SlideShare uma empresa Scribd logo
Filosofia	
  –	
  10º	
  Ano	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  A	
  religião,	
  a	
  razão	
  e	
  a	
  fé:	
  argumentos	
  a	
  favor	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  
	
  	
  
	
  
ARGUMENTOS	
  A	
  FAVOR	
  DA	
  EXISTÊNCIA	
  DE	
  DEUS	
  
“Desde	
   a	
   antiguidade	
   que	
   as	
   pessoas	
   dadas	
   à	
   reflexão	
   procuram	
   justificar	
   as	
   suas	
  
crenças	
  religiosas.	
  Talvez	
  a	
  crença	
  mais	
  fundamental	
  que	
  se	
  procurou	
  justificar	
  seja	
  a	
  crença	
  
de	
   que	
   Deus	
   existe.	
   Em	
   geral,	
   a	
   tentativa	
   de	
   justificar	
   a	
   crença	
   na	
   existência	
   de	
   Deus	
  
começou	
  quer	
  por	
  factos	
  acessíveis	
  tanto	
  a	
  crentes	
  quanto	
  a	
  descrentes,	
  que	
  por	
  factos	
  que	
  
normalmente	
  só	
  são	
  acessíveis	
  aos	
  crentes,	
  como	
  a	
  experiência	
  direta	
  a	
  Deus.	
  (...)	
  Teólogos	
  e	
  
filósofos	
   desenvolveram	
   argumentos	
   a	
   favor	
   da	
   existência	
   de	
   Deus,	
   argumentos	
   que,	
  
segundo	
  eles,	
  provam	
  que	
  Deus	
  existe,	
  sem	
  margem	
  de	
  duvida	
  razoável.	
  	
  
É	
   comum	
   dividirmos	
   os	
   argumentos	
   a	
   favor	
   da	
   existência	
   de	
   Deus	
   em	
   argumentos	
   a	
  
posteriori	
  e	
  argumentos	
  a	
  priori.	
  Um	
  argumento	
  a	
  posteriori	
  depende	
  de	
  um	
  princípio	
  ou	
  
premissa	
  que	
  só	
  se	
  pode	
  conhecer	
  através	
  da	
  nossa	
  experiência	
  do	
  mundo.	
  Um	
  argumento	
  a	
  
priori,	
   por	
   outro	
   lado,	
   assenta	
   supostamente	
   em	
   princípios	
   que	
   se	
   podem	
   conhecer	
  
independentemente	
   da	
   nossa	
   experiência	
   do	
   mundo,	
   refletindo-­‐se	
   	
   apenas	
   neles	
   e	
  
compreendendo-­‐os.	
   Dos	
   três	
   principais	
   argumentos	
   a	
   favor	
   da	
   existência	
   de	
   Deus	
   –	
   o	
  
argumento	
  cosmológico,	
  o	
  argumento	
  do	
  desígnio	
  e	
  o	
  argumento	
  ontológico	
  –	
  apenas	
  o	
  
último	
  é	
  completamente	
  a	
  priori.	
  	
  No	
  argumento	
  cosmológico	
  começa-­‐se	
  com	
  factos	
  simples	
  
acerca	
  do	
  mundo,	
  como	
  no	
  facto	
  de	
  nele	
  haver	
  coisas	
  	
  cuja	
  existência	
  é	
  causada	
  	
  por	
  outras	
  
coisas.	
  No	
  argumento	
  do	
  desígnio	
  o	
  ponto	
  de	
  partida	
  é	
  um	
  facto	
  um	
  pouco	
  mais	
  complicado	
  
acerca	
  do	
  mundo,	
  o	
  facto	
  de	
  exibir	
  ordem	
  e	
  teleologia.	
  No	
  argumento	
  ontológico,	
  contudo,	
  
começa-­‐se	
  simplesmente	
  	
  com	
  um	
  conceito	
  de	
  Deus.	
  	
  	
  	
  	
  	
  
William	
  L.	
  Rowe,	
  (2011),	
  Introdução	
  à	
  Filosofia	
  da	
  Religião,	
  pp.39-­‐40.	
  
	
  
ARGUMENTO	
  
ONTOLÓGICO	
  
ARGUMENTO	
  
COSMOLÓGICO	
  
ARGUMENTO	
  	
  
DO	
  DESÍGNIO	
  
	
   	
   A	
  PRIORI	
   	
   	
   A	
  POSTERIORI	
  
Baseado	
  na	
  ideia	
  de	
  que	
  a	
  
existência	
   de	
   Deus	
   se	
  
segue	
   da	
   sua	
   definição.	
  
(conceito	
  de	
  ser	
  divino).	
  
Baseado	
   na	
   ideia	
   de	
   que	
  
tem	
  de	
  haver	
  uma	
  só	
  causa	
  
para	
   a	
   totalidade	
   do	
  
universo	
   (baseiam-­‐se	
   na	
  
contingência	
  do	
  mundo)	
  
Baseado	
  na	
  ordem	
  do	
  mundo	
  e	
  
na	
   adequação	
   das	
   coisas	
   a	
  
determinados	
  fins	
  (teleológicos)	
  
–	
  semelhança	
  do	
  universo	
  a	
  uma	
  
uma	
  máquina	
  (engrenagem).	
  
