Aula Saúde Mental

67.724 visualizações

Publicada em

Aula ministrada no curso de graduação da UFSC, 2003.

3 comentários
27 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
67.724
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
191
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.914
Comentários
3
Gostaram
27
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula Saúde Mental

  1. 1. Saúde Mental Disciplina: Temas em Psicologia III – Psicologia da Saúde Semestre: 2003.1 Palestrante: Simone Elisa Heitor Pace Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Graduação em Psicologia
  2. 2. Saúde Mental <ul><li>“ Saúde Mental é o conjunto de ações de promoção, prevenção e tratamento referentes ao melhoramento ou à manutenção ou à restauração da Saúde Mental de uma população” (Saraceno, 1999). Tem correlação com dimensões legislativas, sociais, econômicas, culturais e políticas. </li></ul><ul><li>Abordagem holística e pluridisciplinar, abordagem complexa e orientada à comunidade e não exclui a abordagem biológica. </li></ul><ul><li>Psiquiatria (modelo biomédico) X Saúde Mental (holismo biopsicossocial) </li></ul>
  3. 3. <ul><li>A) Paradigma médico : influenciado pela abordagem biológica </li></ul><ul><li>1. linear (dano definido provoca uma condição de doença e os tratamentos são reparações desse dano). </li></ul><ul><li>2. individualista (saúde e doença são determinados pelos recursos/carências do indivíduo e os tratamentos são intervenções exclusivamente dirigidas a ele) </li></ul><ul><li>3. a-histórico (ignora as interações indivíduo-ambiente) </li></ul><ul><li>B) Paradigma da saúde pública : saúde mental comunitária </li></ul><ul><li>1. sistêmico (saúde e doença como processo interativo e complexo). </li></ul><ul><li>2. comunitário (intervenções com grupos sociais) </li></ul><ul><li>3. histórico </li></ul><ul><li>ações individuais: curar, promover melhora, evitar recaída </li></ul><ul><li>ações dirigidas a grupos e comunidades: prevenção da doença e promoção da saúde – identificação de grupos vulneráveis e construção, junto a eles, de “oportunidades preventivas”. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>C) Do modelo biomédico para o biopsicossocial implica em mudanças importantes: </li></ul><ul><li>1. na formulação das políticas de saúde mental </li></ul><ul><li>2. na formulação e financiamento de programas </li></ul><ul><li>3. na prática cotidiana dos serviços </li></ul><ul><li>4. no status social dos médicos </li></ul><ul><li>5. descentralização dos recursos dos serviços para a comunidade (local privilegiado da intervenção) </li></ul><ul><li>6. não há separação lugar da doença / lugar da saúde; profissionais / pacientes; pacientes / comunidade. </li></ul><ul><li>relação entre cidadania e saúde. </li></ul>
  5. 5. Teorias e Práticas Psiquiátricas influenciadas por fatores econômicos, políticos e ideológicos <ul><li>Sociedades pré-capitalistas (Antigüidade & Idade Média): tolerância do louco  baixa expectativa de vida; pequeno número de doentes; conceito de doença mental restrito; aptidão / inaptidão para o trabalho não era critério na definição do normal / anormal. </li></ul><ul><li>Europa, final do séc. XV: se inicia uma nova forma de organização do trabalho; repressão à mendicância, vagabundagem e ociosidade  ápice no séc XVII: criação de instituições (casas de correção, de trabalho e hospitais gerais). </li></ul><ul><li>Emergência do louco como problema social: prática de confinamento </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Final séc. XVIII / Inicio séc. XIX: surgimento da psiquiatria  I Reforma ou Revolução