SlideShare uma empresa Scribd logo
https://traumatologiaeortopedia.com
.br
 Peculiar condição clínica
da articulação gleno-
umeral, caracterizada por
dor, rigidez articular de
natureza fibrosa, início
insidioso, muitas vezes
relacionada a períodos de
desuso do ombro,
evolução arrastada,
associada ou não a outras
doenças e que, em muitos
casos, pode evoluir
espontaneamente para
cura.
www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
 Descrita por Duplay em 1872: “ Ankylose fibreuse de
l’épaule ”
 EARL CODMAN- 1934- Este é um grupo de casos que é
difícil definir, difícil de tratar,e difícil explicar sob o ponto
de vista da patologia.”ombro congelado”
 Neviaser, 1935 : descreveu alterações histológicas
inflamatórias e fibrosas da cápsula articular e do
revestimento sinovial do ombro responsáveis pela
obliteração dos recessos articulares, principalmente, do
recesso axilar, e aderência da cápsula às estruturas
circunvizinhas, inclusive à cabeça do úmero. Essas
alterações provocam retração da cápsula com
diminuição drástica da sua capacidade volumétrica e
rigidez articular.
- Criou a expressão “capsulite adesiva” .
Zuckerman et al.:
- Primária;
- Secundária;
Intrínsica
Extrínsica ( lesões membro superior,
doenças do sistema nervoso central e
periférico, epilepsia, lesões da coluna
cervical, doenças cardíacas e pulmonares
Sistêmicas.
 Patologia que reside essencialmente na cápsula
articular, que se encontra espessada, retraida, inelástica
e friável.
 Ocorre fibrose e infiltração perivascular aumentada.
 O líquido sinovial é normal
 O volume articular está sempre diminuído, em torno de 3
a 15 ml, comparada a 25 a 30 ml da capacidade articular
normal
 O que determina essa alteração patológica , no entanto,
não é ainda conhecida
 Alterações articulares progressivas :
• Estádio 1: ( pré-adesivo)- reação inflamatória sinovial
• Estádio 2: ( sinovite adesiva aguda) – sinovite
proliferativa e início do colabamento das paredes dos
recessos articulares e aderências da capsula à cabeça
umeral
• Estádio 3: ( maturação)- regressão da sinovite e
colabamento do recesso axilar
• Estádio 4: ( crônico ) – aderências maduras ,
restringindo fortemente os movimentos da cabeça
umeral em relação à glenóide
https://traumatologiaeortopedia.com
 Caracteriza-se por dor mal
localizada no ombro de
ínicio espontâneo,
geralmente, sem qualquer
história de trauma.
 A dor se torna muito
intensa, mesmo em
repouso e a noite ,
costuma diminuir de
intensidade em algumas
semanas
 A mobilidade do ombro se
torna rapidamente limitada
em todas as direções (
elevação. Rotação externa
e interna e abdução)
 UMA DAS CARCTERÍSTICAS SEMPRE
PRESENTES É O BLOQUEIO DA ROTAÇÃO
EXTERNA E INTERNA.
 Acomete individos de 40 a 60 anos
 Sexo feminino mais comum
 O lado mais envolvido é o não-dominante
 O quadro possui evolução lenta, não inferior a 4
a 6 meses, antes do diagnóstico definido, com
tempo de doença entre 1 a 2 anos
Capsulite adesiva
 Fase dolorosa (hiperalgica ou inflamatória)
- na qual a dor é o fato clínico mais importante e é
acompanhada por aspectos especiais de
distrofia simpático-reflexa, como a sudorese
palmar e axilar e a sensação de hiperestesia do
membro acometido.
 Em média tem duração de 3 meses e é
acompanhada pela perda rápida de amplitudes
de movimentos
www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
 Fase do enrijecimento da articulação
(congelamento)– supondo-se haver nessa fase
, sequela por fibrose e aderências provocadas
pela fase inflamatória inicial
 Os fenômenos dolorosos espontâneos cedem
lugar a ocorrência de dor noturna , a mobilização
forçada ou aos movimentos súbitos
 Evolução média de 7 a 10 meses
https://traumatologiaeortopedia.com
FASE DO DESCONGELAMENTO – em
que há recuperação espontânea e
progressiva das amplitudes de
movimentos ( 9 a 24 meses )
www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Capsulite adesiva
 O RX simples é normal , podendo ocorrer diminuição do
espaço articular entre a glenóide e a cabeça do úmero
na incidência em AP verdadeiro (demonstra a retração
capsular)
 Osteoporose por desuso
 A artrografia avalia a capacidade de volume articular do
ombro e obliteração do recesso articular ( mais
importante exame no diagnóstico da capsulite adesiva).
Pode romper aderências e amenizar quadro clínico.
 USG: espessamento e a menor elasticidade do
ligamento coracoumeral
 Artro-ressonância magnética : suspeita de outras lesões
associadas
 Rupturas maciças do manguito rotador
 Peritendinite calcária
 Luxações glenoumeris não diagnosticadas
 Tumores
 Síndrome ombro mão
 Trauma
 Síndrome do impacto
 ROBERT LEFFERT – COSTUMA
DIFERENCIAR ENTRE PRIMÁRIA E
SECUNDÁRIA
 A prevenção é a arma mais segura contra a CA e
envolve:
 Diagnóstico precoce correto
 Conceito de mobilidade passiva imediata após trauma ou
cirurgia dos MMSS
 Objetivo do tto é o alívio do desconforto e restauração da
ampla mobilidade do ombro
 A escolha entre as diversas formas de tratamento se
baseia na fase em que o paciente é avaliado pela
primeira vez e pela experiência acumulada pela equipe
responsável
 1) analgésicos potentes por via oral,
 2) antiinflamatórios não hormonais por via oral,
 3) corticóides de ação prolongada por via intramuscular
(não utilizados nos diabéticos),
 4) calcitonina (intramuscular ou spray nasal) durante
dois a três meses, principalmente em diabéticos, por não
poderem usar corticóides,
 5) amitriptilina em dose adequada a cada paciente,
 6) bloqueio do nervo supra-escapular
 7) fisioterápico
Capsulite adesiva
medicação analgésica e antiinflamatória e
sedativa (amitriptilina) pode ser necessária
tratamento fisioterápico
programa de reabilitação no próprio
domicílio
www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
Manipulação sob anestesia
Distensão hidráulica
Ligamento-capsulotomias cirúrgicas por
via aberta
Liberação articular via artroscópica
www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
https://traumatologiaeortopedia.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
Vanessa Rabuske Araujo
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
Raquel Pizol
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
Autómono
 
