SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Aula 11
Criatividade e inovação na
gestão do conhecimento
Carlos Luiz Alves
Ementa: Temos visto durante as aulas, que o desenvolvimento tecnológico
tem alterado profundamente a economia mundial, obrigando pessoas e
organizações a mudarem formas ou processos de compreender e atuar no
mundo. Organizações mais abertas e predispostas às mudanças têm
propiciado fórmulas de desenvolver a criatividade e a inovação dentro de
seus âmbitos. Hoje, as empresas estão mais convencidas de que o seu
valor não se encontra exatamente na quantidade de bens tangíveis, mas
na qualidade dos intangíveis, que correspondem a soma dos
conhecimentos e do potencial de produção dos mesmos a partir da
interação de seus colaboradores, que, como já vimos, constituem o capital
intelectual das empresas.
Dentro desses novos patamares que se encontra a economia mundial,
organizações que fomentam o desenvolvimento da criatividade e da
inovação acabam adquirindo vantagem competitiva em relação às
demais. Neste sentido, compreender como se dá os processos de criação
e inovação passa a ser fator crítico de sucesso e objeto de preocupação e
de estudo por parte da gestão do conhecimento.
INTRODUÇÃO
Temos visto que o mundo não é mais o mesmo, assim como as pessoas
e as organizações. Os valores também mudaram. Processos produtivos e
comunicacionais idem. O fato é que vivemos em um mundo marcado
pelas incertezas. Neste novo paradigma, o conhecimento se tornou a
mola propulsora que alavanca as mudanças que modelam este mundo.
Hoje, a produção e a distribuição de conhecimento dobram em poucos
meses, fazendo com que pessoas e empresas estejam mais predispostas
às mudanças e às adaptações.
Não há retorno. Ficar parado é tornar-se alvo fácil de ser atropelado
pelos acontecimentos. O caminho é seguir em frente, desenvolver novas
habilidades e competências. No caso das organizações, elas precisam ser
mais flexíveis e ágeis nas decisões, uma vez que estão dentro de um jogo
com intensa competição global. O fato é que, nesse jogo, seus atores são
múltiplos e multifacetados, as incertezas são constantes e envolvem ou
influenciam o cotidiano de pessoas e de empresas.
As mudanças de paradigmas são tão intensas, que as empresas atuais
não são mais avaliadas pela quantidade de seus bens tangíveis, mas pela
qualidade do conhecimento desenvolvido pela organização, que constitui
seu capital intelectual. Relacionar criatividade e inovação a esse capital
tornou-se fator crítico de sucesso e objeto de estudo e preocupação dos
gestores do conhecimento.
Neste novo contexto, em que o conhecimento se tornou valiosíssimo, as
pessoas acabam se tornando o maior patrimônio das organizações, pois
são fontes geradoras de riquezas e fatores críticos de sucesso e de
sobrevivência.
Durante esta aula, procuraremos observar a importância do processo
criativo na gestão do conhecimento organizacional. Saberemos como se
dá a inovação a partir da criatividade das pessoas e o mais importante:
saber como se constitui o capital intelectual das organizações, na
perspectiva da gestão.
A criatividade e a humanidade
A criatividade ou o processo criativo sempre fez parte da humanidade.
Aliás, a criatividade é um atributo humano, exclusivamente humano, o que
se sabe é que somente os homens são seres criativos.
Afinal, de onde ela vem? Qual a sua natureza? Como se processa a
criatividade?
No decorrer do tempo, acreditava-se que a criatividade tinha origem divina
e que somente pessoas “inspiradas pelo Divino” possuíam o seu cerne.
Outras a rotulavam como loucura, como Platão e Aristóteles, que viam nos
homens criativos “rebentos” de insanidade, devido à concussão de
inúmeras ideias, jamais pensadas ou concebidas, que modificariam o modo
de ver e de se conceber o mundo.
Para Platão, a criatividade estaria no “mundo das ideias”, cujos homens
a acessaria em busca de uma solução ou melhoria para um problema
do mundo real, que é considerado uma espécie de sombra imperfeita
daquele.
Grandes artistas e escritores foram tachados como loucos, devido a sua
criatividade como Shakespeare, Vicente VanGog, Mozart, Dante,
Leonardo da Vinci, etc. O fato é que as ideias criativas, em um dado
momento, soam estranhas àqueles que não estão preparados para
percebê-las.
Criatividade e oportunidade estão lado a lado. Assim aconteceu como
Alexandre Gran Bell com a invenção do telefone, muitos entenderam a
engenhoca como um “brinquedo eletrônico”, pois não perceberam
inicialmente sua finalidade (utilidade). Invenção que mudou o mundo,
tornando-o uma “Aldeia Global”.
Segundo a historiografia, Nicolas Tesla inventou o dínamo e trouxe a
corrente elétrica contínua para o nosso mundo a partir de um
“arrebatamento”, um frenesi momentâneo que ocupara-lhe a mente por
alguns instantes.
Foi a criatividade que levou Santos Dummont a alçar voo em uma máquina
mais pesada do que o ar. Pelo mesmo invento, criou também, de tabela, o
relógio de pulso.
São homens e mulheres criativos que mudaram e mudam o mundo!
