SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
AULA DE FARMACOLOGIA:
INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Departamento de Farmacologia
Instituto de Ciências Biológicas
Contato: pintomcx@ufg.br
Roteiro da aula: SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO (SNA)
1- Divisões do Sistema Nervoso;
2- Aspectos Anatômicos;
3- Aspectos funcionais;
4- Neurônio pré e pós-ganglionar;
5- Neurônios do SNA;
6- Os transmissores do SNA;
7- Neurotransmissão no SNA;
8- A sinapse;
9- Cotransmissão e neuromodulação;
10- Mediadores químicos do SNA;
11- Regulação pré-sináptica;
12- Sinapse colinérgica;
13- Receptores nicotínicos;
14- Receptores muscarínicos;
15- Sinapse adrenérgica;
16- Receptores adrenérgicos.
Anatomia do Sistema Nervoso Autônomo
Divisões do Sistema Nervoso
Aspectos funcionais
Sistema Nervoso Simpático: Prepara o organismo para o estresse (instinto de fuga ou luta).
Catabólico (sistema de desgaste) e adrenérgico .
Sistema Nervos Parassimpático: Estimula atividades relaxantes (repouso). Anabólico (sistema
de conservação) e colinérgico.
Repouso e Digestão Luta ou Fuga
Equilíbrio
do controle
autonômico
Atividade Parassimpática Atividade Simpática
Aspectos funcionais
O sistema nervoso autônomo controla o músculo liso (vascular e visceral), exócrina (e
alguns endócrino) secreções, a taxa e a força do coração e certos processos
metabólicos (por exemplo de utilização da glucose).
Aspectos funcionais
Aspectos Anatômicos
Sistema Nervoso Autônomo (vegetativo ou visceral) é constituído por nervos que
conduzem impulsos do sistema nervoso central à musculatura lisa de órgãos viscerais,
músculos cardíacos e glândulas.
Realiza o controle da digestão, sistema cardiovascular, excretor e endócrino.
Os nervos do SNP autônomo possuem dois tipos de neurônios:
Pré-ganglionares (corpo celular dentro do SNC)
Pós-ganglionares (Corpo celular dentro do gânglio)
Aspectos Anatômicos
Neurônios do SNA
Acetilcolina
Acetilcolina
Acetilcolina
Noradrenalina
Os transmissores do sistema nervoso autônomo
Os principais transmissores são a acetilcolina (ACh) e noradrenalina.
Co-transmissão: Óxido Nítrico (NO) e peptídeo vasoativo intestinal (VIP), ATP,
neuropeptídeo Y, 5-hidroxitriptamina (5-HT), GABA e dopamina.
Neurotransmissão no SNA
Neurotransmissão no SNA
Exceção a regra:
A sinapse
Sinapse padrão
1- Captação de precursores por transportadores;
2- Síntese de Neurotransmissores;
3- Captação dos neurotransmissores pelas
vesículas;
4- Degradação dos neurotransmissores;
5- Despolarização;
6- Abertura dos Canais de Ca+2
;
7- Exocitose;
8- Ligação do neurotransmissor ao receptor pós-
sináptico;
9- Captação pós-sináptica de neurotransmissores;
10- Inativação/degradação de neurotransmissores;
11- Recaptação de neurotransmissores por
transportadores pré-sinápticos;
12- Captação de neurotransmissores por células
gliais;
13- Ligação em receptores pré-sinápticos.
Mediadores químicos do SNA
Cotransmissão e neuromodulação
Regulação pré-sináptica da liberação de transmissores
Interações heterotrópica: um neurotransmissor afeta a liberação de outro.
Interações homotrópica: o transmissor liga-se a um auto-receptor pré-sináptico e
afeta os terminais nervosos a partir do qual ele está a ser libertado.
Resumo
Sinapse Adrenérgica
Sinapse adrenérgica
