SlideShare uma empresa Scribd logo
O cepticismo
O conhecimento é possível?
É possível justificar a verdade das nossas
crenças?
O problema da possibilidade do conhecimento
é um dos mais importantes da epistemologia...
Se concluirmos por uma resposta negativa,
temos que aceitar que a ciência não tem
fundamento...
Mas, se isso for verdade,
como explicamos o progresso
tecnológico que caracteriza as
sociedades contemporâneas?
Se não fosse possível
justificar o conhecimento
científico, como seria possível
o progresso tecnológico?
Na verdade a tecnologia
depende da ciência...
Se concluirmos por uma resposta negativa, temos que aceitar
que a ciência não tem fundamento...
De facto, o cepticismo recusa a possibilidade de justificação da
verdade de toda e qualquer crença.
Nos nossos dias é fácil refutar o cepticismo radical, uma vez
que estamos rodeados de exemplos que o contradizem: se
nada fosse possível conhecer, como é que poderíamos ter
coisas tão básicas como a energia eléctrica, os computadores
pessoais, os telemóveis, a Internet ?
Cepticismo - Concepção que considera que
não é possível alcançar o conhecimento

Skepsis - “Suspensão do juízo”
Górgias foi o primeiro a postular o
cepticismo...
Ao afirmar que:
“1. A verdade não existe.
2. Mesmo que a verdade existisse, não
poderia ser conhecida.
3. Mesmo que a verdade pudesse ser
conhecida, não poderia ser ensinada.”
O cepticismo radical foi defendido
por Pirro de Élis (c.365-275a.C.).
Essa posição ficou conhecida por
pirronismo.
Argumentos
cépticos
Argumento da divergência de
opiniões
Se há de facto justificação
das nossas crenças, não há
divergências relativamente a
todos os assuntos. Há
divergências relativamente a
todos os assuntos. Logo, não
há de facto justificação das
nossas crenças.
Objeções ao primeiro argumento
Os cépticos refutam, portanto, a
presença da justificação.
Ora, com isto criam um problema:
Têm uma ideia justificada.
Afinal, é possível justificar.
Outra premissa encontrada
pelos cépticos é a presença
de divergências o que, para
eles, torna impossível a
defesa universal de qualquer
ideia.
Contrariamente ao que os
cépticos defendem, é possível
haver ideias universais: a
Física e a Matemática, por
exemplo, são capazes de
produzir consensos.
As divergências de opiniões,
segundo os cépticos, são
irreversíveis e definitivas. Tal
não é verdade.
Existem inúmeros exemplos
que contrariam esta tese. Por
exemplo, a igualdade de
direitos entre homens e
mulheres.
Argumento da Regressão
infinita
A justificação de qualquer
crença é inferida de outras
crenças.
Se a justificação de qualquer
crença é inferida de outras
crenças, então dá-se a
regressão infinita.
Se há regressão infinita, as
nossas crenças não estão
justificadas.
Logo, as nossas crenças não
estão justificadas.
Objecções ao argumento da
regressão infinita
A possibilidade de duvida tem limites.
Há certezas que se justificam a si
mesmas e que servem de base a
outras verdades: por exemplo, a
soma dos ângulos internos de um
triângulo é 180 graus.
As nossas certezas são proporcionais
à nossa condição humana.
Argumento da
falibilidade do
conhecimento
sensorial
(Argumento das
ilusões e dos
erros
perceptivos)
O conhecimento sensorial
engana-nos frequentemente:
Baseando-se nas
teorias da percepção, este
argumento defende haver
uma desconexão entre
aquilo que julgamos
conhecer e a própria
realidade.
Há ilusões perceptivas que são inevitáveis, tendo em conta como
funciona a nossa percepção.
Um exemplo retirado da cosmologia dos nossos dias (os cépticos
na antiguidade não tinham conhecimento deste fenómeno):
Sabemos que há estrelas que são vistas por nós e que podem já
não existir, apesar de nós as visualizarmos.
Da mesma forma, sabemos
que a cor de um objecto
depende da forma como é
atingido pela luz,
desencadeando
comprimentos de onda que
vão condicionar a nossa
percepção.
A cores não são, portanto,
características físicas dos
objectos.
Contudo, nós temos a noção de
que vivemos num mesmo
mundo,
o certo é que quando digo «o
Diogo é alto», há pessoas que o
reconhecem como tal.
Isto é, os meus sentidos captam
o que os outros captam e isso já
é o bastante para considerarmos
que partilhamos um
conhecimento sensorial sobre o
mundo em que vivemos.
Isso é suficiente para termos a
convicção de que vivemos no
mesmo mundo...
Esta apresentação, em grande parte da sua extensão, baseia-se
na seguinte:
http://pt.slideshare.net/filosofiaesjs/cepticismo-11027566

