SlideShare uma empresa Scribd logo
DIREITO PENAL III
Professor Dr. Urbano Félix Pugliese
Crimes contra a
pessoa: Capítulo VI -
Crimes contra a
liberdade individual
Divisão do capítulo VI:
 SEÇÃO I
Os crimes contra a liberdade pessoal;
 SEÇÃO II
Dos crimes contra a inviolabilidade do
domicílio;
 SEÇÃO III
Dos crimes contra a inviolabilidade de
correspondência; e
 SEÇÃO IV
Dos crimes contra a inviolabilidade dos
segredos.
Seção I:
 Delitos encontrados nos crimes contra a
liberdade pessoal:
1) Art. 146 - Constrangimento ilegal;
2) Art. 147 - Ameaça;
3) Art. 148 – Sequestro e cárcere privado; e
4) Art. 149 – Redução a condição análoga à
de escravo.
Art. 146 - Constrangimento ilegal:
Constranger alguém, mediante violência ou
grave ameaça, ou depois de lhe haver reduzido,
por qualquer outro meio, a capacidade de
resistência, a não fazer o que a lei permite, ou a
fazer o que ela não manda: Pena - detenção, de
três meses a um ano, ou multa. Aumento de
pena § 1º - As penas aplicam-se
cumulativamente e em dobro, quando, para a
execução do crime, se reúnem mais de três
pessoas, ou há emprego de armas.
Art. 146 - Constrangimento ilegal:
§ 2º - Além das penas cominadas, aplicam-se as
correspondentes à violência. § 3º - Não se
compreendem na disposição deste artigo: I - a
intervenção médica ou cirúrgica, sem o
consentimento do paciente ou de seu
representante legal, se justificada por iminente
perigo de vida; II - a coação exercida para
impedir suicídio.
Bem jurídico tutelado:
 Tutela-se a liberdade pessoal e a
autodeterminação das pessoas (tanto física
quanto psíquica);
 Art. 5, II/CF - ninguém será obrigado a fazer
ou deixar de fazer alguma coisa senão em
virtude de lei; (Liberdade das pessoa em agir
dentro do ordenamento jurídico);
 Sujeito ativo = Qualquer pessoa; e
 Sujeito passivo = Qualquer pessoa que tenha
autodeterminação (excluem-se doentes mentais
e crianças em tenra idade).
 Exercício arbitrário ou abuso de poder (art.
350 do CP);
 Abuso de Autoridade (Lei n. 4.898/65);
 Eleitoral (Art. 301, Lei n. 4.737/65);
 Lei de Segurança Nacional (Art. 28, Lei n.
7.170/83);
 Consumidor (Art. 71, Lei n. 8.078/90);
 ECA (Art. 232, Lei n. 8.069/90);
 Tortura (Art. 1, Lei n. 9.455/97); e
 Idoso (Art. 107, Lei n. 10.741).
Outros constrangimentos:
 Constranger: Forçar, coagir, compelir a fazer ou
a deixar de fazer algo utilizando violência ou grave
ameaça;
 Violência: Utilização de força física na conduta
criminosa (própria: uso da força física; imprópria:
qualquer outro meio como dopar a pessoa com
drogas; Física ou moral; Imediata (utilizada na
vítima) ou mediata (utilizada em terceiro));
 Grave ameaça (violência moral): Não utilização
da força física na conduta criminosa; e
 A ameaça pode até ser justa, basta ser grave para
caracterizar o delito.
Tipo objetivo:
 A pretensão precisa ser ilegítima (a conduta
exigida da vítima precisa estar em
desconformidade com a norma): Absoluta (Não
tem o direito de exigir da vítima) ou relativa
(pode exigir o direito mas não pode compelir a
vítima a cumprir a obrigação);
 Caso possa ser exigido por ação judicial será o
art. 345 do CP;
 Crime complexo em sentido amplo (há uma
conduta típica e outra não típica); e
 Complexo em sentido estrito (há duas condutas
típicas).
Tipo objetivo:
Elemento subjetivo do tipo penal:
 Dolo com especial fim de agir: “a não fazer o
que a lei permite, ou a fazer o que ela não
manda”;
 Não há forma culposa;
Consumação e tentativa:
 O delito se consuma: Quando a vítima faz ou
deixa de fazer alguma coisa pela imposição do
agente (crime material);
 A tentativa é possível; e
 Crime subsidiário (soldado de reserva).
Ação penal:
 Pública incondicionada;
Penas:
Pena - detenção, de três meses a um ano, ou
multa.
Causa de aumento de pena:
§ 1º - As penas aplicam-se cumulativamente e
em dobro, quando, para a execução do crime, se
reúnem mais de três pessoas, ou há emprego de
armas.
Armas, no plural, significa espécies (próprias
ou impróprias e não mais de uma arma).
Concurso material de crimes:
§ 2º - Além das penas cominadas, aplicam-se
as correspondentes à violência.
Causa de exclusão de crime:
§ 3º - Não se compreendem na disposição
deste artigo: I - a intervenção médica ou
cirúrgica, sem o consentimento do paciente ou
de seu representante legal, se justificada por
iminente perigo de vida; II - a coação exercida
para impedir suicídio.
Art. 147 - Ameaça:
Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou
gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de
causar-lhe mal injusto e grave: Pena -
detenção, de um a seis meses, ou multa.
Parágrafo único - Somente se procede
mediante representação.
Bem jurídico tutelado:
 Tutela-se a liberdade pessoal e a
autodeterminação das pessoas (tanto física
quanto psíquica);
 Sujeito ativo = Qualquer pessoa;
 Sujeito passivo = Qualquer pessoa que tenha
autodeterminação (excluem-se doentes mentais
e crianças em tenra idade);
 A pessoa deve ser certa; e
 Funcionário público: Abuso de Autoridade
(Art. 3, Lei n. 4.898/65).
 Coação no curso do processo (art. 344 do
CP);
 Eleitoral (Art. 301, Lei n. 4.737/65);
 Lei de Segurança Nacional (Art. 28, Lei n.
7.170/83); e
 Consumidor (Art. 71, Lei n. 8.078/90);
Outras ameaças:
 Ameaçar: Intimidar, causar medo em alguém,
através de mal injusto e grave;
 Mal injusto: Aquele que a vítima não é obrigada a
suportar;
 Mal grave: Capaz de intimar a vítima;
 A ameaça pode ser de dano físico, moral ou
econômico;
 Não será ameaça: 1) Promessa impossível; Sem
poder intimidatório; e 3) Ameaça abstrata; e
 Para futuro pois se for no presente haverá
aplicação da subsidiariedade (crime subsidiário –
soldado de reserva) .
Tipo objetivo:
 Direta ou imediata: Quando é realizada perante a
própria vítima;
 Indireta ou mediata: Quando é realizada perante
terceiros;
 Expressa ou explícita: Não há nenhuma dúvida
quanto a ameaça;
 Tácita ou implícita: Há dúvida quanto a ameaça
realizada;
 Condicionada: Quando o agente do delito firma
uma condição para a realização do quanto contido
na ameaça; e
 Forma livre: Palavra, escrito, gesto, símbolo.
Espécies de ameaça:
Elemento subjetivo do tipo penal:
 Dolo genérico (Animus jocandi exclui o crime);
 A jurisprudência entende que o estado de ira exclui
o crime (mas, emoção e embriaguez não são causas
excludentes de culpabilidade);
 Não há forma culposa;
Consumação e tentativa:
 O delito se consuma: Quando a vítima toma
conhecimento da ameaça (crime formal – mal
prometido não precisa se concretizar);
 Não há necessidade da vítima se sentir ameaçada; e
 A tentativa é possível.
Ação penal:
 Pública condicionada a representação
(Parágrafo único - Somente se procede
mediante representação; e
Penas:
Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.
Art. 148 – Sequestro e cárcere
privado:
Privar alguém de sua liberdade, mediante
sequestro ou cárcere privado: Pena - reclusão, de
um a três anos. § 1º - A pena é de reclusão, de
dois a cinco anos: I – se a vítima é ascendente,
descendente, cônjuge ou companheiro do agente
