SlideShare uma empresa Scribd logo
Noções de Direito
Penal
Cap PMBA Francisco
DIREITO PENAL (Dec. Lei 2848 de
07Dez /1940) – Da aplicação da Lei
Penal
 Art. 1º - Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem
prévia cominação legal.
 Lei penal no tempo
 Art. 2º - Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de
considerar crime, cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais
da sentença condenatória.
 Parágrafo único - A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o
agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decididos por sentença
condenatória transitada em julgado.
 Tempo do crime
 Art. 4º - Considera-se praticado o crime no momento da
ação ou omissão, ainda que outro seja o momento do
resultado.
 Territorialidade
 Art. 5º - Aplica-se a lei brasileira, sem prejuízo de
convenções, tratados e regras de direito internacional, ao
crime cometido no território nacional.
§ 1º - São extensão do território nacional as embarcações e aeronaves
brasileiras, de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro onde
quer que se encontrem e as aeronaves e as embarcações brasileiras,
mercantes ou de particulares, que se achem, no espaço aéreo do Brasil ou
em alto-mar.
§ 2 - aeronaves ou embarcações estrangeiras particulares, pousadas no
território nacional ou em vôo no espaço aéreo correspondente, e em porto
ou mar territorial do Brasil.
Extraterritorialidade:
Art 7°: Ficam sujeitos à Lei brasileira, embora
cometidos no estrangeiro:
 I - os crimes:
 a) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República;
 b) contra o patrimônio ou a fé pública da União, etc...
 c) contra a administração pública, por quem está a seu
serviço;
 d) de genocídio, quando o agente for brasileiro ou
domiciliado no Brasil;
 PUNIÇÃO SUJEITA À LEI BRASILEIRA
Extraterritorialidade:
Art 7°: Ficam sujeitos à Lei brasileira,
embora cometidos no estrangeiro:
 II - os crimes:
 a) que, por tratado ou convenção, o Brasil se obrigou a
reprimir;
 b) praticados por brasileiro;
 c) praticados em aeronaves ou embarcações brasileiras,
mercantes ou de propriedade privada, quando em território
estrangeiro e aí não sejam julgados.
PUNIÇÃO DEPENDE DE FATORES TAIS COMO
Entrada do criminoso no Brasil
Fato ser punível no estrangeiro
O crime ser extraditável
criminoso não ter sido absolvido ou cumprido pena no estrangeiro
não estar extinta a punibilidade.
Eficácia da sentença estrangeira
 Art. 9º - A sentença estrangeira, quando a aplicação da lei
brasileira produz na espécie as mesmas conseqüências,
pode ser homologada no Brasil.
Contagem de prazo
 Art. 10 - O dia do começo inclui-se no cômputo do prazo.
Contam-se os dias, os meses e os anos pelo calendário
comum.
DO CRIME
 Para que exista crime é preciso que haja lei
anterior que o defina.
Ele precisa ser:
 TÍPICO,
 ANTIJURÍDICO e tem que haver
 CULPABILIDADE.
Sujeitos do crime
 Sujeito ativo do crime = é a pessoa que
pratica a conduta abstrata descrita no tipo
penal.
 Sujeito Passivo = é o titular do bem ou
interesse penalmente tutelado e que é
violado pelo crime.
TIPICIDADE:
Se a conduta tem correspondência com o
tipo penal ou não - Requer 4 elementos:
 Conduta,
 Resultado,
 Nexo de causalidade e
 Tipicidade.
 Se faltar tipicidade a conduta poderá ser
civil
 Crime material = conduta, resultado, nexo de
causalidade, tipicidade;
 Crime formal = conduta e tipicidade (não há
necessidade do resultado para consumação do crime.
Ex: Corrupção passiva)
 Crime de mera conduta = não tem resultado. Ex:
violação de domicílio.
FASES DO CRIME
 COGITAÇÃO
 PREPARAÇÃO
 EXECUÇÃO – Aqui começa o crime
Tentado.
 CONSUMAÇÃO – Aqui o crime já
aconteceu.
O crime pode ser:
 TENTADO - quando, iniciada a execução,
não se consuma por circunstâncias alheias
à vontade do agente. (Art. 14, II).
 CONSUMADO - quando nele se reúnem
todos os elementos de sua definição legal
(Art 14, I).
Desistência voluntária e arrependimento
eficaz
 Art. 15 - O agente que, voluntariamente,
desiste de prosseguir na execução ou
impede que o resultado se produza, só
responde pelos atos já praticados.
 A desistência ocorre antes ou durante a execução, caracterizando-
se pelo não prosseguimento da prática delituosa, enquanto o
arrependimento ocorre após a execução já ter sido iniciada, vindo
o agente criminoso a desistir da consumação e conseguindo evitar
o sua conclusão.
Arrependimento posterior
 Art. 16 - Nos crimes cometidos sem violência
ou grave ameaça à pessoa, reparado o dano ou
restituída a coisa, até o recebimento da
denúncia ou da queixa, por ato voluntário do
agente, a pena será reduzida de um a dois
terços.
 Ocorre quando, após consumado o crime (sem violência ou
ameaça), o agente delituoso (antes da denúncia) voluntariamente
consegue reparar o dano causado.
Crime impossível
 Art. 17 - Não se pune a tentativa quando,
por ineficácia absoluta do meio ou por
absoluta impropriedade do objeto, é
impossível consumar-se o crime.
 Ocorre quando o meio para consumação do crime, em razão de
sua ineficácia, não poderia atingir de forma alguma a conclusão
pretendida. Ex: Uma pessoa colocar açúcar na bebida de outra
com a intenção de envenená-la (a menos é claro que a pessoa
tenha intolerância grave a ele)
 Crime doloso - quando o agente quis o
resultado ou assumiu o risco de produzi-lo;
 Crime culposo - quando o agente deu
causa ao resultado por imprudência,
negligência ou imperícia.
Exclusão de ilicitude
 Art. 23 - Não há crime quando o agente
pratica o fato:
 I - em estado de necessidade;
 II - em legítima defesa;
 III - em estrito cumprimento de dever legal
ou no exercício regular de direito.
 Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para
salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem
podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício,
nas circunstâncias, não era razoável exigir-se. (art 24).
 Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente
dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente,
a direito seu ou de outrem. (art 25)
IMPUTABILIDADE PENAL
 Art. 26 - É isento de pena o agente que, por
doença mental ou desenvolvimento mental
incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação
ou da omissão, inteiramente incapaz de entender
o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de
acordo com esse entendimento.
 Art. 27 - Os menores de 18 (dezoito) anos são
penalmente inimputáveis, ficando sujeitos às
normas estabelecidas na legislação especial.
 DEC. LEI Nº 3914/41 - Art 1º Considera-se crime a infração penal
que a lei comina pena de reclusão ou de detenção, quer
