SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA DE FARMACOLOGIA:
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDES
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Departamento de Farmacologia
Instituto de Ciências Biológicas
Contato: pintomcx@ufg.br
Inflamação
Sinais cardinais da inflamação
A inflamação é uma reação do organismo a uma infecção ou lesão dos tecidos. Capacidade do
organismo de desencadear uma resposta inflamatória, é fundamental à sobrevivência, em vista
dos patógenos e lesões ambientais, embora em algumas situações e doenças a resposta
inflamatória possa ser exagerada e persistente, sem qualquer benefício aparente
Resposta imune inata
Ação sobre os neurônios nociceptivos
Exemplo: Bradicinina e prostaglandinas
Diferentes mediadores químicos atuam sinergicamente em para produzir o sinal de dor. Um
exemplo importante é a interação entre a bradicinina e as prostaglandinas.
Preparação de nervo ciático de rato. Exposição a bradicinina e prostaglandina E2 (PGE2). A
aplicação de bradicina não aumenta significativamente a intensidade do sinal, tampouco a
aplicação de PGE2. A aplicação de bradicina após a PGE2 causou um aumento na intensidade de
sinal (amplitude de CAP), o que mostra o papel as prostaglandinas nos mecanismos da dor.
Produção de eicosanoides
Produção de eicosanóides
Eicosanóides
Isoformas da cicloxigenase
Função das cicloxigenases nos tecidos
Anti-inflamatórios não esteroides (AINES)
Resumo
AINEs
O principal mecanismo de ação dos AINEs é a inibição das enzimas cicloxigenases.
Esta inibição reduz a quebra do ácido araquidônico em prostaglandinas por células
inflamatórias. Os três principais efeitos destas drogas são:
Ação anti-inflamatória: Efeito associado à diminuição da PGE2 e prostaciclina na
região lesionada, o que reduz a vasodilatação e, indiretamente, o edema. Não trata a
fonte da lesão.
Efeito analgésico: Efeito associado à diminuição sensibilização das terminações
nervosas nociceptivas por mediadores inflamatórios, tais como PGE2, bradicinina e 5-
HT. Alívio da dor de cabeça é provavelmente um resultado da diminuição da
vasodilatação mediada por prostaglandinas.
Efeito antipirético: O aumento de interleucina-1 no sangue gera o aumento da
produção de prostaglandinas no SNC (hipotálamo), levando ao aumento do ponto de
controle temperatura e causando febre. Os AINEs agem no SNC reduzindo PGE2.
Fármacos
Aspirina
A aspirina (ácido acetilsalicilico) é o mais antigo AINE no mercado. Atua por inativação
irreversível tanto das ciclxigenases (COX) -1 e COX-2.
Para além das suas ações analgésicas e anti-inflamatórias, aspirina inibe a agregação de
plaquetas, e atualmente é usado na terapia de doenças cardiovasculares. É administrado por via
oral, e é rapidamente absorvido; 75% é metabolizado no fígado; Tempo de meia vida de 4 horas.
Paracetamol
Paracetamol é a principal analgésico de venda livre. Apresenta efeitos analgésicos e
antipirético fortes, porém apresenta poucos efeitos anti-inflamatórios.
Estudos sugerem que este perfil farmacológico peculiar se deve a atuação do
paracetamol no SNC, especificamente em um subtipo de cicloxigenases (COX3).
É administrado oralmente e metabolizado no fígado (semi-vida de 2-4 h). Em doses
tóxicas pode causar náuseas e vómitos e (lesão hepática potencialmente fatal após
24-48 h).
Derivados de ácidos propiônicos
Oxicans
A maioria das oxicans são inibidores não seletivos das enzimas cicloxigenase (COX).
A exceção é a meloxicam, com uma leve preferência (10:1) por COX-2 (baixas doses).
1- Tem menores efeitos no GI do que o AAS;
2- Analgésico, antipirético e anti-inflamatório;
3- Usados na artrite reumatoide e osteoartrite;
4- Usados em distúrbios musculoesqueléticos agudos;
Coxibes
Os coxibes são inibidores seletivos da enzima COX-2. Sua seletividade para COX-2
reduz o risco de úlcera péptica, e é a principal característica do celecoxib, rofecoxib e
outros membros desta classe de drogas.
1- Analgésico, antipirético e anti-inflamatório;
2- Apresentam menos efeitos no TGI.
3- Contraindicados para pacientes com hipertensão, insuficiência cardíaca ou
problemas de coagulação. Utilizados para tratamentos curtos e períodos pós-
Coxibes
COX-2
Vasodilatação (Ação renal)
Inibição da agregação plaquetária
COX-1
Efeitos vaso oclusivos
(Endotélio)
Agregação plaquetária
Proteção da mucosa gástrica
Efeitos colaterais
Efeitos colaterais: TGI
Os efeitos indesejados dos AINEs no TGI estão principalmente associados à inibição da enzima
constitutiva COX-1. A causa é a supressão de prostaglandinas gastroprotetoras na mucosa
gástrica.
Outros efeitos gastrointestinais associados ao uso crônico: Dispepsia, náuseas, vômitos, danos
gástrico-intestinal e risco de hemorragias (pode ser fatal).
No estômago: PGE2 e PGI2, ↓↓↓HCl, ↓↓↓pepsina, ↑↑↑HCO3, ↑↑↑Muco.
Efeitos colaterais: Função Renal
As prostaglandinas PGE2 e PGI2 são produzidas constitutivamente nos rins e promovem um
efeito vasodilatador compensatório em resposta a noradrenalina e a angiotensina II.
Em pacientes com função hepática comprometida podem causar uma Insuficiência renal
reversível.
Em pacientes que fazem uso contínuo de altas doses de AINEs por um longo tempo podem
causar a “nefropatia associada a analgésicos”. É frequentemente irreversível.
Efeitos colaterais: Sistema Cardiovascular
O uso prolongado de AINEs, principalmente os inibidores seletivos de COX-2
(“Coxibes”), pode causar hipertensão arterial e predispor os pacientes a efeitos
adversos como AVC e infarto do miocárdio devido ao aumento da agregação
plaquetária.
Os efeitos trombolíticos dos “Coxibes” estão associados ao desequilíbrio da função de
COX-1 e COX-2. A isoforma constitutiva causa agregação plaquetária e a isoforma
induzida inibe este processo. O uso de coxibes favorece a função de COX-1 levando
a formação de trombos
Efeitos colaterais
Outros efeitos:
1- Reações cutâneas;
2- Broncoespamos (Asmáticos sensíveis a aspirinas);
3- Distúrbios hepáticos;
4- Depressão da medula óssea.
Dúvidas?
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Contato: pintomcx@ufg.br
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Jaqueline Almeida
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
Julia Martins Ulhoa
 
