SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização  Alexandre Simões 18 de maio de 2011 Divinópolis – FUNEDI
A Luta Antimanicomial (mais ampla) que tem como carro-chefe a Reforma Psiquiátrica (mais estrita) é um movimento multifacetado e está longe de ser considerado homogêneo. Ou seja, seus atores não produzem um único discurso
Os ângulos da Reforma: Atores (protagonistas e coadjuvantes): Trabalhadores em Saúde Mental; Técnicos e administradores/gestores; Usuários; Familiares de usuários; Profissionais de outras áreas da saúde e suas interfaces (com a cultura, as tecnologias sociais); Universidade; As dimensões: Técnica; Política; Militante; Conceitual; Institucional; Clínica; Jurídica; Econômica; Cultural; Social;
Reforma Psiquiátrica: um termo um tanto quanto limitado Pois, o que está em pauta não é somente a reforma do modelo de tratamento em Saúde Mental, todavia, a transformação gradativa das concepções de assistência, acolhimento, condução dos acontecimentos relativos à Saúde Mental. É neste contexto  -  composto por inúmeras conexões com outros setores da sociedade que não só os dispositivos de tratamento (hospitais, CAPS, fármacos, consultórios, etc.)  -  que se argumenta acerca da reinserção social e da assistência integral (ampla) ao paciente.  Nessas fronteiras, é proposto que a internação em hospital seja um recurso parcimonioso no tratamento de transtornos mentais.
Estas considerações já portam um longo histórico, que estabelece articulações com outros movimentos: Na Inglaterra, no momento do pós-guerra, foi elaborada a prática de trabalhos clínicos com grupos, como uma possível saída para a grave situação de superlotação e inoperância dos hospitais psiquiátricos. Na França, no início dos anos 50, foi criada a análise institucional. Sua grande direção era "tratar o doente pela instituição e tratar a instituição como um doente".
No mesmo momento, nos Estados Unidos, vem sendo delimitada a prática da psiquiatria preventiva ou comunitária, que buscava deslocar a ênfase do tratamento para a prevenção. Algo semelhante se passava na França com a psiquiatria de setor.   O território da loucura gradativamente era posto em questão
Um acontecimento que em muita influenciará o movimento de construção de um novo modelo de atuação na saúde mental em nosso país:  Itália:  em 1978, uma lei proibiu, novas internações em manicômios, determinava seu esvaziamento progressivo e definia a necessidade da criação de estruturas territoriais que respondessem à demanda, abolindo a ligação imediata e necessária entre a doença mental e a noção de periculosidade social.  Trata-se da Lei 180 (aprovada pelo Parlamento Italiano), posteriormente englobada na Lei 833 da Reforma Sanitária Nacional.
Esta Lei, que está fazendo 33 anos de existência: representou um marco na história da saúde mental no mundo inteiro e se tornou referência para a Organização Mundial de Saúde. Ela é um dos efeitos das ações de Basaglia e do Movimento  da Psiquiatria Democrática Italiana.
   No Brasil: Ao final dos anos 70, surge o Movimento dos Trabalhadores em Saúde Mental A partir desta época, este movimento protagoniza as iniciativas pela transformação da assistência psiquiátrica no nosso país;
Uma estratégia que surgirá desta trajetória  - o Movimento pela  Reforma Psiquiátrica -  traz avanços: almeja transformações na saúde mental que ultrapassam a Psiquiatria e que, assim, partem da busca de soluções técnicas ou administrativas e atingem a reelaboração de questões teóricas, políticas, culturais e sociais.
