SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
PROCESSO HISTÓRICO DA
PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL
PROF. ESP. LORENA A. VIEIRA
“Os seres humanos adoecem desde o
início de sua história e as causas
das doenças foram sendo
explicadas e tratadas de acordo
com o modo de pensamento que o
homem foi adquirindo em sua
trajetória evolutiva”
PRÉ - HISTÓRIA
• Atribuíam causa sobrenatural ou
divina às doenças afirmando serem
ora castigo dos deuses, ora possessão
demoníaca, feitiço ou manifestações
de espíritos hostis.
• A cura era feita através de ritos
tribais, passando-se tintas coloridas
no corpo.
Psiquiatria antiga e
greco-romana:
• Hipócrates e mais alguns estudiosos
acreditavam que as doenças mentais eram
decorrentes de disfunções nos órgãos do corpo,
deslocamento do útero, sendo que a epilepsia
decorria de uma patologia do cérebro e a histeria,
como decorrente da falta de funcionamento
sexual.
• Os estudiosos romanos compartilhavam idéias
semelhantes e propunham como terapêuticas
massagens corporais e dieta alimentar.
Período medieval
(idade média):
• O tratamento aos doentes mentais era feito por
magos ou feiticeiros, havendo um retorno às
concepções mágico religiosas e o abandono da
idéia de que os transtornos mentais tinham uma
origem somática.
• Este foi um período de exorcismos, de
perseguição aos doentes mentais, de condenação
à fogueira.
Psiquiatria francesa e a primeira
revolução psiquiátrica:
• PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO
• LEPROSÁRIOS
• NO FINAL DO SÉCULO XVIII E INÍCIO DO
SÉCULO XIX O MÉDICO FELIPE PINEL FEZ
SURGIR A PSIQUIATRIA.
Psiquiatria francesa e a primeira
revolução psiquiátrica:
O cuidado dispensado aos doentes, no
entanto, era baseada na vigilância,
restrição e contenção. A assistência aos
doentes mentais baseava-se nos princípios
da hereditariedade acreditavam que a
doença mental passava de geração em
geração; da institucionalização o
tratamento só poderia ocorrer através da
internação; da periculosidade todos os
"loucos" eram agressivos e perigosos; e da
incurabilidade a doença mental não tinha
cura.
Psiquiatria alemã e a segunda
revolução psiquiátrica:
• No século XIX - surge uma nova visão sobre o
ser humano considerando o como um todo
(físico e mente), e sua história de vida
considerada como fator que influenciava sua
saúde.
• Sigmund Freud cria a psicanálise e são criadas
também várias teorias psicológicas.
Psiquiatria alemã e a segunda
revolução psiquiátrica:
• Ao término da segunda guerra mundial -
surge a terapia medicamentosa com
substâncias que agem diretamente no
sistema nervoso central amplamente
difundidas.
• A atitude em relação à doença e aos doentes
mentais passa a ser positiva, doentes
considerados crônicos melhoravam, são
criados ambulatórios, os doentes podem ser
tratados em casa e os hospitais mudam a sua
arquitetura eliminando as grades e os
quartos fortes.
PSIQUIATRIA NO BRASIL
PSIQUIATRIA NO BRASIL
O tratamento era centrado no
isolamento dos doentes
mentais ou indivíduos
suspeitos e dependentes
químicos em instituições
fechadas.
EM 1916...
• O Código Civil brasileiro prescrevia a interdição
civil e a conseguinte curatela aos "loucos" de
todo o gênero. Até recentemente a Saúde Mental
brasileira estava ligada a legislação de 1934 que
legalizava a cassação dos direitos civis dos
