SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária Garcia de Orta




   Sinestesia: efeitos sobre a mente
                                  humana

Relatório realizado no âmbito da disciplina de Psicologia




Carlos Morais nº 6 12º B

11 de Dezembro de 2010, Porto




[Type text]
ÍNDICE



- Introdução                   3


- A Neuropsicologia            4


- Caso Clínico                 5


- Conclusão                    8


- Bibliografia                 9




                                   2
Introdução


      Foi no fim do século XIX que houve pela primeira vez registos de pessoas que
sofriam de processos sinestésicos. Homens que conseguiam associar imediatamente
sons a imagens, a sabores e até mesmo ao tacto. Apesar desta condição neurológica
existir há muitos séculos, muito pouco ou nada se sabia relativamente a ela até ao século
XX.
      O que é a sinestesia? Muito simplesmente, é a capacidade de associar sentidos.
Todos nós a possuímos mas, acabamos por não tirar grande partido dela, pois não temos
exigências diáris, que nos façam desenvolver mais esta condição.
      No ano de 1920, o neuropsicólogo Alexander Romanovich Luria (1902-1977)
deparou-se com um caso de um homem que sofria de sinestesia. Ao contrário dos casos
mais comuns, ele conseguia interligar todos os seus sentidos, permitindo-lhe uma visão
totalmente distorcida do nosso mundo.
      Através da análise deste caso clínico, foi possível perceber o que realmente
acontecia em casos onde esta condição tinha uma manifestação muito maior.
      Este trabalho não tem como objectivo explorar somente a sinestesia, pretende
fazer uma conexão com o mundo real e mostrar de que forma é que esta condição
interfere na vida das pessoas e dar a entender os custos, no dia-a-dia, de pessoas que
vivem com esta condição neurológica




                                                                                       3
A Neuropsicologia


      O principal fundamento da teoria de Luria assenta numa ciência do

comportamento humano baseada no funcionamento do cérebro. Assim, sabemos que a

partir do conhecimento do desenvolvimento e do funcionamento normal do cérebro é

possível a compreensão das alterações cerebrais, como no caso das disfunções

cognitivas e do comportamento resultantes de lesões, de doenças ou do

desenvolvimento anormal do cérebro.


      A neuropsicologia tem um papel importante na compreensão das ligações

fundamentais do cérebro e do comportamento, permitindo determinar a relação entre

os resultados dos testes neuropsicológicos e o complexo comportamento do ser humano.

Com os conhecimentos funcionais das diferentes formas de actividade psíquica e dos

mecanismos do seu funcionamento quer na norma, quer na patologia, o neuropsicólogo

pode, de modo qualificativo, levar a cabo uma análise sistemática das perturbações das

funções psíquicas superiores.




      Fig.1 - A. R. Luria




                                                                                    4
Caso Clínico


                         O caso do homem que memorizava tudo


       É um dos relatos mais impressionantes dos vários efeitos da sinestesia. Em 1968
o neuropsicólogo Alexander Romanovich Luria publicou um livro (The Mind of a
Mnemonist – A Little Book about a Vast Memory) onde relata o seu acompanhamento
com C. (nome fictício que é dado no livro ao paciente) ao longo de mais 30 anos.
       Neste relato, Luria relata a incrível capacidade de C. em memorizar tudo o que lhe
era apresentado e ser capaz de recordar essas mesmas memórias com uma exactidão
incrível passadas décadas.


