SlideShare uma empresa Scribd logo
AULÃO DE INTRODUÇÃO A
QUÍMICA GERAL
Prof.ª : Adrianne Mendonça
O QUE É QUÍMICA
 Química é a ciência que estuda a matéria e suas
transformações. Estuda também a energia que
está envolvida nessas transformações.
 A química está muito ligada ao nosso dia a dia.
Nos alimentos, medicamentos, construções, nas
plantas, no vestuário, nos combustíveis.Tudo o
que existe no universo é formado por química.
No nosso organismo também há diversas
transformações químicas.

MATÉRIA E SUBSTÂNCIA
 Matéria é tudo o que tem massa e ocupa
espaço.
 Qualquer coisa que tenha existência física ou
real é matéria.Tudo o que existe no universo
conhecido manifesta-se como matéria ou
energia.
 A matéria pode ser líquida, sólida ou gasosa.
São exemplos de matéria: papel, madeira, ar,
água, pedra.
Ilustrando ...
Vamos pensar...
 Analisando a matéria qualitativamente (qualidade)
chamamos a matéria de substância.
 Substância – possui uma composição característica,
determinada e um conjunto definido de propriedades.
 Pode ser simples (formada por só um elemento químico) ou
composta (formada por vários elementos químicos).
 Exemplos de substância simples: ouro, mercúrio, ferro,
zinco.
 Exemplos de substância composta: água, açúcar (sacarose),
sal de cozinha (cloreto de sódio).
 As substâncias químicas podem ser classificadas de duas
formas: quanto ao tipo de ligação que as forma e quanto ao
número de elementos químicos que participam na ligação.
classificação
 - Quanto ao tipo de ligação
 Quanto ao tipo de ligação as substâncias são
classificadas em Iônicas, Moleculares ou Metálicas.
As substâncias iônicas têm pelo menos uma ligação
iônica.
 Exemplo: NaCl (cloreto de sódio)
NaNO2 (nitrito de sódio)
 As substâncias iônicas têm elevados pontos de
ebulição e fusão; muitas delas, ao serem dissolvidas
na água, têm os seus íons separados por ação da
água num processo chamado dissociação iônica;
conduzem corrente elétrica em solução aquosa.
 Tabela com outros exemplos de substâncias iônicas:
Veja !!!
SUBSTÂNCIA IÔNICA DESCRIÇÃO
SULFATO DE BÁRIO
USADO EM ESTUDOS DE RAIOS
X NOTRATO GASTRINTESTINAL
ÓXIDO DE CÁLCIO CAL
CARBONATO DE CÁLCIO MÁRMORE
ÓXIDO FÉRRICO FERRUGEM
HIDRÓXIDO DE MAGNÉSIO ANTIÁCIDO
HIDRÓXIDO DE SÓDIO SODACÁUSTICA
Importante !!!
 As substâncias moleculares são formadas
exclusivamente por ligações covalentes. Em
geral, tem baixa temperatura de ebulição e
de fusão. A maioria delas não conduz
eletricidade em solução aquosa. Formam
moléculas.
 Exemplos: água (H2O)
amoníaco (NH3)
Tabela com outros exemplos de
substâncias moleculares:
SUBSTÂNCIA MOLECULAR DESCRIÇÃO
MONÓXIDO DE CARBONO
GÁSVENENOSO
RESULTADO DA
COMBUSTÃO INCOMPLETA
DA GASOLINA E DO
ÁLCOOL
DIÓXIDO DE CARBONO
PRODUTO DA REAÇÃO DE
COMBUSTÃO.ABSORVIDO
PELAS PLANTAS PARA
UTILIZAR NA
FOTOSSÍNTESE
ETANOL INGREDIENTE DE BEBIDAS
ALCOÓLICAS E
COMBUSTÍVEL
SACAROSE AÇÚCAR COMUM
IMPORTANTE !!!
 são formadas exclusivamente por ligações
metálicas.
Exemplos: Ferro (Fe), Prata (Ag), Ouro (Au),
Alumínio (Al).
 - Quanto ao número de elementos químicos
 Quanto ao número de elementos químicos, as
substâncias podem ser classificadas como
simples ou compostas.
 Substância Simples é aquela formada por um
único elemento químico.
Ex. Ferro (Fe), Alumínio (Al), gás hidrogênio (H2).
SUBSTÂNCIA SIMPLES – FERRO
Substância Composta é aquela formada por mais de
um tipo de elemento químico.
Ex. Cloreto de sódio (NaCl), Monóxido de Carbono
(CO), Água (H2O).
 Substância composta Nacl
ESTADOS FÍSICOS E ESTADO DE
AGREGAÇÃO DAS MOLÉCULAS
 Uma substância pode ser encontrada no estado físico
líquido, sólido ou gasoso. Estes diferentes aspectos são
chamados de fases de agregação e dependem da
temperatura e pressão.
 Para cada substância existe uma faixa de temperatura e
pressão na qual ela mantém suas características como
espécie, mudando apenas de fase de agregação.
 Exemplo: a substância água, à temperatura inferior ou igual
à 0°C, submetida à pressão de 1atm, se encontra na fase
sólida; entre 0°C e 100°C, submetida à mesma pressão, se
encontra na fase líquida e a 100°C, também submetida à
mesma pressão, passará para a forma de vapor de água, ou
seja, fase gasosa.
Fase gasosa /Fase Líquida
 Nesta fase as partículas da substância estão com maior energia cinética. Elas
ficam muito distantes umas das outras. Movem-se com muita velocidade e
colidem entre si.
 Um gás qualquer colocado dentro de uma garrafa de 1litro adquire a forma da
garrafa e seu volume será de 1litro. Podemos dizer que uma substância na fase
gasosa possui forma e volume variáveis.
 Por que os gases são compressíveis? Sabendo que os gases (ao contrário dos
líquidos e sólidos) não têm volume fixo, com um aumento de pressão podemos
comprimi-los, ou reduzir o seu volume.
Os gases são compressíveis porque há muito espaço entre as partículas que os
compõem.
 Na fase líquida as partículas estão um pouco mais unidas em relação às partículas
da fase gasosa, mas não totalmente unidas. Não há nenhum arranjo definido. A
energia cinética é intermediária entre a fase gasosa e a fase sólida.
 As partículas nos líquidos “deslizam” umas sobre as outras e se movem. Isto é o
que proporciona a fluidez no líquido. Todos os líquidos podem fluir, e alguns mais
que os outros. A água, por exemplo, flui com mais facilidade que o mel. Então
dizemos que a água tem baixa viscosidade e que o mel tem alta viscosidade.
 Os líquidos com baixa viscosidade oferecem menor resistência para fluir.
Fase Sólida
 Na fase sólida, as partículas que formam a substância
possuem a menor energia cinética; elas permanecem
praticamente imóveis, unidas por forças de atração mútuas
e dispostas, em geral, de acordo com um arranjo
geométrico definido.
 No caso das moléculas de água, esse arranjo é em forma de
anéis, no qual sempre há um átomo de hidrogênio entre
dois de oxigênio.
 O arranjo das moléculas de água, na fase sólida, é o
responsável pelo aumento do seu volume. Então, ao se
congelar, a água se expande, formando o gelo que é menos
denso que a água na fase líquida.
Um bloco de mármore, sobre uma mesa, muda de forma e
volume com o passar do tempo? Podemos concluir que
uma substância sólida possui forma e volume próprios.
MUDANÇA DE FASES E GRÁFICOS
 No nosso dia a dia observamos que o gelo se
derrete sob a ação do calor transformando-se
em água. A água ferve sob calor mais intenso
transformando-se em vapor de água. A água,
neste caso, apresenta três estados: sólido,
líquido e gasoso. São também chamado de
estados físicos ou estado de agregação da
matéria. Quando se transformam de um estado
para o outro chamamos de Mudança de Estados
Físicos. Cada transformação recebe um nome.
VEJA !!!
 Solida liquida vapor
Fenômenos
 Fusão – mudança do estado sólido para o
líquido.
Vaporização – mudança do estado líquido
para o gasoso.
Liquefação ou Condensação – mudança do
estado gasoso para o líquido.
Solidificação – mudança do estado líquido
para o sólido.
Sublimação – mudança do estado sólido para
o gasoso e vice-versa.
Ilustrando ...
A fusão obedece a algumas leis:
 - uma determinada substância funde-se sempre na mesma temperatura,
em determinada pressão. Essa temperatura é o ponto de fusão (PF)
A água se funde a 0ºC e o ferro a 1500°C.
 durante a fusão, a temperatura permanece constante, ou seja, não é
alterada.
- durante a fusão, as substâncias aumentam de volume, exceto a água,
ferro e a prata.
 A temperatura em que uma substância começa a se solidificar é a
mesma que ela começa a se fundir.O ponto de solidificação é o mesmo
que o ponto de fusão.
 A mudança da fase líquida para gasosa é dada de três maneiras. A
evaporação é um processo mais lento que ocorre sem temperatura e
pressão determinada. A ebulição é um processo rápido e depende de
cada substância que possui a sua temperatura e pressão já determinada.
É caracterizada pelo aparecimento de grande quantidade de bolhas.
A ebulição obedece à algumas
leis:
 - As substâncias entram em ebulição sempre na
mesma temperatura.
- durante a ebulição, a temperatura segue
inalterada.
 Usamos o termo liquefação para indicar o
aumento de pressão, transformando o sólido em
gás.
 A sublimação é um processo desencadeado a
partir de uma temperatura e pressão
determinadas e não passa pela fase líquida.