isoladamente, quer alternativa ou cumulativamente com a pena de
multa;
 CONTRAVENÇÃO, a infração penal a que a lei comina,
isoladamente, pena de prisão simples ou de multa, ou ambas.
Alternativa ou cumulativamente. (Decreto-Lei Nº 3.688, de 3 de
outubro de 1941)
 As penas privativas de liberdade podem ser de reclusão, detenção e prisão simples. Enquanto esta é
destinada às contravenções penais, aquelas objetivam sancionar quem tenha cometido crime.
Reclusão e detenção são seres iguais, ou seja, entre elas não há diferença ontológica. Mas, as
conseqüências jurídicas que delas podem advir é que as diferenciam. Observe:
 1- Na reclusão o regime inicial de cumprimento de pena pode ser o fechado; já na detenção o mais
severo será o semi-aberto. (regime de cumprimento de pena: fechado, aberto e semi-aberto).
 2- A prisão preventiva é de regra possível nos crimes apenados com reclusão.
 3- Os crimes apenados com detenção são de regra afiançáveis.
 4- a pena de reclusão deverá ser executada em primeiro lugar, ou seja, com prioridade sobre a de
detenção.
 A prisão simples, por sua vez, deve ser cumprida sem rigor penitenciário e o condenado deve ficar em
separado daqueles que cumprem pena de reclusão e detenção.
Dos Crimes contra pessoa
 Homicídio simples
 Art. 121 - Matar alguém - (Pena - reclusão, de 6 (seis) a 20 (vinte) anos)
 Homicídio qualificado
 § 2º - Se o homicídio é cometido
 I - mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe;
 II - por motivo fútil;
 III - com emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro meio insidioso
ou cruel, ou de que possa resultar perigo comum;
 IV - à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que
dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido;
 V - para assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro
crime:
 Pena - reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos.
 Homicídio culposo
 § 3º - Se o homicídio é culposo:
 Pena - detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos.
 No homicídio culposo, a pena é aumentada de 1/3, se o crime resulta de
inobservância de regra técnica de profissão, se o agente deixa de prestar
imediato socorro à vítima, não procura diminuir as conseqüências do seu
ato, ou foge para evitar o flagrante. Sendo doloso o homicídio, a pena é
aumentada de 1/3 (um terço) se o crime é praticado contra pessoa menor
de 14 (quatorze) ou maior de 60 (sessenta) anos.
 Lesão corporal de natureza grave
§ 1º - Se resulta:
 I - incapacidade para as ocupações habituais, por mais de 30 (trinta) dias;
 II - perigo de vida;
 III - debilidade permanente de membro, sentido ou função;
 IV - aceleração de parto:
 Pena - reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos.
§ 2º - Se resulta:
 I - incapacidade permanente para o trabalho;
 II - enfermidade incurável;
 III - perda ou inutilização de membro, sentido ou função;
 IV - deformidade permanente;
 V - aborto:
 Pena - reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos.
Lesão corporal
Art. 129 - Ofender a integridade corporal ou a saúde de
outrem: Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano
 Lesão corporal seguida de morte
 § 3º - Se resulta morte e as circunstâncias evidenciam
que o agente não quis o resultado, nem assumiu o risco
de produzi-lo:
 Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 12 (doze) anos.
 Lesão corporal culposa
 § 6º - Se a lesão é culposa:
 Pena - detenção, de 2 (dois) meses a 1 (um) ano
 Art. 137 - Participar de rixa, salvo para separar os
contendores:
 Pena - detenção, de 15 (quinze) dias a 2 (dois) meses,
ou multa.
 Parágrafo único - Se ocorre morte ou lesão corporal de
natureza grave, aplica-se, pelo fato da participação na
rixa, a pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois)
anos.
Rixa
Ameaça
 Art. 147 - Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou
gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar-
lhe mal injusto e grave:
 Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou
multa.
 Parágrafo único - Somente se procede mediante
representação
Seqüestro e cárcere privado
 Art. 148 - Privar alguém de sua liberdade, mediante seqüestro ou cárcere privado:
 Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos
§ 1º - A pena é de reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos:
 I - se a vítima é ascendente, descendente, cônjuge ou companheiro do agente ou
maior de 60 (sessenta) anos;
 II - se o crime é praticado mediante internação da vítima em casa de saúde ou
hospital;
 III - se a privação da liberdade dura mais de 15 (quinze) dias;
 IV – se o crime é praticado contra menor de 18 (dezoito) anos;
 V – se o crime é praticado com fins libidinosos.
§ 2º - Se resulta à vítima, em razão de maus-tratos ou da natureza da detenção, grave
sofrimento físico ou moral:
 Pena - reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos.
 Furto
 Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel:
 Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.
 Roubo
 Art. 157 - Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave
ameaça ou violência à pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à
impossibilidade de resistência:
 Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos, e multa.
 § 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de reclusão, de cinco a
quinze anos, além da multa; se resulta morte, a reclusão é de vinte a trinta anos,
sem prejuízo da multa. (Lch)
 Extorsão
 Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de
obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça
ou deixar fazer alguma coisa: Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos, e multa.
 Extorsão mediante seqüestro
 Art. 159 - Seqüestrar pessoa com o fim de obter, para si ou para outrem, qualquer
vantagem, como condição ou preço do resgate: Pena - reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze)
anos.
 § 4º Se o crime é cometido por quadrilha ou bando, o co-autor que denunciá-lo à
autoridade, facilitando a libertação do seqüestrado, terá sua pena reduzida de um a dois
terços."
 Apropriação indébita
 Art. 168 - Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse
ou a detenção: Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e
multa.
 Estelionato
 Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em
prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante
artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento: Pena - reclusão,
de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.
 Estupro
 Art. 213 - Constranger mulher à conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça: Pena -
reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez) anos.
 Atentado violento ao pudor
 Art. 214 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a praticar ou permitir que
com ele se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal: Pena - reclusão, de 6 (seis) a 10
(dez) anos.
 Sedução - Art. 217 – Revogado pela Lei nº 11.106, de 28.03.05.
 Corrupção de menores
 Art. 218 - Corromper ou facilitar a corrupção de pessoa maior de 14 (catorze) e menor de 18
(dezoito) anos, com ela praticando ato de libidinagem, ou induzindo-a a praticá-lo ou presenciá-
lo: Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos.
 Quadrilha ou bando
 Art. 288 - Associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim
de cometer crimes: Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos.
 Parágrafo único - A pena aplica-se em dobro, se a quadrilha ou bando é
armado.
 Art. 8º Será de três a seis anos de reclusão a pena prevista no
art. 288 do Código Penal, quando se tratar de crimes hediondos, prática da tortura,
tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins ou terrorismo.
 Parágrafo único. O participante e o associado que denunciar à autoridade o bando
ou quadrilha, possibilitando seu desmantelamento, terá a pena reduzida de um a
dois terços. (L C H)
 Peculato
 Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel,
público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio
ou alheio: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.
 Peculato culposo
 § 2º - Se o funcionário concorre culposamente para o crime de outrem:
 § 3º - No caso do parágrafo anterior, a reparação do dano, se precede à sentença irrecorrível,
extingue a punibilidade; se lhe é posterior, reduz de metade a pena imposta.
 Peculato mediante erro de outrem
 Art. 313 - Apropriar-se de dinheiro ou qualquer utilidade que, no exercício do cargo, recebeu
por erro de outrem.
 Concussão
 Art. 316 - Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de
assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos, e multa.
 Corrupção passiva
 Art. 317 - Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função
ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem:
Pena - reclusão, de 1 (um) a 8 (oito) anos, e multa.
 § 1º - A pena é aumentada de um terço, se, em conseqüência da vantagem ou promessa, o funcionário
retarda ou deixa de praticar qualquer ato de ofício ou o pratica infringindo dever funcional.
 § 2º - Se o funcionário pratica, deixa de praticar ou retarda ato de ofício, com infração de dever
funcional, cedendo a pedido ou influência de outrem: Pena -reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e
multa.
 Corrupção ativa
 Art. 333 - Oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário
público, para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de
ofício: Pena - reclusão de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.
 Prevaricação
 Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de
ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para
satisfazer interesse ou sentimento pessoal: Pena - detenção, de 3
(três) meses a 1 (um) ano, e multa.
 Usurpação de função pública
 Art. 328 - Usurpar o exercício de função pública: Pena - detenção, de 3 (três) meses a 2 (dois)
anos, e multa.
 Parágrafo único - Se do fato o agente aufere vantagem: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco)
anos, e multa.
 Resistência
 Art. 329 - Opor-se à execução de ato legal, mediante violência ou ameaça a funcionário
competente para executá-lo ou a quem lhe esteja prestando auxílio: Pena - detenção, de 2
(dois) meses a 2 (dois) anos.
 § 1º - Se o ato, em razão da resistência, não se executa: Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três)
anos.
 Desobediência
 Art. 330 - Desobedecer a ordem legal de funcionário público: Pena
- detenção, de 15 (quinze) dias a 6 (seis) meses, e multa.
 Desacato
 Art. 331 - Desacatar funcionário público no exercício da função ou
em razão dela: Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos,
ou multa.
 Contrabando ou descaminho
 Art. 334 - Importar ou exportar mercadoria proibida ou
iludir, no todo ou em parte, o pagamento de direito ou
imposto devido pela entrada, pela saída ou pelo
consumo de mercadoria: Pena - reclusão, de 1 (um) a 4
(quatro) anos.
LEI 9.455 DE 07 DE ABRIL DE 1997
DEFINE O CRIME DE TORTURA
 Art. 1º Constitui crime de tortura:
 I - constranger alguém com emprego de violência ou grave
ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental:
 Com o fim de obter informação, declaração ou confissão da
vítima ou de terceira pessoa;
 Para provocar ação ou omissão de natureza criminosa;
 Em razão de discriminação racial ou religiosa;
 II - submeter alguém, sob sua guarda, poder ou
autoridade, com emprego de violência ou grave
ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental,
como forma de aplicar castigo pessoal ou
medida de caráter preventivo.
 Pena - reclusão, de dois a oito anos.
 § 1º Na mesma pena incorre quem submete pessoa
presa ou sujeita a medida de segurança a sofrimento
físico ou mental, por intermédio da prática de ato não
previsto em lei ou não resultante de medida legal.
 § 2º Aquele que se omite em face dessas condutas,
quando tinha o dever de evitá-las ou apurá-las, incorre
na pena de detenção de um a quatro anos.
§ 4º Aumenta-se a pena de um sexto
até um terço:
 I - se o crime é cometido por agente público;
 II – se o crime é cometido contra criança,
gestante, portador de deficiência, adolescente
ou maior de 60 (sessenta) anos
 III - se o crime é cometido mediante seqüestro.
 § 5º A condenação acarretará a perda do cargo, função ou emprego
público e a interdição para seu exercício pelo dobro do prazo da pena
aplicada.
 § 6º O crime de tortura é inafiançável e insuscetível de graça ou anistia.
 § 7º O condenado por crime previsto nesta Lei, salvo a hipótese do § 2º
(OMISSÃO), iniciará o cumprimento da pena em regime fechado.
 Art. 2º O disposto nesta Lei aplica-se ainda quando o crime não tenha
sido cometido em território nacional, sendo a vítima brasileira ou
encontrando-se o agente em local sob jurisdição brasileira.
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito Penal- Tipicidade. Sujeito ativo e Sujeito Passivo. Alagoas cursos on...
Direito Penal- Tipicidade. Sujeito ativo e Sujeito Passivo. Alagoas cursos on...Direito Penal- Tipicidade. Sujeito ativo e Sujeito Passivo. Alagoas cursos on...
Direito Penal- Tipicidade. Sujeito ativo e Sujeito Passivo. Alagoas cursos on...
andersonfdr1
 