ou maior de 60 (sessenta) anos; II - se o crime é
praticado mediante internação da vítima em casa
de saúde ou hospital; III - se a privação da
liberdade dura mais de quinze dias. [...]
Art. 148 – Sequestro e cárcere
privado:
IV – se o crime é praticado contra menor de 18
(dezoito) anos; V – se o crime é praticado com
fins libidinosos. § 2º - Se resulta à vítima, em
razão de maus-tratos ou da natureza da detenção,
grave sofrimento físico ou moral: Pena -
reclusão, de dois a oito anos.
Bem jurídico tutelado:
 Tutela-se a liberdade locomotora das pessoas;
 Sujeito ativo = Qualquer pessoa;
 Sujeito passivo = Qualquer pessoa (Pessoa
jurídica não pode por que não há encarceramento);
e
 Pode acontecer: Abuso de Autoridade (Art. 3, Lei
n. 4.898/65)/ Violência arbitrária (Art. 322 do CP);
Exercício arbitrário ou abuso de poder (Art. 350 do
CP); Art. 28, da Lei n. 7.170/83; Art. 298 e 236 do
Código Eleitoral (Lei n. 4.737/65); Tortura
majorada (art. 1º, § 4º, III da Lei n. 9.455/97); e
Arts. 230, 234 e 235 do ECA.
 O consentimento do ofendido poderá excluir
o delito;
 Privar: Retirar, tolher a liberdade de
locomoção;
 Sequestro (gênero): Há restrição da liberdade
locomotora mas a vítima não fica confinada; e
 Cárcere privado (espécie): Há restrição da
liberdade locomotora e a vítima fica confinada
ou tem espaço restrito de locomoção.
Tipo objetivo:
Elemento subjetivo do tipo penal:
 Dolo genérico;
 Não há forma culposa;
Consumação e tentativa:
 O delito se consuma: Com a privação da liberdade
(crime material);
 Não há tempo mínimo; Porém, precisa ser
relevante (não pode ser meros segundos);
 A tentativa é possível; e
 Será constrangimento ilegal dês a privação da
liberdade seja para fazer ou deixar de fazer alguma
coisa.
 Súmula 711 do STF: “A lei penal mais grave
aplica-se ao crime continuado ou ao crime
permanente, se a sua vigência é anterior à
cessação da continuidade ou da permanência”;
 § 1º - A pena é de reclusão, de dois a cinco
anos:
 I – se a vítima é ascendente, descendente,
cônjuge ou companheiro do agente ou maior
de 60 (sessenta) anos; e
 II - se o crime é praticado mediante internação
da vítima em casa de saúde ou hospital; [...]
Formas qualificadas:
 III - se a privação da liberdade dura mais de quinze dias
(crime a prazo);
 IV – se o crime é praticado contra menor de 18 (dezoito)
anos;
 V – se o crime é praticado com fins libidinosos
(continuidade normativo típica do antigo art. 219 do CP
– Rapto violento);
 § 2º - Se resulta à vítima, em razão de maus-tratos ou da
natureza da detenção, grave sofrimento físico ou moral:
Pena - reclusão, de dois a oito anos; e
 Maus tratos: Ofensa a maior que a privação da liberdade;
e
 Natureza da detenção: O local é, em si, causador de maior
sofrimento e dor do sujeito passivo.
Formas qualificadas:
Ação penal:
 Pública incondicionada; e
Penas:
Caput: Pena - reclusão, de um a três anos;
§ 1º A pena é de reclusão, de dois a cinco
anos; e
§ 2º Pena - reclusão, de dois a oito anos.
Art. 149 – Redução a condição
análoga à de escravo:
Reduzir alguém a condição análoga à de
escravo, quer submetendo-o a trabalhos
forçados ou a jornada exaustiva, quer
sujeitando-o a condições degradantes de
trabalho, quer restringindo, por qualquer meio,
sua locomoção em razão de dívida contraída
com o empregador ou preposto: Pena - reclusão,
de dois a oito anos, e multa, além da pena
correspondente à violência.
Art. 149 – Redução a condição
análoga à de escravo:
§ 1o
Nas mesmas penas incorre quem: I – cerceia o
uso de qualquer meio de transporte por parte do
trabalhador, com o fim de retê-lo no local de
trabalho; II – mantém vigilância ostensiva no local
de trabalho ou se apodera de documentos ou
objetos pessoais do trabalhador, com o fim de retê-
lo no local de trabalho. § 2o
A pena é aumentada de
metade, se o crime é cometido: I – contra criança
ou adolescente; II – por motivo de preconceito de
raça, cor, etnia, religião ou origem.
Bem jurídico tutelado:
 Tutela-se a liberdade individual, vida,
integridade corporal, saúde e dignidade do
sujeito passivo;
 Sujeito ativo = Qualquer pessoa; e
 Sujeito passivo = Qualquer pessoa.
 Reduzir: Sujeitar, submeter, subjugar;
 Escravo: Não tem as mesmas características dos tempos
antigos (elemento normativo do tipo);
 Crime de forma vinculada:
 1) Submetendo a vítima a trabalhos forçados (mediante
violencia ou grave ameaça);
 2) Submetendo a vítima a jornada exaustiva
(esgotamento físico-psquico);
 3) Sujeitar a vítima a condições degradantes de
trabalho; e
 4) Restringir a locomoção da vítima, por qualquer meio,
em razão de dívida contraída com o empregador ou
preposto.
Tipo objetivo:
 Truck system: Proibição dos patrões de
limitar o uso do salário do empregado
mediante coação ou induzindo na aquisição de
bens essenciais ou na prestação de serviços
fornecidos pelo próprio empregador; e
 Há outros crimes no CP com base na Justiça
Trabalhista.
Tipo objetivo:
 § 1o
Nas mesmas penas incorre quem:
 I – cerceia o uso de qualquer meio de
transporte por parte do trabalhador, com o
fim de retê-lo no local de trabalho;
 II – mantém vigilância ostensiva no local de
trabalho ou se apodera de documentos ou
objetos pessoais do trabalhador, com o fim de
retê-lo no local de trabalho.
Figuras equiparadas:
 § 2o
A pena é aumentada de metade, se o
crime é cometido:
 I – contra criança ou adolescente (Lei n.
8.069/90: Art. 2º Considera-se criança, para
os efeitos desta Lei, a pessoa até doze anos
de idade incompletos, e adolescente aquela
entre doze e dezoito anos de idade); e
 II – por motivo de preconceito de raça, cor,
etnia, religião ou origem.
Forma majorada:
Elemento subjetivo do tipo penal:
 Dolo genérico no caput e com especial fim de
agir nas formas equiparadas: “com o fim de
retê-lo no local de trabalho”;
 Não há forma culposa;
Consumação e tentativa:
 O delito se consuma: Quando há a redução a
condição análoga à de escravo (crime material);
e
 A tentativa é possível.
Ação penal:
 Pública incondicionada;
 Competência Federal (Súmula 122/STJ:
“Compete à Justiça Federal o processo e
julgamento unificado dos crimes conexos de
competência federal e estadual, não se
aplicando a regra do art. 78, II, “a”, do Código
de Processo Penal”); e
Penas:
Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa,
além da pena correspondente à violência.
(concurso material obrigatório).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito penal i teoria geral do delito
Direito penal i   teoria geral do delitoDireito penal i   teoria geral do delito
Direito penal i teoria geral do delito
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade dos segredos
Direito penal iii   crimes contra a inviolabilidade dos segredosDireito penal iii   crimes contra a inviolabilidade dos segredos
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade dos segredos
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii dano
Direito penal iii   danoDireito penal iii   dano
Direito penal iii dano
Urbano Felix Pugliese
 