No período de redemocratização do Brasil e da reorganização institucional aí implicada, a mobilização para a transformação na saúde mental abandonou sua especificidade de Movimento de Trabalhadores em Saúde Mental para procurar tornar-se um Movimento Social pela Reforma Psiquiátrica com a estratégia de "uma sociedade sem manicômios".
Esta passagem demarcou A Luta Antimanicomial, que  surgiu de forma mais contundente em 18 de maio de 1987, no Congresso de Trabalhadores de Saúde Mental em Bauru (SP).  Como já foi exposto, é um Movimento social disseminado por todos os estados do Brasil. Tem como metas o fechamento dos manicômios e, em paralelo, a promoção de uma cultura de tratamento, de convivência e de tolerância, na ágora, para as pessoas em sofrimento psíquico.
1978 entre nós: O ano de 1978 foi marcado pela chegada ao Brasil de Franco Basaglia; A partir de suas experiências transformadoras conduzidas anteriormente nas cidades italianas de Goriziae Trieste, importantes repercuisõesrecairam sobre nós; Em uma das suas visitas o psiquiatra, conheceu o Hospital Colônia de Barbacena, localizado na cidade de Barbacena (MG); Basagliacomparou a instituição a um campo de concentração, reforçando denúncias de maus-tratos e violência que já haviam sido feitas. A mídia deu extrema importância à visita de Basaglia ao Brasil, e acabou produzindo uma forte e decisiva influência na trajetória da Reforma Psiquiátrica Brasileira;
Santos (SP), 1989: Ocorreu uma série de mortes em uma clínica psiquiátrica particular; Após este incidente, a Prefeitura realizou uma ampla intervenção, iniciando um trabalho de transformação da saúde mental; No lugar da clínica psiquiátrica foram implantadas nessa cidade novas modalidades de serviços para acompanhar e acolher com pessoas em sofrimento psíquico, como os Núcleos de Atenção Psicossocial (NAPS) de permanência-dia e/ou abertos 24 horas
2001 e o passo legal: Após 12 anos de tramitação no Congresso Nacional, a Lei Federal 10.216 é sancionada no país.  Também conhecida como Lei Paulo Delgado e como Lei da Reforma Psiquiátrica, ela instituiu um novo modelo de tratamento aos transtornos mentais no Brasil.
A aprovação, no entanto, é de um substitutivo ao Projeto de Lei original, que traz modificações importantes no texto normativo. Assim, a Lei Federal 10.216 redireciona a assistência em saúde mental, privilegiando o oferecimento de tratamento em serviços de base comunitária, dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas com transtornos mentais; Todavia, não institui mecanismos claros para a progressiva extinção dos manicômios;
Rápidos panoramas da atenção à saúde mental no Brasil Antes e depois da Luta Antimanicomial
Número de leitos psiquiátricos no Brasil:
Ampliação numérica dos CAPS:
Ao mesmo tempo, um número cada vez maior de serviços abertos foi sendo implantado em municípios com população entre 20.000 e 199.999 habitantes. Por exemplo, 305 de todos os CAPS existentes se situam na faixa populacional 20.000 a 49.999 e 205 de 50.000 a 99.999 habitantes
Evolução quantitativa das residências terapêuticas em funcionamento:
Reinserção social de pacientes longamente internados em hospitais psiquiátricos (por meio do Programa de Volta para Casa):
O grande desafio contemporâneo: a transformação da clínica ...
F I M

