SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Aula 7
Gestão organizacional na corporação do
conhecimento: uma visão holística
Carlos Luiz Alves
Gerenciar uma organização em um ambiente em constante mutação é
um grande desafio. Uma das possíveis saídas dos gestores é a
correspondente mudança dos modelos mentais
Gerenciar uma organização em um ambiente em constante mutação é
um grande desafio. Uma das possíveis saídas dos gestores é a
correspondente mudança dos modelos mentais
Na sociedade atual, o modelo newtoniano-cartesiano (mecanicista,
fragmentário) está sendo substituído por um modelo mais holístico
(centrado no todo). Neste contexto, compreender mudanças de
atitudes e valores pode ser um dos fatores críticos de sucesso das
organizações
Questões para uma reflexão:
O que são paradigmas?
O que é uma administração holística?
Qual o papel das novas lideranças em organizações centradas no alto
desempenho e na gestão do conhecimento?
As mudanças estruturais que afetam a nossa sociedade, que são frutos
do desenvolvimento econômico e do advento das novas tecnologias da
informação e do conhecimento, afetam também as organizações.
Este fato faz com que os gestores mudem também de paradigmas e ou
de modelos mentais
As mudanças estruturais que afetam a nossa sociedade, que são frutos
do desenvolvimento econômico e do advento das novas tecnologias da
informação e do conhecimento, afetam também as organizações.
Este fato faz com que os gestores mudem também de paradigmas e ou
de modelos mentais
Os gestores, agora como líderes, constituem fator de sucesso, pois
terão de “desaprender” modelos antigos e arcaicos.
E “aprender a aprender”. Implementando um novo modelo de gestão,
que é um importante passo para as mudanças pretendidas.
Mudanças de paradigmas e um novo tempo
Mudanças de paradigmas e um novo tempo
Os paradigmas nos envolvem, filtram nossas crenças, valores e
percepções de mundo. Compreendê-los em suas dinâmicas é um
importante passo para as mudanças que se esperam em nossas vidas e
na vida das organizações.
São os paradigmas que estabelecem modelos, experimentações e fazem
com que (mais ou menos) colocamos “uma ordem no mundo”,
tornando-o mais compreensível e previsível.
Colocar ordem no caos é a primeira tentativa de dar sentido ao mundo e
as nossas ações.
Vivemos em uma sociedade “anômala” cheia de contrariedades e
conflitos de diversas ordens, que nos afetam diretamente em nossas
crenças e valores. Viver em uma sociedade como atual, é viver em
conflito com nós mesmos.
O homem moderno é caracterizado por essa anomia, que o deixa
estupefato diante dos acontecimentos, ocasionando muitas vezes
imobilismo. É a sociedade do espetáculo, em que por meio das mídias nos
tornamos indiferentes a dor humana, ao sofrimento alheio, quando
diante da televisão assistimos a um país sendo invadido por um outro, ou
um grupo radical que acaba decepando cabeças de jornalistas diante das
câmeras de TV.
O mundo parece desconcertado na fala de Camões. Tudo parece ilógico e
sem razão aparente. Como dar sentido ao que não tem? Como dar razão
ao que é irracional?
São questionamentos desta natureza que nos levam a repensar nossos
modelos mentais e alinhá-los aos novos paradigmas emergentes.
Como mudar em um mundo que nos molda e nos fazem mudar? Onde
está nossa natureza que nos fazem homens e mulheres?
Quem somos nós?
A constituição dos paradigmas no mundo ocidental
Ao refletirmos sobre o mundo e sobre nós mesmos, fazemo-lo a partir de
modelos que dão validade ao que achamos certo e com valor de verdade.
Quando falamos em paradigmas e mudanças de paradigmas, não
estamos falando de um modelo que se torna obsoleto e que um outro
começa a atuar. Estamos falando que, em cada época, em cada tempo,
tais modelos serviram de base (ou como filtros) para a compreensão e
resolução dos grandes problemas e acontecimentos que cercearam a
humanidade.
1- Visão orgânica.
Na Idade Média (de 450 a 1400 d.C.) prevaleceu um modelo orgânico,
