SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina: Química
Profª: Alda Ernestina
07/05/2015
1
Pré-Vestibular Samora Machel
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Classificação,
propriedades e
transformações físicas da
matéria
E novamente iremos falar de matéria...
•Tudo que existe é formado por MATÉRIA
•Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço
(ou seja, tem volume)
•Química é a ciência que estuda as propriedades e transformações
da matéria
Na 1ª aula vimos que:
Na aula de hoje veremos:
•Os estados físicos da matéria
•Os tipos de transformações sofridos pela matéria
• As propriedades da matéria
•A classificação da matéria
O que é um fenômeno?
Tudo que nos parece extraordinário
E para a ciências, o que é um fenômeno?
É qualquer acontecimento que possa ser observado e que ocorra na
natureza ou seja provocado experimentalmente
Exemplos de fenômenos naturais e artificiais
Para a química, consideramos fenômeno como sendo as transformações da matéria:
essas transformações podem ser QUÍMICAS ou FÍSICAS
FENÔMENOS QUÍMICOS
Alteram a composição da matéria, resultando na formação de
novas substâncias, ou seja, são as chamadas reações químicas
A oxidação de um prego é um exemplo de fenômeno químico, pois é
formada uma nova substância
4 Fe (s) + 3 O2 (g) 2 Fe2O3
A queima do carvão em uma churrasqueira também é um fenômeno
químico, que consiste na reação do carvão (C) com O2 do ar,
produzindo
gás carbônico (CO2)
C (s) + O2 (g) CO2
No interior de uma pilha ocorre uma reação química que produz energia
elétrica
Zn + Ag2O + H2O 2Ag + Zn(OH)2
Um fenômeno químico nada mais é que uma reação química qualquer
FENÔMENOS FÍSICOS
NÃO alteram a composição da matéria, ou seja, não ocorre reação
química, alteram apenas a estrutura da matéria
O derretimento do gelo é um exemplo de fenômeno físico, pois após
derreter o gelo continua sendo água
Ao misturarmos água e sal ocorre um fenômeno físico, pois a água não
reage com o sal, apenas o solubiliza
A água evaporando em uma chaleira é um exemplo de fenômeno físico,
pois não há reação química, a água não deixa de ser água, há apenas
uma mudança de estado físico (de líquido para gasoso)
Os fenômenos químicos são irreversíveis enquanto os fenômenos físicos são
reversíveis
ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA
A matéria pode se apresentar sob diferentes estados físicos que são:
Sólido Líquido Gasoso
Volume e forma definidos
Alta organização das partículas
Volume definido
Forma variável
Organização intermediária
Volume e forma variáveis
Máxima desorganização
das partículas
A água ocorre sob os três estados físicos
Gelo – sólido
Água líquida – líquido
Vapor de água – gasoso
MUDANÇAS DE ESTADOS FÍSICOS
Ao receber ou perder energia um estado pode ser convertido em outro, ocorrendo as
chamadas mudanças de estados físicos, que são exemplos de fenômenos físicos
Fusão – passagem do estado SÓLIDO para o LÍQUIDO
Solidificação – passagem do estado LÍQUIDO para o SÓLIDO
Vaporização – passagem do estado LÍQUIDO para o estado de VAPOR
Condensação ou liquefação – passagem do estado GASOSO para o LÍQUIDO
Sublimação – passagem do estado SÓLIDO para o GASOSO, sem passar pelo estado líquido
Vamos praticar?
À temperatura ambiente (25ºC) qual o estado físico de cada uma das
substâncias a seguir?
Ponto de fusão – temperatura em que uma substância passa do estado sólido para o
estado líquido. Ex: derretimento do gelo, ponto de fusão = 0 °C
Ponto de ebulição – temperatura em que uma substância passa do estado líquido para o
estado gasoso. Ex: água fervendo em uma chaleira, ponto de ebulição = 100 °C
Líquido
Gasoso
Líquido
Sólido
Vamos praticar?
Qual o estado físico das substâncias da tabela abaixo, quando as
mesmas se encontram no deserto da Arábia, à temperatura de 50°C?
Líquido
Gasoso
Líquido
Líquido
Gasoso
MATÉRIA, CORPO E OBJETO
•Matéria - tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço
•Corpo – porção limitada da matéria
•Objeto – corpo com função definida
Matéria
Corpo
Objeto
Propriedades
da matéria
Gerais
Funcionais
Específicas
Propriedades GERAIS – são propriedades comuns a toda e qualquer espécie de
matéria, independente da substância que a compõe.
Propriedades FUNCIONAIS – são propriedades observadas somente em
determinados grupos de matéria.
Propriedades ESPECÍFICAS – são propriedades que permitem identificar uma
determinada espécie de matéria. Se dividem em 3 tipos.
Massa
Volume
Dependem da função química
Organolépticas
Químicas
Físicas
ponto de fusão,
ponto de ebulição
densidade
PROPRIEDADES DA MATÉRIA
Massa – refere-se a quantidade de matéria contida em um corpo ou objeto
Principais grandezas
Volume – espaço ocupado por um corpo ou objeto
Densidade – razão entre a massa e o volume ocupado por um corpo ou objeto
DENSIDADE
Por que o chumbo afunda e a madeira flutua na água?
Para responder a esta pergunta devemos observar qual a massa contida em um volume
igual das três substâncias
d = 0,80 g/cm3
d = 1 g/cm3
d = 11,4 g/cm3
Neste caso, como temos volumes iguais, a substância que apresenta a maior massa,
