SlideShare uma empresa Scribd logo
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
Primeira Parte: As causas primeiras
CAPÍTULO I: DEUS
CAPÍTULO I: DEUS
• DEUS E O INFINITO
• PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS
• ATRIBUTOS DA DIVINDADE
• PANTEÍSMO
Questões 01 à 16
DEUS E O
INFINITO
1 – Que é Deus?
Deus é a inteligência suprema,
causa primária de todas as
coisas.
2 – Que se deve entender por
infinito?
O que não tem começo nem
fim: o desconhecido; tudo que
é desconhecido é infinito.
3 – Poder-se-ia dizer que Deus é o infinito?
Definição incompleta. Pobreza da linguagem
humana, insuficiente para definir o que está acima
da linguagem dos homens.
Allan Kardec:
Deus é infinito em Suas perfeições, mas o infinito
é uma abstração. Dizer que Deus: é o infinito é
tomar o atributo de uma coisa pela coisa mesma,
é definir uma coisa que não está conhecida por
uma outra que não está mais do que a primeira.
PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS
4 – Onde se pode encontrar a
prova da existência de Deus?
Num axioma que aplicais às vossas
ciências. Não há efeito sem causa.
Procurai a causa de tudo o que não
é obra do homem e a vossa razão
responderá.
Allan Kardec:
Para crer-se em Deus, basta se
lance o olhar sobre as obras da
Criação. O Universo existe, logo
tem uma causa. Duvidar da
existência de Deus é negar que
todo efeito tem uma causa e
avançar que o nada pôde fazer
alguma coisa.
Deus em toda parte - Célia Tomboly
Ouço Deus
Vansan
5 – Que dedução se pode tirar do sentimento instintivo, que todos os
homens trazem em si, da existência de Deus?
A de que Deus existe; pois, donde lhes viria esse sentimento, se não tivesse
uma base? É ainda uma consequência do princípio - não há efeito sem causa.
6 – O sentimento íntimo que
temos da existência de Deus não
poderia ser fruto da educação,
resultado de ideias adquiridas?
Se assim fosse, por que existiria
nos vossos selvagens esse
sentimento?
Allan Kardec:
Se o sentimento da existência de
um ser supremo fosse tão-
somente produto de um ensino,
não seria universal e não existiria
senão nos que houvessem podido
receber esse ensino, conforme se
dá com as noções científicas.
7 – Poder-se-ia achar nas
propriedades íntimas da matéria a
causa primária da formação das
coisas?
Mas, então, qual seria a causa
dessas propriedades? É
indispensável sempre uma causa
primária.
Allan Kardec:
Atribuir a formação primária das
coisas às propriedades íntimas da
matéria seria tomar o efeito pela
causa, porquanto essas
propriedades são, também elas,
um efeito que há de ter uma
causa.
8 – Que se deve pensar da opinião dos que
atribuem a formação primária a uma
combinação fortuita da matéria, ou, por outra,
ao acaso?
Outro absurdo! Que homem de bom-senso
pode considerar o acaso um ser inteligente? E,
demais, que é o acaso? Nada.
Allan Kardec:
A harmonia existente no mecanismo do
Universo patenteia combinações e desígnios
determinados e, por isso mesmo, revela um
poder inteligente. Atribuir a formação
primária ao acaso é insensatez, pois que o
acaso é cego e não pode produzir os efeitos
que a inteligência produz. Um acaso
inteligente já não seria acaso.
9 – Em que é que, na causa primária, se revela uma inteligência suprema
e superior a todas as inteligências?
Tendes um provérbio que diz: Pela obra se reconhece o autor. Pois bem!
Vede a obra e procurai o autor. O orgulho é que gera a incredulidade. O
homem orgulhoso nada admite acima de si. Por isso é que ele se denomina
a si mesmo de espírito forte. Pobre ser, que um sopro de Deus pode abater!
Allan Kardec:
Do poder de uma inteligência se julga pelas obras. Não podendo nenhum
ser humano criar o que a Natureza produz, a causa primária é,
