SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  




             Problema	
  	
  
              do	
  Mal	
  	
  



Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


   1.	
  Problema	
  do	
  Mal	
  

 Será	
  que	
  a	
  existência	
  de	
  Deus	
  é	
  compa:vel	
  com	
  
                        a	
  existência	
  do	
  mal?	
  

§  O	
   Deus	
   teísta	
   é	
   concebido	
   como	
   um	
   ser	
  
    sumamente	
   bom,	
   omnipontente	
   e	
   criador.	
   Visto	
  
    ser	
   sumamente	
   bom,	
   parece	
   seguir-­‐se	
   que	
   Deus	
  
    quis	
  criar	
  um	
  mundo	
  sem	
  males.	
  
§  Todavia,	
   o	
   mundo	
   está	
   aparentemente	
   cheio	
   de	
  
    males,	
   o	
   que	
   parece	
   incompaHvel	
   com	
   um	
   deus	
  
    teísta.	
  Será	
  possível	
  resolver	
  este	
  problema?	
  

                                          Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


   2.	
  Objecção	
  clássica	
  à	
  existência	
  de	
  Deus	
  

  P1:	
  Se	
  Deus	
  existe,	
  então	
  não	
  pode	
  exisLr	
  mal	
  no	
  
  mundo.	
  
  P2:	
  Existe	
  mal	
  no	
  mundo.	
  
  Conclusão:	
  Logo,	
  Deus	
  não	
  existe.	
  

•  Argumento	
  do	
  mal	
  é	
  uma	
  prova	
  da	
  inexistência	
  do	
  
   Deus	
   teísta	
   (omnipotente,	
   omnisciente	
   e	
  
   perfeitamente	
  bom).	
  	
  
•  Se	
   este	
   Deus	
   exisLsse,	
   então	
   não	
   haveria	
   mal	
   no	
  
   mundo.	
  O	
  mal	
  existe,	
  logo,	
  Deus	
  não	
  existe.	
  

                                             Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


    2.	
  Objecção	
  clássica	
  à	
  existência	
  de	
  Deus	
  

Este	
  argumento	
  é	
  considerado	
  por	
  muitos	
  como	
  o	
  mais	
  
poderoso	
  argumento	
  contra	
  a	
  existência	
  de	
  Deus:	
  

1.	
   Para	
   negar	
   que	
   o	
   argumento	
   seja	
   aceitável,	
   os	
  
defensores	
   da	
   existência	
   de	
   Deus	
   têm	
   de	
   mostrar	
   que	
  
há	
   razões	
   plausíveis	
   para	
   considerar	
   que	
   todo	
   o	
   mal	
  
que	
  existe	
  no	
  mundo	
  é	
  necessário.	
  

2.	
   Para	
   defender	
   que	
   o	
   argumento	
   é	
   aceitável,	
   os	
   que	
  
negam	
   	
   a	
   existência	
   de	
   Deus	
   têm	
   de	
   mostrar	
   que	
   há	
  
boas	
  razões	
  para	
  acreditar	
  que	
  pelo	
  menos	
  algum	
  mal	
  
existente	
  no	
  mundo	
  é	
  necessário.	
  

                                                 Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


     3.	
  Objecções	
  ao	
  argumento	
  do	
  mal	
  

3.1)	
   SANTIDADE	
   -­‐	
   O	
   bem	
   jusPfica	
   o	
   mal:	
   Deus	
   permite	
   o	
  
mal	
   porque	
   se	
   não	
   houvesse	
   mal,	
   as	
   pessoas	
   não	
   se	
  
poderiam	
  aperfeiçoar	
  moralmente.	
  

§  Algumas	
  pessoas	
  argumentam	
  que	
  a	
  presença	
  de	
  mal	
  
    no	
   mundo	
   se	
   jusLfica,	
   apesar	
   de	
   não	
   ser	
   uma	
   coisa	
  
    boa,	
  pois	
  conduz	
  a	
  uma	
  maior	
  virtude	
  moral.	
  	
  
§  Sem	
   a	
   pobreza	
   e	
   a	
   doença,	
   por	
   exemplo,	
   não	
   seria	
  
    possível	
   a	
   virtude	
   moral	
   que	
   a	
   Madre	
   Teresa	
  
    demonstrava	
  ao	
  ajudar	
  os	
  necessitados.	
  Sem	
  guerra	
  e	
  
    crueldade,	
  os	
  santos	
  e	
  os	
  heróis	
  não	
  poderiam	
  exisLr.	
  	
  

                                                  Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  




           Objecções	
  ao	
  argumento	
  da	
  san+dade:	
  

1)  O	
   grau	
   e	
   a	
   dimensão	
   do	
   sofrimento	
   são	
   muito	
  
    maiores	
  do	
  que	
  seria	
  necessário	
  para	
  permiPr	
  que	
  
    santos	
   e	
   heróis	
   desempenhassem	
   os	
   seus	
   atos	
   de	
  
    bem	
  moral.	
  