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
Inaiara Bragante
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
Aroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
saude mental
saude mental saude mental
saude mental
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimentoSaúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
 
A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
Aula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitosAula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitos
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 
Quem cuida do cuidador?
Quem cuida do cuidador?Quem cuida do cuidador?
Quem cuida do cuidador?
 
Transtornos mentais
Transtornos mentaisTranstornos mentais
Transtornos mentais
 

Destaque

História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 4: A palavra do analista é alusiva:...
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 4: A palavra do analista é alusiva:...2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 4: A palavra do analista é alusiva:...
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 4: A palavra do analista é alusiva:...
Alexandre Simoes
 
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 3: O analista opera pelo equívoco
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 3: O analista opera pelo equívoco2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 3: O analista opera pelo equívoco
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 3: O analista opera pelo equívoco
Alexandre Simoes
 
Resumo da genealogia da moral de Nietzsche -mail sergio.cavalcante.942@faceb...
Resumo da genealogia da moral de Nietzsche -mail	 sergio.cavalcante.942@faceb...Resumo da genealogia da moral de Nietzsche -mail	 sergio.cavalcante.942@faceb...
Resumo da genealogia da moral de Nietzsche -mail sergio.cavalcante.942@faceb...
Sergio cavalcante silva
 

Destaque (20)

Relatorio final 1 mla 2009
Relatorio final 1   mla 2009Relatorio final 1   mla 2009
Relatorio final 1 mla 2009
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
Movimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográfica
Movimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográficaMovimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográfica
Movimento antimanicomial no brasil pesquisa bibliográfica
 
A história da loucura - foucault
A história da loucura  - foucaultA história da loucura  - foucault
A história da loucura - foucault
 
A história da loucura
A história da loucuraA história da loucura
A história da loucura
 
Pauta Saude
Pauta SaudePauta Saude
Pauta Saude
 
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento AntimanicomialProtagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
 
Memorias de TAN-SAHSA 2013 (recuerdos)
Memorias de TAN-SAHSA 2013 (recuerdos)Memorias de TAN-SAHSA 2013 (recuerdos)
Memorias de TAN-SAHSA 2013 (recuerdos)
 
Politica de ad
Politica de adPolitica de ad
Politica de ad
 
Orientação de Visto de Estudante J-1 Programa Ciência sem Fronteiras
Orientação de Visto de Estudante J-1  Programa Ciência sem FronteirasOrientação de Visto de Estudante J-1  Programa Ciência sem Fronteiras
Orientação de Visto de Estudante J-1 Programa Ciência sem Fronteiras
 
Reforma Psiquiátrica no Brasil
Reforma Psiquiátrica no BrasilReforma Psiquiátrica no Brasil
Reforma Psiquiátrica no Brasil
 
A pesquisa na Psicologia Comunitária
A pesquisa na Psicologia ComunitáriaA pesquisa na Psicologia Comunitária
A pesquisa na Psicologia Comunitária
 
Foucault - A Ordem do Discurso
Foucault - A Ordem do DiscursoFoucault - A Ordem do Discurso
Foucault - A Ordem do Discurso
 
Personality disorders
Personality disordersPersonality disorders
Personality disorders
 
Formulação e utilização de cenários na gestão da estratégia
Formulação e utilização de cenários na gestão da estratégiaFormulação e utilização de cenários na gestão da estratégia
Formulação e utilização de cenários na gestão da estratégia
 
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 4: A palavra do analista é alusiva:...
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 4: A palavra do analista é alusiva:...2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 4: A palavra do analista é alusiva:...
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 4: A palavra do analista é alusiva:...
 
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 3: O analista opera pelo equívoco
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 3: O analista opera pelo equívoco2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 3: O analista opera pelo equívoco
2013- CURSO: A CONDUÇÃO DA ANÁLISE - aula 3: O analista opera pelo equívoco
 
2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 3, tema: O ...
2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 3, tema: O ...2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 3, tema: O ...
2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 3, tema: O ...
 
Resumo da genealogia da moral de Nietzsche -mail sergio.cavalcante.942@faceb...
Resumo da genealogia da moral de Nietzsche -mail	 sergio.cavalcante.942@faceb...Resumo da genealogia da moral de Nietzsche -mail	 sergio.cavalcante.942@faceb...
Resumo da genealogia da moral de Nietzsche -mail sergio.cavalcante.942@faceb...
 
