SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Hope

Porquê Deus...?

Hurting

For The

Uma Causa Inteligente

A Study in 1 Peter
enciais da Apologética
Os Ess
www.confidentchristians.org
Introdução

Reconhecemos Inteligência quando a vemos?

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Algo causado pelo Vento e Chuva Num Espaço de Tempo?

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Algo Derivado de Água e Erosão?

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Meras Linhas Formadas por Processos Naturais numa Caverna?

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Reconhecemos Instintivamente Marcas de Inteligência

•

•

Nenhuma pessoa sensata concluiria que o Monte Rushmore, a ponta de
uma seta ou as pinturas numa caverna aconteceram apenas através de
meios naturais.
Nós sabemos como diferenciar uma causa inteligente de uma causa
natural.
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Como é Que Identificamos Inteligência?

•

•

•

O princípio central na ciência forense
é o Principio da Uniformidade.
Uniformidade
Esse princípio declara que causas e
efeitos no passado são como causas
e efeitos observados hoje.
Pelo Princípio da Uniformidade,
assumimos que um efeito inteligente
é o resultado de uma causa
inteligente.

Legenda: Futuro, Passado, Presente
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Como é Que Identificamos Inteligência?
Todos os agentes atuam com um
propósito, até os agentes naturais.
•
O que atua com propósito
manifesta inteligência.
•
Mas agentes naturais não
possuem inteligência própria.
•
Portanto, eles são direccionados
para o seu propósito por algo
inteligente.
Tomás de Aquino
•

Famoso Teólogo Católico

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
A Diferença Entre Agentes Naturais e Inteligentes

•

•

•

•

A primeira premissa de Aquino é tão simplesmente o óbvio princípio da
finalidade.
finalidade
A segunda premissa declara que todas as coisas atuam com uma
finalidade.
A terceira premissa diz que o que não possui inteligência tem de ser
guiado por inteligência como uma seta o é até ao seu alvo.
A conclusão é que todas as coisas são guiadas por alguma inteligência.
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Identificar Inteligência no Nível Correto

•

•
•

Uma linha de montagem totalmente robótica deixa de ser o resultado de
inteligência só porque nenhum humano está presente?
Não, a inteligência apenas está um passo ao lado.
O mesmo pode ser dito das muitas micro-máquinas biológicas presentes na
vida

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Evitar o Falso Dilema

•
•

•

•

Ateus apresentam frequentemente o falso dilema de (1)Ciência ou (2)Deus.
Isso é o mesmo que perguntar: porquê e como é que a fábrica de carros
robótica existe? (1) Leis da física, engenharia e o acaso, ou (2) Um
projetista?
Toda a gente percebe a falácia numa pergunta assim. Há uma diferença de
nível onde a inteligência é introduzida.
Existe igualmente uma diferença entre agência (projetista) e mecanismo
(várias leis científicas e métodos).

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
O Argumento do Design
Um olhar ao Argumento Teleológico para a existência de Deus

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
O Argumento Teleológico da Existência de Deus

O argumento teleológico (telos,da palavra Grega “objetivo”, “intenção”,
“propósito”) da existência de Deus diz que o universo e a humanidade
exibem marcos de inteligência e design.
•
•
•

Por detrás de todo o design complexo existe um designer/projetista
O Universo tem um design complexo.
Portanto, o Universo tem um designer/projetista.
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Pergunta-Chave a Ser Respondida

O Universo e a Vida exibem sinais de design?
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Os Ateus Respondem, “Sim, mas...”
“Os objetos vivos... parecem
desenhados, eles dão a
impressionante aparência
de terem sido projetados.
Biologia é o estudo de
coisas complicadas que dão
a impressão de terem sido
projetadas para um
propósito.”
– Richard Dawkins
Biólogo

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
“Parece-me que Richard Dawkins
negligencia de forma constante o facto de
que o próprio Darwin, no 14º capítulo do
seu livro A Origem das Espécies, indica
que toda a sua argumentação iniciou num
ser que já possuía poderes reprodutivos.
É sobre esta criatura que uma
verdadeiramente abrangente teoria da
evolução tem de providenciar explicação
para a evolução. O próprio Darwin estava
bem ciente que não havia dado essa
explicação. Parece-me que agora, após
mais de 50 anos de investigação do DNA,
as descobertas feitas providenciam matéria
para um enorme e poderoso argumento em
favor do design.”
-

Anthony Flew

Ex-proponente do ateísmo
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Os Ateus Respondem, “Sim, mas...”

“Os biólogos devem ter
constantemente em mente
que o que vêm não foi
projetado, mas ao invés,
evoluiu”
– Francis Crick
Co-Descobridor do DNA

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
“Os biólogos Darwinistas
devem repetir
constantemente esse aviso
para eles mesmo porque
doutra forma podem tornarse conscientes da realidade
que está a olhar para eles
nos olhos e a tentar chamar
a sua atenção.”
– Phillip Johnson

Professor de Direito, Universidade de Berkley

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Duas Peças-Chave Nas Evidências Para o Designer Inteligente

1.