em que tudo que existia no mundo girava em torno da imagem de Deus,
ou seja, cada acontecimento que surgia era da “Vontade de Deus”, como
a peste bubônica, que fora uma praga que dizimou mais da metade da
população europeia, que acabou sendo vista, na época, como uma
punição pelo pecado da humanidade. Quando alguém adoecia era a
vontade de Deus. Quando chovia era benção de Deus e não um
fenômeno natural.
2- Visão cartesiana
Neste paradigma, que vai de encontro com as leis morais da Igreja, o
mundo é visto como uma máquina, em que cada parte deve ser vista e
analisada. É a chamada visão mecanicista ou cartesiano-newtoniana, em
homenagem a René Descartes (filósofo) e Isaac Newton (cientista).
2- Visão cartesiana
Neste paradigma, que vai de encontro com as leis morais da Igreja, o
mundo é visto como uma máquina, em que cada parte deve ser vista e
analisada. É a chamada visão mecanicista ou cartesiano-newtoniana, em
homenagem a René Descartes (filósofo) e Isaac Newton (cientista).
Esses conhecimentos, provenientes dos trabalhos de Galileu Galilei, que
formulou a “lei dos corpos em queda”, que fora matematizada por Isaac
Newton (lei da gravidade universal) deram um grande impulso ao
desenvolvimento tecnológico e industrial.
René Descartes escreveu o “Discurso do Método” que propõe descartar
tudo que não pode ser provado.
3 – Visão positivista
No século XIX, os homens abandonaram a concepção cartesiana de que o
mundo era uma grande máquina perfeita criado por Deus.
Isso acontece, pelo avanço da Ciência e mais precisamente sobre os
trabalhos de Charles Darwin que propõe que os animais, inclusive o
homem, são produtos de um processo de evolução das espécies, em que
formas mais simples, à medida em que evoluem, tornam-se mais
complexas.
4 – Visão sistêmica e quântica
É no século XX, com os trabalhos de Albert Einsten, Max Planck,
Heisemberg e Niels Bohr, que o paradigma anterior, conhecido como
dominante (uma vez que ele explicava todos os fenômenos do universo e
que poderiam ser medidos e controlados) fora colocado em xeque.
4 – Visão sistêmica e quântica
É no século XX, com os trabalhos de Albert Einsten, Max Planck,
Heisemberg e Niels Bohr, que o paradigma anterior, conhecido como
dominante (uma vez que ele explicava todos os fenômenos do universo e
que poderiam ser medidos e controlados) fora colocado em xeque.
Einstein mudou a concepção de espaço e tempo proposta inicialmente
por Newton. Para este, espaço e tempo eram planos, previsíveis, para
aquele eram relativos e curvos. Com o surgimento da mecânica
quântica, ondas e partículas são de mesma natureza e que o olhar do
observador modifica o estado da matéria. Não se pode medir a
velocidade da onda e da partícula ao mesmo tempo (este é o grande
paradoxo). A ciência entra no campo da probabilidade e da incerteza.
Fritjof Capra, em Ponto de Mutação, propõe uma visão sistêmica de
mundo, a partir das teorias da mecânica quântica, em que tudo gira em
torno de fluxos de matéria e energia. São as relações entre os seres e as
coisas que estabelecem efeitos de verdade.
Para compreendermos algo é necessário compreender o contexto em que
este algo atua ou existe. São, portanto, as conexões, as relações, as teias,
os movimentos, fluxos de energia que caracterizam ou criam a realidade.
Para se compreender um fenômeno é necessária uma nova abordagem
que as visões anteriores não podem fornecer. Nesta nova maneira de ver
ou enxergar o mundo, há necessidade de amplo e novos conhecimentos,
que a ciência em si mesma não pode mais propor.
Gestão organizacional na corporação do conhecimento: uma visão
holística.
Vimos como se caracteriza o modelo newtoniano- cartesiano.
Percebemos também que ele não é mais vigente ou dominante. O que
nos sobra então?
Gestão organizacional na corporação do conhecimento: uma visão
holística.
Vimos como se caracteriza o modelo newtoniano- cartesiano.
Percebemos também que ele não é mais vigente ou dominante. O que