Direito Penal lesões corporais
Direito Penal lesões corporais Direito Penal lesões corporais
Direito Penal lesões corporais
Pitágoras
 
Classificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesClassificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimes
Yara Souto Maior
 
Direito penal iii roubo e extorsão
Direito penal iii   roubo e extorsãoDireito penal iii   roubo e extorsão
Direito penal iii roubo e extorsão
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power point
edgardrey
 
Direito penal iii periclitação da vida e da saúde
Direito penal iii   periclitação da vida e da saúdeDireito penal iii   periclitação da vida e da saúde
Direito penal iii periclitação da vida e da saúde
Urbano Felix Pugliese
 
Rixa
RixaRixa
Direito penal iii apropriação indébita
Direito penal iii   apropriação indébitaDireito penal iii   apropriação indébita
Direito penal iii apropriação indébita
Urbano Felix Pugliese
 
Crimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaCrimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vida
Igor Porto
 
Direito penal i ilicitude
Direito penal i   ilicitudeDireito penal i   ilicitude
Direito penal i ilicitude
Urbano Felix Pugliese
 
Dos.crimes.contra.o.patrimonio
Dos.crimes.contra.o.patrimonioDos.crimes.contra.o.patrimonio
Dos.crimes.contra.o.patrimonio
Wpcon
 
Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geral
edgardrey
 
Teoria geral das provas
Teoria geral das provasTeoria geral das provas
Teoria geral das provas
Dimensson Costa Santos
 
Homicídio
HomicídioHomicídio
Direito penal iii usurpação
Direito penal iii   usurpaçãoDireito penal iii   usurpação
Direito penal iii usurpação
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii furto
Direito penal iii   furtoDireito penal iii   furto
Direito penal iii furto
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal i fontes do direito penal
Direito penal i   fontes do direito penalDireito penal i   fontes do direito penal
Direito penal i fontes do direito penal
Urbano Felix Pugliese
 
Aula de direito penal parte especial
Aula de direito penal   parte especialAula de direito penal   parte especial
Aula de direito penal parte especial
PrismaTocantins
 

Mais procurados (20)

Direito penal i teoria geral do delito
Direito penal i   teoria geral do delitoDireito penal i   teoria geral do delito
Direito penal i teoria geral do delito
 
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade dos segredos
Direito penal iii   crimes contra a inviolabilidade dos segredosDireito penal iii   crimes contra a inviolabilidade dos segredos
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade dos segredos
 
Direito penal iii dano
Direito penal iii   danoDireito penal iii   dano
Direito penal iii dano
 