       “Tendo realizado esta experiência, em breve encontrei-me à beira de um estado de confusão
completa. O aumento do tamanho das séries não trouxe dificuldades a C. (…) As experiências
indicavam que ele não tinha nenhuma dificuldade em repetir qualquer série longa de palavras,
independentemente destas terem sido mostradas uma semana, um mês, um ano ou mesmo muitos
anos antes. (…) Algumas destas experiências, foram efectuadas sem aviso prévio, quinze ou
dezasseis anos após a sessão em que ele se tinha originalmente recordado das palavras. Contudo
conseguia sempre passar com sucesso nestes testes.” (Luria, 2003, pag. 36)


       Qual o porque disto acontecer? O que se passava com esta pessoa possuidora de
uma memória praticamente infinita?
       Ao contrário das pessoas normais, devido à sua sinestesia, C. associava a cada
número, letra ou sílaba uma cor, sabor e sensação. Por causa disto, ele era capaz de criar
um ambiente à volta de cada recordação, enriquecendo-a com informação adicional,
assegurando-se assim que as suas recordações fossem correctas. Assim, sempre que lhe
era pedido para reproduzir uma memória, esta só estaria certa se as suas sensações
sinestésicas coincidissem com a resposta.
       As vantagens proporcionadas pela sua sinestesia não acabam aqui:


       “Imaginemos que vou ao dentista. Costumava ter medo de lá ir, mas agora é muito fácil. (…)
Sentava-me na cadeira, mas imaginava que não era eu que estava realmente ali, mas outra pessoa.



                                                                                               5
Eu, C. estava apenas a seu lado (…) Deixava-a sentir a dor. Não me magoava a mim mas a «ela». Eu
simplesmente, não sinto nenhuma dor”. (Luria, 2003, pag. 134)


       Esta inibição da dor foi mais tarde comprovada através de um teste onde lhe
inseriram uma agulha no antebraço que ele não sentiu pois imaginou que estava a ser
inserida noutra pessoa. Também por processos semelhantes ele conseguia regular o seu
ritmo cardíaco ou a temperatura do corpo. Se quisesse aquecer uma parte do corpo,
bastava-lhe imaginar que a punha dentro de um forno. Sendo             C.   portador   de   uma
imaginação excepcionalmente vívida resultante da sua interacção sensorial, ele era
capaz de induzir em si alterações nos seus processos somáticos, o que lhe dava um
maior controlo do funcionamento do seu corpo que no homem comum.




                   Quais as desvantagens de ser sinestésico?


       Pelos excertos apresentados anteriormente, ninguém diria que era mau ter
elevados graus de sinestesia. Uma das maiores desvantagens pode ser observada através
da seguinte experiência:


                                      Tabela 1
                    1        2        3          4        5
                    2        3        4          5        6
                    3        4        5          6        7
                    4        5        6          7        8
                                                                Etc.


       Foi pedido a C. que decorasse uma tabela com cerca de 80 séries iguais às
representadas. Um observador atento consegue captar uma certa lógica de uma série
para a seguinte, contudo C. fez uso da sua recordação visual para memorizar a série. Este
exemplo comprova a discrepância entre o seu processo de recordação e a sua
organização lógica, sendo esta última natural em qualquer adulto. Podemos assim
afirmar que todos os seus processos de racionalização estavam comprometidos pelo que
os seus sentidos lhe forneciam.

                                                                                              6
Outra dificuldade diária de C. era recordar caras ou vozes, pois, enquanto um ser
normal tende a seleccionar um número de características para se recordar de um rosto,
C. via os padrões inconstantes de luz e sombra e captava as mais ligeiras alterações no
timbre de uma voz. Isto levava-o a ter imensas dificuldades em decorar algo que esteja
sujeito a mudanças subtis, pois como já foi explicado anteriormente, as suas recordações
não coincidiam com as suas sensações sinestésicas, o que provocava em si um estado de
total desorientação.
       Ainda mais surpreendente era a sua incapacidade em compreender passagens
inteiras de um livro. No caso de C. em que cada palavra evoca uma imagem nítida e
vivida, era muito difícil para ele acompanhar o ritmo de uma história ou enredo sem se
distrair do assunto que está a ser tratado. Se lhe lessem um texto a um ritmo rápido,
imensas imagens começariam a surgir na sua cabeça, não conseguindo assim captar
nada da história.
       Estes exemplos são só algumas das adversidades inerentes à sinestesia e
demonstram de que maneira é que esta interferia no seu quotidiano.


