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Modulo 12
Modulo 12Modulo 12
Modulo 12
 
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
 
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoSíndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
 
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloCinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
 
ORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIALORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIAL
 
Síndrome do desfiladeiro torácico
Síndrome do desfiladeiro torácicoSíndrome do desfiladeiro torácico
Síndrome do desfiladeiro torácico
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
 
Aula 1 biomecanica, conceitos, historico e definicoes
Aula 1   biomecanica, conceitos, historico e definicoesAula 1   biomecanica, conceitos, historico e definicoes
Aula 1 biomecanica, conceitos, historico e definicoes
 
Complexo articular do ombro
Complexo articular do ombroComplexo articular do ombro
Complexo articular do ombro
 
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e MãoOmbro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
 
Op aula 01 - introdução ortese prótese
Op   aula 01 - introdução ortese próteseOp   aula 01 - introdução ortese prótese
Op aula 01 - introdução ortese prótese
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
 

Semelhante a Lesao manguito e impacto

pptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptxpptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptx
RanielyMatias1
 
Ruptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de AquilesRuptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de Aquiles
Felipe Campos
 
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdfaulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
ssuser1c7b51
 
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdfAula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
ssuser7da808
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Ultrassom do ombro
Ultrassom do ombroUltrassom do ombro
Ultrassom do ombro
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
paraiba1974
 
Artrologia nova.ppt
Artrologia nova.pptArtrologia nova.ppt
Artrologia nova.ppt
MedUema19
 
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapularAula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Hamilton Nobrega
 
Vias-de-acesso-Quadril.ppt
Vias-de-acesso-Quadril.pptVias-de-acesso-Quadril.ppt
Vias-de-acesso-Quadril.ppt
WhiskaMontao
 
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
GustavoMiarelliCampo
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Carlos Andrade
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
Vanessa Rabuske Araujo
 
aulabaixada de ombro-200323001227.pptx
aulabaixada de ombro-200323001227.pptxaulabaixada de ombro-200323001227.pptx
aulabaixada de ombro-200323001227.pptx
GustavoArouche1
 
Ultrassom do manguito rotador
Ultrassom do manguito rotadorUltrassom do manguito rotador
Ultrassom do manguito rotador
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebral
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebralCirculação da coluna espinhal e coluna vertebral
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebral
Junio Alves
 
Amputação
AmputaçãoAmputação
Amputação
Elen Adams
 

Semelhante a Lesao manguito e impacto (20)

pptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptxpptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptx
 
Ruptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de AquilesRuptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de Aquiles
 
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdfaulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
aulasindromeimpactoemr-150727185401-lva1-app6892.pdf
 
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdfAula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
Aula 10_Biomecanica e Cinesiologia ombro, cotovelo, punho e dedos - 3 horas.pdf
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Ultrassom do ombro
Ultrassom do ombroUltrassom do ombro
Ultrassom do ombro
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
 
Artrologia nova.ppt
Artrologia nova.pptArtrologia nova.ppt
Artrologia nova.ppt
 
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapularAula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
 
Vias-de-acesso-Quadril.ppt
Vias-de-acesso-Quadril.pptVias-de-acesso-Quadril.ppt
Vias-de-acesso-Quadril.ppt
 
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Coluna Vertebral
 
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
 
aulabaixada de ombro-200323001227.pptx
aulabaixada de ombro-200323001227.pptxaulabaixada de ombro-200323001227.pptx
aulabaixada de ombro-200323001227.pptx
 
Ultrassom do manguito rotador
Ultrassom do manguito rotadorUltrassom do manguito rotador
Ultrassom do manguito rotador
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebral
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebralCirculação da coluna espinhal e coluna vertebral
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebral
 
Amputação
AmputaçãoAmputação
Amputação
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de patela
Fratura de patelaFratura de patela

