SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA
CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE CAXIAS
DEPARTAMENTO DE MEDICINA
DISCIPLINA: FARMACOLOGIA I
PROFESSOR: LUCIANO BARROS
FARMACOLOGIA DOS
OPIÓIDES
2017
Seliel Assunção
Raira Morais
Victor Hugo
Marcela Lopes
Maria Carolina
Leticia Martins
• Opiáceos - são substâncias (alcalóides)
derivadas do ópio, e portanto, estão incluídos na
classe dos opioides.
•Papaver somniferum, de onde o Ópio é obtido
• Opiáceos - Produzem
ações de insensibilidade à
dor (analgesia) e são
usados principalmente na
terapia da dor crônica e
da dor aguda de alta
intensidade. Produzem
em doses elevadas
euforia, estados
hipnoticos e dependência
e alguns (morfina e
heroína) são usados
como droga recreativa de
abuso.
• Opióides – É um
grupo de fármacos
que atuam nos
receptores opioides
neuronais. Compondo
todas as drogas,
naturais ou sintéticas,
endógena (peptídeos
endógenos) ou
exógena.
• Opióides - Sao agonistas dos receptores
opioides encontrados nos neurônios de
algumas zonas do cérebro, medula espinal e
nos sistemas neuronais do intestino.
Há três famílias de opióides endógenos
1 – Encefalinas
2 – Endorfinas
3 – Dinorfina
Os opióides endógenos participam dos
mecanismos de modulação da dor
•Encefalinas - São neurotransmissores
narcóticos secretados pelo encéfalo.
Semelhantes à morfina, elas se ligam a sítios
estéreo-específicos de receptores opióides
no cérebro (reagindo com os mesmos
receptores neurais do cérebro que a heroína),
aliviando a dor (mecanismo de analgesia) e
produzindo uma sensação de euforia.
•Endorfinas - Foram encontrados 20 tipos diferentes de
endorfinas no sistema nervoso sendo a beta-endorfina a
mais eficiente, pois é a que dá o efeito mais eufórico ao
cérebro. Composta por 31 aminoácidos, a endorfina é
produzida, por exemplo, em resposta à atividade física e
durante o orgasmo, visando relaxar e dar prazer,
despertando uma sensação de euforia e bem-estar.
• As comidas picantes (com pimenta) contém capsaicina,
um agonista de receptores de dor na língua. A ativação
da vias da dor libera quantidades moderadas de
endorfinas. Dai o prazer de comer comidas picantes que
é devido à sensação de bem estar que as endorfinas
produzem.
•Dinorfina - Desempenha um
papel importante no
enfraquecimento da ansiedade.
As endorfinas são liberadas pelo
corpo de atletas, e têm um
efeito analgésico e eufórico.
•Já as dinorfinas têm o efeito
inverso : elas funcionam como
um amortecedor emocional.
•Há uma grande diferença entre
as pessoas nos níveis de
dinorfinas liberadas
naturalmente pelo cérebro.
Receptor
e ligante natural
Efeitos Agonistas
µ
endomorfina 1 e 2, β-endorfina
Analgesia
Euforia
Redução motilidade TGI
Imunossupressão
Depressão respiratória
Emese
Tolerância
Dependência física
κ
Dinorfinas e β-endorfina
Analgesia
Sedação
Miose
Diurese
Disforia
δ
Encefalinas e β-endorfina
Analgesia
Estimulação imunológica
Depressão respiratória
RECEPTORES OPIÓIDES E EFEITOS
µ (mi) δ (Delta) κ (Kappa)
Analgesia
Supra-espinal
Espinal
Perfirérico
+++
++
++
-
++
-
-
+
++
Depressão respiratória +++ ++ -
Constrição pupilar (miose) ++ - +
Redução da motilidade GI ++ ++ +
Euforia +++ - -
Disforia - - +++
Sedação ++ - ++
Dependência física +++ - +
Receptores opióides µ, κ, δ
A maioria dos neurônios reagem aos opióides
hiperpolarizando, refletindo um aumento da condutância do K.
O influxo de Ca2+ nos neurônios terminais durante a excitação
está diminuído, levando a uma diminuição da liberação de
neurotransmissores e diminuição da atividade sináptica.
Dependendo do tipo celular afetado, essa inibição sináptica se
traduz como um efeito excitante ou inibitório.
Mecanismo de ação dos opióides
Farmacocinética
• Principais locais de ABSORÇÃO: via subcutânea,
transdérmica, intramuscular, mucosa do nariz, boca e
TGI.
• A biodisponibilidade dos opióides utilizados por via oral
sofre redução devido ao metabolismo de primeira
passagem.
• Ajuste da dose administrada por via oral>via parenteral.
• Os comprimidos de opióides possuem duas formas de
apresentação
Liberação imediata
Liberação lenta
Liberação Imediata
• absorção rápida
• picos plasmáticos elevados
• riscos de toxicidade
• maior incidência de efeitos
colaterais
Liberação lenta
• conc. equilíbrio 24 h
• dupla matriz
• conc analgésicas
eficazes por mais tempo
(8 -12 h)
• sem picos plasmáticos
de toxicidade
Distribuição
• Ligação a proteínas plasmáticas ⇒ albumina e alfa-1
glicoproteína ácida.
• Distribuição em tecidos altamente vascularizados ⇒
pulmões, fígado, baço e rim
A conc no SNC é relativamente baixa em relação a outros
órgãos, devido à barreira hematoencefálica.
• Compostos como a heroína e codeína atravessam mais
facilmente a barreira hematoencefálica
• Esta barreira não está presente em neonatos.
Metabolismo
• Conjugação com ácido glicurônico (morfina)
• Os ésteres (meperidina e heroína) são
hidrolizados por esterases hepáticas.
Excreção
• Podem ser excretados em forma inalterada
ou em compostos polares pela urina.
• Os glicuronídeos são excretados na bile.
Vias de administração
• Via retal (supositórios)
• Via epidural (anestesia)
• Via transdérmica (efeitos sistêmicos)  cataplasma