2)  Não	
  é	
  óbvio	
  que	
  um	
  mundo	
  no	
  qual	
  exista	
  muito	
  mal	
  
    seja	
  preferível	
  a	
  um	
  mundo	
  no	
  qual	
  exisPsse	
  menos	
  
    mal	
  e,	
  consequentemente,	
  menos	
  santos	
  e	
  heróis.	
  

Ø  Iria	
  realmente	
  um	
  deus	
  sumamente	
  permiPr	
  tal	
  mal	
  
    apenas	
  para	
  nos	
  ajudar	
  a	
  aperfeiçoar	
  moralmente?	
  

                                              Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


      3.2)	
  Analogia	
  Ar5s+ca	
  	
  

3.2.	
  Analogia	
  Ar5s+ca	
  -­‐	
  Deus	
  é	
  inefável:	
  dizer	
  que	
  Deus	
  é	
  
bom	
  é	
  diferente	
  de	
  dizer	
  que	
  alguém	
  é	
  bom.	
  Deus	
  é	
  uma	
  
enPdade	
   misteriosa	
   que	
   está	
   para	
   lá	
   da	
   nossa	
  
compreensão.	
   E	
   se	
   não	
   O	
   podemos	
   compreender,	
   também	
  
não	
  podemos	
  falar	
  Dele.	
  

§  Algumas	
   pessoas	
   defenderam	
   a	
   existência	
   de	
   uma	
  
    analogia	
  entre	
  o	
  mundo	
  e	
  uma	
  obra	
  de	
  arte.	
  	
  
§  A	
   harmonia	
   geral	
   de	
   uma	
   peça	
   de	
   música	
   inclui	
  
    geralmente	
   dissonâncias	
   que	
   são	
   subsequentemente	
  
    converLdas	
  num	
  acorde;	
  	
  


                                                 Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


     3.2)	
  Analogia	
  Ar5s+ca	
  	
  

§  Tal	
   como	
   uma	
   pintura	
   tem,	
   Lpicamente,	
   grandes	
  
    áreas	
   de	
   pigmento	
   mais	
   escuro	
   e	
   mais	
   claro,	
  
    também	
  o	
  mundo	
  possui	
  dissonâncias.	
  	
  


                                 §  Este	
   argumento	
   defende	
   que	
  
                                     o	
   mal	
   contribui	
   para	
   a	
  
                                     harmonia	
   ou	
   beleza	
   geral	
   do	
  
                                     mundo	
   e	
   encontra-­‐se	
   para	
   lá	
  
                                     da	
   compreensão	
   meramente	
  
                                     humana.	
  	
  


                                           Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  




           Objecções	
  ao	
  argumento	
  da	
  	
  Analogia	
  Ar5s+ca:	
  


1)  É	
   diWcil	
   de	
   aceitar	
   que	
   o	
   mal	
   não	
   pode	
   ser	
  
    saLsfatoriamente	
  explicado	
  e	
  que	
  a	
  harmonia	
  só	
  pode	
  
    ser	
  observada	
  e	
  apreciada	
  do	
  ponto	
  de	
  vista	
  de	
  Deus.	
  	
  

2)  Um	
   deus	
   que	
   permite	
   tal	
   sofrimento	
   por	
   moPvos	
  
    meramente	
   estéPcos	
   ―	
   para	
   poder	
   apreciá-­‐lo	
   ―	
  
    parece	
  mais	
  um	
  sádico	
  do	
  que	
  sumamente	
  bom.	
  
Se	
   o	
   papel	
   do	
   sofrimento	
   é	
   este,	
   Deus	
   está	
  
desconfortavelmente	
  próximo	
  do	
  psicopata	
  que	
  põe	
  uma	
  
bomba	
  no	
  meio	
  da	
  mulLdão	
  de	
  forma	
  a	
  poder	
  observar	
  os	
  
belos	
  padrões	
  criados	
  pela	
  explosão	
  e	
  pelo	
  sangue.	
  	
  
                                               Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


     3.3)	
  Livre	
  arbítrio	
  

3.	
   Livre	
   arbítrio:	
   Por	
   bondade,	
   Deus	
   deu-­‐nos	
   livre	
  
arbítrio;	
  e	
  mais	
  vale	
  um	
  mundo	
  onde	
  as	
  pessoas	
  tenham	
  
livre	
  arbítrio,	
  apesar	
  de	
  algumas	
  delas	
  poderem	
  praLcar	
  
o	
   mal,	
   do	
   que	
   um	
   mundo	
   onde	
   não	
   exista	
   livre-­‐
arbítrio.Todavia,	
  o	
  mundo	
  está	
  aparentemente	
  cheio	
  de	
  
males,	
   o	
   que	
   parece	
   incompa:vel	
   com	
   um	
   deus	
   teísta.	
  	