Criatividade, o que é?
Para Alencar (apud ANGELONI, p.194), a criatividade é um fenômeno
complexo e multifacetado que envolve uma interação dinâmica entre as
pessoas e o ambiente em que se encontram. Está relacionada ao clima
psicológico, aos valores, às normas e às oportunidades de surgimento de
novas ideias.
Segundo o autor, a criatividade vem do latim creare, que significa criar,
elaborar, e do grego kraine, que significa realizar, desempenhar,
preencher. Em outras palavras, para os povos greco-romanos, os quais
somos descendentes, criatividade significa “pôr em prática uma ideia”.
É a partir desse conceito, que trataremos a criatividade, como uma
ideia colocada em prática como solução a um problema, como algo
novo que tem como pressuposto resolver uma determina
problemática ou questão dentro da organização.
O Processo Criativo
Segundo as diversas correntes da filosofia e da ciência, a criatividade é o
resultado da interação de um conjunto de atividades mentais que se
relacionam de forma sequencial e dinâmica, que por fim acabam
gerando uma nova ideia ou solução para um determinado problema.
Essas atividades podem ocorrer de forma individual ou coletiva.
De acordo com Grahan Wallas (apud ANGELONI, 2008, p.196), há quatro
estágios para o processo criativo, como pode ser visto no quadro a
seguir:
O PROCESSO CRIATIVO DE WALLAS
Estágios Atividades
1-Preparação O problema é investigado em todas as
direções.
2-Incubação O problema é pensado de uma maneira “não
consciente”.
3 – Iluminação Surgimento da “ideia feliz”.
4 – Verificação É feito o teste de validade da ideia.
Essa é reduzida à forma exata.
“No processo criativo de Wallas, a preparação é o momento em que a
pessoa assimila o problema e clarifica seu objetivo. Na incubação, o
trabalho consciente é totalmente suspenso. Na iluminação, ocorre o
“eureca! ”, em que a solução do problema se torna conhecido e, no
estágio de verificação, a pessoa, usando o pensamento racional lógico,
chega ao discernimento e opta pela solução mais adequada ao problema”.
(ANGELONI, 2008, p.196)
Kneller (apud ANGELONI,2008, p.196) corrobora a tese de Wallas:
O PROCESSO CRIATIVO DE KNELLER
Estágios Atividades
1-Apreensão O problema é investigado por diferentes ângulos. A
pessoa tem a percepção de que há um problema e
que este necessita de uma solução
2-Incubação As informações são entregues à mente inconsciente,
deixando o problema “cozinhar”. Nesta etapa, não há
censura ou julgamento.
3 – Iluminação Ocorre o “insight”. Surge a resposta ao problema
inicial.
4 – Verificação O processo criativo se encerra. A pessoa verifica se a
ideia pode ou não ser exequível (colocada em
prática).
O PROCESSO CRIATIVO DE AMÁBILE
Etapas Atividades
1 - Apresentação Nesta etapa, ocorre a apresentação do problema e a
tarefa a ser desenvolvida.
2 – Preparação (ou apreensão) A pessoa recolhe inúmeras informações relevantes
para o problema
3 – Geração (de ideias) A pessoa procura caminhos viáveis para a solução do
problema, surgindo vários insights.
4- Experimentação As ideias (soluções) são testadas.
5 - Validação Etapa final, em que se determina a ideia ou solução
apropriada.
A criatividade nas organizações
Como temos visto, nas organizações, a criatividade é entendida como uma
capacidade individual ou coletiva de resolver problemas, ou seja, em um
mundo em constante mutação, saber resolver problemas (que serão
muitos) passa a ser um diferencial de competitividade para as empresas.
Logo, pensar o fomento da criatividade passa a ser uma fórmula sábia de
estratégia. Em outro sentido, possuir indivíduos criativos na organização
pode significar construir um capital intelectual único (altamente valorativo
e competitivo) indispensável à manutenção e ao crescimento
organizacional.
Assim, a criatividade pode ser vista como um processo em que as ideias
são geradas, desenvolvidas e transformadas em algo de valor para a
organização, quando melhora produtos, processos, serviços e traz
resultados satisfatórios para a empresa.
Considerando o contexto de fomento da criatividade, para os referidos
autores, todas as pessoas podem ser criativas, desde que haja condições
ambientais, psicológicas e culturais propícias. Logo, em um mundo em
transformação, fazer uso da criatividade é algo quase natural, desde que
exista uma estrutura organizacional favorável a isso.
A criatividade e a inovação nas organizações
Vimos o que pode ser criatividade ou processo criativo, agora trataremos
das inovações que ocorrem nas empresas. Afinal, o que são inovações? E
quais são os seus tipos?
Segundo Kanter (apud ANGELONI,2008, p.200) inovação é o processo que
põe em uso uma ideia nova para a solução de um problema; é a geração,
aceitação e implementação de novas ideias, processos, produtos ou
serviços. Por meio desta conceituação, podemos perceber que inovação e
criatividade caminham lado a lado, pois a criatividade encontra-se
inserida nos processos de inovação, tornando-se inseparáveis.