nos sobra então?
Apostar em um modelo holístico, em uma gestão holística.
Mas afinal, o que é gestão holística? Qual a vantagem deste modelo? Que
mudanças são esperadas a partir da adoção deste novo modelo?
O modelo newtoniano-cartesiano é reducionista e se tornou ultrapassado,
uma vez que não mais explica todos os fenômenos que se apresentam na
modernidade. Ele também limita a nossa capacidade de inovação e
criatividade. Neste modelo não existem possibilidades! É mecanicista.
Na visão holística, o todo é mais do que a soma das partes. É uma visão
de sistema, em que tudo está ligado e interconectado. Quando
observamos as organizações, não podemos vê-las apenas em partes, mas
como um todo que vive e interage com o meio em que está inserido.
Nesta nova abordagem, as organizações são como sistemas abertos que
influenciam e sofrem influência de seu meio. Há trocas de energias! Para
se compreender esta visão holística, é necessário que mudemos nossas
percepções de universo. A organização é tratada como subsistemas desse
universo.
Paradigma Cartesiano Paradigma Holístico
Habilidades
Razão/ objetividade
Ética da vantagem
Intelectual
Rotina
Partes
Problemas entendidos isoladamente
Organograma vertical/ cargo
Independente
Chefe
Competição
Valores
Intuição/Subjetividade
Ética de valores
Emoção
Criatividade e inovação
Todo
Interligação dos problemas
Organograma horizontal/ função
Interdependente
Líder
Colaboração/cooperação
Três elementos são indispensáveis para a transformação de um paradigma
reducionista para um holístico. São eles: criatividade, inovação e
flexibilidade.
Três elementos são indispensáveis para a transformação de um paradigma
reducionista para um holístico. São eles: criatividade, inovação e
flexibilidade.
Neste modelo holístico, é mais racional investir nas pessoas, pois são elas
que farão as mudanças propostas. Também são elas que constituem a
maior parte do Capital Intelectual das organizações.
O que podemos observar em uma organização holística ou organização do
conhecimento?
- Há funções e não cargos.
- A hierarquia é horizontal.
- A respeito a individualidade das pessoas.
- Há o profissional especialista-generalista, ou seja, aquele que conhece não
apenas seu setor ou departamento, mas que interage e contribui com todos os
outros setores e ou departamentos da empresa. Ele é polivalente.
- Espírito empreendedor.
- Há estimulo à iniciativa, à criatividade e à inovação.
- As tomadas de decisão é no conjunto da equipe.
- Não há necessariamente chefes ou gerentes, mas líderes.
- Há uma comunicação constante e feedbacks entre os líderes e seus
colaboradores.
- Os colaboradores são de fato colaboradores, contribuem para o sucesso da
organização.
- Saber lidar com pessoas, é uma habilidade essencial para os novos líderes.
- A empresa contrata “cérebros” e não mão de obra.
- As pessoas são vistas como investimentos e não como custos.
- As equipes são heterogêneas e multidisciplinares.
- As reuniões são frequentes e todos participam.
- Interações, parcerias e trabalhos em equipe devem fazer parte da cultura
organizacional.
CONCLUSÃO
Vimos que os paradigmas influenciam nossas decisões e percepções de
mundo. Compreendê-los passa a ser a chave-mestra para as mudanças
que se esperam das pessoas e das organizações. Nestes novos
paradigmas, conhecidos como emergentes, ser criativo, inovador,
flexível e aberto à aprendizagem, tornaram-se fatores críticos de
sucesso, tanto por parte das pessoas como por parte das organizações.
Neste mundo, resistir as mudanças pode ser um grande equívoco.
REFERÊNCIAS
ANGELONI, M. T. (Org.) Organizações do Conhecimento: infraestrutura,
pessoas e tecnologia, 2. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2008.
SVEIBY, Karl Erick. A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro:
Campus, 1998.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAndré Boaratti
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Sonia Rodrigues
 