2.

O Argumento do Fine Tuning (Afinação Precisa), ou Princípio
Antrópico.
Complexidade Especificada.
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
O Argumento da Afinação Precisa (Fine Tuning)

•

Também chamado “Efeito Caracóis Dourados”* ou “Design Antecipatório”.
*- da história infantil “Os 3 Ursinhos"

•

•

•

Propõe que as constantes e quantidades fundamentais da natureza que
tornam a existência da vida possível no nosso universo, são um conjunto
de valores extraordinariamente restritos.
Afirma que se estas constantes e quantidades fossem alteradas na
amplitude de um fio de cabelo, esse delicado equilíbrio seria anulado e a
vida não poderia existir.
Defende que a proposta naturalista de tempo + matéria + acaso é
insuficiente para explicar as condições que existem e suportam a vida.
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Alguns Exemplos da Afinação Precisa

•

•

•

•

•

A atmosfera é composta por 21% de oxigénio. Se fosse 25%, fogos irromperiam por toda
a parte e se fosse de 15% os seres humanos sufucariam.
Se a gravidade fosse alterada em
0.00000000000000000000000000000000000000001% o Sol não existiria e a lua iria
colidir com a terra.
Se a força centrifuga dos movimentos planetários não balanceassem de forma precisa
as forças gravitacionais, nada poderia ser mantido em órbita do Sol.
Se o universo se expandisse a uma velocidade um milionésimo (0,000001) mais lenta do
que se expande, a temperatura na Terra seria de milhares de graus centígrados
Se Júpiter não estivesse exatamente onde está, a Terra seria bombardeada por material
vindo do espaço que colocaria a vida no planeta em risco.

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Alguns Exemplos da Afinação Precisa

•

•

•

Se a crosta terrestre fosse mais grossa, demasiado oxigénio seria transferido para a
crosta para que pudesse permitir a vida, e se fosse mais fina, a atividade vulcânica e
tectónica tornariam impossível a existência da vida.
O eixo da terra é definido com tanta precisão que se fosse alterado ainda que levemente,
a temperatura da superfície da Terra seria insuportavelmente elevada.
Se os níveis de vapor de água na atmosfera fossem maiores do que são agora, um efeito
de estufa descontrolado faria com que as temperaturas subissem muito alto no planeta a vida extinguir-se-ia. Se eles fossem menores, um efeito estufa insuficiente tornaria a
Terra muito fria para suportar a vida.
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Quais as Hipóteses?

•

•

•

O astrofísico Hugh Ross calculou que a hipótese de todas as constantes e
quantidades antrópicas (122 descobertas até ao momento) estarem
alinhadas no seu lugar meramente por sorte para qualquer planeta do
universo, seria uma em 10 seguido de 138 zeros.
zeros
Este número torna-se ainda mais incrível quando percebemos que em
todo o universo apenas existem 10 seguido de 70 zeros átomos.
Matemáticos indicam que tudo o que excede a potência de 50 (10 seguido
de 50 zeros) é exatamente o mesmo que não existir qualquer hipótese de
que esse evento aconteça.

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Explicações Possíveis para a Afinação Precisa?
Necessidade Física – não é
possível uma vez que as constantes
cosmológicas existem fora do
ambiente. As constantes e
quantidades poderiam ser
diferentes, pois elas não têm que
ser o que são.
Acaso – ultrapassa qualquer
possibilidade matemática. Quanto
ao multiverso, não existem dados
empíricos para confirmar a sua
existência.
Designer Inteligente – melhor
resposta como apelo à melhor
explicação. Só descartada pelos
ateus por causa da visão de um
mundo anti-sobrenatural.

Legenda: Explicação – Eu exijo uma

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
“A configuração inicial do universo
'parece ter sido' escolhida muito
cuidadosamente.”
– Stephen Hawking
Físico Famoso

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
“Na ausência de um acidente
absurdamente improvável, as
observações da ciência
moderna parecem sugerir um
subjacente, pode-se dizer,
plano sobrenatural.”
sobrenatural
– Arno Penzias
Cientista laureado com o Nobel

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
O Argumento da Complexidade Especificada

•

•

Argumenta que a natureza e a vida (por exemplo, os seres humanos)
contêm a marca de uma causa inteligente, com evidências como o DNA,
que carrega em si mesmo as marcas de um Designer.
Propõe que a vida é codifica com informação que demonstra uma causa
inteligente.
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
A Presença de Informação na Vida

•

•

•

Ateus como o Darwinista Richard Dawkins admitem que a mensagem que
encontramos, considerando apenas o núcleo da célula de uma ameba
(organismo microscópico unicelular), é mais extensa do que todos os
trinta volumes da Enciclopédia Britânica.
Uma ameba tem tanta informação em todo o seu DNA como 1000
conjuntos completos da Enciclopédia Britânica.
O importante a reter é que a composição destas entidades não é
aleatória, mas a informação neles contida é altamente organizada

