SlideShare uma empresa Scribd logo
http://traumatologiaeortopedia.com
/
 Depósito de sais de cálcio no manguito rotador: afecção
comum.
 Etiologia desconhecida.
 Curso natural da doença:reabsorção dos depósitos de
cálcio ao longo do tempo; resolução do processo
inflamatório.
 Em alguns casos, esse processo pode ocorrer sem
qualquer sintomatologia, ou com dor aguda durante os
períodos de reabsorção do cálcio.
 PAINTER (1907): o primeiro a descrever esta
afecção
 CODMAN: os depósitos de cálcio não estão
localizados na bursa, mas nos tendões abaixo
dela.
 MACLAUGHLIN descrevia esta entidade como
um “furúnculo químico”.
 NEER disse que a ressecção dos depósitos de
cálcio era o tipo de cirurgia de ombro mais
comumente realizado no passado, tornando-se
uma afecção de rara indicação cirúrgica na
atualidade.
 CODMAN:
 Mais ou menos meia polegada proximal a sua inserção
 Degeneração prévia do manguito rotador.
 Depósito de cálcio.
 Doença mais comum após os 40 anos.
 ROCKWOOD:
 Sustenta que não há degeneração.
 Segundo ele , ocorre um processo irregular de depósito de
cálcio em uma área hipovascularizada, como é o caso da zona
de inserção do supra-espinal.
 Três fases:
▪ Pré-cálcica.
▪ Cálcica.
▪ Pós-cálcica.
 NEER:
 O impacto no espaço subacromial não é a causa do
insulto local na maioria das vezes.
 Ele teoriza a doença com 4 causas diferentes de
dor:
▪ O cálcio irrita quimicamente o tecido muscular.
▪ O edema local produz tensão no tecido.
▪ O músculo edemaciado e a bursa engrossada sofrem
fibrose pela irritação química, desenvolvendo um quadro
semelhante à síndrome do impacto.
▪ Ombro congelado devido ao repouso prolongado.
 1: pequeno, 0,5 mm
 2: médio, 0,5 <1,5 mm
 3: grande, >1,5 mm
 Normalmente os grandes são os que dão
os sintomas
 Hialinização focal de fibras que se tornam
fibriladas e são arrancadas do tendão
circundante normal
 Essas fibras são trituradas com a
movimentação, formando substância
semelhante a um cisto, consistente de
detritos necróticos nos quais a
calcificação ocorre
 Degeneração
Tendinite calcaria
 Incidência: 2,7-20%.
 Sem relação com trauma ou atividades físicas.
 Assintomático: 60%.
 Calcificação do supra-espinal: 80% dos casos.
 Sexo feminino: 75% dos casos.
 Lado direito (60%).
 Bilateral (25-50%).
 Faixa etária: 4ª década; rara após os 60 anos de
idade.
 Dor: sintoma mais importante.
 Dor: leve a incapacitante, podendo ocorrer
capsulite adesiva.
 Ao exame físico:
 Dor a palpação sobre a área de depósito, na inserção
do supra-espinal, durante os movimentos rotatórios
da cabeça do úmero.
 ADM ativa e passiva diminuídas na fase aguda.
 Não há relação entre o tamanho do depósito e a
presença ou intensidade da dor (?)
 Fase aguda: 2 semanas.
 Subaguda até 8 semanas.
 Crônica: 12-16 semanas.
 A dor pode irradiar para o deltóide, face lateral
do braço e cotovelo.
 Os testes irritativos são positivos devido à
inflamação do supra-espinal.
 O depósito de cálcio ocorre dentro de um dos
tendões do manguito rotador. (principalmente do
músculo supra-espinal).
 Incidências:
 AP verd : tendão do SE
 AP com RI: tendão do IE e Rm
 AP com RE: tendão do Subescapular
 Axilar
 Perfil da escápula.
 TC e RNM: podem auxiliar no diagnóstico (?)
 2 tipos de aparência radiológica:
 Tipo 1: na fase aguda ou reabsorvida, em que não há
delimitação precisa das bordas do depósito.
 Tipo 2: na fase subaguda ou crônica, em que ocorre
homogeneidade na densidade do depósito e as bordas são
bem delimitadas.
Tendinite calcaria
Tendinite calcaria
Tendinite calcaria
Tendinite calcaria
Tendinite calcaria
 Calcificações distróficas
- processo concomitante de osteoartrite e
lesão do manguito rotador
- Calcificações menores e localizam-se
sobre o tubérculo maior
http://traumatologiaeortopedia.com
/
 Deve ser sempre realizado, como forma de
primeiro atendimento.
 Tratamento variável conforme a fase
(formação / reabsorção)
 Fase formação:
 Abordagem conservadora
 Fisioterapia para manter a mobilidade total da
articulação glenoumeral
 Preferir manter o braço em abdução
 Fase formação:
 Calor local
 AINE nas fases agudas e subagudas
 Ultra-sonografia
 Terapia por ondas de choque
 Corticóides + anestésicos locais
 Punção de depósitos
 Reavaliação a cada 4 semanas (clinica e
radiologicamente)
 Fase de reabsorção:
 Na presença de sintomas agudos ou
subagudos, lavagem do depósito / punção
 Em seguida colocação de gelo local, e
exercícios pendulares e após Aine e melhora
da dor, fisioterapia ativa para ganho ADM e
fortalecimento muscular
 Indicações específicas:
 Progressão dos sintomas.
 Dor que interfira nas atividades diárias,
durante a noite ou durante o lazer.
 Ausência de melhora dos sintomas após
tratamento conservador correto por pelo
menos 90 dias.
 Migração intra óssea da massa calcária
 Técnicas:
 Via aberta, com ressecção do depósito mais
descompressão do espaço subacromial
(acromioplastia + bursectomia + liberação do
ligamento coracoacromial).
 Tecnica cirúrgica: incisão do acromio ao processo
coracóide, separação das fibras do deltóide, incisão
no tendão no sentido das fibras e curetagem da
massa cálcica, reaproximação das bordas do tendão
 Via artroscópica (maior indicação).
Tendinite calcaria
Tendinite calcaria
http://traumatologiaeortopedia.com
/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Fisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologiaFisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologia
Natha Fisioterapia
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
Raquel Pizol
 
