2014- Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 1, tema: O outro e o Imaginário

823 visualizações

Publicada em

Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- (segundo semestre de 2014. Condução: psicanalista Alexandre Simões – alexandresimoes@terra.com.br)

Proposta: estudaremos as diferentes instâncias da alteridade na clínica psicanalítica, dando foco aos regimes da alteridade (Freud) e da heteridade (Lacan). Assim, em uma série de 6 encontros, examinaremos uma orientação clínica fundamental: o processo psicanalítico somente avança ao se considerar as relações do sujeito com os seus contrapontos: o semelhante, o Outro, o objeto pulsional, a divisão subjetiva e o avesso da ordem fálica.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
823
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2014- Curso “O sujeito e o outro na prática psicanalítica”- aula 1, tema: O outro e o Imaginário

  1. 1. O sujeito e o outro na prática psicanalítica Coordenação Alexandre Simões Tema de abertura: O outro e o Imaginário
  2. 2. Um ponto crucial para a escuta do psicanalista e que repercute diretamente sobre a direção que se dá a uma análise: o sujeito e o outro
  3. 3. A alteridade, na Psicanálise, não é um bloco sem fissuras. Pelo contrário, temos distintas dimensões, incidências e modalidades do outro
  4. 4. É precisamente a partir desta base que podemos localizar melhor a proposta destes encontros, orientados pelo tema ‘O sujeito e o outro na prática psicanalítica’: estudaremos as diferentes instâncias da alteridade na clínica psicanalítica, dando foco aos regimes da alteridade (Freud) e da heteridade (Lacan). Assim, em uma série de 6 encontros, examinaremos uma orientação clínica fundamental: o processo psicanalítico somente avança ao se considerar as relações do sujeito com os seus contrapontos: o semelhante, o Outro, o objeto pulsional, a divisão subjetiva e o avesso da ordem fálica
  5. 5. Um efeito prático destas formulações iniciais: uma análise avança à medida em que vamos abordando as nuances das relações entre o sujeito e o outro
  6. 6. Estas relações não são relitíneas, nem mesmo dicotômicas... talvez estejam mais próximas de uma lógica helicoidal: uma dimensão girando ao redor da outra, à medida em que avançam.
  7. 7. sujeito outro sujeito outro outro sujeito outro sujeito
  8. 8. sujeito outro sujeito outro outro sujeito outro sujeito Na dimensão Imaginária
  9. 9. façamos algumas localizações prévias Para nos introduzirmos mais claramente na articulação entre o outro e o Imaginário,
  10. 10. PRIMEIRA LOCALIZAÇÃO
  11. 11. IMAGINÁRIO IMAGEM
  12. 12. IMAGINÁRIO IMAGINÁRIO IMAGEM OLHAR
  13. 13. SEGUNDA LOCALIZAÇÃO
  14. 14. Não há EU sem o outro
  15. 15. Não há eu sem outro EU •Identidade •Personalidade •Resistência •Projeção que surge no espelho •Corporeidade própria outro •Semelhante •Igual •Rival •Reflexo no Espelho •Corporeidade alheia
  16. 16. Algumas referências acerca desta alteridade Imaginária em Freud e em Lacan: Freud: argumentos acerca do Narcisismo (1914) Lacan: argumentos acerca do Estádio do Espelho (vide Escritos, Seminário 2)
  17. 17. Frase de Rambault: o eu é um outro O eu e o outro se confundem: e isto é bem evidente nas falas dos analisandos
  18. 18. “Esse outro intruso, que se manifesta como semelhante, é experimentado e percebido como aquele que invade o que é meu e rivaliza comigo, ou seja, compete com o meu eu pelo mesmo lugar. Pois o eu e o outro entram numa luta pelo reconhecimento mútuo e recíproco” (Antônio QUINET, em Os outros em Lacan, p. 9)
  19. 19. Prosseguiremos com O Outro e o Simbólico Até lá! Acesso a este conteúdo: www.alexandresimoes.com.br ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.

×