Foucault - Microfisica Do Poder
Foucault - Microfisica Do PoderFoucault - Microfisica Do Poder
Foucault - Microfisica Do Poder
 

Semelhante a História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização

18demaioem2011 110519051057-phpapp02
18demaioem2011 110519051057-phpapp0218demaioem2011 110519051057-phpapp02
18demaioem2011 110519051057-phpapp02
HelenLugao
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
Luciane Santana
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
Luciane Santana
 
Texto 3 ação psicológica em saúde mental
Texto 3 ação psicológica em saúde mentalTexto 3 ação psicológica em saúde mental
Texto 3 ação psicológica em saúde mental
Psicologia_2015
 
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdfreformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
Lucilenesantos56
 
Saúde Mental e ECOSOL uma relação em construção
Saúde Mental e ECOSOL uma relação em construçãoSaúde Mental e ECOSOL uma relação em construção
Saúde Mental e ECOSOL uma relação em construção
Bia Corrales
 

Semelhante a História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização (20)

18demaioem2011 110519051057-phpapp02
18demaioem2011 110519051057-phpapp0218demaioem2011 110519051057-phpapp02
18demaioem2011 110519051057-phpapp02
 
Inserção do assistente social em saúde mental em foco o trabalho com as fam...
Inserção do assistente social em saúde mental   em foco o trabalho com as fam...Inserção do assistente social em saúde mental   em foco o trabalho com as fam...
Inserção do assistente social em saúde mental em foco o trabalho com as fam...
 
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento AntimanicomialProtagonistas Tratamento Antimanicomial
Protagonistas Tratamento Antimanicomial
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
 
Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...
Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...
Um futuro incerto: Projetos e expectativas de familiares que convivem com pes...
 
VISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdf
VISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdfVISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdf
VISIBILIDADE DE PRÁTICAS.pdf
 
Texto 3 ação psicológica em saúde mental
Texto 3 ação psicológica em saúde mentalTexto 3 ação psicológica em saúde mental
Texto 3 ação psicológica em saúde mental
 
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdfreformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
reformapsiquitricaepolticadesademental-120917131731-phpapp02 (1).pdf
 
Saúde Mental e ECOSOL uma relação em construção
Saúde Mental e ECOSOL uma relação em construçãoSaúde Mental e ECOSOL uma relação em construção
Saúde Mental e ECOSOL uma relação em construção
 
Reformapsiquiatrica
ReformapsiquiatricaReformapsiquiatrica
Reformapsiquiatrica
 
sAÚDE MENTAL E REFORMA PSQUIATRICA BRASILEIRA
sAÚDE MENTAL E REFORMA PSQUIATRICA BRASILEIRAsAÚDE MENTAL E REFORMA PSQUIATRICA BRASILEIRA
sAÚDE MENTAL E REFORMA PSQUIATRICA BRASILEIRA
 
O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...
O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...
O TRATAMENTO DOS PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL NO BRASIL – DA LEGALIZAÇÃO D...
 
Politica nacional de saúde mental (1)
Politica nacional de saúde mental (1)Politica nacional de saúde mental (1)
Politica nacional de saúde mental (1)
 
apresentação saude mental.pptx
apresentação saude mental.pptxapresentação saude mental.pptx
apresentação saude mental.pptx
 
Pauta Senado
Pauta SenadoPauta Senado
Pauta Senado
 
Saude mental aula 3
Saude mental aula 3Saude mental aula 3
Saude mental aula 3
 
Politica nacional sobre alcool e outras drogas e politica nacional de saude m...
Politica nacional sobre alcool e outras drogas e politica nacional de saude m...Politica nacional sobre alcool e outras drogas e politica nacional de saude m...
Politica nacional sobre alcool e outras drogas e politica nacional de saude m...
 
AULA 1.pdf
AULA 1.pdfAULA 1.pdf
AULA 1.pdf
 
Frossard2015
Frossard2015Frossard2015
Frossard2015
 

Mais de Alexandre Simoes

2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 5: sonhos chistes e atos falhos
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 5: sonhos chistes e atos falhos2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 5: sonhos chistes e atos falhos
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 5: sonhos chistes e atos falhos
Alexandre Simoes
 
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 3: a transferência e seu manejo
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 3: a transferência e seu manejo2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 3: a transferência e seu manejo
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 3: a transferência e seu manejo
Alexandre Simoes
 