Embora inseparáveis, criatividade e inovação são conceitos distintos, pois,
enquanto a criatividade pode ser um trabalho cognitivo individual para a
solução de um problema, a inovação é a implementação de uma nova ideia
em um produto, processo ou empreendimento, visando a um
melhoramento (inovação) beneficiando de forma significativa o indivíduo,
o grupo, a organização e a sociedade.
“Ideias criativas são fundamentais para que ocorra o processo de inovação,
sendo, portanto, um dos elementos essenciais do processo. A criatividade é
a fonte, o elemento básico de onde nasce a inovação. É um dos elementos
da idealização da inovação, enquanto a inovação é a aplicação das novas
ideias criadas”. (ANGELONI, 2008, p.201)
Devemos destacar, também, o fato de que ter ideias criativas não significa
necessariamente que estaremos inovando, pois, dentro das organizações
podem surgir muitas ideias, mas devido a uma estrutura rígida, a um
ambiente nada favorável, ou a um estilo gerencial nada receptivo, a
suposta inovação, que poderia melhorar as condições competitivas da
empresa, estaria comprometida. Nesse sentido, uma ideia poderia ficar
esquecida por muito tempo, não porque não apresente condições de ser
viabilizada, mas sim por não haver pessoas dispostas a colocá-la em ação.
Uma nova ideia só terá valor quando for colocada em prática, gerando
benefícios para todos.
Características de uma pessoa criativa
Embora as pesquisas comprovem que a criatividade é inerente a todas
as pessoas, porém, alguns fatores são condições importantes para que
as práticas criativas aconteçam.
Angeloni (2008, p.203) propõe três grupos de características:
intelectuais, motivacionais e de personalidade criativa.
CARACTERÍSTICAS DE UMA PESSOA CRIATIVA (ANGELONI)
1-Intelectuais Envolvem aspectos como iniciativa,
originalidade, reflexão, flexibilidade,
comunicação, elaboração, memória,
cognição e avaliação.
2-Motivacionais Extrínseca (salários, recompensas,
premiações)
Intrínseca (paixão, interesse, satisfação
pelo trabalho, desejo de solucionar um
problema)
3-Personalidade criativa São mais autônomas, autossuficientes,
independentes, abertas, complexas,
engenhosas do que outras.
CARACTERÍSTICAS DE UM GRUPO CRIATIVO (ANGELONI)
1-Coesão A união e a harmonia entre os integrantes
do grupo facilitam a produção de ideias.
2-Longevidade Ajuda a manter a coesão
3-Composição Número de homens e mulheres,
diversidade, nível cultural e educacional.
4-Estrutura Como o grupo se organiza, as relações de
poder e subordinação.
5-Liderança O líder participativo e democrático motiva
grupos inovadores.
FATORES QUE NÃO FAVORECEM A CRIATIVIDADE (ANGELONI)
1-Segmentação de processos Herança tayloriana. Cria um nível de especialização
tão grande que departamentaliza a empresa,
impedindo a prática da interdisciplinaridade e
geração de novas ideias
2- Superespecialização de tarefas Característica de uma organização tradicional
burocrática, tolhe a capacidade imaginativa do
homem, conduzindo a processos de adestramento
técnico, ignorando a sensibilidade e a inteligência do
fazer.
3 –Estrutura rígida e inflexível Tolhe qualquer iniciativa e consequentemente a
criatividade.
4 –Dirigentes rígidos Ao policiar os empregados, acaba coibindo as
inovações.
Por outro lado, uma cultura criativa, característica das organizações do
conhecimento, valoriza o talento, estimula a geração de ideias e a coragem
de assumir riscos. Ela deve estar presente em todos os níveis
organizacionais, inserida nas ações diárias, na prática administrativa, nas
estratégias, objetivos e metas da organização. Uma cultura criativa
caracteriza-se pela flexibilidade, pela comunicação livre e aberta, pelos
desafios e pelo prazer que as pessoas têm em seu trabalho. (ANGELONI,
2008, p.208)
CONCLUSÃO
O nosso mundo é caracterizado pelas mudanças, a cada momento surge um produto, um
serviço, um processo novo, fazendo com que as organizações busquem novos meios e ou
métodos de resolução de problemas e aperfeiçoamentos de processos produtivos.
Diante de imenso desafio, habilidades com as de trabalhar em grupo, de forma
colaborativa, de modo flexível, com pessoas criativas que estão sempre inovando,
tornaram-se fatores indispensáveis para o sucesso e sobrevivência da empresa.
Enfim, devemos saber que uma ideia criativa nem sempre será sinônimo de inovação,
uma vez que esta exige pessoas que estejam dispostas a fazerem a diferença neste
mundo marcadamente competitivo.
ATIVIDADES NO BLOG
Pensando nas reflexões que fizemos até aqui, em sua opinião, quais
seriam os fatores que impedem ou favorecem a implementação de
inovações e mudanças nos âmbitos das organizações?
REFERÊNCIAS
ANGELONI, M. T. (Org.) Organizações do Conhecimento: infraestrutura, pessoas e
tecnologia, 2. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2008.
SVEIBY, Karl Erick. A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativajlpaesjr
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientificajaddy xavier
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaÉrica Rigo
 