Exame neurológico coluna lombar
Exame neurológico coluna lombarExame neurológico coluna lombar
Exame neurológico coluna lombar
Giancarlo Ciongoli
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
adrianomedico
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
Gilmar Roberto Batista
 
O complexo articular do tornozelo
O complexo articular do tornozeloO complexo articular do tornozelo
O complexo articular do tornozelo
Mauro Eduardo
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
Biancaglorinha
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
David Sadigursky
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
SemioOrto
 
Aula Marcha humana normal.ppt
Aula Marcha humana normal.pptAula Marcha humana normal.ppt
Aula Marcha humana normal.ppt
IzabelVieira8
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
FUAD HAZIME
 
Biomecanica da marcha
Biomecanica da marchaBiomecanica da marcha
Joelho
JoelhoJoelho
fraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperioresfraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperiores
GustavoArouche1
 
ORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIALORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIAL
Janderson Physios
 
Lesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozeloLesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozelo
Ricardo Sartorato
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Faculdade Anglo-Americano
 
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£o
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£oDor ombro, cotovelo, punho e mã£o
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£o
pauloalambert
 

Mais procurados (20)

Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Fisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologiaFisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologia
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
 
Exame neurológico coluna lombar
Exame neurológico coluna lombarExame neurológico coluna lombar
Exame neurológico coluna lombar
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
O complexo articular do tornozelo
O complexo articular do tornozeloO complexo articular do tornozelo
O complexo articular do tornozelo
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
 
Aula Marcha humana normal.ppt
Aula Marcha humana normal.pptAula Marcha humana normal.ppt
Aula Marcha humana normal.ppt
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 
Biomecanica da marcha
Biomecanica da marchaBiomecanica da marcha
Biomecanica da marcha
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 
fraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperioresfraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperiores
 
ORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIALORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIAL
 
Lesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozeloLesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozelo
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
 
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£o
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£oDor ombro, cotovelo, punho e mã£o
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£o
 

Semelhante a Tendinite calcaria

Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Artigo9
Artigo9Artigo9
Síndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoSíndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamento
Carly Glaser
 
Síndrome Compartimental
Síndrome CompartimentalSíndrome Compartimental
Síndrome Compartimental
Marcus Murata
 
Legg calve perthers
Legg calve perthersLegg calve perthers
Legg calve perthers
Omar Mohamad Abdallah
 