doentes mentais, submetendo-os a curatela do
Estado.
EM 1960...
• Haviam aproximadamente 100 mil leitos
psiquiátricos no Brasil muitos em macro-
hospitais psiquiátricos, arcaicos, em precárias
condições físicas, deficiências técnicas,
sanitárias e administrativas.
• Os doentes mentais viviam em condições
subumanas, a higiene precária, o sussurro de
palavras arrastadas e a expressão facial de
desespero, demonstravam que os doentes
mentais estavam abandonados.
AINDA EM 1960...
• As terapias mais usadas eram a
eletroconvulsoterapia, insulinoterapia
e em menor escala, medicamentos
como o cardiazol. Os doentes mentais
permaneciam em pátios ou celas com
pouca ou nenhuma supervisão.
EM 1970...
• Houve uma orientação do Ministério da Saúde
no sentido da criação de ambulatórios de saúde
mental, da desospitalização dos doentes mentais
e do atendimento hospitalar por equipes
multidisciplinares, porém modificações mais
eficientes só se tornaram possíveis no Brasil a
partir de 1980 com o movimento da
Reforma Psiquiátrica.
CONSTITUIÇÃO DE 1988
Surgiram espaços de elaboração de leis
voltadas para o atendimento das questões
sociais, propiciando um ambiente adequado
para que a sociedade civil, trabalhadores de
Saúde Mental
e
A articulação Nacional de luta Antimanicomial
se organizassem pela reforma do sistema
psiquiátrico, buscando um novo estado de
direito para o doente mental.
Psiquiatria atual:
Atualmente, considera-se que
existe uma relação estreita
entre a doença mental e:
• A exploração da força de trabalho,
• As condições insalubres dos ambientes,
o viver na linha de miséria,
• O alto índice de desemprego,
• O estresse,
• A violência e a sexualidade mal
resolvida.
Visando uma assistência mais
adequada, eficiente e
humanizada, o Ministério da
Saúde baixou a Portaria nº224
de 29/01/92, que estabelece as
diretrizes e normas para o
atendimento ao Doente Mental
em todo o Território Nacional.
DIRETRIZES
• Organização de serviços baseada nos princípios
de universalidade, hierarquização,
regionalização e integralidade de ações;
• Diversidade de métodos e técnicas terapêuticas
nos vários níveis de complexidade assistencial;
• Garantia de continuidade da atenção nos vários
níveis;
DIRETRIZES
• Multiprofissionalidade na prestação de serviços;
• Ênfase na participação social desde a formulação
das políticas de saúde mental até o controle de
sua execução;
• Definição dos órgãos gestores locais como
responsáveis pela complementação da presente
Portaria normativa e pelo controle e avaliação
dos serviços prestados.
NORMAS INCIDEM SOBRE
a) Atendimento Ambulatorial;
b) Núcleos/Centros de Atenção Psicossocial;
c) Atendimento Hospitalar:
• Hospital-dia;
• Serviço de Urgência Psiquiátrica em Hospital-
Geral ;
• Leitos ou Unidade Psiquiátrica em Hospitais-
Gerais ;
• Hospital Especializado em Psiquiatria.
Em o6 de Abril de 2001
• Foi sancionada a lei nº 10.216 que tramitou
durante 11 anos.
• Esta lei dispõe sobre a proteção dos direitos das
pessoas portadoras de transtorno mental,
estrutura e aperfeiçoa a assistência psiquiátrica e
seus serviços, desativa as instituições de modelo
asilar não terapêutico, regulamenta a
hospitalização voluntária, involuntária e
compulsória e dá outras providências.
OBRIGADA PELA ATENÇÃO!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Inaiara Bragante
 