de fentanil
• Via intranasal
Efeitos dos Opióides
Sistema Nervoso Central
• Afinidade por receptores µ
• Analgesia - alteração da PERCEPÇÃO da dor e da
REAÇÃO do paciente a esta dor.
• Euforia - sensação agradável de flutuar e estar livre da
ansiedade e do desconforto.
• Sedação - sonolência e turvação da consciência
• Depressão respiratória - inibição dos mecanismos do
tronco cerebral
Efeitos dos Opióides
Sistema Nervoso Central
• Supressão da tosse -mais especificamente a codeína.
• Miose -
• Rigidez no tronco - aumento do tônus nos grandes
músculos do tronco, interferindo na ventilação
• Náuseas e vômitos - ativação da zona desencadeante
quimiorreceptora do tronco cerebral.
Efeitos dos Opióides
Efeitos Periféricos
• Trato Gastrointestinal
- efeitos constipantes:  da motilidade do estômago e
aumento do tônus,  produção de secreção gástrica.
- aumento do tônus do intestino delgado e espasmos
periódicos.
- aumento do tônus do intestino grosso e  das ondas
propulsivas  constipação
Efeitos dos Opióides
Efeitos Periféricos
• Trato Biliar
- contração do músculo liso biliar, pode ocasionar cólicas
biliares.
• Trato genitourinário
- depressão da função renal ( do fluxo plasmático renal)
-  do tônus do esfíncter uretral pode levar à retenção
urinária.
Efeitos dos Opióides
Efeitos Periféricos
• Útero
- pode haver prolongamento do trabalho de parto
• Neuroendócrino
- estimulação da liberação do hormônio antidiurético,
prolactina e somatotropina.
Uso dos opióides
• O tratamento da dor é essencial para a prática médica
• Há inúmeras situações em que é necessário proporcionar
analgesia antes do diagnóstico definitivo.
Uso dos opióides
• Analgesia
- a dor intensa e constante é aliviada com uso de opóides.
- a dor associada ao câncer e outras doenças terminais
- a administração do opióide a intervalos fixos é mais eficaz
no alívio da dor do que a quando solicitada.
- utilização em obstetrícia - atenção - os opióides
atravessam a BHE do feto, podendo provocar depressão
respiratória.
Uso dos opióides
• Edema agudo de pulmão
- o mecanismo provável é redução na percepção de falta de
ar
-  da pré-carga (redução do tônus venoso)
-  da pós-carga (diminuição da resistência periférica)
Uso dos opióides
• Tosse
- atualmente seu uso está bastante  pelo desenvolvimento
de antitussígenos sintéticos que não causam dependência.
Codeína, dextrometorfano, levopropoxifeno
• Diarréia
- elixir paregórico
Uso dos opióides
• Anestesia
- medicação pré anestésica - propriedades sedativas,
ansiolíticas e analgésicas
- podem ser usados com drogas anestésicas primárias
(fentanil)
- analgésicos regionais ( ação direta sobre a medula
espinhal) quando administrados nos espaços epidural ou
subaracnóide da medula espinhal  reversão com naloxona
Efeitos tóxicos dos analgésicos
opióides
• Comportamento agitado, tremor, reações disfóricas
• Depressão respiratória
• Náuses e vômitos
• Aumento da pressão intracraniana
• Constipação
• Retenção urinária
• Urticária (mais freqüente com adm parenteral)
Interações das drogas opióides
• Sedativos-hipnóticos: maior depressão do SNC,
particularmente depressão respiratória.
• Tranquillizantes antipsicóticos:Sedação maior;
efeitos variáveis sobre a depressão respiratória;
acentuação dos efeitos cardiovasculares (ações
muscarínicas e alfa-bloqueadoras).
• Inibidores da MAO: Contra-indicação relativa a todos
os analgésicos opióides pela elevada incidência de
coma hiperpirético e hipertensão.
Efeitos indesejados
• Tolerância - necessidade de doses cada vez
maiores para produzir analgesia.
• Dependência -
• Síndrome de abstinência que pode ser
precipitada pelo uso de um antagonista opióide
Estrutura química dos
analgésicos opióides
• Fenantrênicos
 Agonistas fortes
- Morfina, Hidromorfona, Oximorfona
 Agonistas Leves a Moderados
- Codeína, Oxicodona e Hidrocodona
 Agonistas-antagonistas mistos
- Nalbufina, buprenorfina
 Antagonistas
- Nalorfina, Naloxona e Naltrexona
• Fenilepitilamidas
 Agonistas fortes
- Metadona
 Agonistas leves a moderados
- Propoxifeno
• Fenilpiperidinas
 Agonistas fortes
- Meperidina, Fentanil (principais análogos sintéticos)
Agonistas leves a moderados
- Difenoxilato
Derivados sintéticos de
estrutura não relacionada
com a MORFINA
• Morfinanos
 Agonistas fortes
- Levorfanol
 Agonistas-antagonistas mistos
- Butorfanol
 Antagonistas
- Levalorfan
• Benzomorfanos
Agonistas-antagonistas mistos
- Pentazocina
Derivados sintéticos de
estrutura não relacionada
com a MORFINA
RECEPTOR EFEITOS AGONISTA ANTAGONISTA
• Mu: analgesia supraespinhal, depressão respiratória, euforia e dependência
• Kappa: analgesia espinhal, miose, sedação, disforia
• Sigma: alucinação, estimulação vasomotora e respiratoria
• Delta: modifica a atividade dos receptores mi (opióides endógenos)
µ (mu) Analgesia supra espinhal,
depressão respiratória,
euforia e dependência física
Morfina +++
Fentanil+++
Codeína +
Buprenorfina +++
Naloxona
Nalorfina
κ (Kappa) Analgesia medular, miose e
sedação
Morfina +
Fentanil +
Etorfina +++
Naloxona
Naltrexona
σ (Sigma) Disforia, alucinações,
estimulação
Etorfina +++
Morfina ++
Codeína +
δ (Delta) Alterações do
comportamento afetivo