Direito Penal lesões corporais
Direito Penal lesões corporais Direito Penal lesões corporais
Direito Penal lesões corporais
 
Classificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesClassificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimes
 
Direito penal iii roubo e extorsão
Direito penal iii   roubo e extorsãoDireito penal iii   roubo e extorsão
Direito penal iii roubo e extorsão
 
Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power point
 
Direito penal iii periclitação da vida e da saúde
Direito penal iii   periclitação da vida e da saúdeDireito penal iii   periclitação da vida e da saúde
Direito penal iii periclitação da vida e da saúde
 
Rixa
RixaRixa
Rixa
 
Direito penal iii apropriação indébita
Direito penal iii   apropriação indébitaDireito penal iii   apropriação indébita
Direito penal iii apropriação indébita
 
Crimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaCrimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vida
 
Direito penal i ilicitude
Direito penal i   ilicitudeDireito penal i   ilicitude
Direito penal i ilicitude
 
Dos.crimes.contra.o.patrimonio
Dos.crimes.contra.o.patrimonioDos.crimes.contra.o.patrimonio
Dos.crimes.contra.o.patrimonio
 
Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geral
 
Teoria geral das provas
Teoria geral das provasTeoria geral das provas
Teoria geral das provas
 
Homicídio
HomicídioHomicídio
Homicídio
 
Direito penal iii usurpação
Direito penal iii   usurpaçãoDireito penal iii   usurpação
Direito penal iii usurpação
 
Direito penal iii furto
Direito penal iii   furtoDireito penal iii   furto
Direito penal iii furto
 
Direito penal i fontes do direito penal
Direito penal i   fontes do direito penalDireito penal i   fontes do direito penal
Direito penal i fontes do direito penal
 
Aula de direito penal parte especial
Aula de direito penal   parte especialAula de direito penal   parte especial
Aula de direito penal parte especial
 

Destaque

Direito penal,contravenção,imputabilidade penal , dos crimes contra a vida e ...
Direito penal,contravenção,imputabilidade penal , dos crimes contra a vida e ...Direito penal,contravenção,imputabilidade penal , dos crimes contra a vida e ...
Direito penal,contravenção,imputabilidade penal , dos crimes contra a vida e ...
Nilberte
 
Semana juridica algemas e inocencia
Semana juridica   algemas e inocenciaSemana juridica   algemas e inocencia
Semana juridica algemas e inocencia
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iv incolumidade - segurança
Direito penal iv   incolumidade - segurançaDireito penal iv   incolumidade - segurança
Direito penal iv incolumidade - segurança
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii introdução a parte especial
Direito penal iii   introdução a parte especialDireito penal iii   introdução a parte especial
Direito penal iii introdução a parte especial
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade do domicílio
Direito penal iii   crimes contra a inviolabilidade do domicílioDireito penal iii   crimes contra a inviolabilidade do domicílio
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade do domicílio
Urbano Felix Pugliese
 
Aula 02 direito penal iii - homicídio
Aula 02   direito penal iii - homicídioAula 02   direito penal iii - homicídio
Aula 02 direito penal iii - homicídio
Urbano Felix Pugliese
 
Direitos humanos introdução, histórico e nomeclaturas
Direitos humanos   introdução, histórico e nomeclaturasDireitos humanos   introdução, histórico e nomeclaturas
Direitos humanos introdução, histórico e nomeclaturas
Urbano Felix Pugliese
 
Oficina de novidades do direito penal
Oficina de novidades do direito penalOficina de novidades do direito penal
Oficina de novidades do direito penal
Urbano Felix Pugliese
 
Espiritualidade e sexualidade
Espiritualidade e sexualidadeEspiritualidade e sexualidade
Espiritualidade e sexualidade
Urbano Felix Pugliese
 
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penalAula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Urbano Felix Pugliese
 
Semana jurídica uneb - 2013 temas gerais
Semana jurídica   uneb - 2013 temas geraisSemana jurídica   uneb - 2013 temas gerais
Semana jurídica uneb - 2013 temas gerais
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal uneb - como estudar direito penal
Direito penal   uneb - como estudar direito penalDireito penal   uneb - como estudar direito penal
Direito penal uneb - como estudar direito penal
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii introdução a parte especial
Direito penal iii   introdução a parte especialDireito penal iii   introdução a parte especial
Direito penal iii introdução a parte especial
Urbano Felix Pugliese
 
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
Urbano Felix Pugliese
 
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Urbano Felix Pugliese
 
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02   direito penal iii - introdução a parte especialAula 02   direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiaçãoDireito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Urbano Felix Pugliese
 
8 criminologia o conceito de crime - ftc - itabuna
8 criminologia   o conceito de crime - ftc - itabuna8 criminologia   o conceito de crime - ftc - itabuna
8 criminologia o conceito de crime - ftc - itabuna
Urbano Felix Pugliese
 

Destaque (20)

Direito penal,contravenção,imputabilidade penal , dos crimes contra a vida e ...
Direito penal,contravenção,imputabilidade penal , dos crimes contra a vida e ...Direito penal,contravenção,imputabilidade penal , dos crimes contra a vida e ...
Direito penal,contravenção,imputabilidade penal , dos crimes contra a vida e ...
 
Semana juridica algemas e inocencia
Semana juridica   algemas e inocenciaSemana juridica   algemas e inocencia
Semana juridica algemas e inocencia
 
Direito penal iv incolumidade - segurança
Direito penal iv   incolumidade - segurançaDireito penal iv   incolumidade - segurança
Direito penal iv incolumidade - segurança
 
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
 
Direito penal iii introdução a parte especial
Direito penal iii   introdução a parte especialDireito penal iii   introdução a parte especial
Direito penal iii introdução a parte especial
 
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
 
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade do domicílio
Direito penal iii   crimes contra a inviolabilidade do domicílioDireito penal iii   crimes contra a inviolabilidade do domicílio
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade do domicílio
 
Aula 02 direito penal iii - homicídio
Aula 02   direito penal iii - homicídioAula 02   direito penal iii - homicídio
Aula 02 direito penal iii - homicídio
 
Direitos humanos introdução, histórico e nomeclaturas
Direitos humanos   introdução, histórico e nomeclaturasDireitos humanos   introdução, histórico e nomeclaturas
Direitos humanos introdução, histórico e nomeclaturas
 
