SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
A Real(idade) De Saúde
Mental No SUS / Brasil
Psiquiatria Fora De Portas
Outubro Fora de Portas – Portalegre/ Portugal/2016
Dra. Ofélia de Castro Maia Fernandes
O Processo De Reforma Psiquiátrica
• É contemporâneo do “movimento
sanitário”- anos 70
• Mudança dos modelos de
atenção e gestão nas práticas de
saúde, defesa da saúde coletiva,
• Equidade na oferta dos serviços,
• E protagonismo dos
trabalhadores e usuários dos
serviços de saúde nos processos
de gestão e produção de
tecnologias de cuidado.
• Contudo, tem história própria,
inscrita num contexto
internacional de mudanças
pela superação da violência
asilar.
• Compreendida como um
conjunto de transformações de
práticas, saberes, valores
culturais e sociais, no cotidiano
da vida das instituições, dos
serviços e das relações
interpessoais.
Histórico da Reforma Psiquiátrica
(1978-2000)
Propõe a construção de uma
rede de serviços e estratégias
territoriais e comunitárias,
profundamente solidárias,
inclusivas e libertárias.
• O Movimento dos Trabalhadores em Saúde Mental
(MTSM) a construir coletivamente uma crítica ao
chamado saber psiquiátrico e ao modelo
hospitalocêntrico;
• A experiência italiana/Serviço Hospitalar de Trieste é
inspiradora - Franco Basaglia
1978:
• II Congresso Nacional do MTSM (Bauru, SP) - “Por
uma sociedade sem manicômios”. Neste mesmo ano,
é realizada a I Conferência Nacional de Saúde Mental
(Rio de Janeiro). Surge o primeiro CAPS no Brasil
1987:
• É criado o SUS – Sistema Único de Saúde1988:
• Intervenção da Secretaria Municipal de Saúde de
Santos (SP) em um hospital psiquiátrico, a Casa de
Saúde Anchieta.
• Implantados os Núcleos de Atenção Psicossocial (NAPS)
que funcionam 24 horas, são criadas cooperativas,
residências para os egressos do hospital e associações.
• Dá entrada no Congresso Nacional o Projeto de Lei do
deputado Paulo Delgado (PT/MG), que propõe a
regulamentação dos direitos da pessoa com transtornos
mentais e a extinção progressiva dos manicômios no
país.
1989
Declaração de Caracas (1990)
Organização Pan-Americana de Saúde e a Organização Mundial da
Saúde
"A atenção psiquiátrica convencional não permite alcançar os objetivos
compatíveis com uma atenção comunitária, descentralizada,
participativa, integral, contínua e preventiva (WHO, 1990)".
"A reestruturação da atenção psiquiátrica na região implica a revisão
crítica do papel hegemônico e centralizador do hospital psiquiátrico na
prestação dos serviços (OMS, 1990)."
• Substituição progressiva dos leitos
psiquiátricos por uma rede integrada
de atenção à saúde mental.
• Ao final deste período, o país tem em
funcionamento 208 CAPS, mas cerca
de 93% dos recursos do Ministério da
Saúde para a Saúde Mental ainda são
destinados aos hospitais psiquiátricos.
1992:
• Os Serviços Residenciais Terapêuticos -
Residências Terapêuticas, são casas, locais de
moradia, destinadas a pessoas com transtornos
mentais que permaneceram em longas internações
psiquiátricas e impossibilitadas de retornar às suas
famílias de origem.
• Mantidas com recursos, anteriormente, destinados
aos leitos psiquiátricos.
• Para cada morador de hospital psiquiátrico
transferido para a residência terapêutica, um igual
número de leitos psiquiátricos deve ser
descredenciado do SUS - os recursos que os
mantinham devem ser realocados para fins de
manutenção dos Serviços Residenciais
Terapêuticos.
• Em todo o território nacional existem mais de 470
residências terapêuticas
2000
• é aprovada a Lei que dispõe
sobre a proteção e os
direitos das pessoas
portadoras de transtornos
mentais e redireciona o
modelo assistencial em
saúde mental.
2001
Lei Nacional (2001 -2005)
Cria linhas específicas de financiamento - Ministério da Saúde para os serviços
abertos e substitutivos ao hospital psiquiátrico e novos mecanismos para a
fiscalização, gestão e redução programada de leitos psiquiátricos no país.