Código penal atualizado pela lei 10.886-04
Código penal   atualizado pela lei 10.886-04Código penal   atualizado pela lei 10.886-04
Código penal atualizado pela lei 10.886-04
Jarlony Teles
 
Classificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesClassificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimes
Yara Souto Maior
 
Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power point
edgardrey
 
Apostila direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Apostila   direito penal - parte geral - prof. fernando capezApostila   direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Apostila direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Jarlony Teles
 
Direito penal parte geral
Direito penal parte geralDireito penal parte geral
Direito penal parte geral
mariocanel
 
Noções de direito aula 06
Noções de direito   aula 06Noções de direito   aula 06
Noções de direito aula 06
Nadsonea Azevedo
 
Noções de direito aula 07
Noções de direito   aula 07Noções de direito   aula 07
Noções de direito aula 07
Nadsonea Azevedo
 
Resumo penal
Resumo penalResumo penal
Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geral
edgardrey
 
Direito penal I
Direito penal IDireito penal I
Direito penal I
Hijo Noleto
 
Apostila resumo - pm-pa (direito penal)
Apostila   resumo - pm-pa (direito penal)Apostila   resumo - pm-pa (direito penal)
Apostila resumo - pm-pa (direito penal)
profrenanaraujo
 
Fernando capez direito penal, parte geral
Fernando capez   direito penal, parte geralFernando capez   direito penal, parte geral
Fernando capez direito penal, parte geral
Renata Tamare
 
Consumacao e tentativa
Consumacao e tentativaConsumacao e tentativa
Consumacao e tentativa
Welington H. Henriques Fernandes
 
Penal
PenalPenal
Classificação crimes
Classificação crimesClassificação crimes
Classificação crimes
ramirofreitas
 
Penal penal
Penal penalPenal penal
Penal penal
Recôncavo OnFlash
 
Noções de direito aula 04
Noções de direito   aula 04Noções de direito   aula 04
Noções de direito aula 04
Nadsonea Azevedo
 

Mais procurados (18)

Direito Penal- Tipicidade. Sujeito ativo e Sujeito Passivo. Alagoas cursos on...
Direito Penal- Tipicidade. Sujeito ativo e Sujeito Passivo. Alagoas cursos on...Direito Penal- Tipicidade. Sujeito ativo e Sujeito Passivo. Alagoas cursos on...
Direito Penal- Tipicidade. Sujeito ativo e Sujeito Passivo. Alagoas cursos on...
 
Código penal atualizado pela lei 10.886-04
Código penal   atualizado pela lei 10.886-04Código penal   atualizado pela lei 10.886-04
Código penal atualizado pela lei 10.886-04
 
Classificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesClassificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimes
 
Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power point
 
Apostila direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Apostila   direito penal - parte geral - prof. fernando capezApostila   direito penal - parte geral - prof. fernando capez
Apostila direito penal - parte geral - prof. fernando capez
 
Direito penal parte geral
Direito penal parte geralDireito penal parte geral
Direito penal parte geral
 
Noções de direito aula 06
Noções de direito   aula 06Noções de direito   aula 06
Noções de direito aula 06
 
Noções de direito aula 07
Noções de direito   aula 07Noções de direito   aula 07
Noções de direito aula 07
 
Resumo penal
Resumo penalResumo penal
Resumo penal
 
Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geral
 
Direito penal I
Direito penal IDireito penal I
Direito penal I
 
Apostila resumo - pm-pa (direito penal)
Apostila   resumo - pm-pa (direito penal)Apostila   resumo - pm-pa (direito penal)
Apostila resumo - pm-pa (direito penal)
 
Fernando capez direito penal, parte geral
Fernando capez   direito penal, parte geralFernando capez   direito penal, parte geral
Fernando capez direito penal, parte geral
 
Consumacao e tentativa
Consumacao e tentativaConsumacao e tentativa
Consumacao e tentativa
 
Penal
PenalPenal
Penal
 
Classificação crimes
Classificação crimesClassificação crimes
Classificação crimes
 
Penal penal
Penal penalPenal penal
Penal penal
 
Noções de direito aula 04
Noções de direito   aula 04Noções de direito   aula 04
Noções de direito aula 04
 