Psiquiátrica: loucura passa a ser considerada doença, passível de tratamento médico sistemático; criação de hospitais psiquiátricos (Pinel na França; Tuke na Inglaterra) </li></ul><ul><li>Tratamento Moral: medicina educativa e pedagógica; disciplina. </li></ul><ul><li>Inicio do séc. XX: II Revolução Psiquiátrica (Kraepelin; Jaspers, Bleuler, Schneider – Alemanha): nova proposta nosográfica. </li></ul><ul><li>Antipsiquiatria (Laing, Cooper, Esterson – Inglaterra): loucura como fenômeno social </li></ul><ul><li>II Guerra Mundial: movimento de crítica ao hospital psiquiátrico  busca de alternativas, experiências de transformação da assistência psiquiátrica </li></ul>
  7. 7. Brasil <ul><li>1852: inaugurado o primeiro hospício (Hospício Pedro II – RJ), hospícios isolados em locais afastados; função saneadora </li></ul><ul><li>Intensificação dos processos de exclusão e proposta de recuperação do “material excluído” (doentes mentais e marginalizados sociais) </li></ul><ul><li>Surgimento das colônias agrícolas  objetivo de tratar, recuperar pelo trabalho agrícola e devolver à comunidade como “cidadão útil” (São Paulo: Juqueri, 1898). </li></ul><ul><li>Crescimento da população de internos: ampliação dos hospitais e construção de novos, demandas por mais verbas e mais leitos. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Após anos 40: criação dos primeiros ambulatórios (em 1961 eram 17 em todo o país) </li></ul><ul><li>Fim da década de 50: situação caótica nos hospícios (superlotação, maus tratos, deficiência de pessoal, condições físicas); ineficiência do setor público </li></ul><ul><li>1964 em diante: psiquiatria de massa (progressiva extensão do cuidado psiquiátrico a grupos cada vez maiores da população) – alto custo da doença mental para o processo produtivo  investimento em saúde mental como proposta economicamente rentável; clientela dos hospitais psiquiátricos passaram a incluir neuróticos e alcoolistas </li></ul><ul><li>Ideologia privativista: contratação de leitos em hospitais privados: mercantilização da loucura  função iatrogênica  incentivo às internações  expansão de leitos. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Final década de 70 / Início 80: movimento dos trabalhadores em saúde mental  necessidade de transformação da realidade assistencial </li></ul><ul><li>Desmontagem do aparato de exclusão: substituição do modelo hospitalocêntrico; resgate da cidadania. </li></ul><ul><li>Segunda metade déc. 80 (Nova República): processo da reforma psiquiátrica segue tendência dos movimentos de redemocratização do país  8ª. Conferência Nacional de Saúde (1986); I Conferência Nacional de Saúde Mental (1987); criação do primeiro Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), na cidade de São Paulo (1987); apresentação do Projeto de Lei 3.657/89 (Projeto Paulo Delgado) </li></ul><ul><li>Déc. 90: implantação do SUS (Sistema Único de Saúde): reestruturação da assistência psiquiátrica passa a ser política oficial de governo; criação de mecanismos e normas de qualificação e fiscalização para os serviços de internação e estimulação para a criação de redes de atenção psicossocial </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Legislação: </li></ul><ul><ul><li>Declaração de Caracas (14/11/1990) </li></ul></ul><ul><ul><li>Lei 10.216 (06/04/2001) ou “Lei Paulo Delgado” </li></ul></ul><ul><ul><li>Portaria / SNAS nº 224 (29/01/1992) </li></ul></ul><ul><ul><li>Portaia / SAS nº 147 (25/08/1994) </li></ul></ul>
