SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
O Processo de
enfermagem na
enfermagem em saúde
mental
ME. ENF. AROLDO GAVIOLI
Hildegard Peplau
Enfermeira, médica e educadora – 10/09/1909
-Reading, Pensilvânia, USA.
• A teoria de enfermagem de Peplau: teorias de interação.
• Seu trabalho teórico e técnico conduziu ao
desenvolvimento da enfermagem psiquiátrica
• Mãe da Enfermagem Psiquiátrica.
Subpapéis da(o) enfermeira(o) - Peplau
Mãe/pai adjunta(o): satisfaz as necessidades básicas.
Técnica(o): realiza com competência e eficiência técnicas de procedimentos;
Administrador(a)/gestor(a): controla e manipula o ambiente para melhorar as condições
de recuperação do cliente.
Agente socializante: participa de atividades sociais com o paciente;
Instrutor(a) de saúde: identifica necessidades de aprendizado e fornece informações
necessárias ao cliente ou seus familiares para melhorar a situação de saúde;
Conselheira(o): ajuda os clientes a aprender a se adaptar nas dificuldades da vida.
Dinâmica de
uma relação
terapêutica
Na percepção do outro como um ser humano é
que a relação terapêutica ocorre
Travelbee: relação ser humano - ser humano
A relação terapêutica é orientada por metas
que são decididas em conjunto (entre a
enfermeira e o cliente.
A meta: aprendizado e crescimento, mudança
na vida do paciente, podendo se basear no
modelo de resolução de problemas.
Exemplo: Meta: o cliente vai demonstrar
estratégias de ajuste mais adaptativas para lidar
com uma situação vital específica.
• identificar o que está perturbando o cliente neste momento;
• encorajar o cliente a discutir as alterações que gostaria de fazer;
• discutir com o cliente quais são as alterações possíveis e as não
possíveis;
• debater estratégias alternativas para criar as alterações que o
cliente deseja;
• ajudar o cliente a selecionar uma alternativa e encorajá-lo a realiza-
la
• Ajudar o cliente a avaliar os resultados da alteração e a fazer
modificações necessárias.
Intervenções:
Uso terapêutico do “EU”
Exige que a enfermeira tenha maiores autoconsciência e
autocompreensão.
Crença filosófica em relação à vida, morte e condição humana.
Compreensão da sua capacidade pode ajudar os outros.
Aceitação das diferenças.
Intrinsicamente relacionado a crenças, atitudes e valores.
Uso terapêutico
do EU - Crenças
São ideias com evidências objetivas de sua
veracidade. É uma tomada de posição em
que se acredita que algo seja verdadeiro;
• Crenças racionais: ideias que comprovam sua
veracidade.
• Ex.: o alcoolismo é uma doença;
• Crenças irracionais: ideias que o indivíduo afirma
serem verdadeiras apesar das evidências contrárias.
• Ex.: depois da desintoxicação eu posso beber
socialmente;
• Fé ou crenças cegas: ideias que o indivíduo
considera verdadeiras sem ter delas evidências. Ex.:
um poder superior ajuda na cura do alcoolismo.
Uso terapêutico do EU
Estereotipo: impressão padronizada.
• Todo alcoolista é vagabundo e sem vergonha.
Atitudes: maneira organizada e coerente de pensar e agir em relação a
grupos, questões ou outros seres humanos.
• Cuidado pois todo doente mental é perigoso.
Valores: conceitos que adquirimos ao longo da vida e que norteiam
nossa forma de ver o mundo.
• Podem ser cognitivos, emocionais e comportamentais.
Condições para o desenvolvimento de uma
relação terapêutica.
harmonia
• Capacidade
verdadeira de
importar-se com
os outros,
ocorrendo entre
o enfermeiro e o
cliente.
• Aceitação, calor,
amizade,
interesses
comuns,
confiança e
atitude não
crítica.
confiança
• base de uma
relação
terapêutica
• Oferecer o que o
cliente precisa,
cumprir com o
prometido por
exemplo.
Considerar suas
opiniões.
Respeito
• Ato de não fazer
para os outros
aquilo que não
gostaríamos que
fizessem
conosco.
• Chamar pelo
nome, permitir o