Semelhante a ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP

Direito+penal+_compressed.pdf
Direito+penal+_compressed.pdfDireito+penal+_compressed.pdf
Direito+penal+_compressed.pdf
CaiozinhoFelisberto
 
Lei das contravenções penais
Lei das contravenções penaisLei das contravenções penais
Lei das contravenções penais
ACS PM RN
 
Mapa Mental - Art. 1° ao 12° do Código Penal
Mapa Mental - Art. 1° ao 12° do Código PenalMapa Mental - Art. 1° ao 12° do Código Penal
Mapa Mental - Art. 1° ao 12° do Código Penal
EvelynMelo32
 
Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01
Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01
Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01
Michelle Lopes L Köhler
 
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016 PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
Do outro lado da barricada
 
Direito penal i parte geral
Direito penal i   parte geralDireito penal i   parte geral
Direito penal i parte geral
volemar
 
Resumão direito penal- parte geral
Resumão direito penal- parte geralResumão direito penal- parte geral
Resumão direito penal- parte geral
Fonseca Advocacia
 
Direito Penal - Parte Geral
Direito Penal - Parte GeralDireito Penal - Parte Geral
Direito Penal - Parte Geral
Dayane Barros
 
Direito penal i consumação e tentativa
Direito penal i   consumação e tentativaDireito penal i   consumação e tentativa
Direito penal i consumação e tentativa
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal
Direito penalDireito penal
Direito penal
Felipe Rodrigues
 
Curso direito penal_aplicado_ao_funcionalismo_p_blico
Curso direito penal_aplicado_ao_funcionalismo_p_blicoCurso direito penal_aplicado_ao_funcionalismo_p_blico
Curso direito penal_aplicado_ao_funcionalismo_p_blico
Luiz Alexandre
 
Resumo penal
Resumo penalResumo penal
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
RESUMO DIREITO PENAL-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
RESUMO DIREITO PENAL-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...RESUMO DIREITO PENAL-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
RESUMO DIREITO PENAL-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
Antonio Inácio Ferraz
 
Pl 7596-2017
Pl 7596-2017Pl 7596-2017
Pl 7596-2017
Jornal do Commercio
 
Tempo_do_crime
Tempo_do_crimeTempo_do_crime
Tempo_do_crime
Ewmyx Marinho
 
Direitopenal; LEGAL
Direitopenal; LEGALDireitopenal; LEGAL
Direitopenal; LEGAL
Itana Virginia Souza
 
Aula 001
Aula 001Aula 001
Aula 001
Luiz Guilherme
 
CAUSA DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PENALpptx.pptx
CAUSA DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PENALpptx.pptxCAUSA DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PENALpptx.pptx
CAUSA DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PENALpptx.pptx
CleberDiias
 
50 dicas 2014 cp e cpp
50   dicas 2014 cp e cpp50   dicas 2014 cp e cpp
50 dicas 2014 cp e cpp
Anapaula Melo DA Silva
 

Semelhante a ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP (20)

Direito+penal+_compressed.pdf
Direito+penal+_compressed.pdfDireito+penal+_compressed.pdf
Direito+penal+_compressed.pdf
 
Lei das contravenções penais
Lei das contravenções penaisLei das contravenções penais
Lei das contravenções penais
 
Mapa Mental - Art. 1° ao 12° do Código Penal
Mapa Mental - Art. 1° ao 12° do Código PenalMapa Mental - Art. 1° ao 12° do Código Penal
Mapa Mental - Art. 1° ao 12° do Código Penal
 
Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01
Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01
Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01
 
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016 PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
 
Direito penal i parte geral
Direito penal i   parte geralDireito penal i   parte geral
Direito penal i parte geral
 
Resumão direito penal- parte geral
Resumão direito penal- parte geralResumão direito penal- parte geral
Resumão direito penal- parte geral
 
Direito Penal - Parte Geral
Direito Penal - Parte GeralDireito Penal - Parte Geral
Direito Penal - Parte Geral
 
Direito penal i consumação e tentativa
Direito penal i   consumação e tentativaDireito penal i   consumação e tentativa
Direito penal i consumação e tentativa
 
Direito penal
Direito penalDireito penal
Direito penal
 
Curso direito penal_aplicado_ao_funcionalismo_p_blico
Curso direito penal_aplicado_ao_funcionalismo_p_blicoCurso direito penal_aplicado_ao_funcionalismo_p_blico
Curso direito penal_aplicado_ao_funcionalismo_p_blico
 
Resumo penal
Resumo penalResumo penal
Resumo penal
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
RESUMO DIREITO PENAL-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
RESUMO DIREITO PENAL-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...RESUMO DIREITO PENAL-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
RESUMO DIREITO PENAL-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
 
Pl 7596-2017
Pl 7596-2017Pl 7596-2017
Pl 7596-2017
 
Tempo_do_crime
Tempo_do_crimeTempo_do_crime
Tempo_do_crime
 
Direitopenal; LEGAL
Direitopenal; LEGALDireitopenal; LEGAL
Direitopenal; LEGAL
 
Aula 001
Aula 001Aula 001
Aula 001
 
CAUSA DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PENALpptx.pptx
CAUSA DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PENALpptx.pptxCAUSA DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PENALpptx.pptx
CAUSA DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PENALpptx.pptx
 
50 dicas 2014 cp e cpp
50   dicas 2014 cp e cpp50   dicas 2014 cp e cpp
50 dicas 2014 cp e cpp
 

Mais de Antonio Inácio Ferraz

,Temer
,Temer,Temer
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
Antonio Inácio Ferraz
 
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
Antonio Inácio Ferraz
 
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
Antonio Inácio Ferraz
 
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
Antonio Inácio Ferraz
 
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
Antonio Inácio Ferraz
 
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
Antonio Inácio Ferraz
 
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
Antonio Inácio Ferraz
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
Antonio Inácio Ferraz
 
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
Antonio Inácio Ferraz
 
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
Antonio Inácio Ferraz
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
Antonio Inácio Ferraz
 
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
Antonio Inácio Ferraz
 
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
Antonio Inácio Ferraz
 
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
Antonio Inácio Ferraz
 
RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELE...
RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELE...RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELE...
RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELE...
Antonio Inácio Ferraz
 
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Antonio Inácio Ferraz
 
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
Antonio Inácio Ferraz
 
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
Antonio Inácio Ferraz
 
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
Antonio Inácio Ferraz
 

Mais de Antonio Inácio Ferraz (20)

,Temer
,Temer,Temer
,Temer
 
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
 
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
 
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
 
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
 
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
 
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
 
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
 
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
 
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
 
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
 
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
 
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
 
RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELE...
RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELE...RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELE...
RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELE...
 