será a mais densa (apresenta maior densidade).
d Chumbo > d Água > d madeira
Unidade no SI = g/mL ou g/cm3
Um pouco mais sobre densidade
Por que um navio, mesmo sendo muito pesado não afunda?
Um navio apesar de ser muito pesado, tem sua massa
distribuída em um volume muito grande e por
isso apresenta densidade menor que a da água
E por que um submarino afunda?
Quando está vazio o submarino flutua, pois é menos denso que a água.
Para que ele afunde é necessário aumentar seu peso, o que se consegue
armazenando água em reservatórios em seu interior, tornando-o mais
denso que a água.
Por que o gelo flutua na água?
O gelo apresenta menor densidade que a água líquida, devido à forma
como as moléculas de água se organizam no estado sólido, há um
aumento no volume e consequente diminuição da densidade.
Exercícios sobre densidade
1. O bromo é um líquido vermelho acastanhado com densidade de 3,10 g/mL.
Que volume ocupa uma amostra de 88,5 g de bromo?
d = 3,1 g/mL
m = 88,5 g
V = ?
d = m/V
3.1 = 88,5 / V
3.1 x V = 88,5
V = 28.5 mL
2. A densidade do selênio é 4,79 g/cm3
. Qual a massa em kg contida em de 6,5 cm3
de selênio?
d = 4,79 g/cm3
V = 6,5 cm3
m = ?
d = m/V
4,79 = m / 6,5
m = 4,79 x 6,5
m = 31, 1 g
: 1000
m =0,0311
3. Um bloco de ferro com d = 7,6 g/cm3
tem as seguintes dimensões: 20cm x 30cm x 15cm.
Determine a massa, em kg, do bloco.
d = 7,6 g/cm3
V = 20 x 30 x 15 = 900 cm3
m = ?
d = m/V
7,6 = m / 900
m = 7,6 x 900
m = 6840 g
: 1000
m =6,84 kg
V = 900 cm3
Volume de um bloco retangular = comp. X larg. X alt.
Neste caso conhecemos a densidade e
a massa de cada uma das substâncias,
temos que saber qual o volume ocupado
por cada uma delas.
Suponha que 1g seja a massa de cada
substância adicionada ao tubo.
Vamos calcular o volume que seria
ocupado em cada caso?
Água
d = m/v
1 = 1/v
V = 1 mL
Acetona
d = m/v
0,8 = 1/v
V = 1,25 mL
Clorofórmio
d = m/v
1,4 = 1/v
V = 0,71 mLAo invés de se fazer esses cálculos pode-se
simplesmente considerar que quanto MAIOR o
volume, MENOR será a densidade
CLASSIFICAÇÃO DA MATÉRIA
MATÉRIA
Substância pura Mistura
Simples Composta
Homogênea
Heterogênea
Azeotrópica
Eutética
Substância pura – como o próprio nome sugere é uma substância pura, isenta de outras substâncias
e que apresenta propriedades físicas bem definidas.
Mistura – é formada por duas ou mais substâncias, cada uma delas denominadas componente.
A matéria se divide em dois tipos diferentes:
Substância pura e Mistura
Mas como são formadas as substâncias?
Átomo Elemento Molécula Substância
H
O
Conjunto de
átomos iguais
Unidade
fundamental
da matéria
Formada após
a combinação
dos elementos
H e O
Conjunto de
moléculas iguais
Letras Sílabas Palavra
Para ficar mais fácil de entender, podemos fazer uma analogia:
Frase
Átomo Elemento Molécula Substância
SUBSTÂNCIAS PURAS
Tipo de matéria formada por unidades químicas iguais, sejam átomos, sejam moléculas,
e por este motivo apresentam propriedades químicas e físicas próprias.
Substâncias simples – formada por um ou mais átomos
do mesmo elemento
H2, O2, O3, N2, C (graf.)
Substâncias compostas – formada por dois ou mais elementos
diferentes
H2O HCl CO2 HNO3
Misturas
Uma mistura é formada por duas ou mais substâncias, cada uma delas denominadas
componente.
O ar que respiramos é uma mistura formada por ...
gás nitrogênio (N2) = 78%
gás oxigênio (O2) = 20%
gás argônio (Ar) ≅ 1%
gás carbônico (CO2) ≅ 0,03
%
Cada um desses gases é chamado
de componente da mistura
O ouro 18 quilates é uma mistura formada por 3 componentes
ouro (Au) = 75%
prata (Ag) = 20%
cobre (Cu) = 5%
O combustível etanol é uma mistura formada por 2 componentes
etanol (C2H6O) ≅ 93%
água (H2O) ≅ 7%
Neste caso temos uma mistura formada por
3 substâncias simples
Neste caso temos uma mistura formada por
2 substâncias compostas
Classificação das Misturas
De acordo com o aspecto visual de uma mistura, podemos classificá-la em função do
seu número de fases.
FASE – cada uma das porções que conseguimos ver (a olho nu ou não) na mistura
água + sal dissolvido
1 fase
óleo
água
2 fases
Em função do número de fases, as misturas são classificadas em:
HOMOGÊNEA – toda mistura que apresenta uma única fase. São denominadas soluções
HETEROGÊNEA – toda mistura que apresenta duas ou mais fases
Ex: água com açúcar, ar, água mineral
Ex: água e óleo; água e gelo; granito; areia e terra
Uma mistura formada por gases será sempre HOMOGÊNEA
Vamos praticar?
Classifique cada um dos sistemas abaixo quanto à composição.
Formado por átomos
de um mesmo elemento
Formado por átomos
de elementos diferentes
Formado por substâncias
diferentes
Substância simples Substância composta Mistura
Vamos praticar?
Classifique cada uma das misturas a seguir, quanto ao número de fases.
1 fase
Mistura
Homogênea
2 fases
Mistura
Heterogênea
1 fase
Mistura
Homogênea
2 fases
Mistura
Heterogênea
2 fases
Mistura
Heterogênea
Indique quantos componentes, quantas fases e qual o tipo de mistura.
água + açúcar água + giz água + óleo + sal água + sal + granito + açúcar
2 componentes
1 fase
Mistura HOMOGÊNEA
2 componentes
2 fases
Mistura HETEROGÊNEA
3 componentes
2 fases