GRAFICO DAS MUDANÇAS DE ESTADO
Alotropia
 é a propriedade que alguns elementos químicos têm de formar uma
ou mais substâncias simples diferentes.
São alótropos: carbono, oxigênio, fósforo e enxofre.
 O carbono possui dois alótropos: o diamante e o grafite.
Essas duas substâncias parecem não ter nada em comum. O grafite é
um sólido macio e cinzento, com fraco brilho metálico, conduz bem a
eletricidade e calor e tem densidade 2,25g/mL. O diamante é sólido
duro (o mais duro de todos), tem brilho adamantino, não conduz
eletricidade nem calor e tem densidade 3,51g/mL. Mas as duas têm
em comum a mesma composição química expressa pela fórmula Cn,
sendo n um número muito grande e indeterminado.
A principal diferença está no arranjo cristalino dos átomos de
carbono. No grafite formam-se hexágonos. Cada átomo de carbono é
ligado a apenas três outros átomos de carbono, em lâminas planas,
fracamente atraídas umas pelas outras. No diamante, cada átomo de
carbono está ligado a quatro outros átomos também de carbono.
oxigênio tem dois alótropos, formando duas substâncias simples: o gás oxigênio (O2) e o gás ozônio (O3).
O gás oxigênio é incolor e inodoro. Faz parte da atmosfera e é indispensável à vida dos seres aeróbicos. As
plantas o devolvem para a atmosfera ao realizar a fotossíntese.
O gás ozônio é um gás azulado de cheiro forte e desagradável. Como agente bactericida, ele é usado na
purificação da água nos chamados ozonizadores. O ozônio está presente na estratosfera, a mais ou menos 20Km a
30Km da superfície da terrestre. Ele forma uma camada que absorve parte dos raios ultravioletas (UV) do Sol,
impedindo que eles se tornem prejudiciais aos organismos vivos.
 OXIGENIO OZONIO
O fósforo tem duas formas alotrópicas principais: o fósforo
branco e o fósforo vermelho.
 O fósforo branco (P4) é um sólido branco com aspecto igual ao da cera. É muito
reativo, tem densidade igual a 1,82g/mL e se funde a uma temperatura de 44°C e
ferve a 280°C. Se aquecermos a 300°C na ausência de ar ele se transforma em
fósforo vermelho, que é mais estável (menos reativo).
O fósforo vermelho é um pó vermelho-escuro, amorfo (que não tem estrutura
cristalina).Tem densidade igual a 2,38g/mL, ponto de fusão 590°C. Cada grão de
pó desta substância é formado por milhões de moléculas P4, unidas umas às
outras originando uma molécula gigante ( P∞).
 O enxofre possui dois alótropos principais: o enxofre ortorrômbico ou
simplesmente rômbico e o enxofre monocíclico. As duas formas são formadas
por moléculas em forma de anel com oito átomos de enxofre (S8). A diferença
está no arranjo molecular no espaço. Produzem cristais diferentes.
Os cristais rômbicos têm densidade 2,08g/mL e seu ponto de fusão é 112,8°C.Os
monocíclicos têm densidade igual a 1,96g/mL e o ponto de fusão é 119,2°C.
Ambos alótropos do enxofre fervem a uma temperatura de 445°C. É um pó
amarelo, inodoro, insolúvel em água e muito solúvel em sulfeto de carbono
(CS2).
CONCEITOS IMPORTANTES
 Mistura– são duas ou mais substâncias agrupadas, onde a composição é
variável e suas propriedades também.
Exemplo de misturas: sangue, leite, ar, madeira, granito, água com
açúcar.
Algumas misturas são tão importantes que têm nome próprio. São
exemplos:
- gasolina – mistura de hidrocarbonetos, que são substâncias formadas
por hidrogênio e carbono.
- ar atmosférico – mistura de 78% de nitrogênio, 21% de oxigênio, 1% de
argônio e mais outros gases, como o gás carbônico.
- álcool hidratado – mistura de 96% de álcool etílico mais 4% de água.
 Sistema – é uma parte do universo que se deseja observar, analisar. Por
exemplo: um tubo de ensaio com água, um pedaço de ferro, uma
mistura de água e gasolina, etc.
 Fases – é o aspecto visual uniforme.
Tipos de mistura
 Mistura Homogênea – é formada por apenas
uma fase. Não se consegue diferencias a
substância.
Exemplos:
- água + sal
- água + álcool etílico
- água + acetona
- água + açúcar
Tipos de mistura
 Mistura Heterogênea – é formada por duas
ou mais fases. As substâncias podem ser
diferenciadas a olho nu ou pelo microscópio.
Exemplos:
- água + óleo
- granito
- água + enxofre
- água + areia + óleo
IMPORTANTE !!!
 . Os sistemas polifásicos são as misturas heterogêneas.
Os sistemas homogêneos, quando formados por duas ou
mais substâncias miscíveis (que se misturam) umas nas
outras chamamos de soluções.
São exemplos de soluções: água salgada, vinagre, álcool
hidratado.
Os sistemas heterogêneos podem ser formados por uma
única substância, porém em várias fases de agregação
(estados físicos).
Exemplo: água
- líquida
- sólida (gelo)
- vapor

