SlideShare uma empresa Scribd logo
Clique para adicionar texto
Artroplastia do Joelho
www.traumatologiaeortopedia.com.br
OBJETIVOS
 ALÍVIO DA DOR
 READQUIRIR MOBILIDADE
 CORREÇÃO DE DEFORMIDADE
INDICAÇÕES
Baseia-se nos desvios de eixo, comprometimento dos
compartimentos e na idade dos pacientes
1. VARO MAIOR DO QUE 15º
2. VALGO MAIOR DO QUE 10º
3. SUBLUXAÇÃO FÊMOROTIBIAL NO PLANO FRONTAL
4. ANTERIORIZAÇÃO DA TÍBIA EM RELAÇÃO AO FÊMUR
5. COMPROMETIMENTO GRAVE DE DOIS DOS TRÊS
COMPARTIMENTOS
IDADE: 60 anos com desestruturação articular sem indicação de
osteotomia.
Pacientes mais jovens com grave destruição articular ( p. ex. AR)
CONTRA INDICAÇÕES
 ABSOLUTAS;
SEPSE ARTICULAR
ARTROPATIA NEUROPÁTICA
 RELATIVAS;
MAU ESTADO GERAL
OSTEOPOROSE INTENSA
ARTRODESE ESTÁVEL
INSUFICIÊNCIA DO QUADRICEPS
GENU RECURVATUM
TIPOS DE PRÓTESE
 UNICOPARTIMENTAIS
 TOTAIS (TRICOMPARTIMENTAIS)
 SEM RESTRIÇÃO
 SEMI RESTRINGIDAS – A MAIORIA
 RESTRIÇÃO TOTAL
FIXAÇÃO
 CIMENTADAS
 NÃO CIMENTADAS
Tipos de Próteses
Fêmur: -preserva LCP (CR)
-substitui LCP (PS)
Tipos de Próteses
Tíbia: -all polyethylene
-monoblock
-metal backed
www.traumatologiaeortopedia.com.br
Tipos de Próteses
Petela: -múltiplo x peg central
-all poly x metal backed
-oval x anatômico
-fixo x mob.bearing
Tipos de Próteses
Fixed-bearing
Mobile-bearing
Meniscal-bearing
Tipos de Próteses
Não Cimentadas x Cimentadas
Durabilidade 10 anos 72 % 94 %
Vantagem preserva mais osso carga imediata
Paciente mais jovem mais idoso
Tipos de Próteses
Não constrita
Semi-constrita
Constrita
Técnica cirúrgica
 Vias de acesso
Técnica cirúrgica
 Vias de acesso
Whiteside Insal rectus snip
www.traumatologiaeortopedia.com.br
Técnica cirúrgica
 Vias de acesso
Técnica cirúrgica
Teorias : Gap theory
Joint line theory
GAP
 Substituição do LCP
 Gap flexão = Gap extesão
Vantagens :
 Osteotomia feita em osso de melhor
qualidade na tíbia
 Método mais simples
 Técnica pode ser realizada em qualquer
joelho (com ou sem deformidade)
Desvantagens :
 Linha articular pode ser alterada (proximal)
 Balanceamento feito em 0 e 90 graus
(instabilidade )
Joint Line
 Retenção do LCP
 Manutenção da linha articular
www.traumatologiaeortopedia.com.br
Vantagens :
 Dissipação de forças horizontais
 Aumento da flexão joelho
 Marcha mais próxima do normal
Desvantagens :
 Técnica mais difícil
 LCP muito frouxo: sublux post
 LCP muito tenso: limitação
flexão e aumentar estresse
posterior
Princípios de instrumentação e
alinhamento dos componentes
PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TÉCNICA
 Corte tibial deve ser sempre perpendicular ao eixo
tibial
 O corte femoral deve corrigir a deformidade levando
a uma angulação em valgo, que será determinada
pela linha de alinhamento do membro
 As superfícies cartilaginosas devem ser totalmente
revestidas
 Os ligamentos devem ter sua tensão corrigida ao
final da cirugia
Atenção !
 Componentes fêmoral e tibial cada um com 6 graus
de liberdade (varo/valgo, flex/ex, prox/dist, rot
int/ext, translação a/p, translação m/l)
 Alinhamento do membro e patela cada um com 3
graus de liberdade
 Combinando todas as possibilidades entre si: + de
11000 possibilidades de erro
Eixo
Cortes Femorais
2 osteotomias + importantes:
-distal → alinhamento axial
-ant e post → alinhamento rotacional
www.traumatologiaeortopedia.com.br
Corte Tibial
90°
LCP
PRESERVA X SACRIFICA