Gestão de carreiras
Gestão de carreirasGestão de carreiras
Gestão de carreirasTuane Paixão
 
Aula - Estratégias de Gestão Organizacional
Aula - Estratégias de Gestão OrganizacionalAula - Estratégias de Gestão Organizacional
Aula - Estratégias de Gestão OrganizacionalMichel Moreira
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoProf. Leonardo Rocha
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégiaalemartins10
 
Aula -gestão_por_competências
Aula  -gestão_por_competênciasAula  -gestão_por_competências
Aula -gestão_por_competênciasCicero Feitosa
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administraçãoalemartins10
 
Clima Organizacional Power Point
Clima Organizacional Power PointClima Organizacional Power Point
Clima Organizacional Power PointSandraguimaraes
 

Mais procurados (20)

Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSMORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
 
Gestão de Carreira
Gestão de CarreiraGestão de Carreira
Gestão de Carreira
 
O papel do administrador
O papel do administradorO papel do administrador
O papel do administrador
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Aula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreira
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
 
Gestão de carreiras
Gestão de carreirasGestão de carreiras
Gestão de carreiras
 
Aula - Estratégias de Gestão Organizacional
Aula - Estratégias de Gestão OrganizacionalAula - Estratégias de Gestão Organizacional
Aula - Estratégias de Gestão Organizacional
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégia
 
Treinamento Organizacional
Treinamento OrganizacionalTreinamento Organizacional
Treinamento Organizacional
 
Linha Histórica da Administração
Linha Histórica da AdministraçãoLinha Histórica da Administração
Linha Histórica da Administração
 
Gestão De Processos
Gestão De ProcessosGestão De Processos
Gestão De Processos
 
Aula -gestão_por_competências
Aula  -gestão_por_competênciasAula  -gestão_por_competências
Aula -gestão_por_competências
 
Aula cargos e salários
Aula cargos e saláriosAula cargos e salários
Aula cargos e salários
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
Clima Organizacional Power Point
Clima Organizacional Power PointClima Organizacional Power Point
Clima Organizacional Power Point
 

Destaque

Aula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoAula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoCarlos Alves
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoCarlos Alves
 
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoAula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda CorporativaCarlos Alves
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimentoCarlos Alves
 
Aula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoAula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoCarlos Alves
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Aula 11 Relação com os investidores
Aula 11   Relação com os investidoresAula 11   Relação com os investidores
Aula 11 Relação com os investidoresCarlos Alves
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaCarlos Alves
 
Aula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalAula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalCarlos Alves
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualCarlos Alves
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análiseCarlos Alves
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação internaCarlos Alves
 
Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4Carlos Alves
 
Aula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativaAula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativaCarlos Alves
 
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrnaTodo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrnaCarlos Alves
 
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoAula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoCarlos Alves
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Carlos Alves
 
Plano de comunicação
Plano de comunicaçãoPlano de comunicação
Plano de comunicaçãoCarlos Alves
 

Destaque (20)

Aula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoAula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimento
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
 
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoAula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
 
Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda Corporativa
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
 
Aula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoAula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e Inovação
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Aula 11 Relação com os investidores
Aula 11   Relação com os investidoresAula 11   Relação com os investidores
Aula 11 Relação com os investidores
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação Corporativa
 
Aula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalAula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacional
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação interna
 
Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4
 
Aula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativaAula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativa
 
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrnaTodo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
 
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoAula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing
 
Plano de comunicação
Plano de comunicaçãoPlano de comunicação
Plano de comunicação
 

Semelhante a Gestão organizacional holística na era do conhecimento

A crise de paradigmas e os modelos paradigmáticos educacionais
A crise de paradigmas e os modelos paradigmáticos educacionaisA crise de paradigmas e os modelos paradigmáticos educacionais
A crise de paradigmas e os modelos paradigmáticos educacionaisAndréa Kochhann
 
Material de Ética e Deontologia Profissional
Material de Ética e Deontologia ProfissionalMaterial de Ética e Deontologia Profissional
Material de Ética e Deontologia Profissionalbatumenga
 
O planejamento em ambiente de caos e complexidade
O planejamento em ambiente de caos e complexidadeO planejamento em ambiente de caos e complexidade
O planejamento em ambiente de caos e complexidadeFernando Alcoforado
 
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritualEcologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritualJorge Moreira
 