SEPARAÇÃO DE MISTURAS
 separação de Sólidos
 Para separar sólidos podemos utilizar o método da catação, levigação, flotação ou
dissolução, peneiração, separação magnética, ventilação e dissolução fracionada.
 - CATAÇÃO – consiste basicamente em recolher com as mãos ou uma pinça um dos
componentes da mistura.
Exemplo: separar feijão das impurezas antes de cozinhá-los.
 - LEVIGAÇÃO – separa substâncias mais densas das menos densas usando água
corrente.
Exemplo: processo usado por garimpeiros para separar ouro (mais denso) da areia
(menos densa).
 - DISSOLUÇÃO OU FLOCULAÇÃO – consiste em dissolver a mistura em solvente com
densidade intermediária entre as densidades dos componentes das misturas.
Exemplo: serragem + areia
Adiciona-se água na mistura. A areia fica no fundo e a serragem flutua na água.
 - PENEIRAÇÃO – separa sólidos maiores de sólidos menores ou ainda sólidos em
suspensão em líquidos.
Exemplo: os pedreiros usam esta técnica para separar a areia mais fina de pedrinhas;
para separar a polpa de uma fruta das suas sementes, como o maracujá.
Este processo também é chamado de tamização.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS
 SEPARAÇÃO MAGNÉTICA – usado quando
um dos componentes da mistura é um
material magnético. Com um ímã ou
eletroímã, o material é retirado.
Exemplo: limalha de ferro + enxofre; areia +
ferro
SEPARAÇÃO DE MISTURAS
 VENTILAÇÃO – usado para separar dois
componentes sólidos com densidades diferentes. É
aplicado um jato de ar sobre a mistura.
Exemplo: separar o amendoim torrado da sua casca
já solta; arroz + palha.
 - DISSOLUÇÃO FRACIONADA - consiste em separar
dois componentes sólidos utilizando um líquido que
dissolva apenas um deles.
Exemplo: sal + areia
Dissolve-se o sal em água. A areia não se dissolve na
água. Pode-se filtrar a mistura separando a areia,
que fica retida no filtro da água salgada. Pode-se
evaporar a água, separando a água do sal.
separação de Sólidos e
Líquidos
 SEDIMENTAÇÃO – consiste em deixar a
mistura em repouso até o sólido se depositar
no fundo do recipiente.
Exemplo: água + areia
Separação de Sólidos e
Líquidos
 DECANTAÇÃO – é a remoção da parte
líquida, virando cuidadosamente o recipiente.
Pode-se utilizar um funil de decantação para
remover um dos componentes da mistura.
Exemplo: água + óleo; água + areia
Separação de Sólidos e
Líquidos
 CENTRIFUGAÇÃO – é o processo de
aceleração da sedimentação. Utiliza-se um
aparelho chamado centrífuga ou
centrifugador, que pode ser elétrico ou
manual.
Exemplo: Para separar a água com barro.
Separação de Sólidos e
Líquidos
 FILTRAÇÃO – processo mecânico que serve
para separar mistura sólida dispersa com um
líquido ou gás. Utiliza-se uma superfície
porosa (filtro) para reter o sólido e deixar
passar o líquido. O filtro usado é um papel-
filtro.
Separação de Sólidos e Líquidos
 EVAPORAÇÃO – consiste em evaporar o líquido
que está misturado com um sólido.
Exemplo: água + sal de cozinha (cloreto de
sódio).
Nas salinas, obtém-se o sal de cozinha por este
processo. Na realidade, as evaporações resultam
em sal grosso, que se for purificado torna-se o sal
refinado (sal de cozinha), que é uma mistura de
cloreto de sódio e outras substâncias que são
adicionadas pela indústria.
Separação de Misturas Homogêneas
 Para separar os componentes das substâncias de misturas homogêneas usamos os métodos
chamados de fracionamento, que se baseiam na constância da temperatura nas mudanças
de estados físicos. São eles: destilação e fusão.
 - DESTILAÇÃO – consiste em separar líquidos e sólidos com pontos de ebulição diferentes.
Os líquidos devem ser miscíveis entre si.
Exemplo: água + álcool etílico; água + sal de cozinha
 O ponto de ebulição da água é 100°C e o ponto de ebulição do álcool etílico é 78°C. Se
aquecermos esta mistura, o álcool ferve primeiro. No condensador, o vapor do álcool é
resfriado e transformado em álcool líquido, passando para outro recipiente, que pode ser
um frasco coletor, um erlenmeyer ou um copo de béquer. E a água permanece no recipiente
anterior, separando-se assim do álcool.
Para essa técnica, usa-se o aparelho chamado destilador, que é um conjunto de vidrarias do
laboratório químico. Utiliza-se: termômetro, balão de destilação, haste metálica ou suporte,
bico de Bunsen, condensador, mangueiras, agarradores e frasco coletor.
Este método é a chamada Destilação Simples.
 Nas indústrias, principalmente de petróleo, usa-se a destilação fracionada para separar
misturas de dois ou mais líquidos. As torres de separação de petróleo fazem a sua divisão
produzindo gasolina, óleo diesel, gás natural, querosene, piche.
Separação de Misturas
Homogêneas
 FUSÃO FRACIONADA – separa componentes
de misturas homogêneas de vários sólidos.
Derrete-se a substância sólida até o seu
ponto de fusão, separando-se das demais
substâncias.
Exemplo: mistura sólida entre estanho e
chumbo.
O estanho funde-se a 231°C e o chumbo, a
327°C. Então, funde-se primeiramente o
estanho.
OBRIGADA !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 02 matéria e suas propriedades
Aula 02   matéria e suas propriedadesAula 02   matéria e suas propriedades
Aula 02 matéria e suas propriedades
Rafael Varistelo
 
Introdução à química
Introdução à químicaIntrodução à química
Introdução à química
Escola Modelo de Iguatu
 
Física e química introdução estado físico da matéria
Física e química introdução estado físico da matériaFísica e química introdução estado físico da matéria
Física e química introdução estado físico da matéria
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares material
Leandro Da Paz Aristides
 
Fenômenos+ estados de agregação da matéria
Fenômenos+ estados de agregação da matériaFenômenos+ estados de agregação da matéria
Fenômenos+ estados de agregação da matéria
Karol Maia
 
Introducao quimica
Introducao quimicaIntroducao quimica
Introducao quimica
Mateus Miranda
 
Aula 3 substâncias puras, misturas e gráficos de aquec-resf
Aula 3   substâncias puras, misturas e gráficos de aquec-resfAula 3   substâncias puras, misturas e gráficos de aquec-resf
Aula 3 substâncias puras, misturas e gráficos de aquec-resf
profNICODEMOS
 
Estados Físicos da matéria
Estados Físicos da matériaEstados Físicos da matéria
Estados Físicos da matéria
Coc2010
 
Tf e te pressão
Tf e te   pressãoTf e te   pressão
Tf e te pressão
Vínicius Gabriel
 