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
 
Fratura de patela
Fratura de patelaFratura de patela
Fratura de patela
 

Último

mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 

Último (9)

mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 

Lesao manguito e impacto

  • 1. Lesão do Manguito Rotador e Sind. Impacto http://traumatologiaeortopedia.com.br
  • 2. Introdução • Manguito formado por 4 músculos: 1. Subescapular; 2. Supra-espinhal; 3. Infra-espinhal; 4. Redondo menor. • Função: 1. Estabilidade; 2. Mobilidade; 3. Nutrição glenoumeral. Origem na escapula e inserção nas tuberosidades do úmero. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 4. Introdução • Esses músculos terminam em tendões largos e achatados, que continuam com a cápsula articular, formando o manguito musculotendíneo. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 5. Introdução • A anatomia vascular do manguito constitui um dos fatores etiológicos da desenvolvimento das lesões; • O músculo supra-espinhal recebe irrigação da massa muscular, oriunda da art. Supra-escapular e secundariamente pelas art. Circunflexas posterior e anterior; • A área “crítica de Codman”, localizada próxima a inserção do supra-espinhal, é a zona onde a patologia degenerativa se inicia;http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 6. Introdução • Ainda que não participe do manguito rotador, a cabeça longa do bíceps se localiza entre os m. subescapular e supra-espinhal, dentro da goteira bicíptal.; • Com função de estabilização anterior da cabeça do úmero e sua depressão em rotação externa, ocorrendo alívio da compressão do tubérculo maior e o acrômio; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 7. MANGUITO ROTADOR ARCO CORACOACROMAL • 1) Acrômio • 2) Ligamento Coracoacromial • 3) Processo coracóide http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 8. Epidemiologia • Cerca de 10% dos casos atendidos na pratica diária são de ombro; • As queixas do ombro só perdem para Lombalgias nos consultórios da ortopedia. • Dessas 4 a 5% de todas as queixas da ortopedia provêm da: Degeneração do manguito rotador e suas diferentes manifestações; • O manguito envelhece biologicamente, e grande parte das lesões ocorre após os 40 anos;http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 9. Etiologia “Não há consenso entre os autores” • Fator desencadeante extrínseco: - Impacto mecânico subacromial = Neer(1972)(compressão entre acrômio e tubérculo maior; arco doloroso 60-120°)- IMPINGEMENT (A posição em que o ombro realiza a maioria das atividades é em flexão ou em elevação e não em abdução) • Fator desencadeante intrínseco: - Hipovascularização tendínea = Rathbun e Macnab(1970) “Zona crítica de Codman” (área comprimida entre acrômio, antero-inferior, o lig. coracoacromial e o tubérculo maior) (mais vasos na porção bursal do que na porção articular). • Trauma ; • Atrito(degeneração).http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 11. Etiologia • Fukuda – Congresso Mundial de Ombro (1998) “A patogênese da ruptura do manguito rotador é multifatorial” Inter-relação entre: - Degeneração tecidual pela idade (> 40 anos); - Microtrauma de repetição; - Trauma (evidente: queda, luxação, estiramento); - Entesopatia; - Impacto(atrito em elevação por flexão do manguito com porção ântero-inferior do acrômio- Neer; Impacto coracóide: impacto do processo coracóide com o subescapular- Gerber); Tipo acrômio: reto, curvo e ganchoso – Bigliani.http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 12. GOHLKE discorda: O acrômio tipoIII seria o resultado da formação de osteófitos http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 13. O MANGUITO • O número de diagnósticos de lesões do manguito cresceu por: – Aumento da espectativa de vida com aumento da prática de esportes – O grande desenvolvimento dos esportes – Desenvolvimento dos métodos diagnósticos – Melhor entendimento da patologia e seus métodos de reabilitação http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 14. Evolução • Neer descreveu a evolução das lesões do manguito: 1. Fase I: edema e hemorragia reversível, pacientes jovens, por excesso do uso LERs. TTO conservador, e afastar fator causal; 1. Fase II: fibrose e tendinite crônica e intermitente, idade 25-45 anos. TTO é conservador e acromioplastia; 1. Fase III: ruptura completa com alterações ósseas ao RX, pacientes acima de 40-50 anos. TTO melhora da dor, acromioplastia e reconstrução.http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 16. Evolução • Lesão inicial é do supra-espinhal na porção articular e profunda, e progride da parte profunda para superficial e de anterior para posterior, atingindo o infra-espinhal; • A estabilidade glenoumeral é perdida, e ocorre migração anterior e superior da cabeça; • O t. biceps passa a exercer função estabilizadora, tornando-se espessado e alargado. O lig. Coracoacromial é tensionado formando-se um esporão subacromial por tração; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 17. Evolução • Com a progressão, o t. subescapular é acometido; • Ocorre luxação medial da porção longa do biceps, gerando mais instabilidade e degeneração articular; • Ocorre ruptura do manguito, e essa evolui para substituição das fibras musculares por gordura – lipossubstituição-Goutallier ( grau 0/I/II/III/IV); • Essa lipossubstituição tem prognóstico pior no resultado pós-reparação. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 18. Quadro clínico • Dor: proporcional a inflamação e não tamanho da lesão, noturna pelo estiramento das partes moles, pode irradiar para cotovelo; • Crepitação: ruptura da bolsa subacromial acompanhado a ruptura tendínea; • Perda de movimento e força; - Abdução e rotação externa • Capsulite adesiva: 14%, devido ao processo inflamatório e imobilidade causada pela dor; • Tendinite ou ruptura da CLB; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 19. EXAME FÍSICO TESTE DE NEER TESTE DE YOKUM TESTE DE HAWKINS- KENNEDY http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 20. Teste de Jobe http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 21. Teste de Patte http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 22. Teste de Geber http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 23. Teste de Speed http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 24. Teste de Yergason Teste para avaliação de cabeça longa do bíceps. Cotovelo fletido pede-se ao paciente realizar supinação contra a resistência. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 25. Diagnóstico • Hist. clínica; • Ex. físico; • Teste xilocaína ou de Neer; • Ex. Imagem. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 26. TESTE DA XILOCAÍNA Injeção de 8 a 10ml de xilocaína no espaço subacromial Proporcionará alívio imediato da dor Negativando os testes provocativos e o arco doloroso Teste de escolha para a lesão de manguito http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 27. Exames complementares • RX: - AP “verdadeiro” em rotação interna e externa; - AP com 30º de inclinação caudal- Rockwood; - Perfil axilar; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 28. Exames complementares - Túnel view; - Zanca; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 29. RX • Esclerose óssea; • Cistos subcondrais; • Osteófitos na porção anterior e na articulação acromioclavicular; • Contato da cabeça do úmero com o acrômio - Ruptura maciça. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 30. Artrografia - Invasivo = Iodo; - Evidencia rupturas totais e parciais; - Extravasamento do contraste para o espaço subacromial; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 31. Ecografia - Não invasivo; - Depende do equipamento e do examinador; - Dificuldade em demonstrar lesões menores de 1 cm de circunferência; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 33. RM - Alta sensibilidade e especificidade >90%; - Preferencialmente contraste; .Gadolínio - Útil na fase inflamatória e na ruptura (extensão da lesão e retrações); - Detecção da degeneração gordurosa;http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 35. Classificação • Quanto ao número de tendões envolvidos: - Supra-espinhal; - Supra-espinhal + infra-espinhal; - Supra-espinhal + infra-espinhal + CLB; - Supra-espinal + infra-espinhal + CLB + subescapular; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 36. Classificação • Quanto a etiologia: - Traumática; - Degenerativa. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 37. Classificação • Quanto à duração: - Aguda; - Crônica; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 38. Classificação • Quanto a extensão da lesão: - Total; - Parcial; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 39. Classificação • Quanto à localização das lesões PARCIAIS: Lado Bursal (IRRIGAÇÃO ESCASSA) Lado Articular Intratendínea http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 40. Classificação • Quanto ao diâmetro da lesão TOTAL: Pequenas Médias Grandes Maciças (< 1cm) (1 a 3 cm) (3-5 cm) (> 5cm) http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 41. Classificação • Gary Gartsman definiu lesões irreparáveis como sendo as de pelo menos 5cm, envolvendo 2 ou mais tendões, que não possam ser fechadas sem tensão excessiva após liberação de aderências. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 42. Classificação • Quanto à forma da lesão: - Transversal; - Longitudinal; - Intratendinosa; - Linear; - Triangular. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 43. Tratamento • Critérios: - Perfil do paciente _ Idade fisiológica X http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 44. Tratamento • Conservador (tentado por 3-6m) X Cirúrgico; • Critérios: - Perfil da lesão; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 45. Tratamento Conservador – lesões parciais Alívio da dor . Substituição das atividades que utilizem o membro superior acima de 90º; . Suspensão das atividades repetitivas; . AINES; . Gelo (aguda) e Calor (crônica); . Infiltração de corticóide e xilocaína no espaço subacromial; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 46. Tratamento não-cirúrgico – lesões parciais Tratamento Fisioterápico - Métodos de calor (US, laser, ondar curtas); - Estiramento capsular - ADM; - Fortalecimento muscular, após alívio da dor: . Rotadores internos; . Rotadores externos; . Musculatura ao redor da escápula; - Acupuntura. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 48. Tratamento cirúrgico Cirurgia aberta Artroscópica X http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 49. Tratamento cirúrgico para lesões parciais • Desbridamento da lesão; • Acromioplastia; • Desbridamento da lesão e acromioplastia; • Reparo da lesão e acromioplastia; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 50. Tratamento cirúrgico para lesões parciais • Lesão < 50% da espessura do tendão: - Acromioplastia e Desbridamento. • Lesão > 50% da espessura do tendão: - Reparo da lesão e Acromiplastia. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 51. Tratamento cirúrgico para lesões parciais • Acromiplastia: http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 52. Tratamento cirúrgico para lesões parciais • Reparo da lesão: http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 53. Tratamento cirúrgico para lesões maiores SE IE SbE http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 54. Tratamento cirúrgico para lesões maiores http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 55. Via Artroscópica  Pouca agressividade, poupando o deltoíde.  Reabilitação mais precoce (média de 3 meses).  Melhor recuperação da força pós-operatória.  84% força normal, contra 58% via aberta.  Possibilidade de diagnóstico e tratamento de lesões intra e extra-articulares gleno-umerais.http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 56. Pós-operatório • Tipóia comum, órtese de abdução ou tipóia de almofada baixa por 6 semanas; • Exercícios assistidos de flexão e rotação lateral; • Exercícios isométricos de rotação lateral após 6 semanas; • Após 12 semanas - movimentos ativos http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 57. Tratamento cirúrgico para rupturas maciças • Cirurgia de MacLaughlin; • Transferências miotendinosas: - Cirurgia de Cofield - tendão subescapular; - Cirurgia de Gerber - músculo latíssimo dorsal; • Técnica de Rockwood: - Descompressão e desbridamento http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 58. Cirurgia de MacLaughlin http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 59. Transferências miotendinosas Cirurgia de Cofield http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 60. Tenotomia da cabeça longa do bíceps • Lesão grande com > de 50% da espessura da CLB em pct > de 60 anos; • Em instabilidade com luxação ou subluxação deste tendão; • Tenotomia com tenodese é realizada em pct < 60 anos. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 61. Artropatia do Manguito Rotador • 1 vez 1834: J.G. Smith; • Neer 1983: “ärtropatia do manguito”; • Associação da ruptura maciça e irreparável do manguito e artrite degenerativa grave da articulação glenoumeral; • 4% das lesões maciças evoluem para artropatia. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 62. Artropatia do manguito rotador FISIOPATOLOGIA Ausência de depressão normal do supra-espinhal na cabeça umeral Tração não impedida do deltóide Cisalhamento ao longo da glenóide Cartilagem articular não resiste Alterações degenerativashttp://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 63. Artropatia do Manguito Rotador • + frequente em mulheres; • Acima de 60 anos; • Algia no ombro de longa data; • Lado dominante + freq., 60% bilateral; • Tentado vários TTO, desde infiltrações até reparo; http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 64. Artropatia do Manguito Rotador • Dor leve a moderada; • Interfere no sono; • Piora com atividades diárias; • Perda progressiva de mobilidade; • Hemartrose; • Hipoptrofia muscular; • Ruptura CLB. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 65. Artropatia do manguito rotador • Alterações radiográficas: - Sinal da sobrancelha; - Osteófitos na parte inferior da cabeça umeral; - Diminuição do espaço articular glenoumeral; - Migração superior da cabeça http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 66. Artropatia por lesão do manguito rotador http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 67. Artropatia por lesão do manguito rotador • Tratamento: - Artroplastia parcial X Artrodese. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 68. Complicações • Erro diagnóstico com capsulite adesiva. • Tecnica cirurgica incorreta. • Lesões iatrogênicas. • Capsulite pós-operatória. • Paciente não realiza reabilitação adequada. • Desinserção do deltóide. • Infecção. http://traumatologiaeortopedia.com & www.ortopediabrasil.blogspot.com.br