SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA E. B. 2,3/ S DE MORA




                               FILOSOFIA




                           ENSAIO FILOSÓFICO




      SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE

                  CONSIDERAÇÃO MORAL?




MORA, 22 DE MAIO DE 2009




                                                   A.M.P.


                                                     D.V.


                                                    10ºA
SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO-HUMANOS SÃO DIGNOS DE
                         CONSIDERAÇÃO MORAL?

       Este ensaio discute o problema de saber se os animais não humanos são
dignos de consideração moral. A posição defendida é que os animais não-
humanos são dignos de consideração moral.
       Os animais têm sido utilizados para os mais diversos fins: fonte de
alimentação, testes de vacinas e produtos cosméticos; para experimentação de
hipóteses em diversos campos da investigação científica; para satisfazerem a
curiosidade humana (zoo) e o seu gosto pelo espectáculo. O balanço deste uso
não pode ser motivo de orgulho. Submetendo os animais aos nossos interesses e
supostas necessidades, infligimos-lhes enorme sofrimento e tratamo-los com
desprezo de quem pensa que não passam de coisas ao nosso dispor.
       Na sequência das diferenças entre o ser humano, por este usufruir de
aptidões específicas, e as outra espécies existentes na Terra, desenvolveu-se na
humanidade uma ideia de espécie superior, o especismo, uma atitude que
consiste em, partindo do princípio de que somos animais superiores, julgamos
que os outros animais nada mais são do que objectos ou coisas que estão ao
serviço dos nossos interesses, sofram o que sofrerem com isso.


       Com base no especismo, desenvolveu-se a perspectiva tradicional, que é
defendida por filósofos como Aristóteles, S. Tomás de Aquino e Kant, levando
este último a afirmar que “Os animais não têm consciência de si e existem
apenas como meio para um fim. Esse fim é o homem.”Na perspectiva
tradicional é sustentada a ideia de que só os seres humanos têm direitos morais
e de que nós apenas temos obrigações indirectas para com os animais.
Querendo isto dizer que, se os animais não-humanos têm certas parecenças com
os humanos, não os devemos tratar com crueldade pois isso poderia fazer com
que nós também fossemos tratados de igual forma. Apenas os devemos tratar
de forma cruel, quando isso nos pode trazer benefícios, e não por diversão.
       Esta perspectiva foi refutada com a teoria de Charles Darwin pois,
segundo ele, os humanos partilham a sua ascendência com os primatas e são
também resultado da selecção natural, mecanismo que produz a evolução das
espécies não tendo em vista qualquer finalidade. Desta forma, é falso dizer que
os animais não-humanos existam para nosso benefício.
       Além disso, mesmo que um ser seja criado especificamente para um
determinado fim, não quer dizer que esse fim seja correcto.
Por oposição à perspectiva tradicional, existe a perspectiva utilitarista,
justificada por Bentham e Singer, e a perspectiva dos direitos, argumentada
por Tom Regan. Em ambas as perspectivas é defendido que os animais têm
direitos e que o especismo é um erro.

       Para Bentham, se os animais não têm importância moral porque não
possuem a capacidade de usar uma linguagem ou de pensar, então as crianças
de tenra idade ou as pessoas com deficiências mentais profundas também não
têm essa importância. E a senciência, a capacidade de sofrer e de ter prazer, é
usada como o critério que permite integrar humanos e animais numa mesma
comunidade moral, não atribuindo maior peso aos nossos interesses. Porque,
para Singer, se os animais dotados de sistema nervoso e de cérebro são, tal
como o homem, capazes de experimentar sofrimento, ora, o sofrimento é
igualmente desagradável quer se seja humano ou animal. E, um ser é objecto de
consideração moral se tiver interesses e tem interesses porque pode sofrer.
Razão para levar Singer a dizer que, as nossas dores não contam mais do que as
dos outros animais, por maiores que sejam as nossas capacidades intelectuais e
morais.
       Porém, Singer não considera que matar um rato é tão grave como matar
um ser humano, que não devemos continuar a alimentar-nos de animais e que
não podemos utilizar os animais nas experiências médicas, isto porque isso
poderia ter como consequência um aumento do sofrimento humano. A tese
deste centra-se no problema que é distinguir o mal de fazer sofrer e o mal de
matar. Assim, se matarmos sem dor um animal e abrirmos espaço para que
outro passe a viver, não reduziremos a quantidade global de bem-estar no
mundo. Interessa, sobretudo, assegurar uma vida decente aos animais enquanto
estão vivos e não os fazer sofrer na hora da morte.