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
Vania Lima "Somos Físicos"
 
UFVJM - Líquidos e Mudanças de Estado
UFVJM - Líquidos e Mudanças de EstadoUFVJM - Líquidos e Mudanças de Estado
UFVJM - Líquidos e Mudanças de Estado
marianafolgado
 
UFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
UFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e MucuriUFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
UFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
marianafolgado
 
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturasQuímica - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Cláudia Augusto
 
Misturas e substâncias puras
 Misturas e substâncias puras Misturas e substâncias puras
Misturas e substâncias puras
samuelr81
 
Noções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânicaNoções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânica
cmdantasba
 
Transformações, substancia e misturas
Transformações, substancia e misturasTransformações, substancia e misturas
Transformações, substancia e misturas
Anna Luisa de Castro
 
"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Estados fisicos da materia.3
Estados fisicos da materia.3Estados fisicos da materia.3
Estados fisicos da materia.3
matheusrl98
 
Propriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicas
Isadora Girio
 
Substancia pura e misturas
Substancia pura e misturasSubstancia pura e misturas
Substancia pura e misturas
Patronato Sagrada Família EEFM
 

Mais procurados (20)

Aula 02 matéria e suas propriedades
Aula 02   matéria e suas propriedadesAula 02   matéria e suas propriedades
Aula 02 matéria e suas propriedades
 
Introdução à química
Introdução à químicaIntrodução à química
Introdução à química
 
Física e química introdução estado físico da matéria
Física e química introdução estado físico da matériaFísica e química introdução estado físico da matéria
Física e química introdução estado físico da matéria
 
Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares material
 
Fenômenos+ estados de agregação da matéria
Fenômenos+ estados de agregação da matériaFenômenos+ estados de agregação da matéria
Fenômenos+ estados de agregação da matéria
 
Introducao quimica
Introducao quimicaIntroducao quimica
Introducao quimica
 
Aula 3 substâncias puras, misturas e gráficos de aquec-resf
Aula 3   substâncias puras, misturas e gráficos de aquec-resfAula 3   substâncias puras, misturas e gráficos de aquec-resf
Aula 3 substâncias puras, misturas e gráficos de aquec-resf
 
Estados Físicos da matéria
Estados Físicos da matériaEstados Físicos da matéria
Estados Físicos da matéria
 
Tf e te pressão
Tf e te   pressãoTf e te   pressão
Tf e te pressão
 
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
 
UFVJM - Líquidos e Mudanças de Estado
UFVJM - Líquidos e Mudanças de EstadoUFVJM - Líquidos e Mudanças de Estado
UFVJM - Líquidos e Mudanças de Estado
 
UFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
UFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e MucuriUFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
UFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
 
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturasQuímica - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
 
Misturas e substâncias puras
 Misturas e substâncias puras Misturas e substâncias puras
Misturas e substâncias puras
 
Noções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânicaNoções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânica
 
Transformações, substancia e misturas
Transformações, substancia e misturasTransformações, substancia e misturas
Transformações, substancia e misturas
 
"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas
 
Estados fisicos da materia.3
Estados fisicos da materia.3Estados fisicos da materia.3
Estados fisicos da materia.3
 
Propriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicas
 
Substancia pura e misturas
Substancia pura e misturasSubstancia pura e misturas
Substancia pura e misturas
 

Destaque

Slide química
Slide químicaSlide química
Slide química
professoralivia
 
Introduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da químicaIntroduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da química
V
 
Química na cozinha pudim - estequiometria - iff
Química na cozinha  pudim - estequiometria - iffQuímica na cozinha  pudim - estequiometria - iff
Química na cozinha pudim - estequiometria - iff
samuelr81
 
QUIMICA NO COTIDIANO ATRAVÉS DE IMAGENS
QUIMICA NO COTIDIANO ATRAVÉS DE IMAGENSQUIMICA NO COTIDIANO ATRAVÉS DE IMAGENS
QUIMICA NO COTIDIANO ATRAVÉS DE IMAGENS
Cida Marconcine
 
A QuíMica No Nosso Dia A Dia
A QuíMica No Nosso Dia A DiaA QuíMica No Nosso Dia A Dia
A QuíMica No Nosso Dia A Dia
Maria Naves
 
quimica do cotidiano
 quimica do cotidiano quimica do cotidiano
quimica do cotidiano
paramore146
 
01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas
Augusto Sérgio Costa Souza
 
CADERNO DE RESPOSTAS- Treinamento para as aulas 1, 2 a 3
CADERNO DE RESPOSTAS-  Treinamento para as aulas 1, 2 a 3CADERNO DE RESPOSTAS-  Treinamento para as aulas 1, 2 a 3
CADERNO DE RESPOSTAS- Treinamento para as aulas 1, 2 a 3
Maiquel Vieira
 
QUIMICA GERAL Aula 01
QUIMICA GERAL Aula 01QUIMICA GERAL Aula 01
QUIMICA GERAL Aula 01
Manim Edições
 
Aula QuíMica
Aula QuíMicaAula QuíMica
Aula QuíMica
wddan
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
Patrícia Morais
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
Leimcpf
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
Josenildo Vasconcelos
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
Ajudar Pessoas
 
Slides evolução do modelo atômico
Slides  evolução do modelo atômicoSlides  evolução do modelo atômico
Slides evolução do modelo atômico
elismarafernandes
 
Introdução a química
Introdução a químicaIntrodução a química
Introdução a química
Portal do Vestibulando
 
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Daniele Lino
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
Karol Maia
 
Gastronomia Molecular... Ciência na cozinha
Gastronomia Molecular... Ciência na cozinhaGastronomia Molecular... Ciência na cozinha
Gastronomia Molecular... Ciência na cozinha
Carlos Barbosa
 

Destaque (19)

Slide química
Slide químicaSlide química
Slide química
 
Introduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da químicaIntroduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da química
 
Química na cozinha pudim - estequiometria - iff
Química na cozinha  pudim - estequiometria - iffQuímica na cozinha  pudim - estequiometria - iff
Química na cozinha pudim - estequiometria - iff
 
QUIMICA NO COTIDIANO ATRAVÉS DE IMAGENS
QUIMICA NO COTIDIANO ATRAVÉS DE IMAGENSQUIMICA NO COTIDIANO ATRAVÉS DE IMAGENS
QUIMICA NO COTIDIANO ATRAVÉS DE IMAGENS
 
A QuíMica No Nosso Dia A Dia
A QuíMica No Nosso Dia A DiaA QuíMica No Nosso Dia A Dia
A QuíMica No Nosso Dia A Dia
 
quimica do cotidiano
 quimica do cotidiano quimica do cotidiano
quimica do cotidiano
 
01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas
 
CADERNO DE RESPOSTAS- Treinamento para as aulas 1, 2 a 3
CADERNO DE RESPOSTAS-  Treinamento para as aulas 1, 2 a 3CADERNO DE RESPOSTAS-  Treinamento para as aulas 1, 2 a 3
CADERNO DE RESPOSTAS- Treinamento para as aulas 1, 2 a 3
 