	
  
	
  
Professora	
  	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Marisa Ferreira
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
ミゲル ソレッス
 
Mensagem elementos simbólicos
Mensagem  elementos simbólicosMensagem  elementos simbólicos
Mensagem elementos simbólicos
Paula Oliveira Cruz
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
Maria Teresa Soveral
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
Fátima Teixeira Kika
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
Paulo Gomes
 
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
nanasimao
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
AnaGomes40
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Neizy Mandinga
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Aparecida Mallagoli
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptxA dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
CecliaGomes25
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
mauro dinis
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 

Mais procurados (20)

Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
 
Mensagem elementos simbólicos
Mensagem  elementos simbólicosMensagem  elementos simbólicos
Mensagem elementos simbólicos
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptxA dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 

Destaque

Apresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deusApresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deus
paulomanesantos
 
Argumento cosmológico (Aquino)
Argumento cosmológico (Aquino)Argumento cosmológico (Aquino)
Argumento cosmológico (Aquino)
Universidade Católica Portuguesa
 
A questão da existência de Deus
A questão da existência de DeusA questão da existência de Deus
A questão da existência de Deus
Espaço Emrc
 
Provas da existência de Deus!
Provas da existência de Deus! Provas da existência de Deus!
Provas da existência de Deus!
Leonardo Pereira
 
Deus
DeusDeus
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 

Destaque (6)

Apresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deusApresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deus
 
Argumento cosmológico (Aquino)
Argumento cosmológico (Aquino)Argumento cosmológico (Aquino)
Argumento cosmológico (Aquino)
 
A questão da existência de Deus
A questão da existência de DeusA questão da existência de Deus
A questão da existência de Deus
 
Provas da existência de Deus!
Provas da existência de Deus! Provas da existência de Deus!
Provas da existência de Deus!
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 

Semelhante a Argumento a favor da Existência de Deus

Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
Pastor W. Costa
 
religiao-resumos.pdf
religiao-resumos.pdfreligiao-resumos.pdf
religiao-resumos.pdf
SandraYang18
 
Através de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofiaAtravés de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofia
Etienne Salles
 
teontologia aula de hoje.pptx
teontologia aula de hoje.pptxteontologia aula de hoje.pptx
teontologia aula de hoje.pptx
Joao Apolinario
 
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
Helena Serrão
 
A Filosofia da Religião
A Filosofia da ReligiãoA Filosofia da Religião
A Filosofia da Religião
3000zxsc
 
Síntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_DeusSíntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_Deus
Isabel Moura
 
Apostila de Teontologia.pdf
Apostila de Teontologia.pdfApostila de Teontologia.pdf
Apostila de Teontologia.pdf
silvioresplandes1
 
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
O nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d dsO nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d ds
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
cdbbb
 
Apresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkinsApresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkins
mar_verdesmares
 
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).docx
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).docxAPOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).docx
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).docx
DivinoHenriqueSantan
 
Posições_natureza_existência_Deus
Posições_natureza_existência_DeusPosições_natureza_existência_Deus
Posições_natureza_existência_Deus
Isabel Moura
 
V dfilo cap5p_formas_crenca
V dfilo cap5p_formas_crencaV dfilo cap5p_formas_crenca
V dfilo cap5p_formas_crenca
Leonardo Espíndola Espindola Moreira
 
TEONTOLOGIA
TEONTOLOGIATEONTOLOGIA
TEONTOLOGIA
RickCorreia5
 
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin) Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Jerbialdo
 
Apresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de DeusApresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de Deus
paulomanesantos
 
A_Doutrina_de_Deus_-_Aula_1_(Existência_.pptx
A_Doutrina_de_Deus_-_Aula_1_(Existência_.pptxA_Doutrina_de_Deus_-_Aula_1_(Existência_.pptx
A_Doutrina_de_Deus_-_Aula_1_(Existência_.pptx
Hábitos saudáveis
 
Aula 3 metafísica
Aula 3   metafísicaAula 3   metafísica
Aula 3 metafísica
professorleo1989
 
Slide 01
Slide 01Slide 01
Slide 02
Slide   02Slide   02

Semelhante a Argumento a favor da Existência de Deus (20)

Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
 
religiao-resumos.pdf
religiao-resumos.pdfreligiao-resumos.pdf
religiao-resumos.pdf
 
Através de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofiaAtravés de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofia
 
teontologia aula de hoje.pptx
teontologia aula de hoje.pptxteontologia aula de hoje.pptx
teontologia aula de hoje.pptx
 
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
 
A Filosofia da Religião
A Filosofia da ReligiãoA Filosofia da Religião
A Filosofia da Religião
 
Síntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_DeusSíntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_Deus
 
Apostila de Teontologia.pdf
Apostila de Teontologia.pdfApostila de Teontologia.pdf
Apostila de Teontologia.pdf
 
