2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 1: Lacan, a Psicanálise e a Contemporaneidade

1.243 visualizações

Publicada em

CURSO A prática psicanalítica com Lacan (conduzido pelo psicanalista Alexandre Simoes – alexandresimoes@terra.com.br)
Proposta: buscaremos percorrer a interlocução que Jacques Lacan estabelece com Freud, enfatizando a prática cotidiana da psicanálise, especialmente no que se refere à condução das demandas contemporâneas que chegam ao analista. Para tal, neste momento, acompanharemos as lições iniciais do Seminário 11 de Lacan, onde são apresentados quatro conceitos fundamentais para a condução de uma análise: inconsciente, repetição, transferência e pulsão.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.243
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
90
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 1: Lacan, a Psicanálise e a Contemporaneidade

  1. 1. A prática psicanalítica com Lacan Coordenação Alexandre Simões Tema de abertura: Lacan, a Psicanálise e a Contemporaneidade
  2. 2. Jacques Lacan (1901-1981) convidou os analistas de seu tempo bem como de nosso tempo a um desafio: “alcançar em seu horizonte a subjetividade de sua época” ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  3. 3. Isto, segundo Lacan, implica em retomar o caminho de Freud em uma época na qual este percurso se encontrava desnorteado quanto aos seus fundamentos e seu poder de subverter o já- dado Este é o „retorno a Freud‟ pelo qual Lacan ficou bastante conhecido ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  4. 4. O „retorno a Freud‟ é, ainda, um movimento que repercute, em meio à nossa atualidade, na própria formação dos analistas e no modo de se conduzir as análises
  5. 5. Não se trata, no retorno a Freud, de repetir o que Freud falou, mas de retomar o âmago do percurso freudiano, do qual o próprio Freud não tinha plena noção. ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  6. 6. Trata-se, no seu retorno a Freud (anunciado de maneira formal, pela primeira vez, no texto Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise, de 1953, mais conhecido como Discurso de Roma): de reinstaurar a virulência, a potência da via aberta por Freud ao falar em inconsciente, desejo, fantasia, etc. ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  7. 7. Tese que se depreende do movimento de Lacan ao longo de seu retorno a Freud: o novo deve ser apreendido com instrumentos novos, a cada momento. Daí, o recurso que Lacan faz a certos aspectos da Linguística, da Filosofia, do Estruturalismo, da Matemática, da Lógica, da Literatura para expor a experiência do sujeito ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  8. 8. Freud vai demonstrar clinicamente que cada um de nós não responde inteiramente por seus atos, escolhas e posicionamentos recorrendo à consciência (o sujeito não é quem pensa que é, ele não faz o que pensa que faz) Ou seja, a correspondência entre os atos e a coerente ciência dos mesmos não é suficiente para dizer sobre cada um; Este hiato tem voz, daí a possibilidade de ouvi-lo. ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  9. 9. Esse hiato fala... isto não quer dizer que ele se articula, mas sim que ele se significa
  10. 10. Esse hiato é que necessariamente conduz o ser falante a sempre dizer mais do que aquilo que está falando, naquilo que ele anuncia
  11. 11. Por que Lacan, hoje, para um analista?
  12. 12. Examinemos esta indagação junto à provocativa tese de Roudinesco (Lacan, a despeito de tudo e de todos, p. 14) O século XX era freudiano, o XXI é, desde já, lacaniano
  13. 13. “... Lacan soube anunciar [no início dos anos 70] o tempo que veio a ser o nosso, prever a ascenção do racismo e do comunitarismo, a paixão pela ignorância e o ódio ao pensamento, a perda dos privilégios da masculinidade e os excessos de uma feminilidade selvagem, o advento de uma sociedade depressiva, os impasses do Iluminismo e da Revolução, a luta mortal entre a ciência erigida em religião, a religião erigida em discurso da ciência e o homem reduzido a ser biológico.” (Elizabeth Roudinesco. Lacan, a despeito de tudo e de todos, p. 13)
  14. 14. Lacan nos apresenta uma robusta rede conceitual da qual se depreendem perspectivas clínicas capazes de estabelecer interlocuções com situações agudas da contemporaneidade: •Os dilemas e contradições do laço-social; •As novas modalidades de subjetivação; •Os impasses de uma racionalidade que se volta contra si mesma; •Concepções sobre o Real e o Gozo que, desde o primeiro instante da condução de uma análise, implicam em diferenças quanto a se ter ou não estas noções; •Formas inventivas de enfrentamento dos desarranjos da ordem simbólica (sobretudo, pela combinação de dois discursos, o da ciência e o do capitalismo);
  15. 15. Lacan e suas constantes indagações: •O que faz um analista, ao conduzir uma análise? •A partir do que se dá a formação do psicanalista? •Até onde uma análise há de ser conduzida? •O que pode uma analista? •Quais os efeitos que alguém pode esperar de uma análise?
  16. 16. Atualmente, vem sendo retomada a discussão sobre uma divisão interna ao ensino de Jacques Lacan a ponto de se falar (apesar de haver algumas pequenas diferenças nas designações) em uma „Primeira Clínica‟ e em uma „Segunda Clínica‟ de Lacan ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  17. 17. A primeira clínica é mais conhecida e difundida. Tende a coincidir com o que é mais visível nos seminários e escritos iniciais de Jacques Lacan (dos anos 50 ao final dos anos 60) ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  18. 18. A segunda clínica é mais difusa, menos discernível . . . Ela coincide com o último decênio da vida e do ensino de Jacques Lacan (1970 a 1981) ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  19. 19. Todavia, de forma alguma, esta divisão temporal é delineada de modo cristalino pelo próprio Lacan Os elementos que constituem aquilo que, posteriormente, foi chamado de primeira e segunda clínicas estão onipresentes, com distintos contornos e intensidades, tal qual um interjogo barroco ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  20. 20. Em suma, a clínica lacaniana não tem contornos inevitavelmente rígidos e o que se constrói a partir dela não se mostra imutável. Os alicerces, os conceitos (também as formas de construí-los e formalizá-los) das duas clínicas são distintos. Notemos que estabelecem relações complexas entre si. ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  21. 21. Vale ainda sublinhar que a prática clínica da psicanálise não é linear e nem mesmo progressiva. Por isso, não é plausível pensar que ao longo da condução de uma análise parte-se daquilo que é vigente na Primeira Clínica e segue-se em direção ao que é manifesto na Segunda Clínica de Lacan. ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  22. 22. Seminário 11: os quatro conceitos fundamentais da Psicanálise (1964) é um seminário que começa a demarcar a passagem na chamada Primeira para a Segunda Clínica de Lacan, tendo como pivô desta passagem uma reconceitualização sobre o sujeito e o objeto
  23. 23. Prosseguiremos com Psicanálise e práxis: o Seminário 11 como resposta a uma crise? (referência Seminário 11 – A excomunhão, pp. 9- 20) Até lá! Acesso a este conteúdo: www.alexandresimoes.com.br ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.

×