SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Aula 3
Sociedade do Conhecimento e Economia
do Conhecimento
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Prof. Carlos Luiz Alves
Aula 2
Disciplina: Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Professor: Carlos Luiz Alves
Tema: Sociedade do Conhecimento e Economia do Conhecimento
Ementa: Hoje, tornou-se lugar comum ao tratar o mundo em que vivemos como uma Sociedade do
Conhecimento. Mas afinal, o que é essa sociedade? O que representa? Quais são as suas implicações à
sociedade em geral, mais significativamente às empresas? Nesta aula, procuraremos desvendar as ideias
imbricadas por essa tal sociedade, que já se encontra operante, ampliando significativamente as
diferenças entre países ricos e países pobres, entre pessoas que têm e pessoas que não têm o chamado
acesso ao conhecimento.
Objetivos:
- Conceituar Sociedade do Conhecimento e Economia do Conhecimento.
- Refletir sobre as implicações dessa sociedade na vida das organizações e na vida das pessoas.
INTRODUÇÃO
É consenso geral de que o homem é um ser social. Isso significa que o homem só se torna homem à
medida que este está inserido na cultura e na vida social. Nesse caso, não é possível compreender as
dimensões humanas sem considerar ou compreender a vida social. Somos homens e mulheres, porque
vivemos em sociedade. A sociedade nos forma e ao mesmo tempo formamos e modificamos também essa
mesma sociedade. É uma via de mão dupla.
As relações entre o homem e a sociedade foram sempre de contrastes e confrontos, de harmonias e
ajustes, de conciliações e revoltas. Desde a primeira onda a qual chamamos agricultura, o homem deixou-
se de ser nômade e colhedor (extrativista) ao passar a plantar, a colher e a produzir seu próprio alimento,
sendo o excedente a motivação inicial que propiciou o florescimento do comércio e o surgimento das
primeiras civilizações. Através da produção agrícola e do próprio comércio, o homem acabou
desenvolvendo os primeiros cálculos matemáticos, uma língua para se comunicar e consequentemente sua
capacidade analítica e de abstração.
Isso vai até o século XVII, quando surgiu a segunda onda, a indústria, que aumentou a
produtividade agrícola, a mineração e o desenvolvimento da infraestrutura urbana
como o transporte (locomotivas) e fez com que a maior parte das populações vivesse
nas grandes cidades.
Já com essa revolução, a qual chamamos industrial, os processos produtivos que eram
basicamente artesanais passaram a ser em linha (cada qual fazia uma parte), tornando o
homem alienado em relação ao produto de seu trabalho. Antes o homem (artesão)
detinha todo o processo produtivo, desde a obtenção da matéria-prima até a
distribuição e comercialização do produtivo final.
Agora, ele recebia um salário por trabalhar em uma parte do produto, sua criação
não era mais sua, mas da empresa. Dava e recebia ordens, recebia um treinamento
ou instrução para o exercício de uma função na corporação, fazia uso da força física e
vendia a maior parte de seu tempo ao capitalista.
Com essa nova configuração, o trabalho artesanal ficou quase escasso, tornou-se
arte. Surgiu uma nova classe trabalhadora, a operária e consequentemente uma
nova reconfiguração na sociedade que conduzirá toda a humanidade a uma aldeia
global (globalização).
Por fim, recentemente, no final do século XX passado, o processo de industrialização se
desloca para todos os cantos do mundo, principalmente daqueles cuja mão-de-obra é
barata e fornece um importante mercado para os produtos. Enquanto esses países
recebem um desenvolvimento tardio, outros, os do primeiro mundo, passam a ter o
conhecimento como mola propulsora do seu próprio desenvolvimento, essa é a terceira
onda.
Isso traz uma nova divisão entre os países e pessoas, divisão essa que corresponde
àqueles que produzem e detêm conhecimentos e desenvolvem novas tecnologias e em
relação a outros que apenas fornecem mão de obra, matéria prima e consomem os
produtos que são frutos desse próprio desenvolvimento. Nessa terceira onda, a qual
chamamos Sociedade do Conhecimento, surge o trabalhador do conhecimento
(qualificado), que é mais flexível, hábil, inovador, criativo e empreendedor, cujo capital
intelectual é fator de reprodução e desenvolvimento do próprio sistema capitalista e,
portanto, fator crítico de produção e sucesso das grandes e principais organizações.
Sociedade do Conhecimento
Nessa sociedade, como vimos, o conhecimento passa a ser o diferencial de
competitividade das organizações e de empregabilidade dos trabalhadores.
Ambos empresas e pessoas passam a ser eternos aprendizes, precisam aprender a
aprender, pois o conhecimento não é estático, mas se reformula e se reproduz em
novos conhecimentos, fato que muda pessoas e também as próprias organizações.
Nesse novo modelo de produção de mercadorias e serviços, alguns impactos para as
organizações e pessoas podem ser verificados:
- Trabalhadores mais qualificados e maior cobrança sobre eles;
- Estruturas organizacionais menos hierarquizadas e mais horizontalizadas;
- Foco na criatividade e na inovação de produtos e serviços;
-Foco nos processos produtivos e no desenvolvimento do capital intelectual;
- Produtos menos tangíveis e de maior valor agregado.
Para pensar:
Quem é o homem mais rico do mundo? O que ele produz?
Qual é a empresa mais rica do mundo? O que ela produz?
Nessa sociedade o conhecimento é valorizado em todas as dimensões
1 - Dimensão Humana: foco na educação, educar as pessoas tornou-se diferencial de
competitividade dos países e das grandes organizações. Não é coincidência: os países
mais ricos (primeiro mundo) têm como objetivo o desenvolvimento pessoal e
intelectual de seu povo.