Impulsiona o processo de desinstitucionalização de pessoas longamente
internadas com o Programa “De Volta para Casa”.
Traça a política para a questão do álcool e de outras drogas, incorporando a
estratégia de redução de danos
• O Programa De Volta para Casa - regulamenta o
auxílio-reabilitação psicossocial a pacientes que
tenham permanecido em longas internações
psiquiátricas.
• Objetiva contribuir para o processo de inserção
social, em parceria com a Caixa Econômica
Federal os beneficiários recebem R$240,00.
• Funciona em conjunto com o Programa de Redução
de Leitos Hospitalares de longa permanência e
os Serviços Residenciais Terapêuticos.
2003
• Estabelece diretrizes para a organização da
Rede de Atenção à Saúde no âmbito do
Sistema Único de Saúde (SUS);
• Institui as regiões de saúde e garante o
cuidado em saúde mental nas RAS;
2010
• Institui a Rede de Atenção Psicossocial para
pessoas com sofrimento ou transtorno
mental e com necessidades decorrentes do
uso de crack, álcool e outras drogas, no
âmbito do Sistema Único de saúde (SUS).
2011
O Período Caracteriza-se Assim Por Dois
Movimentos Simultâneos
•A construção de uma
rede de atenção à
saúde mental
substitutiva ao
modelo centrado na
internação hospitalar.
•E a fiscalização e
redução progressiva e
programada dos
leitos psiquiátricos
existentes.
Organização da RAPS
Rede de Atenção Psicossocial
A POLITICA NACIONAL DE SAUDE MENTAL
Antes da Reforma Psiquiátrica
• Cuidado Centrado na internação em
Hospital Psiquiátrico:
• Isolamento;
• Normatização dos sujeitos;
• Lógica da Instituição total;
• Violação dos direitos
humanos.
Depois da Reforma
• Criação de ampla rede de cuidado
em saúde:
• Territorial;
• Complexificação do objeto de
cuidado;
• Ampliação das práticas e
saberes;
• Co-responsabilização pelo
cuidado.
Objetivos
Reduzir progressivamente os leitos psiquiátricos,
Qualificar, expandir e fortalecer a rede extra-hospitalar com a criação de:
• Centros de atenção psicossocial (CAPS),
• Serviços residenciais terapêuticos (SRTS)
• Unidades psiquiátricas em hospitais gerais (UPHG)
Incluir as ações da saúde mental na atenção básica,
Implementar uma política de atenção integral a usuários de álcool e outras drogas,
Implantar o programa “De Volta Para Casa”.
CAPS
São instituições destinadas a acolher os pacientes com transtornos mentais,
estimular sua integração social e familiar, apoiá-los em suas iniciativas de
busca da autonomia, oferecer-lhes atendimento médico e psicológico.
Sua característica principal é buscar integrá-los a um ambiente social e
cultural concreto, designado como seu “território”, o espaço da cidade onde
se desenvolve a vida quotidiana de usuários e familiares.
Os CAPS constituem a principal estratégia do processo de reforma
psiquiátrica.
Tipos De Atendimento
Atendimento Intensivo:
• Diário,
• Pessoa em grave
sofrimento psíquico,
• Situação de crise
• Dificuldades intensas no
convívio social e familiar,
• Precisando de atenção
contínua.
• Pode ser domiciliar
Atendimento Semi-
Intensivo
• 12 dias no mês.
• O sofrimento e a
desestruturação psíquica
da pessoa diminuíram,
melhorando as
possibilidades de
relacionamento
• Ainda necessita de
atenção direta da equipe
para se estruturar e
recuperar sua autonomia.
• Pode ser domiciliar
Atendimento Não-
Intensivo
• Não precisa de suporte
contínuo da equipe para
viver em seu território e
realizar suas atividades na
família e/ou no trabalho.
• Até três dias no mês.
• Pode ser domiciliar
Tipos De Atendimento Em Caps
Os CAPS se diferenciam como CAPS I, CAPS
II, CAPS III, CAPSi e CAPSad, de acordo com
os tipos de demanda dos usuários atendidos,
da capacidade de atendimento e do tamanho.
CAPS I
• todas as faixas etárias
• intenso sofrimento psíquico decorrente de transtornos mentais graves e persistentes, inclui os
relacionados ao uso de substâncias psicoativas,
• impossibilidade de estabelecer laços sociais e realizar projetos de vida.
• Indicado para municípios ou regiões de saúde com população acima de 15.000 (quinze mil) habitantes.