       “No ano passado, deram-me um relatório sobre um comerciante que tinha vendido um
certo número de metros de tecido…Mal ouvi as palavras comerciante e vendeu, vi a loja e o seu
dono por trás do balcão (…) a negociar com um caixeiro-viajante. Junto à porta estava um cliente
de costas para mim. (…) i não só a fábrica mas também alguns livros comerciais, pormenores que
não tinham nada a ver com o relatório.” (Luria, 2003, pag. 76)


       Durante quase 30 anos Luria teve a oportunidade de estudar e acompanhar este
impressionante homem. O que à partida parecia ser uma capacidade fantástica, ao longo
da investigação, revelou-se um obstáculo à integração deste homem na sociedade, uma
vez que a confusão que reinava na sua mente era deveras perturbadora.




                                                                                              7
Conclusão

       Como foi possível constatar, certas condições neurológicas contribuem para uma
maior grandeza da nossa mente. Nomes como Wassily Kandisky, Arthur Rimbaud, David
Hockney, Patrick Stump, são exemplos em que a sinestesia transformou e iluminou a
mente humana para criações maiores do que aquelas que originalmente parecia estar
destinada.
       Verificamos que associada à capacidade sinestésica advém, na maior parte dos
casos, problemáticas bastante significativas e desorganizadoras da vida quotidiana.
Como exemplo disso temos a impossibilidade de reconhecer rostos familiares
(prosopagnósia) ou até mesmo a incapacidade de associar um cheiro a um alimento ou a
uma bebida. Tarefas tão simples, que fazem parte da nossa vida e que de alguma
maneira a preenchem, ficam alteradas e perturbadas gerando assim, uma estruturação
caótica da nossa vida e da nossa própria identidade.


        “Estou sentado num restaurante, ouve-se música. Sabem porque é que põem música nos
restaurantes? Porque altera o sabor da comida. Se escolhermos o tipo certo de música, tudo passa a
saber bem (…)”




                                                                                                8
BIBLIOGRAFIA

Enciclopédia Larrousse (2001). Rio de Mouro: Círculo de Leitores. Vol. 22.

Luria, A. R. (2003). O Caso do Homem Que Memorizava Tudo. Lisboa: Relógio D’ Agua Editores.

Luria, A. R. (1980). Neuropsicología de La Memoria. Madrid: H. Blume Ediciones.




                                                                                              9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
Helena Coutinho
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
ameliapadrao
 
Metodologias de investigação em sociologia
Metodologias de investigação em sociologiaMetodologias de investigação em sociologia
Metodologias de investigação em sociologia
turma12c
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
balolas
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise
nanasimao
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
12º A Golegã
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
quintaldasletras
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
Escoladocs
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Samuel Neves
 
O Jantar dos Gouvarinhos
O Jantar dos GouvarinhosO Jantar dos Gouvarinhos
O Jantar dos Gouvarinhos
mauro dinis
 
Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda
Ana Cristina Matias
 
áReas metropolitanas de lisboa e do porto
áReas metropolitanas de lisboa e do portoáReas metropolitanas de lisboa e do porto
áReas metropolitanas de lisboa e do porto
Miguel Silva
 
Capítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MCCapítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MC
12anogolega
 
Cristalizacoes
CristalizacoesCristalizacoes
Cristalizacoes
Manuela Silva
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
Silvia Revez
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Rodrigues
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
Leonardo C. Arinelli
 
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoMaias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Pedro Oliveira
 
Tempo Maias
Tempo MaiasTempo Maias
Tempo Maias
Claudia Custodio
 
O papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novoO papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novo
010693
 

Mais procurados (20)

Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
 
Metodologias de investigação em sociologia
Metodologias de investigação em sociologiaMetodologias de investigação em sociologia
Metodologias de investigação em sociologia
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
O Jantar dos Gouvarinhos
O Jantar dos GouvarinhosO Jantar dos Gouvarinhos
O Jantar dos Gouvarinhos
 
Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda
 
áReas metropolitanas de lisboa e do porto
áReas metropolitanas de lisboa e do portoáReas metropolitanas de lisboa e do porto
áReas metropolitanas de lisboa e do porto
 
Capítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MCCapítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MC
 
Cristalizacoes
CristalizacoesCristalizacoes
Cristalizacoes
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
 
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoMaias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
 
Tempo Maias
Tempo MaiasTempo Maias
Tempo Maias
 
O papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novoO papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novo
 

Destaque

Psicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial KillerPsicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial Killer
Universidade Católica Portuguesa
 
Ft.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoaisFt.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoais
Universidade Católica Portuguesa
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
Universidade Católica Portuguesa
 
Watson.conclusões
Watson.conclusõesWatson.conclusões
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Universidade Católica Portuguesa
 
Wunt.associacionismo
Wunt.associacionismoWunt.associacionismo
Wunt.associacionismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Objectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 bObjectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 b
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
Universidade Católica Portuguesa
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
Universidade Católica Portuguesa
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Relações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressãoRelações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressão
Universidade Católica Portuguesa
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Universidade Católica Portuguesa
 
Fontes de Preconceito
Fontes de PreconceitoFontes de Preconceito
Fontes de Preconceito
Universidade Católica Portuguesa
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
Silvia Revez
 
Psicologia b
Psicologia bPsicologia b
Psicologia b
Rute1993
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
Jorge Barbosa
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
Silvia Revez
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
Joana Filipa Rodrigues
 

Destaque (20)

Psicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial KillerPsicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial Killer
 
Ft.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoaisFt.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoais
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
 
Watson.conclusões
Watson.conclusõesWatson.conclusões
Watson.conclusões
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Wunt.associacionismo
Wunt.associacionismoWunt.associacionismo
Wunt.associacionismo
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Objectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 bObjectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 b
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
 
Relações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressãoRelações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressão
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
 
Fontes de Preconceito
Fontes de PreconceitoFontes de Preconceito
Fontes de Preconceito
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Psicologia b
Psicologia bPsicologia b
Psicologia b
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 

Semelhante a ensaio - sinestesia (Carlos)

A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdfA NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
O que_e_filosofia_da_mente?
 O que_e_filosofia_da_mente?  O que_e_filosofia_da_mente?
O que_e_filosofia_da_mente?
Junior Fernandes
 
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligaçãoPsicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
Argos Arruda Pinto
 
Teoria psicanalítica
Teoria psicanalíticaTeoria psicanalítica
Teoria psicanalítica
Edleusa Silva
 
Antropólogo em marte
Antropólogo em marteAntropólogo em marte
Antropólogo em marte
SUPORTE EDUCACIONAL
 
META MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM
META MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEMMETA MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM
META MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM
SUPORTE EDUCACIONAL
 
O estilo emocional do cerebro - richard j. davidson[1]
O estilo emocional do cerebro   - richard j. davidson[1]O estilo emocional do cerebro   - richard j. davidson[1]
O estilo emocional do cerebro - richard j. davidson[1]
Sueli Oliveira
 
Diga me onde-doi-e-eu-te-direi-por-que[1]
Diga me onde-doi-e-eu-te-direi-por-que[1]Diga me onde-doi-e-eu-te-direi-por-que[1]
Diga me onde-doi-e-eu-te-direi-por-que[1]
João Siqueira da Mata
 
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Marley Marques
 
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Marley Marques
 
O_que_e_memoria_fortaleça-Alan_Baddeley (1).pdf
O_que_e_memoria_fortaleça-Alan_Baddeley (1).pdfO_que_e_memoria_fortaleça-Alan_Baddeley (1).pdf
O_que_e_memoria_fortaleça-Alan_Baddeley (1).pdf
sandreliOliver
 