Oficina de novidades do direito penal
Oficina de novidades do direito penalOficina de novidades do direito penal
Oficina de novidades do direito penal
 
Espiritualidade e sexualidade
Espiritualidade e sexualidadeEspiritualidade e sexualidade
Espiritualidade e sexualidade
 
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penalAula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
 
Semana jurídica uneb - 2013 temas gerais
Semana jurídica   uneb - 2013 temas geraisSemana jurídica   uneb - 2013 temas gerais
Semana jurídica uneb - 2013 temas gerais
 
Direito penal uneb - como estudar direito penal
Direito penal   uneb - como estudar direito penalDireito penal   uneb - como estudar direito penal
Direito penal uneb - como estudar direito penal
 
Direito penal iii introdução a parte especial
Direito penal iii   introdução a parte especialDireito penal iii   introdução a parte especial
Direito penal iii introdução a parte especial
 
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
 
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
 
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02   direito penal iii - introdução a parte especialAula 02   direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
 
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiaçãoDireito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
 
8 criminologia o conceito de crime - ftc - itabuna
8 criminologia   o conceito de crime - ftc - itabuna8 criminologia   o conceito de crime - ftc - itabuna
8 criminologia o conceito de crime - ftc - itabuna
 

Semelhante a Direito penal iii crimes contra a liberdade pessoal

Direito Penal - Parte Especial
Direito Penal - Parte EspecialDireito Penal - Parte Especial
Direito Penal - Parte Especial
Cleide Marinho
 
Noções de direito aula 08
Noções de direito   aula 08Noções de direito   aula 08
Noções de direito aula 08
Nadsonea Azevedo
 
Direito penal iii periclitação da vida e da saúde
Direito penal iii   periclitação da vida e da saúdeDireito penal iii   periclitação da vida e da saúde
Direito penal iii periclitação da vida e da saúde
Urbano Felix Pugliese
 
TORTURA AULA ESPARTA.pptx
TORTURA AULA ESPARTA.pptxTORTURA AULA ESPARTA.pptx
TORTURA AULA ESPARTA.pptx
RenatoRibeiro21732
 
Noções De Direito Penal
Noções De Direito PenalNoções De Direito Penal
Noções De Direito Penal
APMBA
 
Apostila 2012
Apostila 2012Apostila 2012
Apostila 2012
fabio leite
 
Lei dos crimes de tortura
Lei dos crimes de torturaLei dos crimes de tortura
Lei dos crimes de tortura
ACS PM RN
 
Apresentação TCC.pptx
Apresentação TCC.pptxApresentação TCC.pptx
Apresentação TCC.pptx
LopesFontana
 
Homicidio
HomicidioHomicidio
Homicidio
Lucas
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPPANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
Antonio Inácio Ferraz
 
Aulas 3 e 4 crimes contra a periclitação e a saúde
Aulas 3 e 4 crimes contra a periclitação e a saúdeAulas 3 e 4 crimes contra a periclitação e a saúde
Aulas 3 e 4 crimes contra a periclitação e a saúde
Amanda Jhonys
 
Resumo sobre direito penal
Resumo sobre direito penalResumo sobre direito penal
Resumo sobre direito penal
David Alan Santos Maia
 
04 abuso de autoridade 02
04   abuso de autoridade 0204   abuso de autoridade 02
04 abuso de autoridade 02
thiago sturmer
 
Direito penal uneb - ação penal
Direito penal   uneb - ação penalDireito penal   uneb - ação penal
Direito penal uneb - ação penal
Urbano Felix Pugliese
 
Direito Penal especial parte II 14 03-2013
Direito Penal  especial parte II 14 03-2013Direito Penal  especial parte II 14 03-2013
Direito Penal especial parte II 14 03-2013
Portal Vitrine
 
Direito penal ii medida de segurança
Direito penal ii   medida de segurançaDireito penal ii   medida de segurança
Direito penal ii medida de segurança
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal especial parte ii 14 03-2013
Direito penal  especial parte ii 14 03-2013Direito penal  especial parte ii 14 03-2013
Direito penal especial parte ii 14 03-2013
PrismaTocantins
 
1_5111983810728165378.pdf
1_5111983810728165378.pdf1_5111983810728165378.pdf
1_5111983810728165378.pdf
FabioAlmeida14935
 
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016 PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
Do outro lado da barricada
 
Direito penal ii uneb - causas extintivas de punibilidade
Direito penal ii   uneb - causas extintivas de punibilidadeDireito penal ii   uneb - causas extintivas de punibilidade
Direito penal ii uneb - causas extintivas de punibilidade
Urbano Felix Pugliese
 

Semelhante a Direito penal iii crimes contra a liberdade pessoal (20)

Direito Penal - Parte Especial
Direito Penal - Parte EspecialDireito Penal - Parte Especial
Direito Penal - Parte Especial
 
Noções de direito aula 08
Noções de direito   aula 08Noções de direito   aula 08
Noções de direito aula 08
 
Direito penal iii periclitação da vida e da saúde
Direito penal iii   periclitação da vida e da saúdeDireito penal iii   periclitação da vida e da saúde
Direito penal iii periclitação da vida e da saúde
 
TORTURA AULA ESPARTA.pptx
TORTURA AULA ESPARTA.pptxTORTURA AULA ESPARTA.pptx
TORTURA AULA ESPARTA.pptx
 
Noções De Direito Penal
Noções De Direito PenalNoções De Direito Penal
Noções De Direito Penal
 
Apostila 2012
Apostila 2012Apostila 2012
Apostila 2012
 
Lei dos crimes de tortura
Lei dos crimes de torturaLei dos crimes de tortura
Lei dos crimes de tortura
 
Apresentação TCC.pptx
Apresentação TCC.pptxApresentação TCC.pptx
Apresentação TCC.pptx
 
Homicidio
HomicidioHomicidio
Homicidio
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPPANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
 
Aulas 3 e 4 crimes contra a periclitação e a saúde
Aulas 3 e 4 crimes contra a periclitação e a saúdeAulas 3 e 4 crimes contra a periclitação e a saúde
Aulas 3 e 4 crimes contra a periclitação e a saúde
 
