SlideShare uma empresa Scribd logo
www.traumatologiaeortopedia.com.b
 Conceito
 Epidemiologia
 Etiologia
 Classificação
 Patogenia
 Exame clinico
 Avaliação radiológica
 Tratamento
 Complicações
 Desvio lateral do tronco, com rotação
vertebral, tal desvio tem que ser maior que
10º.
Obs.1: curvas menores que 10º não é patológica.
Obs.2: parâmetros normais:
-20 a 40 graus de cifose torácica
-40 a 60 graus de lordose lombar
-Não há desvio no plano frontal
 Conceito
 Epidemiologia
 Etiologia
 Classificação
 Patogenia
 Exame clinico
 Avaliação radiológica
 Classificação
 Tratamento
 Complicações
 Mais comum em meninas
 Mais comum na forma infantil
 Geralmente as curvas são para direita
 Siringomielia é a malformação mais comum
nas curvas atípicas
 Conceito
 Epidemiologia
 Etiologia
 Classificação
 Patogenia
 Exame clinico
 Avaliação radiológica
 Tratamento
 Complicações
 Não esta definida
 Idiopática (+ comum)
 Neuromuscular
 Congênita
 Neurofibromatose
 Tumores
 Insuficiência dos ligamentos
 Desequilíbrio muscular
 Anomalias do colágeno
 Diminuição da produção de melatonina
 Forças de Heuter-Volkmann
 Alterações do SNC
www.traumatologiaeortopedia.com.b
 Conceito
 Epidemiologia
 Etiologia
 Classificação
 Patogenia
 Exame clinico
 Avaliação radiológica
 Classificação
 Tratamento
 Complicações
 Quanto a idade
 Quanto a localização da curva
 Quanto a rigidez
 king
 Nash Moe
 Lenke
 Infantil: 0 a 3 anos (50%)
 Juvenil: 4 a 10 anos (20%)
 Adolescente: 11 a 17 anos
 Adulto: após 18 anos
 Cervical: ápice c2 e c6
 Cervicotoracico: ápice c7 e t1
 Torácica: ápice t2 e t11 (90% destro convexa)
 Toracolombar: ápice t12 e l1 (80%)
 Lombar ápice: l2 e l4 (70% e sinistro convexa)
 Lombosacra: ápice em l5
 Estruturadas: deformidades nao corrigidas com a
inclinação lateral.
 Não estruturadas: deformidade corrigível com
inclinação lateral.
 Tipo I: curva
lombar maior e
mais rígida que a
torácica.
 Tipo II: curva
lombar menor e
mais flexível que a
torácica
 Tipo III: curva
torácica pura
 Tipo IV: curva
lombar com inicio
em L4 (longa)
 TipoV:curva dupla
torácica
 6 tipos, difícil memorização
 Basicamente divide em:
- Curvas estruturadas = são as que não reduzem menos de 25º
ao raiox supino
- Curvas não estruturadas = são as que reduzem abaixo de 25º
www.traumatologiaeortopedia.com.b
 quantifica a rotação
vertebral que é maior no
ápice da curva e
identificada pela
assimetria dos pedículos
e pelo maior
deslocamento em
relação a linha média
 Conceito
 Epidemiologia
 Etiologia
 Classificação
 Patogenia
 Exame clinico
 Avaliação radiológica
 Tratamento
 Complicações
 Fatores hormonais
 Teoria biomecânica
 Anormalidades tecidual
 Patologias do SNC
 Conceito
 Epidemiologia
 Etiologia
 Classificação
 Patogenia
 Exame clinico
 Avaliação radiológica
 Tratamento
 Complicações
 Inspeção de assimetria
A)Discrepância de MMII
B)Nivelamento dos ombros
C)Assimetria do triangulo de talhe
D)teste de Adams (presença de giba, visualiza rotação vertebral.
 Exame neurológico
A)Assimetria do reflexo cutâneo abdominal
B)Clonus discreto
C)fraqueza muscular
 Avaliação da maturação sexual
A)meninas: menarca aponta o final do estirão de crescimento (crescimento por
mais 1 ano) (com cart.Trirradiada aberta é sinal de mau prognóstico)
B)meninos: pelos axilares e barba
 Conceito
 Epidemiologia
 Etiologia
 Classificação
 Patogenia
 Exame clinico
 Avaliação radiológica
 Tratamento
 Complicações
 Rx panorâmico ortostático (indica cirurgia)
 Rx panorâmico supino(importante pois é a posição de
cirurgia, avalia inclinação lateral e flexibilidade)
 Rx perfil (avalia cifose)
 Rx da bacia (para pesquisa do sinal de Risser)
 Rx obliquo de Stagnara
www.traumatologiaeortopedia.com.b
 Feito no Rx em ortotase. Perpendiculares
as vértebras + caudal e a + cranial formam
o angulo de cobb.
 Vértebra cranial e terminal(caudal) – são as que
tem maior inclinação voltada para a curva.