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 2: a construção do diagnóstico
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA'  - Aula 2: a construção do diagnóstico2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA'  - Aula 2: a construção do diagnóstico
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 2: a construção do diagnóstico
Alexandre Simoes
 
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 1 a chegada do paciente ao ...
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA'  - Aula 1   a chegada do paciente ao ...2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA'  - Aula 1   a chegada do paciente ao ...
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 1 a chegada do paciente ao ...
Alexandre Simoes
 
CLÍNICA PSICANALÍTICA NO SÉCULO XXI
CLÍNICA PSICANALÍTICA NO SÉCULO XXICLÍNICA PSICANALÍTICA NO SÉCULO XXI
CLÍNICA PSICANALÍTICA NO SÉCULO XXI
Alexandre Simoes
 

Mais de Alexandre Simoes (20)

2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 8: a palavra do psicanalista
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 8: a palavra do psicanalista2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 8: a palavra do psicanalista
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 8: a palavra do psicanalista
 
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 7: as incidências do significan...
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 7: as incidências do significan...2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 7: as incidências do significan...
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 7: as incidências do significan...
 
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 5: sonhos chistes e atos falhos
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 5: sonhos chistes e atos falhos2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 5: sonhos chistes e atos falhos
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 5: sonhos chistes e atos falhos
 
2015 curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 4: tempo e dinheiro - seus manejos
2015 curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 4: tempo e dinheiro - seus manejos2015 curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 4: tempo e dinheiro - seus manejos
2015 curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 4: tempo e dinheiro - seus manejos
 
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 3: a transferência e seu manejo
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 3: a transferência e seu manejo2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 3: a transferência e seu manejo
2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 3: a transferência e seu manejo
 
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 2: a construção do diagnóstico
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA'  - Aula 2: a construção do diagnóstico2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA'  - Aula 2: a construção do diagnóstico
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 2: a construção do diagnóstico
 
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 1 a chegada do paciente ao ...
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA'  - Aula 1   a chegada do paciente ao ...2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA'  - Aula 1   a chegada do paciente ao ...
2015- Curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 1 a chegada do paciente ao ...
 
CURSO 'O sujeito e o outro na prática psicanalítica'- aulas 5 e 6: o Outro se...
CURSO 'O sujeito e o outro na prática psicanalítica'- aulas 5 e 6: o Outro se...CURSO 'O sujeito e o outro na prática psicanalítica'- aulas 5 e 6: o Outro se...
CURSO 'O sujeito e o outro na prática psicanalítica'- aulas 5 e 6: o Outro se...
 
2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 4, tema: O ...
2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 4, tema: O ...2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 4, tema: O ...
2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 4, tema: O ...
 
2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 2, tema: O ...
2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 2, tema: O ...2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 2, tema: O ...
2014 – Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 2, tema: O ...
 
2014- Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 1, tema: O o...
2014- Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 1, tema: O o...2014- Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 1, tema: O o...
2014- Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 1, tema: O o...
 
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 7: Dois aspectos da re...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 7: Dois aspectos da re...2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 7: Dois aspectos da re...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 7: Dois aspectos da re...
 
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 6: Significante e estr...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 6: Significante e estr...2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 6: Significante e estr...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 6: Significante e estr...
 
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 5: O sujeito do incons...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 5: O sujeito do incons...2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 5: O sujeito do incons...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 5: O sujeito do incons...
 
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 4: Lacan e a formaliza...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 4: Lacan e a formaliza...2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 4: Lacan e a formaliza...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 4: Lacan e a formaliza...
 
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 3: O inconsciente em F...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 3: O inconsciente em F...2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 3: O inconsciente em F...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 3: O inconsciente em F...
 
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 2: Psicanálise e práxi...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 2: Psicanálise e práxi...2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 2: Psicanálise e práxi...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 2: Psicanálise e práxi...
 
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 1: Lacan, a Psicanális...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 1: Lacan, a Psicanális...2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan  – Aula 1: Lacan, a Psicanális...
2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 1: Lacan, a Psicanális...
 