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
Joana Filipa Rodrigues
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
Isabel Moura
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Rafael Cristino
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
CatarinaNeivas
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
Beatriz Cruz
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
Isabel Moura
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoLuis De Sousa Rodrigues
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Lista_falácias_informais
Lista_falácias_informaisLista_falácias_informais
Lista_falácias_informais
Isabel Moura
 

Mais procurados (20)

David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Lista_falácias_informais
Lista_falácias_informaisLista_falácias_informais
Lista_falácias_informais
 

Destaque

Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Helena Serrão
 
85857099 descartes
85857099 descartes85857099 descartes
85857099 descartes
Paulo Gomes
 
O acto de conhecer
O acto de conhecerO acto de conhecer
O acto de conhecer
Paulo Gomes
 
O Agulheiro
O AgulheiroO Agulheiro
O Agulheiro
Paulo Gomes
 
Ceticismo
CeticismoCeticismo
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
AMLDRP
 
Conhecimento vulgar e conhecimento científico
Conhecimento vulgar e conhecimento científicoConhecimento vulgar e conhecimento científico
Conhecimento vulgar e conhecimento científico
António Padrão
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
Dylan Bonnet
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
rodrigomagarinus
 
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia AnalíticaProblema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
Fellipe Ávila
 
A decisão
A decisãoA decisão
A decisão
Paulo Gomes
 
A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?
Paulo Gomes
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
novelino
 
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJFilosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Joana Pinto
 
O sentido da existência humana
O sentido da existência humanaO sentido da existência humana
O sentido da existência humana
Paulo Gomes
 
Os actos do homem
Os actos do homemOs actos do homem
Os actos do homem
Paulo Gomes
 
Ficha que es la filosofia
Ficha que es la filosofiaFicha que es la filosofia
Ficha que es la filosofia
Antonio Jimenez
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
João Bastos
 
A política
A políticaA política
A política
Paulo Gomes
 
Descartes - Trab grupo II
Descartes - Trab grupo IIDescartes - Trab grupo II
Descartes - Trab grupo II
mluisavalente
 

Destaque (20)

Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
85857099 descartes
85857099 descartes85857099 descartes
85857099 descartes
 
O acto de conhecer
O acto de conhecerO acto de conhecer
O acto de conhecer
 
O Agulheiro
O AgulheiroO Agulheiro
O Agulheiro
 
Ceticismo
CeticismoCeticismo
Ceticismo
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
 
Conhecimento vulgar e conhecimento científico
Conhecimento vulgar e conhecimento científicoConhecimento vulgar e conhecimento científico
Conhecimento vulgar e conhecimento científico
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
 
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia AnalíticaProblema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
 
A decisão
A decisãoA decisão
A decisão
 
A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJFilosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
 
O sentido da existência humana
O sentido da existência humanaO sentido da existência humana
O sentido da existência humana
 
Os actos do homem
Os actos do homemOs actos do homem
Os actos do homem
 
Ficha que es la filosofia
Ficha que es la filosofiaFicha que es la filosofia
Ficha que es la filosofia
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
 
A política
A políticaA política
A política
 
Descartes - Trab grupo II
Descartes - Trab grupo IIDescartes - Trab grupo II
Descartes - Trab grupo II
 

Semelhante a Cepticismo

Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
Helena Serrão
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
O problema da verdade
O problema da verdade O problema da verdade
O problema da verdade
Poliana Martins
 
O problema da verdade psicologia
O problema da verdade   psicologiaO problema da verdade   psicologia
O problema da verdade psicologia
Poliana Martins
 
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciênciaRefletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
arrowds7
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
Mateus Ferraz
 
Questionar é evoluir
Questionar é evoluirQuestionar é evoluir
Questionar é evoluir
Thiago Silva
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Duzg
 