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Um Ateu Fala Sobre Vida e Informação
“O que está no coração de todos os
seres vivos não é um fogo, uma
respiração quente, nem uma
"centelha de vida". É informação,
palavras, instruções... Pense num
bilião de caracteres digitais
discretos... Se você quiser
entender a vida, pense em
Tecnologia de Informação.”
– Richard Dawkins

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
A Diferença entre Dados e Informação

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
"Pergunte a qualquer pessoa
de que é feito o mundo físico, e
provavelmente irá ouvir
“matéria e energia”. No entanto,
se alguma coisa aprendemos
da engenharia, biologia e física,
é que a informação é um
ingrediente igualmente crucial."
– Revista Scientific American

Julho 2003

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
“Se estivermos a tentar explicar um
evento no passado remoto, devemos
confiar no nosso conhecimento da
estrutura de causa-efeito do mundo e
devemos procurar uma causa que tenha
a capacidade ou o poder de produzir o
efeito em questão... O mentor de Darwin,
Charles Lyell... escreveu desta maneira:
"Ao investigar o passado, devemos estar
à procura de causas agora em operação".
Agora, em relação à informação e
inteligência: Qual é a causa da
informação digital agora em operação?
Essa causa é a inteligência. Usando o
próprio princípio do raciocínio de Darwin,
podemos usar uma inferência para a
melhor explicação: a inteligência produz
informação".- Stephen Meyer
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
O DNA Assemelha-se à Programação de Software
“Numa primeira abordagem, pode-se,
portanto, pensar no DNA como um script
de instrução, um programa de software,
sentado no núcleo da célula. A sua
linguagem de codificação tem apenas
quatro letras (ou dois bits, em termos de
computador). Uma instrução particular
conhecida como um gene, é constituído
por centenas ou milhares de letras de
código.”
- Francis Collins
Diretor do Projeto Genoma Humano
de mapeamento do DNA
Legenda:
Capa do Livro “A Linguagem de Deus – Um
cientista apresenta evidências de que Ele
existe” de Francis S. Collins
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
“É importante entender que não
estamos a raciocinar por
analogia [com o DNA]. A
hipótese de sequência aplicase diretamente à proteína da
mesma forma que o texto
genético se aplica à linguagem
escrita e, consequentemente, o
tratamento é matematicamente
idêntico.”
– Herbert Yockey
Biólogo não-crente

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
O DNA Carrega as Marcas de uma Causa Inteligente
O DNA é matematicamente idêntico
a uma linguagem.
•
Que linguagem alguma vez surgiu
sem uma causa inteligente?
•
“As investigações de diversos
organismos, desde bactérias a
humanos, revelaram que este 'código
genético', pelo qual a informação em
DNA e RNA é traduzido em proteína,
é universal em todos os organismos
conhecidos. Não foi permitida
nenhuma Torre de Babel na
linguagem da vida... Quão
profundamente gratificante é a
elegância digital do DNA!”
– Francis Collins
•

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
“Se a ciência se baseia na experiência,
então ela diz-nos que a mensagem
codificada no DNA deve-se ter
originado a partir de uma causa
inteligente. Que tipo de agente
inteligente era? Por si só, a ciência
não pode responder a essa
pergunta, que deve deixar para a
religião e a filosofia. Mas isso não
deve impedir que a ciência
reconheça as evidências para a
origem de uma causa inteligente,
onde quer que elas possam existir.”
Dean Kenyon
Professor Emérito de Biologia,
San Francisco State University
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Conclusões
Pensamentos Finais

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
“Não é admirável que os nossos
arqueólogos infiram imediatamente
uma origem inteligente quando
confrontados com uns simples riscos
[numa parede] enquanto que alguns
cientistas, quando se deparam com 3,5
mil milhões de letras da sequência do
genoma humano, informam-nos que
esse fenómeno é explicável
meramente pelo acaso e pela
necessidade?”
- John Lennox

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Desenho ou Acaso?

Um é Projetado
O outro é o Acaso?

Janela Circular, Catedral de York
Vista ao Longo do Eixo da Dupla
Hélice do DNA
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
“Eu acho que as origens das
leis da natureza e da vida e
do Universo apontam
claramente para uma fonte
inteligente. O ónus da prova
recai sobre aqueles que
argumentam em contrário.”
Anthony Flew
Ex-proponente do ateísmo

The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Para Mais Informação / Apresentações

www.powerpointapologist.org
www.confidentchristians.org
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Para Mais Recursos de Apologética

www.apologetics315.com
The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
Hope

Porquê Deus...?