CAPS II
• Indicado para municípios ou regiões de saúde com população acima de 70.000 (setenta mil) habitantes.
CAPS III
• Proporciona serviços de atenção contínua, com funcionamento vinte e quatro horas, incluindo feriados e
finais de semana,
• ofertando retaguarda clínica e acolhimento noturno a outros serviços de saúde mental, inclusive CAPS
AD.
• Indicado para municípios ou regiões de saúde com população acima de 150.000 (cento e cinquenta mil)
habitantes.
CAPSi
• Atende crianças e adolescentes
• Indicado para municípios ou regiões com população acima de 70.000 (setenta mil)
habitantes.
CAPS AD II
• Serviço de atenção psicossocial para atendimento de pacientes com transtornos
decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas, com capacidade operacional
para atendimento em municípios ou regiões com população superior a 70.000 (setenta mil)
habitantes.
CAPS AD III
• Atende pessoas de todas as faixas etárias que apresentam intenso sofrimento psíquico
decorrente do uso de crack, álcool e outras drogas. Proporciona serviços de atenção
contínua, com funcionamento vinte e quatro horas, incluindo feriados e finais de semana,
ofertando retaguarda clínica e acolhimento noturno. Indicado para municípios ou regiões
com população acima de 150.000 (cento e cinquenta mil) habitantes.
Como ter acesso aos CAPS?
CAPS são
serviços de
PORTA
ABERTA!
Espontâneamente,
Encaminhadas
pela atenção
básica
Por outros pontos de
atenção da RAS e/ou
da comunidade
(escolas, igrejas),
hospitais,
ambulatórios.....
O Processo De Trabalho CAPS
 Acolhimento.
 Projeto Terapêutico do usuário
 Técnico de Referência.
 Reunioes semanais
 Encaminhamento para a Atenção Básica;
 Agravamento do estado - encaminhar para o hospital (SAMU);
 Atendimento em grupo;
 Práticas corporais;
 Práticas expressivas e comunicativas;
 Atendimento para a família;
 Atendimento domiciliar;
 Ações de reabilitação psicossocial;
 Promoção de contratualidade;
 Fortalecimento do protagonismo de usuários e familiares;
 Ações de articulação de redes intra e inter-setoriais.
A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL
Psiquiatras; Neurologistas; Enfermeiros; Nutricionistas;
Farmacêuticos; Fonoaudiólogos; Psicólogos; Assistentes
sociais; Musicoterapeutas; Terapeutas ocupacionais;
Fisioterapeutas; Profissionais de Educação Física; Técnicos
de enfermagem; Monitores e estagiários. Entre outros
profissionais.
Matriciamento ou apoio matricial de equipes - é um modo de produzir saúde em que duas ou mais
equipes, num processo de construção compartilhada, criam uma proposta de intervenção
pedagógico-terapêutica. Esse apoio matricial, formulado por Gastão Wagner Campos (1999), tem
estruturado no Brasil um tipo de cuidado colaborativo entre a saúde mental e a atenção primária.
Acompanhamento de serviço residencial terapêutico (SRT): suporte às equipes dos serviços
residenciais terapêuticos, com a co-responsabilização nos projetos terapêuticos dos usuários, que
promova a articulação entre as redes e os pontos de atenção com o foco no cuidado e
desenvolvimento de ações inter-setoriais, e vise à produção de autonomia e reinserção social.
Ações de redução de danos: conjunto de práticas e ações do campo da saúde e dos direitos
humanos realizadas de maneira articulada inter e intra-setorialmente, que busca minimizar danos
de natureza biopsicossocial decorrentes do uso de substâncias psicoativas, ampliar o cuidado e o
acesso aos diversos pontos de atenção, incluídos aqueles que não têm relação com o sistema de
saúde.
Introduçao do GAM- “ gestão autônoma da medicação - O guia GAM (guia GAM-BR adaptado do
guia GAM do Québec ) - é uma forma dialogada de conversar/construir um projeto terapêutico
singular, em que o usuário participa ativamente, compartilhando com os profissionais de saúde suas
possibilidades, dialogando sobre o lugar que a medicação e outras práticas ocupam nas suas vidas.
Publicações de Interesse