Bauer Caos E Complexidade Nas Organizacoes
Bauer Caos E Complexidade Nas OrganizacoesBauer Caos E Complexidade Nas Organizacoes
Bauer Caos E Complexidade Nas OrganizacoesUniversidade
 
Ensaio acerca da mudança de paradigma cultural e a crise da civilização e dos...
Ensaio acerca da mudança de paradigma cultural e a crise da civilização e dos...Ensaio acerca da mudança de paradigma cultural e a crise da civilização e dos...
Ensaio acerca da mudança de paradigma cultural e a crise da civilização e dos...aa. Rubens Lima
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Finaljmeirelles
 
Prefácio Final
Prefácio FinalPrefácio Final
Prefácio Finaljmeirelles
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Finaljmeirelles
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Finaljmeirelles
 
Aprendizagem Novos Paradigmas
Aprendizagem Novos ParadigmasAprendizagem Novos Paradigmas
Aprendizagem Novos ParadigmasGuta de Franco
 

Semelhante a Gestão organizacional holística na era do conhecimento (20)

O capitalismo mata: 4 olhares
O capitalismo mata: 4 olharesO capitalismo mata: 4 olhares
O capitalismo mata: 4 olhares
 
A crise de paradigmas e os modelos paradigmáticos educacionais
A crise de paradigmas e os modelos paradigmáticos educacionaisA crise de paradigmas e os modelos paradigmáticos educacionais
A crise de paradigmas e os modelos paradigmáticos educacionais
 
Material de Ética e Deontologia Profissional
Material de Ética e Deontologia ProfissionalMaterial de Ética e Deontologia Profissional
Material de Ética e Deontologia Profissional
 
O planejamento em ambiente de caos e complexidade
O planejamento em ambiente de caos e complexidadeO planejamento em ambiente de caos e complexidade
O planejamento em ambiente de caos e complexidade
 
Movimento Zeitgeist Brasil
Movimento  Zeitgeist  BrasilMovimento  Zeitgeist  Brasil
Movimento Zeitgeist Brasil
 
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritualEcologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
 
Bauer Caos E Complexidade Nas Organizacoes
Bauer Caos E Complexidade Nas OrganizacoesBauer Caos E Complexidade Nas Organizacoes
Bauer Caos E Complexidade Nas Organizacoes
 
68 curriculo como-vida
68 curriculo como-vida68 curriculo como-vida
68 curriculo como-vida
 
Ensaio acerca da mudança de paradigma cultural e a crise da civilização e dos...
Ensaio acerca da mudança de paradigma cultural e a crise da civilização e dos...Ensaio acerca da mudança de paradigma cultural e a crise da civilização e dos...
Ensaio acerca da mudança de paradigma cultural e a crise da civilização e dos...
 
Paradigma 2
Paradigma  2Paradigma  2
Paradigma 2
 
PrefáCio 1
PrefáCio 1PrefáCio 1
PrefáCio 1
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
 
Prefácio Final
Prefácio FinalPrefácio Final
Prefácio Final
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
 
Administracao no pw
Administracao no pwAdministracao no pw
Administracao no pw
 
Aprendizagem Novos Paradigmas
Aprendizagem Novos ParadigmasAprendizagem Novos Paradigmas
Aprendizagem Novos Paradigmas
 
Aprendizagemnovosparadigmas
AprendizagemnovosparadigmasAprendizagemnovosparadigmas
Aprendizagemnovosparadigmas
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
2 causalidade
2 causalidade2 causalidade
2 causalidade
 

Mais de Carlos Alves

Aula 8 Cultura Organizacional
Aula 8   Cultura Organizacional Aula 8   Cultura Organizacional
Aula 8 Cultura Organizacional Carlos Alves
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualCarlos Alves
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaCarlos Alves
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoCarlos Alves
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemCarlos Alves
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação InstitucionalCarlos Alves
 
Aula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingAula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingCarlos Alves
 
O ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarialO ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarialCarlos Alves
 
Introdução à comunicação empresarial
Introdução à comunicação empresarialIntrodução à comunicação empresarial
Introdução à comunicação empresarialCarlos Alves
 

Mais de Carlos Alves (10)