Cérebro social
Cérebro social Cérebro social
Cérebro social
anasophiapereira
 
Jung neurose e psicose psicologia arquetípica - por ajax salvador
Jung   neurose e psicose psicologia arquetípica - por ajax salvadorJung   neurose e psicose psicologia arquetípica - por ajax salvador
Jung neurose e psicose psicologia arquetípica - por ajax salvador
Alex C. Ribeiro
 
Revista17 apoa neurose obsessiva
Revista17 apoa neurose obsessivaRevista17 apoa neurose obsessiva
Revista17 apoa neurose obsessiva
Jose Queiroz
 
Imagens que curam gerald epstein
Imagens que curam   gerald epsteinImagens que curam   gerald epstein
Imagens que curam gerald epstein
Cláudia Cilene Rodrigues Batista
 
Aula 4_SFC (1).ppt
Aula 4_SFC (1).pptAula 4_SFC (1).ppt
Aula 4_SFC (1).ppt
VitriaMaria56
 
A mente ampliada rupert sheldrake
A mente ampliada   rupert sheldrakeA mente ampliada   rupert sheldrake
A mente ampliada rupert sheldrake
Dru de Nicola Macchione
 
A mente ampliada rupert sheldrake
A mente ampliada   rupert sheldrakeA mente ampliada   rupert sheldrake
A mente ampliada rupert sheldrake
Dru de Nicola Macchione
 
Psicanalise e neurociencia antonio carlos pacheco
Psicanalise e neurociencia  antonio carlos pachecoPsicanalise e neurociencia  antonio carlos pacheco
Psicanalise e neurociencia antonio carlos pacheco
Marcos Silvabh
 
Drogas e sistema_nervoso
Drogas e sistema_nervosoDrogas e sistema_nervoso
Drogas e sistema_nervoso
Dani Rodrigues
 

Semelhante a ensaio - sinestesia (Carlos) (20)

A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdfA NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
 
O que_e_filosofia_da_mente?
 O que_e_filosofia_da_mente?  O que_e_filosofia_da_mente?
O que_e_filosofia_da_mente?
 
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligaçãoPsicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
Psicoterapia, neuroplasticidade e neurorreligação
 
Teoria psicanalítica
Teoria psicanalíticaTeoria psicanalítica
Teoria psicanalítica
 
Antropólogo em marte
Antropólogo em marteAntropólogo em marte
Antropólogo em marte
 
META MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM
META MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEMMETA MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM
META MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM
 
O estilo emocional do cerebro - richard j. davidson[1]
O estilo emocional do cerebro   - richard j. davidson[1]O estilo emocional do cerebro   - richard j. davidson[1]
O estilo emocional do cerebro - richard j. davidson[1]
 
Diga me onde-doi-e-eu-te-direi-por-que[1]
Diga me onde-doi-e-eu-te-direi-por-que[1]Diga me onde-doi-e-eu-te-direi-por-que[1]
Diga me onde-doi-e-eu-te-direi-por-que[1]
 
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
 
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
Michael odouldigameondedieeutedireiporquepdfrev (1)
 
O_que_e_memoria_fortaleça-Alan_Baddeley (1).pdf
O_que_e_memoria_fortaleça-Alan_Baddeley (1).pdfO_que_e_memoria_fortaleça-Alan_Baddeley (1).pdf
O_que_e_memoria_fortaleça-Alan_Baddeley (1).pdf
 
Cérebro social
Cérebro social Cérebro social
Cérebro social
 
Jung neurose e psicose psicologia arquetípica - por ajax salvador
Jung   neurose e psicose psicologia arquetípica - por ajax salvadorJung   neurose e psicose psicologia arquetípica - por ajax salvador
Jung neurose e psicose psicologia arquetípica - por ajax salvador
 
Revista17 apoa neurose obsessiva
Revista17 apoa neurose obsessivaRevista17 apoa neurose obsessiva
Revista17 apoa neurose obsessiva
 