Resumo sobre direito penal
Resumo sobre direito penalResumo sobre direito penal
Resumo sobre direito penal
 
04 abuso de autoridade 02
04   abuso de autoridade 0204   abuso de autoridade 02
04 abuso de autoridade 02
 
Direito penal uneb - ação penal
Direito penal   uneb - ação penalDireito penal   uneb - ação penal
Direito penal uneb - ação penal
 
Direito Penal especial parte II 14 03-2013
Direito Penal  especial parte II 14 03-2013Direito Penal  especial parte II 14 03-2013
Direito Penal especial parte II 14 03-2013
 
Direito penal ii medida de segurança
Direito penal ii   medida de segurançaDireito penal ii   medida de segurança
Direito penal ii medida de segurança
 
Direito penal especial parte ii 14 03-2013
Direito penal  especial parte ii 14 03-2013Direito penal  especial parte ii 14 03-2013
Direito penal especial parte ii 14 03-2013
 
1_5111983810728165378.pdf
1_5111983810728165378.pdf1_5111983810728165378.pdf
1_5111983810728165378.pdf
 
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016 PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
 
Direito penal ii uneb - causas extintivas de punibilidade
Direito penal ii   uneb - causas extintivas de punibilidadeDireito penal ii   uneb - causas extintivas de punibilidade
Direito penal ii uneb - causas extintivas de punibilidade
 

Mais de Urbano Felix Pugliese

Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidadeAula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Urbano Felix Pugliese
 
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delitoAula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
Urbano Felix Pugliese
 
Facemp 2017 - estudar e escrever
Facemp   2017 - estudar e escreverFacemp   2017 - estudar e escrever
Facemp 2017 - estudar e escrever
Urbano Felix Pugliese
 
Facemp 2017 - introdução à academia
Facemp   2017 - introdução à academiaFacemp   2017 - introdução à academia
Facemp 2017 - introdução à academia
Urbano Felix Pugliese
 
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iiAula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Urbano Felix Pugliese
 
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03   direito penal i - fontes do direito penalAula 03   direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
Urbano Felix Pugliese
 
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
Urbano Felix Pugliese
 
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
Urbano Felix Pugliese
 
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
Urbano Felix Pugliese
 
Algemas
AlgemasAlgemas
Garantismo penal
Garantismo penalGarantismo penal
Garantismo penal
Urbano Felix Pugliese
 
Abolicionismo penal
Abolicionismo penalAbolicionismo penal
Abolicionismo penal
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal i concurso de pessoas
Direito penal i   concurso de pessoasDireito penal i   concurso de pessoas
Direito penal i concurso de pessoas
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal i culpabilidade
Direito penal i   culpabilidadeDireito penal i   culpabilidade
Direito penal i culpabilidade
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal III - Usurpação
Direito penal III   - UsurpaçãoDireito penal III   - Usurpação
Direito penal III - Usurpação
Urbano Felix Pugliese
 

Mais de Urbano Felix Pugliese (15)

Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidadeAula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
 
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delitoAula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
 
Facemp 2017 - estudar e escrever
Facemp   2017 - estudar e escreverFacemp   2017 - estudar e escrever
Facemp 2017 - estudar e escrever
 
Facemp 2017 - introdução à academia
Facemp   2017 - introdução à academiaFacemp   2017 - introdução à academia
Facemp 2017 - introdução à academia
 
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iiAula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
 
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03   direito penal i - fontes do direito penalAula 03   direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
 
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
 
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
 
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
 
Algemas
AlgemasAlgemas
Algemas
 
Garantismo penal
Garantismo penalGarantismo penal
Garantismo penal
 
Abolicionismo penal
Abolicionismo penalAbolicionismo penal
Abolicionismo penal
 
Direito penal i concurso de pessoas
Direito penal i   concurso de pessoasDireito penal i   concurso de pessoas
Direito penal i concurso de pessoas
 
Direito penal i culpabilidade
Direito penal i   culpabilidadeDireito penal i   culpabilidade
Direito penal i culpabilidade
 
Direito penal III - Usurpação
Direito penal III   - UsurpaçãoDireito penal III   - Usurpação
Direito penal III - Usurpação
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Direito penal iii crimes contra a liberdade pessoal