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
 
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
 
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
 
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
 

Último

Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 

Último (20)

Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 

ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP

  • 2. DIREITO PENAL (Dec. Lei 2848 de 07Dez /1940) – Da aplicação da Lei Penal  Art. 1º - Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal.  Lei penal no tempo  Art. 2º - Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença condenatória.  Parágrafo único - A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado.
  • 3.  Tempo do crime  Art. 4º - Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que outro seja o momento do resultado.  Territorialidade  Art. 5º - Aplica-se a lei brasileira, sem prejuízo de convenções, tratados e regras de direito internacional, ao crime cometido no território nacional. § 1º - São extensão do território nacional as embarcações e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro onde quer que se encontrem e as aeronaves e as embarcações brasileiras, mercantes ou de particulares, que se achem, no espaço aéreo do Brasil ou em alto-mar. § 2 - aeronaves ou embarcações estrangeiras particulares, pousadas no território nacional ou em vôo no espaço aéreo correspondente, e em porto ou mar territorial do Brasil.
  • 4. Extraterritorialidade: Art 7°: Ficam sujeitos à Lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro:  I - os crimes:  a) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República;  b) contra o patrimônio ou a fé pública da União, etc...  c) contra a administração pública, por quem está a seu serviço;  d) de genocídio, quando o agente for brasileiro ou domiciliado no Brasil;  PUNIÇÃO SUJEITA À LEI BRASILEIRA
  • 5. Extraterritorialidade: Art 7°: Ficam sujeitos à Lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro:  II - os crimes:  a) que, por tratado ou convenção, o Brasil se obrigou a reprimir;  b) praticados por brasileiro;  c) praticados em aeronaves ou embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada, quando em território estrangeiro e aí não sejam julgados. PUNIÇÃO DEPENDE DE FATORES TAIS COMO Entrada do criminoso no Brasil Fato ser punível no estrangeiro O crime ser extraditável criminoso não ter sido absolvido ou cumprido pena no estrangeiro não estar extinta a punibilidade.
  • 6. Eficácia da sentença estrangeira  Art. 9º - A sentença estrangeira, quando a aplicação da lei brasileira produz na espécie as mesmas conseqüências, pode ser homologada no Brasil. Contagem de prazo  Art. 10 - O dia do começo inclui-se no cômputo do prazo. Contam-se os dias, os meses e os anos pelo calendário comum.
  • 7. DO CRIME  Para que exista crime é preciso que haja lei anterior que o defina. Ele precisa ser:  TÍPICO,  ANTIJURÍDICO e tem que haver  CULPABILIDADE.
  • 8. Sujeitos do crime  Sujeito ativo do crime = é a pessoa que pratica a conduta abstrata descrita no tipo penal.  Sujeito Passivo = é o titular do bem ou interesse penalmente tutelado e que é violado pelo crime.
  • 9. TIPICIDADE: Se a conduta tem correspondência com o tipo penal ou não - Requer 4 elementos:  Conduta,  Resultado,  Nexo de causalidade e  Tipicidade.  Se faltar tipicidade a conduta poderá ser civil
  • 10.  Crime material = conduta, resultado, nexo de causalidade, tipicidade;  Crime formal = conduta e tipicidade (não há necessidade do resultado para consumação do crime. Ex: Corrupção passiva)  Crime de mera conduta = não tem resultado. Ex: violação de domicílio.
  • 11. FASES DO CRIME  COGITAÇÃO  PREPARAÇÃO  EXECUÇÃO – Aqui começa o crime Tentado.  CONSUMAÇÃO – Aqui o crime já aconteceu.
  • 12. O crime pode ser:  TENTADO - quando, iniciada a execução, não se consuma por circunstâncias alheias à vontade do agente. (Art. 14, II).  CONSUMADO - quando nele se reúnem todos os elementos de sua definição legal (Art 14, I).
  • 13. Desistência voluntária e arrependimento eficaz  Art. 15 - O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução ou impede que o resultado se produza, só responde pelos atos já praticados.  A desistência ocorre antes ou durante a execução, caracterizando- se pelo não prosseguimento da prática delituosa, enquanto o arrependimento ocorre após a execução já ter sido iniciada, vindo o agente criminoso a desistir da consumação e conseguindo evitar o sua conclusão.
  • 14. Arrependimento posterior  Art. 16 - Nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à pessoa, reparado o dano ou restituída a coisa, até o recebimento da denúncia ou da queixa, por ato voluntário do agente, a pena será reduzida de um a dois terços.  Ocorre quando, após consumado o crime (sem violência ou ameaça), o agente delituoso (antes da denúncia) voluntariamente consegue reparar o dano causado.
  • 15. Crime impossível  Art. 17 - Não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta do meio ou por absoluta impropriedade do objeto, é impossível consumar-se o crime.  Ocorre quando o meio para consumação do crime, em razão de sua ineficácia, não poderia atingir de forma alguma a conclusão pretendida. Ex: Uma pessoa colocar açúcar na bebida de outra com a intenção de envenená-la (a menos é claro que a pessoa tenha intolerância grave a ele)
  • 16.  Crime doloso - quando o agente quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo;  Crime culposo - quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, negligência ou imperícia.
  • 17. Exclusão de ilicitude  Art. 23 - Não há crime quando o agente pratica o fato:  I - em estado de necessidade;  II - em legítima defesa;  III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.
  • 18.  Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se. (art 24).  Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem. (art 25)
  • 19. IMPUTABILIDADE PENAL  Art. 26 - É isento de pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.  Art. 27 - Os menores de 18 (dezoito) anos são penalmente inimputáveis, ficando sujeitos às normas estabelecidas na legislação especial.