  11. 11. Políticas de Saúde Mental <ul><li>Reforma Psiquiátrica: substituição progressiva dos hospitais psiquiátricos pelo cuidado comunitário / ambulatorial. </li></ul><ul><li>Ações: construção de redes  unidades básicas de saúde; NAPS / CAPS; moradias assistidas; serviços de emergência; enfermarias psiquiátricas em hospital geral; projetos na área de educação, trabalho, moradia e justiça. </li></ul>
  12. 12. Tabela 1 – Percentual de gastos por estado com recursos extra-hospitalares, sobre o total de gastos em saúde mental (2001) fonte: DATASUS/MS  3.59 1.216.229 32.637.082 PE 14.70 1.471.663 8.538.848 PB 8.33 770.791 8.478.894 RN 22.02 2.603.764 9.220.127 CE 16.89 918.375 4.520.062 PI 20.61 2.258.761 8.698.791 MA 20.80 366.933 1.397.544 TO 0.00 0 32.032 AP 49.50 720.687 735.172 PA 0.00 0 0 RR 0.00 0 740.023 AM 0.00 0 162.611 AC 0.00 0 255.984 RO % Gastos com recursos extra-hospitalares Gastos com internações hospitalares UF
  13. 13. (continuação Tabela 1 – Percentual de gastos por estado com recursos extra-hospitalares, sobre o total de gastos em saúde mental (2001)  9.42 46.724.039 449.083.451 TOTAL 21.23 549.355 2.037.797 DF 4.41 749.679 16.268.807 GO 20.92 965.909 3.650.969 MT 6.51 126.225 3.650.969 MS 11.13 1.601.982 1.814.133 RS 9.51 859.529 12.797.266 SC 8.22 3.435.194 8.180.083 PR 8.70 12.763.391 133.887.961 SP 5.22 4.387.014 79.619.854 RJ 7.01 457.525 6.073.326 ES 16.03 7.379.133 38.661.740 MG 8.73 1.881.782 19.674.201 BA 8.26 290.041 3.221.566 SE 9.15 950.077 9.432.342 AL
  14. 14. <ul><li>Amarante (1998) e Delgado (2001) ressaltam que a reforma psiquiátrica não implica no simples desmonte da antiga estrutura assistencial e na sua substituição por novos equipamentos. As transformações técnicas e institucionais, por si só, não são capazes de resolver a questão da exclusão, do alienismo, dos mecanismos ideológicos e de controle social: a questão crucial da desinstitucionalização não é de caráter técnico-administrativo: trata-se do que poderíamos designar como a progressiva “devolução à comunidade” da responsabilidade em relação aos seus doentes e aos seus conflitos (Delgado, 2001, p. 184-185). </li></ul><ul><li>Neste sentido, o conceito de reabilitação psicossocial tem norteado o tratamento do portador de transtornos mentais </li></ul>
  15. 15. Sugestoes Bibliograficas <ul><li>Amarante, P. (1995). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil . Rio de Janeiro: FIOCRUZ. </li></ul><ul><li>Castel, R. (1978). A ordem psiquiátrica: a idade de ouro do alienismo . Rio de Janeiro: Graal. </li></ul><ul><li>Delgado, P.G.G. (2001) Perspectivas da psiquiatria pós-asilar no Brasil. Em: S.A. Tundis & N.R. Costa (Orgs.). Cidadania e Loucura: Políticas de saúde mental no Brasil . 7ª ed. Petrópolis: Editora Vozes. </li></ul><ul><li>Foucault, M. (1981). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal. </li></ul><ul><li>Foucault, M. (1978). História da loucura na Idade Clássica . São Paulo: Perspectiva. </li></ul><ul><li>Goffman, E. (1974). Manicômios, prisões e conventos . São Paulo: Editora Perspectiva. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Machado, R., Loureiro, A., Luz, R., Muricy, K. (1978). Danação da norma : Medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil . Rio de Janeiro: Graal. </li></ul><ul><li>Ornellas, C. P. (1997). O Paciente Excluído : História e crítica das práticas médicas de confinamento . Rio de Janeiro : Revan. </li></ul><ul><li>Pessotti, I. (1995). A loucura e as épocas . 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. 34. </li></ul><ul><li>Resende, H. (2001). Política de saúde mental no Brasil: Uma visão histórica. Em: S.A. Tundis & N.R. Costa (Orgs.). Cidadania e Loucura: Políticas de saúde mental no Brasil . 7ª ed. Petrópolis: Editora Vozes. </li></ul>

×