CLÍNICA PSICANALÍTICA NO SÉCULO XXI
CLÍNICA PSICANALÍTICA NO SÉCULO XXICLÍNICA PSICANALÍTICA NO SÉCULO XXI
CLÍNICA PSICANALÍTICA NO SÉCULO XXI
 
REPETIÇÃO E CLÍNICA PSICANALÍTICA
REPETIÇÃO E CLÍNICA PSICANALÍTICAREPETIÇÃO E CLÍNICA PSICANALÍTICA
REPETIÇÃO E CLÍNICA PSICANALÍTICA
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (7)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização

  • 1. História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização Alexandre Simões 18 de maio de 2011 Divinópolis – FUNEDI
  • 2.
  • 3. A Luta Antimanicomial (mais ampla) que tem como carro-chefe a Reforma Psiquiátrica (mais estrita) é um movimento multifacetado e está longe de ser considerado homogêneo. Ou seja, seus atores não produzem um único discurso
  • 4. Os ângulos da Reforma: Atores (protagonistas e coadjuvantes): Trabalhadores em Saúde Mental; Técnicos e administradores/gestores; Usuários; Familiares de usuários; Profissionais de outras áreas da saúde e suas interfaces (com a cultura, as tecnologias sociais); Universidade; As dimensões: Técnica; Política; Militante; Conceitual; Institucional; Clínica; Jurídica; Econômica; Cultural; Social;
  • 5. Reforma Psiquiátrica: um termo um tanto quanto limitado Pois, o que está em pauta não é somente a reforma do modelo de tratamento em Saúde Mental, todavia, a transformação gradativa das concepções de assistência, acolhimento, condução dos acontecimentos relativos à Saúde Mental. É neste contexto - composto por inúmeras conexões com outros setores da sociedade que não só os dispositivos de tratamento (hospitais, CAPS, fármacos, consultórios, etc.) - que se argumenta acerca da reinserção social e da assistência integral (ampla) ao paciente. Nessas fronteiras, é proposto que a internação em hospital seja um recurso parcimonioso no tratamento de transtornos mentais.
  • 6. Estas considerações já portam um longo histórico, que estabelece articulações com outros movimentos: Na Inglaterra, no momento do pós-guerra, foi elaborada a prática de trabalhos clínicos com grupos, como uma possível saída para a grave situação de superlotação e inoperância dos hospitais psiquiátricos. Na França, no início dos anos 50, foi criada a análise institucional. Sua grande direção era "tratar o doente pela instituição e tratar a instituição como um doente".
  • 7. No mesmo momento, nos Estados Unidos, vem sendo delimitada a prática da psiquiatria preventiva ou comunitária, que buscava deslocar a ênfase do tratamento para a prevenção. Algo semelhante se passava na França com a psiquiatria de setor.   O território da loucura gradativamente era posto em questão
  • 8. Um acontecimento que em muita influenciará o movimento de construção de um novo modelo de atuação na saúde mental em nosso país: Itália: em 1978, uma lei proibiu, novas internações em manicômios, determinava seu esvaziamento progressivo e definia a necessidade da criação de estruturas territoriais que respondessem à demanda, abolindo a ligação imediata e necessária entre a doença mental e a noção de periculosidade social. Trata-se da Lei 180 (aprovada pelo Parlamento Italiano), posteriormente englobada na Lei 833 da Reforma Sanitária Nacional.
  • 9. Esta Lei, que está fazendo 33 anos de existência: representou um marco na história da saúde mental no mundo inteiro e se tornou referência para a Organização Mundial de Saúde. Ela é um dos efeitos das ações de Basaglia e do Movimento da Psiquiatria Democrática Italiana.
  • 10. No Brasil: Ao final dos anos 70, surge o Movimento dos Trabalhadores em Saúde Mental A partir desta época, este movimento protagoniza as iniciativas pela transformação da assistência psiquiátrica no nosso país;