  • 20.  DEC. LEI Nº 3914/41 - Art 1º Considera-se crime a infração penal que a lei comina pena de reclusão ou de detenção, quer isoladamente, quer alternativa ou cumulativamente com a pena de multa;  CONTRAVENÇÃO, a infração penal a que a lei comina, isoladamente, pena de prisão simples ou de multa, ou ambas. Alternativa ou cumulativamente. (Decreto-Lei Nº 3.688, de 3 de outubro de 1941)
  • 21.  As penas privativas de liberdade podem ser de reclusão, detenção e prisão simples. Enquanto esta é destinada às contravenções penais, aquelas objetivam sancionar quem tenha cometido crime. Reclusão e detenção são seres iguais, ou seja, entre elas não há diferença ontológica. Mas, as conseqüências jurídicas que delas podem advir é que as diferenciam. Observe:  1- Na reclusão o regime inicial de cumprimento de pena pode ser o fechado; já na detenção o mais severo será o semi-aberto. (regime de cumprimento de pena: fechado, aberto e semi-aberto).  2- A prisão preventiva é de regra possível nos crimes apenados com reclusão.  3- Os crimes apenados com detenção são de regra afiançáveis.  4- a pena de reclusão deverá ser executada em primeiro lugar, ou seja, com prioridade sobre a de detenção.  A prisão simples, por sua vez, deve ser cumprida sem rigor penitenciário e o condenado deve ficar em separado daqueles que cumprem pena de reclusão e detenção.
  • 22. Dos Crimes contra pessoa  Homicídio simples  Art. 121 - Matar alguém - (Pena - reclusão, de 6 (seis) a 20 (vinte) anos)  Homicídio qualificado  § 2º - Se o homicídio é cometido  I - mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe;  II - por motivo fútil;  III - com emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro meio insidioso ou cruel, ou de que possa resultar perigo comum;  IV - à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido;  V - para assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro crime:  Pena - reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos.
  • 23.  Homicídio culposo  § 3º - Se o homicídio é culposo:  Pena - detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos.  No homicídio culposo, a pena é aumentada de 1/3, se o crime resulta de inobservância de regra técnica de profissão, se o agente deixa de prestar imediato socorro à vítima, não procura diminuir as conseqüências do seu ato, ou foge para evitar o flagrante. Sendo doloso o homicídio, a pena é aumentada de 1/3 (um terço) se o crime é praticado contra pessoa menor de 14 (quatorze) ou maior de 60 (sessenta) anos.
  • 24.  Lesão corporal de natureza grave § 1º - Se resulta:  I - incapacidade para as ocupações habituais, por mais de 30 (trinta) dias;  II - perigo de vida;  III - debilidade permanente de membro, sentido ou função;  IV - aceleração de parto:  Pena - reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos. § 2º - Se resulta:  I - incapacidade permanente para o trabalho;  II - enfermidade incurável;  III - perda ou inutilização de membro, sentido ou função;  IV - deformidade permanente;  V - aborto:  Pena - reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos. Lesão corporal Art. 129 - Ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem: Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano
  • 25.  Lesão corporal seguida de morte  § 3º - Se resulta morte e as circunstâncias evidenciam que o agente não quis o resultado, nem assumiu o risco de produzi-lo:  Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 12 (doze) anos.  Lesão corporal culposa  § 6º - Se a lesão é culposa:  Pena - detenção, de 2 (dois) meses a 1 (um) ano
  • 26.  Art. 137 - Participar de rixa, salvo para separar os contendores:  Pena - detenção, de 15 (quinze) dias a 2 (dois) meses, ou multa.  Parágrafo único - Se ocorre morte ou lesão corporal de natureza grave, aplica-se, pelo fato da participação na rixa, a pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos. Rixa
  • 27. Ameaça  Art. 147 - Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar- lhe mal injusto e grave:  Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.  Parágrafo único - Somente se procede mediante representação
  • 28. Seqüestro e cárcere privado  Art. 148 - Privar alguém de sua liberdade, mediante seqüestro ou cárcere privado:  Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos § 1º - A pena é de reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos:  I - se a vítima é ascendente, descendente, cônjuge ou companheiro do agente ou maior de 60 (sessenta) anos;  II - se o crime é praticado mediante internação da vítima em casa de saúde ou hospital;  III - se a privação da liberdade dura mais de 15 (quinze) dias;  IV – se o crime é praticado contra menor de 18 (dezoito) anos;  V – se o crime é praticado com fins libidinosos. § 2º - Se resulta à vítima, em razão de maus-tratos ou da natureza da detenção, grave sofrimento físico ou moral:  Pena - reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos.
  • 29.  Furto  Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel:  Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.  Roubo  Art. 157 - Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência à pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência:  Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos, e multa.  § 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de reclusão, de cinco a quinze anos, além da multa; se resulta morte, a reclusão é de vinte a trinta anos, sem prejuízo da multa. (Lch)
  • 30.  Extorsão  Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou deixar fazer alguma coisa: Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos, e multa.  Extorsão mediante seqüestro  Art. 159 - Seqüestrar pessoa com o fim de obter, para si ou para outrem, qualquer vantagem, como condição ou preço do resgate: Pena - reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos.  § 4º Se o crime é cometido por quadrilha ou bando, o co-autor que denunciá-lo à autoridade, facilitando a libertação do seqüestrado, terá sua pena reduzida de um a dois terços."