GUIA PRÁTICO DE MATRICIAMENTO EM SAUDE MENTAL
• http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf
GAM
• http://www.fcm.unicamp.br/fcm/sites/default/files/paganex/guia_gam_para_dowload_com_correcoes.pdf
REDES DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL
• http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/RAPS.pdf
Do século XVIII, Phillippe Pinel – das correntes para os manicómios, da doença moral a
doença orgânica.
Do século XX, Franco Basaglia à transformação do saber, do tratamento e das instituições
psiquiátricas.
Do movimento da Luta Antimanicomial nasce o movimento da Reforma Psiquiátrica e
propõe a construção de uma rede de serviços e estratégias territoriais e comunitárias,
profundamente solidárias, inclusivas e libertárias ao RAS, ao CAPS.
E são assim
O tempo presente e o tempo passado
Estão ambos talvez presentes no tempo futuro,
E o tempo futuro contido no tempo passado.
Se todo o tempo é eternamente presente
Todo o tempo é irredimível.
O que podia ter sido é uma abstração
Permanecendo possibilidade perpétua
Apenas num mundo de especulação.
O que podia ter sido e o que foi
Tendem para um só fim, que é sempre presente.
Ecoam passos na memória
Ao longo do corredor que não seguimos
Em direcção à porta que nunca abrimos
Para o roseiral.
As minhas palavras ecoam
Assim, no teu espírito.
Mas para quê
Perturbar a poeira numa taça de folhas de rosa
Não sei.
Outros ecos
Habitam o jardim.
Vamos segui-los?
Depressa, disse a ave, procura-os, procura-os,
Na volta do caminho. Através do primeiro portão,
No nosso primeiro mundo, seguiremos
O chamariz do tordo? No nosso primeiro mundo.
Ali estavam eles, dignos, invisíveis,
Movendo-se sem pressão, sobre as folhas mortas,
No calor do outono, através do ar vibrante,
E a ave chamou, em resposta à
Música não ouvida dissimulada nos arbustos,
E o olhar oculto cruzou o espaço, pois as rosas
Tinham o ar de flores que são olhadas.
Ali estavam como nossos convidados, recebidos e recebendo.
Assim nos movemos com eles, em cerimonioso cortejo,
Ao longo da alameda deserta, no círculo de buxo,
Para espreitar o lago vazio.
Lago seco, cimento seco, contornos castanhos,
E o lago encheu-se com água feita de luz do sol,
E os lótus elevaram-se, devagar, devagar,
A superfície cintilava no coração da luz,
E eles estavam atrás de nós, reflectidos no lago.
Depois uma nuvem passou, e o lago ficou vazio.
Vai, disse a ave, pois as folhas estavam cheias de crianças,
Escondendo-se excitadamente, contendo o riso.
Vai, vai, vai, disse a ave: o género humano
Não pode suportar muita realidade.
O tempo passado e o tempo futuro
O que podia ter sido e o que foi
Tendem para um só fim, que é sempre presente.
T.S. Eliot . Quatro Quartetos, Burnt Norton I
Fontes:
http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/RAPS.pdf
http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf
http://www.brasil.gov.br/observatoriocrack/cuidado/centro-atencao-
psicossocial.html
Saúde em Debate - REVISTA DO CENTRO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE
SAÚDE/VOLUME 39, NÚMERO 106/RIO DE JANEIRO, JUL-SET 2015
A Reforma Psiquiátrica Brasileira e a Rede de Atenção Psicossocial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Reforma Psiquiatrica
Reforma PsiquiatricaReforma Psiquiatrica
Reforma Psiquiatricafabiolarrossa
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaAliny Lima
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaJose Roberto
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOJorge Samuel Lima
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAroldo Gavioli
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susMarcos Nery
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1Eduardo Gomes da Silva
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularCENAT Cursos
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Cintia Colotoni
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)Ana Ferraz
 