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidadoFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)Ana Ferraz
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemFernando Dias
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaJose Roberto
 
Programa de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPrograma de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPatrícia Prates
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do capsAdriana Emidio
 
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaTranstornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais
Transtornos mentaisTranstornos mentais
Transtornos mentaisjoao hermano
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Cintia Colotoni
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerEliane Santos
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 

Mais procurados (20)

A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
Programa de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPrograma de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUS
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaTranstornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
 
Transtornos mentais
Transtornos mentaisTranstornos mentais
Transtornos mentais
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 

Semelhante a Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental

AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdfAULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdfRonaldoAlves895997
 
Biblioteca_1820342.pptx
Biblioteca_1820342.pptxBiblioteca_1820342.pptx
Biblioteca_1820342.pptxMinBrenda
 
Aula 1- História da Loucura e RAPS.pptx
Aula 1- História da Loucura e RAPS.pptxAula 1- História da Loucura e RAPS.pptx
Aula 1- História da Loucura e RAPS.pptxBrendoArruda
 
CRIAÇÃO DO SANATÓRIO ESPÍRITA DE UBERABA.pdf
CRIAÇÃO DO SANATÓRIO ESPÍRITA DE UBERABA.pdfCRIAÇÃO DO SANATÓRIO ESPÍRITA DE UBERABA.pdf
CRIAÇÃO DO SANATÓRIO ESPÍRITA DE UBERABA.pdfWagnerDaCruz2
 
Saude Mental.pdf
Saude Mental.pdfSaude Mental.pdf
Saude Mental.pdfAdriana ROC
 
Breve histórico da psiquiatria no Brasil.pdf
Breve histórico da psiquiatria no Brasil.pdfBreve histórico da psiquiatria no Brasil.pdf
Breve histórico da psiquiatria no Brasil.pdfssuserd74dad1
 
rede-saudemental.ppt
rede-saudemental.pptrede-saudemental.ppt
rede-saudemental.pptRAPHAEL369364
 
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOEVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOsara jane brazao pinto
 
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOEVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOsara jane brazao pinto
 
Tópicos abordagem paciente saúde mental
Tópicos abordagem paciente saúde mentalTópicos abordagem paciente saúde mental
Tópicos abordagem paciente saúde mentalMaria Dias
 
neuropsiquiatria-231012234522-34fb7992.pptx
neuropsiquiatria-231012234522-34fb7992.pptxneuropsiquiatria-231012234522-34fb7992.pptx
neuropsiquiatria-231012234522-34fb7992.pptxpamelacastro71
 
DoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicasDoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicasenfermagem
 
Aula saúde mental I e II
Aula   saúde mental I e II Aula   saúde mental I e II
Aula saúde mental I e II DaianeCampos19
 
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptxAULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptxlucas106085
 

Semelhante a Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental (20)

AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdfAULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
 
Biblioteca_1820342.pptx
Biblioteca_1820342.pptxBiblioteca_1820342.pptx
Biblioteca_1820342.pptx
 
Concepções da loucura
Concepções  da  loucuraConcepções  da  loucura
Concepções da loucura
 
Aula 1- História da Loucura e RAPS.pptx
Aula 1- História da Loucura e RAPS.pptxAula 1- História da Loucura e RAPS.pptx
Aula 1- História da Loucura e RAPS.pptx
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 
CRIAÇÃO DO SANATÓRIO ESPÍRITA DE UBERABA.pdf
CRIAÇÃO DO SANATÓRIO ESPÍRITA DE UBERABA.pdfCRIAÇÃO DO SANATÓRIO ESPÍRITA DE UBERABA.pdf
CRIAÇÃO DO SANATÓRIO ESPÍRITA DE UBERABA.pdf
 
AULA NEUROPSIQUIATRIA.pptx
AULA NEUROPSIQUIATRIA.pptxAULA NEUROPSIQUIATRIA.pptx
AULA NEUROPSIQUIATRIA.pptx
 
Saude Mental.pdf
Saude Mental.pdfSaude Mental.pdf
Saude Mental.pdf
 
Breve histórico da psiquiatria no Brasil.pdf
Breve histórico da psiquiatria no Brasil.pdfBreve histórico da psiquiatria no Brasil.pdf
Breve histórico da psiquiatria no Brasil.pdf
 
rede-saudemental.ppt
rede-saudemental.pptrede-saudemental.ppt
rede-saudemental.ppt
 
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOEVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
 
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICOEVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
EVOLUÇAO DA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA E PAPEL DO ENFERMEIRO PSIQUIATRICO
 
