SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA DE FARMACOLOGIA:
FARMACOLOGIA DA CONTRATILIDADE CARDÍACA
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Departamento de Farmacologia
Instituto de Ciências Biológicas
Contato: pintomcx@ufg.br
FARMACOLOGIA DA CONTRATILIDADE CARDÍACA
3- Fármacos antianginosos
4- Fármacos que aumentam contração
cardíaca.
5- Fármacos antiarrítmicos
1- Bases celulares e moleculares
•O coração
•Acoplamento excitação-contração
•Regulação da contratilidade cardíaca por receptores
beta-adrenérgicos
•Regulação do fluxo de Ca+2
no miócito cardíaco
•Proteínas contráteis cardíacas e o ciclo de contração
2- Patologias
•Angina pectoris e Infarto do miocárdio
•Insuficiência cardíaca
•Arritmias cardíaca
Bases celulares e moleculares
O coração
Aterosclerose
Espasmos coronarianos
Bloqueio do fluxo
coronariano
Angina pectoris
Infarto do miocárdio
Arritmias
O coração
Estrutura do miocardio
Acoplamento excitação-contração
Regulação da contratilidade cardíaca por receptores -
adrenérgicos
Os receptores beta adrenérgicos
aumentam a contratilidade dos miócitos
cardíacos mas também intensificam o
relaxamento.
Receptores beta-adrenérgicos são
acoplados a proteína Gs.
Ativam a adenilato ciclase,
cAMP ativa PKA.
PKA fosforila e ativa os canais de Ca+2
PKA fosforila a fosfolamban.
A bomba de SERCA torna se desinibida e
bombeia o Ca2+ para o interior do retículo
sarcoplasmático;
O cAMP é convertido em AMP pela
fosfodiesterase.
Regulação do fluxo de Ca+2
no cardiomiócito
Entrada de cálcio e contração Saída de cálcio e relaxamento
Potencial de membrana dos cardiomiócitos
Fase 4
Ciclo cardíaco
Patologias
Fatores de risco para doenças cardíacas
Diabetes
Doenças
Cardíacas
HipertensãoDoença
valvar
Remodelamento
Cardíaco
Infarto
Doença
de
Chagas
Hiper-
tiroidismo
Estenose
aórtica
Toxinas Taquicardia
Distúrbios
genéticos
Distúrbios
congênitos
Infecções
Inflamação
Angina pectoris & Infarto do miocárdio
A angina de peito ou angina pectoris é uma dor
torácica devida ao baixo abastecimento de
oxigênio e nutrientes (isquemia) ao músculo
cardíaco (miocárdio).
Geralmente é devida à obstrução parcial ou
espasmos (contrações musculares
involuntárias) das artérias coronárias (os vasos
sanguíneos do coração).
O infarto agudo do miocárdio ocorre quando a
circulação de sangue para uma parte do coração
é interrompida, causando lesões no músculo
cardíaco.
O sintoma mais comum é dor no peito ou
desconforto que se pode espalhar para o ombro,
costas, pescoço ou maxilar.
Insuficiência cardíaca
 Insuficiência Cardíaca Aguda (ICA)
É um acontecimento súbito e catastrófico de grande risco
e que ocorre devido à qualquer situação que torne o
coração incapaz de realizar sua função.
 Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC)
É o estado fisiopatológico em que o coração é incapaz de
bombear sangue a uma taxa satisfatória às
necessidades dos tecidos metabolizadores, ou pode
fazê-lo apenas a partir de uma pressão de enchimento
elevada.
Arritmias cardíacas
Arritmia cardíaca é uma condição em que o batimento cardíaco apresenta-se irregular. Podem
ser causados por defeitos na formação de impulsos ou defeitos na condução de sinal.
DEFEITOS NA FORMAÇÃO DO IMPULSO DEFEITOS NA CONDUÇÃO DO IMPULSO
Fármacos antianginosos
O trinitrato de glicerila e mononitrato de isossorbina são nitratos orgânicos usados para o
tratamento de angina.
Nitratos orgânicos
Atuam através do óxido nítrico, ao qual são
metabolizados. O óxido nítrico estimula a formação de
GMPc e, assim, ativa a proteína quinase G, afetando
tanto as proteínas contráteis (cadeias leves de miosina)
quanto a regulação do Ca2+
Estes fármacos são potentes vasodilatadores. A
eficácia na angina decorre, em parte, da redução da
carga cardíaca e, em parte, da dilatação dos vasos
coronarianos colaterais, causando uma distribuição
mais eficaz do flux o coronariano.
Efeitos colaterais:
•Cefaleia e
•Hipotensão postural.
•Metemoglobinemia (Casos raros de sobredose).
Antagonistas dos canais de cálcio
Os antagonistas dos canais de cálcio do tipo L causam vasodilatação arterial generalizada,
embora agentes individuais exibam padrões distintos de potência regional.
O verapamil atua no coração (efeitos cronotrópico e inotrópico negativos), além de causar
vasodilatação; O diltiazem apresenta especificidade no coração e na musculatura lista.
No coração, a ativação de receptores β1-adrenérgicos causa um potente efeito estimulante tanto
na frequência cardíaca (efeito cronotrópico) quanto na força de contração (efeito inotrópico). Isto
aumento o débito cardíaco e o consumo de O2 no coração.
Beta-bloqueadores
Propranolol
Fármacos que aumentam a contração cardíaca
Agonistas βadrenérgicos
Dobutamina é um agonista β1 seletivo com
maior efeito inotrópico que cronotrópico.
Aumenta a força de contração e facilita a
passagem do impulso elétrico pelo coração.
Este simpatomimético desenvolvido nos anos
70 que era usado para tratar a insuficiência
circulatória cardiogênica aguda.
Não deve ser usado em caso de isquemia, pois
aumenta a demanda do coração por oxigênio.
Pode causar hipertensão, angina e arritmia
fatal.
Esses fármacos também induzem tolerância
através da rápida infra-regulação dos receptores
adrenérgicos na superfície das células dos
órgãos-alvo.
Digitálicos
1- A digoxina liga-se à Na+
/K+
-ATPase,
inibindo-a. Acúmulo de Na+ intracelular.
2- O aumento do Na+
intracelular diminui a
força propulsora para o trocador de Na+
/Ca2+
.
Logo, a extrusão de Ca2+
diminui e ele se
acumula no interior da célula.
3- A seguir, a quantidade aumentada de Ca2+
é
bombeada pela SERCA Ca2+
-ATPase no
retículo sarcoplasmático, criando um aumento
efetivo de Ca Ca2+
disponível para liberação
durante contrações subseqüentes.
4. Aumento da liberação de Ca2+
intracelular
aumenta o inotropismo.
Digitálicos: Interações importantes
 Interações farmacodinâmicas:
• Bloqueadores β-adrenérgicos
Diminuem a condução do nó AV >>> bloqueio AV de alto grau;
• Bloqueadores dos canais de Ca+2
Diminui a contratilidade cardíaca;
• Diuréticos de alça
Diminuir a concentração plasmática de K+ >>> toxicidade da digoxina.
 Interações farmacocinéticas podem resultar de alterações:
• Na absorção
Muitos antibióticos podem aumentar a absorção da digoxina;
• No volume de distribuição
Verapamil ou quinidina podem aumentar os níveis plasmáticos de digoxina;
• Na depuração renal
Insuficiência renal >>> toxicidade da digoxina.
 Desintoxicação
• Normalização dos níveis plasmáticos de K+;
• Redução do potencial de arritmias ventriculares;
• Anticorpos antidigoxina.
Antiarrítmicos
Antiarritmicos
Efeitos dos antiarrítmicos sobre as
diferentes fases do potencial de ação
cardíaco.
Classe I : fármacos que bloqueiam canais de sódio sensíveis a
voltagem
Os bloqueadores dos canais de Na+ diminuem a automaticidade das células do nó SA ao: (1)
deslocar o limiar para potenciais mais positivos e (2) diminuir a inclinação da despolarização da
fase 4.
Usos clínicos dos antiarrítmicos da classe I
• Classe Ia (p. ex ., disopiramida)
– Arritmias ventriculares;
– Prevenção de fibrilação atrial paroxística recorrente desencadeada por hiperatividade vagal.
• Classe Ib (p. ex ., lidocaína intravenosa)
– Tratamento e prevenção de taquicardia ventricular e fibrilação ventricular durante e
imediatamente após infarto do miocárdio.
• Classe Ic
– Prevenção de fibrilação atrial paroxística (flecainida);
– Taquiarritmias recorrentes associadas a vias de condução anormais (p.ex ., síndrome de Wolff-
Parkinson-White).
Classe I : fármacos que bloqueiam canais de sódio sensíveis a
voltagem
Classe II : antagonistas dos receptores β- adrenérgicos
O infarto do miocárdio causa aumento da atividade simpática, fornecendo uma
fundamentação para o uso de β- bloqueadores.
A condução AV depende da atividade simpática; os β- bloqueadores aumentam o período
refratário do nó AV.
Os β- bloqueadores também são usados para
prevenir crises de fibrilação atrial quando estas
ocorrem em situação de ativação simpática.
Os fármacos da classe II compreendem os
antagonistas dos receptores β- adrenérgicos (p.ex.,
metoprolol, propranolol).
Usados após o infarto!
Classe III : fármacos que prolongam o potencial de ação cardíaco.
A amiodarona e o sotalol têm mais de um mecanismo de ação antiarrítmica. A
característica especial que os define como fármacos da classe III é que
prolongam, substancialmente, o potencial de ação cardíaco.
O mecanismo deste efeito não foi ainda inteiramente compreendido, mas envolve
o bloqueio de alguns dos canais de potássio envolvidos na repolarização.
O aumento período refratário pela amiodarona interrompe taquicardias reentrantes e
suprime atividade ectópica.
No entanto, os fármacos que prolongam o potencial de ação cardíaco pode causar
arritmias.
Os agentes da classe IV atuam bloqueando canais de
cálcio sensíveis à voltagem. Os fármacos da classe IV em
uso terapêutico para arritmias (p. ex ., verapamil) atuam
sobre os canais do tipo L.
Os fármacos da classe IV tornam mais lenta a condução nos nós
AS e AV, onde a propagação do potencial de ação depende
da corrente de entrada lenta de Ca2+.
Tem reduz a frequência e força de contração.
Classe IV : Antagonistas do cálcio.
Dúvidas?
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Contato: pintomcx@ufg.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Farmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascularFarmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascular
Joel Santos Nogueira
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
Safia Naser
 
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
Renato Santos
 

Mais procurados (20)

Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
 
Farmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascularFarmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascular
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
 
Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)
 
7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi
 
Antihipertensivos
AntihipertensivosAntihipertensivos
Antihipertensivos
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
 

Semelhante a Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca

Aulas 9 & 10 Biomedicina
Aulas 9 & 10 BiomedicinaAulas 9 & 10 Biomedicina
Aulas 9 & 10 Biomedicina
Caio Maximino
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
jaquerpereira
 
Insuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestivaInsuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestiva
profsempre
 
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFTTratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Victor Eduardo
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Edison Santos
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Edison Santos
 

Semelhante a Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca (20)

Farmacologia - anti-hipertensivos
Farmacologia - anti-hipertensivos Farmacologia - anti-hipertensivos
Farmacologia - anti-hipertensivos
 
Aulas 9 & 10 Biomedicina
Aulas 9 & 10 BiomedicinaAulas 9 & 10 Biomedicina
Aulas 9 & 10 Biomedicina
 
Aula 11 Biomedicina
Aula 11 BiomedicinaAula 11 Biomedicina
Aula 11 Biomedicina
 
Antiarritmicos - chrystiano arraes
Antiarritmicos - chrystiano arraesAntiarritmicos - chrystiano arraes
Antiarritmicos - chrystiano arraes
 
aula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdf
aula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdfaula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdf
aula_03_antihipertensivos_parte_2 (3).pdf
 
Aula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdf
Aula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdfAula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdf
Aula 07 - Doenças Cardiovasculares - Angina.pdf
 
Angina,Iam,Icc Apresenta O
Angina,Iam,Icc Apresenta  OAngina,Iam,Icc Apresenta  O
Angina,Iam,Icc Apresenta O
 
Antihipertensivos vasodilatadores-selma
Antihipertensivos vasodilatadores-selmaAntihipertensivos vasodilatadores-selma
Antihipertensivos vasodilatadores-selma
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Farmacologia clínica dos Anti-hipertensivos
Farmacologia clínica dos Anti-hipertensivosFarmacologia clínica dos Anti-hipertensivos
Farmacologia clínica dos Anti-hipertensivos
 
Farmacologia clínica dos Anti-hipertensivos
Farmacologia clínica dos Anti-hipertensivosFarmacologia clínica dos Anti-hipertensivos
Farmacologia clínica dos Anti-hipertensivos
 
1332097248 choque cardiog
1332097248 choque cardiog1332097248 choque cardiog
1332097248 choque cardiog
 
Insuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestivaInsuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestiva
 
Drogas de interesse em Alta Complexidade.pdf
Drogas de interesse em Alta Complexidade.pdfDrogas de interesse em Alta Complexidade.pdf
Drogas de interesse em Alta Complexidade.pdf
 
ANESTESIA E SISTEMA CARDIOVASCULAR (1).pptx
ANESTESIA E SISTEMA CARDIOVASCULAR (1).pptxANESTESIA E SISTEMA CARDIOVASCULAR (1).pptx
ANESTESIA E SISTEMA CARDIOVASCULAR (1).pptx
 
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFTTratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFT
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
 
atiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptxatiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptx
 
Estresse farmacologico na cintilografia do miocardio
Estresse farmacologico na cintilografia do miocardioEstresse farmacologico na cintilografia do miocardio
Estresse farmacologico na cintilografia do miocardio
 

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto (16)

Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e MetabolismoAula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças NeurovascularesAula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatóriaAula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
 

Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca

  • 1. AULA DE FARMACOLOGIA: FARMACOLOGIA DA CONTRATILIDADE CARDÍACA Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Biológicas Contato: pintomcx@ufg.br
  • 2. FARMACOLOGIA DA CONTRATILIDADE CARDÍACA 3- Fármacos antianginosos 4- Fármacos que aumentam contração cardíaca. 5- Fármacos antiarrítmicos 1- Bases celulares e moleculares •O coração •Acoplamento excitação-contração •Regulação da contratilidade cardíaca por receptores beta-adrenérgicos •Regulação do fluxo de Ca+2 no miócito cardíaco •Proteínas contráteis cardíacas e o ciclo de contração 2- Patologias •Angina pectoris e Infarto do miocárdio •Insuficiência cardíaca •Arritmias cardíaca
  • 3. Bases celulares e moleculares
  • 4. O coração Aterosclerose Espasmos coronarianos Bloqueio do fluxo coronariano Angina pectoris Infarto do miocárdio Arritmias
  • 8. Regulação da contratilidade cardíaca por receptores - adrenérgicos Os receptores beta adrenérgicos aumentam a contratilidade dos miócitos cardíacos mas também intensificam o relaxamento. Receptores beta-adrenérgicos são acoplados a proteína Gs. Ativam a adenilato ciclase, cAMP ativa PKA. PKA fosforila e ativa os canais de Ca+2 PKA fosforila a fosfolamban. A bomba de SERCA torna se desinibida e bombeia o Ca2+ para o interior do retículo sarcoplasmático; O cAMP é convertido em AMP pela fosfodiesterase.
  • 9. Regulação do fluxo de Ca+2 no cardiomiócito Entrada de cálcio e contração Saída de cálcio e relaxamento
  • 10. Potencial de membrana dos cardiomiócitos Fase 4
  • 13. Fatores de risco para doenças cardíacas Diabetes Doenças Cardíacas HipertensãoDoença valvar Remodelamento Cardíaco Infarto Doença de Chagas Hiper- tiroidismo Estenose aórtica Toxinas Taquicardia Distúrbios genéticos Distúrbios congênitos Infecções Inflamação
  • 14. Angina pectoris & Infarto do miocárdio A angina de peito ou angina pectoris é uma dor torácica devida ao baixo abastecimento de oxigênio e nutrientes (isquemia) ao músculo cardíaco (miocárdio). Geralmente é devida à obstrução parcial ou espasmos (contrações musculares involuntárias) das artérias coronárias (os vasos sanguíneos do coração). O infarto agudo do miocárdio ocorre quando a circulação de sangue para uma parte do coração é interrompida, causando lesões no músculo cardíaco. O sintoma mais comum é dor no peito ou desconforto que se pode espalhar para o ombro, costas, pescoço ou maxilar.
  • 15. Insuficiência cardíaca  Insuficiência Cardíaca Aguda (ICA) É um acontecimento súbito e catastrófico de grande risco e que ocorre devido à qualquer situação que torne o coração incapaz de realizar sua função.  Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC) É o estado fisiopatológico em que o coração é incapaz de bombear sangue a uma taxa satisfatória às necessidades dos tecidos metabolizadores, ou pode fazê-lo apenas a partir de uma pressão de enchimento elevada.
  • 16. Arritmias cardíacas Arritmia cardíaca é uma condição em que o batimento cardíaco apresenta-se irregular. Podem ser causados por defeitos na formação de impulsos ou defeitos na condução de sinal. DEFEITOS NA FORMAÇÃO DO IMPULSO DEFEITOS NA CONDUÇÃO DO IMPULSO
  • 18. O trinitrato de glicerila e mononitrato de isossorbina são nitratos orgânicos usados para o tratamento de angina. Nitratos orgânicos Atuam através do óxido nítrico, ao qual são metabolizados. O óxido nítrico estimula a formação de GMPc e, assim, ativa a proteína quinase G, afetando tanto as proteínas contráteis (cadeias leves de miosina) quanto a regulação do Ca2+ Estes fármacos são potentes vasodilatadores. A eficácia na angina decorre, em parte, da redução da carga cardíaca e, em parte, da dilatação dos vasos coronarianos colaterais, causando uma distribuição mais eficaz do flux o coronariano. Efeitos colaterais: •Cefaleia e •Hipotensão postural. •Metemoglobinemia (Casos raros de sobredose).
  • 19. Antagonistas dos canais de cálcio Os antagonistas dos canais de cálcio do tipo L causam vasodilatação arterial generalizada, embora agentes individuais exibam padrões distintos de potência regional. O verapamil atua no coração (efeitos cronotrópico e inotrópico negativos), além de causar vasodilatação; O diltiazem apresenta especificidade no coração e na musculatura lista.
  • 20. No coração, a ativação de receptores β1-adrenérgicos causa um potente efeito estimulante tanto na frequência cardíaca (efeito cronotrópico) quanto na força de contração (efeito inotrópico). Isto aumento o débito cardíaco e o consumo de O2 no coração. Beta-bloqueadores Propranolol
  • 21. Fármacos que aumentam a contração cardíaca
  • 22. Agonistas βadrenérgicos Dobutamina é um agonista β1 seletivo com maior efeito inotrópico que cronotrópico. Aumenta a força de contração e facilita a passagem do impulso elétrico pelo coração. Este simpatomimético desenvolvido nos anos 70 que era usado para tratar a insuficiência circulatória cardiogênica aguda. Não deve ser usado em caso de isquemia, pois aumenta a demanda do coração por oxigênio. Pode causar hipertensão, angina e arritmia fatal. Esses fármacos também induzem tolerância através da rápida infra-regulação dos receptores adrenérgicos na superfície das células dos órgãos-alvo.
  • 23. Digitálicos 1- A digoxina liga-se à Na+ /K+ -ATPase, inibindo-a. Acúmulo de Na+ intracelular. 2- O aumento do Na+ intracelular diminui a força propulsora para o trocador de Na+ /Ca2+ . Logo, a extrusão de Ca2+ diminui e ele se acumula no interior da célula. 3- A seguir, a quantidade aumentada de Ca2+ é bombeada pela SERCA Ca2+ -ATPase no retículo sarcoplasmático, criando um aumento efetivo de Ca Ca2+ disponível para liberação durante contrações subseqüentes. 4. Aumento da liberação de Ca2+ intracelular aumenta o inotropismo.
  • 24. Digitálicos: Interações importantes  Interações farmacodinâmicas: • Bloqueadores β-adrenérgicos Diminuem a condução do nó AV >>> bloqueio AV de alto grau; • Bloqueadores dos canais de Ca+2 Diminui a contratilidade cardíaca; • Diuréticos de alça Diminuir a concentração plasmática de K+ >>> toxicidade da digoxina.  Interações farmacocinéticas podem resultar de alterações: • Na absorção Muitos antibióticos podem aumentar a absorção da digoxina; • No volume de distribuição Verapamil ou quinidina podem aumentar os níveis plasmáticos de digoxina; • Na depuração renal Insuficiência renal >>> toxicidade da digoxina.  Desintoxicação • Normalização dos níveis plasmáticos de K+; • Redução do potencial de arritmias ventriculares; • Anticorpos antidigoxina.
  • 26. Antiarritmicos Efeitos dos antiarrítmicos sobre as diferentes fases do potencial de ação cardíaco.
  • 27. Classe I : fármacos que bloqueiam canais de sódio sensíveis a voltagem Os bloqueadores dos canais de Na+ diminuem a automaticidade das células do nó SA ao: (1) deslocar o limiar para potenciais mais positivos e (2) diminuir a inclinação da despolarização da fase 4. Usos clínicos dos antiarrítmicos da classe I • Classe Ia (p. ex ., disopiramida) – Arritmias ventriculares; – Prevenção de fibrilação atrial paroxística recorrente desencadeada por hiperatividade vagal. • Classe Ib (p. ex ., lidocaína intravenosa) – Tratamento e prevenção de taquicardia ventricular e fibrilação ventricular durante e imediatamente após infarto do miocárdio. • Classe Ic – Prevenção de fibrilação atrial paroxística (flecainida); – Taquiarritmias recorrentes associadas a vias de condução anormais (p.ex ., síndrome de Wolff- Parkinson-White).
  • 28. Classe I : fármacos que bloqueiam canais de sódio sensíveis a voltagem
  • 29. Classe II : antagonistas dos receptores β- adrenérgicos O infarto do miocárdio causa aumento da atividade simpática, fornecendo uma fundamentação para o uso de β- bloqueadores. A condução AV depende da atividade simpática; os β- bloqueadores aumentam o período refratário do nó AV. Os β- bloqueadores também são usados para prevenir crises de fibrilação atrial quando estas ocorrem em situação de ativação simpática. Os fármacos da classe II compreendem os antagonistas dos receptores β- adrenérgicos (p.ex., metoprolol, propranolol). Usados após o infarto!
  • 30. Classe III : fármacos que prolongam o potencial de ação cardíaco. A amiodarona e o sotalol têm mais de um mecanismo de ação antiarrítmica. A característica especial que os define como fármacos da classe III é que prolongam, substancialmente, o potencial de ação cardíaco. O mecanismo deste efeito não foi ainda inteiramente compreendido, mas envolve o bloqueio de alguns dos canais de potássio envolvidos na repolarização. O aumento período refratário pela amiodarona interrompe taquicardias reentrantes e suprime atividade ectópica. No entanto, os fármacos que prolongam o potencial de ação cardíaco pode causar arritmias.
  • 31. Os agentes da classe IV atuam bloqueando canais de cálcio sensíveis à voltagem. Os fármacos da classe IV em uso terapêutico para arritmias (p. ex ., verapamil) atuam sobre os canais do tipo L. Os fármacos da classe IV tornam mais lenta a condução nos nós AS e AV, onde a propagação do potencial de ação depende da corrente de entrada lenta de Ca2+. Tem reduz a frequência e força de contração. Classe IV : Antagonistas do cálcio.
  • 32. Dúvidas? Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Contato: pintomcx@ufg.br

Notas do Editor

  1. Insuficiência Cardíaca Aguda (ICA) É um acontecimento súbito e catastrófico de grande risco e que ocorre devido à qualquer situação que torne o coração incapaz de realizar sua função. Geralmente a Insuficiência Cardíaca Aguda pode ser consequência de um infarto do miocárdio ou a uma arritmia severa do coração. Também pode ocorrer devido a hemorragia, traumatismo craniano ou choque elétrico
  2. Insuficiência Cardíaca Aguda (ICA) É um acontecimento súbito e catastrófico de grande risco e que ocorre devido à qualquer situação que torne o coração incapaz de realizar sua função. Geralmente a Insuficiência Cardíaca Aguda pode ser consequência de um infarto do miocárdio ou a uma arritmia severa do coração. Também pode ocorrer devido a hemorragia, traumatismo craniano ou choque elétrico
  3. Estrutura do miócito cardíaco. Cada miócito cardíaco contém miofibrilas e mitocôndrias circundadas por uma membrana plasmática especializada, denominada sarcolema. As invaginações do sarcolema, denominadas túbulos T, fornecem condutos para o influxo de Ca2+. No interior da célula, um retículosarcoplasmático extenso armazena o Ca2+ para uso durante a contração. O Ca2+ extracelular penetra através do sarcolema e dos túbulos T durante a fase 2do potencial de ação. Esse Ca2+ desencadeante liga-se a canais na membrana do retículo sarcoplasmático, causando liberação de um grande reservatório dodenominado Ca2+ de ativação no citosol. O aumento do Ca2+ citosólico inicia a contração das miofibrilas. O sarcômero é a unidade funcional da miofibrila.Cada sarcômero consiste em bandas interdigitadas de actina e miosina. Essas bandas formam estruturas distintas ao microscópio eletrônico. As bandas Acorrespondem a regiões de superposição da actina e miosina. As linhas Z demarcam as bordas de cada sarcômero. As bandas I estendem-se entre sarcômerosadjacentes e correspondem a regiões da actina sem superposição da miosina. Durante a contração do miócito cardíaco, as bandas I tornam-se mais curtas(isto é, as linhas Z aproximam-se uma da outra), porém as bandas A mantêm um comprimento constante.
  4. Regulação da contratilidade cardíaca por receptores -adrenérgicos. Os receptores -adrenérgicos aumentam a contratilidade dosmiócitos cardíacos mas também intensificam o relaxamento. A ligação de umagonista endógeno ou exógeno aos receptores 1-adrenérgicos na superfíciedos miócitos cardíacos induz as proteínas G a ativar a adenilil ciclase, quepor sua vez catalisa a conversão do ATP em cAMP. O cAMP ativa múltiplasproteinocinases, incluindo a proteinocinase A (PKA). A PKA fosforila e ativa oscanais de Ca2+ do sarcolema, portanto, aumenta a contratilidade dos miócitoscardíacos. A PKA também fosforila a fosfolamban. A bomba de SERCA tornase desinibida e bombeia o Ca2+ para o interior do retículo sarcoplasmático;a taxa aumentada de seqüestro de Ca2+ intensifica o relaxamento dosmiócitos cardíacos. O cAMP é convertido em AMP pela fosfodiesterase, comconseqüente término das ações mediadas pelos receptores 1-adrenérgicos.A fosfodiesterase é inibida pela anrinona, um fármaco que pode ser utilizadono tratamento da insuficiência cardíaca
  5. Regulação do fluxo de Ca2+ no miócito cardíaco. A. Durantea contração: 1. O Ca2+ extracelular penetra no miócito cardíaco através doscanais de Ca2+ no sarcolema. 2. Esse Ca2+ desencadeante induz a liberaçãode Ca2+ do retículo sarcoplasmático para o citosol (a denominada liberação deCa2+ induzida por Ca2+). 3. O aumento do Ca2+ citosólico facilita a contraçãodas miofibrilas. B. Durante o relaxamento: 4. O trocador de Na+/Ca2+ (NCX)remove o Ca2+ do citosol, utilizando o gradiente de Na+ como força impulsora.5. A Na+/K+-ATPase mantém o gradiente de Na+, mantendo, assim, o miócitocardíaco hiperpolarizado. 6. A Ca2+-ATPase do retículo sarcoendoplasmático(SERCA) na membrana do retículo sarcoplasmático é tonicamente inibida pelafosfolamban. A fosforilação da fosfolamban pela proteinocinase A (PKA) retiraa inibição da Ca2+-ATPase, permitindo o seqüestro do Ca2+ citosólico no retículosarcoplasmático
  6. Relação estrutura atividade dos fármacos adrenérgicos; Fármacos simpatomiméticos ação direta; Efeitos dos agonistas de receptores adrenérgicos: Musculo Liso, Coração, Metabolismo e outros; Agonistas seletivos; Fármacos  adrenérgicos
  7. Mecanismo inotrópico positivo da digoxina. 1. A digoxina liga-seà Na+/K+-ATPase, inibindo-a. A extrusão diminuída de Na+ (setas tracejadas)leva a um aumento na concentração de Na+. 2. O aumento do Na+ intracelulardiminui a força propulsora para o trocador de Na+/Ca2+ (setas tracejadas),resultando em extrusão diminuída de Ca2+ do miócito cardíaco para o espaçoextracelular e em concentração citosólica aumentada de Ca2+. 3. A seguir, aquantidade aumentada de Ca2+ é bombeada pela SERCA Ca2+-ATPase (setagrande) no retículo sarcoplasmático, criando um aumento efetivo de Ca2+,disponível para liberação durante contrações subseqüentes. 4. Durante cadacontração, a liberação aumentada de Ca2+ pelo retículo sarcoplasmático levaa um aumento da contração das miofibrilas e, portanto, a um aumento doinotropismo cardíaco.
  8. Além de seus efeitos sobre a contratilidade do miocárdio,a digoxina exerce efeitos autônomos através de sua ligação abombas de sódio nas membranas plasmáticas dos neurôniosno sistema nervoso central e sistema nervoso periférico. Essesefeitos consistem em inibição do efluxo nervoso simpático, sensibilização dos barorreceptores e aumento do tônus parassimpático (vagal). A digoxina também altera as propriedadeseletrofisiológicas do coração através de uma ação direta sobre osistema de condução cardíaca.