conseguintemente, uma inteligência superior à Humanidade.
Quaisquer que sejam os prodígios que a inteligência humana tenha
operado, ela própria tem uma causa e, quanto maior for o que opere,
tanto maior há de ser a causa primária. Aquela inteligência superior é que
é a causa primária de todas as coisas, seja qual for o nome que lhe deem.
7 fortes indícios que provam a existência de Deus
https://www.fatosdesconhecidos.com.br/7-fortes-indicios-que-provam-existencia-de-deus/
1 – A ordem explicável
Ao analisar a estrutura fina do
Universo, o professor Richard
Swinburne (professor de filosofia na
Universidade de Oxford) descobriu
que a matéria inicial e as leis da
natureza tiveram que sofrer grandes
alterações e adquirir enormes
características especiais para
proporcionar a evolução da vida. De
acordo com ele essa é uma prova de
que uma força divina e criacional
existe e que interveio nesse processo.
2 – Coincidências impossíveis
Existem quatro forças fundamentais na
física:
• a interação nuclear forte
• a interação nuclear fraca
• o eletromagnetismo
• a gravidade
Essas forças interagem entre si através de
uma energia perfeita. Qualquer
minúscula alteração nela, mesmo que
pareça insignificante, impossibilitaria a
existência de qualquer matéria e do
próprio Cosmo. Para alguns cientistas não
existe coincidência e portanto essa seria
uma forte indicação de que uma força
superior fez com que ela fosse possível.
3 – Experiência de quase morte
Um doutor chamado Steven Laureys que
estuda as experiências de quase morte
teve um de seus relatos publicados
pela CNN. De acordo com ele os
pacientes que passam por situações de
quase morte ou voltam a vida
apresentam características similares. Ele
explica que essas pessoas voltam
diferente. Se sentem mais motivadas e
felizes, perdendo até o medo da morte.
Para ele essa é uma indicação de que
existe algo a mais após a vida terrestre.
O que também significa que um Deus
está por trás disso.
4 – Equilíbrio cósmico
Existe um equilíbrio difícil de se explicar
pela a ciência. Este se trata da relação da
gravidade e do eletromagnetismo. De
acordo com o matemático Freeman
Dyson muitos acidentes físicos e
astrológicos aconteceram antes para que
a nossa existência fosse possível. Todas
elas caminharam até o dia de hoje e caso
qualquer coisinha fosse diferente nosso
mundo não seria o mesmo, e talvez nem
existisse. A sequência de fatores faz com
que ele acredite que esta é uma grande
prova de que existe algo superior. Ela
teria sido responsável por encaminhar
todas essas questões até a nossa
chegada.
5 – Tempo zero
Ainda hoje a teoria mais aceita sobre o
surgimento do universo é a do Big Bang. A
explosão teria feito com que tudo que
possuímos hoje fosse possível. Suas
comprovações e sustentações são inúmeras e
muitos fatores indicam que realmente a
explosão corresponderia ao nosso “marco zero”.
O problema é que o que aconteceu antes desse
período não pode ser explicado nem mesmo
estudado. Não se sabe o que teria sido
responsável pelas primeiras criações que
possibilitaram que o fator acontecesse. Para
muitos isso é um indício de que existia algo
muito mais forte anteriormente que foi
responsável pelo desenrolar das coisas até o
momento exato em que ocorreu o Big Bang.
6 – A crença como prova de sua
existência
René Descartes, em um de seus momentos de
esclarecimento afirma que só o fato de
imaginarmos a existência de um Deus já prova que
ele existe. O ser humano não consegue imaginar
algo que não tenha tido contato anteriormente. Se
te pedirem para imaginar como seria um animal em
outro planeta você provavelmente irá imaginar uma
junção maluca entre os que já conhecemos na Terra.