Mais procurados (20)

A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde MentalAs Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
As Políticas Nacionais em Relação à Saúde Mental
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Reforma Psiquiatrica
Reforma PsiquiatricaReforma Psiquiatrica
Reforma Psiquiatrica
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Saúde mental no sus
Saúde mental no susSaúde mental no sus
Saúde mental no sus
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 

Semelhante a A Reforma Psiquiátrica Brasileira e a Rede de Atenção Psicossocial

5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacosEdison Santos
 
RAPS (Rede de Atencao Psicossocial)
RAPS (Rede de Atencao Psicossocial)RAPS (Rede de Atencao Psicossocial)
RAPS (Rede de Atencao Psicossocial)dehkeh
 
Apresentação RAPS.pdf
Apresentação RAPS.pdfApresentação RAPS.pdf
Apresentação RAPS.pdfPaulaFaria53
 
Saúde mental folder
Saúde mental folderSaúde mental folder
Saúde mental folderTatiane
 
Serviço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde MentalServiço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde MentalCarol Alves
 
Situação atual da saúde mental no sus
Situação atual da saúde mental no susSituação atual da saúde mental no sus
Situação atual da saúde mental no susArley Melo
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde públicaArley Melo
 
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdfSAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdfEversonCampos3
 
Programa de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPrograma de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPatrícia Prates
 
Aula saúde mental - Recursos Existentes
Aula saúde mental - Recursos ExistentesAula saúde mental - Recursos Existentes
Aula saúde mental - Recursos ExistentesArnaldo Carvalho
 
Saúde mental no sus (1)
Saúde mental no sus (1)Saúde mental no sus (1)
Saúde mental no sus (1)Jose Roberto
 
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoApresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoAndré Oliveira
 

Semelhante a A Reforma Psiquiátrica Brasileira e a Rede de Atenção Psicossocial (20)

CAPS.pptx
CAPS.pptxCAPS.pptx
CAPS.pptx
 
caps.pptx
caps.pptxcaps.pptx
caps.pptx
 
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
5 assistência+de+enfermagem+ao+paciente+com+distúrbios+cardíacos
 
Caps slide
Caps slideCaps slide
Caps slide
 
RAPS (Rede de Atencao Psicossocial)
RAPS (Rede de Atencao Psicossocial)RAPS (Rede de Atencao Psicossocial)
RAPS (Rede de Atencao Psicossocial)
 
Apresentação RAPS.pdf
Apresentação RAPS.pdfApresentação RAPS.pdf
Apresentação RAPS.pdf
 
Saúde mental folder
Saúde mental folderSaúde mental folder
Saúde mental folder
 
Serviço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde MentalServiço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde Mental
 
Situação atual da saúde mental no sus
Situação atual da saúde mental no susSituação atual da saúde mental no sus
Situação atual da saúde mental no sus
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Trabalho escrito caps
Trabalho escrito capsTrabalho escrito caps
Trabalho escrito caps
 
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdfSAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
SAUDE MENTAL - caps (1) EVERSON (1).pdf
 
Programa de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPrograma de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUS
 
Comunidades Terapêuticas: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao...
Comunidades Terapêuticas: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao...Comunidades Terapêuticas: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao...
Comunidades Terapêuticas: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao...
 
apresentação saude mental.pptx
apresentação saude mental.pptxapresentação saude mental.pptx
apresentação saude mental.pptx
 
Apresentação raps aurora - copia
Apresentação raps  aurora - copiaApresentação raps  aurora - copia
Apresentação raps aurora - copia
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 
Aula saúde mental - Recursos Existentes
Aula saúde mental - Recursos ExistentesAula saúde mental - Recursos Existentes
Aula saúde mental - Recursos Existentes
 
Saúde mental no sus (1)
Saúde mental no sus (1)Saúde mental no sus (1)
Saúde mental no sus (1)
 
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novoApresentação sm -caminhos-cuidado_novo
Apresentação sm -caminhos-cuidado_novo
 

Último

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 

Último (9)