tempo de
resposta, não
usar clichês.
Autenticidade
• Ser franco e
honesto.
• Cuidado para
não ultrapassar
o papel de
enfermeiro.
Empatia
• Tendência para
sentir o que
sentiria se
estivesse na
situação
experimentada
por outra
pessoa.
Impasses terapêuticos: bloqueios na progressão
do relacionamento enfermeiro-cliente
Motivos variados.
Criam barreiras no relacionamento terapêutico.
Provocam sentimentos intensos entre enfermeiro e cliente.
Ansiedade, frustação, mor ou raiva intensa.
3 tipos: resistência, transferência e contratransferência.
Resistência
E uma tentativa do paciente de não perceber os aspectos que geram
ansiedade nele próprio.
Relutância natural ou uma defesa.
Resulta da má vontade do paciente em mudar quando se reconhece a
necessidade de mudança.
Exemplo: repressão de informações pertinentes; autodepreciação e visão
negativa do futuro.
Comportamento teatral, inibição intelectual, falta ou atraso a consulta.
Caso:
Jas, 28 anos, usuário de crack inicia tratamento no Caps AD, falta ao
atendimento, a enfermeira entra em contato telefônico para
reagendamento e o pai do cliente explica que a esposa estava doente e ele
não pode levar JAS até o Caps-ad.
A enfermeira então pergunta ao ai se ele vê algum impedimento para o
paciente vir de transporte público, haja vista, não morarem tão longe e o
paciente estar perfeitamente em condições de faze-lo.
• Observa-se resistência do paciente, que somente pode vir ao serviço de saúde se for trazido
pelo pai.
• Observa-se ainda comportamento de coodependência do pai.
Transferência
É uma resposta inconsciente em que o paciente experimenta
sentimentos e atitudes do enfermeiro que estavam
originalmente associados a figuras significativas em sua vida.
O termo refere-se a um conjunto de reações que tentam
reduzir ou aliviar a ansiedade.
Essas reações de transferência só são perigosas para o
processo terapêutico quando permanecem ignoradas, sendo os
principais tipos as reações hostis e as dependentes.
Contratransferência
É um impasse terapêutico criado pelo profissional, frequentemente em resposta a
uma resistência do paciente.
Refere-se a uma resposta emocional específica dada pela enfermeira ao paciente,
as quais não são justificadas pelos fatos reais, mas sim um conflito prévio
experimentado com tópicos como autoridade, afirmação sexual e independência.
Ex.: dificuldade de criar empatia com o paciente em determinados aspectos do
problema;
Transgressão dos limites
Ocorre quando o profissional sai dos limites do
relacionamento terapêutico e estabelece uma
relação social, comercial ou pessoal com o paciente.
Exs.: sai com o paciente para almoçar; vai a uma
festa a convite dele; aceita presentes vindos do
paciente.
Superação de impasse
Exposição de sentimentos e emoções.
Reconhecer os impasses.
Enfoque objetivo.
Rever os objetivos do relacionamento terapêutico.
Criar um pacto terapêutico compatível
Fases do relacionamento profissional-cliente
Fase Pré-interação: envolve a preparação pra o encontro com o paciente, coleta de
dados do prontuário e dos familiares.Avaliar pontos fortes e fracos do relacionamento
terapêutico.
Fase Introdutória ou de orientação: determinar o motivo da busca de ajuda e
estabelecer relação de confiança.
Fase de trabalho: o trabalho terapêutico é realizado nesta fase; promover o
desenvolvimento da percepção da realidade pelo paciente.
Fase de encerramento: metas alcançadas, o paciente recebeu alta
Algumas técnicas de comunicação
terapêutica
Usar o silêncio: dê tempo para o cliente parar, pensar e organizar o pensamento;
Aceitar: comunica uma atitude de receptividade e consideração. Ex.: “é, eu entendo o que você diz”;
Dar reconhecimento: reconhecer indica percepção consciente, melhor do que elogiar. Ex.: “vejo que você