Aula Coluna Cinesiologia
Aula Coluna CinesiologiaAula Coluna Cinesiologia
Marcha normal e_patologica
Marcha normal e_patologicaMarcha normal e_patologica
Marcha normal e_patologica
Istefanie Carvalho
 
Aula 9 Biomec Ossos e Articulação
Aula 9   Biomec Ossos e ArticulaçãoAula 9   Biomec Ossos e Articulação
Aula 9 Biomec Ossos e Articulação
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
paraiba1974
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
David Sadigursky
 
Rpg
RpgRpg
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
Nay Ribeiro
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Fisioterapeuta
 
Tendinites do joelho
Tendinites do joelhoTendinites do joelho
Tendinites do joelho
Gustavo Arliani
 
Alterações Posturais
Alterações PosturaisAlterações Posturais
Alterações Posturais
Katherine Synara
 
Modulo 11
Modulo 11Modulo 11
Modulo 11
SemioOrto
 
Modulo 04
Modulo 04Modulo 04
Modulo 04
SemioOrto
 
Lesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozeloLesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozelo
Ricardo Sartorato
 
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Mauricio Fabiani
 
Osteonecrose da cabeça femoral
Osteonecrose da cabeça femoralOsteonecrose da cabeça femoral
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 

Mais procurados (20)

Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Aula Coluna Cinesiologia
Aula Coluna CinesiologiaAula Coluna Cinesiologia
Aula Coluna Cinesiologia
 
Marcha normal e_patologica
Marcha normal e_patologicaMarcha normal e_patologica
Marcha normal e_patologica
 
Aula 9 Biomec Ossos e Articulação
Aula 9   Biomec Ossos e ArticulaçãoAula 9   Biomec Ossos e Articulação
Aula 9 Biomec Ossos e Articulação
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 
Rpg
RpgRpg
Rpg
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Tendinites do joelho
Tendinites do joelhoTendinites do joelho
Tendinites do joelho
 
Alterações Posturais
Alterações PosturaisAlterações Posturais
Alterações Posturais
 
Modulo 11
Modulo 11Modulo 11
Modulo 11
 
Modulo 04
Modulo 04Modulo 04
Modulo 04
 
Lesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozeloLesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozelo
 
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
 
Osteonecrose da cabeça femoral
Osteonecrose da cabeça femoralOsteonecrose da cabeça femoral
Osteonecrose da cabeça femoral
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 

Semelhante a Capsulite adesiva

pptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptxpptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptx
RanielyMatias1
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Carlos Andrade
 
Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
adrianomedico
 
Artigos mais saude capsulite adesiva
Artigos mais saude   capsulite adesivaArtigos mais saude   capsulite adesiva
Artigos mais saude capsulite adesiva
gvirtual
 
Aula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombarAula hérnia de disco lombar
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
Bruno Franco
 
ARTROSE VERTEBRAL E HERNIAS DE DISCO.pptx
ARTROSE VERTEBRAL E HERNIAS DE DISCO.pptxARTROSE VERTEBRAL E HERNIAS DE DISCO.pptx
ARTROSE VERTEBRAL E HERNIAS DE DISCO.pptx
claudia Blot
 
Dor lombar soma uam
Dor lombar soma  uamDor lombar soma  uam
Dor lombar soma uam
Maria Pippa
 
Síndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoSíndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamento
Carly Glaser
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Jucie Vasconcelos
 
Mão Reumatóide
Mão Reumatóide Mão Reumatóide
Mão Reumatóide
Brunno Rosique
 
Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
Soraia Mateus
 
Dctb
DctbDctb
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Kn Expedições
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Luiz Otavio Quintino
 
Hernia de Disco e Estenose de Canal
Hernia de Disco e Estenose de CanalHernia de Disco e Estenose de Canal
Hernia de Disco e Estenose de Canal
Laenca Unirg
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Cartilha coluna
Cartilha colunaCartilha coluna
Cartilha coluna
xvia
 
Cartilha coluna
Cartilha colunaCartilha coluna
Cartilha coluna
Darcy Filho
 
Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
Marcella Reis Goulart
 

Semelhante a Capsulite adesiva (20)

pptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptxpptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptx
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
 
Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
 
Artigos mais saude capsulite adesiva
Artigos mais saude   capsulite adesivaArtigos mais saude   capsulite adesiva
Artigos mais saude capsulite adesiva
 
Aula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombarAula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombar
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
 
ARTROSE VERTEBRAL E HERNIAS DE DISCO.pptx
ARTROSE VERTEBRAL E HERNIAS DE DISCO.pptxARTROSE VERTEBRAL E HERNIAS DE DISCO.pptx
ARTROSE VERTEBRAL E HERNIAS DE DISCO.pptx
 
Dor lombar soma uam
Dor lombar soma  uamDor lombar soma  uam
Dor lombar soma uam
 
Síndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoSíndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamento
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
 
Mão Reumatóide
Mão Reumatóide Mão Reumatóide
Mão Reumatóide
 
Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
 
Dctb
DctbDctb
Dctb
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
Hernia de Disco e Estenose de Canal
Hernia de Disco e Estenose de CanalHernia de Disco e Estenose de Canal
Hernia de Disco e Estenose de Canal
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Cartilha coluna
Cartilha colunaCartilha coluna
Cartilha coluna
 