Aines
AinesAines
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
Ricardo Augusto Tenfen Carneiro
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
Leonardo Souza
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
bruninhogaldino
 
Farmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascularFarmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascular
Joel Santos Nogueira
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Leonardo Souza
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
analgesicos
analgesicosanalgesicos
analgesicos
josi uchoa
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
Leonardo Souza
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 

Mais procurados (20)

Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
 
Aines
AinesAines
Aines
 
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
 
Farmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascularFarmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascular
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
analgesicos
analgesicosanalgesicos
analgesicos
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 

Semelhante a Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais

Aines
AinesAines
Aines
Helen Lima
 
Slide de antiflamatorio e imunossupressores
Slide de antiflamatorio e imunossupressoresSlide de antiflamatorio e imunossupressores
Slide de antiflamatorio e imunossupressores
Camila Magalhães
 
Aula 6 Cf1
Aula 6 Cf1Aula 6 Cf1
Aula 6 Cf1
Caio Maximino
 
AINES
AINESAINES
AINES
edvandef
 
Antiinflamatórios veterinária
Antiinflamatórios veterinária Antiinflamatórios veterinária
Antiinflamatórios veterinária
Adryano Augustto Valladão de Carvalho
 
Aula 12 Biomedicina
Aula 12 BiomedicinaAula 12 Biomedicina
Aula 12 Biomedicina
Caio Maximino
 
Aines
AinesAines
SNAP.pptx
SNAP.pptxSNAP.pptx
SNAP.pptx
SNAP.pptxSNAP.pptx
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacutEfeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
argeropulos1
 