↑ amplitude mov fácil esposição e
↑ força / estabilidade correção deformidade
durabilidade ↓ desgaste poly
menos osso boa estabilidade
Balanço de partes moles
VARO: 1-pata ganso
2-cápsula articular
3-LCM profundo
4-semimembranoso
5-cápsula póstero-med
VALGO:1-trato iliotibial
2-tend poplíteo
3-cápsula póstero-lat
4-gastronêmio
5-bíceps
FLEXO:1-cápsula post
2-gastrocnêmio
3-PCL
4-fêmur distal
RÍGIDO:1-osteófitos
2-osteotomia TAT
Caso Clínico
Caso Clínico
Complicações
 Soltura
 Instabilidade
 Mau alinhamento
 Lesões aparelho extensor
 Lesões vasculo-nervosas
 Deiscência
 Trombose
 Infecção
Soltura
 Pode ocorrer durante
situações extremas de
carga, tais como ocorre em
situações como:
instabilidade, má posição
dos componentes e mau
alinhamento
 Linhas radiolucentes
importantes: quando são
globais (todas as zonas da
prótese, maiores 1 a 2 mm
e/ou progressivas)
Problemas Fêmoro-Patelares
 Mais comuns problemas pós-op (5-6 %) e a
principal causa de revisão (50 %)
 Causas: -tilt
-mal tracking (sub-lux, luxação)
-espessura (min de 12mm de osso)
-patelar clunk sindrome
-desgaste
-soltura
Problemas Fêmoro-Patelares
Problemas Fêmoro-Patelares
(mais importante é a rotação dos componentes)
www.traumatologiaeortopedia.com.br
Infecção
 Dor
 Sinais flogísticos
 Derrame
 Drenagem
 HMG
 PCR
 VHS
 Punção
Infecção
Punção: Aspecto líquido
Células > 2500 µl
Polimorfonucleares > 75 %
↑ proteínas
↓ glicose
Infecção
Tratamentos: - retenção
- substituição 1 estágio
- substituição 2 estágios
- artodese
- amputação
Infecção
Retenção: infec 2 – 4 semanas
sem drenagem/fístulas
microorg baixa virulência
componentes bem fixados
RX sem sinais de soltura
Lavagem e desbridamento (sinovectomia) +
Antibioticoterapia EV por 6 sem
Infecção
Subst. 2 estágios: infecções tardias
77 – 100% de sucesso
1° estágio:
Lavagem e desbridamento (sinovectomia) +
retirada da prótese e substituição por
espassador + atbterapia EV por 6 semanas
2° estágio:
Colocação da nova prótese
Revisão
Causas de revisão:
-soltura componentes
-instabilidade
-subluxação
-luxação
-desgaste poly
-limitação movimentação
-mal posicionamento
Defeitos ósseos
 Cimento ( < 5 mm)
 Enxerto picado (contidos)
 Enxerto estrutural ( > 5 mm )
 Augments ( > 5 mm)
Defeitos ósseos
Defeitos ósseos / Grau
constrição
Unicompartimental
Conceitos :
 Não é ½ ATJ
 Artose unicompartimental
 Ligamentos normais (colat e cruzados)
 Não deve corrigir deformidades
 Preserva linha articular (mínima ressecção
óssea – “onlay not inlay”)
 Primeira cirurgia do pcte jovem ou última do
pcte idoso (baixa demanda funcional)
Osteotomia X UNI
 73% em 5 anos 88-99% em 10
anos
 51% em 10 anos
 39% em 15 anos
Vantagens :
 Menores complicações
 Melhores resultados iniciais (mulheres)
 Resultados mais duradouros
 Menor tempo cirúrgico
 Menos agressivo que ATJ (incisão de 5-8 cm)
Vantagens :
 Fácil reverter em ATJ
 Melhor propriocepção
 Preserva estruturas
 Melhora ADM
 Joelho dominante para
subir escadas
Contra indicações :
 Mais 5-10 graus de varo
 Mais 15-20 graus valgo
 Instabilidade V/V
 LCA insuficiente
 Artropatia inflamatória ou infecciosa
 Artrose bi ou tricompartimental
 patelectomia
www.traumatologiaeortopedia.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
David Sadigursky
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o AnoMétodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Carlos Andrade
 