       Na perspectiva dos direitos, Regan defende que para além de interesses,
os animais têm direitos e que nós temos o dever moral fundamental de tratar
com respeito todos os sujeitos-de-uma-vida (seres dotados de percepção,
capacidade de sofrer, de emocionar-se, de recordar, etc.). Sendo que tratar
alguém com respeito consiste em não o tratar como meio para um fim, ou seja,
tem valor intrínseco (vale por si só, e não depende dos benefícios que dele
possamos obter) e não instrumental. Os animais não-humanos têm direitos seja
qual for o valor que lhes atribuamos, por isso devem ser respeitados. E, os
animais que têm direito a ser respeitados em virtude de possuírem um valor
intrínseco, são os seres conscientes de si mesmos, capazes de experimentar
prazer e dor, de ter crenças e desejos, de realizar acções intencionais, de ter um
sentido de futuro (quase todos os mamíferos mentalmente normais de um ano
ou mais).
Esta teoria pode objectar-se. Se algumas pessoas de outras culturas só
sobrevivem usando alimentos de origem alimentar na sua dieta e no seu
vestuário, elas iriam deixar-se morrer de fome e frio porque, nunca se pode
matar um animal sujeito de uma vida sejam quais for os benefícios. Seria
também errado contribuir para organizações de combate à pobreza, uma vez
que certamente elas distribuem produtos de origem animal. As organizações de
defesa dos animais teriam de ser condenadas pois muitas vezes alimentam os
animais abandonados com carne e produtos de origem animal. Os animais não
poderiam ser utilizados em investigações médicas, mesmo que isso podesse
trazer grandes benefícios que não poderiam ser alcançados de outra forma.



       O problema tratado neste ensaio foi a questão sobre se os animais não
humanos são ou não dignos de consideração moral. Nós consideramos que eles
são dignos de consideração moral e defendemos a perspectiva utilitarista. Nesta
perspectiva o mais importante é promover o bem estar tanto aos animais como
aos humanos, que é igualmente importante.

       .




       RODRIGUES, Luís; Filosofia 10ºano (volume 2); Plátano editora, Lisboa, Maio
2007

       ALMEIDA, Aires; TEIXEIRA, Célia; MURCHO, Desidério, e outros; “A arte de
pensar” Filosofia 10ºano (volume 2); Plátano editora, Lisboa, Fevereiro, 2008

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
Paulo Gomes
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
Maria Teresa Soveral
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
InesTeixeiraDuarte
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
colegiomb
 
O animal como modelo exprimental
O animal como modelo exprimentalO animal como modelo exprimental
O animal como modelo exprimental
Inês Gaspar
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
Emília Maij
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresSermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Renata Antunes
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Jorge Barbosa
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
Beatriz Cruz
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
InesTeixeiraDuarte
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
Luis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
O animal como modelo exprimental
O animal como modelo exprimentalO animal como modelo exprimental
O animal como modelo exprimental
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresSermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
 

Destaque

Ensaio Filosófico
Ensaio FilosóficoEnsaio Filosófico
Ensaio Filosófico
nanasimao
 
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Rolando Almeida
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
EnsaioEnsaio
Guião ensaio filosófico
Guião ensaio filosóficoGuião ensaio filosófico
Guião ensaio filosófico
Universidade Católica Portuguesa
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
Adriele Leal
 
Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1
Isaque Tomé
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
Isaque Tomé
 

Destaque (8)

Ensaio Filosófico
Ensaio FilosóficoEnsaio Filosófico
Ensaio Filosófico
 
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
 
Guião ensaio filosófico
Guião ensaio filosóficoGuião ensaio filosófico
Guião ensaio filosófico
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
 
Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
 

Semelhante a ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERAÇÃO MORAL?