Hurting

For The

Uma Causa Inteligente

A Study in 1 Peter
enciais da Apologética
Os Ess
www.confidentchristians.org

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoMódulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoBernardo Motta
 
Amit goswami prova da existncia de deus pela fsica qunticaentrevista
Amit goswami   prova da existncia de deus pela fsica qunticaentrevistaAmit goswami   prova da existncia de deus pela fsica qunticaentrevista
Amit goswami prova da existncia de deus pela fsica qunticaentrevistaClaudio Pereira
 
O que é criacionismo e seus pilares fundamentais
O que é criacionismo e seus pilares fundamentaisO que é criacionismo e seus pilares fundamentais
O que é criacionismo e seus pilares fundamentaisDerek Kempa
 
Criacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismoCriacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismoOlavo Neto
 
O que é Deus? 1a parte
O que é Deus?  1a parteO que é Deus?  1a parte
O que é Deus? 1a partegrupodepaisceb
 
Deus - a força maior que nos move...
Deus - a força maior que nos move...Deus - a força maior que nos move...
Deus - a força maior que nos move...edmartino
 
Módulo XI - Milagres e Ciência
Módulo XI - Milagres e CiênciaMódulo XI - Milagres e Ciência
Módulo XI - Milagres e CiênciaBernardo Motta
 
Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)Alice Lirio
 
O Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nósO Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nósRicardo Azevedo
 
Fé e ciência cosmogonia
Fé e ciência   cosmogoniaFé e ciência   cosmogonia
Fé e ciência cosmogoniaLeialdo Pulz
 
Posições acerca da natureza e existência de deus
Posições acerca da natureza e existência de deusPosições acerca da natureza e existência de deus
Posições acerca da natureza e existência de deusIsabel Moura
 
A Ponte Entre A CiêNcia E A ReligiãO
A Ponte Entre A CiêNcia E A ReligiãOA Ponte Entre A CiêNcia E A ReligiãO
A Ponte Entre A CiêNcia E A ReligiãOdianaesnero
 
Apostila teologia-sistematica-antropologia
Apostila teologia-sistematica-antropologiaApostila teologia-sistematica-antropologia
Apostila teologia-sistematica-antropologiaMagaly Costa
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geralDalila Melo
 

Mais procurados (19)

Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoMódulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
 
Amit goswami prova da existncia de deus pela fsica qunticaentrevista
Amit goswami   prova da existncia de deus pela fsica qunticaentrevistaAmit goswami   prova da existncia de deus pela fsica qunticaentrevista
Amit goswami prova da existncia de deus pela fsica qunticaentrevista
 
O que é criacionismo e seus pilares fundamentais
O que é criacionismo e seus pilares fundamentaisO que é criacionismo e seus pilares fundamentais
O que é criacionismo e seus pilares fundamentais
 
Criacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismoCriacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismo
 
O que é Deus? 1a parte
O que é Deus?  1a parteO que é Deus?  1a parte
O que é Deus? 1a parte
 
Deus - a força maior que nos move...
Deus - a força maior que nos move...Deus - a força maior que nos move...
Deus - a força maior que nos move...
 
Módulo XI - Milagres e Ciência
Módulo XI - Milagres e CiênciaMódulo XI - Milagres e Ciência
Módulo XI - Milagres e Ciência
 
O que é Deus?
O que é Deus?O que é Deus?
O que é Deus?
 
A ponte entre a ciência e a religião
A ponte entre a ciência e a religiãoA ponte entre a ciência e a religião
A ponte entre a ciência e a religião
 
Crítica ao Argumento Cosmológico
Crítica ao Argumento CosmológicoCrítica ao Argumento Cosmológico
Crítica ao Argumento Cosmológico
 
Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)
 
O Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nósO Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nós
 
A criação
A criaçãoA criação
A criação
 
Fé e ciência cosmogonia
Fé e ciência   cosmogoniaFé e ciência   cosmogonia
Fé e ciência cosmogonia
 
Posições acerca da natureza e existência de deus
Posições acerca da natureza e existência de deusPosições acerca da natureza e existência de deus
Posições acerca da natureza e existência de deus
 
A Ponte Entre A CiêNcia E A ReligiãO
A Ponte Entre A CiêNcia E A ReligiãOA Ponte Entre A CiêNcia E A ReligiãO
A Ponte Entre A CiêNcia E A ReligiãO
 
Apostila teologia-sistematica-antropologia
Apostila teologia-sistematica-antropologiaApostila teologia-sistematica-antropologia
Apostila teologia-sistematica-antropologia
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geral
 
A existência de deus
A existência de deusA existência de deus
A existência de deus
 

Destaque (12)

Placa mãe
Placa mãePlaca mãe
Placa mãe
 
Porquê o Cristianismo? Num Mundo Perverso
Porquê o Cristianismo? Num Mundo PerversoPorquê o Cristianismo? Num Mundo Perverso
Porquê o Cristianismo? Num Mundo Perverso
 
A Bíblia e a Ciência
A Bíblia e a CiênciaA Bíblia e a Ciência
A Bíblia e a Ciência
 
Por que creio na Bíblia
Por que creio na BíbliaPor que creio na Bíblia
Por que creio na Bíblia
 
Aula sobre Placa-mãe
Aula sobre Placa-mãeAula sobre Placa-mãe
Aula sobre Placa-mãe
 
A CIENCIA E A FÉ
A CIENCIA E A FÉA CIENCIA E A FÉ
A CIENCIA E A FÉ
 
A Bíblia e a Ciência Moderna
A Bíblia e a Ciência ModernaA Bíblia e a Ciência Moderna
A Bíblia e a Ciência Moderna
 