arrumou sua cama”;
Oferecer-se: colocar-se disponível de modo incondicional. Ex.: “vou fi car com você um pouquinho”;
Fazer aberturas amplas: possibilita ao cliente ter iniciativa em introduzir o tema da conversa. Ex.: “sobre o
que você gostaria de conversar hoje?”;
Oferecer dicas gerais: dá ao paciente coragem para continuar. Ex: “continue...”;“e depois, o que
aconteceu?”;
Situar o evento no tempo ou em sequência: esclarece a relação dos eventos com o tempo. Ex.: “isso foi
antes ou depois?”, “quando isso aconteceu?”;
Algumas técnicas de comunicação
terapêutica
Fazer observações: verbaliza o que é observado ou percebido pela enfermeira. Ex.: “você parece tenso”; “vi
que está andando muito de um lado a outro”;
Encorajar descrições de percepção: pedir ao cliente para verbalizar o que está sendo percebido. Essa técnica
é muito usada para pacientes que apresentam alucinações. Ex.: “essas vozes que você ouve são boas ou são
más?”; “o que elas dizem?”;
Encorajar comparações: pedir ao paciente para comparar semelhanças e diferenças entre ideias, vivências
ou relações interpessoais. Ex.: “qual foi sua resposta da última vez que isso ocorreu?”;
Recolocar: a ideia principal do que o cliente disse é repetida. Ex.: Paciente: “Não posso pegar aquele
emprego agora, e se eu não der conta dele?”. Enfermeira: “Você tem medo de fracassar de novo?”;
Refletir: perguntas e sentimentos são enviados de volta ao cliente. Essa é uma boa técnica para ser usada
quando o paciente pede conselhos para a enfermeira. Ex: Paciente: “O que você acha que devo fazer quanto
ao problema da minha esposa?”Enfermeira: “O que você acha que deveria fazer?”;
Algumas técnicas de comunicação
terapêutica
Focalizar: dirigir a observação para uma única ideia ou uma mesma palavra. Ex.: “talvez você e eu possamos
ver isso com mais calma”;
Explorar: aprofundar-se em um tema ou ideia. Ex.: “será que você poderia explicar essa situação com
maiores detalhes?”;
Buscar esclarecimento e validação: tentar explicar o que está vago ou incompreensível e procurar a
compreensão mútua, esclarecendo o signifi cado do que foi dito. Ex.: “não estou certa de ter entendido.
Você poderia me explicar novamente” ou “ diga-me se eu entendi o mesmo que você...”;
Apresentar a realidade: quando o paciente tem uma percepção incorreta do ambiente, a enfermeira define
a realidade ou indica-lhe sua percepção da situação. Essa técnica é muito importante para trazer o paciente
para a realidade. Ex.: “vejo que as vozes parecem reais para você, mas eu não escuto voz nenhuma...”;
Algumas técnicas de comunicação
terapêutica
Expressar dúvida: expressa incerteza quanto à realidade das percepções do cliente. Muito usado com
pacientes delirantes. Ex.:“não há mais ninguém na sala, a não ser você e eu”;
Verbalizar o implícito: indica palavras que o cliente só deixou implícitas ou disse indiretamente.
Tentar traduzir palavras em sentimentos: quando os sentimentos são expressos indiretamente, a
enfermeira tenta compreender o que foi dito e encontrar indicações para os verdadeiros sentimentos
subjacentes. Ex: Paciente: “Estou no meio do oceano agora”. Enfermeira: “Você deve estar se sentindo
muito sozinho;”
Formular um plano de ação: quando um cliente tem um plano em mente para lidar com o que é
considerada uma situação estressante. Ex.: “o que você poderia fazer para botar para fora sua raiva sem
maiores danos?” “Da próxima vez que isso acontecer, o que você pode fazer para lidar de modo mais
apropriado?
Comunicação não terapêutica
Dar conselhos: dizer ao paciente o que ele deve fazer, indicando que a enfermeira sabe o que é melhor. Ex.: “acho que você
deveria aceitar...”. O certo é: “o que você acha que deveria fazer?”;