Saude mental
Saude mentalSaude mental
Saude mental
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 
apresentação saude mental.pptx
apresentação saude mental.pptxapresentação saude mental.pptx
apresentação saude mental.pptx
 
Tópicos abordagem paciente saúde mental
Tópicos abordagem paciente saúde mentalTópicos abordagem paciente saúde mental
Tópicos abordagem paciente saúde mental
 
neuropsiquiatria-231012234522-34fb7992.pptx
neuropsiquiatria-231012234522-34fb7992.pptxneuropsiquiatria-231012234522-34fb7992.pptx
neuropsiquiatria-231012234522-34fb7992.pptx
 
DoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicasDoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicas
 
Aula saúde mental I e II
Aula   saúde mental I e II Aula   saúde mental I e II
Aula saúde mental I e II
 
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptxAULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
 

Último

63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdfLEANDROSPANHOL1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptxAula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptxRaissaEufrazio
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (11)

63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptxAula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 

Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental

  • 1. PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL PROF. ESP. LORENA A. VIEIRA
  • 2. “Os seres humanos adoecem desde o início de sua história e as causas das doenças foram sendo explicadas e tratadas de acordo com o modo de pensamento que o homem foi adquirindo em sua trajetória evolutiva”
  • 3. PRÉ - HISTÓRIA • Atribuíam causa sobrenatural ou divina às doenças afirmando serem ora castigo dos deuses, ora possessão demoníaca, feitiço ou manifestações de espíritos hostis. • A cura era feita através de ritos tribais, passando-se tintas coloridas no corpo.
  • 4. Psiquiatria antiga e greco-romana: • Hipócrates e mais alguns estudiosos acreditavam que as doenças mentais eram decorrentes de disfunções nos órgãos do corpo, deslocamento do útero, sendo que a epilepsia decorria de uma patologia do cérebro e a histeria, como decorrente da falta de funcionamento sexual. • Os estudiosos romanos compartilhavam idéias semelhantes e propunham como terapêuticas massagens corporais e dieta alimentar.
  • 5. Período medieval (idade média): • O tratamento aos doentes mentais era feito por magos ou feiticeiros, havendo um retorno às concepções mágico religiosas e o abandono da idéia de que os transtornos mentais tinham uma origem somática. • Este foi um período de exorcismos, de perseguição aos doentes mentais, de condenação à fogueira.
  • 6. Psiquiatria francesa e a primeira revolução psiquiátrica: • PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO • LEPROSÁRIOS • NO FINAL DO SÉCULO XVIII E INÍCIO DO SÉCULO XIX O MÉDICO FELIPE PINEL FEZ SURGIR A PSIQUIATRIA.
  • 7. Psiquiatria francesa e a primeira revolução psiquiátrica: O cuidado dispensado aos doentes, no entanto, era baseada na vigilância, restrição e contenção. A assistência aos doentes mentais baseava-se nos princípios da hereditariedade acreditavam que a doença mental passava de geração em geração; da institucionalização o tratamento só poderia ocorrer através da internação; da periculosidade todos os "loucos" eram agressivos e perigosos; e da incurabilidade a doença mental não tinha cura.
  • 8. Psiquiatria alemã e a segunda revolução psiquiátrica: • No século XIX - surge uma nova visão sobre o ser humano considerando o como um todo (físico e mente), e sua história de vida considerada como fator que influenciava sua saúde. • Sigmund Freud cria a psicanálise e são criadas também várias teorias psicológicas.