Imagens que curam gerald epstein
Imagens que curam   gerald epsteinImagens que curam   gerald epstein
Imagens que curam gerald epstein
 
Aula 4_SFC (1).ppt
Aula 4_SFC (1).pptAula 4_SFC (1).ppt
Aula 4_SFC (1).ppt
 
A mente ampliada rupert sheldrake
A mente ampliada   rupert sheldrakeA mente ampliada   rupert sheldrake
A mente ampliada rupert sheldrake
 
A mente ampliada rupert sheldrake
A mente ampliada   rupert sheldrakeA mente ampliada   rupert sheldrake
A mente ampliada rupert sheldrake
 
Psicanalise e neurociencia antonio carlos pacheco
Psicanalise e neurociencia  antonio carlos pachecoPsicanalise e neurociencia  antonio carlos pacheco
Psicanalise e neurociencia antonio carlos pacheco
 
Drogas e sistema_nervoso
Drogas e sistema_nervosoDrogas e sistema_nervoso
Drogas e sistema_nervoso
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa

Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
Universidade Católica Portuguesa
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
Universidade Católica Portuguesa
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
Universidade Católica Portuguesa
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
Universidade Católica Portuguesa
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
Universidade Católica Portuguesa
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
Universidade Católica Portuguesa
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - CatarinaEnsaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
Universidade Católica Portuguesa
 
Psi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.franciscoPsi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.francisco
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio cisne
Ensaio cisneEnsaio cisne
Ensaio
EnsaioEnsaio

Mais de Universidade Católica Portuguesa (20)

Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema.mal
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"
 
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - CatarinaEnsaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
 
Psi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.franciscoPsi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.francisco
 
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
 
Ensaio cisne
Ensaio cisneEnsaio cisne
Ensaio cisne
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
 

ensaio - sinestesia (Carlos)