 Vértebra neutra - esta na transição de 2 curvas
 Vértebra estável - 2 pedículos bissectados pela linha
mediosacral (importante pois onde é onde
determina o nível distal na instrumentação cirúrgica
para artrodese.
 Índice de Risser – mede a
maturidade esquelética baseada na
apófise do osso ilíaco onde a ossificação
da cartilagem inicia e progride de
anterior para posterior .Fundamental
para prognóstico,evolução e
tratamento
Risser 0 – ausência da ossificação da
cartilagem
Risser 1 – ossificação 25%
Risser 2 – ossificação 50%
Risser 3 – ossificação 75%
Risser 4 – ossificação 100%
Risser 5 – fechamento
A cartilagem trirradiada do acetábulo
também dá subsídios
 perpendicular a
saliência
costal.Mostra
melhor a curva e
não o paciente
 O risco de progressão é medido pelo
ângulo costovertebral (Mehta). Leva em
consideração os fatores prognósticos:
1 - (metha) – diferença na
obliqüidade entre as duas costelas fixas a
vértebra apical.Não existe superposição
da cabeça da costela e corpo vertebral.
2 – fase da cabeça da costela
- Se a diferença entre a obliqüidade
D e E for <20º - 83% chance de
resolução espontânea.
- Se > 20º - 84% progressão:
 Conceito
 Epidemiologia
 Etiologia
 Classificação
 Patogenia
 Exame clinico
 Avaliação radiológica
 Tratamento
 Complicações
 Conservador
- Observação
- Uso de colete
 Cirúrgico
- Instrumentação
 Ate 20º => observar. (inicio 4 em 4 meses,
final 2 em 2 anos). curvas menores que 20º raramente
progridem.
 Entre 20º a 40º => colete
- Esqueletos imaturos
- Curvas flexíveis entre 20º a 40º
- Progressão documentada entre 20º a 29º
www.traumatologiaeortopedia.com.b
 Milwaukee => curvas com ápice superior aT7.
 Boston, Atlanta => curvas com ápice inferior a
T7.
Principio:
Controla a progressão curva, mais não corrige.
E em crianças muito pequenas controla a curva
para evitar artrodese precoce
 TTO conservador – observação /órteses
Até 20º - observar através de Rx de 4-6m(outros autores rx de 6-9m)
20-29º - rx de 3-6m. Curvas <25º costumam regredir e devem ser
reavaliadas a cada 4-12m.O principal fator determinante do retorno
do paciente é a fase de crescimento em que a criança se encontra:
Estirão de crescimento – 4-6m
>=30º em esqueleticamente imaturos- colete
>30º em maturidade esquelética,acompanhar de 5-5 anos.A
progressão no adulto,quando ocorre é de 1º/ano e não justifica
intervenção
Observação também para Risser 4 ou 5 com curvas >20º .Curvas >40º
após final de crescimento podem progredir 1º/ano
Na prática <20º - observar e 20-40º - órtese
 Indicações:
1. curvas maiores que 40º em pacientes
esqueleticamente imaturo.
2. curvas maiores que 50º em pacientes com
esqueleto maduro
3. deformidades neuromusculares
4. Escolioses dolorosas com espondilolistese
 Tipos:
- Artrodese posterior:
a) Estabilização para favorecer a consolidação
da artrodese.
b) Maximizar a correção da deformidade nos 3
planos.
c) Manter o tronco balanceado em todos os
planos, salvando maior nº de níveis moveis
abaixo da artrodese
 Instrumental de Harrington
 segmentar
 Sistema de Cotrel-Dubousset
 Fixação híbrida
 Parafusos pediculados somente ” free hand”
 Conceito
 Epidemiologia
 Etiologia
 Classificação
 Patogenia
 Exame clinico
 Avaliação radiológica
 Tratamento
 Complicações
Monitorização neurológica intra operatória:
- Teste de despertar de Stagnara – Após colocar o implante seja lá qual for, anestesista superficializa paciente e este deve mexer
- Potencial evocado
 Monitorização neurológica intra operatória:
- Teste de despertar de Stagnara – Após colocar o
implante seja lá qual for, anestesista superficializa paciente e
este deve mexer os pés.Se não conseguir, aumenta infusão
de líquidos e diminui grau de correção.Se continuar
paralisado, retirar material e fazer artrodese sem fixação
interna..Não serve para pacientes surdos.
- Potencial evocado
www.traumatologiaeortopedia.com.b