Essa ideia é inata na maioria dos seres humanos. O
conceito de Deus existe desde que o homem é
homem. Para Descartes essa é a prova de que a ideia
foi colocada em nós por algo superior, ou seja Deus.
Se for parar para analisar os descrentes só perdem a
sua fé em Deus em vida, independente do motivo.
Mas a ideia sempre esteve presente.
7 – A inteligência que coexiste com o universo
De acordo com Sir Alfred Hoyle, um renomado astrofísico, a vida não poderia ter surgido
devido um simples acaso. Ele afirma que o carbono, presente em todos os seres vivos, tem um
nível de ressonância energética única, que torna capaz a junção entre os núcleos de átomos de
hélio e berílio. O oxigênio também contém um nível específico de ressonância que juntos
mantem um equilíbrio. Para ele essas questões perfeitamente moldadas não poderiam ser
apenas uma feliz coincidência. Por esse motivo ele afirma que uma força maior tem regido o
universo mesmo antes de seu surgimento.
O Espiritismo e a Ciência se completam reciprocamente; a
Ciência sem o Espiritismo se acha na impossibilidade de
explicar certos fenômenos só pelas leis da matéria; ao
Espiritismo, sem a Ciência, faltariam apoio e comprovação.
A Gênese – Capítulo I – Item 16.
A ciência sem a religião é manca, a religião sem a
ciência é cega.
Albert Einstein
ATRIBUTOS DA DIVINDADE
10. Pode o homem compreender a natureza íntima de Deus?
Não; falta-lhe para isso o sentido.
11. Será dado um dia ao homem compreender o mistério da
Divindade?
Quando não mais tiver o espírito obscurecido pela matéria. Quando,
pela sua perfeição, se houver aproximado de Deus, ele o verá e
compreenderá.
Allan Kardec:
A inferioridade das faculdades do homem não lhe permite
compreender a natureza íntima de Deus. Na infância da
Humanidade, o homem O confunde muitas vezes com a criatura,
cujas imperfeições lhe atribui; mas, à medida que nele se
desenvolve o senso moral, seu pensamento penetra melhor no
âmago das coisas; então, faz ideia mais justa da Divindade e,
ainda que sempre incompleta, mais conforme à sã razão.
12. Embora não possamos compreender a natureza íntima de Deus,
podemos formar ideia de algumas de Suas perfeições?
De algumas, sim. O homem as compreende melhor à proporção que se
eleva acima da matéria. Entrevê-as pelo pensamento.
13. Quando dizemos que Deus é eterno, infinito, imutável, imaterial, único,
onipotente, soberanamente justo e bom, temos ideia completa de Seus atributos?
Do vosso ponto de vista, sim, porque credes abranger tudo. Sabei, porém, que há
coisas que estão acima da inteligência do homem mais inteligente, as quais a vossa
linguagem, restrita às vossas ideias e sensações, não tem meios de exprimir. A razão,
com efeito, vos diz que Deus deve possuir em grau supremo essas perfeições,
porquanto, se uma Lhe faltasse, ou não fosse infinita, já Ele não seria superior a tudo,
não seria, por conseguinte, Deus. Para estar acima de todas as coisas, Deus tem que
se achar isento de qualquer vicissitude e de qualquer das imperfeições que a
imaginação possa conceber.
Allan Kardec:
• Deus é eterno. Se tivesse tido princípio, teria saído do nada, ou, então, também teria
sido criado, por um ser anterior. É assim que, de degrau em degrau, remontamos ao
infinito e à eternidade.
• É imutável. Se estivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o Universo nenhuma
estabilidade teriam.
• É imaterial. Quer isto dizer que a sua natureza difere de tudo o que chamamos
matéria. De outro modo, ele não seria imutável, porque estaria sujeito às
transformações da matéria.
• É único. Se muitos Deuses houvessem, não haveria unidade de vistas, nem unidade de
poder na ordenação do Universo.