As sinapses adrenérgicas são aquelas que produzem e
liberam catecolaminas nos neurônios pré-sinápticos.
As catecolaminas são compostos que contêm uma
porção catecol (um anel de benzeno com dois grupos
hidroxilo adjacentes) e uma cadeia lateral de amina.
Farmacologicamente, os mais importantes são os
seguintes:
Noradrenalina (norepinefrina): transmissor liberado
pelos terminais nervosos simpáticos.
Adrenalina (epinefrina): hormônio secretado pela
medula adrenal.
Dopamina: o precursor metabólico de noradrenalina e
de adrenalina, também um transmissor SNC.
Isoprenalina (isoproterenol): derivado sintético de
noradrenalina, não está presente no corpo.
Sinapse adrenérgica
Receptores adrenérgicos
Os receptores adrenérgicos pertencem à superfamília dos receptores acoplados à
proteína G (metabotrópicos).
Os principais efeitos de ativação do receptor são os seguintes:
Receptores α1: vasoconstrição, relaxamento do músculo liso gastrointestinal, secreção
salivar e glicogenólise hepática;
Receptores α2: Inibição da libertação de transmissores (incluindo a noradrenalina e a
libertação de acetilcolina dos nervos autonômicos), agregação de plaquetas, contração
do músculo liso vascular, inibição da libertação de insulina;
Receptores β1: aumento da frequência cardíaca e da força;
Receptores β2: broncodilatação, vasodilatação, relaxamento do músculo liso visceral,
glicogenólise hepática e tremor muscular;
Receptores β3: lipólise.
Receptores adrenérgicos
Receptor adrenérgico α1
Receptores adrenérgicos β e α2
Controle da ação da noradrenalina
Sinapse Colinérgica
Sinapse colinérgica
As sinapses colinérgicas liberam acetilcolina. Os principais receptores colinérgicos são
os receptores nicotínicos (nAChR) e os receptores muscarínicos (mAChR), que podem
ocorrer tanto nos terminais pré-sinápticos quanto nos pós-sinápticos.
Receptores nicotínicos
Os receptores nicotínicos são diretamente acoplados a canais de cátions, e medeiam a transmissão
excitatória rápida sináptica na junção neuromuscular, gânglios autônomos e vários locais no SNC. São
compostos por 5 subunidades que podem ser α (10 tipos), β (4 tipos), γ, δ e ε (um De cada).
(α1)2/β1εδ - Junção neuromuscular do músculo
esquelético (principalmente pós-sinápticos)
(α3)2(β2)3 - Ganglios (principalmente pós-
sinápticos)
(α7)5 e (α4)2(β2)3 - Cérebro (Pré e pós-sinápticos)
Receptores muscarínicos
Os receptores muscarínicos são receptores acoplados à proteína G (metabotrópicos).
Os mAChR medeiam os efeitos da ACh em sinapses pós-ganglionares parassimpáticas
(principalmente o coração, músculo liso e glândulas).
Funcionamento de receptores muscarínicos
Funcionamento de receptores muscarínicos
Funcionamento de receptores muscarínicos
Receptores e suas funções
Receptores e suas funções
Dúvidas?
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Contato: pintomcx@ufg.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerMauro Cunha Xavier Pinto
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Safia Naser
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosMauro Cunha Xavier Pinto
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologiaJaqueline Almeida
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínicojaninemagalhaes
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoJaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
 
Adrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicosAdrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicos
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
5. sistema nervoso
5. sistema nervoso5. sistema nervoso
5. sistema nervoso
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
Farmacologia Opioides
Farmacologia Opioides   Farmacologia Opioides
Farmacologia Opioides
 

Semelhante a Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo

Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E SimpaticoliticosSimpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E Simpaticoliticoslidypvh
 
aula-4-sinapse-bio2022.pdf
aula-4-sinapse-bio2022.pdfaula-4-sinapse-bio2022.pdf
aula-4-sinapse-bio2022.pdfYuriSambeni
 
Farmacodinâmica das Drogas de Ação Central Introdução
Farmacodinâmica das Drogas de Ação Central IntroduçãoFarmacodinâmica das Drogas de Ação Central Introdução
Farmacodinâmica das Drogas de Ação Central IntroduçãoFarmacêutico Digital
 
Aula colinergicos 070515
Aula colinergicos 070515Aula colinergicos 070515
Aula colinergicos 070515Juliette Borba
 
Mecanismo das Sinapses
Mecanismo das SinapsesMecanismo das Sinapses
Mecanismo das SinapsesJose Carlos
 
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)Pedro Miguel
 
Aula parassimpaticosmimeticos
Aula parassimpaticosmimeticosAula parassimpaticosmimeticos
Aula parassimpaticosmimeticosSuzane Amorim
 
Adrenergicos e antiadrenergicos
Adrenergicos e antiadrenergicosAdrenergicos e antiadrenergicos
Adrenergicos e antiadrenergicossamaradd
 
Seminário neuroendocrinologia
Seminário neuroendocrinologiaSeminário neuroendocrinologia
Seminário neuroendocrinologiaCaio Maximino
 
Seminário neurotransmissão
Seminário neurotransmissãoSeminário neurotransmissão
Seminário neurotransmissãoMarília Félix
 
Sistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSoniaCruz89
 
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdfDrogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdfdelevatti46
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfProfYasminBlanco
 
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPgarciabohrerdaniel
 

Semelhante a Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo (20)

Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E SimpaticoliticosSimpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
 
aula-4-sinapse-bio2022.pdf
aula-4-sinapse-bio2022.pdfaula-4-sinapse-bio2022.pdf
aula-4-sinapse-bio2022.pdf
 
Farmacodinâmica das Drogas de Ação Central Introdução
Farmacodinâmica das Drogas de Ação Central IntroduçãoFarmacodinâmica das Drogas de Ação Central Introdução
Farmacodinâmica das Drogas de Ação Central Introdução
 
Aula colinergicos 070515
Aula colinergicos 070515Aula colinergicos 070515
Aula colinergicos 070515
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
 
Mecanismo de sinapses
Mecanismo de sinapsesMecanismo de sinapses
Mecanismo de sinapses
 
Mecanismo das Sinapses
Mecanismo das SinapsesMecanismo das Sinapses
Mecanismo das Sinapses
 
Aula - SNA.ppt
Aula - SNA.pptAula - SNA.ppt
Aula - SNA.ppt
 
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
 
Aula parassimpaticosmimeticos
Aula parassimpaticosmimeticosAula parassimpaticosmimeticos
Aula parassimpaticosmimeticos
 
Adrenergicos e antiadrenergicos
Adrenergicos e antiadrenergicosAdrenergicos e antiadrenergicos
Adrenergicos e antiadrenergicos
 
Seminário neuroendocrinologia
Seminário neuroendocrinologiaSeminário neuroendocrinologia
Seminário neuroendocrinologia
 
Seminário neurotransmissão
Seminário neurotransmissãoSeminário neurotransmissão
Seminário neurotransmissão
 
Sistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomo
 
Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1
 
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdfDrogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
Drogas Colinérgicas e Anticolinérgicas.pdf
 
Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdf
 
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
 
Transmissão Colinérgica
Transmissão ColinérgicaTransmissão Colinérgica
Transmissão Colinérgica
 

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto

Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e MetabolismoAula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e MetabolismoMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças NeurovascularesAula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças NeurovascularesMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatóriaAula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatóriaMauro Cunha Xavier Pinto
 

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto (14)

Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e MetabolismoAula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
 
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças NeurovascularesAula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatóriaAula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
 

Último

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (9)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo

  • 1. AULA DE FARMACOLOGIA: INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Biológicas Contato: pintomcx@ufg.br
  • 2. Roteiro da aula: SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO (SNA) 1- Divisões do Sistema Nervoso; 2- Aspectos Anatômicos; 3- Aspectos funcionais; 4- Neurônio pré e pós-ganglionar; 5- Neurônios do SNA; 6- Os transmissores do SNA; 7- Neurotransmissão no SNA; 8- A sinapse; 9- Cotransmissão e neuromodulação; 10- Mediadores químicos do SNA; 11- Regulação pré-sináptica; 12- Sinapse colinérgica; 13- Receptores nicotínicos; 14- Receptores muscarínicos; 15- Sinapse adrenérgica; 16- Receptores adrenérgicos.
  • 3. Anatomia do Sistema Nervoso Autônomo
  • 5. Aspectos funcionais Sistema Nervoso Simpático: Prepara o organismo para o estresse (instinto de fuga ou luta). Catabólico (sistema de desgaste) e adrenérgico . Sistema Nervos Parassimpático: Estimula atividades relaxantes (repouso). Anabólico (sistema de conservação) e colinérgico. Repouso e Digestão Luta ou Fuga Equilíbrio do controle autonômico Atividade Parassimpática Atividade Simpática
  • 6. Aspectos funcionais O sistema nervoso autônomo controla o músculo liso (vascular e visceral), exócrina (e alguns endócrino) secreções, a taxa e a força do coração e certos processos metabólicos (por exemplo de utilização da glucose).
  • 8. Aspectos Anatômicos Sistema Nervoso Autônomo (vegetativo ou visceral) é constituído por nervos que conduzem impulsos do sistema nervoso central à musculatura lisa de órgãos viscerais, músculos cardíacos e glândulas. Realiza o controle da digestão, sistema cardiovascular, excretor e endócrino. Os nervos do SNP autônomo possuem dois tipos de neurônios: Pré-ganglionares (corpo celular dentro do SNC) Pós-ganglionares (Corpo celular dentro do gânglio)
  • 11. Acetilcolina Acetilcolina Acetilcolina Noradrenalina Os transmissores do sistema nervoso autônomo Os principais transmissores são a acetilcolina (ACh) e noradrenalina. Co-transmissão: Óxido Nítrico (NO) e peptídeo vasoativo intestinal (VIP), ATP, neuropeptídeo Y, 5-hidroxitriptamina (5-HT), GABA e dopamina.
  • 15. Sinapse padrão 1- Captação de precursores por transportadores; 2- Síntese de Neurotransmissores; 3- Captação dos neurotransmissores pelas vesículas; 4- Degradação dos neurotransmissores; 5- Despolarização; 6- Abertura dos Canais de Ca+2 ; 7- Exocitose; 8- Ligação do neurotransmissor ao receptor pós- sináptico; 9- Captação pós-sináptica de neurotransmissores; 10- Inativação/degradação de neurotransmissores; 11- Recaptação de neurotransmissores por transportadores pré-sinápticos; 12- Captação de neurotransmissores por células gliais; 13- Ligação em receptores pré-sinápticos.
  • 18. Regulação pré-sináptica da liberação de transmissores Interações heterotrópica: um neurotransmissor afeta a liberação de outro. Interações homotrópica: o transmissor liga-se a um auto-receptor pré-sináptico e afeta os terminais nervosos a partir do qual ele está a ser libertado.