Religião x ciência
Religião x ciênciaReligião x ciência
Religião x ciência
 
Terra: Evidências da Criação
Terra: Evidências da CriaçãoTerra: Evidências da Criação
Terra: Evidências da Criação
 
Biologia 11 argumentos de evolução
Biologia 11   argumentos de evoluçãoBiologia 11   argumentos de evolução
Biologia 11 argumentos de evolução
 
Design Inteligente - portifolio
Design Inteligente - portifolioDesign Inteligente - portifolio
Design Inteligente - portifolio
 
8. ciencia e fe 1
8. ciencia e fe 18. ciencia e fe 1
8. ciencia e fe 1
 

Semelhante a Porquê Deus? Uma Causa Inteligente

Deus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptxDeus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptxHenrique Vieira
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoMarta Gomes
 
Capitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do UniversoCapitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do UniversoMarta Gomes
 
Ciência versus religião: uma discução inútil
Ciência versus religião: uma discução inútilCiência versus religião: uma discução inútil
Ciência versus religião: uma discução inútilArgos Arruda Pinto
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioGuto Ovsky
 
A improbabilidade de deus richard dawkins
A improbabilidade de deus   richard dawkinsA improbabilidade de deus   richard dawkins
A improbabilidade de deus richard dawkinsWallace Roque
 
Criacionismo ou Acaso?
Criacionismo ou Acaso?Criacionismo ou Acaso?
Criacionismo ou Acaso?Elder Moraes
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxMarta Gomes
 
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno Éder Tomé
 
A improbabilidade de deus richard dawkins
A improbabilidade de deus   richard dawkinsA improbabilidade de deus   richard dawkins
A improbabilidade de deus richard dawkinsMarcos Florentino Alves
 
Questionar é evoluir
Questionar é evoluirQuestionar é evoluir
Questionar é evoluirThiago Silva
 
Evolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x CriacionismoEvolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x CriacionismoRafael
 
15 questões para evolucionistas
15 questões para evolucionistas15 questões para evolucionistas
15 questões para evolucionistasDennis Edwards
 
Síntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_DeusSíntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_DeusIsabel Moura
 
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4Marcelo Knobel
 

Semelhante a Porquê Deus? Uma Causa Inteligente (20)

Deus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptxDeus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptx
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
A CRIAÇÃO
A CRIAÇÃOA CRIAÇÃO
A CRIAÇÃO
 
A CRIAÇÃO
A CRIAÇÃOA CRIAÇÃO
A CRIAÇÃO
 
Capitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do UniversoCapitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do Universo
 
Ciência versus religião: uma discução inútil
Ciência versus religião: uma discução inútilCiência versus religião: uma discução inútil
Ciência versus religião: uma discução inútil
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
 
A improbabilidade de deus richard dawkins
A improbabilidade de deus   richard dawkinsA improbabilidade de deus   richard dawkins
A improbabilidade de deus richard dawkins
 
Criacionismo ou Acaso?
Criacionismo ou Acaso?Criacionismo ou Acaso?
Criacionismo ou Acaso?
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
Deus - Descobrindo
Deus - DescobrindoDeus - Descobrindo
Deus - Descobrindo
 
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
 
A improbabilidade de deus richard dawkins
A improbabilidade de deus   richard dawkinsA improbabilidade de deus   richard dawkins
A improbabilidade de deus richard dawkins
 
Questionar é evoluir
Questionar é evoluirQuestionar é evoluir
Questionar é evoluir
 
Evolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x CriacionismoEvolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x Criacionismo
 
15 questões para evolucionistas
15 questões para evolucionistas15 questões para evolucionistas
15 questões para evolucionistas
 
Síntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_DeusSíntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_Deus
 
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
 
Destino
DestinoDestino
Destino
 
O Homem, Deus e o Universo - Introdução
O Homem, Deus e o Universo - IntroduçãoO Homem, Deus e o Universo - Introdução
O Homem, Deus e o Universo - Introdução
 

Mais de Apologética em Português

Mais de Apologética em Português (6)

Porquê Jesus - O Deus-Homem
Porquê Jesus - O Deus-HomemPorquê Jesus - O Deus-Homem
Porquê Jesus - O Deus-Homem
 
Porquê Jesus? O Jesus Ressurreto
Porquê Jesus? O Jesus RessurretoPorquê Jesus? O Jesus Ressurreto
Porquê Jesus? O Jesus Ressurreto
 
Porquê Jesus? O Jesus Histórico
Porquê Jesus? O Jesus HistóricoPorquê Jesus? O Jesus Histórico
Porquê Jesus? O Jesus Histórico
 
Porquê as Escrituras? Uma Defesa do Novo Testamento
Porquê as Escrituras? Uma Defesa do Novo TestamentoPorquê as Escrituras? Uma Defesa do Novo Testamento
Porquê as Escrituras? Uma Defesa do Novo Testamento
 
Porquê acreditar em algo?
Porquê acreditar em algo?Porquê acreditar em algo?
Porquê acreditar em algo?
 