Mistura HETEROGÊNEA
4 componentes
2 fases
Mistura HETEROGÊNEA
Como diferenciamos uma substância pura de uma mistura?
Substância pura – durante a fusão e ebulição a TEMPERATURA
permanece CONSTANTE
t1 = início da fusão
t2 = fim da fusão
t3 = início da ebulição
t4 = fim da ebulição
Curva de aquecimento da água
A curva de aquecimento de uma
substância pura apresenta 2 patamares
Uma substância pura diferencia-se de uma mistura pelos valores de suas
propriedades específicas (ponto de fusão, ponto de ebulição e densidade)
que como o próprio nome sugere são específicos para cada substância
Como diferenciamos uma substância pura de uma mistura?
Mistura comum – durante a fusão e ebulição a TEMPERATURA VARIA
t1 = início da fusão
t2 = fim da fusão
t3 = início da ebulição
t4 = fim da ebulição
Curva de aquecimento de uma mistura comum
A curva de aquecimento de uma
mistura comum NÃO apresenta
patamares
Dois tipos de misturas especiais
Existem algumas misturas com comportamento diferente do esperado, sua curva de
aquecimento apresenta um patamar. São de dois tipos:
Curva de aquecimento de uma mistura eutética
Mistura eutética – ponto de fusão
constante
Misturas eutéticas – apesar de ser uma mistura, comportam-se como se fossem uma
substância pura, pois durante a FUSÃO a temperatura permanece CONSTANTE
Exemplo de mistura eutética
Solda – liga metálica com 63% de estanho
+ 37% de chumbo
Dois tipos de misturas especiais
Curva de aquecimento de uma mistura azeotrópica
Mistura azeotrópica – ponto de ebulição
constante
Misturas azeotrópicas – apesar de ser uma mistura, comportam-se como se fossem uma
substância pura, pois durante a EBULIÇÃO a temperatura permanece CONSTANTE
Exemplo de mistura azeotrópica
álcool hidratado – 96% de etanol + 4% de água
Vamos praticar?
Observe as curvas de aquecimento e classifique cada um dos casos
T
tempo
Substância pura Mistura comum
Mistura azeotrópica
Mistura eutética
Tf e Te constante Tf e Te variáveis
Te constante
Tf variável
Tf constante
Te variável
PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS
Na natureza raramente encontramos substâncias puras. Desta forma, para obtermos
uma determinada substância é necessário usar métodos de separação aplicáveis à
misturas homogêneas ou heterogêneas, dependendo do caso
Misturas Heterogêneas
Sólido + Líquido Sólido + Gasoso Líquido + Líquido Sólido + Sólido
Filtração Filtração Destilação
fracionada
Catação
No caso das misturas heterogêneas os principais processos de separação que
podem ser aplicados são:
Decantação
Centrifugação
Decantação
em funil
Peneiração
Separação
magnética
SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Sólido – Líquido)
Filtração – passa-se a mistura por um funil contendo papel filtro, onde
o sólido ficará retido.
Exemplos
água + areia
água + carvão
A filtração é também usada na separação de misturas de substâncias sólidas e gasosas, mas neste
caso ao invés de um funil, tem-se um filtro especial
Exemplos
ar + poeira
O aspirador de pó é usado para separar a poeira do ar.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Sólido – Líquido)
Centrifugação – é um processo que acelera a decantação dos componentes
da mistura entre um líquido e um sólido
Decantação – separa os componentes da mistura segundo sua densidade,
onde o componente mais denso deposita-se no fundo do recipiente
Exemplo
Água + barro
A centrifugação é muito utilizada em laboratórios. Um dos exemplos mais comuns é a
centrifugação do sangue humano para a realização do hemograma
Centrífuga
SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Líquido– Líquido)
Decantação em funil – é aplicada na separação da mistura entre líquidos
imiscíveis
Destilação fracionada – separa os líquidos de uma mistura com base em
seus pontos de ebulição
Exemplo
água + álcool
O líquido que evapora primeiro é o de menor ponto de
ebulição, dizemos que ele é mais volátil
Coloca-se a mistura no funil, agita-se vigorosamente e em
seguida deixa em repouso, para que haja a decantação. Após a
decantação
abre-se a torneira e coleta-se cada um dos líquidos
Exemplo
água + óleo
SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Sólido-Sólido)
Peneiração – consiste na separação de sólidos com tamanhos diferentes,
através do uso de uma peneira
Catação – consiste na separação manual dos sólidos de uma mistura, com
base em seu tamanho
A catação é um processo corriqueiro aplicado por
exemplo na separação dos grãos de feijão
Assim como a catação, a peneiração é um processo
corriqueiro aplicado por exemplo na separação dos
pedregulhos da areia. Sendo também utilizada no
garimpo do ouro
Separação magnética – consiste na separação de misturas que contém
componente(s) magnético(s), utilizando-se um imã
A separação magnética é também denominada
imantação e para que funcione, pelo menos um dos
componentes da mistura deve ser magnético e dos
demais não.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
Karol Maia
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
Isadora Girio
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
Polo UAB de Alagoinhas
 