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 

A Reforma Psiquiátrica Brasileira e a Rede de Atenção Psicossocial

  • 1. A Real(idade) De Saúde Mental No SUS / Brasil Psiquiatria Fora De Portas Outubro Fora de Portas – Portalegre/ Portugal/2016 Dra. Ofélia de Castro Maia Fernandes
  • 2. O Processo De Reforma Psiquiátrica • É contemporâneo do “movimento sanitário”- anos 70 • Mudança dos modelos de atenção e gestão nas práticas de saúde, defesa da saúde coletiva, • Equidade na oferta dos serviços, • E protagonismo dos trabalhadores e usuários dos serviços de saúde nos processos de gestão e produção de tecnologias de cuidado. • Contudo, tem história própria, inscrita num contexto internacional de mudanças pela superação da violência asilar. • Compreendida como um conjunto de transformações de práticas, saberes, valores culturais e sociais, no cotidiano da vida das instituições, dos serviços e das relações interpessoais.
  • 3. Histórico da Reforma Psiquiátrica (1978-2000) Propõe a construção de uma rede de serviços e estratégias territoriais e comunitárias, profundamente solidárias, inclusivas e libertárias.
  • 4. • O Movimento dos Trabalhadores em Saúde Mental (MTSM) a construir coletivamente uma crítica ao chamado saber psiquiátrico e ao modelo hospitalocêntrico; • A experiência italiana/Serviço Hospitalar de Trieste é inspiradora - Franco Basaglia 1978: • II Congresso Nacional do MTSM (Bauru, SP) - “Por uma sociedade sem manicômios”. Neste mesmo ano, é realizada a I Conferência Nacional de Saúde Mental (Rio de Janeiro). Surge o primeiro CAPS no Brasil 1987: • É criado o SUS – Sistema Único de Saúde1988:
  • 5.
  • 6. • Intervenção da Secretaria Municipal de Saúde de Santos (SP) em um hospital psiquiátrico, a Casa de Saúde Anchieta. • Implantados os Núcleos de Atenção Psicossocial (NAPS) que funcionam 24 horas, são criadas cooperativas, residências para os egressos do hospital e associações. • Dá entrada no Congresso Nacional o Projeto de Lei do deputado Paulo Delgado (PT/MG), que propõe a regulamentação dos direitos da pessoa com transtornos mentais e a extinção progressiva dos manicômios no país. 1989
  • 7. Declaração de Caracas (1990) Organização Pan-Americana de Saúde e a Organização Mundial da Saúde "A atenção psiquiátrica convencional não permite alcançar os objetivos compatíveis com uma atenção comunitária, descentralizada, participativa, integral, contínua e preventiva (WHO, 1990)". "A reestruturação da atenção psiquiátrica na região implica a revisão crítica do papel hegemônico e centralizador do hospital psiquiátrico na prestação dos serviços (OMS, 1990)."
  • 8. • Substituição progressiva dos leitos psiquiátricos por uma rede integrada de atenção à saúde mental. • Ao final deste período, o país tem em funcionamento 208 CAPS, mas cerca de 93% dos recursos do Ministério da Saúde para a Saúde Mental ainda são destinados aos hospitais psiquiátricos. 1992:
  • 9. • Os Serviços Residenciais Terapêuticos - Residências Terapêuticas, são casas, locais de moradia, destinadas a pessoas com transtornos mentais que permaneceram em longas internações psiquiátricas e impossibilitadas de retornar às suas famílias de origem. • Mantidas com recursos, anteriormente, destinados aos leitos psiquiátricos. • Para cada morador de hospital psiquiátrico transferido para a residência terapêutica, um igual número de leitos psiquiátricos deve ser descredenciado do SUS - os recursos que os mantinham devem ser realocados para fins de manutenção dos Serviços Residenciais Terapêuticos. • Em todo o território nacional existem mais de 470 residências terapêuticas 2000
  • 10. • é aprovada a Lei que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. 2001
  • 11. Lei Nacional (2001 -2005) Cria linhas específicas de financiamento - Ministério da Saúde para os serviços abertos e substitutivos ao hospital psiquiátrico e novos mecanismos para a fiscalização, gestão e redução programada de leitos psiquiátricos no país. Impulsiona o processo de desinstitucionalização de pessoas longamente internadas com o Programa “De Volta para Casa”. Traça a política para a questão do álcool e de outras drogas, incorporando a estratégia de redução de danos
  • 12. • O Programa De Volta para Casa - regulamenta o auxílio-reabilitação psicossocial a pacientes que tenham permanecido em longas internações psiquiátricas. • Objetiva contribuir para o processo de inserção social, em parceria com a Caixa Econômica Federal os beneficiários recebem R$240,00. • Funciona em conjunto com o Programa de Redução de Leitos Hospitalares de longa permanência e os Serviços Residenciais Terapêuticos. 2003
  • 13. • Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS); • Institui as regiões de saúde e garante o cuidado em saúde mental nas RAS; 2010 • Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de saúde (SUS). 2011