Aula 8 Cultura Organizacional
Aula 8   Cultura Organizacional Aula 8   Cultura Organizacional
Aula 8 Cultura Organizacional
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE Básico
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação Institucional
 
Aula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingAula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketing
 
O ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarialO ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarial
 
Introdução à comunicação empresarial
Introdução à comunicação empresarialIntrodução à comunicação empresarial
Introdução à comunicação empresarial
 

Último

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 

Gestão organizacional holística na era do conhecimento

  • 1. Aula 7 Gestão organizacional na corporação do conhecimento: uma visão holística Carlos Luiz Alves
  • 2. Gerenciar uma organização em um ambiente em constante mutação é um grande desafio. Uma das possíveis saídas dos gestores é a correspondente mudança dos modelos mentais
  • 3. Gerenciar uma organização em um ambiente em constante mutação é um grande desafio. Uma das possíveis saídas dos gestores é a correspondente mudança dos modelos mentais Na sociedade atual, o modelo newtoniano-cartesiano (mecanicista, fragmentário) está sendo substituído por um modelo mais holístico (centrado no todo). Neste contexto, compreender mudanças de atitudes e valores pode ser um dos fatores críticos de sucesso das organizações
  • 4. Questões para uma reflexão: O que são paradigmas? O que é uma administração holística? Qual o papel das novas lideranças em organizações centradas no alto desempenho e na gestão do conhecimento?
  • 5. As mudanças estruturais que afetam a nossa sociedade, que são frutos do desenvolvimento econômico e do advento das novas tecnologias da informação e do conhecimento, afetam também as organizações. Este fato faz com que os gestores mudem também de paradigmas e ou de modelos mentais
  • 6. As mudanças estruturais que afetam a nossa sociedade, que são frutos do desenvolvimento econômico e do advento das novas tecnologias da informação e do conhecimento, afetam também as organizações. Este fato faz com que os gestores mudem também de paradigmas e ou de modelos mentais Os gestores, agora como líderes, constituem fator de sucesso, pois terão de “desaprender” modelos antigos e arcaicos. E “aprender a aprender”. Implementando um novo modelo de gestão, que é um importante passo para as mudanças pretendidas.
  • 7. Mudanças de paradigmas e um novo tempo
  • 8. Mudanças de paradigmas e um novo tempo Os paradigmas nos envolvem, filtram nossas crenças, valores e percepções de mundo. Compreendê-los em suas dinâmicas é um importante passo para as mudanças que se esperam em nossas vidas e na vida das organizações. São os paradigmas que estabelecem modelos, experimentações e fazem com que (mais ou menos) colocamos “uma ordem no mundo”, tornando-o mais compreensível e previsível. Colocar ordem no caos é a primeira tentativa de dar sentido ao mundo e as nossas ações.
  • 9. Vivemos em uma sociedade “anômala” cheia de contrariedades e conflitos de diversas ordens, que nos afetam diretamente em nossas crenças e valores. Viver em uma sociedade como atual, é viver em conflito com nós mesmos. O homem moderno é caracterizado por essa anomia, que o deixa estupefato diante dos acontecimentos, ocasionando muitas vezes imobilismo. É a sociedade do espetáculo, em que por meio das mídias nos tornamos indiferentes a dor humana, ao sofrimento alheio, quando diante da televisão assistimos a um país sendo invadido por um outro, ou um grupo radical que acaba decepando cabeças de jornalistas diante das câmeras de TV.
  • 10. O mundo parece desconcertado na fala de Camões. Tudo parece ilógico e sem razão aparente. Como dar sentido ao que não tem? Como dar razão ao que é irracional? São questionamentos desta natureza que nos levam a repensar nossos modelos mentais e alinhá-los aos novos paradigmas emergentes. Como mudar em um mundo que nos molda e nos fazem mudar? Onde está nossa natureza que nos fazem homens e mulheres? Quem somos nós?