  • 31.  Apropriação indébita  Art. 168 - Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou a detenção: Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.  Estelionato  Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento: Pena - reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.
  • 32.  Estupro  Art. 213 - Constranger mulher à conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça: Pena - reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez) anos.  Atentado violento ao pudor  Art. 214 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a praticar ou permitir que com ele se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal: Pena - reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez) anos.  Sedução - Art. 217 – Revogado pela Lei nº 11.106, de 28.03.05.  Corrupção de menores  Art. 218 - Corromper ou facilitar a corrupção de pessoa maior de 14 (catorze) e menor de 18 (dezoito) anos, com ela praticando ato de libidinagem, ou induzindo-a a praticá-lo ou presenciá- lo: Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos.
  • 33.  Quadrilha ou bando  Art. 288 - Associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de cometer crimes: Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos.  Parágrafo único - A pena aplica-se em dobro, se a quadrilha ou bando é armado.  Art. 8º Será de três a seis anos de reclusão a pena prevista no art. 288 do Código Penal, quando se tratar de crimes hediondos, prática da tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins ou terrorismo.  Parágrafo único. O participante e o associado que denunciar à autoridade o bando ou quadrilha, possibilitando seu desmantelamento, terá a pena reduzida de um a dois terços. (L C H)
  • 34.  Peculato  Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.  Peculato culposo  § 2º - Se o funcionário concorre culposamente para o crime de outrem:  § 3º - No caso do parágrafo anterior, a reparação do dano, se precede à sentença irrecorrível, extingue a punibilidade; se lhe é posterior, reduz de metade a pena imposta.  Peculato mediante erro de outrem  Art. 313 - Apropriar-se de dinheiro ou qualquer utilidade que, no exercício do cargo, recebeu por erro de outrem.
  • 35.  Concussão  Art. 316 - Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos, e multa.  Corrupção passiva  Art. 317 - Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem: Pena - reclusão, de 1 (um) a 8 (oito) anos, e multa.  § 1º - A pena é aumentada de um terço, se, em conseqüência da vantagem ou promessa, o funcionário retarda ou deixa de praticar qualquer ato de ofício ou o pratica infringindo dever funcional.  § 2º - Se o funcionário pratica, deixa de praticar ou retarda ato de ofício, com infração de dever funcional, cedendo a pedido ou influência de outrem: Pena -reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.
  • 36.  Corrupção ativa  Art. 333 - Oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício: Pena - reclusão de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.  Prevaricação  Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal: Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.
  • 37.  Usurpação de função pública  Art. 328 - Usurpar o exercício de função pública: Pena - detenção, de 3 (três) meses a 2 (dois) anos, e multa.  Parágrafo único - Se do fato o agente aufere vantagem: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.  Resistência  Art. 329 - Opor-se à execução de ato legal, mediante violência ou ameaça a funcionário competente para executá-lo ou a quem lhe esteja prestando auxílio: Pena - detenção, de 2 (dois) meses a 2 (dois) anos.  § 1º - Se o ato, em razão da resistência, não se executa: Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos.
  • 38.  Desobediência  Art. 330 - Desobedecer a ordem legal de funcionário público: Pena - detenção, de 15 (quinze) dias a 6 (seis) meses, e multa.  Desacato  Art. 331 - Desacatar funcionário público no exercício da função ou em razão dela: Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, ou multa.
  • 39.  Contrabando ou descaminho  Art. 334 - Importar ou exportar mercadoria proibida ou iludir, no todo ou em parte, o pagamento de direito ou imposto devido pela entrada, pela saída ou pelo consumo de mercadoria: Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos.
  • 40. LEI 9.455 DE 07 DE ABRIL DE 1997 DEFINE O CRIME DE TORTURA  Art. 1º Constitui crime de tortura:  I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental:  Com o fim de obter informação, declaração ou confissão da vítima ou de terceira pessoa;  Para provocar ação ou omissão de natureza criminosa;  Em razão de discriminação racial ou religiosa;
  • 41.  II - submeter alguém, sob sua guarda, poder ou autoridade, com emprego de violência ou grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental, como forma de aplicar castigo pessoal ou medida de caráter preventivo.  Pena - reclusão, de dois a oito anos.
  • 42.  § 1º Na mesma pena incorre quem submete pessoa presa ou sujeita a medida de segurança a sofrimento físico ou mental, por intermédio da prática de ato não previsto em lei ou não resultante de medida legal.  § 2º Aquele que se omite em face dessas condutas, quando tinha o dever de evitá-las ou apurá-las, incorre na pena de detenção de um a quatro anos.
  • 43. § 4º Aumenta-se a pena de um sexto até um terço:  I - se o crime é cometido por agente público;  II – se o crime é cometido contra criança, gestante, portador de deficiência, adolescente ou maior de 60 (sessenta) anos  III - se o crime é cometido mediante seqüestro.
  • 44.  § 5º A condenação acarretará a perda do cargo, função ou emprego público e a interdição para seu exercício pelo dobro do prazo da pena aplicada.  § 6º O crime de tortura é inafiançável e insuscetível de graça ou anistia.  § 7º O condenado por crime previsto nesta Lei, salvo a hipótese do § 2º (OMISSÃO), iniciará o cumprimento da pena em regime fechado.  Art. 2º O disposto nesta Lei aplica-se ainda quando o crime não tenha sido cometido em território nacional, sendo a vítima brasileira ou encontrando-se o agente em local sob jurisdição brasileira.