Cartilha coluna
Cartilha colunaCartilha coluna
Cartilha coluna
 
Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
 

Capsulite adesiva

  • 2.  Peculiar condição clínica da articulação gleno- umeral, caracterizada por dor, rigidez articular de natureza fibrosa, início insidioso, muitas vezes relacionada a períodos de desuso do ombro, evolução arrastada, associada ou não a outras doenças e que, em muitos casos, pode evoluir espontaneamente para cura. www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 3.  Descrita por Duplay em 1872: “ Ankylose fibreuse de l’épaule ”  EARL CODMAN- 1934- Este é um grupo de casos que é difícil definir, difícil de tratar,e difícil explicar sob o ponto de vista da patologia.”ombro congelado”  Neviaser, 1935 : descreveu alterações histológicas inflamatórias e fibrosas da cápsula articular e do revestimento sinovial do ombro responsáveis pela obliteração dos recessos articulares, principalmente, do recesso axilar, e aderência da cápsula às estruturas circunvizinhas, inclusive à cabeça do úmero. Essas alterações provocam retração da cápsula com diminuição drástica da sua capacidade volumétrica e rigidez articular. - Criou a expressão “capsulite adesiva” .
  • 4. Zuckerman et al.: - Primária; - Secundária; Intrínsica Extrínsica ( lesões membro superior, doenças do sistema nervoso central e periférico, epilepsia, lesões da coluna cervical, doenças cardíacas e pulmonares Sistêmicas.
  • 5.  Patologia que reside essencialmente na cápsula articular, que se encontra espessada, retraida, inelástica e friável.  Ocorre fibrose e infiltração perivascular aumentada.  O líquido sinovial é normal  O volume articular está sempre diminuído, em torno de 3 a 15 ml, comparada a 25 a 30 ml da capacidade articular normal  O que determina essa alteração patológica , no entanto, não é ainda conhecida
  • 6.  Alterações articulares progressivas : • Estádio 1: ( pré-adesivo)- reação inflamatória sinovial • Estádio 2: ( sinovite adesiva aguda) – sinovite proliferativa e início do colabamento das paredes dos recessos articulares e aderências da capsula à cabeça umeral • Estádio 3: ( maturação)- regressão da sinovite e colabamento do recesso axilar • Estádio 4: ( crônico ) – aderências maduras , restringindo fortemente os movimentos da cabeça umeral em relação à glenóide
  • 8.  Caracteriza-se por dor mal localizada no ombro de ínicio espontâneo, geralmente, sem qualquer história de trauma.  A dor se torna muito intensa, mesmo em repouso e a noite , costuma diminuir de intensidade em algumas semanas  A mobilidade do ombro se torna rapidamente limitada em todas as direções ( elevação. Rotação externa e interna e abdução)
  • 9.  UMA DAS CARCTERÍSTICAS SEMPRE PRESENTES É O BLOQUEIO DA ROTAÇÃO EXTERNA E INTERNA.  Acomete individos de 40 a 60 anos  Sexo feminino mais comum  O lado mais envolvido é o não-dominante  O quadro possui evolução lenta, não inferior a 4 a 6 meses, antes do diagnóstico definido, com tempo de doença entre 1 a 2 anos
  • 11.  Fase dolorosa (hiperalgica ou inflamatória) - na qual a dor é o fato clínico mais importante e é acompanhada por aspectos especiais de distrofia simpático-reflexa, como a sudorese palmar e axilar e a sensação de hiperestesia do membro acometido.  Em média tem duração de 3 meses e é acompanhada pela perda rápida de amplitudes de movimentos www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 12.  Fase do enrijecimento da articulação (congelamento)– supondo-se haver nessa fase , sequela por fibrose e aderências provocadas pela fase inflamatória inicial  Os fenômenos dolorosos espontâneos cedem lugar a ocorrência de dor noturna , a mobilização forçada ou aos movimentos súbitos  Evolução média de 7 a 10 meses https://traumatologiaeortopedia.com
  • 13. FASE DO DESCONGELAMENTO – em que há recuperação espontânea e progressiva das amplitudes de movimentos ( 9 a 24 meses ) www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 15.  O RX simples é normal , podendo ocorrer diminuição do espaço articular entre a glenóide e a cabeça do úmero na incidência em AP verdadeiro (demonstra a retração capsular)  Osteoporose por desuso  A artrografia avalia a capacidade de volume articular do ombro e obliteração do recesso articular ( mais importante exame no diagnóstico da capsulite adesiva). Pode romper aderências e amenizar quadro clínico.  USG: espessamento e a menor elasticidade do ligamento coracoumeral  Artro-ressonância magnética : suspeita de outras lesões associadas
  • 16.  Rupturas maciças do manguito rotador  Peritendinite calcária  Luxações glenoumeris não diagnosticadas  Tumores  Síndrome ombro mão  Trauma  Síndrome do impacto  ROBERT LEFFERT – COSTUMA DIFERENCIAR ENTRE PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA
  • 17.  A prevenção é a arma mais segura contra a CA e envolve:  Diagnóstico precoce correto  Conceito de mobilidade passiva imediata após trauma ou cirurgia dos MMSS  Objetivo do tto é o alívio do desconforto e restauração da ampla mobilidade do ombro  A escolha entre as diversas formas de tratamento se baseia na fase em que o paciente é avaliado pela primeira vez e pela experiência acumulada pela equipe responsável
  • 18.  1) analgésicos potentes por via oral,  2) antiinflamatórios não hormonais por via oral,  3) corticóides de ação prolongada por via intramuscular (não utilizados nos diabéticos),  4) calcitonina (intramuscular ou spray nasal) durante dois a três meses, principalmente em diabéticos, por não poderem usar corticóides,  5) amitriptilina em dose adequada a cada paciente,  6) bloqueio do nervo supra-escapular  7) fisioterápico
  • 20. medicação analgésica e antiinflamatória e sedativa (amitriptilina) pode ser necessária tratamento fisioterápico programa de reabilitação no próprio domicílio www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br
  • 21. Manipulação sob anestesia Distensão hidráulica Ligamento-capsulotomias cirúrgicas por via aberta Liberação articular via artroscópica www.traumatologiaeortopedia.com | www.ortopediabrasil.blogspot.com.br