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo de imagens ortopédicas na radiologia
Estudo de imagens ortopédicas na radiologiaEstudo de imagens ortopédicas na radiologia
Estudo de imagens ortopédicas na radiologia
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Imaginologia do ombro e cotovelo 2015
Imaginologia do ombro e cotovelo 2015Imaginologia do ombro e cotovelo 2015
Imaginologia do ombro e cotovelo 2015
Luis Filipe Senna, MD, MSc
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
Autómono
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
Potencial Empresário
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016
Luis Filipe Senna, MD, MSc
 
Modulo 17
Modulo 17Modulo 17
Modulo 17
SemioOrto
 
Legg calve perthers
Legg calve perthersLegg calve perthers
Legg calve perthers
Omar Mohamad Abdallah
 
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Robson Rocha
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Fisioterapeuta
 
Osteotomia Valgizante do Joelho com Técnica de Puddu (Arthrex®) - David Sadig...
Osteotomia Valgizante do Joelho com Técnica de Puddu (Arthrex®) - David Sadig...Osteotomia Valgizante do Joelho com Técnica de Puddu (Arthrex®) - David Sadig...
Osteotomia Valgizante do Joelho com Técnica de Puddu (Arthrex®) - David Sadig...
David Sadigursky
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Trauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros SuperioresTrauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros Superiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico
Omar Mohamad Abdallah
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
paraiba1974
 
Idade ossea
Idade osseaIdade ossea
Idade ossea
endocbh
 
Osteonecrose da cabeça femoral
Osteonecrose da cabeça femoralOsteonecrose da cabeça femoral
Lesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquialLesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquial
Fisioterapeuta
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
saulo vinicius
 

Mais procurados (20)

Estudo de imagens ortopédicas na radiologia
Estudo de imagens ortopédicas na radiologiaEstudo de imagens ortopédicas na radiologia
Estudo de imagens ortopédicas na radiologia
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Imaginologia do ombro e cotovelo 2015
Imaginologia do ombro e cotovelo 2015Imaginologia do ombro e cotovelo 2015
Imaginologia do ombro e cotovelo 2015
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016
 
Modulo 17
Modulo 17Modulo 17
Modulo 17
 
Legg calve perthers
Legg calve perthersLegg calve perthers
Legg calve perthers
 
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Osteotomia Valgizante do Joelho com Técnica de Puddu (Arthrex®) - David Sadig...
Osteotomia Valgizante do Joelho com Técnica de Puddu (Arthrex®) - David Sadig...Osteotomia Valgizante do Joelho com Técnica de Puddu (Arthrex®) - David Sadig...
Osteotomia Valgizante do Joelho com Técnica de Puddu (Arthrex®) - David Sadig...
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Trauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros SuperioresTrauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros Superiores
 
Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
 
Idade ossea
Idade osseaIdade ossea
Idade ossea
 
Osteonecrose da cabeça femoral
Osteonecrose da cabeça femoralOsteonecrose da cabeça femoral
Osteonecrose da cabeça femoral
 
Lesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquialLesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquial
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
 

Semelhante a Escoliose

LesãO Plexo Braquial E Paralisia Obstetrica
LesãO Plexo Braquial E Paralisia ObstetricaLesãO Plexo Braquial E Paralisia Obstetrica
LesãO Plexo Braquial E Paralisia Obstetrica
Marcelo Benedet Tournier
 
Cifose de Scheuermann
Cifose de ScheuermannCifose de Scheuermann
Cifose de Scheuermann
Guilherme Biasuz
 
Fraturas de Calcâneo 2006
Fraturas de Calcâneo 2006Fraturas de Calcâneo 2006
Fraturas de Calcâneo 2006
Carlos Andrade
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
ThailonAzevedo
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
32 lesoes trau.col.cerv
32 lesoes trau.col.cerv32 lesoes trau.col.cerv
32 lesoes trau.col.cerv
Jaqueline Paschoal
 