Sondar: interrogar o paciente de modo persistente, forçando respostas de problemas que ele não quer discutir. Ex.: “conte-
me como aconteceu o seu primeiro abuso sexual?”. O certo é perceber a resposta e interromper quando houver sinal de
mal-estar.
Defender: tentar defender alguém. Defender alguém que o cliente criticou faz com que ele não tenha direito de expressar
suas ideias e sentimentos. Defender não melhora os sentimentos do paciente;
Fazer pouco dos sentimentos expressos: julgar erroneamente o grau de desconforto do paciente. Ex.: “todo mundo fica por
baixo às vezes, até eu me sinto assim...”. O certo é: “você deve estar muito preocupado ou aborrecido, diga-me o que está
sentindo agora”.
Introduzir um tópico não relacionado: mudar de assunto faz a enfermeira assumir o controle da direção da discussão. Ex.:
Paciente: “Não tenho nenhuma razão para viver.” Enfermeira: “Você teve visitas nesse fim de semana?” O correto é
permanecer aberta e livre para ouvir o cliente, aceitar tudo o que é comunicado, tanto verbal como não verbalmente.
O processo de enfermagem em saúde
mental
Ele e dinâmico, continuo e consiste em seis
etapas, usando-se a abordagem de
resolução de problemas.
As etapas são: avaliação, diagnostico,
identificação dos resultados,
planejamento, implementação e evolução.
O processo de enfermagem em saúde
mental
Avaliação:
• coleta de dados para estabelecer o melhor
cuidado possível ao paciente.
• Os dados são coletados do exame do paciente,
dos seus familiares e amigos e do prontuário
multiprofissional.
Processo de enfermagem em saúde mental
Diagnóstico:
• diagnósticos e problemas são postos em ordem
de prioridade.
• Os diagnósticos mais utilizados e aceitos são os
da North American Nursing Diagnosis Association
(NANDA).
Processo de enfermagem em saúde mental
Identificação dos resultados:
• São derivados a partir do diagnostico, devendo ser
mensuráveis e estimar um tempo para serem atingidos.
• Devem ser realistas quanto as capacidades do cliente e
são mais eficazes quando formulados juntamente ao
cliente, a família e a equipe interdisciplinar.
Processo de enfermagem em saúde mental
Planejamento:
• a enfermeira elabora um plano de cuidados com as prescrições
das intervenções para atingir os resultados esperados.
• O plano deve ser individualizado em relação a problemas,
condição ou necessidades do paciente.
• Para cada diagnostico são selecionadas as intervenções mais
apropriadas, juntamente com as instruções ao paciente e os
encaminhamentos necessarios.
Processo de enfermagem em saúde mental
Implementação:
• É costume utilizar grande variedade de intervenções, que
visam prevenir doenças mentais e físicas e restaurar as
saúdes mental e física.
• O plano de cuidados serve como uma planta baixa para a
realização de intervenções seguras, éticas e apropriadas.
Referências
• Lippincott Willians & Wilkins. Enfermagem Psiquiátrica. I. Ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan; 2005. 510 p.(Revisão técnica de Márcia
Tereza Luz Lisboa. Série Incrivelmente fácil).
• Oliveira Alice G. Bottaro de, Alessi Neiry Primo. O trabalho de
enfermagem em saúde mental: contradições e potencialidades
atuais. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2003; 11( 3 ): 333-340.
• Sarat. CNF et al., Enfermagem.Anhanguera Publicações.Valinhos-
SP, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeAroldo Gavioli
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1Eduardo Gomes da Silva
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPriscila Tenório
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAroldo Gavioli
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Aroldo Gavioli
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaGhiordanno Bruno
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUSLene So
 