  • 11. A constituição dos paradigmas no mundo ocidental Ao refletirmos sobre o mundo e sobre nós mesmos, fazemo-lo a partir de modelos que dão validade ao que achamos certo e com valor de verdade. Quando falamos em paradigmas e mudanças de paradigmas, não estamos falando de um modelo que se torna obsoleto e que um outro começa a atuar. Estamos falando que, em cada época, em cada tempo, tais modelos serviram de base (ou como filtros) para a compreensão e resolução dos grandes problemas e acontecimentos que cercearam a humanidade.
  • 12. 1- Visão orgânica. Na Idade Média (de 450 a 1400 d.C.) prevaleceu um modelo orgânico, em que tudo que existia no mundo girava em torno da imagem de Deus, ou seja, cada acontecimento que surgia era da “Vontade de Deus”, como a peste bubônica, que fora uma praga que dizimou mais da metade da população europeia, que acabou sendo vista, na época, como uma punição pelo pecado da humanidade. Quando alguém adoecia era a vontade de Deus. Quando chovia era benção de Deus e não um fenômeno natural.
  • 13. 2- Visão cartesiana Neste paradigma, que vai de encontro com as leis morais da Igreja, o mundo é visto como uma máquina, em que cada parte deve ser vista e analisada. É a chamada visão mecanicista ou cartesiano-newtoniana, em homenagem a René Descartes (filósofo) e Isaac Newton (cientista).
  • 14. 2- Visão cartesiana Neste paradigma, que vai de encontro com as leis morais da Igreja, o mundo é visto como uma máquina, em que cada parte deve ser vista e analisada. É a chamada visão mecanicista ou cartesiano-newtoniana, em homenagem a René Descartes (filósofo) e Isaac Newton (cientista). Esses conhecimentos, provenientes dos trabalhos de Galileu Galilei, que formulou a “lei dos corpos em queda”, que fora matematizada por Isaac Newton (lei da gravidade universal) deram um grande impulso ao desenvolvimento tecnológico e industrial. René Descartes escreveu o “Discurso do Método” que propõe descartar tudo que não pode ser provado.
  • 15. 3 – Visão positivista No século XIX, os homens abandonaram a concepção cartesiana de que o mundo era uma grande máquina perfeita criado por Deus. Isso acontece, pelo avanço da Ciência e mais precisamente sobre os trabalhos de Charles Darwin que propõe que os animais, inclusive o homem, são produtos de um processo de evolução das espécies, em que formas mais simples, à medida em que evoluem, tornam-se mais complexas.
  • 16. 4 – Visão sistêmica e quântica É no século XX, com os trabalhos de Albert Einsten, Max Planck, Heisemberg e Niels Bohr, que o paradigma anterior, conhecido como dominante (uma vez que ele explicava todos os fenômenos do universo e que poderiam ser medidos e controlados) fora colocado em xeque.
  • 17. 4 – Visão sistêmica e quântica É no século XX, com os trabalhos de Albert Einsten, Max Planck, Heisemberg e Niels Bohr, que o paradigma anterior, conhecido como dominante (uma vez que ele explicava todos os fenômenos do universo e que poderiam ser medidos e controlados) fora colocado em xeque. Einstein mudou a concepção de espaço e tempo proposta inicialmente por Newton. Para este, espaço e tempo eram planos, previsíveis, para aquele eram relativos e curvos. Com o surgimento da mecânica quântica, ondas e partículas são de mesma natureza e que o olhar do observador modifica o estado da matéria. Não se pode medir a velocidade da onda e da partícula ao mesmo tempo (este é o grande paradoxo). A ciência entra no campo da probabilidade e da incerteza.
  • 18. Fritjof Capra, em Ponto de Mutação, propõe uma visão sistêmica de mundo, a partir das teorias da mecânica quântica, em que tudo gira em torno de fluxos de matéria e energia. São as relações entre os seres e as coisas que estabelecem efeitos de verdade. Para compreendermos algo é necessário compreender o contexto em que este algo atua ou existe. São, portanto, as conexões, as relações, as teias, os movimentos, fluxos de energia que caracterizam ou criam a realidade. Para se compreender um fenômeno é necessária uma nova abordagem que as visões anteriores não podem fornecer. Nesta nova maneira de ver ou enxergar o mundo, há necessidade de amplo e novos conhecimentos, que a ciência em si mesma não pode mais propor.