  • 9. Psiquiatria alemã e a segunda revolução psiquiátrica: • Ao término da segunda guerra mundial - surge a terapia medicamentosa com substâncias que agem diretamente no sistema nervoso central amplamente difundidas. • A atitude em relação à doença e aos doentes mentais passa a ser positiva, doentes considerados crônicos melhoravam, são criados ambulatórios, os doentes podem ser tratados em casa e os hospitais mudam a sua arquitetura eliminando as grades e os quartos fortes.
  • 11. PSIQUIATRIA NO BRASIL O tratamento era centrado no isolamento dos doentes mentais ou indivíduos suspeitos e dependentes químicos em instituições fechadas.
  • 12. EM 1916... • O Código Civil brasileiro prescrevia a interdição civil e a conseguinte curatela aos "loucos" de todo o gênero. Até recentemente a Saúde Mental brasileira estava ligada a legislação de 1934 que legalizava a cassação dos direitos civis dos doentes mentais, submetendo-os a curatela do Estado.
  • 13. EM 1960... • Haviam aproximadamente 100 mil leitos psiquiátricos no Brasil muitos em macro- hospitais psiquiátricos, arcaicos, em precárias condições físicas, deficiências técnicas, sanitárias e administrativas. • Os doentes mentais viviam em condições subumanas, a higiene precária, o sussurro de palavras arrastadas e a expressão facial de desespero, demonstravam que os doentes mentais estavam abandonados.
  • 14. AINDA EM 1960... • As terapias mais usadas eram a eletroconvulsoterapia, insulinoterapia e em menor escala, medicamentos como o cardiazol. Os doentes mentais permaneciam em pátios ou celas com pouca ou nenhuma supervisão.
  • 15. EM 1970... • Houve uma orientação do Ministério da Saúde no sentido da criação de ambulatórios de saúde mental, da desospitalização dos doentes mentais e do atendimento hospitalar por equipes multidisciplinares, porém modificações mais eficientes só se tornaram possíveis no Brasil a partir de 1980 com o movimento da Reforma Psiquiátrica.
  • 16. CONSTITUIÇÃO DE 1988 Surgiram espaços de elaboração de leis voltadas para o atendimento das questões sociais, propiciando um ambiente adequado para que a sociedade civil, trabalhadores de Saúde Mental e A articulação Nacional de luta Antimanicomial se organizassem pela reforma do sistema psiquiátrico, buscando um novo estado de direito para o doente mental.
  • 18. Atualmente, considera-se que existe uma relação estreita entre a doença mental e: • A exploração da força de trabalho, • As condições insalubres dos ambientes, o viver na linha de miséria, • O alto índice de desemprego, • O estresse, • A violência e a sexualidade mal resolvida.
  • 19. Visando uma assistência mais adequada, eficiente e humanizada, o Ministério da Saúde baixou a Portaria nº224 de 29/01/92, que estabelece as diretrizes e normas para o atendimento ao Doente Mental em todo o Território Nacional.
  • 20. DIRETRIZES • Organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade de ações; • Diversidade de métodos e técnicas terapêuticas nos vários níveis de complexidade assistencial; • Garantia de continuidade da atenção nos vários níveis;
  • 21. DIRETRIZES • Multiprofissionalidade na prestação de serviços; • Ênfase na participação social desde a formulação das políticas de saúde mental até o controle de sua execução; • Definição dos órgãos gestores locais como responsáveis pela complementação da presente Portaria normativa e pelo controle e avaliação dos serviços prestados.
  • 22. NORMAS INCIDEM SOBRE a) Atendimento Ambulatorial; b) Núcleos/Centros de Atenção Psicossocial; c) Atendimento Hospitalar: • Hospital-dia; • Serviço de Urgência Psiquiátrica em Hospital- Geral ; • Leitos ou Unidade Psiquiátrica em Hospitais- Gerais ; • Hospital Especializado em Psiquiatria.
  • 23. Em o6 de Abril de 2001 • Foi sancionada a lei nº 10.216 que tramitou durante 11 anos. • Esta lei dispõe sobre a proteção dos direitos das pessoas portadoras de transtorno mental, estrutura e aperfeiçoa a assistência psiquiátrica e seus serviços, desativa as instituições de modelo asilar não terapêutico, regulamenta a hospitalização voluntária, involuntária e compulsória e dá outras providências.