• É onipotente Ele o é, porque é único. Se não dispusesse do soberano poder, algo
haveria mais poderoso ou tão poderoso quanto ele, que então não teria feito todas as
coisas. As que não houvesse feito seriam obra de outro Deus.
• É soberanamente justo e bom. A sabedoria providencial das leis divinas se revela,
assim nas mais pequeninas coisas, como nas maiores, e essa sabedoria não permite se
duvide nem da justiça nem da bondade de Deus.
PANTEÍSMO
14. Deus é um ser distinto, ou será, como opinam
alguns, a resultante de todas as forças e de todas
as inteligências do Universo reunidas?
Se fosse assim, Deus não existiria, porquanto seria
efeito e não causa. Ele não pode ser ao mesmo tempo
uma e outra coisa.
Deus existe; disso não podeis duvidar e é o
essencial. Crede-me, não vades além. Não vos
percais num labirinto donde não lograríeis sair.
Isso não vos tornaria melhores, antes um pouco mais
orgulhosos, pois que acreditaríeis saber, quando na
realidade nada saberíeis. Deixai, consequentemente,
de lado todos esses sistemas; tendes bastantes
coisas que vos tocam mais de perto, a começar por
vós mesmos. Estudai as vossas próprias
imperfeições, a fim de vos libertardes delas, o que
15. Que se deve pensar da opinião
segundo a qual todos os corpos da
Natureza, todos os seres, todos os
globos do Universo seriam partes
da Divindade e constituiriam, em
conjunto, a própria Divindade, ou,
por outra, que se deve pensar da
doutrina panteísta?
Não podendo fazer-se Deus, o
homem quer ao menos ser uma
parte de Deus.
16. Pretendem os que professam esta
doutrina achar nela a demonstração de
alguns dos atributos de Deus: Sendo
infinitos os mundos, Deus é, por isso
mesmo, infinito; não havendo o vazio, ou o
nada em parte alguma, Deus está por toda
parte; estando Deus em toda parte, pois
que tudo é parte integrante de Deus, Ele dá
a todos os fenômenos da Natureza uma
razão de ser inteligente. Que se pode opor
a este raciocínio?
A razão. Refleti maduramente e não vos será
difícil reconhecer-lhe o absurdo
Allan Kardec:
Esta doutrina faz de Deus um ser material que, embora dotado de suprema
inteligência, seria em ponto grande o que somos em ponto pequeno. Ora,
transformando-se a matéria incessantemente, Deus, se fosse assim, nenhuma
estabilidade teria; achar-se-ia sujeito a todas as vicissitudes, mesmo a todas as
necessidades da Humanidade; faltar-lhe-ia um dos atributos essenciais da
Divindade: a imutabilidade. Não se podem aliar as propriedades da matéria à
ideia de Deus, sem que Ele fique rebaixado ante a nossa compreensão e não
haverá sutilezas de sofismas que cheguem a resolver o problema da Sua natureza
íntima. Não sabemos tudo o que Ele é, mas sabemos o que Ele não pode deixar
de ser e o sistema de que tratamos está em contradição com as suas mais
essenciais propriedades. Ele confunde o Criador com a criatura, exatamente
como o faria quem pretendesse que engenhosa máquina fosse parte integrante
do mecânico que a imaginou.
A inteligência de Deus se revela em Suas obras como a de um pintor no seu
quadro; mas, as obras de Deus não são o próprio Deus, como o quadro não é o
pintor que o concebeu e executou.
CRÉDITOS:
Formatação: Marta Gomes P. Miranda
Referências:
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos.
Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed.
Araras – SP: IDE, 2009. Pág. 288 à 292.
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o
Espiritismo. Tradução De Salvador Gentile.
365ª Ed. Araras – SP: Ide, 2009.
KARDEC, Allan. A Gênese: Os Milagres e as
Predições Segundo o Espiritismo. Tradução
de Salvador Gentile. 52ª Ed. Araras – SP:
IDE, 2008.
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo

1.1 - Deus
1.1 - Deus1.1 - Deus
1.1 - Deus
Marta Gomes
 
Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2
Shantappa Jewur
 
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão EspíritaMódulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
brunoquadros
 
Através de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofiaAtravés de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofia
Etienne Salles
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Guto Ovsky
 
Deus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptxDeus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptx
Henrique Vieira
 
Deus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardec
Deus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardecDeus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardec
Deus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardec
ssusere70e46
 
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
Éder Tomé
 
Deus - Descobrindo
Deus - DescobrindoDeus - Descobrindo
Deus - Descobrindo
Sergio Nalini
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
Denise Aguiar
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
CeiClarencio
 
Existencia de Deus
Existencia de DeusExistencia de Deus
Existencia de Deus
Angelo Baptista
 
Existencia De Deus
Existencia De DeusExistencia De Deus
Existencia De Deus
Angelo Baptista
 
Roteiro 2 provas da existência de deus
Roteiro 2   provas da existência de deusRoteiro 2   provas da existência de deus
Roteiro 2 provas da existência de deus
Bruno Cechinel Filho
 
Questionar é evoluir
Questionar é evoluirQuestionar é evoluir
Questionar é evoluir
Thiago Silva
 
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
FilipeDuartedeBem
 
Livro dos Espíritos
Livro dos EspíritosLivro dos Espíritos
Livro dos Espíritos
claudilei_sousa
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de DeusAULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
FilipeDuartedeBem
 
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Alberto Barth
 

Semelhante a 1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo (20)

1.1 - Deus
1.1 - Deus1.1 - Deus
1.1 - Deus
 
Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2
 
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão EspíritaMódulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
 
Através de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofiaAtravés de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofia
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
 
Deus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptxDeus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptx
 
Deus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardec
Deus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardecDeus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardec
Deus_As_Leis_De_Deus-Revisado_2023_kardec
 
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
Lição 3 - Único Deus Transcendente e Eterno
 
Deus - Descobrindo
Deus - DescobrindoDeus - Descobrindo
Deus - Descobrindo
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
 
Existencia de Deus
Existencia de DeusExistencia de Deus
Existencia de Deus
 
Existencia De Deus
Existencia De DeusExistencia De Deus
Existencia De Deus
 
Roteiro 2 provas da existência de deus
Roteiro 2   provas da existência de deusRoteiro 2   provas da existência de deus
Roteiro 2 provas da existência de deus
 
Questionar é evoluir
Questionar é evoluirQuestionar é evoluir
Questionar é evoluir
 
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
3o.Caminhar-Deus-02-08-2016.pptx
 
Livro dos Espíritos
Livro dos EspíritosLivro dos Espíritos
Livro dos Espíritos
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de DeusAULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
 
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Marta Gomes
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
Marta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Marta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Marta Gomes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
Marta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
Marta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Marta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
Marta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
Marta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
Marta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
Marta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
Marta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
Marta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
Marta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
Marta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Marta Gomes
 
3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx
Marta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
 
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
 
3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx
 

Último

Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 

Último (18)

Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 

1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo

  • 1. O LIVRO DOS ESPÍRITOS Primeira Parte: As causas primeiras CAPÍTULO I: DEUS
  • 2. CAPÍTULO I: DEUS • DEUS E O INFINITO • PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS • ATRIBUTOS DA DIVINDADE • PANTEÍSMO Questões 01 à 16
  • 4. 1 – Que é Deus? Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas.
  • 5. 2 – Que se deve entender por infinito? O que não tem começo nem fim: o desconhecido; tudo que é desconhecido é infinito.
  • 6. 3 – Poder-se-ia dizer que Deus é o infinito? Definição incompleta. Pobreza da linguagem humana, insuficiente para definir o que está acima da linguagem dos homens. Allan Kardec: Deus é infinito em Suas perfeições, mas o infinito é uma abstração. Dizer que Deus: é o infinito é tomar o atributo de uma coisa pela coisa mesma, é definir uma coisa que não está conhecida por uma outra que não está mais do que a primeira.
  • 8. 4 – Onde se pode encontrar a prova da existência de Deus? Num axioma que aplicais às vossas ciências. Não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e a vossa razão responderá. Allan Kardec: Para crer-se em Deus, basta se lance o olhar sobre as obras da Criação. O Universo existe, logo tem uma causa. Duvidar da existência de Deus é negar que todo efeito tem uma causa e avançar que o nada pôde fazer alguma coisa.
  • 9. Deus em toda parte - Célia Tomboly
  • 10.
  • 12.
  • 13. 5 – Que dedução se pode tirar do sentimento instintivo, que todos os homens trazem em si, da existência de Deus? A de que Deus existe; pois, donde lhes viria esse sentimento, se não tivesse uma base? É ainda uma consequência do princípio - não há efeito sem causa.
  • 14. 6 – O sentimento íntimo que temos da existência de Deus não poderia ser fruto da educação, resultado de ideias adquiridas? Se assim fosse, por que existiria nos vossos selvagens esse sentimento? Allan Kardec: Se o sentimento da existência de um ser supremo fosse tão- somente produto de um ensino, não seria universal e não existiria senão nos que houvessem podido receber esse ensino, conforme se dá com as noções científicas.
  • 15. 7 – Poder-se-ia achar nas propriedades íntimas da matéria a causa primária da formação das coisas? Mas, então, qual seria a causa dessas propriedades? É indispensável sempre uma causa primária. Allan Kardec: Atribuir a formação primária das coisas às propriedades íntimas da matéria seria tomar o efeito pela causa, porquanto essas propriedades são, também elas, um efeito que há de ter uma causa.
  • 16. 8 – Que se deve pensar da opinião dos que atribuem a formação primária a uma combinação fortuita da matéria, ou, por outra, ao acaso? Outro absurdo! Que homem de bom-senso pode considerar o acaso um ser inteligente? E, demais, que é o acaso? Nada. Allan Kardec: A harmonia existente no mecanismo do Universo patenteia combinações e desígnios determinados e, por isso mesmo, revela um poder inteligente. Atribuir a formação primária ao acaso é insensatez, pois que o acaso é cego e não pode produzir os efeitos que a inteligência produz. Um acaso inteligente já não seria acaso.
  • 17. 9 – Em que é que, na causa primária, se revela uma inteligência suprema e superior a todas as inteligências? Tendes um provérbio que diz: Pela obra se reconhece o autor. Pois bem! Vede a obra e procurai o autor. O orgulho é que gera a incredulidade. O homem orgulhoso nada admite acima de si. Por isso é que ele se denomina a si mesmo de espírito forte. Pobre ser, que um sopro de Deus pode abater! Allan Kardec: Do poder de uma inteligência se julga pelas obras. Não podendo nenhum ser humano criar o que a Natureza produz, a causa primária é, conseguintemente, uma inteligência superior à Humanidade. Quaisquer que sejam os prodígios que a inteligência humana tenha operado, ela própria tem uma causa e, quanto maior for o que opere, tanto maior há de ser a causa primária. Aquela inteligência superior é que é a causa primária de todas as coisas, seja qual for o nome que lhe deem.
  • 18. 7 fortes indícios que provam a existência de Deus https://www.fatosdesconhecidos.com.br/7-fortes-indicios-que-provam-existencia-de-deus/
  • 19. 1 – A ordem explicável Ao analisar a estrutura fina do Universo, o professor Richard Swinburne (professor de filosofia na Universidade de Oxford) descobriu que a matéria inicial e as leis da natureza tiveram que sofrer grandes alterações e adquirir enormes características especiais para proporcionar a evolução da vida. De acordo com ele essa é uma prova de que uma força divina e criacional existe e que interveio nesse processo.