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
O nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d dsO nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d ds
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
 
Apresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkinsApresentacao sesc-dawkins
Apresentacao sesc-dawkins
 
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).docx
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).docxAPOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).docx
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).docx
 
Posições_natureza_existência_Deus
Posições_natureza_existência_DeusPosições_natureza_existência_Deus
Posições_natureza_existência_Deus
 
V dfilo cap5p_formas_crenca
V dfilo cap5p_formas_crencaV dfilo cap5p_formas_crenca
V dfilo cap5p_formas_crenca
 
TEONTOLOGIA
TEONTOLOGIATEONTOLOGIA
TEONTOLOGIA
 
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin) Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
 
Apresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de DeusApresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de Deus
 
A_Doutrina_de_Deus_-_Aula_1_(Existência_.pptx
A_Doutrina_de_Deus_-_Aula_1_(Existência_.pptxA_Doutrina_de_Deus_-_Aula_1_(Existência_.pptx
A_Doutrina_de_Deus_-_Aula_1_(Existência_.pptx
 
Aula 3 metafísica
Aula 3   metafísicaAula 3   metafísica
Aula 3 metafísica
 
Slide 01
Slide 01Slide 01
Slide 01
 
Slide 02
Slide   02Slide   02
Slide 02
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa

Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
Universidade Católica Portuguesa
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
Universidade Católica Portuguesa
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
Universidade Católica Portuguesa
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
Universidade Católica Portuguesa
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
Universidade Católica Portuguesa
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Universidade Católica Portuguesa
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
Universidade Católica Portuguesa
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
Universidade Católica Portuguesa
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa (20)

Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema.mal
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
 

Último

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 

Argumento a favor da Existência de Deus

  • 1. Filosofia  –  10º  Ano                                                                                                                              A  religião,  a  razão  e  a  fé:  argumentos  a  favor  da  existência  de  Deus         ARGUMENTOS  A  FAVOR  DA  EXISTÊNCIA  DE  DEUS   “Desde   a   antiguidade   que   as   pessoas   dadas   à   reflexão   procuram   justificar   as   suas   crenças  religiosas.  Talvez  a  crença  mais  fundamental  que  se  procurou  justificar  seja  a  crença   de   que   Deus   existe.   Em   geral,   a   tentativa   de   justificar   a   crença   na   existência   de   Deus   começou  quer  por  factos  acessíveis  tanto  a  crentes  quanto  a  descrentes,  que  por  factos  que   normalmente  só  são  acessíveis  aos  crentes,  como  a  experiência  direta  a  Deus.  (...)  Teólogos  e   filósofos   desenvolveram   argumentos   a   favor   da   existência   de   Deus,   argumentos   que,   segundo  eles,  provam  que  Deus  existe,  sem  margem  de  duvida  razoável.     É   comum   dividirmos   os   argumentos   a   favor   da   existência   de   Deus   em   argumentos   a   posteriori  e  argumentos  a  priori.  Um  argumento  a  posteriori  depende  de  um  princípio  ou   premissa  que  só  se  pode  conhecer  através  da  nossa  experiência  do  mundo.  Um  argumento  a   priori,   por   outro   lado,   assenta   supostamente   em   princípios   que   se   podem   conhecer   independentemente   da   nossa   experiência   do   mundo,   refletindo-­‐se     apenas   neles   e   compreendendo-­‐os.   Dos   três   principais   argumentos   a   favor   da   existência   de   Deus   –   o   argumento  cosmológico,  o  argumento  do  desígnio  e  o  argumento  ontológico  –  apenas  o   último  é  completamente  a  priori.    No  argumento  cosmológico  começa-­‐se  com  factos  simples   acerca  do  mundo,  como  no  facto  de  nele  haver  coisas    cuja  existência  é  causada    por  outras   coisas.  No  argumento  do  desígnio  o  ponto  de  partida  é  um  facto  um  pouco  mais  complicado   acerca  do  mundo,  o  facto  de  exibir  ordem  e  teleologia.  No  argumento  ontológico,  contudo,   começa-­‐se  simplesmente    com  um  conceito  de  Deus.             William  L.  Rowe,  (2011),  Introdução  à  Filosofia  da  Religião,  pp.39-­‐40.     ARGUMENTO   ONTOLÓGICO   ARGUMENTO   COSMOLÓGICO   ARGUMENTO     DO  DESÍGNIO       A  PRIORI       A  POSTERIORI   Baseado  na  ideia  de  que  a   existência   de   Deus   se   segue   da   sua   definição.   (conceito  de  ser  divino).   Baseado   na   ideia   de   que   tem  de  haver  uma  só  causa   para   a   totalidade   do   universo   (baseiam-­‐se   na   contingência  do  mundo)   Baseado  na  ordem  do  mundo  e   na   adequação   das   coisas   a   determinados  fins  (teleológicos)   –  semelhança  do  universo  a  uma   uma  máquina  (engrenagem).       Professora    Joana  Inês  Pontes