Mais procurados (20)

Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Teorias de enfermagem
Teorias de enfermagemTeorias de enfermagem
Teorias de enfermagem
 
Saude mental aula 3
Saude mental aula 3Saude mental aula 3
Saude mental aula 3
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUS
 

Semelhante a O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental

Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaClaudio Viegas
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasLuís Fernando Tófoli
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Marcelo da Rocha Carvalho
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMarcelo da Rocha Carvalho
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromissopsicologiaestoi
 
Entrevista motivacional
Entrevista motivacionalEntrevista motivacional
Entrevista motivacionalGabriela Haack
 
Comunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalComunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalFrancisco Santos
 
Aula Deise Nunes - Curso 4
Aula Deise Nunes - Curso 4Aula Deise Nunes - Curso 4
Aula Deise Nunes - Curso 4multicentrica
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...Marcelo da Rocha Carvalho
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Marcelo da Rocha Carvalho
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Programa_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdf
Programa_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdfPrograma_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdf
Programa_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdfVeraReal
 

Semelhante a O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental (20)

Palestra positivo
Palestra positivoPalestra positivo
Palestra positivo
 
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notícias
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
 
Entrevista motivacional
Entrevista motivacionalEntrevista motivacional
Entrevista motivacional
 
Comunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalComunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mental
 
Aula Deise Nunes - Curso 4
Aula Deise Nunes - Curso 4Aula Deise Nunes - Curso 4
Aula Deise Nunes - Curso 4
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
 
O paciente difícil
O paciente difícilO paciente difícil
O paciente difícil
 
Tcc leticia gomes leal silva
Tcc leticia gomes leal silvaTcc leticia gomes leal silva
Tcc leticia gomes leal silva
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
TP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptxTP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptx
 
Programa_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdf
Programa_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdfPrograma_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdf
Programa_DBT®_Para_o_Comer_Emocional_e_Compulsivo_Debra_L_Safer.pdf
 
Mitos sobre a psicoterapia
Mitos sobre a psicoterapiaMitos sobre a psicoterapia
Mitos sobre a psicoterapia
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosAroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosAroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosAroldo Gavioli
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsAroldo Gavioli
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Aroldo Gavioli
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterAroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
 