QUIMICA GERAL Aula 01
QUIMICA GERAL Aula 01QUIMICA GERAL Aula 01
QUIMICA GERAL Aula 01
 
Aula QuíMica
Aula QuíMicaAula QuíMica
Aula QuíMica
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
Slides evolução do modelo atômico
Slides  evolução do modelo atômicoSlides  evolução do modelo atômico
Slides evolução do modelo atômico
 
Introdução a química
Introdução a químicaIntrodução a química
Introdução a química
 
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
Gastronomia Molecular... Ciência na cozinha
Gastronomia Molecular... Ciência na cozinhaGastronomia Molecular... Ciência na cozinha
Gastronomia Molecular... Ciência na cozinha
 

Semelhante a Aulão de introdução a química geral

Estados fisicos e estado de agregacao das moleculas
Estados fisicos e estado de agregacao das moleculasEstados fisicos e estado de agregacao das moleculas
Estados fisicos e estado de agregacao das moleculas
Lucas pk'
 
Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo   classificação, propriedades e transformações da matériaResumo   classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
Profª Alda Ernestina
 
Aula 1 - Química geral
Aula 1 - Química geralAula 1 - Química geral
Aula 1 - Química geral
alicyatalves
 
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdfApostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Nubia Bergamini
 
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1oCefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
joogolombori
 
Propriedades específicas da matéria
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matéria
Pedro Araújo
 
Características Físicas e Químicas da Água.pdf
Características Físicas e Químicas da Água.pdfCaracterísticas Físicas e Químicas da Água.pdf
Características Físicas e Químicas da Água.pdf
lucasjunges3
 
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
eduardofelipe2345
 
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
ssuser9abcfe
 
estados fisicos da materia COMPLETO......docx
estados fisicos da materia COMPLETO......docxestados fisicos da materia COMPLETO......docx
estados fisicos da materia COMPLETO......docx
AndreaMarlidosSantos
 
Capítulo 1: Matéria e medidas
Capítulo 1: Matéria e medidasCapítulo 1: Matéria e medidas
Capítulo 1: Matéria e medidas
Kaires Braga
 
Aula propriedade da materia
Aula propriedade da materiaAula propriedade da materia
Aula propriedade da materia
Coens Cursos e Concursos
 
Ap. de química 1a etapa
Ap. de química   1a etapaAp. de química   1a etapa
Ap. de química 1a etapa
Leticia Andrade
 
ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA - 9º ANO (1).pptx
ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA - 9º ANO (1).pptxESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA - 9º ANO (1).pptx
ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA - 9º ANO (1).pptx
GiovannaMachado24
 
Estados fisicos da agua
Estados fisicos da aguaEstados fisicos da agua
Estados fisicos da agua
lveiga
 
Aula 06 Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
Aula 06   Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson VirgilioAula 06   Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
Aula 06 Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Alunos...
Alunos...Alunos...
Alunos...
daiaprof
 
Estados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Estados físicos da matéria prof Ivanise MeyerEstados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Estados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
Quimica ens. fund. unid. xi
Quimica ens. fund. unid. xiQuimica ens. fund. unid. xi
Quimica ens. fund. unid. xi
ademarcursos
 
Mudanças de fase 03
Mudanças de fase 03Mudanças de fase 03
Mudanças de fase 03
fisicaatual
 

Semelhante a Aulão de introdução a química geral (20)

Estados fisicos e estado de agregacao das moleculas
Estados fisicos e estado de agregacao das moleculasEstados fisicos e estado de agregacao das moleculas
Estados fisicos e estado de agregacao das moleculas
 
Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo   classificação, propriedades e transformações da matériaResumo   classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
 
Aula 1 - Química geral
Aula 1 - Química geralAula 1 - Química geral
Aula 1 - Química geral
 
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdfApostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
 
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1oCefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
 
Propriedades específicas da matéria
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matéria
 
Características Físicas e Químicas da Água.pdf
Características Físicas e Químicas da Água.pdfCaracterísticas Físicas e Químicas da Água.pdf
Características Físicas e Químicas da Água.pdf
 
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
 
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
 
estados fisicos da materia COMPLETO......docx
estados fisicos da materia COMPLETO......docxestados fisicos da materia COMPLETO......docx
estados fisicos da materia COMPLETO......docx
 
Capítulo 1: Matéria e medidas
Capítulo 1: Matéria e medidasCapítulo 1: Matéria e medidas
Capítulo 1: Matéria e medidas
 
Aula propriedade da materia
Aula propriedade da materiaAula propriedade da materia
Aula propriedade da materia
 
Ap. de química 1a etapa
Ap. de química   1a etapaAp. de química   1a etapa
Ap. de química 1a etapa
 
ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA - 9º ANO (1).pptx
ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA - 9º ANO (1).pptxESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA - 9º ANO (1).pptx
ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA - 9º ANO (1).pptx
 
Estados fisicos da agua
Estados fisicos da aguaEstados fisicos da agua
Estados fisicos da agua
 
Aula 06 Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
Aula 06   Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson VirgilioAula 06   Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
Aula 06 Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
 
Alunos...
Alunos...Alunos...
Alunos...
 
Estados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Estados físicos da matéria prof Ivanise MeyerEstados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Estados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
 
Quimica ens. fund. unid. xi
Quimica ens. fund. unid. xiQuimica ens. fund. unid. xi
Quimica ens. fund. unid. xi
 
Mudanças de fase 03
Mudanças de fase 03Mudanças de fase 03
Mudanças de fase 03
 

Mais de Adrianne Mendonça

Lei de hess
Lei de hessLei de hess
Lei de hess
Adrianne Mendonça
 
Fissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclearFissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclear
Adrianne Mendonça
 
Ponto crítico de uma função derivável
Ponto crítico de uma função derivávelPonto crítico de uma função derivável
Ponto crítico de uma função derivável
Adrianne Mendonça
 
Cálculo (DERIVADAS)
Cálculo (DERIVADAS)Cálculo (DERIVADAS)
Cálculo (DERIVADAS)
Adrianne Mendonça
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
Adrianne Mendonça
 
Determinação de calcio no leite
Determinação de  calcio no leiteDeterminação de  calcio no leite
Determinação de calcio no leite
Adrianne Mendonça
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
Adrianne Mendonça
 
Cnidários ou celenterados
Cnidários  ou  celenteradosCnidários  ou  celenterados
Cnidários ou celenterados
Adrianne Mendonça
 
Biologia molecular bioquímica (compostos inorgânicos)
Biologia molecular   bioquímica (compostos inorgânicos)Biologia molecular   bioquímica (compostos inorgânicos)
Biologia molecular bioquímica (compostos inorgânicos)
Adrianne Mendonça
 
Anagramas
AnagramasAnagramas
Produto de solubilidade
Produto de solubilidadeProduto de solubilidade
Produto de solubilidade
Adrianne Mendonça
 
Reaçoes quimicas
Reaçoes quimicasReaçoes quimicas
Reaçoes quimicas
Adrianne Mendonça
 
Matemática financeira
Matemática financeiraMatemática financeira
Matemática financeira
Adrianne Mendonça
 
Tecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdfTecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdf
Adrianne Mendonça
 
Ciclos biogeoquímicos pdf
Ciclos biogeoquímicos pdfCiclos biogeoquímicos pdf
Ciclos biogeoquímicos pdf
Adrianne Mendonça
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
Adrianne Mendonça
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
Adrianne Mendonça
 