Fraturas da Coluna
Fraturas da ColunaFraturas da Coluna
Fraturas da Coluna
MarceloMadureiraRama
 
Aplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
Aplicações da Medicina Nuclear em MastologiaAplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
Aplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
caduanselmi
 
Modulo 09
Modulo 09Modulo 09
Modulo 09
SemioOrto
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Jorge Acosta Noriega
 
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiroUltrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Iared
 
Pr subs-2ºbi13
Pr subs-2ºbi13Pr subs-2ºbi13
Pr subs-2ºbi13
pauloalambert
 
Pr subs-2ºbi13
Pr subs-2ºbi13Pr subs-2ºbi13
Pr subs-2ºbi13
pauloalambert
 
Massa cervical UFRJ - 2017
Massa cervical   UFRJ - 2017Massa cervical   UFRJ - 2017
Massa cervical UFRJ - 2017
Leonardo Rangel
 
Cotovelo FAOT 2020.pdf
Cotovelo FAOT 2020.pdfCotovelo FAOT 2020.pdf
Cotovelo FAOT 2020.pdf
fernandosouza442
 
aula coluna lombar e cervical 2015 (1).pptx
aula coluna lombar e cervical 2015 (1).pptxaula coluna lombar e cervical 2015 (1).pptx
aula coluna lombar e cervical 2015 (1).pptx
MiltonRicardodeMedei
 
Apresentação2.pptx
Apresentação2.pptxApresentação2.pptx
Apresentação2.pptx
ThailonAzevedo
 
Trauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombarTrauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombar
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Metástases ósseas
Metástases ósseasMetástases ósseas
Metástases ósseas
Marcelo Madureira Montroni
 
Espondilolise e espondilolistese
Espondilolise e espondilolisteseEspondilolise e espondilolistese
Espondilolise e espondilolistese
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Semelhante a Escoliose (20)

LesãO Plexo Braquial E Paralisia Obstetrica
LesãO Plexo Braquial E Paralisia ObstetricaLesãO Plexo Braquial E Paralisia Obstetrica
LesãO Plexo Braquial E Paralisia Obstetrica
 
Cifose de Scheuermann
Cifose de ScheuermannCifose de Scheuermann
Cifose de Scheuermann
 
Fraturas de Calcâneo 2006
Fraturas de Calcâneo 2006Fraturas de Calcâneo 2006
Fraturas de Calcâneo 2006
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
 
32 lesoes trau.col.cerv
32 lesoes trau.col.cerv32 lesoes trau.col.cerv
32 lesoes trau.col.cerv
 
Fraturas da Coluna
Fraturas da ColunaFraturas da Coluna
Fraturas da Coluna
 
Aplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
Aplicações da Medicina Nuclear em MastologiaAplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
Aplicações da Medicina Nuclear em Mastologia
 
Modulo 09
Modulo 09Modulo 09
Modulo 09
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
 
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiroUltrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
Ultrassonografia na Síndrome do desfiladeiro
 
Pr subs-2ºbi13
Pr subs-2ºbi13Pr subs-2ºbi13
Pr subs-2ºbi13
 
Pr subs-2ºbi13
Pr subs-2ºbi13Pr subs-2ºbi13
Pr subs-2ºbi13
 
Massa cervical UFRJ - 2017
Massa cervical   UFRJ - 2017Massa cervical   UFRJ - 2017
Massa cervical UFRJ - 2017
 
Cotovelo FAOT 2020.pdf
Cotovelo FAOT 2020.pdfCotovelo FAOT 2020.pdf
Cotovelo FAOT 2020.pdf
 
aula coluna lombar e cervical 2015 (1).pptx
aula coluna lombar e cervical 2015 (1).pptxaula coluna lombar e cervical 2015 (1).pptx
aula coluna lombar e cervical 2015 (1).pptx
 
Apresentação2.pptx
Apresentação2.pptxApresentação2.pptx
Apresentação2.pptx
 
Trauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombarTrauma da coluna torácica e lombar
Trauma da coluna torácica e lombar
 
Metástases ósseas
Metástases ósseasMetástases ósseas
Metástases ósseas
 
Espondilolise e espondilolistese
Espondilolise e espondilolisteseEspondilolise e espondilolistese
Espondilolise e espondilolistese
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
 