Veja o exemplo da Coréia: em 1980, seu PIB não aparecia entre os 50 países mais
ricos, enquanto o Brasil era o 8º. Em 2007, a Coréia era a 12ª economia mais rica e
dinâmica, enquanto o Brasil era a 13ª. Isso significa que o Brasil está perdendo
competitividade (veja palestra do Prof. Marcos Cavalcanti).
Se perguntarmos, qual a riqueza desses dois países?
Sabemos que o Brasil possui as maiores reservas de petróleo, minério de ferro, xisto
betuminoso, urânio, água doce do planeta, sem contar a biodiversidade da floresta
amazônica e tantas outras mais.
E a Coréia? Qual é a sua maior riqueza?
O seu povo!
Segundo Cavalcanti, a educação foi o fator crítico de sucesso da Coreia. Em 1980, o
Brasil registrava 40 patentes nos Estados Unidos, enquanto a Coreia quase nada. Em
2008, o Brasil pulou para 80, enquanto a Coreia para mais de 3.000 patentes
registradas somente nos Estados Unidos.
2 – Dimensão Tecnológica: foco nas novas tecnologias da informação e do
conhecimento. Produtos com valor agregado. Produção de softwares.
Quais são os produtos do Brasil?
Ferro, aço, soja, carne... agronegócio.
Quais são os produtos da Coreia?
Carros, computadores, smartphones, televisores de plasma e de LCD, etc. Produtos
de valor agregado, com uso intensivo de conhecimento.
3 – Dimensão Cultura: como os brasileiros veem a escola? A educação é prioridade?
Como os coreanos enxergam a escola? Há uma nítida diferença de pontos de vista.
Como os brasileiros veem o trabalho? E os coreanos?
É inegável que o Brasil possui uma cultura riquíssima, mas não está sendo explorada
como capital intangível e consequentemente com valor agregado. E o jeitinho
brasileiro? É saudável em nosso país? E nos demais?
A Economia do Conhecimento
Na economia do conhecimento ocorre, conforme o óbvio, a troca de produtos e
serviços com valor agregado, ou seja, com o conhecimento.
É uma economia que produz vantagens competitivas (capacidade de inovar e criar
novos produtos e serviços) para as empresas que têm o conhecimento (capital
intelectual), a inovação, a criatividade e o empreendedorismo como fatores críticos.
São empresas que tomam decisões e dinamizam o crescimento econômico de um
país ou nação através do uso intensivo do conhecimento.
A economia do conhecimento baseia-se na valoração do conteúdo, do
compartilhamento e do uso intenso de produtos e serviços com valores agregados.
Velha Economia X Nova Economia
Aspectos dominantes Velha economia Nova economia
Características Gerais
Mercados Estáveis Dinâmicos
Âmbito de competitividade Nacional Global
Estrutura Organizacional Hierárquica e burocrática Em rede
Indústria
Organização da produção Produção de massa Produção flexível
Principais motores do
crescimento
Capital e mão de obra Inovação e conhecimento
Velha Economia X Nova Economia
Aspectos dominantes Velha economia Nova economia
Fontes de vantagens
competitivas
Redução de custo via
economias
Inovação, qualidade, tempo de
acesso à mercados.
Importância da pesquisa e
inovação
Baixa à moderada Alta
Relações com outras empresas Muito pouco frequentes Alianças e parcerias
Velha Economia X Nova Economia
Aspectos dominantes Velha economia Nova economia
Capital Humano
Objetivos políticos Pleno emprego Salário-renda elevados
Competências Específicas ao posto de trabalho Competências genéricas
Requisitos de educação Titulação ou técnica
competente
Formação contínua
Relações de trabalho Chefe/ empregado Colaborativas
Emprego Estável Mercado por risco e
oportunidades
Fonte: Matos e Guimarães (2005)
Questões para reflexão:
1 – Segundo Squirra (apud Contini, p. 262) a economia do conhecimento é a mobilização
das competências empresarias, acadêmicas e tecnológicas com o objetivo de melhorar o
nível de vida das populações. Podemos afirmar que esse propósito vai ao encontro da
gestão do conhecimento nas empresas? Justifique-se.
2 – Alguns autores, como Cavalcanti e Drucker, afirmam que a Sociedade do Conhecimento
pode gerar países marginalizados, isto é, países que não tem acesso ao conhecimento e às
novas tecnologias. Pensando neste contexto, em qual categoria poderíamos colocar o
Brasil? Justifique-se.
3 – Squirra afirma que a Sociedade do Conhecimento pode gerar novas formas de
exclusão, tanto para países como para pessoas, aumentando ainda mais as diferenças
entre ricos e pobres. Quais seriam essas formas de exclusão? Como elas se configuram no
mundo corporativo?
REFERÊNCIAS
ANGELONI, M. T. (Org.) Organizações do Conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologia, 2. Ed. – São Paulo: Saraiva,
2008.
BRITO, L. M. P., Gestão do conhecimento – instrumento de apropriação pelo capital do saber do trabalhador, Cadernos
de Educação, FaE/PPGE/UFPel, Pelotas: 135 - 148, janeiro/junho 2008.
NONAKA, I. e TAKEUCHI, H. Criação do Conhecimento na Empresa: como as empresas geram a dinâmica da inovação. Rio
de Janeiro: Campus,1997.
SQUIRRA, S. Sociedade do conhecimento. In: MARQUES DE MELO & SATHER, orgs., Direitos à Comunicação na Sociedade
da Informação. São Bernardo do Campo, Editora da UMESP, 2005.
ARTIGOS:
GUEDES, S. Sociedade do Conhecimento: a exclusão como herança histórica ?, Disponível em:
http://www2.metodista.br/unesco/agora/PMC_Acervo_Entretanto_squirra.pdf, acesso em: 20/03/2016
CAVALCANTI, M; GOMES, E. Inteligência Empresarial: um novo modelo de gestão para a nova economia. Disponível em:
http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6412/4997
PALESTRA:
Prof. Dr. Marcos Cavalcanti
Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=aRRpWgxXRd0, acesso em: 20/03/2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtosGestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtosProfessor Sérgio Duarte
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade socialAline Corso
 