Bioetica Formatado
Bioetica FormatadoBioetica Formatado
Bioetica Formatado
Thaína Saldanha
 
Dos direitos dos animais - Roberto Brusnicki
Dos direitos dos animais - Roberto BrusnickiDos direitos dos animais - Roberto Brusnicki
Dos direitos dos animais - Roberto Brusnicki
Roberto Brusnicki
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
guestbdb4ab6
 
Direitos dos animais E SEU sofrimento
Direitos dos animais E SEU sofrimentoDireitos dos animais E SEU sofrimento
Direitos dos animais E SEU sofrimento
Francisco Cruz
 
Consciência animal
Consciência animal Consciência animal
Consciência animal
Larissa Averna
 
Especismo e a percepção dos animais coltro
Especismo e a percepção dos animais   coltroEspecismo e a percepção dos animais   coltro
Especismo e a percepção dos animais coltro
Fábio Coltro
 
Direito da igualdade social pdf
Direito da igualdade social pdfDireito da igualdade social pdf
Direito da igualdade social pdf
Diogo Morgado Rebelo
 
guardaresponsavel_1mpmg_.pdf
guardaresponsavel_1mpmg_.pdfguardaresponsavel_1mpmg_.pdf
guardaresponsavel_1mpmg_.pdf
PedroAndreSalles
 
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animalICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
Ricardo Portela
 
Cartilha educar para proteger guarda responsável que bicho é esse
Cartilha educar para proteger  guarda responsável que bicho é esseCartilha educar para proteger  guarda responsável que bicho é esse
Cartilha educar para proteger guarda responsável que bicho é esse
pedagogicosjdelrei
 
Cartilha Pet - Guarda responsável, ensinando o respeito à vida e aos direitos...
Cartilha Pet - Guarda responsável, ensinando o respeito à vida e aos direitos...Cartilha Pet - Guarda responsável, ensinando o respeito à vida e aos direitos...
Cartilha Pet - Guarda responsável, ensinando o respeito à vida e aos direitos...
Celso LS
 
Uso de Animais no ensino da Medicina Humana
Uso de Animais no ensino da Medicina HumanaUso de Animais no ensino da Medicina Humana
Uso de Animais no ensino da Medicina Humana
Urovideo.org
 
Apostila curso ética animal jorneb
Apostila curso ética animal jornebApostila curso ética animal jorneb
Apostila curso ética animal jorneb
Marta Fischer
 
Bioetica uso de animais em experiências
Bioetica uso de animais em experiênciasBioetica uso de animais em experiências
Bioetica uso de animais em experiências
MarcosFilosofia
 
A Vivissecção
A VivissecçãoA Vivissecção
A Vivissecção
Cristina Seiça
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
António Daniel
 
Artigo samantha
Artigo samanthaArtigo samantha
A legislação brasileira e a proteção aos animais artigo jurídico - direito net
A legislação brasileira e a proteção aos animais   artigo jurídico - direito netA legislação brasileira e a proteção aos animais   artigo jurídico - direito net
A legislação brasileira e a proteção aos animais artigo jurídico - direito net
Socó Erinaldo
 
Bem estar animal
Bem estar animalBem estar animal
Bem estar animal
Ana Costa
 
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismoFELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
Luciano Florit
 

Semelhante a ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERAÇÃO MORAL? (20)

Bioetica Formatado
Bioetica FormatadoBioetica Formatado
Bioetica Formatado
 
Dos direitos dos animais - Roberto Brusnicki
Dos direitos dos animais - Roberto BrusnickiDos direitos dos animais - Roberto Brusnicki
Dos direitos dos animais - Roberto Brusnicki
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Direitos dos animais E SEU sofrimento
Direitos dos animais E SEU sofrimentoDireitos dos animais E SEU sofrimento
Direitos dos animais E SEU sofrimento
 
Consciência animal
Consciência animal Consciência animal
Consciência animal
 
Especismo e a percepção dos animais coltro
Especismo e a percepção dos animais   coltroEspecismo e a percepção dos animais   coltro
Especismo e a percepção dos animais coltro
 