Fundamentos de marketing aula 1
Fundamentos de marketing aula 1Fundamentos de marketing aula 1
Fundamentos de marketing aula 1Enrico Trevisan
 
Aula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtosAula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtosCENNE
 
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de NegócioExercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de NegócioLaisa Mariana
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoPAULO RICARDO FLORES
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisamauricio aquino
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Nicolau Chaud
 
Aula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento CientíficoAula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento CientíficoGhiordanno Bruno
 
Pesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaPesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaLeticia Strehl
 
Mix de Marketing - Promoção - Parte IV
Mix de Marketing - Promoção - Parte IVMix de Marketing - Promoção - Parte IV
Mix de Marketing - Promoção - Parte IVRobson Costa
 
Pesquisa Científica
Pesquisa CientíficaPesquisa Científica
Pesquisa Científicasheilamayrink
 

Mais procurados (20)

Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Marketing Digital
Marketing DigitalMarketing Digital
Marketing Digital
 
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
 
Fundamentos de marketing aula 1
Fundamentos de marketing aula 1Fundamentos de marketing aula 1
Fundamentos de marketing aula 1
 
Aula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtosAula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtos
 
Análise SWOT
Análise SWOTAnálise SWOT
Análise SWOT
 
ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de NegócioExercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
 
Aula 2 estudo qualitativo
Aula 2   estudo qualitativoAula 2   estudo qualitativo
Aula 2 estudo qualitativo
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
 
Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTS
Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTSCiência, Tecnologia e Sociedade - CTS
Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTS
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
 
Aula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento CientíficoAula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento Científico
 
Pesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaPesquisa Bibliografica
Pesquisa Bibliografica
 
Mix de Marketing - Promoção - Parte IV
Mix de Marketing - Promoção - Parte IVMix de Marketing - Promoção - Parte IV
Mix de Marketing - Promoção - Parte IV
 
Pesquisa Científica
Pesquisa CientíficaPesquisa Científica
Pesquisa Científica
 

Destaque

Aula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e CriatividadeAula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e CriatividadeGustavo Zanotto
 
Inovação e Criatividade
Inovação e CriatividadeInovação e Criatividade
Inovação e CriatividadeAndrea Costa
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeAugusto Pinto
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaCarlos Alves
 
Inovação
InovaçãoInovação
Inovaçãogmktipam
 
Palestra criatividade
Palestra criatividadePalestra criatividade
Palestra criatividadeKaduLima
 
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoAula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeLevi Tancredo
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalCarlos Alves
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoCarlos Alves
 
Inovação Tecnológica
Inovação TecnológicaInovação Tecnológica
Inovação TecnológicaJim Naturesa
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimentoCarlos Alves
 
Conceitos e Modelos de Inovação
Conceitos e Modelos de InovaçãoConceitos e Modelos de Inovação
Conceitos e Modelos de InovaçãoCarlos Yukimura
 
Jogos de criatividade
Jogos de criatividadeJogos de criatividade
Jogos de criatividadeThiago Reis
 
Palestra inovação como estratégia competitiva da mpe
Palestra   inovação como estratégia competitiva da mpePalestra   inovação como estratégia competitiva da mpe
Palestra inovação como estratégia competitiva da mpeSebrae Santa Catarina
 
Inovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
Inovacao e Criatividade, por Martha GabrielInovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
Inovacao e Criatividade, por Martha GabrielMartha Gabriel
 

Destaque (20)

Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
 
Aula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e CriatividadeAula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e Criatividade
 
Inovação e Criatividade
Inovação e CriatividadeInovação e Criatividade
Inovação e Criatividade
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & Criatividade
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação Corporativa
 
Inovação
InovaçãoInovação
Inovação
 
Palestra criatividade
Palestra criatividadePalestra criatividade
Palestra criatividade
 
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoAula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
 
Inovação Tecnológica
Inovação TecnológicaInovação Tecnológica
Inovação Tecnológica
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
 
Conceitos e Modelos de Inovação
Conceitos e Modelos de InovaçãoConceitos e Modelos de Inovação
Conceitos e Modelos de Inovação
 
Jogos de criatividade
Jogos de criatividadeJogos de criatividade
Jogos de criatividade
 
Palestra inovação como estratégia competitiva da mpe
Palestra   inovação como estratégia competitiva da mpePalestra   inovação como estratégia competitiva da mpe
Palestra inovação como estratégia competitiva da mpe
 
Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
 
Inovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
Inovacao e Criatividade, por Martha GabrielInovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
Inovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
 

Semelhante a Aula 11 Criatividade e Inovação

Criatividade & inovação
Criatividade & inovaçãoCriatividade & inovação
Criatividade & inovaçãoJuliana Tessari
 
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA IIInovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA IIDra. Camila Hamdan
 
De onde vêm as boas ideias de negocio?
De onde vêm as boas ideias de negocio?De onde vêm as boas ideias de negocio?
De onde vêm as boas ideias de negocio?Giba Canto
 
Educar para a criatividade e autoconhecimento
Educar para a criatividade e autoconhecimentoEducar para a criatividade e autoconhecimento
Educar para a criatividade e autoconhecimentocatapera
 
E possivel se tornar uma pessoa mais criativa
E possivel se tornar uma pessoa mais criativaE possivel se tornar uma pessoa mais criativa
E possivel se tornar uma pessoa mais criativaJose Claudio Terra
 
Criatividade -atividade_supervisionada_-_av2
Criatividade  -atividade_supervisionada_-_av2Criatividade  -atividade_supervisionada_-_av2
Criatividade -atividade_supervisionada_-_av2Complexo_Regulador
 