  




                                               Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


       3.3)	
  Livre	
  arbítrio	
  

§  A	
  tentaLva	
  mais	
  importante	
  de	
  solução	
  do	
  problema	
  
    do	
   mal	
   é	
   a	
   defesa	
   do	
   livre	
   arbítrio:	
   Deus	
   deu-­‐nos	
   a	
  
    capacidade	
  para	
  escolhermos	
  o	
  que	
  queremos	
  fazer.	
  
§  Para	
   os	
   defensores	
   deste	
   argumento,	
   um	
   mundo	
   no	
  
     qual	
   os	
   seres	
   humanos	
   têm	
   livre	
   arbítrio,	
   apesar	
   de	
  
	
   poder	
  conduzir-­‐nos	
  ao	
  mal,	
  é	
  preferível	
  a	
  um	
  mundo	
  
     no	
   qual	
   a	
   ação	
   humana	
   fosse	
   predeterminada,	
   no	
  
     qual	
   seríamos	
   como	
   robots,	
   programados	
   para	
  
     praLcar	
  apenas	
  boas	
  ações.	
  
§  Se	
   fôssemos	
   programados	
   desta	
   forma,	
   não	
  
    poderíamos	
   sequer	
   dizer	
   que	
   as	
   nossas	
   acções	
  
    seriam	
  moralmente	
  boa.	
  
                                                      Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  



	
  	
  	
  	
  	
  3.3)	
  Objecções	
  à	
  defesa	
  do	
  livre-­‐arbítrio	
  
     	
  	
  	
  	
  	
  	
  3.3.1)	
  Admite	
  dois	
  pressupostos	
  básicos	
  	
  
1)	
   Será	
   obviamente	
   verdade	
   que	
   um	
   mundo	
   com	
   livre	
  
arbítrio	
  e	
  a	
  possibilidade	
  do	
  mal	
  é	
  preferível	
  a	
  um	
  mundo	
  
de	
  pessoas-­‐robots	
  que	
  nunca	
  pra9cam	
  más	
  ações?	
  	
  
•  sofrimento	
   pode	
   ser	
   tão	
   terrível	
   que	
   muitas	
   pessoas,	
  
       perante	
  a	
  possibilidade	
  de	
  escolha,	
  preferiam	
  que	
  toda	
  
       a	
  gente	
  Lvesse	
  sido	
  pré-­‐programada	
  para	
  só	
  praLcar	
  o	
  
       bem,	
  em	
  vez	
  de	
  ter	
  de	
  passar	
  por	
  certos	
  sofrimentos.	
  	
  
•  Estes	
  seres	
  pré-­‐programados	
  poderiam	
  mesmo	
  ter	
  sido	
  
       feitos	
  de	
  maneira	
  a	
  acreditarem	
  ter	
  livre	
  arbítrio,	
  apesar	
  
       de	
  não	
  terem	
  

                                                   Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  




 	
  	
  	
  	
  	
  3.3.1)	
  Admite	
  dois	
  pressupostos	
  básicos 	
  	
  

2)	
  Temos	
  realmente	
  livre	
  arbítrio	
  
	
  	
  	
  	
  	
  e	
  não	
  apenas	
  a	
  ilusão	
  de	
  que	
  o	
  temos.	
  	
  

Alguns	
   psicólogos	
   pensam	
   que	
   podemos	
   explicar	
   todas	
  
as	
   decisões	
   ou	
   escolhas	
   que	
   uma	
   pessoa	
   faz	
   através	
   de	
  
um	
   condicionamento	
   anterior	
   que	
   a	
   pessoa	
   sofreu,	
   de	
  
forma	
  que,	
  apesar	
  de	
  a	
  pessoa	
  se	
  poder	
  senLr	
  livre,	
  a	
  sua	
  
ação	
   é	
   na	
   realidade	
   inteiramente	
   determinada	
   por	
   um	
  
condicionamento	
   anterior.	
   Não	
   podemos	
   ter	
   a	
   certeza	
  
de	
  que	
  não	
  é	
  assim	
  que	
  as	
  coisas	
  acontecem...	
  

                                                               Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


                    3.3)	
  CríPcas	
  à	
  defesa	
  do	
  Livre-­‐arbítrio	
  
 	
  	
  	
  	
  	
  3.3.2)	
  Livre	
  arbítrio	
  sem	
  mal 	
  	
  

§    Se	
   Deus	
   é	
   omnipotente,	
   é	
   presumível	
   que	
   esteja	
  
      dentro	
  dos	
  seus	
  poderes	
  a	
  criação	
  de	
  um	
  mundo	
  no	
  
      qual	
   exisPsse	
   livre	
   arbítrio	
   sem	
   que	
   exisPsse	
   mal	
  
      (um	
  tal	
  mundo	
  não	
  é	
  muito	
  diacil	
  de	
  imaginar).	
  