Transformações químicas
Transformações químicasTransformações químicas
Transformações químicas
Dulcilene Figueiredo
 
Transformação da Materia
Transformação da MateriaTransformação da Materia
Transformação da Materia
Pedro Monteiro
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
Thiago
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Kátia Elias
 
Substância e mistura 9º ano
Substância e mistura 9º anoSubstância e mistura 9º ano
Substância e mistura 9º ano
Karla Almeida
 
8. tabela periódica
8. tabela periódica8. tabela periódica
8. tabela periódica
Rebeca Vale
 
Aula 2 O Atomo
Aula 2   O AtomoAula 2   O Atomo
Aula 2 O Atomo
José Vitor Alves
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
Atami Santos
 
Substâncias e misturas | 9 ANO | Quimica
Substâncias e misturas | 9 ANO | QuimicaSubstâncias e misturas | 9 ANO | Quimica
Substâncias e misturas | 9 ANO | Quimica
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula elementos químicos
Aula elementos químicosAula elementos químicos
Aula elementos químicos
kaliandra Lisboa
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
crisbassanimedeiros
 
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
Carolina Suisso
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
Marilena Meira
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
Rebeca Vale
 
MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES- 1 ANO.pptx
MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES- 1 ANO.pptxMATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES- 1 ANO.pptx
MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES- 1 ANO.pptx
AlianeRochaSilva1
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
Cláudio Santos
 
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamentalSeparação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
Priscila Oliveira Boralho
 

Mais procurados (20)

Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Transformações químicas
Transformações químicasTransformações químicas
Transformações químicas
 
Transformação da Materia
Transformação da MateriaTransformação da Materia
Transformação da Materia
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Substância e mistura 9º ano
Substância e mistura 9º anoSubstância e mistura 9º ano
Substância e mistura 9º ano
 
8. tabela periódica
8. tabela periódica8. tabela periódica
8. tabela periódica
 
Aula 2 O Atomo
Aula 2   O AtomoAula 2   O Atomo
Aula 2 O Atomo
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
 
Substâncias e misturas | 9 ANO | Quimica
Substâncias e misturas | 9 ANO | QuimicaSubstâncias e misturas | 9 ANO | Quimica
Substâncias e misturas | 9 ANO | Quimica
 
Aula elementos químicos
Aula elementos químicosAula elementos químicos
Aula elementos químicos
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
 
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES- 1 ANO.pptx
MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES- 1 ANO.pptxMATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES- 1 ANO.pptx
MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES- 1 ANO.pptx
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamentalSeparação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
 

Semelhante a Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria

Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo   classificação, propriedades e transformações da matériaResumo   classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
Profª Alda Ernestina
 
Aulão de introdução a química geral
Aulão  de introdução a química geralAulão  de introdução a química geral
Aulão de introdução a química geral
Adrianne Mendonça
 
Noções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânicaNoções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânica
cmdantasba
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
EEB Francisco Mazzola
 
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Apostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química Aplicada
José Vitor Alves
 
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
ssuser9abcfe
 
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdfApostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Nubia Bergamini
 
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1oCefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
joogolombori
 
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoria
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoriaApostila qu mica_cefet_1_p_teoria
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoria
263890
 
aula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptx
aula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptxaula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptx
aula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptx
RicardoAlves159733
 
Propriedades gerais da materia
Propriedades gerais da materiaPropriedades gerais da materia
Propriedades gerais da materia
Lucas Mariano da Cunha e Silva
 
Matéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedadesMatéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedades
Bio Sem Limites
 
Propriedades específicas da matéria
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matéria
Pedro Araújo
 
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
eduardofelipe2345
 
Biofísica soluções
Biofísica soluçõesBiofísica soluções
Biofísica soluções
Carol Francisco
 
Estados da matéria
Estados da matériaEstados da matéria
Estados da matéria
estead2011
 
Estados da materia
Estados da materiaEstados da materia
Estados da materia
estead2011
 
Aula 1 quim em
Aula 1   quim emAula 1   quim em
Aula 1 quim em
Walney M.F
 
Introdução à química
Introdução à químicaIntrodução à química
Introdução à química
samuelr81
 

Semelhante a Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria (20)

Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo   classificação, propriedades e transformações da matériaResumo   classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
 
Aulão de introdução a química geral
Aulão  de introdução a química geralAulão  de introdução a química geral
Aulão de introdução a química geral
 
Noções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânicaNoções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânica
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
 
Apostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química Aplicada
 
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
 
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdfApostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
Apostila_Qu-mica_CEFET_1P_Teoria.pdf
 
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1oCefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
Cefet quimica quimica_geral_i_teoria_1o
 
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoria
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoriaApostila qu mica_cefet_1_p_teoria
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoria
 
aula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptx
aula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptxaula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptx
aula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptx
 
Propriedades gerais da materia
Propriedades gerais da materiaPropriedades gerais da materia
Propriedades gerais da materia
 
Matéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedadesMatéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedades
 
Propriedades específicas da matéria
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matéria
 