Mruv – exercícios
Mruv – exercíciosMruv – exercícios
Mruv – exercícios
Adrianne Mendonça
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Adrianne Mendonça
 
Química orgânica módulo 2
Química  orgânica módulo 2Química  orgânica módulo 2
Química orgânica módulo 2
Adrianne Mendonça
 

Mais de Adrianne Mendonça (20)

Lei de hess
Lei de hessLei de hess
Lei de hess
 
Fissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclearFissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclear
 
Ponto crítico de uma função derivável
Ponto crítico de uma função derivávelPonto crítico de uma função derivável
Ponto crítico de uma função derivável
 
Cálculo (DERIVADAS)
Cálculo (DERIVADAS)Cálculo (DERIVADAS)
Cálculo (DERIVADAS)
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
 
Determinação de calcio no leite
Determinação de  calcio no leiteDeterminação de  calcio no leite
Determinação de calcio no leite
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
Cnidários ou celenterados
Cnidários  ou  celenteradosCnidários  ou  celenterados
Cnidários ou celenterados
 
Biologia molecular bioquímica (compostos inorgânicos)
Biologia molecular   bioquímica (compostos inorgânicos)Biologia molecular   bioquímica (compostos inorgânicos)
Biologia molecular bioquímica (compostos inorgânicos)
 
Anagramas
AnagramasAnagramas
Anagramas
 
Produto de solubilidade
Produto de solubilidadeProduto de solubilidade
Produto de solubilidade
 
Reaçoes quimicas
Reaçoes quimicasReaçoes quimicas
Reaçoes quimicas
 
Matemática financeira
Matemática financeiraMatemática financeira
Matemática financeira
 
Tecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdfTecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdf
 
Ciclos biogeoquímicos pdf
Ciclos biogeoquímicos pdfCiclos biogeoquímicos pdf
Ciclos biogeoquímicos pdf
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Mruv – exercícios
Mruv – exercíciosMruv – exercícios
Mruv – exercícios
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
 
Química orgânica módulo 2
Química  orgânica módulo 2Química  orgânica módulo 2
Química orgânica módulo 2
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Aulão de introdução a química geral