  • 20. 2 – Coincidências impossíveis Existem quatro forças fundamentais na física: • a interação nuclear forte • a interação nuclear fraca • o eletromagnetismo • a gravidade Essas forças interagem entre si através de uma energia perfeita. Qualquer minúscula alteração nela, mesmo que pareça insignificante, impossibilitaria a existência de qualquer matéria e do próprio Cosmo. Para alguns cientistas não existe coincidência e portanto essa seria uma forte indicação de que uma força superior fez com que ela fosse possível.
  • 21. 3 – Experiência de quase morte Um doutor chamado Steven Laureys que estuda as experiências de quase morte teve um de seus relatos publicados pela CNN. De acordo com ele os pacientes que passam por situações de quase morte ou voltam a vida apresentam características similares. Ele explica que essas pessoas voltam diferente. Se sentem mais motivadas e felizes, perdendo até o medo da morte. Para ele essa é uma indicação de que existe algo a mais após a vida terrestre. O que também significa que um Deus está por trás disso.
  • 22. 4 – Equilíbrio cósmico Existe um equilíbrio difícil de se explicar pela a ciência. Este se trata da relação da gravidade e do eletromagnetismo. De acordo com o matemático Freeman Dyson muitos acidentes físicos e astrológicos aconteceram antes para que a nossa existência fosse possível. Todas elas caminharam até o dia de hoje e caso qualquer coisinha fosse diferente nosso mundo não seria o mesmo, e talvez nem existisse. A sequência de fatores faz com que ele acredite que esta é uma grande prova de que existe algo superior. Ela teria sido responsável por encaminhar todas essas questões até a nossa chegada.
  • 23. 5 – Tempo zero Ainda hoje a teoria mais aceita sobre o surgimento do universo é a do Big Bang. A explosão teria feito com que tudo que possuímos hoje fosse possível. Suas comprovações e sustentações são inúmeras e muitos fatores indicam que realmente a explosão corresponderia ao nosso “marco zero”. O problema é que o que aconteceu antes desse período não pode ser explicado nem mesmo estudado. Não se sabe o que teria sido responsável pelas primeiras criações que possibilitaram que o fator acontecesse. Para muitos isso é um indício de que existia algo muito mais forte anteriormente que foi responsável pelo desenrolar das coisas até o momento exato em que ocorreu o Big Bang.
  • 24. 6 – A crença como prova de sua existência René Descartes, em um de seus momentos de esclarecimento afirma que só o fato de imaginarmos a existência de um Deus já prova que ele existe. O ser humano não consegue imaginar algo que não tenha tido contato anteriormente. Se te pedirem para imaginar como seria um animal em outro planeta você provavelmente irá imaginar uma junção maluca entre os que já conhecemos na Terra. Essa ideia é inata na maioria dos seres humanos. O conceito de Deus existe desde que o homem é homem. Para Descartes essa é a prova de que a ideia foi colocada em nós por algo superior, ou seja Deus. Se for parar para analisar os descrentes só perdem a sua fé em Deus em vida, independente do motivo. Mas a ideia sempre esteve presente.
  • 25. 7 – A inteligência que coexiste com o universo De acordo com Sir Alfred Hoyle, um renomado astrofísico, a vida não poderia ter surgido devido um simples acaso. Ele afirma que o carbono, presente em todos os seres vivos, tem um nível de ressonância energética única, que torna capaz a junção entre os núcleos de átomos de hélio e berílio. O oxigênio também contém um nível específico de ressonância que juntos mantem um equilíbrio. Para ele essas questões perfeitamente moldadas não poderiam ser apenas uma feliz coincidência. Por esse motivo ele afirma que uma força maior tem regido o universo mesmo antes de seu surgimento.
  • 26. O Espiritismo e a Ciência se completam reciprocamente; a Ciência sem o Espiritismo se acha na impossibilidade de explicar certos fenômenos só pelas leis da matéria; ao Espiritismo, sem a Ciência, faltariam apoio e comprovação. A Gênese – Capítulo I – Item 16. A ciência sem a religião é manca, a religião sem a ciência é cega. Albert Einstein
  • 28. 10. Pode o homem compreender a natureza íntima de Deus? Não; falta-lhe para isso o sentido.
  • 29. 11. Será dado um dia ao homem compreender o mistério da Divindade? Quando não mais tiver o espírito obscurecido pela matéria. Quando, pela sua perfeição, se houver aproximado de Deus, ele o verá e compreenderá. Allan Kardec: A inferioridade das faculdades do homem não lhe permite compreender a natureza íntima de Deus. Na infância da Humanidade, o homem O confunde muitas vezes com a criatura, cujas imperfeições lhe atribui; mas, à medida que nele se desenvolve o senso moral, seu pensamento penetra melhor no âmago das coisas; então, faz ideia mais justa da Divindade e, ainda que sempre incompleta, mais conforme à sã razão.
  • 30. 12. Embora não possamos compreender a natureza íntima de Deus, podemos formar ideia de algumas de Suas perfeições? De algumas, sim. O homem as compreende melhor à proporção que se eleva acima da matéria. Entrevê-as pelo pensamento.