Porquê Apologética?
Porquê Apologética?Porquê Apologética?
Porquê Apologética?
 

Último

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Porquê Deus? Uma Causa Inteligente

  • 1. Hope Porquê Deus...? Hurting For The Uma Causa Inteligente A Study in 1 Peter enciais da Apologética Os Ess www.confidentchristians.org
  • 2. Introdução Reconhecemos Inteligência quando a vemos? The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 3. Algo causado pelo Vento e Chuva Num Espaço de Tempo? The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 4. Algo Derivado de Água e Erosão? The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 5. Meras Linhas Formadas por Processos Naturais numa Caverna? The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 6. Reconhecemos Instintivamente Marcas de Inteligência • • Nenhuma pessoa sensata concluiria que o Monte Rushmore, a ponta de uma seta ou as pinturas numa caverna aconteceram apenas através de meios naturais. Nós sabemos como diferenciar uma causa inteligente de uma causa natural. The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 7. Como é Que Identificamos Inteligência? • • • O princípio central na ciência forense é o Principio da Uniformidade. Uniformidade Esse princípio declara que causas e efeitos no passado são como causas e efeitos observados hoje. Pelo Princípio da Uniformidade, assumimos que um efeito inteligente é o resultado de uma causa inteligente. Legenda: Futuro, Passado, Presente The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 8. Como é Que Identificamos Inteligência? Todos os agentes atuam com um propósito, até os agentes naturais. • O que atua com propósito manifesta inteligência. • Mas agentes naturais não possuem inteligência própria. • Portanto, eles são direccionados para o seu propósito por algo inteligente. Tomás de Aquino • Famoso Teólogo Católico The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 9. A Diferença Entre Agentes Naturais e Inteligentes • • • • A primeira premissa de Aquino é tão simplesmente o óbvio princípio da finalidade. finalidade A segunda premissa declara que todas as coisas atuam com uma finalidade. A terceira premissa diz que o que não possui inteligência tem de ser guiado por inteligência como uma seta o é até ao seu alvo. A conclusão é que todas as coisas são guiadas por alguma inteligência. The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 10. Identificar Inteligência no Nível Correto • • • Uma linha de montagem totalmente robótica deixa de ser o resultado de inteligência só porque nenhum humano está presente? Não, a inteligência apenas está um passo ao lado. O mesmo pode ser dito das muitas micro-máquinas biológicas presentes na vida The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 11. Evitar o Falso Dilema • • • • Ateus apresentam frequentemente o falso dilema de (1)Ciência ou (2)Deus. Isso é o mesmo que perguntar: porquê e como é que a fábrica de carros robótica existe? (1) Leis da física, engenharia e o acaso, ou (2) Um projetista? Toda a gente percebe a falácia numa pergunta assim. Há uma diferença de nível onde a inteligência é introduzida. Existe igualmente uma diferença entre agência (projetista) e mecanismo (várias leis científicas e métodos). The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 12. O Argumento do Design Um olhar ao Argumento Teleológico para a existência de Deus The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 13. O Argumento Teleológico da Existência de Deus O argumento teleológico (telos,da palavra Grega “objetivo”, “intenção”, “propósito”) da existência de Deus diz que o universo e a humanidade exibem marcos de inteligência e design. • • • Por detrás de todo o design complexo existe um designer/projetista O Universo tem um design complexo. Portanto, o Universo tem um designer/projetista. The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 14. Pergunta-Chave a Ser Respondida O Universo e a Vida exibem sinais de design? The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 15. Os Ateus Respondem, “Sim, mas...” “Os objetos vivos... parecem desenhados, eles dão a impressionante aparência de terem sido projetados. Biologia é o estudo de coisas complicadas que dão a impressão de terem sido projetadas para um propósito.” – Richard Dawkins Biólogo The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 16. “Parece-me que Richard Dawkins negligencia de forma constante o facto de que o próprio Darwin, no 14º capítulo do seu livro A Origem das Espécies, indica que toda a sua argumentação iniciou num ser que já possuía poderes reprodutivos. É sobre esta criatura que uma verdadeiramente abrangente teoria da evolução tem de providenciar explicação para a evolução. O próprio Darwin estava bem ciente que não havia dado essa explicação. Parece-me que agora, após mais de 50 anos de investigação do DNA, as descobertas feitas providenciam matéria para um enorme e poderoso argumento em favor do design.” - Anthony Flew Ex-proponente do ateísmo The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 17. Os Ateus Respondem, “Sim, mas...” “Os biólogos devem ter constantemente em mente que o que vêm não foi projetado, mas ao invés, evoluiu” – Francis Crick Co-Descobridor do DNA The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 18. “Os biólogos Darwinistas devem repetir constantemente esse aviso para eles mesmo porque doutra forma podem tornarse conscientes da realidade que está a olhar para eles nos olhos e a tentar chamar a sua atenção.” – Phillip Johnson Professor de Direito, Universidade de Berkley The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 19. Duas Peças-Chave Nas Evidências Para o Designer Inteligente 1. 