SlideShare uma empresa Scribd logo
 A	
  Religião	
  e	
  o	
  Sentido	
  da	
  Existência:	
  a	
  experiência	
  da	
  finitude	
  e	
  a	
  abertura	
  à	
  transcendência	
  
	
  Filosofia	
  –	
  10º	
  Ano	
  
O SENTIDO DA VIDA
“Há […] duas acepções muito diferentes de "propósito". […] A primeira acepção, mais básica, só
se atribui, normalmente, a pessoas ou ao seu comportamento como em "Para que deixaste o carro a
trabalhar?" No segundo sentido, o propósito só se atribui normalmente às coisas, como em "Para que
serve aquela engenhoca que instalaste na garagem?" […]
Há muitas coisas que um homem pode fazer, tais como comprar e vender, contratar trabalhadores,
lavrar a terra, derrubar árvores, etc., que serão tolas, sem sentido, tontas e talvez loucas se não
tivermos qualquer propósito em vista ao fazê-las. […]
Em contraste, ter ou não ter um propósito, na outra acepção é algo neutro quanto ao valor. Não
prezamos mais ou menos uma coisa por ter ou não um propósito. […] Uma fila de árvores perto de
uma quinta pode ter ou não um propósito: pode servir ou não para cortar o vento, as árvores podem
ter sido ou não plantadas naquele local (…). De modo algum depreciamos as árvores se dissermos
que não têm qualquer propósito, tendo-se limitado a crescer assim. […]
Contudo, (…) atribuir a um ser humano um propósito nesta acepção não é neutro, nem sequer
lisonjeiro: é ofensivo. É degradante para um homem ser encarado meramente como algo que serve
um propósito. Se, numa festa, eu perguntar a um empregado “Qual é o seu propósito?” estarei a
insultá-lo. Poderia igualmente ter-lhe perguntado “Para que serve você?”. Tais questões reduzem-no
ao nível de uma geringonça, um animal doméstico, ou talvez um escravo. […] Estamos a tratá-lo, na
expressão de Kant, meramente como um meio para os nossos fins, e não como um fim em si.
A mundividência cristã difere realmente da científica a este respeito, a um nível fundamental. A
última despoja o homem de um propósito neste sentido. Vê o homem como um ser sem qualquer
propósito que lhe tenha sido atribuído por seja quem for excepto ele mesmo. Despoja o homem de
qualquer objectivo, propósito ou destino que lhe tenha sido atribuído por qualquer força exterior. A
mundividência cristã, por outro lado, encara o homem como uma criatura, um artefacto divino, […],
com um propósito, atribuído pelo seu Criador.
Contudo, a falta de propósito, nesta acepção, não impede de modo algum que a vida tenha sentido.
Suspeito que muitas das pessoas que rejeitam a mundividência científica […] pensam confusamente
que se a mundividência científica for verdadeira, então as suas vidas têm de ser fúteis porque essa
mundividência implica que o homem não tem qualquer propósito que lhe tenha sido dado a partir do
exterior. Mas isto é uma confusão, pois, como mostrei, a ausência de sentido só decorre da falta de
propósito na outra acepção, que a mundividência científica não implica de maneira alguma. Estas
pessoas concluem erradamente que não pode haver qualquer propósito na vida porque não há
propósito para a vida; que os homens não podem adoptar e alcançar por si propósitos porque o
homem, ao contrário de um robô ou de um cão de guarda, não é uma criatura com um propósito.
Kurt Baier(1957), O Sentido da Vida” (1957), pp.119-120
Interpretação u
1. Exponha a perspetiva de Baier em relação à proposta da mundividência cristã segundo a qual “ o
homem é uma artefacto divino”.
Kurt Baier (1917-2010): Filósofo moral neozelandês, radicado nos Estados Unidos da América. As suas As suas
ideias sobre o sentido da vida têm sido igualmente muito influentes. Destacam-se as obras The Moral Point of View
(1955), The Problems of Life and Death (1997).