Logica
LogicaLogica
Logica
Erica Frau
 
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Marcelo Knobel
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Estude Mais
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
Marcelo Ferreira Boia
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
TONI21benfica
 
02. Dúvidas Filosóficas , de Bertrand Russell. (1).docx
02. Dúvidas Filosóficas , de Bertrand Russell. (1).docx02. Dúvidas Filosóficas , de Bertrand Russell. (1).docx
02. Dúvidas Filosóficas , de Bertrand Russell. (1).docx
LucasGilCosta
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
LucianoEnes1
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
Lair Melo
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Helena Serrão
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
TamraSilva
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
Arlindo Picoli
 

Semelhante a Cepticismo (20)

Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
O problema da verdade
O problema da verdade O problema da verdade
O problema da verdade
 
O problema da verdade psicologia
O problema da verdade   psicologiaO problema da verdade   psicologia
O problema da verdade psicologia
 
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciênciaRefletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Questionar é evoluir
Questionar é evoluirQuestionar é evoluir
Questionar é evoluir
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
 
Logica
LogicaLogica
Logica
 
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
 
02. Dúvidas Filosóficas , de Bertrand Russell. (1).docx
02. Dúvidas Filosóficas , de Bertrand Russell. (1).docx02. Dúvidas Filosóficas , de Bertrand Russell. (1).docx
02. Dúvidas Filosóficas , de Bertrand Russell. (1).docx
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
 

Mais de Paulo Gomes

Pressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniõesPressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniões
Paulo Gomes
 
Revisões teste01
Revisões teste01Revisões teste01
Revisões teste01
Paulo Gomes
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
Paulo Gomes
 
Conceito apresentação
Conceito apresentaçãoConceito apresentação
Conceito apresentação
Paulo Gomes
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
Paulo Gomes
 
Integração europeia
Integração europeiaIntegração europeia
Integração europeia
Paulo Gomes
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
Paulo Gomes
 
A importância da argumentação
A importância da argumentaçãoA importância da argumentação
A importância da argumentação
Paulo Gomes
 
Salt
SaltSalt
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Paulo Gomes
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
Paulo Gomes
 
Menino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.VdMenino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.Vd
Paulo Gomes
 
O Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De DesenvolvimentoO Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De Desenvolvimento
Paulo Gomes
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
Paulo Gomes
 
A moral de Kant
A moral de KantA moral de Kant
A moral de Kant
Paulo Gomes
 
O agir moral
O agir moralO agir moral
O agir moral
Paulo Gomes
 
A opinião Pública
A opinião PúblicaA opinião Pública
A opinião Pública
Paulo Gomes
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
Paulo Gomes
 
A diversidade cultural
A diversidade culturalA diversidade cultural
A diversidade cultural
Paulo Gomes
 
A natureza dos valores
A natureza dos valoresA natureza dos valores
A natureza dos valores
Paulo Gomes
 

Mais de Paulo Gomes (20)

Pressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniõesPressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniões
 
Revisões teste01
Revisões teste01Revisões teste01
Revisões teste01
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
 
Conceito apresentação
Conceito apresentaçãoConceito apresentação
Conceito apresentação
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Integração europeia
Integração europeiaIntegração europeia
Integração europeia
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
 
A importância da argumentação
A importância da argumentaçãoA importância da argumentação
A importância da argumentação
 
Salt
SaltSalt
Salt
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
Menino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.VdMenino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.Vd
 
O Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De DesenvolvimentoO Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De Desenvolvimento
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
 
A moral de Kant
A moral de KantA moral de Kant
A moral de Kant
 
O agir moral
O agir moralO agir moral
O agir moral
 
A opinião Pública
A opinião PúblicaA opinião Pública
A opinião Pública
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
A diversidade cultural
A diversidade culturalA diversidade cultural
A diversidade cultural
 
A natureza dos valores
A natureza dos valoresA natureza dos valores
A natureza dos valores
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Cepticismo