  • 14. O Período Caracteriza-se Assim Por Dois Movimentos Simultâneos •A construção de uma rede de atenção à saúde mental substitutiva ao modelo centrado na internação hospitalar. •E a fiscalização e redução progressiva e programada dos leitos psiquiátricos existentes.
  • 15. Organização da RAPS Rede de Atenção Psicossocial
  • 16. A POLITICA NACIONAL DE SAUDE MENTAL Antes da Reforma Psiquiátrica • Cuidado Centrado na internação em Hospital Psiquiátrico: • Isolamento; • Normatização dos sujeitos; • Lógica da Instituição total; • Violação dos direitos humanos. Depois da Reforma • Criação de ampla rede de cuidado em saúde: • Territorial; • Complexificação do objeto de cuidado; • Ampliação das práticas e saberes; • Co-responsabilização pelo cuidado.
  • 17. Objetivos Reduzir progressivamente os leitos psiquiátricos, Qualificar, expandir e fortalecer a rede extra-hospitalar com a criação de: • Centros de atenção psicossocial (CAPS), • Serviços residenciais terapêuticos (SRTS) • Unidades psiquiátricas em hospitais gerais (UPHG) Incluir as ações da saúde mental na atenção básica, Implementar uma política de atenção integral a usuários de álcool e outras drogas, Implantar o programa “De Volta Para Casa”.
  • 18. CAPS São instituições destinadas a acolher os pacientes com transtornos mentais, estimular sua integração social e familiar, apoiá-los em suas iniciativas de busca da autonomia, oferecer-lhes atendimento médico e psicológico. Sua característica principal é buscar integrá-los a um ambiente social e cultural concreto, designado como seu “território”, o espaço da cidade onde se desenvolve a vida quotidiana de usuários e familiares. Os CAPS constituem a principal estratégia do processo de reforma psiquiátrica.
  • 19. Tipos De Atendimento Atendimento Intensivo: • Diário, • Pessoa em grave sofrimento psíquico, • Situação de crise • Dificuldades intensas no convívio social e familiar, • Precisando de atenção contínua. • Pode ser domiciliar Atendimento Semi- Intensivo • 12 dias no mês. • O sofrimento e a desestruturação psíquica da pessoa diminuíram, melhorando as possibilidades de relacionamento • Ainda necessita de atenção direta da equipe para se estruturar e recuperar sua autonomia. • Pode ser domiciliar Atendimento Não- Intensivo • Não precisa de suporte contínuo da equipe para viver em seu território e realizar suas atividades na família e/ou no trabalho. • Até três dias no mês. • Pode ser domiciliar
  • 20. Tipos De Atendimento Em Caps Os CAPS se diferenciam como CAPS I, CAPS II, CAPS III, CAPSi e CAPSad, de acordo com os tipos de demanda dos usuários atendidos, da capacidade de atendimento e do tamanho.
  • 21. CAPS I • todas as faixas etárias • intenso sofrimento psíquico decorrente de transtornos mentais graves e persistentes, inclui os relacionados ao uso de substâncias psicoativas, • impossibilidade de estabelecer laços sociais e realizar projetos de vida. • Indicado para municípios ou regiões de saúde com população acima de 15.000 (quinze mil) habitantes. CAPS II • Indicado para municípios ou regiões de saúde com população acima de 70.000 (setenta mil) habitantes. CAPS III • Proporciona serviços de atenção contínua, com funcionamento vinte e quatro horas, incluindo feriados e finais de semana, • ofertando retaguarda clínica e acolhimento noturno a outros serviços de saúde mental, inclusive CAPS AD. • Indicado para municípios ou regiões de saúde com população acima de 150.000 (cento e cinquenta mil) habitantes.
  • 22. CAPSi • Atende crianças e adolescentes • Indicado para municípios ou regiões com população acima de 70.000 (setenta mil) habitantes. CAPS AD II • Serviço de atenção psicossocial para atendimento de pacientes com transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas, com capacidade operacional para atendimento em municípios ou regiões com população superior a 70.000 (setenta mil) habitantes. CAPS AD III • Atende pessoas de todas as faixas etárias que apresentam intenso sofrimento psíquico decorrente do uso de crack, álcool e outras drogas. Proporciona serviços de atenção contínua, com funcionamento vinte e quatro horas, incluindo feriados e finais de semana, ofertando retaguarda clínica e acolhimento noturno. Indicado para municípios ou regiões com população acima de 150.000 (cento e cinquenta mil) habitantes.
  • 23. Como ter acesso aos CAPS? CAPS são serviços de PORTA ABERTA! Espontâneamente, Encaminhadas pela atenção básica Por outros pontos de atenção da RAS e/ou da comunidade (escolas, igrejas), hospitais, ambulatórios.....
  • 24. O Processo De Trabalho CAPS  Acolhimento.  Projeto Terapêutico do usuário  Técnico de Referência.  Reunioes semanais  Encaminhamento para a Atenção Básica;  Agravamento do estado - encaminhar para o hospital (SAMU);  Atendimento em grupo;  Práticas corporais;  Práticas expressivas e comunicativas;  Atendimento para a família;  Atendimento domiciliar;  Ações de reabilitação psicossocial;  Promoção de contratualidade;  Fortalecimento do protagonismo de usuários e familiares;  Ações de articulação de redes intra e inter-setoriais.