  • 21. Sinapse adrenérgica As sinapses adrenérgicas são aquelas que produzem e liberam catecolaminas nos neurônios pré-sinápticos. As catecolaminas são compostos que contêm uma porção catecol (um anel de benzeno com dois grupos hidroxilo adjacentes) e uma cadeia lateral de amina. Farmacologicamente, os mais importantes são os seguintes: Noradrenalina (norepinefrina): transmissor liberado pelos terminais nervosos simpáticos. Adrenalina (epinefrina): hormônio secretado pela medula adrenal. Dopamina: o precursor metabólico de noradrenalina e de adrenalina, também um transmissor SNC. Isoprenalina (isoproterenol): derivado sintético de noradrenalina, não está presente no corpo.
  • 23. Receptores adrenérgicos Os receptores adrenérgicos pertencem à superfamília dos receptores acoplados à proteína G (metabotrópicos).
  • 24. Os principais efeitos de ativação do receptor são os seguintes: Receptores α1: vasoconstrição, relaxamento do músculo liso gastrointestinal, secreção salivar e glicogenólise hepática; Receptores α2: Inibição da libertação de transmissores (incluindo a noradrenalina e a libertação de acetilcolina dos nervos autonômicos), agregação de plaquetas, contração do músculo liso vascular, inibição da libertação de insulina; Receptores β1: aumento da frequência cardíaca e da força; Receptores β2: broncodilatação, vasodilatação, relaxamento do músculo liso visceral, glicogenólise hepática e tremor muscular; Receptores β3: lipólise. Receptores adrenérgicos
  • 27. Controle da ação da noradrenalina
  • 29. Sinapse colinérgica As sinapses colinérgicas liberam acetilcolina. Os principais receptores colinérgicos são os receptores nicotínicos (nAChR) e os receptores muscarínicos (mAChR), que podem ocorrer tanto nos terminais pré-sinápticos quanto nos pós-sinápticos.
  • 30. Receptores nicotínicos Os receptores nicotínicos são diretamente acoplados a canais de cátions, e medeiam a transmissão excitatória rápida sináptica na junção neuromuscular, gânglios autônomos e vários locais no SNC. São compostos por 5 subunidades que podem ser α (10 tipos), β (4 tipos), γ, δ e ε (um De cada). (α1)2/β1εδ - Junção neuromuscular do músculo esquelético (principalmente pós-sinápticos) (α3)2(β2)3 - Ganglios (principalmente pós- sinápticos) (α7)5 e (α4)2(β2)3 - Cérebro (Pré e pós-sinápticos)
  • 31. Receptores muscarínicos Os receptores muscarínicos são receptores acoplados à proteína G (metabotrópicos). Os mAChR medeiam os efeitos da ACh em sinapses pós-ganglionares parassimpáticas (principalmente o coração, músculo liso e glândulas).
  • 35. Receptores e suas funções
  • 36. Receptores e suas funções
  • 37. Dúvidas? Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Contato: pintomcx@ufg.br