Inovação: O Desenvolvimento da Ideia no Ambiente Corporativo
Inovação: O Desenvolvimento da Ideia no Ambiente CorporativoInovação: O Desenvolvimento da Ideia no Ambiente Corporativo
Inovação: O Desenvolvimento da Ideia no Ambiente CorporativoGilvan Nunes
 
Apresentação criatividade cópia
Apresentação criatividade   cópiaApresentação criatividade   cópia
Apresentação criatividade cópiaDenner Macêdo
 
O que é criatividade @daniel_egger
O que é criatividade @daniel_eggerO que é criatividade @daniel_egger
O que é criatividade @daniel_eggerDaniel Egger
 
Academia Pearson - Criatividade e Inovacao
Academia Pearson - Criatividade e InovacaoAcademia Pearson - Criatividade e Inovacao
Academia Pearson - Criatividade e InovacaoLuis Rasquilha
 
Counteudo de filosofia
Counteudo de filosofiaCounteudo de filosofia
Counteudo de filosofiaGian Boschetti
 
Origens da Investigação Apreciativa
Origens da Investigação ApreciativaOrigens da Investigação Apreciativa
Origens da Investigação ApreciativaLuiz Algarra
 
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 13 - Março de 2014
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 13 - Março de 2014FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 13 - Março de 2014
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 13 - Março de 2014FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Marcelo Vitorino
 
Rethink Business 2014
Rethink Business 2014Rethink Business 2014
Rethink Business 2014Indico S.A.
 

Semelhante a Aula 11 Criatividade e Inovação (20)

7487709.ppt
7487709.ppt7487709.ppt
7487709.ppt
 
Criatividade & inovação
Criatividade & inovaçãoCriatividade & inovação
Criatividade & inovação
 
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA IIInovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
 
De onde vêm as boas ideias de negocio?
De onde vêm as boas ideias de negocio?De onde vêm as boas ideias de negocio?
De onde vêm as boas ideias de negocio?
 
Educar para a criatividade e autoconhecimento
Educar para a criatividade e autoconhecimentoEducar para a criatividade e autoconhecimento
Educar para a criatividade e autoconhecimento
 
E possivel se tornar uma pessoa mais criativa
E possivel se tornar uma pessoa mais criativaE possivel se tornar uma pessoa mais criativa
E possivel se tornar uma pessoa mais criativa
 
Psicologia Final2
Psicologia Final2Psicologia Final2
Psicologia Final2
 
Criatividade -atividade_supervisionada_-_av2
Criatividade  -atividade_supervisionada_-_av2Criatividade  -atividade_supervisionada_-_av2
Criatividade -atividade_supervisionada_-_av2
 
Inovação: O Desenvolvimento da Ideia no Ambiente Corporativo
Inovação: O Desenvolvimento da Ideia no Ambiente CorporativoInovação: O Desenvolvimento da Ideia no Ambiente Corporativo
Inovação: O Desenvolvimento da Ideia no Ambiente Corporativo
 
Apresentação criatividade cópia
Apresentação criatividade   cópiaApresentação criatividade   cópia
Apresentação criatividade cópia
 
Semana de MKT: Marketing ou Inovação, qual surgiu primeiro?
Semana de MKT: Marketing ou Inovação, qual surgiu primeiro?Semana de MKT: Marketing ou Inovação, qual surgiu primeiro?
Semana de MKT: Marketing ou Inovação, qual surgiu primeiro?
 
O que é criatividade @daniel_egger
O que é criatividade @daniel_eggerO que é criatividade @daniel_egger
O que é criatividade @daniel_egger
 
Criatividade
Criatividade Criatividade
Criatividade
 
Academia Pearson - Criatividade e Inovacao
Academia Pearson - Criatividade e InovacaoAcademia Pearson - Criatividade e Inovacao
Academia Pearson - Criatividade e Inovacao
 
Counteudo de filosofia
Counteudo de filosofiaCounteudo de filosofia
Counteudo de filosofia
 
Trab inovação
Trab inovaçãoTrab inovação
Trab inovação
 
Origens da Investigação Apreciativa
Origens da Investigação ApreciativaOrigens da Investigação Apreciativa
Origens da Investigação Apreciativa
 
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 13 - Março de 2014
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 13 - Março de 2014FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 13 - Março de 2014
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 13 - Março de 2014
 
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
 
Rethink Business 2014
Rethink Business 2014Rethink Business 2014
Rethink Business 2014
 

Mais de Carlos Alves

Aula 8 Cultura Organizacional
Aula 8   Cultura Organizacional Aula 8   Cultura Organizacional
Aula 8 Cultura Organizacional Carlos Alves
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualCarlos Alves
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaCarlos Alves
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoCarlos Alves
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemCarlos Alves
 
Aula 11 Relação com os investidores
Aula 11   Relação com os investidoresAula 11   Relação com os investidores
Aula 11 Relação com os investidoresCarlos Alves
 
Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda CorporativaCarlos Alves
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Carlos Alves
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análiseCarlos Alves
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação InstitucionalCarlos Alves
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualCarlos Alves
 
Aula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingAula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingCarlos Alves
 
Aula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalAula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalCarlos Alves
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação internaCarlos Alves
 
Aula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoAula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoCarlos Alves
 
Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4Carlos Alves
 
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrnaTodo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrnaCarlos Alves
 
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoAula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoCarlos Alves
 
Aula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativaAula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativaCarlos Alves
 