  • 2. O conhecimento é possível? É possível justificar a verdade das nossas crenças?
  • 3. O problema da possibilidade do conhecimento é um dos mais importantes da epistemologia...
  • 4. Se concluirmos por uma resposta negativa, temos que aceitar que a ciência não tem fundamento...
  • 5. Mas, se isso for verdade, como explicamos o progresso tecnológico que caracteriza as sociedades contemporâneas? Se não fosse possível justificar o conhecimento científico, como seria possível o progresso tecnológico? Na verdade a tecnologia depende da ciência...
  • 6.
  • 7. Se concluirmos por uma resposta negativa, temos que aceitar que a ciência não tem fundamento... De facto, o cepticismo recusa a possibilidade de justificação da verdade de toda e qualquer crença. Nos nossos dias é fácil refutar o cepticismo radical, uma vez que estamos rodeados de exemplos que o contradizem: se nada fosse possível conhecer, como é que poderíamos ter coisas tão básicas como a energia eléctrica, os computadores pessoais, os telemóveis, a Internet ?
  • 8. Cepticismo - Concepção que considera que não é possível alcançar o conhecimento Skepsis - “Suspensão do juízo”
  • 9. Górgias foi o primeiro a postular o cepticismo... Ao afirmar que: “1. A verdade não existe. 2. Mesmo que a verdade existisse, não poderia ser conhecida. 3. Mesmo que a verdade pudesse ser conhecida, não poderia ser ensinada.”
  • 10. O cepticismo radical foi defendido por Pirro de Élis (c.365-275a.C.). Essa posição ficou conhecida por pirronismo.
  • 12. Argumento da divergência de opiniões Se há de facto justificação das nossas crenças, não há divergências relativamente a todos os assuntos. Há divergências relativamente a todos os assuntos. Logo, não há de facto justificação das nossas crenças.
  • 13. Objeções ao primeiro argumento Os cépticos refutam, portanto, a presença da justificação. Ora, com isto criam um problema: Têm uma ideia justificada. Afinal, é possível justificar.
  • 14. Outra premissa encontrada pelos cépticos é a presença de divergências o que, para eles, torna impossível a defesa universal de qualquer ideia. Contrariamente ao que os cépticos defendem, é possível haver ideias universais: a Física e a Matemática, por exemplo, são capazes de produzir consensos.
  • 15. As divergências de opiniões, segundo os cépticos, são irreversíveis e definitivas. Tal não é verdade. Existem inúmeros exemplos que contrariam esta tese. Por exemplo, a igualdade de direitos entre homens e mulheres.
  • 16. Argumento da Regressão infinita A justificação de qualquer crença é inferida de outras crenças. Se a justificação de qualquer crença é inferida de outras crenças, então dá-se a regressão infinita. Se há regressão infinita, as nossas crenças não estão justificadas. Logo, as nossas crenças não estão justificadas.
  • 17. Objecções ao argumento da regressão infinita A possibilidade de duvida tem limites. Há certezas que se justificam a si mesmas e que servem de base a outras verdades: por exemplo, a soma dos ângulos internos de um triângulo é 180 graus. As nossas certezas são proporcionais à nossa condição humana.
  • 18. Argumento da falibilidade do conhecimento sensorial (Argumento das ilusões e dos erros perceptivos)
  • 19. O conhecimento sensorial engana-nos frequentemente: Baseando-se nas teorias da percepção, este argumento defende haver uma desconexão entre aquilo que julgamos conhecer e a própria realidade.
  • 20. Há ilusões perceptivas que são inevitáveis, tendo em conta como funciona a nossa percepção. Um exemplo retirado da cosmologia dos nossos dias (os cépticos na antiguidade não tinham conhecimento deste fenómeno): Sabemos que há estrelas que são vistas por nós e que podem já não existir, apesar de nós as visualizarmos.
  • 21. Da mesma forma, sabemos que a cor de um objecto depende da forma como é atingido pela luz, desencadeando comprimentos de onda que vão condicionar a nossa percepção. A cores não são, portanto, características físicas dos objectos.
  • 22. Contudo, nós temos a noção de que vivemos num mesmo mundo, o certo é que quando digo «o Diogo é alto», há pessoas que o reconhecem como tal. Isto é, os meus sentidos captam o que os outros captam e isso já é o bastante para considerarmos que partilhamos um conhecimento sensorial sobre o mundo em que vivemos.
  • 23. Isso é suficiente para termos a convicção de que vivemos no mesmo mundo...
  • 24. Esta apresentação, em grande parte da sua extensão, baseia-se na seguinte: http://pt.slideshare.net/filosofiaesjs/cepticismo-11027566