O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental

  • 1. O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental ME. ENF. AROLDO GAVIOLI
  • 2. Hildegard Peplau Enfermeira, médica e educadora – 10/09/1909 -Reading, Pensilvânia, USA. • A teoria de enfermagem de Peplau: teorias de interação. • Seu trabalho teórico e técnico conduziu ao desenvolvimento da enfermagem psiquiátrica • Mãe da Enfermagem Psiquiátrica.
  • 3. Subpapéis da(o) enfermeira(o) - Peplau Mãe/pai adjunta(o): satisfaz as necessidades básicas. Técnica(o): realiza com competência e eficiência técnicas de procedimentos; Administrador(a)/gestor(a): controla e manipula o ambiente para melhorar as condições de recuperação do cliente. Agente socializante: participa de atividades sociais com o paciente; Instrutor(a) de saúde: identifica necessidades de aprendizado e fornece informações necessárias ao cliente ou seus familiares para melhorar a situação de saúde; Conselheira(o): ajuda os clientes a aprender a se adaptar nas dificuldades da vida.
  • 4. Dinâmica de uma relação terapêutica Na percepção do outro como um ser humano é que a relação terapêutica ocorre Travelbee: relação ser humano - ser humano A relação terapêutica é orientada por metas que são decididas em conjunto (entre a enfermeira e o cliente. A meta: aprendizado e crescimento, mudança na vida do paciente, podendo se basear no modelo de resolução de problemas.
  • 5. Exemplo: Meta: o cliente vai demonstrar estratégias de ajuste mais adaptativas para lidar com uma situação vital específica. • identificar o que está perturbando o cliente neste momento; • encorajar o cliente a discutir as alterações que gostaria de fazer; • discutir com o cliente quais são as alterações possíveis e as não possíveis; • debater estratégias alternativas para criar as alterações que o cliente deseja; • ajudar o cliente a selecionar uma alternativa e encorajá-lo a realiza- la • Ajudar o cliente a avaliar os resultados da alteração e a fazer modificações necessárias. Intervenções:
  • 6. Uso terapêutico do “EU” Exige que a enfermeira tenha maiores autoconsciência e autocompreensão. Crença filosófica em relação à vida, morte e condição humana. Compreensão da sua capacidade pode ajudar os outros. Aceitação das diferenças. Intrinsicamente relacionado a crenças, atitudes e valores.
  • 7. Uso terapêutico do EU - Crenças São ideias com evidências objetivas de sua veracidade. É uma tomada de posição em que se acredita que algo seja verdadeiro; • Crenças racionais: ideias que comprovam sua veracidade. • Ex.: o alcoolismo é uma doença; • Crenças irracionais: ideias que o indivíduo afirma serem verdadeiras apesar das evidências contrárias. • Ex.: depois da desintoxicação eu posso beber socialmente; • Fé ou crenças cegas: ideias que o indivíduo considera verdadeiras sem ter delas evidências. Ex.: um poder superior ajuda na cura do alcoolismo.
  • 8. Uso terapêutico do EU Estereotipo: impressão padronizada. • Todo alcoolista é vagabundo e sem vergonha. Atitudes: maneira organizada e coerente de pensar e agir em relação a grupos, questões ou outros seres humanos. • Cuidado pois todo doente mental é perigoso. Valores: conceitos que adquirimos ao longo da vida e que norteiam nossa forma de ver o mundo. • Podem ser cognitivos, emocionais e comportamentais.
  • 9. Condições para o desenvolvimento de uma relação terapêutica. harmonia • Capacidade verdadeira de importar-se com os outros, ocorrendo entre o enfermeiro e o cliente. • Aceitação, calor, amizade, interesses comuns, confiança e atitude não crítica. confiança • base de uma relação terapêutica • Oferecer o que o cliente precisa, cumprir com o prometido por exemplo. Considerar suas opiniões. Respeito • Ato de não fazer para os outros aquilo que não gostaríamos que fizessem conosco. • Chamar pelo nome, permitir o tempo de resposta, não usar clichês. Autenticidade • Ser franco e honesto. • Cuidado para não ultrapassar o papel de enfermeiro. Empatia • Tendência para sentir o que sentiria se estivesse na situação experimentada por outra pessoa.
  • 10. Impasses terapêuticos: bloqueios na progressão do relacionamento enfermeiro-cliente Motivos variados. Criam barreiras no relacionamento terapêutico. Provocam sentimentos intensos entre enfermeiro e cliente. Ansiedade, frustação, mor ou raiva intensa. 3 tipos: resistência, transferência e contratransferência.
  • 11. Resistência E uma tentativa do paciente de não perceber os aspectos que geram ansiedade nele próprio. Relutância natural ou uma defesa. Resulta da má vontade do paciente em mudar quando se reconhece a necessidade de mudança. Exemplo: repressão de informações pertinentes; autodepreciação e visão negativa do futuro. Comportamento teatral, inibição intelectual, falta ou atraso a consulta.