§    Apesar	
  de	
  a	
  posse	
  do	
  livre	
  arbítrio	
  nos	
  dar	
  sempre	
  a	
  
      possibilidade	
  de	
  fazer	
  o	
  mal,	
  não	
  há	
  razão	
  para	
  que	
  
      esta	
   possibilidade	
   se	
   torne	
   real.	
   É	
   logicamente	
  
      possível	
   que	
   toda	
   a	
   gente	
   Lvesse	
   Ldo	
   livre	
   arbítrio	
  
      mas	
  Lvesse	
  decidido	
  evitar	
  sempre	
  a	
  má	
  ação. 	
  	
  


                                                    Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  


                   3.3)	
  CríPcas	
  à	
  defesa	
  do	
  Livre-­‐arbítrio	
  
	
  	
  	
  	
  	
  3.3.3)	
  Deus	
  poderia	
  intervir	
   	
  	
  

Os	
   teístas	
   acreditam,	
   Lpicamente,	
   que	
   Deus	
   pode	
  
intervir	
  e	
  que	
  intervém	
  de	
  facto	
  no	
  mundo	
  (execução	
  de	
  
milagres).	
  Se	
  Deus	
  intervém	
  por	
  vezes,	
  por	
  que	
  razão	
  não	
  
interveio	
   Deus	
   de	
   forma	
   a	
   prevenir	
   o	
   Holocausto,	
   ou	
  
toda	
  a	
  segunda	
  guerra	
  mundial	
  ou	
  a	
  epidemia	
  da	
  SIDA?	
  
Ø    Os	
   teístas	
   podem	
   responder	
   que,	
   se	
   houvesse	
  
      intervenção,	
  não	
  teríamos	
  genuíno	
  livre	
  arbítrio.	
  Mas	
  
      isto	
   seria	
   abandonar	
   um	
   aspecto	
   da	
   crença	
   em	
   Deus	
  
      defendido	
   pela	
   maioria	
   dos	
   teístas,	
   nomeadamente	
  
      que	
  a	
  intervenção	
  divina	
  ocorre	
  por	
  vezes.	
  	
  

                                                   Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  




  	
  	
  	
  	
  	
  3.3.4)	
  Não	
  explica	
  o	
  mal	
  natural 	
   	
  	
  


§    Este	
  argumento	
  só	
  poderá,	
  na	
  melhor	
  das	
  hipóteses,	
  
      jusPficar	
  a	
  existência	
  do	
  mal	
  moral	
  (humanos).	
  
§    Não	
   se	
   concebe	
   qualquer	
   conexão	
   entre	
   a	
   posse	
   de	
  
      livre	
  arbítrio	
  e	
  a	
  existência	
  de	
  males	
  naturais,	
  como	
  
      terramotos,	
   doenças,	
   erupções	
   vulcânicas,	
   etc.,	
   a	
   não	
  
      ser	
   que	
   se	
   aceite	
   uma	
   espécie	
   qualquer	
   da	
   doutrina	
  
      do	
   pecado	
   original	
   (ex.	
   Adão	
   e	
   Eva)	
   que	
   torna	
   os	
  
      seres	
   humanos	
   responsáveis	
   pelo	
   mal	
   existente	
   no	
  
      mundo.	
   Mas,	
   tal	
   doutrina	
   só	
   seria	
   aceitável	
   para	
  
      quem	
  acredita	
  no	
  deus	
  judaico-­‐cristão.	
  

                                                    Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  
Razão	
  e	
  Fé:	
  o	
  problema	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  




                                           FIM	
  
                      Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  


Bibliografia	
  consultada:	
  
	
  

Almeida,	
   A.,	
   Murcho,	
   D.,(org.),	
   (2006)	
   Textos	
   e	
   Problemas	
   de	
  
Filosofia.	
  Lisboa:	
  Plátano.	
  
Nigel	
   Warburton,	
   Elementos	
   Básicos	
   de	
   Filosofia,	
   Gradiva,	
  
Lisboa,	
  1998,	
  pp.	
  45-­‐52. 	
  	