Amputacao
AmputacaoAmputacao
Escoliose
EscolioseEscoliose
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
SemioOrto
 
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
saulo vinicius
 
Osteoartrose ac basico
Osteoartrose   ac basicoOsteoartrose   ac basico
Osteoartrose ac basico
André Cipriano
 
Artrose
ArtroseArtrose
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
Potencial Empresário
 
Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
Marcelo Costa
 
A Função Multiprofissional da Fisioterapia
A Função Multiprofissional da Fisioterapia A Função Multiprofissional da Fisioterapia
A Função Multiprofissional da Fisioterapia
Atena Editora
 
Coxartrose
CoxartroseCoxartrose
Coxartrose
Kleber Rangel
 
Relato de caso oa
Relato de caso oaRelato de caso oa
Relato de caso oa
pauloalambert
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
Welisson Porto
 
Cinesioterapia
CinesioterapiaCinesioterapia
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Mauricio Fabiani
 

Mais procurados (20)

Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o AnoMétodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
Métodos de Estabilização de Fraturas - 3o Ano
 
Amputacao
AmputacaoAmputacao
Amputacao
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
 
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Coluna Vertebral
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
 
Osteoartrose ac basico
Osteoartrose   ac basicoOsteoartrose   ac basico
Osteoartrose ac basico
 
Artrose
ArtroseArtrose
Artrose
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
 
Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
 
A Função Multiprofissional da Fisioterapia
A Função Multiprofissional da Fisioterapia A Função Multiprofissional da Fisioterapia
A Função Multiprofissional da Fisioterapia
 
Coxartrose
CoxartroseCoxartrose
Coxartrose
 
Relato de caso oa
Relato de caso oaRelato de caso oa
Relato de caso oa
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
 
Cinesioterapia
CinesioterapiaCinesioterapia
Cinesioterapia
 
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
 

Semelhante a Artroplastia de joelho

Fraturas do femur distal
Fraturas do femur distalFraturas do femur distal
Fraturas do femur distal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximaisFraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximais
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
Marcus Murata
 
Instabilidade do Joelho no Esporte Adaptado
Instabilidade do Joelho no Esporte AdaptadoInstabilidade do Joelho no Esporte Adaptado
Instabilidade do Joelho no Esporte Adaptado
David Sadigursky
 
Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]
Claudevir Tunussi
 
Osteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelhoOsteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Guilherme Terra
 
Fraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do AntebraçoFraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do Antebraço
Carlos Andrade
 
Fratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombarFratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombar
ewerton guizardi
 
Lesões condrais no joelho
Lesões condrais no joelhoLesões condrais no joelho
Lesões condrais no joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesão do lcp
Lesão do lcpLesão do lcp
Lesão de Flexores.pdf
Lesão de Flexores.pdfLesão de Flexores.pdf
Lesão de Flexores.pdf
Brunno Rosique
 
Sarcomas
SarcomasSarcomas
Halux rigido
Halux rigidoHalux rigido
Halux rigido
André Cipriano
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Avaliaoradiologicadotrauma
AvaliaoradiologicadotraumaAvaliaoradiologicadotrauma
Avaliaoradiologicadotrauma
leandrodocarmo6
 
Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo
Marcus Murata
 
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
Joaquim Henrique Lorenzetti Branco
 

Semelhante a Artroplastia de joelho (20)

Fraturas do femur distal
Fraturas do femur distalFraturas do femur distal
Fraturas do femur distal
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
 
Fraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximaisFraturas de tibia e fibula proximais
Fraturas de tibia e fibula proximais
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
 
Instabilidade do Joelho no Esporte Adaptado
Instabilidade do Joelho no Esporte AdaptadoInstabilidade do Joelho no Esporte Adaptado
Instabilidade do Joelho no Esporte Adaptado
 
Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]
 
Osteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelhoOsteonecrose do joelho
Osteonecrose do joelho
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
 
Fraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do AntebraçoFraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do Antebraço
 
Fratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombarFratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombar
 
Lesões condrais no joelho
Lesões condrais no joelhoLesões condrais no joelho
Lesões condrais no joelho
 
Lesão do lcp
Lesão do lcpLesão do lcp
Lesão do lcp
 
Lesão de Flexores.pdf
Lesão de Flexores.pdfLesão de Flexores.pdf
Lesão de Flexores.pdf
 