Doença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthersDoença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthers
Marcella Reis Goulart
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
douglas870578
 
Aula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombarAula hérnia de disco lombar
Hérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominalHérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominal
Samir Junior
 
Lesões condrais no joelho
Lesões condrais no joelhoLesões condrais no joelho
Lesões condrais no joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Ruptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de AquilesRuptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de Aquiles
Felipe Campos
 
Traumatologia2
Traumatologia2Traumatologia2
Traumatologia2
Jane Meneszes
 
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Carlos Andrade
 
pptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptxpptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptx
RanielyMatias1
 
Dctb
DctbDctb
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Patrícia Oliver
 
Síndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito RotadorSíndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito Rotador
Omar Mohamad Abdallah
 
Caso clínico – o sistema esquelético e articular
Caso clínico – o sistema esquelético e articularCaso clínico – o sistema esquelético e articular
Caso clínico – o sistema esquelético e articular
LUAH
 
aulabaixada de ombro-200323001227.pptx
aulabaixada de ombro-200323001227.pptxaulabaixada de ombro-200323001227.pptx
aulabaixada de ombro-200323001227.pptx
GustavoArouche1
 

Semelhante a Tendinite calcaria (20)

Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Artigo9
Artigo9Artigo9
Artigo9
 
Síndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoSíndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamento
 
Síndrome Compartimental
Síndrome CompartimentalSíndrome Compartimental
Síndrome Compartimental
 
Legg calve perthers
Legg calve perthersLegg calve perthers
Legg calve perthers
 
Doença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthersDoença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthers
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
 
Aula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombarAula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombar
 
Hérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominalHérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominal
 
Lesões condrais no joelho
Lesões condrais no joelhoLesões condrais no joelho
Lesões condrais no joelho
 
Ruptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de AquilesRuptura do Tendão de Aquiles
Ruptura do Tendão de Aquiles
 
Traumatologia2
Traumatologia2Traumatologia2
Traumatologia2
 
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah Síndrome do impácto  - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Síndrome do impácto - Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
 
pptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptxpptx_20221211_210509_0000.pptx
pptx_20221211_210509_0000.pptx
 
Dctb
DctbDctb
Dctb
 
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
 
Síndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito RotadorSíndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito Rotador
 
Caso clínico – o sistema esquelético e articular
Caso clínico – o sistema esquelético e articularCaso clínico – o sistema esquelético e articular
Caso clínico – o sistema esquelético e articular
 
aulabaixada de ombro-200323001227.pptx
aulabaixada de ombro-200323001227.pptxaulabaixada de ombro-200323001227.pptx
aulabaixada de ombro-200323001227.pptx
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
 
Artroplastia de joelho
Artroplastia de joelhoArtroplastia de joelho
Artroplastia de joelho
 