  • 1. Escola Secundária Garcia de Orta Sinestesia: efeitos sobre a mente humana Relatório realizado no âmbito da disciplina de Psicologia Carlos Morais nº 6 12º B 11 de Dezembro de 2010, Porto [Type text]
  • 2. ÍNDICE - Introdução 3 - A Neuropsicologia 4 - Caso Clínico 5 - Conclusão 8 - Bibliografia 9 2
  • 3. Introdução Foi no fim do século XIX que houve pela primeira vez registos de pessoas que sofriam de processos sinestésicos. Homens que conseguiam associar imediatamente sons a imagens, a sabores e até mesmo ao tacto. Apesar desta condição neurológica existir há muitos séculos, muito pouco ou nada se sabia relativamente a ela até ao século XX. O que é a sinestesia? Muito simplesmente, é a capacidade de associar sentidos. Todos nós a possuímos mas, acabamos por não tirar grande partido dela, pois não temos exigências diáris, que nos façam desenvolver mais esta condição. No ano de 1920, o neuropsicólogo Alexander Romanovich Luria (1902-1977) deparou-se com um caso de um homem que sofria de sinestesia. Ao contrário dos casos mais comuns, ele conseguia interligar todos os seus sentidos, permitindo-lhe uma visão totalmente distorcida do nosso mundo. Através da análise deste caso clínico, foi possível perceber o que realmente acontecia em casos onde esta condição tinha uma manifestação muito maior. Este trabalho não tem como objectivo explorar somente a sinestesia, pretende fazer uma conexão com o mundo real e mostrar de que forma é que esta condição interfere na vida das pessoas e dar a entender os custos, no dia-a-dia, de pessoas que vivem com esta condição neurológica 3
  • 4. A Neuropsicologia O principal fundamento da teoria de Luria assenta numa ciência do comportamento humano baseada no funcionamento do cérebro. Assim, sabemos que a partir do conhecimento do desenvolvimento e do funcionamento normal do cérebro é possível a compreensão das alterações cerebrais, como no caso das disfunções cognitivas e do comportamento resultantes de lesões, de doenças ou do desenvolvimento anormal do cérebro. A neuropsicologia tem um papel importante na compreensão das ligações fundamentais do cérebro e do comportamento, permitindo determinar a relação entre os resultados dos testes neuropsicológicos e o complexo comportamento do ser humano. Com os conhecimentos funcionais das diferentes formas de actividade psíquica e dos mecanismos do seu funcionamento quer na norma, quer na patologia, o neuropsicólogo pode, de modo qualificativo, levar a cabo uma análise sistemática das perturbações das funções psíquicas superiores. Fig.1 - A. R. Luria 4
  • 5. Caso Clínico O caso do homem que memorizava tudo É um dos relatos mais impressionantes dos vários efeitos da sinestesia. Em 1968 o neuropsicólogo Alexander Romanovich Luria publicou um livro (The Mind of a Mnemonist – A Little Book about a Vast Memory) onde relata o seu acompanhamento com C. (nome fictício que é dado no livro ao paciente) ao longo de mais 30 anos. Neste relato, Luria relata a incrível capacidade de C. em memorizar tudo o que lhe era apresentado e ser capaz de recordar essas mesmas memórias com uma exactidão incrível passadas décadas. “Tendo realizado esta experiência, em breve encontrei-me à beira de um estado de confusão completa. O aumento do tamanho das séries não trouxe dificuldades a C. (…) As experiências indicavam que ele não tinha nenhuma dificuldade em repetir qualquer série longa de palavras, independentemente destas terem sido mostradas uma semana, um mês, um ano ou mesmo muitos anos antes. (…) Algumas destas experiências, foram efectuadas sem aviso prévio, quinze ou dezasseis anos após a sessão em que ele se tinha originalmente recordado das palavras. Contudo conseguia sempre passar com sucesso nestes testes.” (Luria, 2003, pag. 36) Qual o porque disto acontecer? O que se passava com esta pessoa possuidora de uma memória praticamente infinita? Ao contrário das pessoas normais, devido à sua sinestesia, C. associava a cada número, letra ou sílaba uma cor, sabor e sensação. Por causa disto, ele era capaz de criar um ambiente à volta de cada recordação, enriquecendo-a com informação adicional, assegurando-se assim que as suas recordações fossem correctas. Assim, sempre que lhe era pedido para reproduzir uma memória, esta só estaria certa se as suas sensações sinestésicas coincidissem com a resposta. As vantagens proporcionadas pela sua sinestesia não acabam aqui: “Imaginemos que vou ao dentista. Costumava ter medo de lá ir, mas agora é muito fácil. (…) Sentava-me na cadeira, mas imaginava que não era eu que estava realmente ali, mas outra pessoa. 5