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Flávio Dos Santos
 
Agenda de eventos do SEBRAE-SP
Agenda de eventos do SEBRAE-SPAgenda de eventos do SEBRAE-SP
Agenda de eventos do SEBRAE-SP
Sebrae-SaoPaulo
 
Br an bsb_arx_570
Br an bsb_arx_570Br an bsb_arx_570
Br an bsb_arx_570
Magaiver Ralk
 
2015_05_25 “Inteligência Competitiva” é a nova ferramenta de gestão - Vida...
2015_05_25 “Inteligência Competitiva” é a nova ferramenta de gestão - Vida...2015_05_25 “Inteligência Competitiva” é a nova ferramenta de gestão - Vida...
2015_05_25 “Inteligência Competitiva” é a nova ferramenta de gestão - Vida...
NOVA IMS, FELU, ISEG, SKEMA
 
Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)gracacruz
 
prueba
pruebaprueba
prueba
eduard2321
 
Trabalho de fisica quantica
Trabalho de fisica quanticaTrabalho de fisica quantica
Trabalho de fisica quantica
Isabella Corrêa
 
Simt majid
Simt majidSimt majid
Simt majid
ALHAMA COMPANY
 
Almogia. Vicente andrade fernadez
Almogia. Vicente andrade  fernadez Almogia. Vicente andrade  fernadez
Almogia. Vicente andrade fernadez
Almogia en Imágenes
 
UCT na revista Indo e Vindo - Edição 01
UCT na revista Indo e Vindo - Edição 01UCT na revista Indo e Vindo - Edição 01
UCT na revista Indo e Vindo - Edição 01
Universidade Corporativa do Transporte
 
Let's shake some trees
Let's shake some treesLet's shake some trees
Let's shake some trees
Deepan Subbiah
 
Vacina ajuda a reduzir número de casos graves e óbitos por gripe
Vacina ajuda a reduzir número de casos graves e óbitos por gripeVacina ajuda a reduzir número de casos graves e óbitos por gripe
Vacina ajuda a reduzir número de casos graves e óbitos por gripe
Ministério da Saúde
 
Português bondade - tipo 02
Português   bondade - tipo 02Português   bondade - tipo 02
Português bondade - tipo 02
Renato Rodrigues
 
Kit escolar e kit cesta básica
Kit escolar e kit cesta básicaKit escolar e kit cesta básica
Kit escolar e kit cesta básica
felipe_higa
 
Pais terceirizados
Pais terceirizadosPais terceirizados
Pais terceirizados
Luiz Ferreira
 
Lincx reembolso
Lincx reembolsoLincx reembolso
Lincx reembolso
José Carlos
 
Casinhas PE licitação de show
Casinhas PE licitação de showCasinhas PE licitação de show
Casinhas PE licitação de show
Agreste Casinhas
 
Tecnologia para Licenciamento
Tecnologia para LicenciamentoTecnologia para Licenciamento
Tecnologia para Licenciamento
Portfolio de Patentes Inova Unicamp
 
professional mistakes
 professional mistakes professional mistakes
professional mistakes
oumayma chakir
 

Destaque (19)

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Agenda de eventos do SEBRAE-SP
Agenda de eventos do SEBRAE-SPAgenda de eventos do SEBRAE-SP
Agenda de eventos do SEBRAE-SP
 
Br an bsb_arx_570
Br an bsb_arx_570Br an bsb_arx_570
Br an bsb_arx_570
 
2015_05_25 “Inteligência Competitiva” é a nova ferramenta de gestão - Vida...
2015_05_25 “Inteligência Competitiva” é a nova ferramenta de gestão - Vida...2015_05_25 “Inteligência Competitiva” é a nova ferramenta de gestão - Vida...
2015_05_25 “Inteligência Competitiva” é a nova ferramenta de gestão - Vida...
 
Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)Calendário escolar 2014 2015 (1)
Calendário escolar 2014 2015 (1)
 
prueba
pruebaprueba
prueba
 
Trabalho de fisica quantica
Trabalho de fisica quanticaTrabalho de fisica quantica
Trabalho de fisica quantica
 
Simt majid
Simt majidSimt majid
Simt majid
 
Almogia. Vicente andrade fernadez
Almogia. Vicente andrade  fernadez Almogia. Vicente andrade  fernadez
Almogia. Vicente andrade fernadez
 
UCT na revista Indo e Vindo - Edição 01
UCT na revista Indo e Vindo - Edição 01UCT na revista Indo e Vindo - Edição 01
UCT na revista Indo e Vindo - Edição 01
 
Let's shake some trees
Let's shake some treesLet's shake some trees
Let's shake some trees
 
Vacina ajuda a reduzir número de casos graves e óbitos por gripe
Vacina ajuda a reduzir número de casos graves e óbitos por gripeVacina ajuda a reduzir número de casos graves e óbitos por gripe
Vacina ajuda a reduzir número de casos graves e óbitos por gripe
 
Português bondade - tipo 02
Português   bondade - tipo 02Português   bondade - tipo 02
Português bondade - tipo 02
 
Kit escolar e kit cesta básica
Kit escolar e kit cesta básicaKit escolar e kit cesta básica
Kit escolar e kit cesta básica
 