  • 1. AULÃO DE INTRODUÇÃO A QUÍMICA GERAL Prof.ª : Adrianne Mendonça
  • 2. O QUE É QUÍMICA  Química é a ciência que estuda a matéria e suas transformações. Estuda também a energia que está envolvida nessas transformações.  A química está muito ligada ao nosso dia a dia. Nos alimentos, medicamentos, construções, nas plantas, no vestuário, nos combustíveis.Tudo o que existe no universo é formado por química. No nosso organismo também há diversas transformações químicas. 
  • 3. MATÉRIA E SUBSTÂNCIA  Matéria é tudo o que tem massa e ocupa espaço.  Qualquer coisa que tenha existência física ou real é matéria.Tudo o que existe no universo conhecido manifesta-se como matéria ou energia.  A matéria pode ser líquida, sólida ou gasosa. São exemplos de matéria: papel, madeira, ar, água, pedra.
  • 5. Vamos pensar...  Analisando a matéria qualitativamente (qualidade) chamamos a matéria de substância.  Substância – possui uma composição característica, determinada e um conjunto definido de propriedades.  Pode ser simples (formada por só um elemento químico) ou composta (formada por vários elementos químicos).  Exemplos de substância simples: ouro, mercúrio, ferro, zinco.  Exemplos de substância composta: água, açúcar (sacarose), sal de cozinha (cloreto de sódio).  As substâncias químicas podem ser classificadas de duas formas: quanto ao tipo de ligação que as forma e quanto ao número de elementos químicos que participam na ligação.
  • 6. classificação  - Quanto ao tipo de ligação  Quanto ao tipo de ligação as substâncias são classificadas em Iônicas, Moleculares ou Metálicas. As substâncias iônicas têm pelo menos uma ligação iônica.  Exemplo: NaCl (cloreto de sódio) NaNO2 (nitrito de sódio)  As substâncias iônicas têm elevados pontos de ebulição e fusão; muitas delas, ao serem dissolvidas na água, têm os seus íons separados por ação da água num processo chamado dissociação iônica; conduzem corrente elétrica em solução aquosa.  Tabela com outros exemplos de substâncias iônicas:
  • 7. Veja !!! SUBSTÂNCIA IÔNICA DESCRIÇÃO SULFATO DE BÁRIO USADO EM ESTUDOS DE RAIOS X NOTRATO GASTRINTESTINAL ÓXIDO DE CÁLCIO CAL CARBONATO DE CÁLCIO MÁRMORE ÓXIDO FÉRRICO FERRUGEM HIDRÓXIDO DE MAGNÉSIO ANTIÁCIDO HIDRÓXIDO DE SÓDIO SODACÁUSTICA
  • 8. Importante !!!  As substâncias moleculares são formadas exclusivamente por ligações covalentes. Em geral, tem baixa temperatura de ebulição e de fusão. A maioria delas não conduz eletricidade em solução aquosa. Formam moléculas.  Exemplos: água (H2O) amoníaco (NH3)
  • 9. Tabela com outros exemplos de substâncias moleculares: SUBSTÂNCIA MOLECULAR DESCRIÇÃO MONÓXIDO DE CARBONO GÁSVENENOSO RESULTADO DA COMBUSTÃO INCOMPLETA DA GASOLINA E DO ÁLCOOL DIÓXIDO DE CARBONO PRODUTO DA REAÇÃO DE COMBUSTÃO.ABSORVIDO PELAS PLANTAS PARA UTILIZAR NA FOTOSSÍNTESE ETANOL INGREDIENTE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS E COMBUSTÍVEL SACAROSE AÇÚCAR COMUM
  • 10. IMPORTANTE !!!  são formadas exclusivamente por ligações metálicas. Exemplos: Ferro (Fe), Prata (Ag), Ouro (Au), Alumínio (Al).  - Quanto ao número de elementos químicos  Quanto ao número de elementos químicos, as substâncias podem ser classificadas como simples ou compostas.  Substância Simples é aquela formada por um único elemento químico. Ex. Ferro (Fe), Alumínio (Al), gás hidrogênio (H2).
  • 12. Substância Composta é aquela formada por mais de um tipo de elemento químico. Ex. Cloreto de sódio (NaCl), Monóxido de Carbono (CO), Água (H2O).  Substância composta Nacl
  • 13. ESTADOS FÍSICOS E ESTADO DE AGREGAÇÃO DAS MOLÉCULAS  Uma substância pode ser encontrada no estado físico líquido, sólido ou gasoso. Estes diferentes aspectos são chamados de fases de agregação e dependem da temperatura e pressão.  Para cada substância existe uma faixa de temperatura e pressão na qual ela mantém suas características como espécie, mudando apenas de fase de agregação.  Exemplo: a substância água, à temperatura inferior ou igual à 0°C, submetida à pressão de 1atm, se encontra na fase sólida; entre 0°C e 100°C, submetida à mesma pressão, se encontra na fase líquida e a 100°C, também submetida à mesma pressão, passará para a forma de vapor de água, ou seja, fase gasosa.
  • 14. Fase gasosa /Fase Líquida  Nesta fase as partículas da substância estão com maior energia cinética. Elas ficam muito distantes umas das outras. Movem-se com muita velocidade e colidem entre si.  Um gás qualquer colocado dentro de uma garrafa de 1litro adquire a forma da garrafa e seu volume será de 1litro. Podemos dizer que uma substância na fase gasosa possui forma e volume variáveis.  Por que os gases são compressíveis? Sabendo que os gases (ao contrário dos líquidos e sólidos) não têm volume fixo, com um aumento de pressão podemos comprimi-los, ou reduzir o seu volume. Os gases são compressíveis porque há muito espaço entre as partículas que os compõem.  Na fase líquida as partículas estão um pouco mais unidas em relação às partículas da fase gasosa, mas não totalmente unidas. Não há nenhum arranjo definido. A energia cinética é intermediária entre a fase gasosa e a fase sólida.  As partículas nos líquidos “deslizam” umas sobre as outras e se movem. Isto é o que proporciona a fluidez no líquido. Todos os líquidos podem fluir, e alguns mais que os outros. A água, por exemplo, flui com mais facilidade que o mel. Então dizemos que a água tem baixa viscosidade e que o mel tem alta viscosidade.  Os líquidos com baixa viscosidade oferecem menor resistência para fluir.
  • 15. Fase Sólida  Na fase sólida, as partículas que formam a substância possuem a menor energia cinética; elas permanecem praticamente imóveis, unidas por forças de atração mútuas e dispostas, em geral, de acordo com um arranjo geométrico definido.  No caso das moléculas de água, esse arranjo é em forma de anéis, no qual sempre há um átomo de hidrogênio entre dois de oxigênio.  O arranjo das moléculas de água, na fase sólida, é o responsável pelo aumento do seu volume. Então, ao se congelar, a água se expande, formando o gelo que é menos denso que a água na fase líquida. Um bloco de mármore, sobre uma mesa, muda de forma e volume com o passar do tempo? Podemos concluir que uma substância sólida possui forma e volume próprios.
  • 16. MUDANÇA DE FASES E GRÁFICOS  No nosso dia a dia observamos que o gelo se derrete sob a ação do calor transformando-se em água. A água ferve sob calor mais intenso transformando-se em vapor de água. A água, neste caso, apresenta três estados: sólido, líquido e gasoso. São também chamado de estados físicos ou estado de agregação da matéria. Quando se transformam de um estado para o outro chamamos de Mudança de Estados Físicos. Cada transformação recebe um nome.
  • 17. VEJA !!!  Solida liquida vapor
  • 18. Fenômenos  Fusão – mudança do estado sólido para o líquido. Vaporização – mudança do estado líquido para o gasoso. Liquefação ou Condensação – mudança do estado gasoso para o líquido. Solidificação – mudança do estado líquido para o sólido. Sublimação – mudança do estado sólido para o gasoso e vice-versa.
  • 20. A fusão obedece a algumas leis:  - uma determinada substância funde-se sempre na mesma temperatura, em determinada pressão. Essa temperatura é o ponto de fusão (PF) A água se funde a 0ºC e o ferro a 1500°C.  durante a fusão, a temperatura permanece constante, ou seja, não é alterada. - durante a fusão, as substâncias aumentam de volume, exceto a água, ferro e a prata.  A temperatura em que uma substância começa a se solidificar é a mesma que ela começa a se fundir.O ponto de solidificação é o mesmo que o ponto de fusão.  A mudança da fase líquida para gasosa é dada de três maneiras. A evaporação é um processo mais lento que ocorre sem temperatura e pressão determinada. A ebulição é um processo rápido e depende de cada substância que possui a sua temperatura e pressão já determinada. É caracterizada pelo aparecimento de grande quantidade de bolhas.
  • 21. A ebulição obedece à algumas leis:  - As substâncias entram em ebulição sempre na mesma temperatura. - durante a ebulição, a temperatura segue inalterada.  Usamos o termo liquefação para indicar o aumento de pressão, transformando o sólido em gás.  A sublimação é um processo desencadeado a partir de uma temperatura e pressão determinadas e não passa pela fase líquida. 
  • 23. Alotropia  é a propriedade que alguns elementos químicos têm de formar uma ou mais substâncias simples diferentes. São alótropos: carbono, oxigênio, fósforo e enxofre.  O carbono possui dois alótropos: o diamante e o grafite. Essas duas substâncias parecem não ter nada em comum. O grafite é um sólido macio e cinzento, com fraco brilho metálico, conduz bem a eletricidade e calor e tem densidade 2,25g/mL. O diamante é sólido duro (o mais duro de todos), tem brilho adamantino, não conduz eletricidade nem calor e tem densidade 3,51g/mL. Mas as duas têm em comum a mesma composição química expressa pela fórmula Cn, sendo n um número muito grande e indeterminado. A principal diferença está no arranjo cristalino dos átomos de carbono. No grafite formam-se hexágonos. Cada átomo de carbono é ligado a apenas três outros átomos de carbono, em lâminas planas, fracamente atraídas umas pelas outras. No diamante, cada átomo de carbono está ligado a quatro outros átomos também de carbono.
