Saúde Mental

270 visualizações

Publicada em

Saúde Mental

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saúde Mental

  1. 1. Principais Aspectos Relacionados ao Atendimento em Saúde Mental Profª Enfª Eliane Cristina da Cruz Santos Belém-PA 2015
  2. 2. BREVE HISTÓRICO  Década de 80 – asilos, manicômios, aplicação de medicamentos, eletrochoque, camisa de força, ...  Final da década de 70 - Movimento dos trabalhadores de Saúde Mental (MTSM) e Movimento Sanitário  Desistintucionalização  Políticas Públicas – rede substitutiva  1990 – Santos e em São Paulo – MS portarias de financiamento (1991 e 1992)  2001 - Lei Federal nº 10.216 (BRASIL, 2001a) que passou a haver um investimento público massivo para a implantação e implementação de dispositivos assistenciais específicos – principalmente Centros de Atenção Psicossocial (CAPS)
  3. 3. PONTOS A CONSIDERAR  A assistência à doença mental, em toda a sua história, sempre registrou a impossibilidade da família estar junto, conviver e cuidar do doente mental.  A reabilitação psicossocial deve ser entendida como uma exigência ética, “um processo de reconstrução, um exercício pleno da cidadania e, também, de plena contratualidade nos três grandes cenários: habitat, rede social e trabalho com valor social”
  4. 4. Entrevista clínica que auxiliam na identificação de problemas emocionais dos pacientes:  1. Estabelecer bom contato “olho no olho”: isto propicia o estabelecimento de uma relação de confiança entre o paciente e o profissional de saúde;  2. Começar com questões mais amplas e abertas e posteriormente utilizar perguntas mais fechadas: entrevistas muito diretivas, voltadas apenas para o esclarecimento das queixas físicas, não propiciam exploração da vida pessoal do paciente;
  5. 5. Entrevista clínica que auxiliam na identificação de problemas emocionais dos pacientes:  3. Clarificar as queixas atuais: não é necessário que você explore toda a vida do paciente para que possa ter boa compreensão do que se passa com ele. Explore os episódios mais recentes e construa a história pregressa aos poucos, de forma natural;  4. Usar questões diretivas na pesquisa de queixas físicas: a investigação das queixas físicas deve ser precisa, com o aprofundamento necessário, porém não deve ser o único foco da entrevista;
  6. 6. Entrevista clínica que auxiliam na identificação de problemas emocionais dos pacientes:  5. Fazer comentários empáticos: dizer “eu posso imaginar o que você tem passado” ou ”esta é realmente uma situação difícil de resolver” demonstra que você se importa com a pessoa que está sendo atendida, que você consegue perceber seu sofrimento;  6. Estar atento às dicas verbais e não-verbais dos pacientes: a postura do corpo, a atitude e a expressão facial podem “falar” muito durante a entrevista; não despreze esse elemento e observe as mudanças ao longo do tempo;
  7. 7. Entrevista clínica que auxiliam na identificação de problemas emocionais dos pacientes:  7. Não ler enquanto estiver entrevistando o paciente: demonstra que todo seu interesse e atenção estão focados no paciente, que ele é o que importa para você naquele momento;  8. Saber lidar com o paciente que fala demais: dizer “já entendi o que você está querendo dizer, mas precisamos explorar mais um outro aspecto da sua vida” – geralmente produz resultados e reconduz a entrevista para uma perspectiva mais produtiva e menos cansativa ou repetitiva;
  8. 8. Entrevista clínica que auxiliam na identificação de problemas emocionais dos pacientes:  9. Explorar problemas emocionais: perguntar “o que você sentiu” ou “o que passou pela sua cabeça” explorando determinada situação da vida do paciente é uma atitude simples, mas que incita a expressão emocional durante a entrevista.
  9. 9. Antes de estabelecer um diagnóstico psiquiátrico, não deixe de pesquisar:  • Estado clínico geral: investigue se há alguma doença clínica de base que possa justificar a alteração de comportamento atual, ex.: hipo ou hipertireoidismo, descompensação metabólica;  • História recente de queda com perda da consciência e episódios convulsivos: podem indicar doença de base neurológica;
  10. 10. Antes de estabelecer um diagnóstico psiquiátrico, não deixe de pesquisar:  • Padrão do uso de álcool e outras drogas: investigar quais substâncias, quantidade e frequência do consumo para auxiliar na tipificação de possível intoxicação, uso abusivo ou quadro de dependência química;  • História atual de uso de medicação clínica, neurológica ou psiquiátrica: efeitos colaterais de diversas medicações podem provocar alterações comportamentais.
  11. 11. DESAFIOS  Integração com a APS – - ESF/NASF: Atenção Integral e territorialização (Médicos e Enfermeiros generalistas) o Formação do profissional de saúde mental (Medicina - Terapêutica medicamentosa e a Psicologia – teoria Psicanalítica) Ações que não destacam prevenção e promoção a saúde. o Aspectos sociais que compõem a complexa trama de fatores que podem desencadear o sofrimento e o adoecimento mental, entre os quais está o trabalho.
  12. 12. PAPEL DO ENFERMEIRO • Saber identificar os principais distúrbios psiquiátricos e o melhor encaminhamento em cada situação; • Conhecer as principais indicações de psicotrópicos e seus principais efeitos colaterais; • Instituir tratamento não-farmacológico, quando indicado;
  13. 13. PAPEL DO ENFERMEIRO • Gerenciar a situação clínica do paciente, em conjunto com o médico, coordenando os contatos com outros profissionais de saúde de forma a assegurar a continuidade dos cuidados; • Organizar a assistência aos portadores de transtorno mental na unidade de saúde; • Capacitar e supervisionar os técnicos e auxiliares de enfermagem e outros agentes de saúde de nível médio no acompanhamento a pacientes com transtornos mentais; • Fazer prevenção e reabilitação psicossocial em situações clínicas compatíveis com essas ações.
  14. 14. REDE DE ATENÇÃO PSICOS- SOCIAL- RAPS  Rede de saúde mental integrada, articulada e efetiva nos diferentes pontos de atenção para atender as pessoas em sofrimento e/ou com demandas decorrentes dos transtornos mentais e/ou do consumo de álcool, crack e outras drogas;  Ênfase nos serviços com base comunitária, caracterizados por plasticidade de se adequar às necessidades dos usuários e familiares e não os mesmos se adequarem aos serviços;
  15. 15. REDE DE ATENÇÃO PSICOS- SOCIAL- RAPS  Respeito aos direitos humanos, garantindo a autonomia, a liberdade e o exercício da cidadania;  Promoção da equidade, reconhecendo os determinantes sociais da saúde;  Garantia do acesso e da qualidade dos serviços, ofertando cuidado integral e assistência multiprofissional, sob a lógica interdisciplinar;  Ênfase em serviços de base territorial e comunitária, diversificando as estratégias de cuidado com participação e controle social dos usuários e de seus familiares;
  16. 16. REFERÊNCIAS  ALMEIDA, I. M. de. Construindo a culpa e evitando a prevenção: caminhos da investigação de acidentes do trabalho em empresas e município de porte médio, Botucatu, São Paulo, 1997. 2001. 222 f. Tese (Doutorado em Saúde Ambiental)-Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.  ______. Trajetória da análise de acidentes: o paradigma tradicional e os primórdios da ampliação da análise. Interface, Botucatu, v. 10, n. 19, p. 185- 202, jun. 2006.  AMARANTE, P. Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da Reforma Psiquiátrica. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 491-494, jul./set. 1995.  ______. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000.
  17. 17. OBRIGADA!

×