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
APRESENTAÇÃO QUÍMICA GERAL TÉORICA - PSS1
 
Biofísica soluções
Biofísica soluçõesBiofísica soluções
Biofísica soluções
 
Estados da matéria
Estados da matériaEstados da matéria
Estados da matéria
 
Estados da materia
Estados da materiaEstados da materia
Estados da materia
 
Aula 1 quim em
Aula 1   quim emAula 1   quim em
Aula 1 quim em
 
Introdução à química
Introdução à químicaIntrodução à química
Introdução à química
 

Mais de Profª Alda Ernestina

Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado  Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado
Profª Alda Ernestina
 
Seminario didático de pesquisa - Mestrado
Seminario didático de pesquisa - MestradoSeminario didático de pesquisa - Mestrado
Seminario didático de pesquisa - Mestrado
Profª Alda Ernestina
 
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-CorrenteApresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
Profª Alda Ernestina
 
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de DoutoradoApresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
Profª Alda Ernestina
 
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
Profª Alda Ernestina
 
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificaçãoApresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
Profª Alda Ernestina
 
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos NaturaisExame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
Profª Alda Ernestina
 
Aula - Via biossintética do Acetato-Malonato
Aula - Via biossintética do Acetato-MalonatoAula - Via biossintética do Acetato-Malonato
Aula - Via biossintética do Acetato-Malonato
Profª Alda Ernestina
 
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação  Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
Profª Alda Ernestina
 
Aula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerizaçãoAula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerização
Profª Alda Ernestina
 
Reações de polimerização
Reações de polimerização Reações de polimerização
Reações de polimerização
Profª Alda Ernestina
 
Reações de oxidação em compostos orgânicos
Reações de oxidação em compostos orgânicosReações de oxidação em compostos orgânicos
Reações de oxidação em compostos orgânicos
Profª Alda Ernestina
 
Resumo - reações de adição na química orgânica
Resumo - reações de adição na química orgânicaResumo - reações de adição na química orgânica
Resumo - reações de adição na química orgânica
Profª Alda Ernestina
 
Lista de exercícios ácido-base e reações de adição
Lista de exercícios   ácido-base e reações de adiçãoLista de exercícios   ácido-base e reações de adição
Lista de exercícios ácido-base e reações de adição
Profª Alda Ernestina
 
Exercicios reações de eliminação
Exercicios reações de eliminaçãoExercicios reações de eliminação
Exercicios reações de eliminação
Profª Alda Ernestina
 
Exercicios reações de substituição
Exercicios   reações de substituiçãoExercicios   reações de substituição
Exercicios reações de substituição
Profª Alda Ernestina
 
Exercícios de revisão reações orgânicas
Exercícios  de revisão   reações orgânicasExercícios  de revisão   reações orgânicas
Exercícios de revisão reações orgânicas
Profª Alda Ernestina
 
Acidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaAcidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânica
Profª Alda Ernestina
 
Lista de exercicios revisão
Lista de exercicios   revisãoLista de exercicios   revisão
Lista de exercicios revisão
Profª Alda Ernestina
 
Lista de exercicios reações químicas
Lista de exercicios   reações químicasLista de exercicios   reações químicas
Lista de exercicios reações químicas
Profª Alda Ernestina
 

Mais de Profª Alda Ernestina (20)

Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado  Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado
 
Seminario didático de pesquisa - Mestrado
Seminario didático de pesquisa - MestradoSeminario didático de pesquisa - Mestrado
Seminario didático de pesquisa - Mestrado
 
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-CorrenteApresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
Apresentação de Seminário sobre Cromatografia Contra-Corrente
 
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de DoutoradoApresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
Apresentação de Proposta para Projeto de Pesquisa de Doutorado
 
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
Avaliação do Potencial Antioxidante e Caracterização Química das Frações Crom...
 
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificaçãoApresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
Apresentação de proposta de projeto de pesquisa para exame de qualificação
 
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos NaturaisExame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
Exame de qualificação - Doutorado em Química de Produtos Naturais
 
Aula - Via biossintética do Acetato-Malonato
Aula - Via biossintética do Acetato-MalonatoAula - Via biossintética do Acetato-Malonato
Aula - Via biossintética do Acetato-Malonato
 
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação  Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
 
Aula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerizaçãoAula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerização
 
Reações de polimerização
Reações de polimerização Reações de polimerização
Reações de polimerização
 
Reações de oxidação em compostos orgânicos
Reações de oxidação em compostos orgânicosReações de oxidação em compostos orgânicos
Reações de oxidação em compostos orgânicos
 
Resumo - reações de adição na química orgânica
Resumo - reações de adição na química orgânicaResumo - reações de adição na química orgânica
Resumo - reações de adição na química orgânica
 
Lista de exercícios ácido-base e reações de adição
Lista de exercícios   ácido-base e reações de adiçãoLista de exercícios   ácido-base e reações de adição
Lista de exercícios ácido-base e reações de adição
 
Exercicios reações de eliminação
Exercicios reações de eliminaçãoExercicios reações de eliminação
Exercicios reações de eliminação
 
Exercicios reações de substituição
Exercicios   reações de substituiçãoExercicios   reações de substituição
Exercicios reações de substituição
 
Exercícios de revisão reações orgânicas
Exercícios  de revisão   reações orgânicasExercícios  de revisão   reações orgânicas
Exercícios de revisão reações orgânicas
 
Acidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaAcidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânica
 
Lista de exercicios revisão
Lista de exercicios   revisãoLista de exercicios   revisão
Lista de exercicios revisão
 