Escoliose

  • 2.  Conceito  Epidemiologia  Etiologia  Classificação  Patogenia  Exame clinico  Avaliação radiológica  Tratamento  Complicações
  • 3.  Desvio lateral do tronco, com rotação vertebral, tal desvio tem que ser maior que 10º. Obs.1: curvas menores que 10º não é patológica. Obs.2: parâmetros normais: -20 a 40 graus de cifose torácica -40 a 60 graus de lordose lombar -Não há desvio no plano frontal
  • 4.  Conceito  Epidemiologia  Etiologia  Classificação  Patogenia  Exame clinico  Avaliação radiológica  Classificação  Tratamento  Complicações
  • 5.  Mais comum em meninas  Mais comum na forma infantil  Geralmente as curvas são para direita  Siringomielia é a malformação mais comum nas curvas atípicas
  • 6.  Conceito  Epidemiologia  Etiologia  Classificação  Patogenia  Exame clinico  Avaliação radiológica  Tratamento  Complicações
  • 7.  Não esta definida  Idiopática (+ comum)  Neuromuscular  Congênita  Neurofibromatose  Tumores  Insuficiência dos ligamentos  Desequilíbrio muscular  Anomalias do colágeno  Diminuição da produção de melatonina  Forças de Heuter-Volkmann  Alterações do SNC www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 8.  Conceito  Epidemiologia  Etiologia  Classificação  Patogenia  Exame clinico  Avaliação radiológica  Classificação  Tratamento  Complicações
  • 9.  Quanto a idade  Quanto a localização da curva  Quanto a rigidez  king  Nash Moe  Lenke
  • 10.  Infantil: 0 a 3 anos (50%)  Juvenil: 4 a 10 anos (20%)  Adolescente: 11 a 17 anos  Adulto: após 18 anos
  • 11.  Cervical: ápice c2 e c6  Cervicotoracico: ápice c7 e t1  Torácica: ápice t2 e t11 (90% destro convexa)  Toracolombar: ápice t12 e l1 (80%)  Lombar ápice: l2 e l4 (70% e sinistro convexa)  Lombosacra: ápice em l5
  • 12.  Estruturadas: deformidades nao corrigidas com a inclinação lateral.  Não estruturadas: deformidade corrigível com inclinação lateral.
  • 13.  Tipo I: curva lombar maior e mais rígida que a torácica.  Tipo II: curva lombar menor e mais flexível que a torácica  Tipo III: curva torácica pura  Tipo IV: curva lombar com inicio em L4 (longa)  TipoV:curva dupla torácica
  • 14.  6 tipos, difícil memorização  Basicamente divide em: - Curvas estruturadas = são as que não reduzem menos de 25º ao raiox supino - Curvas não estruturadas = são as que reduzem abaixo de 25º www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 15.  quantifica a rotação vertebral que é maior no ápice da curva e identificada pela assimetria dos pedículos e pelo maior deslocamento em relação a linha média
  • 16.  Conceito  Epidemiologia  Etiologia  Classificação  Patogenia  Exame clinico  Avaliação radiológica  Tratamento  Complicações
  • 17.  Fatores hormonais  Teoria biomecânica  Anormalidades tecidual  Patologias do SNC
  • 18.  Conceito  Epidemiologia  Etiologia  Classificação  Patogenia  Exame clinico  Avaliação radiológica  Tratamento  Complicações
  • 19.  Inspeção de assimetria A)Discrepância de MMII B)Nivelamento dos ombros C)Assimetria do triangulo de talhe D)teste de Adams (presença de giba, visualiza rotação vertebral.  Exame neurológico A)Assimetria do reflexo cutâneo abdominal B)Clonus discreto C)fraqueza muscular  Avaliação da maturação sexual A)meninas: menarca aponta o final do estirão de crescimento (crescimento por mais 1 ano) (com cart.Trirradiada aberta é sinal de mau prognóstico) B)meninos: pelos axilares e barba
  • 20.  Conceito  Epidemiologia  Etiologia  Classificação  Patogenia  Exame clinico  Avaliação radiológica  Tratamento  Complicações
  • 21.  Rx panorâmico ortostático (indica cirurgia)  Rx panorâmico supino(importante pois é a posição de cirurgia, avalia inclinação lateral e flexibilidade)  Rx perfil (avalia cifose)  Rx da bacia (para pesquisa do sinal de Risser)  Rx obliquo de Stagnara www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 22.  Feito no Rx em ortotase. Perpendiculares as vértebras + caudal e a + cranial formam o angulo de cobb.  Vértebra cranial e terminal(caudal) – são as que tem maior inclinação voltada para a curva.  Vértebra neutra - esta na transição de 2 curvas  Vértebra estável - 2 pedículos bissectados pela linha mediosacral (importante pois onde é onde determina o nível distal na instrumentação cirúrgica para artrodese.
