2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 7: as incidências do significante em freud

637 visualizações

Publicada em

Em uma série de oito encontros, abordaremos algumas circunstâncias cruciais acerca do lugar e do papel do psicanalista na condução do tratamento. Privilegiaremos a articulação dos demarcadores conceituais com a experiência prática da análise, almejando verificar como, de fato, um psicanalista atua face o mal-estar contemporâneo.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
637
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2015 CURSO 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 7: as incidências do significante em freud

  1. 1. Curso A prática do psicanalista Coordenação Alexandre Simões Encontro 7: As presenças do significante em Freud
  2. 2. “... A verdade do sujeito, mesmo quando ele está em posição de mestre, não está nele mesmo, mas, como a análise o demonstra, num objeto, velado por natureza...” (Jacques Lacan. Seminário 11, p. 13)
  3. 3. Representação e Significante uma íntima articulação
  4. 4. Definição de Significante
  5. 5. Um significante é aquilo que representa o sujeito para outro significante
  6. 6. O que está em jogo na definição de significante? • encadeamento; • o que não é significante -> o sujeito; • tautologia (ou circularidade); • remissão constante -> rede de sentido • relação de desconhecimento;
  7. 7. Em Freud: Estudos sobre a Histeria
  8. 8. Interpretação dos Sonhos
  9. 9. Os chistes e sua relação com o inconsciente
  10. 10. A psicopatologia da vida cotidiana
  11. 11. Casos clínicos de Freud: uma ampla proliferação dos usos e das incidências dos significantes na clínica psicanalítica
  12. 12. Tratamento do Real:
  13. 13. Psicanálise como praxis
  14. 14. “O que é uma praxis? Parece-me duvidoso que este termo possa ser considerado impróprio no que concerne à psicanálise. É o termo mais amplo para designar uma ação realizada pelo homem, qualquer que ela seja, que o põe em condição de tratar o real pelo simbólico. Que nisto ele encontre mais ou menos imaginário tem aqui valor apenas secundário.” (Jacques Lacan. Seminário 11, p. 14) Com Lacan:
  15. 15. Representação e nomeação: operações distintas
  16. 16. Prosseguiremos com o tema de nosso próximo encontro: A palavra do analista: demarcações da prática da interpretação Até lá! ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.

×