Lista de exercicios reações químicas
Lista de exercicios   reações químicasLista de exercicios   reações químicas
Lista de exercicios reações químicas
 

Último

Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 

Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria

  • 1. Disciplina: Química Profª: Alda Ernestina 07/05/2015 1 Pré-Vestibular Samora Machel Universidade Federal do Rio de Janeiro Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria
  • 2. E novamente iremos falar de matéria... •Tudo que existe é formado por MATÉRIA •Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço (ou seja, tem volume) •Química é a ciência que estuda as propriedades e transformações da matéria Na 1ª aula vimos que: Na aula de hoje veremos: •Os estados físicos da matéria •Os tipos de transformações sofridos pela matéria • As propriedades da matéria •A classificação da matéria
  • 3. O que é um fenômeno? Tudo que nos parece extraordinário E para a ciências, o que é um fenômeno? É qualquer acontecimento que possa ser observado e que ocorra na natureza ou seja provocado experimentalmente Exemplos de fenômenos naturais e artificiais Para a química, consideramos fenômeno como sendo as transformações da matéria: essas transformações podem ser QUÍMICAS ou FÍSICAS
  • 4. FENÔMENOS QUÍMICOS Alteram a composição da matéria, resultando na formação de novas substâncias, ou seja, são as chamadas reações químicas A oxidação de um prego é um exemplo de fenômeno químico, pois é formada uma nova substância 4 Fe (s) + 3 O2 (g) 2 Fe2O3 A queima do carvão em uma churrasqueira também é um fenômeno químico, que consiste na reação do carvão (C) com O2 do ar, produzindo gás carbônico (CO2) C (s) + O2 (g) CO2 No interior de uma pilha ocorre uma reação química que produz energia elétrica Zn + Ag2O + H2O 2Ag + Zn(OH)2 Um fenômeno químico nada mais é que uma reação química qualquer
  • 5. FENÔMENOS FÍSICOS NÃO alteram a composição da matéria, ou seja, não ocorre reação química, alteram apenas a estrutura da matéria O derretimento do gelo é um exemplo de fenômeno físico, pois após derreter o gelo continua sendo água Ao misturarmos água e sal ocorre um fenômeno físico, pois a água não reage com o sal, apenas o solubiliza A água evaporando em uma chaleira é um exemplo de fenômeno físico, pois não há reação química, a água não deixa de ser água, há apenas uma mudança de estado físico (de líquido para gasoso) Os fenômenos químicos são irreversíveis enquanto os fenômenos físicos são reversíveis
  • 6. ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA A matéria pode se apresentar sob diferentes estados físicos que são: Sólido Líquido Gasoso Volume e forma definidos Alta organização das partículas Volume definido Forma variável Organização intermediária Volume e forma variáveis Máxima desorganização das partículas A água ocorre sob os três estados físicos Gelo – sólido Água líquida – líquido Vapor de água – gasoso
  • 7. MUDANÇAS DE ESTADOS FÍSICOS Ao receber ou perder energia um estado pode ser convertido em outro, ocorrendo as chamadas mudanças de estados físicos, que são exemplos de fenômenos físicos Fusão – passagem do estado SÓLIDO para o LÍQUIDO Solidificação – passagem do estado LÍQUIDO para o SÓLIDO Vaporização – passagem do estado LÍQUIDO para o estado de VAPOR Condensação ou liquefação – passagem do estado GASOSO para o LÍQUIDO Sublimação – passagem do estado SÓLIDO para o GASOSO, sem passar pelo estado líquido
  • 8. Vamos praticar? À temperatura ambiente (25ºC) qual o estado físico de cada uma das substâncias a seguir? Ponto de fusão – temperatura em que uma substância passa do estado sólido para o estado líquido. Ex: derretimento do gelo, ponto de fusão = 0 °C Ponto de ebulição – temperatura em que uma substância passa do estado líquido para o estado gasoso. Ex: água fervendo em uma chaleira, ponto de ebulição = 100 °C Líquido Gasoso Líquido Sólido
  • 9. Vamos praticar? Qual o estado físico das substâncias da tabela abaixo, quando as mesmas se encontram no deserto da Arábia, à temperatura de 50°C? Líquido Gasoso Líquido Líquido Gasoso
  • 10. MATÉRIA, CORPO E OBJETO •Matéria - tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço •Corpo – porção limitada da matéria •Objeto – corpo com função definida
  • 12. Propriedades da matéria Gerais Funcionais Específicas Propriedades GERAIS – são propriedades comuns a toda e qualquer espécie de matéria, independente da substância que a compõe. Propriedades FUNCIONAIS – são propriedades observadas somente em determinados grupos de matéria. Propriedades ESPECÍFICAS – são propriedades que permitem identificar uma determinada espécie de matéria. Se dividem em 3 tipos. Massa Volume Dependem da função química Organolépticas Químicas Físicas ponto de fusão, ponto de ebulição densidade PROPRIEDADES DA MATÉRIA
  • 13. Massa – refere-se a quantidade de matéria contida em um corpo ou objeto Principais grandezas Volume – espaço ocupado por um corpo ou objeto Densidade – razão entre a massa e o volume ocupado por um corpo ou objeto