Mais de Carlos Alves (20)

Aula 8 Cultura Organizacional
Aula 8   Cultura Organizacional Aula 8   Cultura Organizacional
Aula 8 Cultura Organizacional
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE Básico
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
 
Aula 11 Relação com os investidores
Aula 11   Relação com os investidoresAula 11   Relação com os investidores
Aula 11 Relação com os investidores
 
Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda Corporativa
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação Institucional
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 
Aula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingAula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketing
 
Aula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalAula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacional
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação interna
 
Aula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoAula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimento
 
Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4
 
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrnaTodo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
 
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoAula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
 
Aula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativaAula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativa
 

Último

Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 

Último (20)

Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 

Aula 11 Criatividade e Inovação

  • 1. Aula 11 Criatividade e inovação na gestão do conhecimento Carlos Luiz Alves
  • 2. Ementa: Temos visto durante as aulas, que o desenvolvimento tecnológico tem alterado profundamente a economia mundial, obrigando pessoas e organizações a mudarem formas ou processos de compreender e atuar no mundo. Organizações mais abertas e predispostas às mudanças têm propiciado fórmulas de desenvolver a criatividade e a inovação dentro de seus âmbitos. Hoje, as empresas estão mais convencidas de que o seu valor não se encontra exatamente na quantidade de bens tangíveis, mas na qualidade dos intangíveis, que correspondem a soma dos conhecimentos e do potencial de produção dos mesmos a partir da interação de seus colaboradores, que, como já vimos, constituem o capital intelectual das empresas.
  • 3. Dentro desses novos patamares que se encontra a economia mundial, organizações que fomentam o desenvolvimento da criatividade e da inovação acabam adquirindo vantagem competitiva em relação às demais. Neste sentido, compreender como se dá os processos de criação e inovação passa a ser fator crítico de sucesso e objeto de preocupação e de estudo por parte da gestão do conhecimento.
  • 4. INTRODUÇÃO Temos visto que o mundo não é mais o mesmo, assim como as pessoas e as organizações. Os valores também mudaram. Processos produtivos e comunicacionais idem. O fato é que vivemos em um mundo marcado pelas incertezas. Neste novo paradigma, o conhecimento se tornou a mola propulsora que alavanca as mudanças que modelam este mundo. Hoje, a produção e a distribuição de conhecimento dobram em poucos meses, fazendo com que pessoas e empresas estejam mais predispostas às mudanças e às adaptações.
  • 5. Não há retorno. Ficar parado é tornar-se alvo fácil de ser atropelado pelos acontecimentos. O caminho é seguir em frente, desenvolver novas habilidades e competências. No caso das organizações, elas precisam ser mais flexíveis e ágeis nas decisões, uma vez que estão dentro de um jogo com intensa competição global. O fato é que, nesse jogo, seus atores são múltiplos e multifacetados, as incertezas são constantes e envolvem ou influenciam o cotidiano de pessoas e de empresas. As mudanças de paradigmas são tão intensas, que as empresas atuais não são mais avaliadas pela quantidade de seus bens tangíveis, mas pela qualidade do conhecimento desenvolvido pela organização, que constitui seu capital intelectual. Relacionar criatividade e inovação a esse capital tornou-se fator crítico de sucesso e objeto de estudo e preocupação dos gestores do conhecimento.
  • 6. Neste novo contexto, em que o conhecimento se tornou valiosíssimo, as pessoas acabam se tornando o maior patrimônio das organizações, pois são fontes geradoras de riquezas e fatores críticos de sucesso e de sobrevivência. Durante esta aula, procuraremos observar a importância do processo criativo na gestão do conhecimento organizacional. Saberemos como se dá a inovação a partir da criatividade das pessoas e o mais importante: saber como se constitui o capital intelectual das organizações, na perspectiva da gestão.
  • 7. A criatividade e a humanidade A criatividade ou o processo criativo sempre fez parte da humanidade. Aliás, a criatividade é um atributo humano, exclusivamente humano, o que se sabe é que somente os homens são seres criativos. Afinal, de onde ela vem? Qual a sua natureza? Como se processa a criatividade? No decorrer do tempo, acreditava-se que a criatividade tinha origem divina e que somente pessoas “inspiradas pelo Divino” possuíam o seu cerne. Outras a rotulavam como loucura, como Platão e Aristóteles, que viam nos homens criativos “rebentos” de insanidade, devido à concussão de inúmeras ideias, jamais pensadas ou concebidas, que modificariam o modo de ver e de se conceber o mundo.