  
	
  
                                                  Filosofia|	
  Problema	
  do	
  Mal|	
  Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de DescartesJorge Barbosa
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasNeizy Mandinga
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesAntónio Fernandes
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas Paulo Gomes
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosRui Matos
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasMaria Rodrigues
 
Sintese_Argumento_Cosmológico
Sintese_Argumento_CosmológicoSintese_Argumento_Cosmológico
Sintese_Argumento_CosmológicoIsabel Moura
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesLiliana Matos
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemInesa M
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesbeonline5
 
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosBruno Meirim
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - MensagemIga Almeida
 

Mais procurados (20)

Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Crítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológicoCrítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológico
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Sintese_Argumento_Cosmológico
Sintese_Argumento_CosmológicoSintese_Argumento_Cosmológico
Sintese_Argumento_Cosmológico
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixes
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 

Destaque

Destaque (20)

A origem do mal
A origem do malA origem do mal
A origem do mal
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
Estudo03 origem do-mal
Estudo03 origem do-malEstudo03 origem do-mal
Estudo03 origem do-mal
 
Justiça
JustiçaJustiça
Justiça
 
Existência de Deus - ensaio filosófico
Existência de Deus - ensaio filosóficoExistência de Deus - ensaio filosófico
Existência de Deus - ensaio filosófico
 
A guerra no céu e a queda de lúcifer
A guerra no céu e a queda de lúciferA guerra no céu e a queda de lúcifer
A guerra no céu e a queda de lúcifer
 
ORIGEM DO MAL
ORIGEM DO MALORIGEM DO MAL
ORIGEM DO MAL
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
O problema do mal na filosofia de santo agostinho
O problema do mal na filosofia de santo agostinhoO problema do mal na filosofia de santo agostinho
O problema do mal na filosofia de santo agostinho
 
O Mal e suas implicações
O Mal e suas implicaçõesO Mal e suas implicações
O Mal e suas implicações
 
O desenvolvimento tecnológico e o processo de globalização
O desenvolvimento tecnológico e o processo de globalizaçãoO desenvolvimento tecnológico e o processo de globalização
O desenvolvimento tecnológico e o processo de globalização
 
Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
 
3ºteste fil. c
3ºteste fil. c3ºteste fil. c
3ºteste fil. c
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema.mal
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
 
Fil. 10º 2ºteste a
Fil. 10º 2ºteste aFil. 10º 2ºteste a
Fil. 10º 2ºteste a
 
Crítica ao Argumento Cosmológico
Crítica ao Argumento CosmológicoCrítica ao Argumento Cosmológico
Crítica ao Argumento Cosmológico
 
Sala dos Afetos
Sala dos AfetosSala dos Afetos
Sala dos Afetos
 
Argumento cosmológico (Aquino)
Argumento cosmológico (Aquino)Argumento cosmológico (Aquino)
Argumento cosmológico (Aquino)
 

Semelhante a Problema do mal

Sera que deus existe pp bruno josé fernando
Sera que deus existe pp bruno josé fernandoSera que deus existe pp bruno josé fernando
Sera que deus existe pp bruno josé fernandoHelena Serrão
 
O problema do mal texto de rachels em problemas da filosofia
O problema do mal   texto de rachels em problemas da filosofiaO problema do mal   texto de rachels em problemas da filosofia
O problema do mal texto de rachels em problemas da filosofiaLuis De Sousa Rodrigues
 
Texto_mal_nigel warburton
Texto_mal_nigel warburtonTexto_mal_nigel warburton
Texto_mal_nigel warburtonIsabel Moura
 
Aula como evangelizar um a teo
Aula como evangelizar um a teoAula como evangelizar um a teo
Aula como evangelizar um a teoMetodista_Barreto
 
A criacao de_deus
A criacao de_deusA criacao de_deus
A criacao de_deusAlex Rocha
 
Apresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkinsApresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkinsmar_verdesmares
 
Lição 02 - Todos Pecaram.pptx
Lição 02 - Todos Pecaram.pptxLição 02 - Todos Pecaram.pptx
Lição 02 - Todos Pecaram.pptxJoel Silva
 
Cosmovisão bíblico-cristã-pdf-
Cosmovisão bíblico-cristã-pdf-Cosmovisão bíblico-cristã-pdf-
Cosmovisão bíblico-cristã-pdf-presley bryan
 
Relação entre bem e mal no pensamento de tomás de aquino pdf
Relação entre bem e mal no pensamento de tomás de aquino pdfRelação entre bem e mal no pensamento de tomás de aquino pdf
Relação entre bem e mal no pensamento de tomás de aquino pdfumvelhodaesquina
 
Aula 3 - Teologia Sistemática IV
Aula 3 - Teologia Sistemática IVAula 3 - Teologia Sistemática IV
Aula 3 - Teologia Sistemática IVssuser54efaa
 
Estudos doutrinários no metodismo
Estudos doutrinários no metodismoEstudos doutrinários no metodismo
Estudos doutrinários no metodismoPaulo Dias Nogueira
 

Semelhante a Problema do mal (20)

Sera que deus existe pp bruno josé fernando
Sera que deus existe pp bruno josé fernandoSera que deus existe pp bruno josé fernando
Sera que deus existe pp bruno josé fernando
 