  • 31. 13. Quando dizemos que Deus é eterno, infinito, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom, temos ideia completa de Seus atributos? Do vosso ponto de vista, sim, porque credes abranger tudo. Sabei, porém, que há coisas que estão acima da inteligência do homem mais inteligente, as quais a vossa linguagem, restrita às vossas ideias e sensações, não tem meios de exprimir. A razão, com efeito, vos diz que Deus deve possuir em grau supremo essas perfeições, porquanto, se uma Lhe faltasse, ou não fosse infinita, já Ele não seria superior a tudo, não seria, por conseguinte, Deus. Para estar acima de todas as coisas, Deus tem que se achar isento de qualquer vicissitude e de qualquer das imperfeições que a imaginação possa conceber.
  • 32. Allan Kardec: • Deus é eterno. Se tivesse tido princípio, teria saído do nada, ou, então, também teria sido criado, por um ser anterior. É assim que, de degrau em degrau, remontamos ao infinito e à eternidade. • É imutável. Se estivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o Universo nenhuma estabilidade teriam. • É imaterial. Quer isto dizer que a sua natureza difere de tudo o que chamamos matéria. De outro modo, ele não seria imutável, porque estaria sujeito às transformações da matéria. • É único. Se muitos Deuses houvessem, não haveria unidade de vistas, nem unidade de poder na ordenação do Universo. • É onipotente Ele o é, porque é único. Se não dispusesse do soberano poder, algo haveria mais poderoso ou tão poderoso quanto ele, que então não teria feito todas as coisas. As que não houvesse feito seriam obra de outro Deus. • É soberanamente justo e bom. A sabedoria providencial das leis divinas se revela, assim nas mais pequeninas coisas, como nas maiores, e essa sabedoria não permite se duvide nem da justiça nem da bondade de Deus.
  • 34. 14. Deus é um ser distinto, ou será, como opinam alguns, a resultante de todas as forças e de todas as inteligências do Universo reunidas? Se fosse assim, Deus não existiria, porquanto seria efeito e não causa. Ele não pode ser ao mesmo tempo uma e outra coisa. Deus existe; disso não podeis duvidar e é o essencial. Crede-me, não vades além. Não vos percais num labirinto donde não lograríeis sair. Isso não vos tornaria melhores, antes um pouco mais orgulhosos, pois que acreditaríeis saber, quando na realidade nada saberíeis. Deixai, consequentemente, de lado todos esses sistemas; tendes bastantes coisas que vos tocam mais de perto, a começar por vós mesmos. Estudai as vossas próprias imperfeições, a fim de vos libertardes delas, o que
  • 35. 15. Que se deve pensar da opinião segundo a qual todos os corpos da Natureza, todos os seres, todos os globos do Universo seriam partes da Divindade e constituiriam, em conjunto, a própria Divindade, ou, por outra, que se deve pensar da doutrina panteísta? Não podendo fazer-se Deus, o homem quer ao menos ser uma parte de Deus.
  • 36. 16. Pretendem os que professam esta doutrina achar nela a demonstração de alguns dos atributos de Deus: Sendo infinitos os mundos, Deus é, por isso mesmo, infinito; não havendo o vazio, ou o nada em parte alguma, Deus está por toda parte; estando Deus em toda parte, pois que tudo é parte integrante de Deus, Ele dá a todos os fenômenos da Natureza uma razão de ser inteligente. Que se pode opor a este raciocínio? A razão. Refleti maduramente e não vos será difícil reconhecer-lhe o absurdo
  • 37. Allan Kardec: Esta doutrina faz de Deus um ser material que, embora dotado de suprema inteligência, seria em ponto grande o que somos em ponto pequeno. Ora, transformando-se a matéria incessantemente, Deus, se fosse assim, nenhuma estabilidade teria; achar-se-ia sujeito a todas as vicissitudes, mesmo a todas as necessidades da Humanidade; faltar-lhe-ia um dos atributos essenciais da Divindade: a imutabilidade. Não se podem aliar as propriedades da matéria à ideia de Deus, sem que Ele fique rebaixado ante a nossa compreensão e não haverá sutilezas de sofismas que cheguem a resolver o problema da Sua natureza íntima. Não sabemos tudo o que Ele é, mas sabemos o que Ele não pode deixar de ser e o sistema de que tratamos está em contradição com as suas mais essenciais propriedades. Ele confunde o Criador com a criatura, exatamente como o faria quem pretendesse que engenhosa máquina fosse parte integrante do mecânico que a imaginou. A inteligência de Deus se revela em Suas obras como a de um pintor no seu quadro; mas, as obras de Deus não são o próprio Deus, como o quadro não é o pintor que o concebeu e executou.
  • 38. CRÉDITOS: Formatação: Marta Gomes P. Miranda Referências: KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. Pág. 288 à 292. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução De Salvador Gentile. 365ª Ed. Araras – SP: Ide, 2009. KARDEC, Allan. A Gênese: Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo. Tradução de Salvador Gentile. 52ª Ed. Araras – SP: IDE, 2008.