Sarcomas
SarcomasSarcomas
Sarcomas
 
Halux rigido
Halux rigidoHalux rigido
Halux rigido
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Avaliaoradiologicadotrauma
AvaliaoradiologicadotraumaAvaliaoradiologicadotrauma
Avaliaoradiologicadotrauma
 
Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo Fratura de metacarpo
Fratura de metacarpo
 
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de patela
Fratura de patelaFratura de patela

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
 
Fratura de patela
Fratura de patelaFratura de patela
Fratura de patela
 

Artroplastia de joelho

  • 1. Clique para adicionar texto Artroplastia do Joelho www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 2. OBJETIVOS  ALÍVIO DA DOR  READQUIRIR MOBILIDADE  CORREÇÃO DE DEFORMIDADE
  • 3. INDICAÇÕES Baseia-se nos desvios de eixo, comprometimento dos compartimentos e na idade dos pacientes 1. VARO MAIOR DO QUE 15º 2. VALGO MAIOR DO QUE 10º 3. SUBLUXAÇÃO FÊMOROTIBIAL NO PLANO FRONTAL 4. ANTERIORIZAÇÃO DA TÍBIA EM RELAÇÃO AO FÊMUR 5. COMPROMETIMENTO GRAVE DE DOIS DOS TRÊS COMPARTIMENTOS IDADE: 60 anos com desestruturação articular sem indicação de osteotomia. Pacientes mais jovens com grave destruição articular ( p. ex. AR)
  • 4. CONTRA INDICAÇÕES  ABSOLUTAS; SEPSE ARTICULAR ARTROPATIA NEUROPÁTICA  RELATIVAS; MAU ESTADO GERAL OSTEOPOROSE INTENSA ARTRODESE ESTÁVEL INSUFICIÊNCIA DO QUADRICEPS GENU RECURVATUM
  • 5. TIPOS DE PRÓTESE  UNICOPARTIMENTAIS  TOTAIS (TRICOMPARTIMENTAIS)  SEM RESTRIÇÃO  SEMI RESTRINGIDAS – A MAIORIA  RESTRIÇÃO TOTAL FIXAÇÃO  CIMENTADAS  NÃO CIMENTADAS
  • 6. Tipos de Próteses Fêmur: -preserva LCP (CR) -substitui LCP (PS)
  • 7. Tipos de Próteses Tíbia: -all polyethylene -monoblock -metal backed www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 8. Tipos de Próteses Petela: -múltiplo x peg central -all poly x metal backed -oval x anatômico -fixo x mob.bearing
  • 10. Tipos de Próteses Não Cimentadas x Cimentadas Durabilidade 10 anos 72 % 94 % Vantagem preserva mais osso carga imediata Paciente mais jovem mais idoso
  • 11. Tipos de Próteses Não constrita Semi-constrita Constrita
  • 13. Técnica cirúrgica  Vias de acesso Whiteside Insal rectus snip www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 15. Técnica cirúrgica Teorias : Gap theory Joint line theory
  • 16. GAP  Substituição do LCP  Gap flexão = Gap extesão
  • 17. Vantagens :  Osteotomia feita em osso de melhor qualidade na tíbia  Método mais simples  Técnica pode ser realizada em qualquer joelho (com ou sem deformidade)
  • 18. Desvantagens :  Linha articular pode ser alterada (proximal)  Balanceamento feito em 0 e 90 graus (instabilidade )
  • 19. Joint Line  Retenção do LCP  Manutenção da linha articular www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 20. Vantagens :  Dissipação de forças horizontais  Aumento da flexão joelho  Marcha mais próxima do normal
  • 21. Desvantagens :  Técnica mais difícil  LCP muito frouxo: sublux post  LCP muito tenso: limitação flexão e aumentar estresse posterior
  • 22. Princípios de instrumentação e alinhamento dos componentes
  • 23. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TÉCNICA  Corte tibial deve ser sempre perpendicular ao eixo tibial  O corte femoral deve corrigir a deformidade levando a uma angulação em valgo, que será determinada pela linha de alinhamento do membro  As superfícies cartilaginosas devem ser totalmente revestidas  Os ligamentos devem ter sua tensão corrigida ao final da cirugia