  • 12. Caso: Jas, 28 anos, usuário de crack inicia tratamento no Caps AD, falta ao atendimento, a enfermeira entra em contato telefônico para reagendamento e o pai do cliente explica que a esposa estava doente e ele não pode levar JAS até o Caps-ad. A enfermeira então pergunta ao ai se ele vê algum impedimento para o paciente vir de transporte público, haja vista, não morarem tão longe e o paciente estar perfeitamente em condições de faze-lo. • Observa-se resistência do paciente, que somente pode vir ao serviço de saúde se for trazido pelo pai. • Observa-se ainda comportamento de coodependência do pai.
  • 13. Transferência É uma resposta inconsciente em que o paciente experimenta sentimentos e atitudes do enfermeiro que estavam originalmente associados a figuras significativas em sua vida. O termo refere-se a um conjunto de reações que tentam reduzir ou aliviar a ansiedade. Essas reações de transferência só são perigosas para o processo terapêutico quando permanecem ignoradas, sendo os principais tipos as reações hostis e as dependentes.
  • 14. Contratransferência É um impasse terapêutico criado pelo profissional, frequentemente em resposta a uma resistência do paciente. Refere-se a uma resposta emocional específica dada pela enfermeira ao paciente, as quais não são justificadas pelos fatos reais, mas sim um conflito prévio experimentado com tópicos como autoridade, afirmação sexual e independência. Ex.: dificuldade de criar empatia com o paciente em determinados aspectos do problema;
  • 15. Transgressão dos limites Ocorre quando o profissional sai dos limites do relacionamento terapêutico e estabelece uma relação social, comercial ou pessoal com o paciente. Exs.: sai com o paciente para almoçar; vai a uma festa a convite dele; aceita presentes vindos do paciente.
  • 16. Superação de impasse Exposição de sentimentos e emoções. Reconhecer os impasses. Enfoque objetivo. Rever os objetivos do relacionamento terapêutico. Criar um pacto terapêutico compatível
  • 17. Fases do relacionamento profissional-cliente Fase Pré-interação: envolve a preparação pra o encontro com o paciente, coleta de dados do prontuário e dos familiares.Avaliar pontos fortes e fracos do relacionamento terapêutico. Fase Introdutória ou de orientação: determinar o motivo da busca de ajuda e estabelecer relação de confiança. Fase de trabalho: o trabalho terapêutico é realizado nesta fase; promover o desenvolvimento da percepção da realidade pelo paciente. Fase de encerramento: metas alcançadas, o paciente recebeu alta
  • 18. Algumas técnicas de comunicação terapêutica Usar o silêncio: dê tempo para o cliente parar, pensar e organizar o pensamento; Aceitar: comunica uma atitude de receptividade e consideração. Ex.: “é, eu entendo o que você diz”; Dar reconhecimento: reconhecer indica percepção consciente, melhor do que elogiar. Ex.: “vejo que você arrumou sua cama”; Oferecer-se: colocar-se disponível de modo incondicional. Ex.: “vou fi car com você um pouquinho”; Fazer aberturas amplas: possibilita ao cliente ter iniciativa em introduzir o tema da conversa. Ex.: “sobre o que você gostaria de conversar hoje?”; Oferecer dicas gerais: dá ao paciente coragem para continuar. Ex: “continue...”;“e depois, o que aconteceu?”; Situar o evento no tempo ou em sequência: esclarece a relação dos eventos com o tempo. Ex.: “isso foi antes ou depois?”, “quando isso aconteceu?”;
  • 19. Algumas técnicas de comunicação terapêutica Fazer observações: verbaliza o que é observado ou percebido pela enfermeira. Ex.: “você parece tenso”; “vi que está andando muito de um lado a outro”; Encorajar descrições de percepção: pedir ao cliente para verbalizar o que está sendo percebido. Essa técnica é muito usada para pacientes que apresentam alucinações. Ex.: “essas vozes que você ouve são boas ou são más?”; “o que elas dizem?”; Encorajar comparações: pedir ao paciente para comparar semelhanças e diferenças entre ideias, vivências ou relações interpessoais. Ex.: “qual foi sua resposta da última vez que isso ocorreu?”; Recolocar: a ideia principal do que o cliente disse é repetida. Ex.: Paciente: “Não posso pegar aquele emprego agora, e se eu não der conta dele?”. Enfermeira: “Você tem medo de fracassar de novo?”; Refletir: perguntas e sentimentos são enviados de volta ao cliente. Essa é uma boa técnica para ser usada quando o paciente pede conselhos para a enfermeira. Ex: Paciente: “O que você acha que devo fazer quanto ao problema da minha esposa?”Enfermeira: “O que você acha que deveria fazer?”;
  • 20. Algumas técnicas de comunicação terapêutica Focalizar: dirigir a observação para uma única ideia ou uma mesma palavra. Ex.: “talvez você e eu possamos ver isso com mais calma”; Explorar: aprofundar-se em um tema ou ideia. Ex.: “será que você poderia explicar essa situação com maiores detalhes?”; Buscar esclarecimento e validação: tentar explicar o que está vago ou incompreensível e procurar a compreensão mútua, esclarecendo o signifi cado do que foi dito. Ex.: “não estou certa de ter entendido. Você poderia me explicar novamente” ou “ diga-me se eu entendi o mesmo que você...”; Apresentar a realidade: quando o paciente tem uma percepção incorreta do ambiente, a enfermeira define a realidade ou indica-lhe sua percepção da situação. Essa técnica é muito importante para trazer o paciente para a realidade. Ex.: “vejo que as vozes parecem reais para você, mas eu não escuto voz nenhuma...”;