  • 1. DIREITO PENAL III Professor Dr. Urbano Félix Pugliese Crimes contra a pessoa: Capítulo VI - Crimes contra a liberdade individual
  • 2. Divisão do capítulo VI:  SEÇÃO I Os crimes contra a liberdade pessoal;  SEÇÃO II Dos crimes contra a inviolabilidade do domicílio;  SEÇÃO III Dos crimes contra a inviolabilidade de correspondência; e  SEÇÃO IV Dos crimes contra a inviolabilidade dos segredos.
  • 3. Seção I:  Delitos encontrados nos crimes contra a liberdade pessoal: 1) Art. 146 - Constrangimento ilegal; 2) Art. 147 - Ameaça; 3) Art. 148 – Sequestro e cárcere privado; e 4) Art. 149 – Redução a condição análoga à de escravo.
  • 4. Art. 146 - Constrangimento ilegal: Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, ou depois de lhe haver reduzido, por qualquer outro meio, a capacidade de resistência, a não fazer o que a lei permite, ou a fazer o que ela não manda: Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa. Aumento de pena § 1º - As penas aplicam-se cumulativamente e em dobro, quando, para a execução do crime, se reúnem mais de três pessoas, ou há emprego de armas.
  • 5. Art. 146 - Constrangimento ilegal: § 2º - Além das penas cominadas, aplicam-se as correspondentes à violência. § 3º - Não se compreendem na disposição deste artigo: I - a intervenção médica ou cirúrgica, sem o consentimento do paciente ou de seu representante legal, se justificada por iminente perigo de vida; II - a coação exercida para impedir suicídio.
  • 6. Bem jurídico tutelado:  Tutela-se a liberdade pessoal e a autodeterminação das pessoas (tanto física quanto psíquica);  Art. 5, II/CF - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei; (Liberdade das pessoa em agir dentro do ordenamento jurídico);  Sujeito ativo = Qualquer pessoa; e  Sujeito passivo = Qualquer pessoa que tenha autodeterminação (excluem-se doentes mentais e crianças em tenra idade).
  • 7.  Exercício arbitrário ou abuso de poder (art. 350 do CP);  Abuso de Autoridade (Lei n. 4.898/65);  Eleitoral (Art. 301, Lei n. 4.737/65);  Lei de Segurança Nacional (Art. 28, Lei n. 7.170/83);  Consumidor (Art. 71, Lei n. 8.078/90);  ECA (Art. 232, Lei n. 8.069/90);  Tortura (Art. 1, Lei n. 9.455/97); e  Idoso (Art. 107, Lei n. 10.741). Outros constrangimentos:
  • 8.  Constranger: Forçar, coagir, compelir a fazer ou a deixar de fazer algo utilizando violência ou grave ameaça;  Violência: Utilização de força física na conduta criminosa (própria: uso da força física; imprópria: qualquer outro meio como dopar a pessoa com drogas; Física ou moral; Imediata (utilizada na vítima) ou mediata (utilizada em terceiro));  Grave ameaça (violência moral): Não utilização da força física na conduta criminosa; e  A ameaça pode até ser justa, basta ser grave para caracterizar o delito. Tipo objetivo:
  • 9.  A pretensão precisa ser ilegítima (a conduta exigida da vítima precisa estar em desconformidade com a norma): Absoluta (Não tem o direito de exigir da vítima) ou relativa (pode exigir o direito mas não pode compelir a vítima a cumprir a obrigação);  Caso possa ser exigido por ação judicial será o art. 345 do CP;  Crime complexo em sentido amplo (há uma conduta típica e outra não típica); e  Complexo em sentido estrito (há duas condutas típicas). Tipo objetivo:
  • 10. Elemento subjetivo do tipo penal:  Dolo com especial fim de agir: “a não fazer o que a lei permite, ou a fazer o que ela não manda”;  Não há forma culposa; Consumação e tentativa:  O delito se consuma: Quando a vítima faz ou deixa de fazer alguma coisa pela imposição do agente (crime material);  A tentativa é possível; e  Crime subsidiário (soldado de reserva).
  • 11. Ação penal:  Pública incondicionada; Penas: Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa. Causa de aumento de pena: § 1º - As penas aplicam-se cumulativamente e em dobro, quando, para a execução do crime, se reúnem mais de três pessoas, ou há emprego de armas. Armas, no plural, significa espécies (próprias ou impróprias e não mais de uma arma).
  • 12. Concurso material de crimes: § 2º - Além das penas cominadas, aplicam-se as correspondentes à violência. Causa de exclusão de crime: § 3º - Não se compreendem na disposição deste artigo: I - a intervenção médica ou cirúrgica, sem o consentimento do paciente ou de seu representante legal, se justificada por iminente perigo de vida; II - a coação exercida para impedir suicídio.
  • 13. Art. 147 - Ameaça: Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar-lhe mal injusto e grave: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa. Parágrafo único - Somente se procede mediante representação.
  • 14. Bem jurídico tutelado:  Tutela-se a liberdade pessoal e a autodeterminação das pessoas (tanto física quanto psíquica);  Sujeito ativo = Qualquer pessoa;  Sujeito passivo = Qualquer pessoa que tenha autodeterminação (excluem-se doentes mentais e crianças em tenra idade);  A pessoa deve ser certa; e  Funcionário público: Abuso de Autoridade (Art. 3, Lei n. 4.898/65).
  • 15.  Coação no curso do processo (art. 344 do CP);  Eleitoral (Art. 301, Lei n. 4.737/65);  Lei de Segurança Nacional (Art. 28, Lei n. 7.170/83); e  Consumidor (Art. 71, Lei n. 8.078/90); Outras ameaças:
  • 16.  Ameaçar: Intimidar, causar medo em alguém, através de mal injusto e grave;  Mal injusto: Aquele que a vítima não é obrigada a suportar;  Mal grave: Capaz de intimar a vítima;  A ameaça pode ser de dano físico, moral ou econômico;  Não será ameaça: 1) Promessa impossível; Sem poder intimidatório; e 3) Ameaça abstrata; e  Para futuro pois se for no presente haverá aplicação da subsidiariedade (crime subsidiário – soldado de reserva) . Tipo objetivo:
  • 17.  Direta ou imediata: Quando é realizada perante a própria vítima;  Indireta ou mediata: Quando é realizada perante terceiros;  Expressa ou explícita: Não há nenhuma dúvida quanto a ameaça;  Tácita ou implícita: Há dúvida quanto a ameaça realizada;  Condicionada: Quando o agente do delito firma uma condição para a realização do quanto contido na ameaça; e  Forma livre: Palavra, escrito, gesto, símbolo. Espécies de ameaça:
  • 18. Elemento subjetivo do tipo penal:  Dolo genérico (Animus jocandi exclui o crime);  A jurisprudência entende que o estado de ira exclui o crime (mas, emoção e embriaguez não são causas excludentes de culpabilidade);  Não há forma culposa; Consumação e tentativa:  O delito se consuma: Quando a vítima toma conhecimento da ameaça (crime formal – mal prometido não precisa se concretizar);  Não há necessidade da vítima se sentir ameaçada; e  A tentativa é possível.