Pentazocina +
Nalorfina +
Receptores opióides µ, κ, σ, δ
 Analgesia Dosagem-dependente
 Encontrada em forma de cloridrato e sulfato
 Dimorf ®
 VO; SC; IM; IV
 Biotransformação hepática
 Excreção 90% renal e 10% fezes
 Efeito 1- 4 horas
MORFINA
POTENCIA DE ALGUNS OPIOIDES COMPARADOS
COM A MORFINA
POTENCIA DE ALGUNS OPIOIDES COMPARADOS
COM A MORFINA
• NALOXONA (0,1 X) = MEPERIDINA
(0,1X) < TRAMADOL (0,15 X) <
MORFINA (1X) = METADONA (1X) <
ALFENTANIL (10X) = OXIDONA (10X)
< BUPRENORFINA (33X) <
BUTORFANOL (50X) <
REMINFENTANIL (80X) < FENTANIL
(100X) < SUFENTANIL (1000X)
Anel fenantrênicoAnel fenantrênico
C 13 - assimétricoC 13 - assimétrico
Éter ácidoÉter ácido
InsaturaçãoInsaturação
Amino 3Amino 3ªªriorio
Penetra membranasPenetra membranas
OH fenólicaOH fenólica
OH alcoólicaOH alcoólica
14
 Náusea e vômito
 Depressão respiratória
 Hipotermia Miose
 Estimula liberação de ADH (contra indicada em uremia)
 Constipação intestinal
 Bradicardia, vasodilatação e hipotensão
 Urticária e prurido no local da injeção
 Broncoconstrição
 Excitação em algumas espécies
MORFINA
Derivados da Morfina
CODEÍNA
Amplo uso como antitussígeno
 Deprime o centro da tosse
 Efeito constipante acentuado
 Em geral é associada a expectorantes ou a outros
analgesicos (ex. paracetamol)
Meperidina
 Potência analgésica 10x menor que morfina
 Uso IM (podendo SC, IV e oral)
 Apresenta efeito espasmolítico
 Latência 30min e efeito 1 a 2 horas
 Reduz salivação e secreção respiratória
 < depressão CV e respiratória que morfina
 Não produz vômito, nem defecação
 Libera histamina, hipotensão e convulsão em injeção
IV rápida
 Potencializa em 50% os barbitúricos
 Profissionais da saúde (64%)
Fentanila
 250 vezes mais potente que morfina
 Uso na medicação pré-anestésica e trans-cirúrgico
 Neuroleptoanalgesia (analgesia com antipsicotico)
 Anestesias balanceadas
 Analgesia espinhal
 Analgesia Dosagem-dependente
 Latência 3 a 5min, ação 20-30min
 Acentuada depressão cardiorespiratória (IV)
 Bradicardia, hipotesão e depressão respiratória acentuadas
quando associada à barbitúricos
Metadona
 Opióide sintético
 Estimula FR
 Relaxamento e perda controle postural
 Salivação e defecação
 Analgesia duração 2-6 horas
 Potencializa 50% os barbitúricos
 Dosagem: 0,1 - 0,2mg/kg IM
 Derivado da petidina (meperidina)
 Ação sobre receptores µ periféricos
DIFENOXILATO
DIFENOXILATO  ANALGÉSICO LEVE – ação direta e seletiva sobre a
musculatura lisa intestinal
DIFENOXILATO  ANALGÉSICO LEVE – ação direta e seletiva sobre a
musculatura lisa intestinal
ATROPINA  MOTILIDADE GI (antagonista muscarínico não seletivo)ATROPINA  MOTILIDADE GI (antagonista muscarínico não seletivo)
LOMOTIL  controle da diarréia, SEM atividade central,
não transpõe BHE
LOMOTIL  controle da diarréia, SEM atividade central,
não transpõe BHE
 Uso: IM, IV
 Dosagem: 0,0025 – 0,01mg/kg IV,IM
 Infusão: 0,5 a 5mg/kg/h
 Adesivo transdérmico: duragesic® 25, 50,75 e 100µg/h
Sulfentanil
 Dosagem: (0,005mg/kg IV)
 5-10 vezes mais potente fentanil e efeito mais prolongado
Alfentanil
 Dosagem: (0,005 a 0,75mg/kg IV)
 1/5 potência fentanil e duração 10min
 Uso em infusão contínua
Fentanila
Cloridrato de Tramadol
 Analgésico sintético da codeína
 Dor leve a moderada
 Alta seletividade por receptor mi, porém baixa
afinidade
 Dosagem: 1 a 2mg/kg IV,IM,VO,via retal
 Sedação nula
 Não provoca emese nem defecação
 Uso no pós-operatório
BUTORFANOL
 É um opióide sintético
 Ação antagonista nos receptores mi (µ) e agonista
receptores kappa (κ)
 Potência 3 a 5 vezes a da morfina
 Duração 2 a 4 horas, efeito analgésico limitado
 Neuroleptoanalgesia
 Pode reverter os efeitos sedativos dos agonistas
puros, mas potencializa a analgesia
 Isento de efeitos colaterais
 Torbugesic®
 Dosagem: 0,1-0,4mg/kg IM, IV, SC
 Potente antitussígeno (0,05mg/kg SC)
BUPRENORFINA
 Potência 33 vezes a da morfina
 Agonista parcial de receptores mi principalmente
 Pode causar excitação ocasional
 Depressão respiratória d/d muito discreta
 Latênica 20-30’ e duração 8-12h
 Útil na analgesia pós operatória
 Neuroleptoanalgesia
 Tengesic®
 Dosagem: 0,005-0,01mg/kg IV,IM,SC
AntagonistasAntagonistas
Naloxona
 Antagonista competitivo em todos os
receptores
 Efeito de 1 a 4 horas
 Dosagem: 0,04mg/kg IV, IM, SC
Nalorfina
 É um agonista parcial
 Antagonizando todos os efeitos da morfina
 Uso para reverter depressão respiratória
produzida pelos opióides
 Efeito agonista isolada e antagonista qdo
usada após opióides puros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Opioides (1)ppt
Opioides (1)pptOpioides (1)ppt
Opioides (1)ppt
Joedi Santos
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
Caio Maximino
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Jaqueline Almeida
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
Julia Martins Ulhoa
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Hipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes oraisHipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes orais
Vanessa Cunha
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Opióides
OpióidesOpióides
AINES
AINESAINES
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Leonardo Souza
 