2. O Argumento do Fine Tuning (Afinação Precisa), ou Princípio Antrópico. Complexidade Especificada. The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 20. O Argumento da Afinação Precisa (Fine Tuning) • Também chamado “Efeito Caracóis Dourados”* ou “Design Antecipatório”. *- da história infantil “Os 3 Ursinhos" • • • Propõe que as constantes e quantidades fundamentais da natureza que tornam a existência da vida possível no nosso universo, são um conjunto de valores extraordinariamente restritos. Afirma que se estas constantes e quantidades fossem alteradas na amplitude de um fio de cabelo, esse delicado equilíbrio seria anulado e a vida não poderia existir. Defende que a proposta naturalista de tempo + matéria + acaso é insuficiente para explicar as condições que existem e suportam a vida. The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 21. Alguns Exemplos da Afinação Precisa • • • • • A atmosfera é composta por 21% de oxigénio. Se fosse 25%, fogos irromperiam por toda a parte e se fosse de 15% os seres humanos sufucariam. Se a gravidade fosse alterada em 0.00000000000000000000000000000000000000001% o Sol não existiria e a lua iria colidir com a terra. Se a força centrifuga dos movimentos planetários não balanceassem de forma precisa as forças gravitacionais, nada poderia ser mantido em órbita do Sol. Se o universo se expandisse a uma velocidade um milionésimo (0,000001) mais lenta do que se expande, a temperatura na Terra seria de milhares de graus centígrados Se Júpiter não estivesse exatamente onde está, a Terra seria bombardeada por material vindo do espaço que colocaria a vida no planeta em risco. The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 22. Alguns Exemplos da Afinação Precisa • • • Se a crosta terrestre fosse mais grossa, demasiado oxigénio seria transferido para a crosta para que pudesse permitir a vida, e se fosse mais fina, a atividade vulcânica e tectónica tornariam impossível a existência da vida. O eixo da terra é definido com tanta precisão que se fosse alterado ainda que levemente, a temperatura da superfície da Terra seria insuportavelmente elevada. Se os níveis de vapor de água na atmosfera fossem maiores do que são agora, um efeito de estufa descontrolado faria com que as temperaturas subissem muito alto no planeta a vida extinguir-se-ia. Se eles fossem menores, um efeito estufa insuficiente tornaria a Terra muito fria para suportar a vida. The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 23. Quais as Hipóteses? • • • O astrofísico Hugh Ross calculou que a hipótese de todas as constantes e quantidades antrópicas (122 descobertas até ao momento) estarem alinhadas no seu lugar meramente por sorte para qualquer planeta do universo, seria uma em 10 seguido de 138 zeros. zeros Este número torna-se ainda mais incrível quando percebemos que em todo o universo apenas existem 10 seguido de 70 zeros átomos. Matemáticos indicam que tudo o que excede a potência de 50 (10 seguido de 50 zeros) é exatamente o mesmo que não existir qualquer hipótese de que esse evento aconteça. The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 24. Explicações Possíveis para a Afinação Precisa? Necessidade Física – não é possível uma vez que as constantes cosmológicas existem fora do ambiente. As constantes e quantidades poderiam ser diferentes, pois elas não têm que ser o que são. Acaso – ultrapassa qualquer possibilidade matemática. Quanto ao multiverso, não existem dados empíricos para confirmar a sua existência. Designer Inteligente – melhor resposta como apelo à melhor explicação. Só descartada pelos ateus por causa da visão de um mundo anti-sobrenatural. Legenda: Explicação – Eu exijo uma The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 25. “A configuração inicial do universo 'parece ter sido' escolhida muito cuidadosamente.” – Stephen Hawking Físico Famoso The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 26. “Na ausência de um acidente absurdamente improvável, as observações da ciência moderna parecem sugerir um subjacente, pode-se dizer, plano sobrenatural.” sobrenatural – Arno Penzias Cientista laureado com o Nobel The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 27. O Argumento da Complexidade Especificada • • Argumenta que a natureza e a vida (por exemplo, os seres humanos) contêm a marca de uma causa inteligente, com evidências como o DNA, que carrega em si mesmo as marcas de um Designer. Propõe que a vida é codifica com informação que demonstra uma causa inteligente. The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 28. A Presença de Informação na Vida • • • Ateus como o Darwinista Richard Dawkins admitem que a mensagem que encontramos, considerando apenas o núcleo da célula de uma ameba (organismo microscópico unicelular), é mais extensa do que todos os trinta volumes da Enciclopédia Britânica. Uma ameba tem tanta informação em todo o seu DNA como 1000 conjuntos completos da Enciclopédia Britânica. O importante a reter é que a composição destas entidades não é aleatória, mas a informação neles contida é altamente organizada The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 29. Um Ateu Fala Sobre Vida e Informação “O que está no coração de todos os seres vivos não é um fogo, uma respiração quente, nem uma "centelha de vida". É informação, palavras, instruções... Pense num bilião de caracteres digitais discretos... Se você quiser entender a vida, pense em Tecnologia de Informação.” – Richard Dawkins The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 30. A Diferença entre Dados e Informação The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 31. "Pergunte a qualquer pessoa de que é feito o mundo físico, e provavelmente irá ouvir “matéria e energia”. No entanto, se alguma coisa aprendemos da engenharia, biologia e física, é que a informação é um ingrediente igualmente crucial." – Revista Scientific American Julho 2003 The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 32. “Se estivermos a tentar explicar um evento no passado remoto, devemos confiar no nosso conhecimento da estrutura de causa-efeito do mundo e devemos procurar uma causa que tenha a capacidade ou o poder de produzir o efeito em questão... O mentor de Darwin, Charles Lyell... escreveu desta maneira: "Ao investigar o passado, devemos estar à procura de causas agora em operação". Agora, em relação à informação e inteligência: Qual é a causa da informação digital agora em operação? Essa causa é a inteligência. Usando o próprio princípio do raciocínio de Darwin, podemos usar uma inferência para a melhor explicação: a inteligência produz informação".- Stephen Meyer The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 33. O DNA Assemelha-se à Programação de Software “Numa primeira abordagem, pode-se, portanto, pensar no DNA como um script de instrução, um programa de software, sentado no núcleo da célula. A sua linguagem de codificação tem apenas quatro letras (ou dois bits, em termos de computador). Uma instrução particular conhecida como um gene, é constituído por centenas ou milhares de letras de código.” - Francis Collins Diretor do Projeto Genoma Humano de mapeamento do DNA Legenda: Capa do Livro “A Linguagem de Deus – Um cientista apresenta evidências de que Ele existe” de Francis S. Collins The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 34. “É importante entender que não estamos a raciocinar por analogia [com o DNA]. A hipótese de sequência aplicase diretamente à proteína da mesma forma que o texto genético se aplica à linguagem escrita e, consequentemente, o tratamento é matematicamente idêntico.” – Herbert Yockey Biólogo não-crente The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 35. O DNA Carrega as Marcas de uma Causa Inteligente O DNA é matematicamente idêntico a uma linguagem. • Que linguagem alguma vez surgiu sem uma causa inteligente? • “As investigações de diversos organismos, desde bactérias a humanos, revelaram que este 'código genético', pelo qual a informação em DNA e RNA é traduzido em proteína, é universal em todos os organismos conhecidos. Não foi permitida nenhuma Torre de Babel na linguagem da vida... Quão profundamente gratificante é a elegância digital do DNA!” – Francis Collins • The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 36. “Se a ciência se baseia na experiência, então ela diz-nos que a mensagem codificada no DNA deve-se ter originado a partir de uma causa inteligente. Que tipo de agente inteligente era? Por si só, a ciência não pode responder a essa pergunta, que deve deixar para a religião e a filosofia. Mas isso não deve impedir que a ciência reconheça as evidências para a origem de uma causa inteligente, onde quer que elas possam existir.” Dean Kenyon Professor Emérito de Biologia, San Francisco State University The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 37. Conclusões Pensamentos Finais The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 38. “Não é admirável que os nossos arqueólogos infiram imediatamente uma origem inteligente quando confrontados com uns simples riscos [numa parede] enquanto que alguns cientistas, quando se deparam com 3,5 mil milhões de letras da sequência do genoma humano, informam-nos que esse fenómeno é explicável meramente pelo acaso e pela necessidade?” - John Lennox The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 39. Desenho ou Acaso? Um é Projetado O outro é o Acaso? Janela Circular, Catedral de York Vista ao Longo do Eixo da Dupla Hélice do DNA The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 40. “Eu acho que as origens das leis da natureza e da vida e do Universo apontam claramente para uma fonte inteligente. O ónus da prova recai sobre aqueles que argumentam em contrário.” Anthony Flew Ex-proponente do ateísmo The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 41. Para Mais Informação / Apresentações www.powerpointapologist.org www.confidentchristians.org The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 42. Para Mais Recursos de Apologética www.apologetics315.com The Essentials of Apologetics – Why God: An Intelligent Cause
  • 43. Hope Porquê Deus...? Hurting For The Uma Causa Inteligente A Study in 1 Peter enciais da Apologética Os Ess www.confidentchristians.org

Notas do Editor

  1. Geisler, encyclopedia of apologetics, pg. 714.
  2. Geisler, encyclopedia of apologetics, pg. 714.
  3. Blind Watchmaker, pg. 1.
  4. The Wedge of Truth, pg. 153.
  5. The Wedge of Truth, pg. 153.
  6. Lennox, 127 http://books.google.com/books?id=sPpaZnZMDG0C&printsec=frontcover&dq=the+blind+watchmaker&hl=en&ei=3CHYTp2xJ9L2ggeQu5CeDw&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1&ved=0CDwQ6AEwAA#v=snippet&q=digital%20technology&f=false
  7. Language of God, 102
  8. Lennox, 175