O problema do mal texto de rachels em problemas da filosofia
O problema do mal   texto de rachels em problemas da filosofiaO problema do mal   texto de rachels em problemas da filosofia
O problema do mal texto de rachels em problemas da filosofia
 
Lição 2 - A necessidade dos gentios
Lição 2 - A necessidade dos gentiosLição 2 - A necessidade dos gentios
Lição 2 - A necessidade dos gentios
 
Texto_mal_nigel warburton
Texto_mal_nigel warburtonTexto_mal_nigel warburton
Texto_mal_nigel warburton
 
Teodicéia e teologia do AT
Teodicéia e teologia do ATTeodicéia e teologia do AT
Teodicéia e teologia do AT
 
Aula como evangelizar um a teo
Aula como evangelizar um a teoAula como evangelizar um a teo
Aula como evangelizar um a teo
 
A criacao de_deus
A criacao de_deusA criacao de_deus
A criacao de_deus
 
Apresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkinsApresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkins
 
Lição 02 - Todos Pecaram.pptx
Lição 02 - Todos Pecaram.pptxLição 02 - Todos Pecaram.pptx
Lição 02 - Todos Pecaram.pptx
 
Cosmovisão bíblico-cristã-pdf-
Cosmovisão bíblico-cristã-pdf-Cosmovisão bíblico-cristã-pdf-
Cosmovisão bíblico-cristã-pdf-
 
Artigo 1 - Deus existe?
Artigo 1 - Deus existe?Artigo 1 - Deus existe?
Artigo 1 - Deus existe?
 
A inquietante existência de deus
A inquietante existência de deusA inquietante existência de deus
A inquietante existência de deus
 
Cosmovisão bíblico cristã
Cosmovisão bíblico cristã Cosmovisão bíblico cristã
Cosmovisão bíblico cristã
 
Teísmo aberto
Teísmo abertoTeísmo aberto
Teísmo aberto
 
V dfilo cap5p_formas_crenca
V dfilo cap5p_formas_crencaV dfilo cap5p_formas_crenca
V dfilo cap5p_formas_crenca
 
Panorama do AT - Jó
Panorama do AT - JóPanorama do AT - Jó
Panorama do AT - Jó
 
Relação entre bem e mal no pensamento de tomás de aquino pdf
Relação entre bem e mal no pensamento de tomás de aquino pdfRelação entre bem e mal no pensamento de tomás de aquino pdf
Relação entre bem e mal no pensamento de tomás de aquino pdf
 
Aula 3 - Teologia Sistemática IV
Aula 3 - Teologia Sistemática IVAula 3 - Teologia Sistemática IV
Aula 3 - Teologia Sistemática IV
 
Estudos doutrinários no metodismo
Estudos doutrinários no metodismoEstudos doutrinários no metodismo
Estudos doutrinários no metodismo
 
Fome de Deus.docx
Fome de Deus.docxFome de Deus.docx
Fome de Deus.docx
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa

Mais de Universidade Católica Portuguesa (20)

Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"
 
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - CatarinaEnsaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
 
Psi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.franciscoPsi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.francisco
 