  • 19. Gestão organizacional na corporação do conhecimento: uma visão holística. Vimos como se caracteriza o modelo newtoniano- cartesiano. Percebemos também que ele não é mais vigente ou dominante. O que nos sobra então?
  • 20. Gestão organizacional na corporação do conhecimento: uma visão holística. Vimos como se caracteriza o modelo newtoniano- cartesiano. Percebemos também que ele não é mais vigente ou dominante. O que nos sobra então? Apostar em um modelo holístico, em uma gestão holística. Mas afinal, o que é gestão holística? Qual a vantagem deste modelo? Que mudanças são esperadas a partir da adoção deste novo modelo?
  • 21. O modelo newtoniano-cartesiano é reducionista e se tornou ultrapassado, uma vez que não mais explica todos os fenômenos que se apresentam na modernidade. Ele também limita a nossa capacidade de inovação e criatividade. Neste modelo não existem possibilidades! É mecanicista.
  • 22. Na visão holística, o todo é mais do que a soma das partes. É uma visão de sistema, em que tudo está ligado e interconectado. Quando observamos as organizações, não podemos vê-las apenas em partes, mas como um todo que vive e interage com o meio em que está inserido. Nesta nova abordagem, as organizações são como sistemas abertos que influenciam e sofrem influência de seu meio. Há trocas de energias! Para se compreender esta visão holística, é necessário que mudemos nossas percepções de universo. A organização é tratada como subsistemas desse universo.
  • 23. Paradigma Cartesiano Paradigma Holístico Habilidades Razão/ objetividade Ética da vantagem Intelectual Rotina Partes Problemas entendidos isoladamente Organograma vertical/ cargo Independente Chefe Competição Valores Intuição/Subjetividade Ética de valores Emoção Criatividade e inovação Todo Interligação dos problemas Organograma horizontal/ função Interdependente Líder Colaboração/cooperação
  • 24. Três elementos são indispensáveis para a transformação de um paradigma reducionista para um holístico. São eles: criatividade, inovação e flexibilidade.
  • 25. Três elementos são indispensáveis para a transformação de um paradigma reducionista para um holístico. São eles: criatividade, inovação e flexibilidade. Neste modelo holístico, é mais racional investir nas pessoas, pois são elas que farão as mudanças propostas. Também são elas que constituem a maior parte do Capital Intelectual das organizações.
  • 26. O que podemos observar em uma organização holística ou organização do conhecimento? - Há funções e não cargos. - A hierarquia é horizontal. - A respeito a individualidade das pessoas. - Há o profissional especialista-generalista, ou seja, aquele que conhece não apenas seu setor ou departamento, mas que interage e contribui com todos os outros setores e ou departamentos da empresa. Ele é polivalente. - Espírito empreendedor.
  • 27. - Há estimulo à iniciativa, à criatividade e à inovação. - As tomadas de decisão é no conjunto da equipe. - Não há necessariamente chefes ou gerentes, mas líderes. - Há uma comunicação constante e feedbacks entre os líderes e seus colaboradores. - Os colaboradores são de fato colaboradores, contribuem para o sucesso da organização.
  • 28. - Saber lidar com pessoas, é uma habilidade essencial para os novos líderes. - A empresa contrata “cérebros” e não mão de obra. - As pessoas são vistas como investimentos e não como custos. - As equipes são heterogêneas e multidisciplinares. - As reuniões são frequentes e todos participam. - Interações, parcerias e trabalhos em equipe devem fazer parte da cultura organizacional.
  • 29. CONCLUSÃO Vimos que os paradigmas influenciam nossas decisões e percepções de mundo. Compreendê-los passa a ser a chave-mestra para as mudanças que se esperam das pessoas e das organizações. Nestes novos paradigmas, conhecidos como emergentes, ser criativo, inovador, flexível e aberto à aprendizagem, tornaram-se fatores críticos de sucesso, tanto por parte das pessoas como por parte das organizações. Neste mundo, resistir as mudanças pode ser um grande equívoco.
  • 30. REFERÊNCIAS ANGELONI, M. T. (Org.) Organizações do Conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologia, 2. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2008. SVEIBY, Karl Erick. A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998.