  • 14. DENSIDADE Por que o chumbo afunda e a madeira flutua na água? Para responder a esta pergunta devemos observar qual a massa contida em um volume igual das três substâncias d = 0,80 g/cm3 d = 1 g/cm3 d = 11,4 g/cm3 Neste caso, como temos volumes iguais, a substância que apresenta a maior massa, será a mais densa (apresenta maior densidade). d Chumbo > d Água > d madeira Unidade no SI = g/mL ou g/cm3
  • 15. Um pouco mais sobre densidade Por que um navio, mesmo sendo muito pesado não afunda? Um navio apesar de ser muito pesado, tem sua massa distribuída em um volume muito grande e por isso apresenta densidade menor que a da água E por que um submarino afunda? Quando está vazio o submarino flutua, pois é menos denso que a água. Para que ele afunde é necessário aumentar seu peso, o que se consegue armazenando água em reservatórios em seu interior, tornando-o mais denso que a água. Por que o gelo flutua na água? O gelo apresenta menor densidade que a água líquida, devido à forma como as moléculas de água se organizam no estado sólido, há um aumento no volume e consequente diminuição da densidade.
  • 16. Exercícios sobre densidade 1. O bromo é um líquido vermelho acastanhado com densidade de 3,10 g/mL. Que volume ocupa uma amostra de 88,5 g de bromo? d = 3,1 g/mL m = 88,5 g V = ? d = m/V 3.1 = 88,5 / V 3.1 x V = 88,5 V = 28.5 mL 2. A densidade do selênio é 4,79 g/cm3 . Qual a massa em kg contida em de 6,5 cm3 de selênio? d = 4,79 g/cm3 V = 6,5 cm3 m = ? d = m/V 4,79 = m / 6,5 m = 4,79 x 6,5 m = 31, 1 g : 1000 m =0,0311 3. Um bloco de ferro com d = 7,6 g/cm3 tem as seguintes dimensões: 20cm x 30cm x 15cm. Determine a massa, em kg, do bloco. d = 7,6 g/cm3 V = 20 x 30 x 15 = 900 cm3 m = ? d = m/V 7,6 = m / 900 m = 7,6 x 900 m = 6840 g : 1000 m =6,84 kg V = 900 cm3 Volume de um bloco retangular = comp. X larg. X alt.
  • 17. Neste caso conhecemos a densidade e a massa de cada uma das substâncias, temos que saber qual o volume ocupado por cada uma delas. Suponha que 1g seja a massa de cada substância adicionada ao tubo. Vamos calcular o volume que seria ocupado em cada caso? Água d = m/v 1 = 1/v V = 1 mL Acetona d = m/v 0,8 = 1/v V = 1,25 mL Clorofórmio d = m/v 1,4 = 1/v V = 0,71 mLAo invés de se fazer esses cálculos pode-se simplesmente considerar que quanto MAIOR o volume, MENOR será a densidade
  • 18. CLASSIFICAÇÃO DA MATÉRIA MATÉRIA Substância pura Mistura Simples Composta Homogênea Heterogênea Azeotrópica Eutética Substância pura – como o próprio nome sugere é uma substância pura, isenta de outras substâncias e que apresenta propriedades físicas bem definidas. Mistura – é formada por duas ou mais substâncias, cada uma delas denominadas componente. A matéria se divide em dois tipos diferentes: Substância pura e Mistura
  • 19. Mas como são formadas as substâncias? Átomo Elemento Molécula Substância H O Conjunto de átomos iguais Unidade fundamental da matéria Formada após a combinação dos elementos H e O Conjunto de moléculas iguais Letras Sílabas Palavra Para ficar mais fácil de entender, podemos fazer uma analogia: Frase Átomo Elemento Molécula Substância
  • 20. SUBSTÂNCIAS PURAS Tipo de matéria formada por unidades químicas iguais, sejam átomos, sejam moléculas, e por este motivo apresentam propriedades químicas e físicas próprias. Substâncias simples – formada por um ou mais átomos do mesmo elemento H2, O2, O3, N2, C (graf.) Substâncias compostas – formada por dois ou mais elementos diferentes H2O HCl CO2 HNO3
  • 21. Misturas Uma mistura é formada por duas ou mais substâncias, cada uma delas denominadas componente. O ar que respiramos é uma mistura formada por ... gás nitrogênio (N2) = 78% gás oxigênio (O2) = 20% gás argônio (Ar) ≅ 1% gás carbônico (CO2) ≅ 0,03 % Cada um desses gases é chamado de componente da mistura O ouro 18 quilates é uma mistura formada por 3 componentes ouro (Au) = 75% prata (Ag) = 20% cobre (Cu) = 5% O combustível etanol é uma mistura formada por 2 componentes etanol (C2H6O) ≅ 93% água (H2O) ≅ 7% Neste caso temos uma mistura formada por 3 substâncias simples Neste caso temos uma mistura formada por 2 substâncias compostas
  • 22. Classificação das Misturas De acordo com o aspecto visual de uma mistura, podemos classificá-la em função do seu número de fases. FASE – cada uma das porções que conseguimos ver (a olho nu ou não) na mistura água + sal dissolvido 1 fase óleo água 2 fases Em função do número de fases, as misturas são classificadas em: HOMOGÊNEA – toda mistura que apresenta uma única fase. São denominadas soluções HETEROGÊNEA – toda mistura que apresenta duas ou mais fases Ex: água com açúcar, ar, água mineral Ex: água e óleo; água e gelo; granito; areia e terra Uma mistura formada por gases será sempre HOMOGÊNEA
  • 23. Vamos praticar? Classifique cada um dos sistemas abaixo quanto à composição. Formado por átomos de um mesmo elemento Formado por átomos de elementos diferentes Formado por substâncias diferentes Substância simples Substância composta Mistura