Problema do mal

  • 1. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   Problema     do  Mal     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 2. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   1.  Problema  do  Mal   Será  que  a  existência  de  Deus  é  compa:vel  com   a  existência  do  mal?   §  O   Deus   teísta   é   concebido   como   um   ser   sumamente   bom,   omnipontente   e   criador.   Visto   ser   sumamente   bom,   parece   seguir-­‐se   que   Deus   quis  criar  um  mundo  sem  males.   §  Todavia,   o   mundo   está   aparentemente   cheio   de   males,   o   que   parece   incompaHvel   com   um   deus   teísta.  Será  possível  resolver  este  problema?   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 3. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   2.  Objecção  clássica  à  existência  de  Deus   P1:  Se  Deus  existe,  então  não  pode  exisLr  mal  no   mundo.   P2:  Existe  mal  no  mundo.   Conclusão:  Logo,  Deus  não  existe.   •  Argumento  do  mal  é  uma  prova  da  inexistência  do   Deus   teísta   (omnipotente,   omnisciente   e   perfeitamente  bom).     •  Se   este   Deus   exisLsse,   então   não   haveria   mal   no   mundo.  O  mal  existe,  logo,  Deus  não  existe.   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 4. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   2.  Objecção  clássica  à  existência  de  Deus   Este  argumento  é  considerado  por  muitos  como  o  mais   poderoso  argumento  contra  a  existência  de  Deus:   1.   Para   negar   que   o   argumento   seja   aceitável,   os   defensores   da   existência   de   Deus   têm   de   mostrar   que   há   razões   plausíveis   para   considerar   que   todo   o   mal   que  existe  no  mundo  é  necessário.   2.   Para   defender   que   o   argumento   é   aceitável,   os   que   negam     a   existência   de   Deus   têm   de   mostrar   que   há   boas  razões  para  acreditar  que  pelo  menos  algum  mal   existente  no  mundo  é  necessário.   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 5. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.  Objecções  ao  argumento  do  mal   3.1)   SANTIDADE   -­‐   O   bem   jusPfica   o   mal:   Deus   permite   o   mal   porque   se   não   houvesse   mal,   as   pessoas   não   se   poderiam  aperfeiçoar  moralmente.   §  Algumas  pessoas  argumentam  que  a  presença  de  mal   no   mundo   se   jusLfica,   apesar   de   não   ser   uma   coisa   boa,  pois  conduz  a  uma  maior  virtude  moral.     §  Sem   a   pobreza   e   a   doença,   por   exemplo,   não   seria   possível   a   virtude   moral   que   a   Madre   Teresa   demonstrava  ao  ajudar  os  necessitados.  Sem  guerra  e   crueldade,  os  santos  e  os  heróis  não  poderiam  exisLr.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 6. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   Objecções  ao  argumento  da  san+dade:   1)  O   grau   e   a   dimensão   do   sofrimento   são   muito   maiores  do  que  seria  necessário  para  permiPr  que   santos   e   heróis   desempenhassem   os   seus   atos   de   bem  moral.   2)  Não  é  óbvio  que  um  mundo  no  qual  exista  muito  mal   seja  preferível  a  um  mundo  no  qual  exisPsse  menos   mal  e,  consequentemente,  menos  santos  e  heróis.   Ø  Iria  realmente  um  deus  sumamente  permiPr  tal  mal   apenas  para  nos  ajudar  a  aperfeiçoar  moralmente?   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 7. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.2)  Analogia  Ar5s+ca     3.2.  Analogia  Ar5s+ca  -­‐  Deus  é  inefável:  dizer  que  Deus  é   bom  é  diferente  de  dizer  que  alguém  é  bom.  Deus  é  uma   enPdade   misteriosa   que   está   para   lá   da   nossa   compreensão.   E   se   não   O   podemos   compreender,   também   não  podemos  falar  Dele.   §  Algumas   pessoas   defenderam   a   existência   de   uma   analogia  entre  o  mundo  e  uma  obra  de  arte.     §  A   harmonia   geral   de   uma   peça   de   música   inclui   geralmente   dissonâncias   que   são   subsequentemente   converLdas  num  acorde;     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 8. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.2)  Analogia  Ar5s+ca     §  Tal   como   uma   pintura   tem,   Lpicamente,   grandes   áreas   de   pigmento   mais   escuro   e   mais   claro,   também  o  mundo  possui  dissonâncias.     §  Este   argumento   defende   que   o   mal   contribui   para   a   harmonia   ou   beleza   geral   do   mundo   e   encontra-­‐se   para   lá   da   compreensão   meramente   humana.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 9. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   Objecções  ao  argumento  da    Analogia  Ar5s+ca:   1)  É   diWcil   de   aceitar   que   o   mal   não   pode   ser   saLsfatoriamente  explicado  e  que  a  harmonia  só  pode   ser  observada  e  apreciada  do  ponto  de  vista  de  Deus.     2)  Um   deus   que   permite   tal   sofrimento   por   moPvos   meramente   estéPcos   ―   para   poder   apreciá-­‐lo   ―   parece  mais  um  sádico  do  que  sumamente  bom.   Se   o   papel   do   sofrimento   é   este,   Deus   está   desconfortavelmente  próximo  do  psicopata  que  põe  uma   bomba  no  meio  da  mulLdão  de  forma  a  poder  observar  os   belos  padrões  criados  pela  explosão  e  pelo  sangue.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 10. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.3)  Livre  arbítrio   3.   