  • 6. Eu, C. estava apenas a seu lado (…) Deixava-a sentir a dor. Não me magoava a mim mas a «ela». Eu simplesmente, não sinto nenhuma dor”. (Luria, 2003, pag. 134) Esta inibição da dor foi mais tarde comprovada através de um teste onde lhe inseriram uma agulha no antebraço que ele não sentiu pois imaginou que estava a ser inserida noutra pessoa. Também por processos semelhantes ele conseguia regular o seu ritmo cardíaco ou a temperatura do corpo. Se quisesse aquecer uma parte do corpo, bastava-lhe imaginar que a punha dentro de um forno. Sendo C. portador de uma imaginação excepcionalmente vívida resultante da sua interacção sensorial, ele era capaz de induzir em si alterações nos seus processos somáticos, o que lhe dava um maior controlo do funcionamento do seu corpo que no homem comum. Quais as desvantagens de ser sinestésico? Pelos excertos apresentados anteriormente, ninguém diria que era mau ter elevados graus de sinestesia. Uma das maiores desvantagens pode ser observada através da seguinte experiência: Tabela 1 1 2 3 4 5 2 3 4 5 6 3 4 5 6 7 4 5 6 7 8 Etc. Foi pedido a C. que decorasse uma tabela com cerca de 80 séries iguais às representadas. Um observador atento consegue captar uma certa lógica de uma série para a seguinte, contudo C. fez uso da sua recordação visual para memorizar a série. Este exemplo comprova a discrepância entre o seu processo de recordação e a sua organização lógica, sendo esta última natural em qualquer adulto. Podemos assim afirmar que todos os seus processos de racionalização estavam comprometidos pelo que os seus sentidos lhe forneciam. 6
  • 7. Outra dificuldade diária de C. era recordar caras ou vozes, pois, enquanto um ser normal tende a seleccionar um número de características para se recordar de um rosto, C. via os padrões inconstantes de luz e sombra e captava as mais ligeiras alterações no timbre de uma voz. Isto levava-o a ter imensas dificuldades em decorar algo que esteja sujeito a mudanças subtis, pois como já foi explicado anteriormente, as suas recordações não coincidiam com as suas sensações sinestésicas, o que provocava em si um estado de total desorientação. Ainda mais surpreendente era a sua incapacidade em compreender passagens inteiras de um livro. No caso de C. em que cada palavra evoca uma imagem nítida e vivida, era muito difícil para ele acompanhar o ritmo de uma história ou enredo sem se distrair do assunto que está a ser tratado. Se lhe lessem um texto a um ritmo rápido, imensas imagens começariam a surgir na sua cabeça, não conseguindo assim captar nada da história. Estes exemplos são só algumas das adversidades inerentes à sinestesia e demonstram de que maneira é que esta interferia no seu quotidiano. “No ano passado, deram-me um relatório sobre um comerciante que tinha vendido um certo número de metros de tecido…Mal ouvi as palavras comerciante e vendeu, vi a loja e o seu dono por trás do balcão (…) a negociar com um caixeiro-viajante. Junto à porta estava um cliente de costas para mim. (…) i não só a fábrica mas também alguns livros comerciais, pormenores que não tinham nada a ver com o relatório.” (Luria, 2003, pag. 76) Durante quase 30 anos Luria teve a oportunidade de estudar e acompanhar este impressionante homem. O que à partida parecia ser uma capacidade fantástica, ao longo da investigação, revelou-se um obstáculo à integração deste homem na sociedade, uma vez que a confusão que reinava na sua mente era deveras perturbadora. 7
  • 8. Conclusão Como foi possível constatar, certas condições neurológicas contribuem para uma maior grandeza da nossa mente. Nomes como Wassily Kandisky, Arthur Rimbaud, David Hockney, Patrick Stump, são exemplos em que a sinestesia transformou e iluminou a mente humana para criações maiores do que aquelas que originalmente parecia estar destinada. Verificamos que associada à capacidade sinestésica advém, na maior parte dos casos, problemáticas bastante significativas e desorganizadoras da vida quotidiana. Como exemplo disso temos a impossibilidade de reconhecer rostos familiares (prosopagnósia) ou até mesmo a incapacidade de associar um cheiro a um alimento ou a uma bebida. Tarefas tão simples, que fazem parte da nossa vida e que de alguma maneira a preenchem, ficam alteradas e perturbadas gerando assim, uma estruturação caótica da nossa vida e da nossa própria identidade. “Estou sentado num restaurante, ouve-se música. Sabem porque é que põem música nos restaurantes? Porque altera o sabor da comida. Se escolhermos o tipo certo de música, tudo passa a saber bem (…)” 8
  • 9. BIBLIOGRAFIA Enciclopédia Larrousse (2001). Rio de Mouro: Círculo de Leitores. Vol. 22. Luria, A. R. (2003). O Caso do Homem Que Memorizava Tudo. Lisboa: Relógio D’ Agua Editores. Luria, A. R. (1980). Neuropsicología de La Memoria. Madrid: H. Blume Ediciones. 9