  • 21. Algumas técnicas de comunicação terapêutica Expressar dúvida: expressa incerteza quanto à realidade das percepções do cliente. Muito usado com pacientes delirantes. Ex.:“não há mais ninguém na sala, a não ser você e eu”; Verbalizar o implícito: indica palavras que o cliente só deixou implícitas ou disse indiretamente. Tentar traduzir palavras em sentimentos: quando os sentimentos são expressos indiretamente, a enfermeira tenta compreender o que foi dito e encontrar indicações para os verdadeiros sentimentos subjacentes. Ex: Paciente: “Estou no meio do oceano agora”. Enfermeira: “Você deve estar se sentindo muito sozinho;” Formular um plano de ação: quando um cliente tem um plano em mente para lidar com o que é considerada uma situação estressante. Ex.: “o que você poderia fazer para botar para fora sua raiva sem maiores danos?” “Da próxima vez que isso acontecer, o que você pode fazer para lidar de modo mais apropriado?
  • 22. Comunicação não terapêutica Dar conselhos: dizer ao paciente o que ele deve fazer, indicando que a enfermeira sabe o que é melhor. Ex.: “acho que você deveria aceitar...”. O certo é: “o que você acha que deveria fazer?”; Sondar: interrogar o paciente de modo persistente, forçando respostas de problemas que ele não quer discutir. Ex.: “conte- me como aconteceu o seu primeiro abuso sexual?”. O certo é perceber a resposta e interromper quando houver sinal de mal-estar. Defender: tentar defender alguém. Defender alguém que o cliente criticou faz com que ele não tenha direito de expressar suas ideias e sentimentos. Defender não melhora os sentimentos do paciente; Fazer pouco dos sentimentos expressos: julgar erroneamente o grau de desconforto do paciente. Ex.: “todo mundo fica por baixo às vezes, até eu me sinto assim...”. O certo é: “você deve estar muito preocupado ou aborrecido, diga-me o que está sentindo agora”. Introduzir um tópico não relacionado: mudar de assunto faz a enfermeira assumir o controle da direção da discussão. Ex.: Paciente: “Não tenho nenhuma razão para viver.” Enfermeira: “Você teve visitas nesse fim de semana?” O correto é permanecer aberta e livre para ouvir o cliente, aceitar tudo o que é comunicado, tanto verbal como não verbalmente.
  • 23. O processo de enfermagem em saúde mental Ele e dinâmico, continuo e consiste em seis etapas, usando-se a abordagem de resolução de problemas. As etapas são: avaliação, diagnostico, identificação dos resultados, planejamento, implementação e evolução.
  • 24. O processo de enfermagem em saúde mental Avaliação: • coleta de dados para estabelecer o melhor cuidado possível ao paciente. • Os dados são coletados do exame do paciente, dos seus familiares e amigos e do prontuário multiprofissional.
  • 25. Processo de enfermagem em saúde mental Diagnóstico: • diagnósticos e problemas são postos em ordem de prioridade. • Os diagnósticos mais utilizados e aceitos são os da North American Nursing Diagnosis Association (NANDA).
  • 26. Processo de enfermagem em saúde mental Identificação dos resultados: • São derivados a partir do diagnostico, devendo ser mensuráveis e estimar um tempo para serem atingidos. • Devem ser realistas quanto as capacidades do cliente e são mais eficazes quando formulados juntamente ao cliente, a família e a equipe interdisciplinar.
  • 27. Processo de enfermagem em saúde mental Planejamento: • a enfermeira elabora um plano de cuidados com as prescrições das intervenções para atingir os resultados esperados. • O plano deve ser individualizado em relação a problemas, condição ou necessidades do paciente. • Para cada diagnostico são selecionadas as intervenções mais apropriadas, juntamente com as instruções ao paciente e os encaminhamentos necessarios.
  • 28. Processo de enfermagem em saúde mental Implementação: • É costume utilizar grande variedade de intervenções, que visam prevenir doenças mentais e físicas e restaurar as saúdes mental e física. • O plano de cuidados serve como uma planta baixa para a realização de intervenções seguras, éticas e apropriadas.
  • 29. Referências • Lippincott Willians & Wilkins. Enfermagem Psiquiátrica. I. Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005. 510 p.(Revisão técnica de Márcia Tereza Luz Lisboa. Série Incrivelmente fácil). • Oliveira Alice G. Bottaro de, Alessi Neiry Primo. O trabalho de enfermagem em saúde mental: contradições e potencialidades atuais. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2003; 11( 3 ): 333-340. • Sarat. CNF et al., Enfermagem.Anhanguera Publicações.Valinhos- SP, 2010.