  • 25. A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Psiquiatras; Neurologistas; Enfermeiros; Nutricionistas; Farmacêuticos; Fonoaudiólogos; Psicólogos; Assistentes sociais; Musicoterapeutas; Terapeutas ocupacionais; Fisioterapeutas; Profissionais de Educação Física; Técnicos de enfermagem; Monitores e estagiários. Entre outros profissionais.
  • 26. Matriciamento ou apoio matricial de equipes - é um modo de produzir saúde em que duas ou mais equipes, num processo de construção compartilhada, criam uma proposta de intervenção pedagógico-terapêutica. Esse apoio matricial, formulado por Gastão Wagner Campos (1999), tem estruturado no Brasil um tipo de cuidado colaborativo entre a saúde mental e a atenção primária. Acompanhamento de serviço residencial terapêutico (SRT): suporte às equipes dos serviços residenciais terapêuticos, com a co-responsabilização nos projetos terapêuticos dos usuários, que promova a articulação entre as redes e os pontos de atenção com o foco no cuidado e desenvolvimento de ações inter-setoriais, e vise à produção de autonomia e reinserção social. Ações de redução de danos: conjunto de práticas e ações do campo da saúde e dos direitos humanos realizadas de maneira articulada inter e intra-setorialmente, que busca minimizar danos de natureza biopsicossocial decorrentes do uso de substâncias psicoativas, ampliar o cuidado e o acesso aos diversos pontos de atenção, incluídos aqueles que não têm relação com o sistema de saúde. Introduçao do GAM- “ gestão autônoma da medicação - O guia GAM (guia GAM-BR adaptado do guia GAM do Québec ) - é uma forma dialogada de conversar/construir um projeto terapêutico singular, em que o usuário participa ativamente, compartilhando com os profissionais de saúde suas possibilidades, dialogando sobre o lugar que a medicação e outras práticas ocupam nas suas vidas.
  • 27. Publicações de Interesse GUIA PRÁTICO DE MATRICIAMENTO EM SAUDE MENTAL • http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf GAM • http://www.fcm.unicamp.br/fcm/sites/default/files/paganex/guia_gam_para_dowload_com_correcoes.pdf REDES DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL • http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/RAPS.pdf
  • 28. Do século XVIII, Phillippe Pinel – das correntes para os manicómios, da doença moral a doença orgânica. Do século XX, Franco Basaglia à transformação do saber, do tratamento e das instituições psiquiátricas. Do movimento da Luta Antimanicomial nasce o movimento da Reforma Psiquiátrica e propõe a construção de uma rede de serviços e estratégias territoriais e comunitárias, profundamente solidárias, inclusivas e libertárias ao RAS, ao CAPS. E são assim
  • 29. O tempo presente e o tempo passado Estão ambos talvez presentes no tempo futuro, E o tempo futuro contido no tempo passado. Se todo o tempo é eternamente presente Todo o tempo é irredimível. O que podia ter sido é uma abstração Permanecendo possibilidade perpétua Apenas num mundo de especulação. O que podia ter sido e o que foi Tendem para um só fim, que é sempre presente.
  • 30.
  • 31. Ecoam passos na memória Ao longo do corredor que não seguimos Em direcção à porta que nunca abrimos Para o roseiral. As minhas palavras ecoam Assim, no teu espírito. Mas para quê Perturbar a poeira numa taça de folhas de rosa Não sei.
  • 32.
  • 33. Outros ecos Habitam o jardim. Vamos segui-los?
  • 34.
  • 35. Depressa, disse a ave, procura-os, procura-os, Na volta do caminho. Através do primeiro portão, No nosso primeiro mundo, seguiremos O chamariz do tordo? No nosso primeiro mundo. Ali estavam eles, dignos, invisíveis, Movendo-se sem pressão, sobre as folhas mortas, No calor do outono, através do ar vibrante,
  • 36.
  • 37. E a ave chamou, em resposta à Música não ouvida dissimulada nos arbustos, E o olhar oculto cruzou o espaço, pois as rosas Tinham o ar de flores que são olhadas.
  • 38.
  • 39. Ali estavam como nossos convidados, recebidos e recebendo. Assim nos movemos com eles, em cerimonioso cortejo, Ao longo da alameda deserta, no círculo de buxo, Para espreitar o lago vazio. Lago seco, cimento seco, contornos castanhos,
  • 40.
  • 41. E o lago encheu-se com água feita de luz do sol, E os lótus elevaram-se, devagar, devagar, A superfície cintilava no coração da luz, E eles estavam atrás de nós, reflectidos no lago. Depois uma nuvem passou, e o lago ficou vazio.
  • 42.
  • 43. Vai, disse a ave, pois as folhas estavam cheias de crianças, Escondendo-se excitadamente, contendo o riso.
  • 44.
  • 45. Vai, vai, vai, disse a ave: o género humano Não pode suportar muita realidade. O tempo passado e o tempo futuro O que podia ter sido e o que foi Tendem para um só fim, que é sempre presente. T.S. Eliot . Quatro Quartetos, Burnt Norton I