  • 8. Para Platão, a criatividade estaria no “mundo das ideias”, cujos homens a acessaria em busca de uma solução ou melhoria para um problema do mundo real, que é considerado uma espécie de sombra imperfeita daquele. Grandes artistas e escritores foram tachados como loucos, devido a sua criatividade como Shakespeare, Vicente VanGog, Mozart, Dante, Leonardo da Vinci, etc. O fato é que as ideias criativas, em um dado momento, soam estranhas àqueles que não estão preparados para percebê-las.
  • 9. Criatividade e oportunidade estão lado a lado. Assim aconteceu como Alexandre Gran Bell com a invenção do telefone, muitos entenderam a engenhoca como um “brinquedo eletrônico”, pois não perceberam inicialmente sua finalidade (utilidade). Invenção que mudou o mundo, tornando-o uma “Aldeia Global”. Segundo a historiografia, Nicolas Tesla inventou o dínamo e trouxe a corrente elétrica contínua para o nosso mundo a partir de um “arrebatamento”, um frenesi momentâneo que ocupara-lhe a mente por alguns instantes. Foi a criatividade que levou Santos Dummont a alçar voo em uma máquina mais pesada do que o ar. Pelo mesmo invento, criou também, de tabela, o relógio de pulso. São homens e mulheres criativos que mudaram e mudam o mundo!
  • 10. Criatividade, o que é? Para Alencar (apud ANGELONI, p.194), a criatividade é um fenômeno complexo e multifacetado que envolve uma interação dinâmica entre as pessoas e o ambiente em que se encontram. Está relacionada ao clima psicológico, aos valores, às normas e às oportunidades de surgimento de novas ideias. Segundo o autor, a criatividade vem do latim creare, que significa criar, elaborar, e do grego kraine, que significa realizar, desempenhar, preencher. Em outras palavras, para os povos greco-romanos, os quais somos descendentes, criatividade significa “pôr em prática uma ideia”.
  • 11. É a partir desse conceito, que trataremos a criatividade, como uma ideia colocada em prática como solução a um problema, como algo novo que tem como pressuposto resolver uma determina problemática ou questão dentro da organização.
  • 12. O Processo Criativo Segundo as diversas correntes da filosofia e da ciência, a criatividade é o resultado da interação de um conjunto de atividades mentais que se relacionam de forma sequencial e dinâmica, que por fim acabam gerando uma nova ideia ou solução para um determinado problema. Essas atividades podem ocorrer de forma individual ou coletiva. De acordo com Grahan Wallas (apud ANGELONI, 2008, p.196), há quatro estágios para o processo criativo, como pode ser visto no quadro a seguir:
  • 13. O PROCESSO CRIATIVO DE WALLAS Estágios Atividades 1-Preparação O problema é investigado em todas as direções. 2-Incubação O problema é pensado de uma maneira “não consciente”. 3 – Iluminação Surgimento da “ideia feliz”. 4 – Verificação É feito o teste de validade da ideia. Essa é reduzida à forma exata.
  • 14. “No processo criativo de Wallas, a preparação é o momento em que a pessoa assimila o problema e clarifica seu objetivo. Na incubação, o trabalho consciente é totalmente suspenso. Na iluminação, ocorre o “eureca! ”, em que a solução do problema se torna conhecido e, no estágio de verificação, a pessoa, usando o pensamento racional lógico, chega ao discernimento e opta pela solução mais adequada ao problema”. (ANGELONI, 2008, p.196) Kneller (apud ANGELONI,2008, p.196) corrobora a tese de Wallas:
  • 15. O PROCESSO CRIATIVO DE KNELLER Estágios Atividades 1-Apreensão O problema é investigado por diferentes ângulos. A pessoa tem a percepção de que há um problema e que este necessita de uma solução 2-Incubação As informações são entregues à mente inconsciente, deixando o problema “cozinhar”. Nesta etapa, não há censura ou julgamento. 3 – Iluminação Ocorre o “insight”. Surge a resposta ao problema inicial. 4 – Verificação O processo criativo se encerra. A pessoa verifica se a ideia pode ou não ser exequível (colocada em prática).
  • 16. O PROCESSO CRIATIVO DE AMÁBILE Etapas Atividades 1 - Apresentação Nesta etapa, ocorre a apresentação do problema e a tarefa a ser desenvolvida. 2 – Preparação (ou apreensão) A pessoa recolhe inúmeras informações relevantes para o problema 3 – Geração (de ideias) A pessoa procura caminhos viáveis para a solução do problema, surgindo vários insights. 4- Experimentação As ideias (soluções) são testadas. 5 - Validação Etapa final, em que se determina a ideia ou solução apropriada.
  • 17. A criatividade nas organizações Como temos visto, nas organizações, a criatividade é entendida como uma capacidade individual ou coletiva de resolver problemas, ou seja, em um mundo em constante mutação, saber resolver problemas (que serão muitos) passa a ser um diferencial de competitividade para as empresas. Logo, pensar o fomento da criatividade passa a ser uma fórmula sábia de estratégia. Em outro sentido, possuir indivíduos criativos na organização pode significar construir um capital intelectual único (altamente valorativo e competitivo) indispensável à manutenção e ao crescimento organizacional.
  • 18. Assim, a criatividade pode ser vista como um processo em que as ideias são geradas, desenvolvidas e transformadas em algo de valor para a organização, quando melhora produtos, processos, serviços e traz resultados satisfatórios para a empresa. Considerando o contexto de fomento da criatividade, para os referidos autores, todas as pessoas podem ser criativas, desde que haja condições ambientais, psicológicas e culturais propícias. Logo, em um mundo em transformação, fazer uso da criatividade é algo quase natural, desde que exista uma estrutura organizacional favorável a isso.