Notas do Editor

  1. sistemas simpático e parassimpático têm ações opostas em algumas situações (por exemplo, o controle da frequência cardíaca, o músculo liso gastrointestinal), mas não em outros (por exemplo, glândulas salivares, músculo ciliar).Atividade simpática aumenta em estresse ("luta ou fuga" resposta), enquanto a atividade parassimpático predomina durante a digestão e repouso. Ambos os sistemas de exercer um controle fisiológico contínuo de órgãos específicos, em condições normais, quando o corpo está em nenhum dos extremos.
  2. Fisiologia do sistema nervoso autônomo O sistema nervoso autônomo controla o músculo liso (vascular e visceral), exócrina (e alguns endócrino) secreções, a taxa e a força do coração e certos processos metabólicos (por exemplo de utilização da glucose). sistemas simpático e parassimpático têm ações opostas em algumas situações (por exemplo, o controle da frequência cardíaca, o músculo liso gastrointestinal), mas não em outros (por exemplo, glândulas salivares, músculo ciliar).Atividade simpática aumenta em estresse ("luta ou fuga" resposta), enquanto a atividade parassimpático predomina durante a digestão e repouso. Ambos os sistemas de exercer um controle fisiológico contínuo de órgãos específicos, em condições normais, quando o corpo está em nenhum dos extremos.
  3. Anatomia básica do sistema nervoso autônomo O sistema nervoso autônomo é composto por três divisões: simpático, parassimpático e entérico. A (de dois neurónios) padrão básico dos sistemas simpático e parassimpático consiste de um neurónio pré-ganglionar com um corpo da célula no sistema nervoso central (SNC) e um neurónio pós-ganglionares com um corpo celular num gânglio autonômico. O sistema parassimpático está ligado ao SNC através de: saída dos nervos cranianos (III, VII, IX, X) saída sacral. gânglio parassimpático geralmente se encontram perto ou dentro do órgão-alvo. fluxo simpático deixa o CNS em raízes nervosas torácica e lombar. forma simpática gânglios duas cadeias paravertebrais, além de alguns gânglios linha média. O sistema nervoso entérico é composto por neurônios que encontram-se nos plexos intramurais do trato gastrointestinal. Ele recebe entradas dos sistemas simpático e parassimpático, mas pode agir por si só para controlar as funções motoras e secretoras do intestino.
  4. Os transmissores do sistema nervoso autônomo Os principais transmissores são a acetilcolina (ACh) e noradrenalina. neurónios pré-ganglionares são colinérgica, e transmissão ganglionar ocorre através dos receptores nicotinicos de ACh (embora os receptores de acetilcolina muscarínicos excitatórios também estão presentes nas células pós-ganglionares). neurônios parassimpáticos pós-ganglionares são colinérgicos, agindo sobre os receptores muscarínicos em órgãos-alvo. neurônios simpáticos pós-ganglionares são principalmente noradrenérgica, embora alguns são colinérgicos (por exemplo glândulas sudoríparas). com excepção de noradrenalina e acetilcolina (transmissores NANC) transmissores também são abundantes no sistema nervoso autónomo. Os principais são o óxido nítrico e peptídeo intestinal vasoativo (parassimpático), ATP e neuropeptídeo Y (simpática). Outros, tais como 5-hidroxitriptamina, GABA e dopamina, também desempenham um papel. Co-transmissão é um fenómeno geral.
  5. Os transmissores do sistema nervoso autônomo Os principais transmissores são a acetilcolina (ACh) e noradrenalina. neurónios pré-ganglionares são colinérgica, e transmissão ganglionar ocorre através dos receptores nicotinicos de ACh (embora os receptores de acetilcolina muscarínicos excitatórios também estão presentes nas células pós-ganglionares). Neurônios parassimpáticos pós-ganglionares são colinérgicos, agindo sobre os receptores muscarínicos em órgãos-alvo. Neurônios simpáticos pós-ganglionares são principalmente noradrenérgica, embora alguns são colinérgicos (por exemplo glândulas sudoríparas). com excepção de noradrenalina e acetilcolina (transmissores NANC) transmissores também são abundantes no sistema nervoso autónomo. Os principais são o óxido nítrico e peptídeo intestinal vasoativo (parassimpático), ATP e neuropeptídeo Y (simpática). Outros, tais como 5-hidroxitriptamina, GABA e dopamina, também desempenham um papel. Co-transmissão é um fenómeno geral.
  6. Exceção:
  7. interações neuromodulação e pré-sinápticos Além de funcionar directamente como neurotransmissores, mediadores químicos podem regular: liberação do transmissor pré-sináptico excitabilidade neuronal. Ambos são exemplos de neuromodulação e geralmente envolvem segundo regulamento mensageiro de canais iônicos de membranas. receptores pré-sinápticos pode inibir ou aumentar a liberação do transmissor, sendo o primeiro mais importante. auto-receptores pré-sinápticos inibitórios ocorrer em neurónios noradrenérgicos e colinérgicos, fazendo com que cada transmissor para inibir a sua própria libertação (feedback autoinhibitory). Muitos mediadores endógenos de GABA (por exemplo, prostaglandinas, opióides e outros péptidos), bem como os próprios transmissores, exercem um controle pré-sináptico (principalmente inibidora) ao longo de libertação do transmissor autonômica.
  8. Classificação dos adrenoceptores classificação farmacológica principal para aep subtipos, baseados originalmente na ordem de potência entre os agonistas, mais tarde antagonistas seletivos. adrenoceptores: dois subtipos principais α-adrenoceptores, α1 e α2, cada um dividido em três outros subtipos três subtipos β-adrenoceptores (β1, β2, β3) todos pertencem à superfamília dos receptores acoplados à proteína G. Segundos mensageiros: a1 receptores activam a fosfolipase C, produção de trifosfato de inositol e diacilglicerol como segundos mensageiros receptores a2 inibem a adenilil-ciclase, diminuir a formação de cAMP todos os tipos de receptores β estimular a adenilil-ciclase. Os principais efeitos de activação do receptor são os seguintes: receptores a1: vasoconstrição, relaxamento do músculo liso gastrointestinal, secreção salivar e glicogenólise hepática receptores a2: Inibição da libertação de transmissores (incluindo a noradrenalina e a libertação de acetilcolina dos nervos autonômicos), agregação de plaquetas, contracção do músculo liso vascular, inibição da libertação de insulina receptores b1: aumento da frequência cardíaca e da força, atrasou hipertrofia cardíaca receptores p2: bronchodilatation, vasodilatação, relaxamento do músculo liso visceral, glicogenólise hepática e tremor muscular receptores P3: lipólise.
  9. Neuromodulation and presynaptic interactions As well as functioning directly as neurotransmitters, chemical mediators may regulate: presynaptic transmitter release neuronal excitability. Both are examples of neuromodulation and generally involve second messenger regulation of membrane ion channels. Presynaptic receptors may inhibit or increase transmitter release, the former being more important. Inhibitory presynaptic autoreceptors occur on noradrenergic and cholinergic neurons, causing each transmitter to inhibit its own release (autoinhibitory feedback). Many endogenous mediators (e.g. GABA, prostaglandins, opioid and other peptides), as well as the transmitters themselves, exert presynaptic control (mainly inhibitory) over autonomic transmitter release.
  10. A acetilcolina (ACh) síntese: requer colina, que entra no neurónio através de transporte mediado por transportador colina é acetilado para formar ACh por transferase de acetil colina, uma enzima citosólica encontrado apenas em neurónios colinérgicos. Acetil-coenzima A é a fonte de grupos acetilo. ACh é empacotado em vesículas sinápticas em alta concentração por transporte mediado por transportadora. ocorre a libertação de ACh por Ca2 + mediada por exocitose. Na junção neuromuscular, um impulso nervoso pré-sináptico libera 100-500 vesículas. Na junção neuromuscular, ACh actua sobre receptores nicotínicos para abrir canais de catiões, produzindo uma despolarização rápida (potencial da placa terminal), que normalmente inicia um potencial de acção na fibra muscular. Transmissão em outras sinapses colinérgicas "rápidas" (por exemplo ganglionares) é semelhante. Nas sinapses colinérgicas "rápidas", ACh é hidrolisada dentro de cerca de 1 ms por acetilcolinesterase, portanto, um potencial de ação pré-sináptica produz apenas um potencial de ação pós-sináptica. A transmissão mediada por receptores muscarinicos é muito mais lenta no seu curso de tempo, e estruturas sinápticas são menos claramente definida. Em muitas situações, a ACh funciona como um modulador, em vez de como um transmissor directa. Principais mecanismos de bloqueio farmacológico: inibição da captação de colina, inibição da liberação de acetilcolina, bloco de receptores pós-sinápticos ou canais iónicos, despolarização pós-sináptica persistente.
  11. Três tipos principais de mAChR ocorrer: receptores M1 ( 'neuronais') produzir excitação lenta de gânglios. Eles são selectivamente bloqueada por pirenzepina. receptores M2 ( 'cardíaca'), causando diminuição na taxa cardíaca e força de contração (principalmente de átrios). Eles são selectivamente bloqueada por galamina. Os receptores M2 pré-sinápticos também mediar a inibição. receptores M3 ( 'glandular'), causando secreção, contração do músculo liso visceral, relaxamento vascular. Cevimelina é um agonista selectivo M3. Dois outros subtipos de mAChR moleculares, M4 e M5, ocorrem principalmente no SNC.