Direito da igualdade social pdf
Direito da igualdade social pdfDireito da igualdade social pdf
Direito da igualdade social pdf
 
guardaresponsavel_1mpmg_.pdf
guardaresponsavel_1mpmg_.pdfguardaresponsavel_1mpmg_.pdf
guardaresponsavel_1mpmg_.pdf
 
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animalICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
 
Cartilha educar para proteger guarda responsável que bicho é esse
Cartilha educar para proteger  guarda responsável que bicho é esseCartilha educar para proteger  guarda responsável que bicho é esse
Cartilha educar para proteger guarda responsável que bicho é esse
 
Cartilha Pet - Guarda responsável, ensinando o respeito à vida e aos direitos...
Cartilha Pet - Guarda responsável, ensinando o respeito à vida e aos direitos...Cartilha Pet - Guarda responsável, ensinando o respeito à vida e aos direitos...
Cartilha Pet - Guarda responsável, ensinando o respeito à vida e aos direitos...
 
Uso de Animais no ensino da Medicina Humana
Uso de Animais no ensino da Medicina HumanaUso de Animais no ensino da Medicina Humana
Uso de Animais no ensino da Medicina Humana
 
Apostila curso ética animal jorneb
Apostila curso ética animal jornebApostila curso ética animal jorneb
Apostila curso ética animal jorneb
 
Bioetica uso de animais em experiências
Bioetica uso de animais em experiênciasBioetica uso de animais em experiências
Bioetica uso de animais em experiências
 
A Vivissecção
A VivissecçãoA Vivissecção
A Vivissecção
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Artigo samantha
Artigo samanthaArtigo samantha
Artigo samantha
 
A legislação brasileira e a proteção aos animais artigo jurídico - direito net
A legislação brasileira e a proteção aos animais   artigo jurídico - direito netA legislação brasileira e a proteção aos animais   artigo jurídico - direito net
A legislação brasileira e a proteção aos animais artigo jurídico - direito net
 
Bem estar animal
Bem estar animalBem estar animal
Bem estar animal
 
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismoFELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
 

Mais de AMLDRP

Patagónia
PatagóniaPatagónia
Patagónia
AMLDRP
 
filosofia - A morte é...
filosofia - A morte é... filosofia - A morte é...
filosofia - A morte é...
AMLDRP
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
AMLDRP
 
Folheto filosofia - direitos dos animais
Folheto filosofia - direitos dos animaisFolheto filosofia - direitos dos animais
Folheto filosofia - direitos dos animais
AMLDRP
 
Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia
AMLDRP
 
Ficha de leitura - brida
Ficha de leitura - bridaFicha de leitura - brida
Ficha de leitura - brida
AMLDRP
 
Ficha de leitura - o natal de poirot
Ficha de leitura - o natal de poirotFicha de leitura - o natal de poirot
Ficha de leitura - o natal de poirot
AMLDRP
 
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brownFicha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
AMLDRP
 
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santosFicha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
AMLDRP
 
Reflexao critica - baraka
Reflexao critica -  barakaReflexao critica -  baraka
Reflexao critica - baraka
AMLDRP
 
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assisrecensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
AMLDRP
 
Ficha de leitura - anjos e demónios
Ficha de leitura -  anjos e demóniosFicha de leitura -  anjos e demónios
Ficha de leitura - anjos e demónios
AMLDRP
 
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
AMLDRP
 
a espécie humana
a espécie humanaa espécie humana
a espécie humana
AMLDRP
 
daphniasemmora
 daphniasemmora daphniasemmora
daphniasemmora
AMLDRP
 
Vós jovens sois a esperança do futuro corrigido texto orientado
Vós jovens sois a esperança do futuro  corrigido texto orientadoVós jovens sois a esperança do futuro  corrigido texto orientado
Vós jovens sois a esperança do futuro corrigido texto orientado
AMLDRP
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
AMLDRP
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
AMLDRP
 
Campo magnético terrestre
Campo magnético terrestreCampo magnético terrestre
Campo magnético terrestre
AMLDRP
 
Nevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaNevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando Pessoa
AMLDRP
 

Mais de AMLDRP (20)

Patagónia
PatagóniaPatagónia
Patagónia
 
filosofia - A morte é...
filosofia - A morte é... filosofia - A morte é...
filosofia - A morte é...
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
 