  • 19. Ação penal:  Pública condicionada a representação (Parágrafo único - Somente se procede mediante representação; e Penas: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.
  • 20. Art. 148 – Sequestro e cárcere privado: Privar alguém de sua liberdade, mediante sequestro ou cárcere privado: Pena - reclusão, de um a três anos. § 1º - A pena é de reclusão, de dois a cinco anos: I – se a vítima é ascendente, descendente, cônjuge ou companheiro do agente ou maior de 60 (sessenta) anos; II - se o crime é praticado mediante internação da vítima em casa de saúde ou hospital; III - se a privação da liberdade dura mais de quinze dias. [...]
  • 21. Art. 148 – Sequestro e cárcere privado: IV – se o crime é praticado contra menor de 18 (dezoito) anos; V – se o crime é praticado com fins libidinosos. § 2º - Se resulta à vítima, em razão de maus-tratos ou da natureza da detenção, grave sofrimento físico ou moral: Pena - reclusão, de dois a oito anos.
  • 22. Bem jurídico tutelado:  Tutela-se a liberdade locomotora das pessoas;  Sujeito ativo = Qualquer pessoa;  Sujeito passivo = Qualquer pessoa (Pessoa jurídica não pode por que não há encarceramento); e  Pode acontecer: Abuso de Autoridade (Art. 3, Lei n. 4.898/65)/ Violência arbitrária (Art. 322 do CP); Exercício arbitrário ou abuso de poder (Art. 350 do CP); Art. 28, da Lei n. 7.170/83; Art. 298 e 236 do Código Eleitoral (Lei n. 4.737/65); Tortura majorada (art. 1º, § 4º, III da Lei n. 9.455/97); e Arts. 230, 234 e 235 do ECA.
  • 23.  O consentimento do ofendido poderá excluir o delito;  Privar: Retirar, tolher a liberdade de locomoção;  Sequestro (gênero): Há restrição da liberdade locomotora mas a vítima não fica confinada; e  Cárcere privado (espécie): Há restrição da liberdade locomotora e a vítima fica confinada ou tem espaço restrito de locomoção. Tipo objetivo:
  • 24. Elemento subjetivo do tipo penal:  Dolo genérico;  Não há forma culposa; Consumação e tentativa:  O delito se consuma: Com a privação da liberdade (crime material);  Não há tempo mínimo; Porém, precisa ser relevante (não pode ser meros segundos);  A tentativa é possível; e  Será constrangimento ilegal dês a privação da liberdade seja para fazer ou deixar de fazer alguma coisa.
  • 25.  Súmula 711 do STF: “A lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente, se a sua vigência é anterior à cessação da continuidade ou da permanência”;  § 1º - A pena é de reclusão, de dois a cinco anos:  I – se a vítima é ascendente, descendente, cônjuge ou companheiro do agente ou maior de 60 (sessenta) anos; e  II - se o crime é praticado mediante internação da vítima em casa de saúde ou hospital; [...] Formas qualificadas:
  • 26.  III - se a privação da liberdade dura mais de quinze dias (crime a prazo);  IV – se o crime é praticado contra menor de 18 (dezoito) anos;  V – se o crime é praticado com fins libidinosos (continuidade normativo típica do antigo art. 219 do CP – Rapto violento);  § 2º - Se resulta à vítima, em razão de maus-tratos ou da natureza da detenção, grave sofrimento físico ou moral: Pena - reclusão, de dois a oito anos; e  Maus tratos: Ofensa a maior que a privação da liberdade; e  Natureza da detenção: O local é, em si, causador de maior sofrimento e dor do sujeito passivo. Formas qualificadas:
  • 27. Ação penal:  Pública incondicionada; e Penas: Caput: Pena - reclusão, de um a três anos; § 1º A pena é de reclusão, de dois a cinco anos; e § 2º Pena - reclusão, de dois a oito anos.
  • 28. Art. 149 – Redução a condição análoga à de escravo: Reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto: Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa, além da pena correspondente à violência.
  • 29. Art. 149 – Redução a condição análoga à de escravo: § 1o Nas mesmas penas incorre quem: I – cerceia o uso de qualquer meio de transporte por parte do trabalhador, com o fim de retê-lo no local de trabalho; II – mantém vigilância ostensiva no local de trabalho ou se apodera de documentos ou objetos pessoais do trabalhador, com o fim de retê- lo no local de trabalho. § 2o A pena é aumentada de metade, se o crime é cometido: I – contra criança ou adolescente; II – por motivo de preconceito de raça, cor, etnia, religião ou origem.
  • 30. Bem jurídico tutelado:  Tutela-se a liberdade individual, vida, integridade corporal, saúde e dignidade do sujeito passivo;  Sujeito ativo = Qualquer pessoa; e  Sujeito passivo = Qualquer pessoa.
  • 31.  Reduzir: Sujeitar, submeter, subjugar;  Escravo: Não tem as mesmas características dos tempos antigos (elemento normativo do tipo);  Crime de forma vinculada:  1) Submetendo a vítima a trabalhos forçados (mediante violencia ou grave ameaça);  2) Submetendo a vítima a jornada exaustiva (esgotamento físico-psquico);  3) Sujeitar a vítima a condições degradantes de trabalho; e  4) Restringir a locomoção da vítima, por qualquer meio, em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto. Tipo objetivo:
  • 32.  Truck system: Proibição dos patrões de limitar o uso do salário do empregado mediante coação ou induzindo na aquisição de bens essenciais ou na prestação de serviços fornecidos pelo próprio empregador; e  Há outros crimes no CP com base na Justiça Trabalhista. Tipo objetivo:
  • 33.  § 1o Nas mesmas penas incorre quem:  I – cerceia o uso de qualquer meio de transporte por parte do trabalhador, com o fim de retê-lo no local de trabalho;  II – mantém vigilância ostensiva no local de trabalho ou se apodera de documentos ou objetos pessoais do trabalhador, com o fim de retê-lo no local de trabalho. Figuras equiparadas:
  • 34.  § 2o A pena é aumentada de metade, se o crime é cometido:  I – contra criança ou adolescente (Lei n. 8.069/90: Art. 2º Considera-se criança, para os efeitos desta Lei, a pessoa até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade); e  II – por motivo de preconceito de raça, cor, etnia, religião ou origem. Forma majorada:
  • 35. Elemento subjetivo do tipo penal:  Dolo genérico no caput e com especial fim de agir nas formas equiparadas: “com o fim de retê-lo no local de trabalho”;  Não há forma culposa; Consumação e tentativa:  O delito se consuma: Quando há a redução a condição análoga à de escravo (crime material); e  A tentativa é possível.
  • 36. Ação penal:  Pública incondicionada;  Competência Federal (Súmula 122/STJ: “Compete à Justiça Federal o processo e julgamento unificado dos crimes conexos de competência federal e estadual, não se aplicando a regra do art. 78, II, “a”, do Código de Processo Penal”); e Penas: Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa, além da pena correspondente à violência. (concurso material obrigatório).