  • 23.  Índice de Risser – mede a maturidade esquelética baseada na apófise do osso ilíaco onde a ossificação da cartilagem inicia e progride de anterior para posterior .Fundamental para prognóstico,evolução e tratamento Risser 0 – ausência da ossificação da cartilagem Risser 1 – ossificação 25% Risser 2 – ossificação 50% Risser 3 – ossificação 75% Risser 4 – ossificação 100% Risser 5 – fechamento A cartilagem trirradiada do acetábulo também dá subsídios
  • 25.  O risco de progressão é medido pelo ângulo costovertebral (Mehta). Leva em consideração os fatores prognósticos: 1 - (metha) – diferença na obliqüidade entre as duas costelas fixas a vértebra apical.Não existe superposição da cabeça da costela e corpo vertebral. 2 – fase da cabeça da costela - Se a diferença entre a obliqüidade D e E for <20º - 83% chance de resolução espontânea. - Se > 20º - 84% progressão:
  • 26.  Conceito  Epidemiologia  Etiologia  Classificação  Patogenia  Exame clinico  Avaliação radiológica  Tratamento  Complicações
  • 27.  Conservador - Observação - Uso de colete  Cirúrgico - Instrumentação
  • 28.  Ate 20º => observar. (inicio 4 em 4 meses, final 2 em 2 anos). curvas menores que 20º raramente progridem.  Entre 20º a 40º => colete - Esqueletos imaturos - Curvas flexíveis entre 20º a 40º - Progressão documentada entre 20º a 29º www.traumatologiaeortopedia.com.b
  • 29.  Milwaukee => curvas com ápice superior aT7.  Boston, Atlanta => curvas com ápice inferior a T7. Principio: Controla a progressão curva, mais não corrige. E em crianças muito pequenas controla a curva para evitar artrodese precoce
  • 30.  TTO conservador – observação /órteses Até 20º - observar através de Rx de 4-6m(outros autores rx de 6-9m) 20-29º - rx de 3-6m. Curvas <25º costumam regredir e devem ser reavaliadas a cada 4-12m.O principal fator determinante do retorno do paciente é a fase de crescimento em que a criança se encontra: Estirão de crescimento – 4-6m >=30º em esqueleticamente imaturos- colete >30º em maturidade esquelética,acompanhar de 5-5 anos.A progressão no adulto,quando ocorre é de 1º/ano e não justifica intervenção Observação também para Risser 4 ou 5 com curvas >20º .Curvas >40º após final de crescimento podem progredir 1º/ano Na prática <20º - observar e 20-40º - órtese
  • 31.  Indicações: 1. curvas maiores que 40º em pacientes esqueleticamente imaturo. 2. curvas maiores que 50º em pacientes com esqueleto maduro 3. deformidades neuromusculares 4. Escolioses dolorosas com espondilolistese
  • 32.  Tipos: - Artrodese posterior: a) Estabilização para favorecer a consolidação da artrodese. b) Maximizar a correção da deformidade nos 3 planos. c) Manter o tronco balanceado em todos os planos, salvando maior nº de níveis moveis abaixo da artrodese
  • 33.  Instrumental de Harrington  segmentar  Sistema de Cotrel-Dubousset  Fixação híbrida  Parafusos pediculados somente ” free hand”
  • 34.  Conceito  Epidemiologia  Etiologia  Classificação  Patogenia  Exame clinico  Avaliação radiológica  Tratamento  Complicações
  • 35. Monitorização neurológica intra operatória: - Teste de despertar de Stagnara – Após colocar o implante seja lá qual for, anestesista superficializa paciente e este deve mexer - Potencial evocado
  • 36.  Monitorização neurológica intra operatória: - Teste de despertar de Stagnara – Após colocar o implante seja lá qual for, anestesista superficializa paciente e este deve mexer os pés.Se não conseguir, aumenta infusão de líquidos e diminui grau de correção.Se continuar paralisado, retirar material e fazer artrodese sem fixação interna..Não serve para pacientes surdos. - Potencial evocado www.traumatologiaeortopedia.com.b