SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
Filosofia	
  –	
  10º	
  Ano	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  A	
  religião,	
  a	
  razão	
  e	
  a	
  fé:	
  argumentos	
  a	
  favor	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  
	
  


                                                                                                                                                                                                                                                                                          CRÍTICAS	
  AO	
  ARGUMENTO	
  COSMOLÓGICO	
  
                     	
  
                                                                                                       1:	
  Na	
  natureza,	
  todas	
  as	
  coisas	
  têm	
  uma	
  causa	
  e	
  nada	
  se	
  causa	
  a	
  si	
  próprio.	
  
                     	
                                                                                2:	
  Se	
  na	
  natureza	
  as	
  cadeias	
  causais	
  não	
  podem	
  regredir	
  infinitamente,	
  então	
  deve	
  existir	
  uma	
  causa	
  primeira.	
  
                     	
                                                                                	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  3:	
  	
  Essa	
  causa	
  é	
  Deus!	
  
                     	
  
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            	
  

	
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         	
                            PROBLEMAS	
  
1.	
   Por	
   que	
   razão	
   não	
   paramos	
   no	
   2.	
  Que	
  razões	
  temos	
  para	
  achar	
   3.	
  Se	
  um	
  universo	
  requer	
  um	
  deus	
  para	
  
mundo	
   material	
   	
   e	
   não	
   avançamos	
   que	
  a	
  causa	
  primeira	
  é	
  Deus?	
   explicar	
  a	
  sua	
  existência,	
  o	
  que	
  explica	
  a	
  
para	
  mais	
  longe	
  na	
  nossa	
  regressão?	
                                                                         existência	
  do	
  próprio	
  Deus?	
  
	
                                              	
  

     § Podemos	
   desafiar	
   a	
   ideia	
   de	
   que	
   § Alguns	
   críticos	
   consideram	
   § Se	
   tudo	
   tem	
   uma	
   causa,	
   então	
   Deus	
  
        uma	
   série	
   infinita	
   de	
   causas	
   não	
      que,	
   no	
   melhor	
   dos	
   casos,	
   	
   o	
      não	
  se	
  pode	
  causar	
  a	
  si	
  próprio.	
  	
  	
  
        seja	
  possível.	
  	
                                     argumento	
   prova	
   que	
   existe	
  	
   § Podemos	
   pensar	
   que	
   Deus	
   existiu	
  
                                                                    uma	
  causa	
  primeira	
  (que	
  está	
                  desde	
   sempre	
   ou	
   apenas	
   apareceu.	
  
     § Alguns	
              matemáticos	
              têm	
  
        argumentado	
   a	
   favor	
   da	
                        na	
   origem	
   de	
   todas	
   as	
   outras)	
         Mas,	
   é	
   tão	
   implausível	
   pensar	
   que	
  
                                                                    porém,	
   não	
   é	
   possível	
                         Deus	
   sempre	
   existiu	
   ou	
   que	
   tenha	
  
        possibilidade	
   de	
   séries	
   infinitas	
  
                                                                    deduzir	
   das	
   premissas	
   do	
                      simplesmente	
   surgido,	
   como	
   pensar	
  
        de	
  eventos	
  e	
  alguns	
  filósofos	
  tem	
  
                                                                    argumento	
   que	
   essa	
   	
   causa	
                 que	
  também	
  foi	
  assim	
  com	
  o	
  universo.	
  
        aceite	
  o	
  seu	
  raciocínio.	
  	
  
                                                                    seja	
   Deus.	
   (entenda-­‐se	
   a	
  
     § O	
   filósofo	
   David	
   Hume	
   defendia	
            concepção	
  de	
  Deus	
  teísta).	
  	
                § O	
  raciocínio	
  que	
  nos	
  leva	
  a	
  propor	
  um	
  
        que	
  não	
  havia	
  razões	
  para	
  parar	
                                                                        deus	
   como	
   causa	
   do	
   universo	
   deve	
  
        em	
   Deus	
   na	
   regressão	
   infinita	
          § Que	
   certeza	
   podemos	
   ter	
   que,	
              levar-­‐nos	
   a	
   propor	
   um	
   supradeus	
  
                                                                    em	
   vez	
   de	
   Deus,	
   a	
   causa	
               como	
  sendo	
  a	
  causa	
  de	
  Deus.	
  E,	
  claro,	
  
        “Quando	
   ides	
   um	
   passo	
   além	
   do	
  
                                                                    primeira	
   poderia	
   ter	
   sido	
   o	
               o	
   supradeus	
   também	
   precisa	
   de	
   uma	
  
        sistema	
  mundano,	
  apenas	
  excitais	
  
        uma	
   disposição	
   inquisitiva	
   que	
                Diabo	
   (candidato	
   plausível,	
                       causa,	
   o	
   suprasupradeus	
   e	
   assim	
  
                                                                    dada	
  a	
  natureza	
  do	
  universo).	
                 infinitamente.	
  
        será	
  sempre	
  impossível	
  satisfazer.	
  	