  • 24. Vamos praticar? Classifique cada uma das misturas a seguir, quanto ao número de fases. 1 fase Mistura Homogênea 2 fases Mistura Heterogênea 1 fase Mistura Homogênea 2 fases Mistura Heterogênea 2 fases Mistura Heterogênea Indique quantos componentes, quantas fases e qual o tipo de mistura. água + açúcar água + giz água + óleo + sal água + sal + granito + açúcar 2 componentes 1 fase Mistura HOMOGÊNEA 2 componentes 2 fases Mistura HETEROGÊNEA 3 componentes 2 fases Mistura HETEROGÊNEA 4 componentes 2 fases Mistura HETEROGÊNEA
  • 25. Como diferenciamos uma substância pura de uma mistura? Substância pura – durante a fusão e ebulição a TEMPERATURA permanece CONSTANTE t1 = início da fusão t2 = fim da fusão t3 = início da ebulição t4 = fim da ebulição Curva de aquecimento da água A curva de aquecimento de uma substância pura apresenta 2 patamares Uma substância pura diferencia-se de uma mistura pelos valores de suas propriedades específicas (ponto de fusão, ponto de ebulição e densidade) que como o próprio nome sugere são específicos para cada substância
  • 26. Como diferenciamos uma substância pura de uma mistura? Mistura comum – durante a fusão e ebulição a TEMPERATURA VARIA t1 = início da fusão t2 = fim da fusão t3 = início da ebulição t4 = fim da ebulição Curva de aquecimento de uma mistura comum A curva de aquecimento de uma mistura comum NÃO apresenta patamares
  • 27. Dois tipos de misturas especiais Existem algumas misturas com comportamento diferente do esperado, sua curva de aquecimento apresenta um patamar. São de dois tipos: Curva de aquecimento de uma mistura eutética Mistura eutética – ponto de fusão constante Misturas eutéticas – apesar de ser uma mistura, comportam-se como se fossem uma substância pura, pois durante a FUSÃO a temperatura permanece CONSTANTE Exemplo de mistura eutética Solda – liga metálica com 63% de estanho + 37% de chumbo
  • 28. Dois tipos de misturas especiais Curva de aquecimento de uma mistura azeotrópica Mistura azeotrópica – ponto de ebulição constante Misturas azeotrópicas – apesar de ser uma mistura, comportam-se como se fossem uma substância pura, pois durante a EBULIÇÃO a temperatura permanece CONSTANTE Exemplo de mistura azeotrópica álcool hidratado – 96% de etanol + 4% de água
  • 29. Vamos praticar? Observe as curvas de aquecimento e classifique cada um dos casos T tempo Substância pura Mistura comum Mistura azeotrópica Mistura eutética Tf e Te constante Tf e Te variáveis Te constante Tf variável Tf constante Te variável
  • 30. PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS Na natureza raramente encontramos substâncias puras. Desta forma, para obtermos uma determinada substância é necessário usar métodos de separação aplicáveis à misturas homogêneas ou heterogêneas, dependendo do caso Misturas Heterogêneas Sólido + Líquido Sólido + Gasoso Líquido + Líquido Sólido + Sólido Filtração Filtração Destilação fracionada Catação No caso das misturas heterogêneas os principais processos de separação que podem ser aplicados são: Decantação Centrifugação Decantação em funil Peneiração Separação magnética
  • 31. SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Sólido – Líquido) Filtração – passa-se a mistura por um funil contendo papel filtro, onde o sólido ficará retido. Exemplos água + areia água + carvão A filtração é também usada na separação de misturas de substâncias sólidas e gasosas, mas neste caso ao invés de um funil, tem-se um filtro especial Exemplos ar + poeira O aspirador de pó é usado para separar a poeira do ar.
  • 32. SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Sólido – Líquido) Centrifugação – é um processo que acelera a decantação dos componentes da mistura entre um líquido e um sólido Decantação – separa os componentes da mistura segundo sua densidade, onde o componente mais denso deposita-se no fundo do recipiente Exemplo Água + barro A centrifugação é muito utilizada em laboratórios. Um dos exemplos mais comuns é a centrifugação do sangue humano para a realização do hemograma Centrífuga
  • 33. SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Líquido– Líquido) Decantação em funil – é aplicada na separação da mistura entre líquidos imiscíveis Destilação fracionada – separa os líquidos de uma mistura com base em seus pontos de ebulição Exemplo água + álcool O líquido que evapora primeiro é o de menor ponto de ebulição, dizemos que ele é mais volátil Coloca-se a mistura no funil, agita-se vigorosamente e em seguida deixa em repouso, para que haja a decantação. Após a decantação abre-se a torneira e coleta-se cada um dos líquidos Exemplo água + óleo
  • 34. SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Sólido-Sólido) Peneiração – consiste na separação de sólidos com tamanhos diferentes, através do uso de uma peneira Catação – consiste na separação manual dos sólidos de uma mistura, com base em seu tamanho A catação é um processo corriqueiro aplicado por exemplo na separação dos grãos de feijão Assim como a catação, a peneiração é um processo corriqueiro aplicado por exemplo na separação dos pedregulhos da areia. Sendo também utilizada no garimpo do ouro Separação magnética – consiste na separação de misturas que contém componente(s) magnético(s), utilizando-se um imã A separação magnética é também denominada imantação e para que funcione, pelo menos um dos componentes da mistura deve ser magnético e dos demais não.