Aines
AinesAines
Aines
lidypvh
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Jaqueline Almeida
 
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
Ricardo Augusto Tenfen Carneiro
 
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Aula 7   farmacologia adrenérgicaAula 7   farmacologia adrenérgica
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Med. Veterinária 2011
 

Mais procurados (20)

Opioides (1)ppt
Opioides (1)pptOpioides (1)ppt
Opioides (1)ppt
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
 
Hipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes oraisHipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes orais
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Opióides
OpióidesOpióides
Opióides
 
AINES
AINESAINES
AINES
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Aines
AinesAines
Aines
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
 
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
 
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Aula 7   farmacologia adrenérgicaAula 7   farmacologia adrenérgica
Aula 7 farmacologia adrenérgica
 

Semelhante a Farmacologia Opioides

2024513_205512_Farmacos para o controle da dor-1.pptx
2024513_205512_Farmacos para o controle da dor-1.pptx2024513_205512_Farmacos para o controle da dor-1.pptx
2024513_205512_Farmacos para o controle da dor-1.pptx
TathyRodrigues1
 
- Fármacos e o tratamento dos distúrbios psiquiátricos - .ppt
- Fármacos e o tratamento dos distúrbios psiquiátricos - .ppt- Fármacos e o tratamento dos distúrbios psiquiátricos - .ppt
- Fármacos e o tratamento dos distúrbios psiquiátricos - .ppt
Carlos Gomes
 
Dor oncológica sábado da dor
Dor oncológica sábado da dorDor oncológica sábado da dor
Dor oncológica sábado da dor
tosterne
 
Farmacologia 14 opiáceos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 14   opiáceos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 14   opiáceos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 14 opiáceos - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 
Anfetaminas
AnfetaminasAnfetaminas
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
Aroldo Gavioli
 
Aula de Farnacologia 5
Aula de Farnacologia  5Aula de Farnacologia  5
Aula de Farnacologia 5
Gustavo Henrique
 
Psicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdfPsicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdf
JliaRamosVieira1
 
Psicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptxPsicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptx
gizaraposo
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
Efigênia Barros
 
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdfintoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
hugovictordemenezes
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdf
ProfYasminBlanco
 
clara paula correto.pptx
clara paula correto.pptxclara paula correto.pptx
clara paula correto.pptx
lvaroCosta22
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
Marcelo Zanotti da Silva
 
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pptx
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pptx03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pptx
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pptx
GustavoWallaceAlvesd
 
Antieméti..
Antieméti..Antieméti..
Antieméti..
ALINE CAMPOS
 
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pdf
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pdf03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pdf
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
Francisco José
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
Natália Oliveira
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
FrancielleConstantin
 

Semelhante a Farmacologia Opioides (20)

2024513_205512_Farmacos para o controle da dor-1.pptx
2024513_205512_Farmacos para o controle da dor-1.pptx2024513_205512_Farmacos para o controle da dor-1.pptx
2024513_205512_Farmacos para o controle da dor-1.pptx
 
- Fármacos e o tratamento dos distúrbios psiquiátricos - .ppt
- Fármacos e o tratamento dos distúrbios psiquiátricos - .ppt- Fármacos e o tratamento dos distúrbios psiquiátricos - .ppt
- Fármacos e o tratamento dos distúrbios psiquiátricos - .ppt
 
Dor oncológica sábado da dor
Dor oncológica sábado da dorDor oncológica sábado da dor
Dor oncológica sábado da dor
 
Farmacologia 14 opiáceos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 14   opiáceos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 14   opiáceos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 14 opiáceos - med resumos (dez-2011)
 
Anfetaminas
AnfetaminasAnfetaminas
Anfetaminas
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Aula de Farnacologia 5
Aula de Farnacologia  5Aula de Farnacologia  5
Aula de Farnacologia 5
 
Psicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdfPsicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdf
 
Psicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptxPsicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptx
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
 
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdfintoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdf
 
clara paula correto.pptx
clara paula correto.pptxclara paula correto.pptx
clara paula correto.pptx
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
 
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pptx
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pptx03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pptx
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pptx
 
Antieméti..
Antieméti..Antieméti..
Antieméti..
 
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pdf
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pdf03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pdf
03 ansiolíticos, anticonvulsivantes e antidepressivos.pdf
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
 

Farmacologia Opioides

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE CAXIAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA DISCIPLINA: FARMACOLOGIA I PROFESSOR: LUCIANO BARROS FARMACOLOGIA DOS OPIÓIDES 2017 Seliel Assunção Raira Morais Victor Hugo Marcela Lopes Maria Carolina Leticia Martins
  • 2. • Opiáceos - são substâncias (alcalóides) derivadas do ópio, e portanto, estão incluídos na classe dos opioides. •Papaver somniferum, de onde o Ópio é obtido
  • 3. • Opiáceos - Produzem ações de insensibilidade à dor (analgesia) e são usados principalmente na terapia da dor crônica e da dor aguda de alta intensidade. Produzem em doses elevadas euforia, estados hipnoticos e dependência e alguns (morfina e heroína) são usados como droga recreativa de abuso.
  • 4. • Opióides – É um grupo de fármacos que atuam nos receptores opioides neuronais. Compondo todas as drogas, naturais ou sintéticas, endógena (peptídeos endógenos) ou exógena.
  • 5. • Opióides - Sao agonistas dos receptores opioides encontrados nos neurônios de algumas zonas do cérebro, medula espinal e nos sistemas neuronais do intestino. Há três famílias de opióides endógenos 1 – Encefalinas 2 – Endorfinas 3 – Dinorfina Os opióides endógenos participam dos mecanismos de modulação da dor
  • 6. •Encefalinas - São neurotransmissores narcóticos secretados pelo encéfalo. Semelhantes à morfina, elas se ligam a sítios estéreo-específicos de receptores opióides no cérebro (reagindo com os mesmos receptores neurais do cérebro que a heroína), aliviando a dor (mecanismo de analgesia) e produzindo uma sensação de euforia.
  • 7. •Endorfinas - Foram encontrados 20 tipos diferentes de endorfinas no sistema nervoso sendo a beta-endorfina a mais eficiente, pois é a que dá o efeito mais eufórico ao cérebro. Composta por 31 aminoácidos, a endorfina é produzida, por exemplo, em resposta à atividade física e durante o orgasmo, visando relaxar e dar prazer, despertando uma sensação de euforia e bem-estar. • As comidas picantes (com pimenta) contém capsaicina, um agonista de receptores de dor na língua. A ativação da vias da dor libera quantidades moderadas de endorfinas. Dai o prazer de comer comidas picantes que é devido à sensação de bem estar que as endorfinas produzem.
  • 8. •Dinorfina - Desempenha um papel importante no enfraquecimento da ansiedade. As endorfinas são liberadas pelo corpo de atletas, e têm um efeito analgésico e eufórico. •Já as dinorfinas têm o efeito inverso : elas funcionam como um amortecedor emocional. •Há uma grande diferença entre as pessoas nos níveis de dinorfinas liberadas naturalmente pelo cérebro.
  • 9. Receptor e ligante natural Efeitos Agonistas µ endomorfina 1 e 2, β-endorfina Analgesia Euforia Redução motilidade TGI Imunossupressão Depressão respiratória Emese Tolerância Dependência física κ Dinorfinas e β-endorfina Analgesia Sedação Miose Diurese Disforia δ Encefalinas e β-endorfina Analgesia Estimulação imunológica Depressão respiratória RECEPTORES OPIÓIDES E EFEITOS
  • 10. µ (mi) δ (Delta) κ (Kappa) Analgesia Supra-espinal Espinal Perfirérico +++ ++ ++ - ++ - - + ++ Depressão respiratória +++ ++ - Constrição pupilar (miose) ++ - + Redução da motilidade GI ++ ++ + Euforia +++ - - Disforia - - +++ Sedação ++ - ++ Dependência física +++ - + Receptores opióides µ, κ, δ
  • 11. A maioria dos neurônios reagem aos opióides hiperpolarizando, refletindo um aumento da condutância do K. O influxo de Ca2+ nos neurônios terminais durante a excitação está diminuído, levando a uma diminuição da liberação de neurotransmissores e diminuição da atividade sináptica. Dependendo do tipo celular afetado, essa inibição sináptica se traduz como um efeito excitante ou inibitório. Mecanismo de ação dos opióides
  • 12. Farmacocinética • Principais locais de ABSORÇÃO: via subcutânea, transdérmica, intramuscular, mucosa do nariz, boca e TGI. • A biodisponibilidade dos opióides utilizados por via oral sofre redução devido ao metabolismo de primeira passagem. • Ajuste da dose administrada por via oral>via parenteral. • Os comprimidos de opióides possuem duas formas de apresentação Liberação imediata Liberação lenta
  • 13. Liberação Imediata • absorção rápida • picos plasmáticos elevados • riscos de toxicidade • maior incidência de efeitos colaterais Liberação lenta • conc. equilíbrio 24 h • dupla matriz • conc analgésicas eficazes por mais tempo (8 -12 h) • sem picos plasmáticos de toxicidade
  • 14. Distribuição • Ligação a proteínas plasmáticas ⇒ albumina e alfa-1 glicoproteína ácida. • Distribuição em tecidos altamente vascularizados ⇒ pulmões, fígado, baço e rim A conc no SNC é relativamente baixa em relação a outros órgãos, devido à barreira hematoencefálica. • Compostos como a heroína e codeína atravessam mais facilmente a barreira hematoencefálica • Esta barreira não está presente em neonatos.
  • 15. Metabolismo • Conjugação com ácido glicurônico (morfina) • Os ésteres (meperidina e heroína) são hidrolizados por esterases hepáticas.
  • 16. Excreção • Podem ser excretados em forma inalterada ou em compostos polares pela urina. • Os glicuronídeos são excretados na bile.
  • 17. Vias de administração • Via retal (supositórios) • Via epidural (anestesia) • Via transdérmica (efeitos sistêmicos)  cataplasma de fentanil • Via intranasal
  • 18. Efeitos dos Opióides Sistema Nervoso Central • Afinidade por receptores µ • Analgesia - alteração da PERCEPÇÃO da dor e da REAÇÃO do paciente a esta dor. • Euforia - sensação agradável de flutuar e estar livre da ansiedade e do desconforto. • Sedação - sonolência e turvação da consciência • Depressão respiratória - inibição dos mecanismos do tronco cerebral
  • 19. Efeitos dos Opióides Sistema Nervoso Central • Supressão da tosse -mais especificamente a codeína. • Miose - • Rigidez no tronco - aumento do tônus nos grandes músculos do tronco, interferindo na ventilação • Náuseas e vômitos - ativação da zona desencadeante quimiorreceptora do tronco cerebral.
  • 20. Efeitos dos Opióides Efeitos Periféricos • Trato Gastrointestinal - efeitos constipantes:  da motilidade do estômago e aumento do tônus,  produção de secreção gástrica. - aumento do tônus do intestino delgado e espasmos periódicos. - aumento do tônus do intestino grosso e  das ondas propulsivas  constipação
  • 21. Efeitos dos Opióides Efeitos Periféricos • Trato Biliar - contração do músculo liso biliar, pode ocasionar cólicas biliares. • Trato genitourinário - depressão da função renal ( do fluxo plasmático renal) -  do tônus do esfíncter uretral pode levar à retenção urinária.
  • 22. Efeitos dos Opióides Efeitos Periféricos • Útero - pode haver prolongamento do trabalho de parto • Neuroendócrino - estimulação da liberação do hormônio antidiurético, prolactina e somatotropina.
  • 23. Uso dos opióides • O tratamento da dor é essencial para a prática médica • Há inúmeras situações em que é necessário proporcionar analgesia antes do diagnóstico definitivo.
  • 24. Uso dos opióides • Analgesia - a dor intensa e constante é aliviada com uso de opóides. - a dor associada ao câncer e outras doenças terminais - a administração do opióide a intervalos fixos é mais eficaz no alívio da dor do que a quando solicitada. - utilização em obstetrícia - atenção - os opióides atravessam a BHE do feto, podendo provocar depressão respiratória.
  • 25. Uso dos opióides • Edema agudo de pulmão - o mecanismo provável é redução na percepção de falta de ar -  da pré-carga (redução do tônus venoso) -  da pós-carga (diminuição da resistência periférica)
  • 26. Uso dos opióides • Tosse - atualmente seu uso está bastante  pelo desenvolvimento de antitussígenos sintéticos que não causam dependência. Codeína, dextrometorfano, levopropoxifeno • Diarréia - elixir paregórico
  • 27. Uso dos opióides • Anestesia - medicação pré anestésica - propriedades sedativas, ansiolíticas e analgésicas - podem ser usados com drogas anestésicas primárias (fentanil) - analgésicos regionais ( ação direta sobre a medula espinhal) quando administrados nos espaços epidural ou subaracnóide da medula espinhal  reversão com naloxona
  • 28. Efeitos tóxicos dos analgésicos opióides • Comportamento agitado, tremor, reações disfóricas • Depressão respiratória • Náuses e vômitos • Aumento da pressão intracraniana • Constipação • Retenção urinária • Urticária (mais freqüente com adm parenteral)
  • 29. Interações das drogas opióides • Sedativos-hipnóticos: maior depressão do SNC, particularmente depressão respiratória. • Tranquillizantes antipsicóticos:Sedação maior; efeitos variáveis sobre a depressão respiratória; acentuação dos efeitos cardiovasculares (ações muscarínicas e alfa-bloqueadoras). • Inibidores da MAO: Contra-indicação relativa a todos os analgésicos opióides pela elevada incidência de coma hiperpirético e hipertensão.
  • 30. Efeitos indesejados • Tolerância - necessidade de doses cada vez maiores para produzir analgesia. • Dependência - • Síndrome de abstinência que pode ser precipitada pelo uso de um antagonista opióide
  • 31. Estrutura química dos analgésicos opióides • Fenantrênicos  Agonistas fortes - Morfina, Hidromorfona, Oximorfona  Agonistas Leves a Moderados - Codeína, Oxicodona e Hidrocodona  Agonistas-antagonistas mistos - Nalbufina, buprenorfina  Antagonistas - Nalorfina, Naloxona e Naltrexona
  • 32. • Fenilepitilamidas  Agonistas fortes - Metadona  Agonistas leves a moderados - Propoxifeno • Fenilpiperidinas  Agonistas fortes - Meperidina, Fentanil (principais análogos sintéticos) Agonistas leves a moderados - Difenoxilato Derivados sintéticos de estrutura não relacionada com a MORFINA
  • 33. • Morfinanos  Agonistas fortes - Levorfanol  Agonistas-antagonistas mistos - Butorfanol  Antagonistas - Levalorfan • Benzomorfanos Agonistas-antagonistas mistos - Pentazocina Derivados sintéticos de estrutura não relacionada com a MORFINA