  	
  
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
Jorge Barbosa
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Popper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismoPopper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismo
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 
As críticas a kuhn
As críticas a kuhnAs críticas a kuhn
As críticas a kuhn
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 

Destaque (14)

Argumento cosmológico (Aquino)
Argumento cosmológico (Aquino)Argumento cosmológico (Aquino)
Argumento cosmológico (Aquino)
 
Argumento ontológico (Anselmo)
Argumento ontológico (Anselmo)Argumento ontológico (Anselmo)
Argumento ontológico (Anselmo)
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
 
Crítica ao argumento ontológico (Gaunilo)
Crítica ao argumento ontológico (Gaunilo)Crítica ao argumento ontológico (Gaunilo)
Crítica ao argumento ontológico (Gaunilo)
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema.mal
 
3ºteste fil. c
3ºteste fil. c3ºteste fil. c
3ºteste fil. c
 
Fil. 10º 2ºteste a
Fil. 10º 2ºteste aFil. 10º 2ºteste a
Fil. 10º 2ºteste a
 
O relativismo cultural exposição extensa
O relativismo cultural   exposição extensaO relativismo cultural   exposição extensa
O relativismo cultural exposição extensa
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
 
A relatividade cultural
A relatividade culturalA relatividade cultural
A relatividade cultural
 
Esquema. deon.vs.telos
Esquema. deon.vs.telosEsquema. deon.vs.telos
Esquema. deon.vs.telos
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 

Semelhante a Crítica ao Argumento Cosmológico

Apresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deusApresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deus
paulomanesantos
 
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
O nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d dsO nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d ds
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
cdbbb
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Posições acerca da natureza e existência de deus
Posições acerca da natureza e existência de deusPosições acerca da natureza e existência de deus
Posições acerca da natureza e existência de deus
Isabel Moura
 

Semelhante a Crítica ao Argumento Cosmológico (14)

Apresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de DeusApresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de Deus
 
Apresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deusApresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deus
 
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
O nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d dsO nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d ds
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
 
religiao-resumos.pdf
religiao-resumos.pdfreligiao-resumos.pdf
religiao-resumos.pdf
 
Porquê Deus? Uma Causa Inteligente
Porquê Deus? Uma Causa InteligentePorquê Deus? Uma Causa Inteligente
Porquê Deus? Uma Causa Inteligente
 
Argumento do designio
Argumento do designioArgumento do designio
Argumento do designio
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
William.paley
William.paleyWilliam.paley
William.paley
 
Posições acerca da natureza e existência de deus
Posições acerca da natureza e existência de deusPosições acerca da natureza e existência de deus
Posições acerca da natureza e existência de deus
 
Síntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_DeusSíntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_Deus
 
Cosmovisão bíblico cristã
Cosmovisão bíblico cristã Cosmovisão bíblico cristã
Cosmovisão bíblico cristã
 
Percepções, sensações e sofrimento dos espíritos. Verdadeira Pureza: mãos não...
Percepções, sensações e sofrimento dos espíritos. Verdadeira Pureza: mãos não...Percepções, sensações e sofrimento dos espíritos. Verdadeira Pureza: mãos não...
Percepções, sensações e sofrimento dos espíritos. Verdadeira Pureza: mãos não...
 
Existência de Deus - ensaio filosófico
Existência de Deus - ensaio filosóficoExistência de Deus - ensaio filosófico
Existência de Deus - ensaio filosófico
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa

Mais de Universidade Católica Portuguesa (20)

Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"
 
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - CatarinaEnsaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 

Crítica ao Argumento Cosmológico

  • 1. Filosofia  –  10º  Ano                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  A  religião,  a  razão  e  a  fé:  argumentos  a  favor  da  existência  de  Deus     CRÍTICAS  AO  ARGUMENTO  COSMOLÓGICO     1:  Na  natureza,  todas  as  coisas  têm  uma  causa  e  nada  se  causa  a  si  próprio.     2:  Se  na  natureza  as  cadeias  causais  não  podem  regredir  infinitamente,  então  deve  existir  uma  causa  primeira.                  3:    Essa  causa  é  Deus!           PROBLEMAS   1.   Por   que   razão   não   paramos   no   2.  Que  razões  temos  para  achar   3.  Se  um  universo  requer  um  deus  para   mundo   material     e   não   avançamos   que  a  causa  primeira  é  Deus?   explicar  a  sua  existência,  o  que  explica  a   para  mais  longe  na  nossa  regressão?   existência  do  próprio  Deus?       § Podemos   desafiar   a   ideia   de   que   § Alguns   críticos   consideram   § Se   tudo   tem   uma   causa,   então   Deus   uma   série   infinita   de   causas   não   que,   no   melhor   dos   casos,     o   não  se  pode  causar  a  si  próprio.       seja  possível.     argumento   prova   que   existe     § Podemos   pensar   que   Deus   existiu   uma  causa  primeira  (que  está   desde   sempre   ou   apenas   apareceu.   § Alguns   matemáticos   têm   argumentado   a   favor   da   na   origem   de   todas   as   outras)   Mas,   é   tão   implausível   pensar   que   porém,   não   é   possível   Deus   sempre   existiu   ou   que   tenha   possibilidade   de   séries   infinitas   deduzir   das   premissas   do   simplesmente   surgido,   como   pensar   de  eventos  e  alguns  filósofos  tem   argumento   que   essa     causa   que  também  foi  assim  com  o  universo.   aceite  o  seu  raciocínio.     seja   Deus.   (entenda-­‐se   a   § O   filósofo   David   Hume   defendia   concepção  de  Deus  teísta).     § O  raciocínio  que  nos  leva  a  propor  um   que  não  havia  razões  para  parar   deus   como   causa   do   universo   deve   em   Deus   na   regressão   infinita   § Que   certeza   podemos   ter   que,   levar-­‐nos   a   propor   um   supradeus   em   vez   de   Deus,   a   causa   como  sendo  a  causa  de  Deus.  E,  claro,   “Quando   ides   um   passo   além   do   primeira   poderia   ter   sido   o   o   supradeus   também   precisa   de   uma   sistema  mundano,  apenas  excitais   uma   disposição   inquisitiva   que   Diabo   (candidato   plausível,   causa,   o   suprasupradeus   e   assim   dada  a  natureza  do  universo).   infinitamente.   será  sempre  impossível  satisfazer.       Professora  Joana  Inês  Pontes