Folheto filosofia - direitos dos animais
Folheto filosofia - direitos dos animaisFolheto filosofia - direitos dos animais
Folheto filosofia - direitos dos animais
 
Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia
 
Ficha de leitura - brida
Ficha de leitura - bridaFicha de leitura - brida
Ficha de leitura - brida
 
Ficha de leitura - o natal de poirot
Ficha de leitura - o natal de poirotFicha de leitura - o natal de poirot
Ficha de leitura - o natal de poirot
 
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brownFicha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
 
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santosFicha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
 
Reflexao critica - baraka
Reflexao critica -  barakaReflexao critica -  baraka
Reflexao critica - baraka
 
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assisrecensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
recensao critica (portugues) - a igreja do diabo, machado de assis
 
Ficha de leitura - anjos e demónios
Ficha de leitura -  anjos e demóniosFicha de leitura -  anjos e demónios
Ficha de leitura - anjos e demónios
 
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
Ficha de leitura - as valquírias, paulo coelho
 
a espécie humana
a espécie humanaa espécie humana
a espécie humana
 
daphniasemmora
 daphniasemmora daphniasemmora
daphniasemmora
 
Vós jovens sois a esperança do futuro corrigido texto orientado
Vós jovens sois a esperança do futuro  corrigido texto orientadoVós jovens sois a esperança do futuro  corrigido texto orientado
Vós jovens sois a esperança do futuro corrigido texto orientado
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
 
Campo magnético terrestre
Campo magnético terrestreCampo magnético terrestre
Campo magnético terrestre
 
Nevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaNevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando Pessoa
 

Último

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 

Último (20)

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 

ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERAÇÃO MORAL?