  • 24. Atenção !  Componentes fêmoral e tibial cada um com 6 graus de liberdade (varo/valgo, flex/ex, prox/dist, rot int/ext, translação a/p, translação m/l)  Alinhamento do membro e patela cada um com 3 graus de liberdade  Combinando todas as possibilidades entre si: + de 11000 possibilidades de erro
  • 25. Eixo
  • 26. Cortes Femorais 2 osteotomias + importantes: -distal → alinhamento axial -ant e post → alinhamento rotacional www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 28. LCP PRESERVA X SACRIFICA ↑ amplitude mov fácil esposição e ↑ força / estabilidade correção deformidade durabilidade ↓ desgaste poly menos osso boa estabilidade
  • 29. Balanço de partes moles VARO: 1-pata ganso 2-cápsula articular 3-LCM profundo 4-semimembranoso 5-cápsula póstero-med VALGO:1-trato iliotibial 2-tend poplíteo 3-cápsula póstero-lat 4-gastronêmio 5-bíceps FLEXO:1-cápsula post 2-gastrocnêmio 3-PCL 4-fêmur distal RÍGIDO:1-osteófitos 2-osteotomia TAT
  • 32. Complicações  Soltura  Instabilidade  Mau alinhamento  Lesões aparelho extensor  Lesões vasculo-nervosas  Deiscência  Trombose  Infecção
  • 33. Soltura  Pode ocorrer durante situações extremas de carga, tais como ocorre em situações como: instabilidade, má posição dos componentes e mau alinhamento  Linhas radiolucentes importantes: quando são globais (todas as zonas da prótese, maiores 1 a 2 mm e/ou progressivas)
  • 34. Problemas Fêmoro-Patelares  Mais comuns problemas pós-op (5-6 %) e a principal causa de revisão (50 %)  Causas: -tilt -mal tracking (sub-lux, luxação) -espessura (min de 12mm de osso) -patelar clunk sindrome -desgaste -soltura
  • 36. Problemas Fêmoro-Patelares (mais importante é a rotação dos componentes) www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 37. Infecção  Dor  Sinais flogísticos  Derrame  Drenagem  HMG  PCR  VHS  Punção
  • 38. Infecção Punção: Aspecto líquido Células > 2500 µl Polimorfonucleares > 75 % ↑ proteínas ↓ glicose
  • 39. Infecção Tratamentos: - retenção - substituição 1 estágio - substituição 2 estágios - artodese - amputação
  • 40. Infecção Retenção: infec 2 – 4 semanas sem drenagem/fístulas microorg baixa virulência componentes bem fixados RX sem sinais de soltura Lavagem e desbridamento (sinovectomia) + Antibioticoterapia EV por 6 sem
  • 41. Infecção Subst. 2 estágios: infecções tardias 77 – 100% de sucesso 1° estágio: Lavagem e desbridamento (sinovectomia) + retirada da prótese e substituição por espassador + atbterapia EV por 6 semanas 2° estágio: Colocação da nova prótese
  • 42.
  • 44. Causas de revisão: -soltura componentes -instabilidade -subluxação -luxação -desgaste poly -limitação movimentação -mal posicionamento
  • 45. Defeitos ósseos  Cimento ( < 5 mm)  Enxerto picado (contidos)  Enxerto estrutural ( > 5 mm )  Augments ( > 5 mm)
  • 47. Defeitos ósseos / Grau constrição
  • 49. Conceitos :  Não é ½ ATJ  Artose unicompartimental  Ligamentos normais (colat e cruzados)  Não deve corrigir deformidades  Preserva linha articular (mínima ressecção óssea – “onlay not inlay”)  Primeira cirurgia do pcte jovem ou última do pcte idoso (baixa demanda funcional)
  • 50. Osteotomia X UNI  73% em 5 anos 88-99% em 10 anos  51% em 10 anos  39% em 15 anos
  • 51. Vantagens :  Menores complicações  Melhores resultados iniciais (mulheres)  Resultados mais duradouros  Menor tempo cirúrgico  Menos agressivo que ATJ (incisão de 5-8 cm)
  • 52. Vantagens :  Fácil reverter em ATJ  Melhor propriocepção  Preserva estruturas  Melhora ADM  Joelho dominante para subir escadas
  • 53. Contra indicações :  Mais 5-10 graus de varo  Mais 15-20 graus valgo  Instabilidade V/V  LCA insuficiente  Artropatia inflamatória ou infecciosa  Artrose bi ou tricompartimental  patelectomia www.traumatologiaeortopedia.com.br