  • 19. A criatividade e a inovação nas organizações Vimos o que pode ser criatividade ou processo criativo, agora trataremos das inovações que ocorrem nas empresas. Afinal, o que são inovações? E quais são os seus tipos? Segundo Kanter (apud ANGELONI,2008, p.200) inovação é o processo que põe em uso uma ideia nova para a solução de um problema; é a geração, aceitação e implementação de novas ideias, processos, produtos ou serviços. Por meio desta conceituação, podemos perceber que inovação e criatividade caminham lado a lado, pois a criatividade encontra-se inserida nos processos de inovação, tornando-se inseparáveis.
  • 20. Embora inseparáveis, criatividade e inovação são conceitos distintos, pois, enquanto a criatividade pode ser um trabalho cognitivo individual para a solução de um problema, a inovação é a implementação de uma nova ideia em um produto, processo ou empreendimento, visando a um melhoramento (inovação) beneficiando de forma significativa o indivíduo, o grupo, a organização e a sociedade. “Ideias criativas são fundamentais para que ocorra o processo de inovação, sendo, portanto, um dos elementos essenciais do processo. A criatividade é a fonte, o elemento básico de onde nasce a inovação. É um dos elementos da idealização da inovação, enquanto a inovação é a aplicação das novas ideias criadas”. (ANGELONI, 2008, p.201)
  • 21. Devemos destacar, também, o fato de que ter ideias criativas não significa necessariamente que estaremos inovando, pois, dentro das organizações podem surgir muitas ideias, mas devido a uma estrutura rígida, a um ambiente nada favorável, ou a um estilo gerencial nada receptivo, a suposta inovação, que poderia melhorar as condições competitivas da empresa, estaria comprometida. Nesse sentido, uma ideia poderia ficar esquecida por muito tempo, não porque não apresente condições de ser viabilizada, mas sim por não haver pessoas dispostas a colocá-la em ação. Uma nova ideia só terá valor quando for colocada em prática, gerando benefícios para todos.
  • 22. Características de uma pessoa criativa Embora as pesquisas comprovem que a criatividade é inerente a todas as pessoas, porém, alguns fatores são condições importantes para que as práticas criativas aconteçam. Angeloni (2008, p.203) propõe três grupos de características: intelectuais, motivacionais e de personalidade criativa.
  • 23. CARACTERÍSTICAS DE UMA PESSOA CRIATIVA (ANGELONI) 1-Intelectuais Envolvem aspectos como iniciativa, originalidade, reflexão, flexibilidade, comunicação, elaboração, memória, cognição e avaliação. 2-Motivacionais Extrínseca (salários, recompensas, premiações) Intrínseca (paixão, interesse, satisfação pelo trabalho, desejo de solucionar um problema) 3-Personalidade criativa São mais autônomas, autossuficientes, independentes, abertas, complexas, engenhosas do que outras.
  • 24. CARACTERÍSTICAS DE UM GRUPO CRIATIVO (ANGELONI) 1-Coesão A união e a harmonia entre os integrantes do grupo facilitam a produção de ideias. 2-Longevidade Ajuda a manter a coesão 3-Composição Número de homens e mulheres, diversidade, nível cultural e educacional. 4-Estrutura Como o grupo se organiza, as relações de poder e subordinação. 5-Liderança O líder participativo e democrático motiva grupos inovadores.
  • 25. FATORES QUE NÃO FAVORECEM A CRIATIVIDADE (ANGELONI) 1-Segmentação de processos Herança tayloriana. Cria um nível de especialização tão grande que departamentaliza a empresa, impedindo a prática da interdisciplinaridade e geração de novas ideias 2- Superespecialização de tarefas Característica de uma organização tradicional burocrática, tolhe a capacidade imaginativa do homem, conduzindo a processos de adestramento técnico, ignorando a sensibilidade e a inteligência do fazer. 3 –Estrutura rígida e inflexível Tolhe qualquer iniciativa e consequentemente a criatividade. 4 –Dirigentes rígidos Ao policiar os empregados, acaba coibindo as inovações.
  • 26. Por outro lado, uma cultura criativa, característica das organizações do conhecimento, valoriza o talento, estimula a geração de ideias e a coragem de assumir riscos. Ela deve estar presente em todos os níveis organizacionais, inserida nas ações diárias, na prática administrativa, nas estratégias, objetivos e metas da organização. Uma cultura criativa caracteriza-se pela flexibilidade, pela comunicação livre e aberta, pelos desafios e pelo prazer que as pessoas têm em seu trabalho. (ANGELONI, 2008, p.208)
  • 27. CONCLUSÃO O nosso mundo é caracterizado pelas mudanças, a cada momento surge um produto, um serviço, um processo novo, fazendo com que as organizações busquem novos meios e ou métodos de resolução de problemas e aperfeiçoamentos de processos produtivos. Diante de imenso desafio, habilidades com as de trabalhar em grupo, de forma colaborativa, de modo flexível, com pessoas criativas que estão sempre inovando, tornaram-se fatores indispensáveis para o sucesso e sobrevivência da empresa. Enfim, devemos saber que uma ideia criativa nem sempre será sinônimo de inovação, uma vez que esta exige pessoas que estejam dispostas a fazerem a diferença neste mundo marcadamente competitivo.
  • 28. ATIVIDADES NO BLOG Pensando nas reflexões que fizemos até aqui, em sua opinião, quais seriam os fatores que impedem ou favorecem a implementação de inovações e mudanças nos âmbitos das organizações?
  • 29. REFERÊNCIAS ANGELONI, M. T. (Org.) Organizações do Conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologia, 2. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2008. SVEIBY, Karl Erick. A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998.