Livre   arbítrio:   Por   bondade,   Deus   deu-­‐nos   livre   arbítrio;  e  mais  vale  um  mundo  onde  as  pessoas  tenham   livre  arbítrio,  apesar  de  algumas  delas  poderem  praLcar   o   mal,   do   que   um   mundo   onde   não   exista   livre-­‐ arbítrio.Todavia,  o  mundo  está  aparentemente  cheio  de   males,   o   que   parece   incompa:vel   com   um   deus   teísta.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 11. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.3)  Livre  arbítrio   §  A  tentaLva  mais  importante  de  solução  do  problema   do   mal   é   a   defesa   do   livre   arbítrio:   Deus   deu-­‐nos   a   capacidade  para  escolhermos  o  que  queremos  fazer.   §  Para   os   defensores   deste   argumento,   um   mundo   no   qual   os   seres   humanos   têm   livre   arbítrio,   apesar   de     poder  conduzir-­‐nos  ao  mal,  é  preferível  a  um  mundo   no   qual   a   ação   humana   fosse   predeterminada,   no   qual   seríamos   como   robots,   programados   para   praLcar  apenas  boas  ações.   §  Se   fôssemos   programados   desta   forma,   não   poderíamos   sequer   dizer   que   as   nossas   acções   seriam  moralmente  boa.   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 12. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus            3.3)  Objecções  à  defesa  do  livre-­‐arbítrio              3.3.1)  Admite  dois  pressupostos  básicos     1)   Será   obviamente   verdade   que   um   mundo   com   livre   arbítrio  e  a  possibilidade  do  mal  é  preferível  a  um  mundo   de  pessoas-­‐robots  que  nunca  pra9cam  más  ações?     •  sofrimento   pode   ser   tão   terrível   que   muitas   pessoas,   perante  a  possibilidade  de  escolha,  preferiam  que  toda   a  gente  Lvesse  sido  pré-­‐programada  para  só  praLcar  o   bem,  em  vez  de  ter  de  passar  por  certos  sofrimentos.     •  Estes  seres  pré-­‐programados  poderiam  mesmo  ter  sido   feitos  de  maneira  a  acreditarem  ter  livre  arbítrio,  apesar   de  não  terem   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 13. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus            3.3.1)  Admite  dois  pressupostos  básicos     2)  Temos  realmente  livre  arbítrio            e  não  apenas  a  ilusão  de  que  o  temos.     Alguns   psicólogos   pensam   que   podemos   explicar   todas   as   decisões   ou   escolhas   que   uma   pessoa   faz   através   de   um   condicionamento   anterior   que   a   pessoa   sofreu,   de   forma  que,  apesar  de  a  pessoa  se  poder  senLr  livre,  a  sua   ação   é   na   realidade   inteiramente   determinada   por   um   condicionamento   anterior.   Não   podemos   ter   a   certeza   de  que  não  é  assim  que  as  coisas  acontecem...   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 14. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.3)  CríPcas  à  defesa  do  Livre-­‐arbítrio            3.3.2)  Livre  arbítrio  sem  mal     §  Se   Deus   é   omnipotente,   é   presumível   que   esteja   dentro  dos  seus  poderes  a  criação  de  um  mundo  no   qual   exisPsse   livre   arbítrio   sem   que   exisPsse   mal   (um  tal  mundo  não  é  muito  diacil  de  imaginar).   §  Apesar  de  a  posse  do  livre  arbítrio  nos  dar  sempre  a   possibilidade  de  fazer  o  mal,  não  há  razão  para  que   esta   possibilidade   se   torne   real.   É   logicamente   possível   que   toda   a   gente   Lvesse   Ldo   livre   arbítrio   mas  Lvesse  decidido  evitar  sempre  a  má  ação.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 15. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.3)  CríPcas  à  defesa  do  Livre-­‐arbítrio            3.3.3)  Deus  poderia  intervir       Os   teístas   acreditam,   Lpicamente,   que   Deus   pode   intervir  e  que  intervém  de  facto  no  mundo  (execução  de   milagres).  Se  Deus  intervém  por  vezes,  por  que  razão  não   interveio   Deus   de   forma   a   prevenir   o   Holocausto,   ou   toda  a  segunda  guerra  mundial  ou  a  epidemia  da  SIDA?   Ø  Os   teístas   podem   responder   que,   se   houvesse   intervenção,  não  teríamos  genuíno  livre  arbítrio.  Mas   isto   seria   abandonar   um   aspecto   da   crença   em   Deus   defendido   pela   maioria   dos   teístas,   nomeadamente   que  a  intervenção  divina  ocorre  por  vezes.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 16. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus            3.3.4)  Não  explica  o  mal  natural       §  Este  argumento  só  poderá,  na  melhor  das  hipóteses,   jusPficar  a  existência  do  mal  moral  (humanos).   §  Não   se   concebe   qualquer   conexão   entre   a   posse   de   livre  arbítrio  e  a  existência  de  males  naturais,  como   terramotos,   doenças,   erupções   vulcânicas,   etc.,   a   não   ser   que   se   aceite   uma   espécie   qualquer   da   doutrina   do   pecado   original   (ex.   Adão   e   Eva)   que   torna   os   seres   humanos   responsáveis   pelo   mal   existente   no   mundo.   Mas,   tal   doutrina   só   seria   aceitável   para   quem  acredita  no  deus  judaico-­‐cristão.   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 17. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   FIM   Professora  Joana  Inês  Pontes   Bibliografia  consultada:     Almeida,   A.,   Murcho,   D.,(org.),   (2006)   Textos   e   Problemas   de   Filosofia.  Lisboa:  Plátano.   Nigel   Warburton,   Elementos   Básicos   de   Filosofia,   Gradiva,   Lisboa,  1998,  pp.  45-­‐52.       Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes