SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA DE FARMACOLOGIA:
METABOLISMO & ELIMINAÇÃO DE FÁRMACOS
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Departamento de Farmacologia
Instituto de Ciências Biológicas
Contato: pintomcx@ufg.br
Processos farmacocinéticos
Farmacocinética (do grego: fármacon = droga; kínésis = movimento) estuda todo o
percurso que a medicação faz no corpo humano (Absorção, distribuição, metabolismo e
eliminação). O que o corpo faz com o fármaco.
Farmacocinética – Biotransformação
Fígado
Locais de biotransformação de fármacos
Pulmões
Rins
Sangue
Trato gastrointestinal
Biotransformação ou Metabolismo de fármacos
Absorção na parede intestinal
Fármaco no sangue do
Sistema Porta
Fármaco no fígado
Metabolismo
Circulação sistêmica
Excreção
Biliar
Fármaco também pode ser metabolizado na:
1. Parede intestinal
2. No sangue do sistema Porta
3. Fígado (+ comumente)
Metabolismo hepático & biodisponibilidade
Metabolismo hepático
Efeito de primeira passagem
Redução da
biodisponibilidade
Exemplo de fármacos que geram metabólitos ativos
Fases do metabolismo de fármacos
Fases dos metabolismo de fármacos
Reações de fase 1: Catabólicas
As reações de fase 1 são aquelas que quebram a moléculas em estruturas mais simples, podendo
levar a inativação, ativação ou potencialização das ações dos fármacos.
Principais tipos de reação:
Hidrólise (Não envolve CYP)
Oxidação (Envolve CYP)
Redução (Menos comuns)
Hidrólise
Exp.: Colinesterases
Reações de Fase 1: Oxidação pelas enzimas do citocromo P450 (CYP)
As reações de oxidação promovidas pelo citocromo P450 são as mais importantes para
o metabolismo de fármacos e consistem em perder elétrons.
Superfamília de enzimas (74 famílias)
-CYP 1, CYP 2, CYP 3, CYP4, com vários
subtipos
Metabolismo oxidativo
Expressos em múltiplos tecidos
Alta concentração em hepatócitos
- 90 a 95% das enzimas hepáticas
Localização:
• Mitocôndria: “CYP esteroidogênico”
• Ret. endoplasmático: “CYP xenobiótico”
Reações de Fase 1: Citocromo P450 (CYP)
Variações no padrão de expressão de CYP influenciam diretamente o metabolismo de
fármacos. Fatores genéticos como polimorfismo ou fatores ambientais como abuso de
substâncias podem alterar o padrão de expressão de CYP.
Cada retângulo rosa ou azul representa uma única molécula do citocromo P450 durante o ciclo catalítico. O ferro na P450
encontra-se no estado férrico (retângulos rosa) ou no estado ferroso (retângulos azuis). O P450, que contém ferro férrico
(Fe3+), combina-se com uma molécula do fármaco (“FH”); recebe um elétron da NA DPH-P450 redutase, que reduz o ferro
para Fe2+; combinase com oxigênio molecular , um próton e um segundo elétron (da NA DPH-P450 redutase ou do
citocromo b5) para formar um complexo Fe2+ OOH-FH. Esse complexo se combina com outro próton para produzi r água e
o complexo oxeno férrico (FeO)3+-FH. O (FeO)3+ extrai um átomo de hidrogênio do FH, com formação de um par de
radicais l ivres de curta duração (ver texto), liberação do fármaco oxidado (“FOH”) do complexo e regeneração da enzima
P450.
O ciclo da mono-oxigenase P450
Reações de Fase 2: Anabólicas
As reações de fase 2 são aquelas que sintetizam compostos maiores e mais hidrossolúveis,
processos estes que favorecem à eliminação dos fármacos.
Reações de fase 2: Anabólicas
•Conjugação com ácido glicurônico;
•Conjugação com glutationa;
•Conjugação com peptídeos ou AA;
•Conjugação com sulfatos;
•Metilação;
•Acetilação;
•Síntese de ácido mercaptúrico
Glutationa
Ácido glicurônico Sulfato
Glicina
Reações de Fase 2: Anabólicas
Reações de Fase 2: Substratos
1) Ác. Glicurônico: drogas ácidas, básicas, fenóis, álcoois.
Glicuronídeos altamente polares e excretados como conjugados.
Ex: esteróides, morfina, cloranfenicol, salicilatos, propofol.
2) Sulfato: cloranfenicol, fenóis, esteróides sexuais.
3) Acetato: sulfas, clonazepam, isoniazida
4) Glutationa: ácido etacrínico, bromobenzeno (proteção celular)
5) Glicina/Glutamina: ácido salicílico, ác. benzóico, ác. nicotínico
Reações de Fase 2: Substratos
Complexidade da biotransformação
Via do ácido mercaptúrico
Alterações no metabolismo de fármacos
Fatores que modificam a metabolização de fármacos
Idade; Doenças; Genética; Ambientais (Indução Enzimática ou Inibição Enzimática).
Inibidores e indutores enzimáticos
Enzimas que sofrem interferência de indutores e inibidores
enzimáticos
 Citocromo P450
 Colinesterases
 Monoaminooxidase (MAO)
 Aldeído Desidrogenase
 Álcool Desidrogenase
 Xantina oxidase
 Outras
Colinesterase
CYP 450
Indução enzimática
INDUÇÃO ENZIMÁTICA: Aumenta a velocidade de biotransformação hepática dos fármacos.
 Diminui a meia-vida sérica do fármaco.
 Diminui os efeitos farmacológicos se os
metabólitos forem inativos.
 Aumenta a toxicidade se os metabólitos
forem tóxicos (exp.: paracetamol).
 O citocromo P450 é rapidamente induzido
por muitos fármacos.
Consequências da Indução enzimática
Geralmente os agentes indutores são o próprio substrato para a enzima induzida e pode
desenvolver tolerância. Também podem aumentar a atividade do metabolismo de fase II.
Indutores do citocromo P450
Inibição enzimática
 Aumenta a meia vida da droga.
 Aumenta os efeitos farmacológicos se os
metabólitos forem inativos;
 Perda do efeito se o metabólito for ativo
(pró-fármaco)
Fármacos que inibem o metabolismo
Interação farmacocinética: Metabolismo
Farmacocinética – Eliminação de fármacos
Processos farmacocinéticos
Farmacocinética (do grego: fármacon = droga; kínésis = movimento) estuda todo o
percurso que a medicação faz no corpo humano (Absorção, distribuição, metabolismo e
eliminação). O que o corpo faz com o fármaco.
Rins
Locais de eliminação de drogas
Fígado/Bile/Fezes
Pulmões
Glândulas mamáriasGlândulas lacrimais Glândulas sudoríparas
Exp.: clonidina
Exp.: Anestésicos
Exp.: Morfina, cocaína,
papeverina (básicas)
Exp.: Neomicina, morfina,
anticoncepcionais
Exp.: fármacos de baixo PM e/ou
lipossolúveis.
Eliminação de fármacos
Eliminação de fármacos
Biotransformação Excreção
Excreção: passagem dos fármacos da circulação sangüínea
para o meio externo
Excreção de fármacos
As drogas são, na sua maior parte, removidasAs drogas são, na sua maior parte, removidas
do corpo através da urina, na forma inalteradado corpo através da urina, na forma inalterada
ou como metabólitos polares (ionizados).ou como metabólitos polares (ionizados).
As substâncias lipofílicas (apolares) não sãoAs substâncias lipofílicas (apolares) não são
eliminadas eficientemente pelo rim.eliminadas eficientemente pelo rim.
As drogasAs drogas lipofílicaslipofílicas sãosão metabolizadasmetabolizadas, em, em
sua maioria, em produtos mais polares, quesua maioria, em produtos mais polares, que
são, então, excretados na urina.são, então, excretados na urina.
Excreção biliar
Excreção biliar
As células hepáticas transferem diversas substâncias, inclusive fármacos, do plasma
para a bile por meio de sistemas de transporte semelhantes aos do túbulo renal:
•OCT
•OAT
•Glicoproteínas P (P-gp).
Alguns compostos de fármacos hidrofílicos (principalmente glicuronídeos) ficam concentrados
na bile e são enviados para o intestino, em que o glicuronídeo pode ser hidrolizado, regenerando
o fármaco ativo;
O resultado é um “reservatório” de fármaco recirculante que pode representar até cerca de 20%
do total de fármaco presente no organismo, prolongando sua ação.
Exemplos: morfina e etinilestradiol.
Excreção biliar: glicoproteína P
A gpP funciona como uma bomba de efluxo ATP-dependente, ou seja, promove
ativamente a saída da substância do interior da célula.
Circulação êntero-hepática
O fármaco excretado pela bile pode ser reabsorvido gerando um ciclo, este processo é
denominado circulação êntero-hepática.
Excreção renal
A maioria dos fármacos é eliminado quimicamente inalterados ou na forma de metabólitos pelos rins.
Alterações renais comprometem a eliminação de fármacos
Função renal
Néfron e os fármacos
Filtração glomerular
1. Os capilares glomerulares possibilitam que moléculas de fármacos com peso molecular
abaixo de 20 kDa se difundam para o filtrado glomerular.
2. Esses capilares são quase completamente impermeáveis à albumina plasmática (PM ≅ 68
kDa); Fármacos ligados à albumina não são filtrados.
3. A maioria dos fármacos livres no plasma cruza a barreira livremente.
Secreção tubular
Características:
•É um mecanismo ativo (ATP dependente);
•Independe da ligação a proteínas plasmáticas;
•Processo saturável;
•Pode haver inibição competitiva (Probenecida + Benzilpenicilina/amoxicilina)
A secreção tubular é potencialmente o mecanismo mais efetivo de eliminação renal de fármacos
devido à alta perfusão sanguínea (80% do sangue renal).
Secreção tubular
A secreção tubular é potencialmente o mecanismo mais efetivo de eliminação renal de fármacos
devido à alta perfusão sanguínea (80% do sangue renal).
Na sercreção tubular, as moléculas dos fármacos são transferidas para o lúmen tubular por dois sistemas de
transportadores independentes e relativamente não seletivos:
•Transportadores de ânions orgânicos (OAT) - Transporta os fármacos ácidos na sua forma aniônica
negativa;
•Transportadores de cátions (OCT) - lida com bases orgânicas na forma protonada catiônica.
•Glicoproteína P.
Reabsorção tubular
A água é reabsorvida conforme o líquido atravessa o túbulo e, por isso, o volume de urina
produzida é de aproximadamente 1% do volume do filtrado glomerular.
Se o túbulo for livremente permeável às moléculas do fármaco, aproximadamente 99% do
fármaco filtrado será reabsorvido passivamente a favor do gradiente de concentração resultante.
A eliminação dos fármacos lipossolúveis é reduzida, enquanto fármacos polares, cuja
permeabilidade tubular é baixa, permanecem na luz do túbulo e são mais rapidamente
eliminados.
• Peso molecular
• Grau de ionização
• Lipossolubilidade
Cálculo: Depuração renal
A eliminação de fármacos pelos rins é mais bem quantificada pela depuração renal,
definida como o volume de plasma que contém a quantidade da substância removida
pelos rins na unidade de tempo.
Ela é calculada a partir da concentração plasmática, Cp, da concentração urinária, Cu, e
da velocidade do fluxo urinário, Vu.
Interações que afetam a excreção renal
Interação farmacocinética: Excreção
REABSORÇÃO TUBULAR: Os fármacos em suas formas ionizadas são mais facilmente
excretados pelos rins. A alteração do pH da urina pode aumentar a excreção de alguns fármacos.
• Acidificação da urina aumenta a eliminação renal de bases
• Alcalinização da urina aumenta a eliminação renal de ácidos
Influência do pH
Interação farmacocinética: Excreção
Fármacos que inibem a secreção tubular
Meia-vida de eliminação
DepuraçDepuração ou Clearence (Cl)ão ou Clearence (Cl)Tempo de meia vida (T½)
É o tempo necessário para que as concentrações plasmáticas ou a quantidade do Fármaco
presente no organismo sejam reduzidas a 50 %.
É utilizada para tomar decisões relativas
à posologia dos Fármacos
t1/2 = 0,7 x Vd
CL
t1/2 : Tempo de meia-vida
Vd: Volume de distribuição
Cl: Clearence renal
0,7: Constante de eliminação
50% de decréscimo
(conc. = 50)
50% de decréscimo
(conc. = 25)
50% de decréscimo
(conc. = 12,5)
MEIA VIDA
(t1/2)
Depois de aproximadamente 4 meias vidas, a eliminação estará cerca de 94% completa.
Tempo de meia vida (T½)
É um parâmetro dependente do Cl e do Vd, ou seja, se estes alteram a t1/2 também altera.
Dúvidas?
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Contato: pintomcx@ufg.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
Jaqueline Almeida
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Leonardo Souza
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Jaqueline Almeida
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Universidade Anhanguera de São Paulo - Unidade Pirituba
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Jaqueline Almeida
 
Inflamacao e dor
Inflamacao e dorInflamacao e dor
Inflamacao e dor
Rafael Nobre
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e MetabolismoAula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Jaqueline Almeida
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologia   Resumo farmacologia
Resumo farmacologia
Centro Universitário Ages
 
5. sistema nervoso
5. sistema nervoso5. sistema nervoso
5. sistema nervoso
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Ansioliticos
AnsioliticosAnsioliticos
Ansioliticos
Safia Naser
 

Mais procurados (20)

introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
 
Inflamacao e dor
Inflamacao e dorInflamacao e dor
Inflamacao e dor
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
 
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e MetabolismoAula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologia   Resumo farmacologia
Resumo farmacologia
 
5. sistema nervoso
5. sistema nervoso5. sistema nervoso
5. sistema nervoso
 
Ansioliticos
AnsioliticosAnsioliticos
Ansioliticos
 

Semelhante a Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos

Excreção de fármacos/ analisefarmacocinetico
Excreção de fármacos/ analisefarmacocineticoExcreção de fármacos/ analisefarmacocinetico
Excreção de fármacos/ analisefarmacocinetico
andreiavitoriacan
 
Aula 2 Biomedicina
Aula 2 BiomedicinaAula 2 Biomedicina
Aula 2 Biomedicina
Caio Maximino
 
Trabalho anestesio hepatopatia
Trabalho anestesio hepatopatiaTrabalho anestesio hepatopatia
Trabalho anestesio hepatopatia
jujufacebook
 
Toxicocinética aula 2
Toxicocinética aula 2Toxicocinética aula 2
Toxicocinética aula 2
profsempre
 
3. metabo..
3. metabo..3. metabo..
3. metabo..
Suzan Noschang
 
Aula 2 Medicina
Aula 2 MedicinaAula 2 Medicina
Aula 2 Medicina
Caio Maximino
 
7 bioquímica-metabolismo dos nutrientes e de xenobióticos-selma
7 bioquímica-metabolismo dos nutrientes e de xenobióticos-selma7 bioquímica-metabolismo dos nutrientes e de xenobióticos-selma
7 bioquímica-metabolismo dos nutrientes e de xenobióticos-selma
selma do nascimento silva
 
Texto sobre biotransformação
Texto sobre biotransformaçãoTexto sobre biotransformação
Texto sobre biotransformação
Joyce Domingues
 
Farmacocinética básica
Farmacocinética básicaFarmacocinética básica
Farmacocinética básica
Carlos Collares
 
Biotransformacao e excrecao das drogas
Biotransformacao e excrecao das drogasBiotransformacao e excrecao das drogas
Biotransformacao e excrecao das drogas
r1234or
 
9e0de7264b4702743acd140a8d584a98
9e0de7264b4702743acd140a8d584a989e0de7264b4702743acd140a8d584a98
9e0de7264b4702743acd140a8d584a98
Thami123
 
aula sobre sistema excretor, anatomia e fisiologia
aula sobre sistema excretor, anatomia e fisiologiaaula sobre sistema excretor, anatomia e fisiologia
aula sobre sistema excretor, anatomia e fisiologia
IsanaCarlaAmorimSouz
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologiaResumo farmacologia
Resumo farmacologia
Marcelo Junnior
 
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdfFarmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
DheniseMikaelly
 
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdfApostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
AndreyAraujo10
 
Farmacologia 03 eliminação metabólica
Farmacologia 03   eliminação metabólicaFarmacologia 03   eliminação metabólica
Farmacologia 03 eliminação metabólica
Jucie Vasconcelos
 
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamicsPharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
Carlos D A Bersot
 
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdfWebpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
FabianaAlessandro2
 
FARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptxFARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptx
TathianaGelinski1
 
Enzimas hepaticas
Enzimas hepaticasEnzimas hepaticas
Enzimas hepaticas
Cláudio de Almeida
 

Semelhante a Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos (20)

Excreção de fármacos/ analisefarmacocinetico
Excreção de fármacos/ analisefarmacocineticoExcreção de fármacos/ analisefarmacocinetico
Excreção de fármacos/ analisefarmacocinetico
 
Aula 2 Biomedicina
Aula 2 BiomedicinaAula 2 Biomedicina
Aula 2 Biomedicina
 
Trabalho anestesio hepatopatia
Trabalho anestesio hepatopatiaTrabalho anestesio hepatopatia
Trabalho anestesio hepatopatia
 
Toxicocinética aula 2
Toxicocinética aula 2Toxicocinética aula 2
Toxicocinética aula 2
 
3. metabo..
3. metabo..3. metabo..
3. metabo..
 
Aula 2 Medicina
Aula 2 MedicinaAula 2 Medicina
Aula 2 Medicina
 
7 bioquímica-metabolismo dos nutrientes e de xenobióticos-selma
7 bioquímica-metabolismo dos nutrientes e de xenobióticos-selma7 bioquímica-metabolismo dos nutrientes e de xenobióticos-selma
7 bioquímica-metabolismo dos nutrientes e de xenobióticos-selma
 
Texto sobre biotransformação
Texto sobre biotransformaçãoTexto sobre biotransformação
Texto sobre biotransformação
 
Farmacocinética básica
Farmacocinética básicaFarmacocinética básica
Farmacocinética básica
 
Biotransformacao e excrecao das drogas
Biotransformacao e excrecao das drogasBiotransformacao e excrecao das drogas
Biotransformacao e excrecao das drogas
 
9e0de7264b4702743acd140a8d584a98
9e0de7264b4702743acd140a8d584a989e0de7264b4702743acd140a8d584a98
9e0de7264b4702743acd140a8d584a98
 
aula sobre sistema excretor, anatomia e fisiologia
aula sobre sistema excretor, anatomia e fisiologiaaula sobre sistema excretor, anatomia e fisiologia
aula sobre sistema excretor, anatomia e fisiologia
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologiaResumo farmacologia
Resumo farmacologia
 
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdfFarmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
 
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdfApostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
 
Farmacologia 03 eliminação metabólica
Farmacologia 03   eliminação metabólicaFarmacologia 03   eliminação metabólica
Farmacologia 03 eliminação metabólica
 
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamicsPharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
 
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdfWebpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
Webpalestra_InteraçãoMedicamentosa.pdf
 
FARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptxFARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptx
 
Enzimas hepaticas
Enzimas hepaticasEnzimas hepaticas
Enzimas hepaticas
 

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto

Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças NeurovascularesAula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatóriaAula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Mauro Cunha Xavier Pinto
 

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto (15)

Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças NeurovascularesAula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
 
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatóriaAula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
Aula - SNC - Tratamento para dor neuropática e dor inflamatória
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos

  • 1. AULA DE FARMACOLOGIA: METABOLISMO & ELIMINAÇÃO DE FÁRMACOS Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Biológicas Contato: pintomcx@ufg.br
  • 2. Processos farmacocinéticos Farmacocinética (do grego: fármacon = droga; kínésis = movimento) estuda todo o percurso que a medicação faz no corpo humano (Absorção, distribuição, metabolismo e eliminação). O que o corpo faz com o fármaco.
  • 4. Fígado Locais de biotransformação de fármacos Pulmões Rins Sangue Trato gastrointestinal
  • 6. Absorção na parede intestinal Fármaco no sangue do Sistema Porta Fármaco no fígado Metabolismo Circulação sistêmica Excreção Biliar Fármaco também pode ser metabolizado na: 1. Parede intestinal 2. No sangue do sistema Porta 3. Fígado (+ comumente) Metabolismo hepático & biodisponibilidade Metabolismo hepático Efeito de primeira passagem Redução da biodisponibilidade
  • 7. Exemplo de fármacos que geram metabólitos ativos
  • 8. Fases do metabolismo de fármacos
  • 9. Fases dos metabolismo de fármacos
  • 10. Reações de fase 1: Catabólicas As reações de fase 1 são aquelas que quebram a moléculas em estruturas mais simples, podendo levar a inativação, ativação ou potencialização das ações dos fármacos. Principais tipos de reação: Hidrólise (Não envolve CYP) Oxidação (Envolve CYP) Redução (Menos comuns) Hidrólise Exp.: Colinesterases
  • 11. Reações de Fase 1: Oxidação pelas enzimas do citocromo P450 (CYP) As reações de oxidação promovidas pelo citocromo P450 são as mais importantes para o metabolismo de fármacos e consistem em perder elétrons. Superfamília de enzimas (74 famílias) -CYP 1, CYP 2, CYP 3, CYP4, com vários subtipos Metabolismo oxidativo Expressos em múltiplos tecidos Alta concentração em hepatócitos - 90 a 95% das enzimas hepáticas Localização: • Mitocôndria: “CYP esteroidogênico” • Ret. endoplasmático: “CYP xenobiótico”
  • 12. Reações de Fase 1: Citocromo P450 (CYP) Variações no padrão de expressão de CYP influenciam diretamente o metabolismo de fármacos. Fatores genéticos como polimorfismo ou fatores ambientais como abuso de substâncias podem alterar o padrão de expressão de CYP.
  • 13. Cada retângulo rosa ou azul representa uma única molécula do citocromo P450 durante o ciclo catalítico. O ferro na P450 encontra-se no estado férrico (retângulos rosa) ou no estado ferroso (retângulos azuis). O P450, que contém ferro férrico (Fe3+), combina-se com uma molécula do fármaco (“FH”); recebe um elétron da NA DPH-P450 redutase, que reduz o ferro para Fe2+; combinase com oxigênio molecular , um próton e um segundo elétron (da NA DPH-P450 redutase ou do citocromo b5) para formar um complexo Fe2+ OOH-FH. Esse complexo se combina com outro próton para produzi r água e o complexo oxeno férrico (FeO)3+-FH. O (FeO)3+ extrai um átomo de hidrogênio do FH, com formação de um par de radicais l ivres de curta duração (ver texto), liberação do fármaco oxidado (“FOH”) do complexo e regeneração da enzima P450. O ciclo da mono-oxigenase P450
  • 14. Reações de Fase 2: Anabólicas As reações de fase 2 são aquelas que sintetizam compostos maiores e mais hidrossolúveis, processos estes que favorecem à eliminação dos fármacos. Reações de fase 2: Anabólicas •Conjugação com ácido glicurônico; •Conjugação com glutationa; •Conjugação com peptídeos ou AA; •Conjugação com sulfatos; •Metilação; •Acetilação; •Síntese de ácido mercaptúrico Glutationa Ácido glicurônico Sulfato Glicina
  • 15. Reações de Fase 2: Anabólicas
  • 16. Reações de Fase 2: Substratos 1) Ác. Glicurônico: drogas ácidas, básicas, fenóis, álcoois. Glicuronídeos altamente polares e excretados como conjugados. Ex: esteróides, morfina, cloranfenicol, salicilatos, propofol. 2) Sulfato: cloranfenicol, fenóis, esteróides sexuais. 3) Acetato: sulfas, clonazepam, isoniazida 4) Glutationa: ácido etacrínico, bromobenzeno (proteção celular) 5) Glicina/Glutamina: ácido salicílico, ác. benzóico, ác. nicotínico
  • 17. Reações de Fase 2: Substratos
  • 18. Complexidade da biotransformação Via do ácido mercaptúrico
  • 20. Fatores que modificam a metabolização de fármacos Idade; Doenças; Genética; Ambientais (Indução Enzimática ou Inibição Enzimática).
  • 21. Inibidores e indutores enzimáticos
  • 22. Enzimas que sofrem interferência de indutores e inibidores enzimáticos  Citocromo P450  Colinesterases  Monoaminooxidase (MAO)  Aldeído Desidrogenase  Álcool Desidrogenase  Xantina oxidase  Outras Colinesterase CYP 450
  • 23. Indução enzimática INDUÇÃO ENZIMÁTICA: Aumenta a velocidade de biotransformação hepática dos fármacos.  Diminui a meia-vida sérica do fármaco.  Diminui os efeitos farmacológicos se os metabólitos forem inativos.  Aumenta a toxicidade se os metabólitos forem tóxicos (exp.: paracetamol).  O citocromo P450 é rapidamente induzido por muitos fármacos.
  • 24. Consequências da Indução enzimática Geralmente os agentes indutores são o próprio substrato para a enzima induzida e pode desenvolver tolerância. Também podem aumentar a atividade do metabolismo de fase II.
  • 26. Inibição enzimática  Aumenta a meia vida da droga.  Aumenta os efeitos farmacológicos se os metabólitos forem inativos;  Perda do efeito se o metabólito for ativo (pró-fármaco)
  • 27. Fármacos que inibem o metabolismo
  • 30. Processos farmacocinéticos Farmacocinética (do grego: fármacon = droga; kínésis = movimento) estuda todo o percurso que a medicação faz no corpo humano (Absorção, distribuição, metabolismo e eliminação). O que o corpo faz com o fármaco.
  • 31. Rins Locais de eliminação de drogas Fígado/Bile/Fezes Pulmões Glândulas mamáriasGlândulas lacrimais Glândulas sudoríparas Exp.: clonidina Exp.: Anestésicos Exp.: Morfina, cocaína, papeverina (básicas) Exp.: Neomicina, morfina, anticoncepcionais Exp.: fármacos de baixo PM e/ou lipossolúveis.
  • 32. Eliminação de fármacos Eliminação de fármacos Biotransformação Excreção Excreção: passagem dos fármacos da circulação sangüínea para o meio externo
  • 33. Excreção de fármacos As drogas são, na sua maior parte, removidasAs drogas são, na sua maior parte, removidas do corpo através da urina, na forma inalteradado corpo através da urina, na forma inalterada ou como metabólitos polares (ionizados).ou como metabólitos polares (ionizados). As substâncias lipofílicas (apolares) não sãoAs substâncias lipofílicas (apolares) não são eliminadas eficientemente pelo rim.eliminadas eficientemente pelo rim. As drogasAs drogas lipofílicaslipofílicas sãosão metabolizadasmetabolizadas, em, em sua maioria, em produtos mais polares, quesua maioria, em produtos mais polares, que são, então, excretados na urina.são, então, excretados na urina.
  • 35. Excreção biliar As células hepáticas transferem diversas substâncias, inclusive fármacos, do plasma para a bile por meio de sistemas de transporte semelhantes aos do túbulo renal: •OCT •OAT •Glicoproteínas P (P-gp). Alguns compostos de fármacos hidrofílicos (principalmente glicuronídeos) ficam concentrados na bile e são enviados para o intestino, em que o glicuronídeo pode ser hidrolizado, regenerando o fármaco ativo; O resultado é um “reservatório” de fármaco recirculante que pode representar até cerca de 20% do total de fármaco presente no organismo, prolongando sua ação. Exemplos: morfina e etinilestradiol.
  • 36. Excreção biliar: glicoproteína P A gpP funciona como uma bomba de efluxo ATP-dependente, ou seja, promove ativamente a saída da substância do interior da célula.
  • 37. Circulação êntero-hepática O fármaco excretado pela bile pode ser reabsorvido gerando um ciclo, este processo é denominado circulação êntero-hepática.
  • 39. A maioria dos fármacos é eliminado quimicamente inalterados ou na forma de metabólitos pelos rins. Alterações renais comprometem a eliminação de fármacos Função renal
  • 40. Néfron e os fármacos
  • 41. Filtração glomerular 1. Os capilares glomerulares possibilitam que moléculas de fármacos com peso molecular abaixo de 20 kDa se difundam para o filtrado glomerular. 2. Esses capilares são quase completamente impermeáveis à albumina plasmática (PM ≅ 68 kDa); Fármacos ligados à albumina não são filtrados. 3. A maioria dos fármacos livres no plasma cruza a barreira livremente.
  • 42. Secreção tubular Características: •É um mecanismo ativo (ATP dependente); •Independe da ligação a proteínas plasmáticas; •Processo saturável; •Pode haver inibição competitiva (Probenecida + Benzilpenicilina/amoxicilina) A secreção tubular é potencialmente o mecanismo mais efetivo de eliminação renal de fármacos devido à alta perfusão sanguínea (80% do sangue renal).
  • 43. Secreção tubular A secreção tubular é potencialmente o mecanismo mais efetivo de eliminação renal de fármacos devido à alta perfusão sanguínea (80% do sangue renal). Na sercreção tubular, as moléculas dos fármacos são transferidas para o lúmen tubular por dois sistemas de transportadores independentes e relativamente não seletivos: •Transportadores de ânions orgânicos (OAT) - Transporta os fármacos ácidos na sua forma aniônica negativa; •Transportadores de cátions (OCT) - lida com bases orgânicas na forma protonada catiônica. •Glicoproteína P.
  • 44. Reabsorção tubular A água é reabsorvida conforme o líquido atravessa o túbulo e, por isso, o volume de urina produzida é de aproximadamente 1% do volume do filtrado glomerular. Se o túbulo for livremente permeável às moléculas do fármaco, aproximadamente 99% do fármaco filtrado será reabsorvido passivamente a favor do gradiente de concentração resultante. A eliminação dos fármacos lipossolúveis é reduzida, enquanto fármacos polares, cuja permeabilidade tubular é baixa, permanecem na luz do túbulo e são mais rapidamente eliminados. • Peso molecular • Grau de ionização • Lipossolubilidade
  • 45. Cálculo: Depuração renal A eliminação de fármacos pelos rins é mais bem quantificada pela depuração renal, definida como o volume de plasma que contém a quantidade da substância removida pelos rins na unidade de tempo. Ela é calculada a partir da concentração plasmática, Cp, da concentração urinária, Cu, e da velocidade do fluxo urinário, Vu.
  • 46. Interações que afetam a excreção renal
  • 47. Interação farmacocinética: Excreção REABSORÇÃO TUBULAR: Os fármacos em suas formas ionizadas são mais facilmente excretados pelos rins. A alteração do pH da urina pode aumentar a excreção de alguns fármacos. • Acidificação da urina aumenta a eliminação renal de bases • Alcalinização da urina aumenta a eliminação renal de ácidos Influência do pH
  • 48. Interação farmacocinética: Excreção Fármacos que inibem a secreção tubular
  • 50. DepuraçDepuração ou Clearence (Cl)ão ou Clearence (Cl)Tempo de meia vida (T½) É o tempo necessário para que as concentrações plasmáticas ou a quantidade do Fármaco presente no organismo sejam reduzidas a 50 %. É utilizada para tomar decisões relativas à posologia dos Fármacos t1/2 = 0,7 x Vd CL t1/2 : Tempo de meia-vida Vd: Volume de distribuição Cl: Clearence renal 0,7: Constante de eliminação
  • 51. 50% de decréscimo (conc. = 50) 50% de decréscimo (conc. = 25) 50% de decréscimo (conc. = 12,5) MEIA VIDA (t1/2) Depois de aproximadamente 4 meias vidas, a eliminação estará cerca de 94% completa. Tempo de meia vida (T½) É um parâmetro dependente do Cl e do Vd, ou seja, se estes alteram a t1/2 também altera.
  • 52. Dúvidas? Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Contato: pintomcx@ufg.br