  • 11. Uma estratégia que surgirá desta trajetória - o Movimento pela Reforma Psiquiátrica - traz avanços: almeja transformações na saúde mental que ultrapassam a Psiquiatria e que, assim, partem da busca de soluções técnicas ou administrativas e atingem a reelaboração de questões teóricas, políticas, culturais e sociais.
  • 12. No período de redemocratização do Brasil e da reorganização institucional aí implicada, a mobilização para a transformação na saúde mental abandonou sua especificidade de Movimento de Trabalhadores em Saúde Mental para procurar tornar-se um Movimento Social pela Reforma Psiquiátrica com a estratégia de "uma sociedade sem manicômios".
  • 13. Esta passagem demarcou A Luta Antimanicomial, que surgiu de forma mais contundente em 18 de maio de 1987, no Congresso de Trabalhadores de Saúde Mental em Bauru (SP). Como já foi exposto, é um Movimento social disseminado por todos os estados do Brasil. Tem como metas o fechamento dos manicômios e, em paralelo, a promoção de uma cultura de tratamento, de convivência e de tolerância, na ágora, para as pessoas em sofrimento psíquico.
  • 14. 1978 entre nós: O ano de 1978 foi marcado pela chegada ao Brasil de Franco Basaglia; A partir de suas experiências transformadoras conduzidas anteriormente nas cidades italianas de Goriziae Trieste, importantes repercuisõesrecairam sobre nós; Em uma das suas visitas o psiquiatra, conheceu o Hospital Colônia de Barbacena, localizado na cidade de Barbacena (MG); Basagliacomparou a instituição a um campo de concentração, reforçando denúncias de maus-tratos e violência que já haviam sido feitas. A mídia deu extrema importância à visita de Basaglia ao Brasil, e acabou produzindo uma forte e decisiva influência na trajetória da Reforma Psiquiátrica Brasileira;
  • 15. Santos (SP), 1989: Ocorreu uma série de mortes em uma clínica psiquiátrica particular; Após este incidente, a Prefeitura realizou uma ampla intervenção, iniciando um trabalho de transformação da saúde mental; No lugar da clínica psiquiátrica foram implantadas nessa cidade novas modalidades de serviços para acompanhar e acolher com pessoas em sofrimento psíquico, como os Núcleos de Atenção Psicossocial (NAPS) de permanência-dia e/ou abertos 24 horas
  • 16. 2001 e o passo legal: Após 12 anos de tramitação no Congresso Nacional, a Lei Federal 10.216 é sancionada no país. Também conhecida como Lei Paulo Delgado e como Lei da Reforma Psiquiátrica, ela instituiu um novo modelo de tratamento aos transtornos mentais no Brasil.
  • 17. A aprovação, no entanto, é de um substitutivo ao Projeto de Lei original, que traz modificações importantes no texto normativo. Assim, a Lei Federal 10.216 redireciona a assistência em saúde mental, privilegiando o oferecimento de tratamento em serviços de base comunitária, dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas com transtornos mentais; Todavia, não institui mecanismos claros para a progressiva extinção dos manicômios;
  • 18. Rápidos panoramas da atenção à saúde mental no Brasil Antes e depois da Luta Antimanicomial
  • 19. Número de leitos psiquiátricos no Brasil:
  • 21. Ao mesmo tempo, um número cada vez maior de serviços abertos foi sendo implantado em municípios com população entre 20.000 e 199.999 habitantes. Por exemplo, 305 de todos os CAPS existentes se situam na faixa populacional 20.000 a 49.999 e 205 de 50.000 a 99.999 habitantes
  • 22. Evolução quantitativa das residências terapêuticas em funcionamento:
  • 23. Reinserção social de pacientes longamente internados em hospitais psiquiátricos (por meio do Programa de Volta para Casa):
  • 24.
  • 25.
  • 26. O grande desafio contemporâneo: a transformação da clínica ...
  • 27. F I M