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMACAO PT2.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMACAO PT2.pdfFARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMACAO PT2.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMACAO PT2.pdf
nilsonmarques9
 
aines.ppt
aines.pptaines.ppt
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
Dalvânia Santos
 
Fármacos antiinflamatórios
Fármacos antiinflamatóriosFármacos antiinflamatórios
Fármacos antiinflamatórios
Stheffany Araújo
 
Livro de medicamentos
Livro de medicamentosLivro de medicamentos
Livro de medicamentos
Gabriela Montargil
 
AIES-AINES aula PDF.pdf
AIES-AINES aula PDF.pdfAIES-AINES aula PDF.pdf
AIES-AINES aula PDF.pdf
Viviane Porto
 
Obesidade principalmente abdominal visceral sem controle e implicações com di...
Obesidade principalmente abdominal visceral sem controle e implicações com di...Obesidade principalmente abdominal visceral sem controle e implicações com di...
Obesidade principalmente abdominal visceral sem controle e implicações com di...
Van Der Häägen Brazil
 
Aines
AinesAines
Aines
lidypvh
 
Aines
AinesAines
Aines
Rachel V.
 
Aines terminar
Aines terminarAines terminar
Aines terminar
jessicahercules09
 

Semelhante a Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais (20)

Aines
AinesAines
Aines
 
Slide de antiflamatorio e imunossupressores
Slide de antiflamatorio e imunossupressoresSlide de antiflamatorio e imunossupressores
Slide de antiflamatorio e imunossupressores
 
Aula 6 Cf1
Aula 6 Cf1Aula 6 Cf1
Aula 6 Cf1
 
AINES
AINESAINES
AINES
 
Antiinflamatórios veterinária
Antiinflamatórios veterinária Antiinflamatórios veterinária
Antiinflamatórios veterinária
 
Aula 12 Biomedicina
Aula 12 BiomedicinaAula 12 Biomedicina
Aula 12 Biomedicina
 
Aines
AinesAines
Aines
 
SNAP.pptx
SNAP.pptxSNAP.pptx
SNAP.pptx
 
SNAP.pptx
SNAP.pptxSNAP.pptx
SNAP.pptx
 
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacutEfeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
Efeitos colaterais-de-antiinflamatoacut
 
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMACAO PT2.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMACAO PT2.pdfFARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMACAO PT2.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMACAO PT2.pdf
 
aines.ppt
aines.pptaines.ppt
aines.ppt
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Fármacos antiinflamatórios
Fármacos antiinflamatóriosFármacos antiinflamatórios
Fármacos antiinflamatórios
 
Livro de medicamentos
Livro de medicamentosLivro de medicamentos
Livro de medicamentos
 
AIES-AINES aula PDF.pdf
AIES-AINES aula PDF.pdfAIES-AINES aula PDF.pdf
AIES-AINES aula PDF.pdf
 
Obesidade principalmente abdominal visceral sem controle e implicações com di...
Obesidade principalmente abdominal visceral sem controle e implicações com di...Obesidade principalmente abdominal visceral sem controle e implicações com di...
Obesidade principalmente abdominal visceral sem controle e implicações com di...
 
Aines
AinesAines
Aines
 
Aines
AinesAines
Aines
 
Aines terminar
Aines terminarAines terminar
Aines terminar
 

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto

Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e MetabolismoAula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças NeurovascularesAula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatóriaAula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Mauro Cunha Xavier Pinto
 

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto (17)

Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e MetabolismoAula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças NeurovascularesAula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
 
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatóriaAula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
 

Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais

  • 1. AULA DE FARMACOLOGIA: ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDES Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Biológicas Contato: pintomcx@ufg.br
  • 3. Sinais cardinais da inflamação A inflamação é uma reação do organismo a uma infecção ou lesão dos tecidos. Capacidade do organismo de desencadear uma resposta inflamatória, é fundamental à sobrevivência, em vista dos patógenos e lesões ambientais, embora em algumas situações e doenças a resposta inflamatória possa ser exagerada e persistente, sem qualquer benefício aparente
  • 5. Ação sobre os neurônios nociceptivos
  • 6. Exemplo: Bradicinina e prostaglandinas Diferentes mediadores químicos atuam sinergicamente em para produzir o sinal de dor. Um exemplo importante é a interação entre a bradicinina e as prostaglandinas. Preparação de nervo ciático de rato. Exposição a bradicinina e prostaglandina E2 (PGE2). A aplicação de bradicina não aumenta significativamente a intensidade do sinal, tampouco a aplicação de PGE2. A aplicação de bradicina após a PGE2 causou um aumento na intensidade de sinal (amplitude de CAP), o que mostra o papel as prostaglandinas nos mecanismos da dor.
  • 14. AINEs O principal mecanismo de ação dos AINEs é a inibição das enzimas cicloxigenases. Esta inibição reduz a quebra do ácido araquidônico em prostaglandinas por células inflamatórias. Os três principais efeitos destas drogas são: Ação anti-inflamatória: Efeito associado à diminuição da PGE2 e prostaciclina na região lesionada, o que reduz a vasodilatação e, indiretamente, o edema. Não trata a fonte da lesão. Efeito analgésico: Efeito associado à diminuição sensibilização das terminações nervosas nociceptivas por mediadores inflamatórios, tais como PGE2, bradicinina e 5- HT. Alívio da dor de cabeça é provavelmente um resultado da diminuição da vasodilatação mediada por prostaglandinas. Efeito antipirético: O aumento de interleucina-1 no sangue gera o aumento da produção de prostaglandinas no SNC (hipotálamo), levando ao aumento do ponto de controle temperatura e causando febre. Os AINEs agem no SNC reduzindo PGE2.
  • 16. Aspirina A aspirina (ácido acetilsalicilico) é o mais antigo AINE no mercado. Atua por inativação irreversível tanto das ciclxigenases (COX) -1 e COX-2. Para além das suas ações analgésicas e anti-inflamatórias, aspirina inibe a agregação de plaquetas, e atualmente é usado na terapia de doenças cardiovasculares. É administrado por via oral, e é rapidamente absorvido; 75% é metabolizado no fígado; Tempo de meia vida de 4 horas.
  • 17. Paracetamol Paracetamol é a principal analgésico de venda livre. Apresenta efeitos analgésicos e antipirético fortes, porém apresenta poucos efeitos anti-inflamatórios. Estudos sugerem que este perfil farmacológico peculiar se deve a atuação do paracetamol no SNC, especificamente em um subtipo de cicloxigenases (COX3). É administrado oralmente e metabolizado no fígado (semi-vida de 2-4 h). Em doses tóxicas pode causar náuseas e vómitos e (lesão hepática potencialmente fatal após 24-48 h).
  • 18. Derivados de ácidos propiônicos
  • 19. Oxicans A maioria das oxicans são inibidores não seletivos das enzimas cicloxigenase (COX). A exceção é a meloxicam, com uma leve preferência (10:1) por COX-2 (baixas doses). 1- Tem menores efeitos no GI do que o AAS; 2- Analgésico, antipirético e anti-inflamatório; 3- Usados na artrite reumatoide e osteoartrite; 4- Usados em distúrbios musculoesqueléticos agudos;
  • 20. Coxibes Os coxibes são inibidores seletivos da enzima COX-2. Sua seletividade para COX-2 reduz o risco de úlcera péptica, e é a principal característica do celecoxib, rofecoxib e outros membros desta classe de drogas. 1- Analgésico, antipirético e anti-inflamatório; 2- Apresentam menos efeitos no TGI. 3- Contraindicados para pacientes com hipertensão, insuficiência cardíaca ou problemas de coagulação. Utilizados para tratamentos curtos e períodos pós-
  • 21. Coxibes COX-2 Vasodilatação (Ação renal) Inibição da agregação plaquetária COX-1 Efeitos vaso oclusivos (Endotélio) Agregação plaquetária Proteção da mucosa gástrica
  • 23. Efeitos colaterais: TGI Os efeitos indesejados dos AINEs no TGI estão principalmente associados à inibição da enzima constitutiva COX-1. A causa é a supressão de prostaglandinas gastroprotetoras na mucosa gástrica. Outros efeitos gastrointestinais associados ao uso crônico: Dispepsia, náuseas, vômitos, danos gástrico-intestinal e risco de hemorragias (pode ser fatal). No estômago: PGE2 e PGI2, ↓↓↓HCl, ↓↓↓pepsina, ↑↑↑HCO3, ↑↑↑Muco.
  • 24. Efeitos colaterais: Função Renal As prostaglandinas PGE2 e PGI2 são produzidas constitutivamente nos rins e promovem um efeito vasodilatador compensatório em resposta a noradrenalina e a angiotensina II. Em pacientes com função hepática comprometida podem causar uma Insuficiência renal reversível. Em pacientes que fazem uso contínuo de altas doses de AINEs por um longo tempo podem causar a “nefropatia associada a analgésicos”. É frequentemente irreversível.
  • 25. Efeitos colaterais: Sistema Cardiovascular O uso prolongado de AINEs, principalmente os inibidores seletivos de COX-2 (“Coxibes”), pode causar hipertensão arterial e predispor os pacientes a efeitos adversos como AVC e infarto do miocárdio devido ao aumento da agregação plaquetária. Os efeitos trombolíticos dos “Coxibes” estão associados ao desequilíbrio da função de COX-1 e COX-2. A isoforma constitutiva causa agregação plaquetária e a isoforma induzida inibe este processo. O uso de coxibes favorece a função de COX-1 levando a formação de trombos
  • 26. Efeitos colaterais Outros efeitos: 1- Reações cutâneas; 2- Broncoespamos (Asmáticos sensíveis a aspirinas); 3- Distúrbios hepáticos; 4- Depressão da medula óssea.
  • 27. Dúvidas? Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Contato: pintomcx@ufg.br

Notas do Editor

  1. Sinais cardinais da inflamação; Resposta imune inata, Ação sobre os neurônios nociceptivos;
  2. usos clínicos dos AINEs
  3. usos clínicos dos AINEs
  4. usos clínicos dos AINEs
  5. usos clínicos dos AINEs
  6. Chronic pain, which includes neuropathic pain induced by nerve injury and spinal cord injury, arthritis-induced inflammatory pain, cancer pain and pain induced by drug treatment, results from neuroinflammation in the spinal cord. This neuroinflammation is triggered by activity-dependent release of glial activators (that is, neurotransmitters, chemokines and proteases, as well as WNT ligands) from the central terminals of primary afferent neurons and/or by disruption of the blood–brain barrier (BBB). Neuroinflammation is characterized by the activation of microglia and astrocytes, the infiltration of immune cells to the peripheral nervous system (PNS; for example, the dorsal root ganglia (DRG)) and the central nervous system (CNS; for example, the spinal cord), and the production of inflammatory and glial mediators such as pro-inflammatory cytokines and chemokines, as well as growth factors and gliotransmitters (that is, glutamate and ATP). These glial mediators can powerfully modulate excitatory and inhibitory synaptic transmission, leading to central sensitization and enhanced chronic pain states. Glial mediators can further act on glial and immune cells to facilitate neuroinflammation via autocrine and paracrine routes. Furthermore, neuroinflammation generates anti-inflammatory cytokines and pro-resolution lipid mediators (PRLMs) to normalize neuroinflammation, synaptic plasticity and abnormal chronic pain. AMPAR, AMPA (α-amino-3-hydroxy-5-methyl-4-isoxazole propionic acid) receptor; BDNF, brain-derived neurotrophic factor; bFGF, basic fibroblast growth factor; CCL2, CC-chemokine ligand 2; CX3CL1, CX3C-chemokine ligand 1; CXCL1, CXC-chemokine ligand 1; ERK, extracellular signal-regulated kinase; GABAR, GABA (γ-aminobutyric acid) receptor; GlyR, glycine receptor; IFNγ, interferon-γ; IL-1β, interleukin-1β; JNK, JUN N-terminal kinase; MAPK, mitogen-activated protein kinase; MMP9, matrix metalloproteinase 9; NMDAR, NMDA (N-methyl-D-aspartate) receptor; TGFβ, transforming growth factor-β; TNF, tumour necrosis factor; tPA, tissue-type plasminogen activator.