Notas do Editor

  1. Este efeito de primeira passagem pode ser evitado pelo uso de comprimidos sublinguais e preparações transdérmicas, bem como supositórios retais (em menor extensão).
  2. ChaN
  3. Metabólito toxico: Paracetamol O paracetamol é metabolizado principalmente no fígado, local onde grande quantidade desta substância converte-se em compostos inactivos, por formação de sulfatos e glicuronídeo, sendo posteriormente excretado pelos rins. Somente uma pequena parte é metabolizada pelo sistema enzimático docitocromo P-450 no fígado. Os efeitos hepatotóxicos do paracetamol são devidos a um metabolito alquilado menor (a imina N-acetil-p-benzoquinona) e não ao próprio paracetamol ou alguns dos seus metabolitos principais. Este metabolito tóxico reage com grupos sulfidrilos. Em doses normais, é neutralizado rapidamente, combinando-se irreversivelmente com o grupo sulfidrilo do glutatião para produzir um composto não tóxico que é excretado pelos rins.
  4. A maioria dos fármacos possui caráter lipofílico e, em pH fisiológico, permanecem não ionizados ou parcialmente ionizados. Devido a estas características, os mesmos tenderiam a permanecer no organismo, já que seriam reabsorvidos nos rins, após a filtração glomerular. Visando a eliminar estas substâncias exógenas, o organismo pode lançar mão de sistemas enzimáticos utilizados normalmente para a degradação de substâncias endógenas. Desse modo, a biotransformação é a transformação enzimática dos fármacos em metabó1itos com características mais hidrofílicas, tendo como objetivo facilitar a excreção pelo organismo. 
  5. A reação de redução consiste em ganhar elétrons. A Redução, por sua vez, ocorre também de três maneiras: quando uma substância perde oxigênio, quando ganha hidrogênio ou quando ganha elétrons.  Uma hidrólise enzimática consiste em uma reação química catalizada por uma enzima (uma hidrolase) que utiliza água (H2O) para quebrar uma molécula em duas outras moléculas. Um dos produtos da reação catalizada receberá um grupo OH- e, o outro produto, um próton de hidrogênio que serão incorporados à suas estruturas químicas
  6. As células de túbulos contornados proximais transportam ativamente certas substâncias do plasma para a urina tubular através de sistemas de transporte específicos. Os mecanismos celulares de transporte renal envolvem um sistema de transporte para ânions orgânicos, um sistema de transporte para cátions orgânicos e um transportador de múltiplas drogas ou P-glicoproteína (Pgp).
  7. Sabe-se que estados patológicos afetam a meia vida, idade tbem. Dai a importancia de ser cautela ao administrar uma posologia, ao indicar um tratamento prolongado com farmacos