  • 1. ESCOLA E. B. 2,3/ S DE MORA FILOSOFIA ENSAIO FILOSÓFICO SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERAÇÃO MORAL? MORA, 22 DE MAIO DE 2009 A.M.P. D.V. 10ºA
  • 2. SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO-HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERAÇÃO MORAL? Este ensaio discute o problema de saber se os animais não humanos são dignos de consideração moral. A posição defendida é que os animais não- humanos são dignos de consideração moral. Os animais têm sido utilizados para os mais diversos fins: fonte de alimentação, testes de vacinas e produtos cosméticos; para experimentação de hipóteses em diversos campos da investigação científica; para satisfazerem a curiosidade humana (zoo) e o seu gosto pelo espectáculo. O balanço deste uso não pode ser motivo de orgulho. Submetendo os animais aos nossos interesses e supostas necessidades, infligimos-lhes enorme sofrimento e tratamo-los com desprezo de quem pensa que não passam de coisas ao nosso dispor. Na sequência das diferenças entre o ser humano, por este usufruir de aptidões específicas, e as outra espécies existentes na Terra, desenvolveu-se na humanidade uma ideia de espécie superior, o especismo, uma atitude que consiste em, partindo do princípio de que somos animais superiores, julgamos que os outros animais nada mais são do que objectos ou coisas que estão ao serviço dos nossos interesses, sofram o que sofrerem com isso. Com base no especismo, desenvolveu-se a perspectiva tradicional, que é defendida por filósofos como Aristóteles, S. Tomás de Aquino e Kant, levando este último a afirmar que “Os animais não têm consciência de si e existem apenas como meio para um fim. Esse fim é o homem.”Na perspectiva tradicional é sustentada a ideia de que só os seres humanos têm direitos morais e de que nós apenas temos obrigações indirectas para com os animais. Querendo isto dizer que, se os animais não-humanos têm certas parecenças com os humanos, não os devemos tratar com crueldade pois isso poderia fazer com que nós também fossemos tratados de igual forma. Apenas os devemos tratar de forma cruel, quando isso nos pode trazer benefícios, e não por diversão. Esta perspectiva foi refutada com a teoria de Charles Darwin pois, segundo ele, os humanos partilham a sua ascendência com os primatas e são também resultado da selecção natural, mecanismo que produz a evolução das espécies não tendo em vista qualquer finalidade. Desta forma, é falso dizer que os animais não-humanos existam para nosso benefício. Além disso, mesmo que um ser seja criado especificamente para um determinado fim, não quer dizer que esse fim seja correcto.
  • 3. Por oposição à perspectiva tradicional, existe a perspectiva utilitarista, justificada por Bentham e Singer, e a perspectiva dos direitos, argumentada por Tom Regan. Em ambas as perspectivas é defendido que os animais têm direitos e que o especismo é um erro. Para Bentham, se os animais não têm importância moral porque não possuem a capacidade de usar uma linguagem ou de pensar, então as crianças de tenra idade ou as pessoas com deficiências mentais profundas também não têm essa importância. E a senciência, a capacidade de sofrer e de ter prazer, é usada como o critério que permite integrar humanos e animais numa mesma comunidade moral, não atribuindo maior peso aos nossos interesses. Porque, para Singer, se os animais dotados de sistema nervoso e de cérebro são, tal como o homem, capazes de experimentar sofrimento, ora, o sofrimento é igualmente desagradável quer se seja humano ou animal. E, um ser é objecto de consideração moral se tiver interesses e tem interesses porque pode sofrer. Razão para levar Singer a dizer que, as nossas dores não contam mais do que as dos outros animais, por maiores que sejam as nossas capacidades intelectuais e morais. Porém, Singer não considera que matar um rato é tão grave como matar um ser humano, que não devemos continuar a alimentar-nos de animais e que não podemos utilizar os animais nas experiências médicas, isto porque isso poderia ter como consequência um aumento do sofrimento humano. A tese deste centra-se no problema que é distinguir o mal de fazer sofrer e o mal de matar. Assim, se matarmos sem dor um animal e abrirmos espaço para que outro passe a viver, não reduziremos a quantidade global de bem-estar no mundo. Interessa, sobretudo, assegurar uma vida decente aos animais enquanto estão vivos e não os fazer sofrer na hora da morte. Na perspectiva dos direitos, Regan defende que para além de interesses, os animais têm direitos e que nós temos o dever moral fundamental de tratar com respeito todos os sujeitos-de-uma-vida (seres dotados de percepção, capacidade de sofrer, de emocionar-se, de recordar, etc.). Sendo que tratar alguém com respeito consiste em não o tratar como meio para um fim, ou seja, tem valor intrínseco (vale por si só, e não depende dos benefícios que dele possamos obter) e não instrumental. Os animais não-humanos têm direitos seja qual for o valor que lhes atribuamos, por isso devem ser respeitados. E, os animais que têm direito a ser respeitados em virtude de possuírem um valor intrínseco, são os seres conscientes de si mesmos, capazes de experimentar prazer e dor, de ter crenças e desejos, de realizar acções intencionais, de ter um sentido de futuro (quase todos os mamíferos mentalmente normais de um ano ou mais).
  • 4. Esta teoria pode objectar-se. Se algumas pessoas de outras culturas só sobrevivem usando alimentos de origem alimentar na sua dieta e no seu vestuário, elas iriam deixar-se morrer de fome e frio porque, nunca se pode matar um animal sujeito de uma vida sejam quais for os benefícios. Seria também errado contribuir para organizações de combate à pobreza, uma vez que certamente elas distribuem produtos de origem animal. As organizações de defesa dos animais teriam de ser condenadas pois muitas vezes alimentam os animais abandonados com carne e produtos de origem animal. Os animais não poderiam ser utilizados em investigações médicas, mesmo que isso podesse trazer grandes benefícios que não poderiam ser alcançados de outra forma. O problema tratado neste ensaio foi a questão sobre se os animais não humanos são ou não dignos de consideração moral. Nós consideramos que eles são dignos de consideração moral e defendemos a perspectiva utilitarista. Nesta perspectiva o mais importante é promover o bem estar tanto aos animais como aos humanos, que é igualmente importante. . RODRIGUES, Luís; Filosofia 10ºano (volume 2); Plátano editora, Lisboa, Maio 2007 ALMEIDA, Aires; TEIXEIRA, Célia; MURCHO, Desidério, e outros; “A arte de pensar” Filosofia 10ºano (volume 2); Plátano editora, Lisboa, Fevereiro, 2008