Pais terceirizados
Pais terceirizadosPais terceirizados
Pais terceirizados
 
Lincx reembolso
Lincx reembolsoLincx reembolso
Lincx reembolso
 
Casinhas PE licitação de show
Casinhas PE licitação de showCasinhas PE licitação de show
Casinhas PE licitação de show
 
Tecnologia para Licenciamento
Tecnologia para LicenciamentoTecnologia para Licenciamento
Tecnologia para Licenciamento
 
professional mistakes
 professional mistakes professional mistakes
professional mistakes
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa

Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
Universidade Católica Portuguesa
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
Universidade Católica Portuguesa
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
Universidade Católica Portuguesa
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
Universidade Católica Portuguesa
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Universidade Católica Portuguesa
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
Universidade Católica Portuguesa
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
Universidade Católica Portuguesa
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa (20)

Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema.mal
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Kurt Baier - Sentido da vida

  • 1.  A  Religião  e  o  Sentido  da  Existência:  a  experiência  da  finitude  e  a  abertura  à  transcendência    Filosofia  –  10º  Ano   O SENTIDO DA VIDA “Há […] duas acepções muito diferentes de "propósito". […] A primeira acepção, mais básica, só se atribui, normalmente, a pessoas ou ao seu comportamento como em "Para que deixaste o carro a trabalhar?" No segundo sentido, o propósito só se atribui normalmente às coisas, como em "Para que serve aquela engenhoca que instalaste na garagem?" […] Há muitas coisas que um homem pode fazer, tais como comprar e vender, contratar trabalhadores, lavrar a terra, derrubar árvores, etc., que serão tolas, sem sentido, tontas e talvez loucas se não tivermos qualquer propósito em vista ao fazê-las. […] Em contraste, ter ou não ter um propósito, na outra acepção é algo neutro quanto ao valor. Não prezamos mais ou menos uma coisa por ter ou não um propósito. […] Uma fila de árvores perto de uma quinta pode ter ou não um propósito: pode servir ou não para cortar o vento, as árvores podem ter sido ou não plantadas naquele local (…). De modo algum depreciamos as árvores se dissermos que não têm qualquer propósito, tendo-se limitado a crescer assim. […] Contudo, (…) atribuir a um ser humano um propósito nesta acepção não é neutro, nem sequer lisonjeiro: é ofensivo. É degradante para um homem ser encarado meramente como algo que serve um propósito. Se, numa festa, eu perguntar a um empregado “Qual é o seu propósito?” estarei a insultá-lo. Poderia igualmente ter-lhe perguntado “Para que serve você?”. Tais questões reduzem-no ao nível de uma geringonça, um animal doméstico, ou talvez um escravo. […] Estamos a tratá-lo, na expressão de Kant, meramente como um meio para os nossos fins, e não como um fim em si. A mundividência cristã difere realmente da científica a este respeito, a um nível fundamental. A última despoja o homem de um propósito neste sentido. Vê o homem como um ser sem qualquer propósito que lhe tenha sido atribuído por seja quem for excepto ele mesmo. Despoja o homem de qualquer objectivo, propósito ou destino que lhe tenha sido atribuído por qualquer força exterior. A mundividência cristã, por outro lado, encara o homem como uma criatura, um artefacto divino, […], com um propósito, atribuído pelo seu Criador. Contudo, a falta de propósito, nesta acepção, não impede de modo algum que a vida tenha sentido. Suspeito que muitas das pessoas que rejeitam a mundividência científica […] pensam confusamente que se a mundividência científica for verdadeira, então as suas vidas têm de ser fúteis porque essa mundividência implica que o homem não tem qualquer propósito que lhe tenha sido dado a partir do exterior. Mas isto é uma confusão, pois, como mostrei, a ausência de sentido só decorre da falta de propósito na outra acepção, que a mundividência científica não implica de maneira alguma. Estas pessoas concluem erradamente que não pode haver qualquer propósito na vida porque não há propósito para a vida; que os homens não podem adoptar e alcançar por si propósitos porque o homem, ao contrário de um robô ou de um cão de guarda, não é uma criatura com um propósito. Kurt Baier(1957), O Sentido da Vida” (1957), pp.119-120 Interpretação u 1. Exponha a perspetiva de Baier em relação à proposta da mundividência cristã segundo a qual “ o homem é uma artefacto divino”. Kurt Baier (1917-2010): Filósofo moral neozelandês, radicado nos Estados Unidos da América. As suas As suas ideias sobre o sentido da vida têm sido igualmente muito influentes. Destacam-se as obras The Moral Point of View (1955), The Problems of Life and Death (1997).