  • 24. oxigênio tem dois alótropos, formando duas substâncias simples: o gás oxigênio (O2) e o gás ozônio (O3). O gás oxigênio é incolor e inodoro. Faz parte da atmosfera e é indispensável à vida dos seres aeróbicos. As plantas o devolvem para a atmosfera ao realizar a fotossíntese. O gás ozônio é um gás azulado de cheiro forte e desagradável. Como agente bactericida, ele é usado na purificação da água nos chamados ozonizadores. O ozônio está presente na estratosfera, a mais ou menos 20Km a 30Km da superfície da terrestre. Ele forma uma camada que absorve parte dos raios ultravioletas (UV) do Sol, impedindo que eles se tornem prejudiciais aos organismos vivos.  OXIGENIO OZONIO
  • 25. O fósforo tem duas formas alotrópicas principais: o fósforo branco e o fósforo vermelho.  O fósforo branco (P4) é um sólido branco com aspecto igual ao da cera. É muito reativo, tem densidade igual a 1,82g/mL e se funde a uma temperatura de 44°C e ferve a 280°C. Se aquecermos a 300°C na ausência de ar ele se transforma em fósforo vermelho, que é mais estável (menos reativo). O fósforo vermelho é um pó vermelho-escuro, amorfo (que não tem estrutura cristalina).Tem densidade igual a 2,38g/mL, ponto de fusão 590°C. Cada grão de pó desta substância é formado por milhões de moléculas P4, unidas umas às outras originando uma molécula gigante ( P∞).  O enxofre possui dois alótropos principais: o enxofre ortorrômbico ou simplesmente rômbico e o enxofre monocíclico. As duas formas são formadas por moléculas em forma de anel com oito átomos de enxofre (S8). A diferença está no arranjo molecular no espaço. Produzem cristais diferentes. Os cristais rômbicos têm densidade 2,08g/mL e seu ponto de fusão é 112,8°C.Os monocíclicos têm densidade igual a 1,96g/mL e o ponto de fusão é 119,2°C. Ambos alótropos do enxofre fervem a uma temperatura de 445°C. É um pó amarelo, inodoro, insolúvel em água e muito solúvel em sulfeto de carbono (CS2).
  • 26. CONCEITOS IMPORTANTES  Mistura– são duas ou mais substâncias agrupadas, onde a composição é variável e suas propriedades também. Exemplo de misturas: sangue, leite, ar, madeira, granito, água com açúcar. Algumas misturas são tão importantes que têm nome próprio. São exemplos: - gasolina – mistura de hidrocarbonetos, que são substâncias formadas por hidrogênio e carbono. - ar atmosférico – mistura de 78% de nitrogênio, 21% de oxigênio, 1% de argônio e mais outros gases, como o gás carbônico. - álcool hidratado – mistura de 96% de álcool etílico mais 4% de água.  Sistema – é uma parte do universo que se deseja observar, analisar. Por exemplo: um tubo de ensaio com água, um pedaço de ferro, uma mistura de água e gasolina, etc.  Fases – é o aspecto visual uniforme.
  • 27. Tipos de mistura  Mistura Homogênea – é formada por apenas uma fase. Não se consegue diferencias a substância. Exemplos: - água + sal - água + álcool etílico - água + acetona - água + açúcar
  • 28. Tipos de mistura  Mistura Heterogênea – é formada por duas ou mais fases. As substâncias podem ser diferenciadas a olho nu ou pelo microscópio. Exemplos: - água + óleo - granito - água + enxofre - água + areia + óleo
  • 29. IMPORTANTE !!!  . Os sistemas polifásicos são as misturas heterogêneas. Os sistemas homogêneos, quando formados por duas ou mais substâncias miscíveis (que se misturam) umas nas outras chamamos de soluções. São exemplos de soluções: água salgada, vinagre, álcool hidratado. Os sistemas heterogêneos podem ser formados por uma única substância, porém em várias fases de agregação (estados físicos). Exemplo: água - líquida - sólida (gelo) - vapor 
  • 30. SEPARAÇÃO DE MISTURAS  separação de Sólidos  Para separar sólidos podemos utilizar o método da catação, levigação, flotação ou dissolução, peneiração, separação magnética, ventilação e dissolução fracionada.  - CATAÇÃO – consiste basicamente em recolher com as mãos ou uma pinça um dos componentes da mistura. Exemplo: separar feijão das impurezas antes de cozinhá-los.  - LEVIGAÇÃO – separa substâncias mais densas das menos densas usando água corrente. Exemplo: processo usado por garimpeiros para separar ouro (mais denso) da areia (menos densa).  - DISSOLUÇÃO OU FLOCULAÇÃO – consiste em dissolver a mistura em solvente com densidade intermediária entre as densidades dos componentes das misturas. Exemplo: serragem + areia Adiciona-se água na mistura. A areia fica no fundo e a serragem flutua na água.  - PENEIRAÇÃO – separa sólidos maiores de sólidos menores ou ainda sólidos em suspensão em líquidos. Exemplo: os pedreiros usam esta técnica para separar a areia mais fina de pedrinhas; para separar a polpa de uma fruta das suas sementes, como o maracujá. Este processo também é chamado de tamização.
  • 31. SEPARAÇÃO DE MISTURAS  SEPARAÇÃO MAGNÉTICA – usado quando um dos componentes da mistura é um material magnético. Com um ímã ou eletroímã, o material é retirado. Exemplo: limalha de ferro + enxofre; areia + ferro
  • 32. SEPARAÇÃO DE MISTURAS  VENTILAÇÃO – usado para separar dois componentes sólidos com densidades diferentes. É aplicado um jato de ar sobre a mistura. Exemplo: separar o amendoim torrado da sua casca já solta; arroz + palha.  - DISSOLUÇÃO FRACIONADA - consiste em separar dois componentes sólidos utilizando um líquido que dissolva apenas um deles. Exemplo: sal + areia Dissolve-se o sal em água. A areia não se dissolve na água. Pode-se filtrar a mistura separando a areia, que fica retida no filtro da água salgada. Pode-se evaporar a água, separando a água do sal.
  • 33. separação de Sólidos e Líquidos  SEDIMENTAÇÃO – consiste em deixar a mistura em repouso até o sólido se depositar no fundo do recipiente. Exemplo: água + areia
  • 34. Separação de Sólidos e Líquidos  DECANTAÇÃO – é a remoção da parte líquida, virando cuidadosamente o recipiente. Pode-se utilizar um funil de decantação para remover um dos componentes da mistura. Exemplo: água + óleo; água + areia
  • 35. Separação de Sólidos e Líquidos  CENTRIFUGAÇÃO – é o processo de aceleração da sedimentação. Utiliza-se um aparelho chamado centrífuga ou centrifugador, que pode ser elétrico ou manual. Exemplo: Para separar a água com barro.
  • 36. Separação de Sólidos e Líquidos  FILTRAÇÃO – processo mecânico que serve para separar mistura sólida dispersa com um líquido ou gás. Utiliza-se uma superfície porosa (filtro) para reter o sólido e deixar passar o líquido. O filtro usado é um papel- filtro.
  • 37. Separação de Sólidos e Líquidos  EVAPORAÇÃO – consiste em evaporar o líquido que está misturado com um sólido. Exemplo: água + sal de cozinha (cloreto de sódio). Nas salinas, obtém-se o sal de cozinha por este processo. Na realidade, as evaporações resultam em sal grosso, que se for purificado torna-se o sal refinado (sal de cozinha), que é uma mistura de cloreto de sódio e outras substâncias que são adicionadas pela indústria.
  • 38. Separação de Misturas Homogêneas  Para separar os componentes das substâncias de misturas homogêneas usamos os métodos chamados de fracionamento, que se baseiam na constância da temperatura nas mudanças de estados físicos. São eles: destilação e fusão.  - DESTILAÇÃO – consiste em separar líquidos e sólidos com pontos de ebulição diferentes. Os líquidos devem ser miscíveis entre si. Exemplo: água + álcool etílico; água + sal de cozinha  O ponto de ebulição da água é 100°C e o ponto de ebulição do álcool etílico é 78°C. Se aquecermos esta mistura, o álcool ferve primeiro. No condensador, o vapor do álcool é resfriado e transformado em álcool líquido, passando para outro recipiente, que pode ser um frasco coletor, um erlenmeyer ou um copo de béquer. E a água permanece no recipiente anterior, separando-se assim do álcool. Para essa técnica, usa-se o aparelho chamado destilador, que é um conjunto de vidrarias do laboratório químico. Utiliza-se: termômetro, balão de destilação, haste metálica ou suporte, bico de Bunsen, condensador, mangueiras, agarradores e frasco coletor. Este método é a chamada Destilação Simples.  Nas indústrias, principalmente de petróleo, usa-se a destilação fracionada para separar misturas de dois ou mais líquidos. As torres de separação de petróleo fazem a sua divisão produzindo gasolina, óleo diesel, gás natural, querosene, piche.
  • 39. Separação de Misturas Homogêneas  FUSÃO FRACIONADA – separa componentes de misturas homogêneas de vários sólidos. Derrete-se a substância sólida até o seu ponto de fusão, separando-se das demais substâncias. Exemplo: mistura sólida entre estanho e chumbo. O estanho funde-se a 231°C e o chumbo, a 327°C. Então, funde-se primeiramente o estanho.