  • 34. RECEPTOR EFEITOS AGONISTA ANTAGONISTA • Mu: analgesia supraespinhal, depressão respiratória, euforia e dependência • Kappa: analgesia espinhal, miose, sedação, disforia • Sigma: alucinação, estimulação vasomotora e respiratoria • Delta: modifica a atividade dos receptores mi (opióides endógenos) µ (mu) Analgesia supra espinhal, depressão respiratória, euforia e dependência física Morfina +++ Fentanil+++ Codeína + Buprenorfina +++ Naloxona Nalorfina κ (Kappa) Analgesia medular, miose e sedação Morfina + Fentanil + Etorfina +++ Naloxona Naltrexona σ (Sigma) Disforia, alucinações, estimulação Etorfina +++ Morfina ++ Codeína + δ (Delta) Alterações do comportamento afetivo Pentazocina + Nalorfina + Receptores opióides µ, κ, σ, δ
  • 35.  Analgesia Dosagem-dependente  Encontrada em forma de cloridrato e sulfato  Dimorf ®  VO; SC; IM; IV  Biotransformação hepática  Excreção 90% renal e 10% fezes  Efeito 1- 4 horas MORFINA
  • 36. POTENCIA DE ALGUNS OPIOIDES COMPARADOS COM A MORFINA POTENCIA DE ALGUNS OPIOIDES COMPARADOS COM A MORFINA • NALOXONA (0,1 X) = MEPERIDINA (0,1X) < TRAMADOL (0,15 X) < MORFINA (1X) = METADONA (1X) < ALFENTANIL (10X) = OXIDONA (10X) < BUPRENORFINA (33X) < BUTORFANOL (50X) < REMINFENTANIL (80X) < FENTANIL (100X) < SUFENTANIL (1000X)
  • 37. Anel fenantrênicoAnel fenantrênico C 13 - assimétricoC 13 - assimétrico Éter ácidoÉter ácido InsaturaçãoInsaturação Amino 3Amino 3ªªriorio Penetra membranasPenetra membranas OH fenólicaOH fenólica OH alcoólicaOH alcoólica 14
  • 38.  Náusea e vômito  Depressão respiratória  Hipotermia Miose  Estimula liberação de ADH (contra indicada em uremia)  Constipação intestinal  Bradicardia, vasodilatação e hipotensão  Urticária e prurido no local da injeção  Broncoconstrição  Excitação em algumas espécies MORFINA
  • 39. Derivados da Morfina CODEÍNA Amplo uso como antitussígeno  Deprime o centro da tosse  Efeito constipante acentuado  Em geral é associada a expectorantes ou a outros analgesicos (ex. paracetamol)
  • 40. Meperidina  Potência analgésica 10x menor que morfina  Uso IM (podendo SC, IV e oral)  Apresenta efeito espasmolítico  Latência 30min e efeito 1 a 2 horas  Reduz salivação e secreção respiratória  < depressão CV e respiratória que morfina  Não produz vômito, nem defecação  Libera histamina, hipotensão e convulsão em injeção IV rápida  Potencializa em 50% os barbitúricos  Profissionais da saúde (64%)
  • 41. Fentanila  250 vezes mais potente que morfina  Uso na medicação pré-anestésica e trans-cirúrgico  Neuroleptoanalgesia (analgesia com antipsicotico)  Anestesias balanceadas  Analgesia espinhal  Analgesia Dosagem-dependente  Latência 3 a 5min, ação 20-30min  Acentuada depressão cardiorespiratória (IV)  Bradicardia, hipotesão e depressão respiratória acentuadas quando associada à barbitúricos
  • 42. Metadona  Opióide sintético  Estimula FR  Relaxamento e perda controle postural  Salivação e defecação  Analgesia duração 2-6 horas  Potencializa 50% os barbitúricos  Dosagem: 0,1 - 0,2mg/kg IM
  • 43.  Derivado da petidina (meperidina)  Ação sobre receptores µ periféricos DIFENOXILATO DIFENOXILATO  ANALGÉSICO LEVE – ação direta e seletiva sobre a musculatura lisa intestinal DIFENOXILATO  ANALGÉSICO LEVE – ação direta e seletiva sobre a musculatura lisa intestinal ATROPINA  MOTILIDADE GI (antagonista muscarínico não seletivo)ATROPINA  MOTILIDADE GI (antagonista muscarínico não seletivo) LOMOTIL  controle da diarréia, SEM atividade central, não transpõe BHE LOMOTIL  controle da diarréia, SEM atividade central, não transpõe BHE
  • 44.  Uso: IM, IV  Dosagem: 0,0025 – 0,01mg/kg IV,IM  Infusão: 0,5 a 5mg/kg/h  Adesivo transdérmico: duragesic® 25, 50,75 e 100µg/h Sulfentanil  Dosagem: (0,005mg/kg IV)  5-10 vezes mais potente fentanil e efeito mais prolongado Alfentanil  Dosagem: (0,005 a 0,75mg/kg IV)  1/5 potência fentanil e duração 10min  Uso em infusão contínua Fentanila
  • 45. Cloridrato de Tramadol  Analgésico sintético da codeína  Dor leve a moderada  Alta seletividade por receptor mi, porém baixa afinidade  Dosagem: 1 a 2mg/kg IV,IM,VO,via retal  Sedação nula  Não provoca emese nem defecação  Uso no pós-operatório
  • 46. BUTORFANOL  É um opióide sintético  Ação antagonista nos receptores mi (µ) e agonista receptores kappa (κ)  Potência 3 a 5 vezes a da morfina  Duração 2 a 4 horas, efeito analgésico limitado  Neuroleptoanalgesia  Pode reverter os efeitos sedativos dos agonistas puros, mas potencializa a analgesia  Isento de efeitos colaterais  Torbugesic®  Dosagem: 0,1-0,4mg/kg IM, IV, SC  Potente antitussígeno (0,05mg/kg SC)
  • 47. BUPRENORFINA  Potência 33 vezes a da morfina  Agonista parcial de receptores mi principalmente  Pode causar excitação ocasional  Depressão respiratória d/d muito discreta  Latênica 20-30’ e duração 8-12h  Útil na analgesia pós operatória  Neuroleptoanalgesia  Tengesic®  Dosagem: 0,005-0,01mg/kg IV,IM,SC
  • 48. AntagonistasAntagonistas Naloxona  Antagonista competitivo em todos os receptores  Efeito de 1 a 4 horas  Dosagem: 0,04mg/kg IV, IM, SC Nalorfina  É um agonista parcial  Antagonizando todos os efeitos da morfina  Uso para reverter depressão respiratória produzida pelos opióides  Efeito agonista isolada e antagonista qdo usada após opióides puros