Tendinite calcaria

  • 2.  Depósito de sais de cálcio no manguito rotador: afecção comum.  Etiologia desconhecida.  Curso natural da doença:reabsorção dos depósitos de cálcio ao longo do tempo; resolução do processo inflamatório.  Em alguns casos, esse processo pode ocorrer sem qualquer sintomatologia, ou com dor aguda durante os períodos de reabsorção do cálcio.
  • 3.  PAINTER (1907): o primeiro a descrever esta afecção  CODMAN: os depósitos de cálcio não estão localizados na bursa, mas nos tendões abaixo dela.  MACLAUGHLIN descrevia esta entidade como um “furúnculo químico”.  NEER disse que a ressecção dos depósitos de cálcio era o tipo de cirurgia de ombro mais comumente realizado no passado, tornando-se uma afecção de rara indicação cirúrgica na atualidade.
  • 4.  CODMAN:  Mais ou menos meia polegada proximal a sua inserção  Degeneração prévia do manguito rotador.  Depósito de cálcio.  Doença mais comum após os 40 anos.  ROCKWOOD:  Sustenta que não há degeneração.  Segundo ele , ocorre um processo irregular de depósito de cálcio em uma área hipovascularizada, como é o caso da zona de inserção do supra-espinal.  Três fases: ▪ Pré-cálcica. ▪ Cálcica. ▪ Pós-cálcica.
  • 5.  NEER:  O impacto no espaço subacromial não é a causa do insulto local na maioria das vezes.  Ele teoriza a doença com 4 causas diferentes de dor: ▪ O cálcio irrita quimicamente o tecido muscular. ▪ O edema local produz tensão no tecido. ▪ O músculo edemaciado e a bursa engrossada sofrem fibrose pela irritação química, desenvolvendo um quadro semelhante à síndrome do impacto. ▪ Ombro congelado devido ao repouso prolongado.
  • 6.  1: pequeno, 0,5 mm  2: médio, 0,5 <1,5 mm  3: grande, >1,5 mm  Normalmente os grandes são os que dão os sintomas
  • 7.  Hialinização focal de fibras que se tornam fibriladas e são arrancadas do tendão circundante normal  Essas fibras são trituradas com a movimentação, formando substância semelhante a um cisto, consistente de detritos necróticos nos quais a calcificação ocorre  Degeneração
  • 9.  Incidência: 2,7-20%.  Sem relação com trauma ou atividades físicas.  Assintomático: 60%.  Calcificação do supra-espinal: 80% dos casos.  Sexo feminino: 75% dos casos.  Lado direito (60%).  Bilateral (25-50%).  Faixa etária: 4ª década; rara após os 60 anos de idade.
  • 10.  Dor: sintoma mais importante.  Dor: leve a incapacitante, podendo ocorrer capsulite adesiva.  Ao exame físico:  Dor a palpação sobre a área de depósito, na inserção do supra-espinal, durante os movimentos rotatórios da cabeça do úmero.  ADM ativa e passiva diminuídas na fase aguda.
  • 11.  Não há relação entre o tamanho do depósito e a presença ou intensidade da dor (?)  Fase aguda: 2 semanas.  Subaguda até 8 semanas.  Crônica: 12-16 semanas.  A dor pode irradiar para o deltóide, face lateral do braço e cotovelo.  Os testes irritativos são positivos devido à inflamação do supra-espinal.
  • 12.  O depósito de cálcio ocorre dentro de um dos tendões do manguito rotador. (principalmente do músculo supra-espinal).  Incidências:  AP verd : tendão do SE  AP com RI: tendão do IE e Rm  AP com RE: tendão do Subescapular  Axilar  Perfil da escápula.
  • 13.  TC e RNM: podem auxiliar no diagnóstico (?)  2 tipos de aparência radiológica:  Tipo 1: na fase aguda ou reabsorvida, em que não há delimitação precisa das bordas do depósito.  Tipo 2: na fase subaguda ou crônica, em que ocorre homogeneidade na densidade do depósito e as bordas são bem delimitadas.
  • 19.  Calcificações distróficas - processo concomitante de osteoartrite e lesão do manguito rotador - Calcificações menores e localizam-se sobre o tubérculo maior http://traumatologiaeortopedia.com /
  • 20.  Deve ser sempre realizado, como forma de primeiro atendimento.  Tratamento variável conforme a fase (formação / reabsorção)
  • 21.  Fase formação:  Abordagem conservadora  Fisioterapia para manter a mobilidade total da articulação glenoumeral  Preferir manter o braço em abdução
  • 22.  Fase formação:  Calor local  AINE nas fases agudas e subagudas  Ultra-sonografia  Terapia por ondas de choque  Corticóides + anestésicos locais  Punção de depósitos  Reavaliação a cada 4 semanas (clinica e radiologicamente)
  • 23.  Fase de reabsorção:  Na presença de sintomas agudos ou subagudos, lavagem do depósito / punção  Em seguida colocação de gelo local, e exercícios pendulares e após Aine e melhora da dor, fisioterapia ativa para ganho ADM e fortalecimento muscular
  • 24.  Indicações específicas:  Progressão dos sintomas.  Dor que interfira nas atividades diárias, durante a noite ou durante o lazer.  Ausência de melhora dos sintomas após tratamento conservador correto por pelo menos 90 dias.  Migração intra óssea da massa calcária
  • 25.  Técnicas:  Via aberta, com ressecção do depósito mais descompressão do espaço subacromial (acromioplastia + bursectomia + liberação do ligamento coracoacromial).  Tecnica cirúrgica: incisão do acromio ao processo coracóide, separação das fibras do deltóide, incisão no tendão no sentido das fibras e curetagem da massa cálcica, reaproximação das bordas do tendão  Via artroscópica (maior indicação).