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidadeCafé & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidadeCra-es Conselho
 
Responsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidadeResponsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidadeALVARO RAMOS
 
Gestao do conhecimento ppt
Gestao do conhecimento pptGestao do conhecimento ppt
Gestao do conhecimento pptDaniela Garcia
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesMoises Ribeiro
 
Indústria 4.0 - A era do conhecimento
Indústria 4.0 - A era do conhecimentoIndústria 4.0 - A era do conhecimento
Indústria 4.0 - A era do conhecimentoThiago Fortunato
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
CriatividadeUserSanti
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Andrey Martins
 

Mais procurados (20)

Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtosGestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
 
Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade social
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
administração da producão
administração da producãoadministração da producão
administração da producão
 
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidadeCafé & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
 
Mkt no agronegocio
Mkt no agronegocioMkt no agronegocio
Mkt no agronegocio
 
Planejamento Estrategico
Planejamento EstrategicoPlanejamento Estrategico
Planejamento Estrategico
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 
B2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica ReversaB2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica Reversa
 
Responsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidadeResponsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidade
 
Exercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABCExercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABC
 
Logística Reversa
Logística ReversaLogística Reversa
Logística Reversa
 
Indicadores de Desempenho
Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho
Indicadores de Desempenho
 
Gestao do conhecimento ppt
Gestao do conhecimento pptGestao do conhecimento ppt
Gestao do conhecimento ppt
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
Indústria 4.0 - A era do conhecimento
Indústria 4.0 - A era do conhecimentoIndústria 4.0 - A era do conhecimento
Indústria 4.0 - A era do conhecimento
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 

Semelhante a Aula 3 sociedade do conhecimento

Economia criativa
Economia criativaEconomia criativa
Economia criativaDiane Sire
 
Economia criativa um-olhar_para_projetos_brasileiros
Economia criativa um-olhar_para_projetos_brasileirosEconomia criativa um-olhar_para_projetos_brasileiros
Economia criativa um-olhar_para_projetos_brasileirosLuara Schamó
 
MBA IBRI Fipecafi Lelio Lauretti Etica
MBA IBRI Fipecafi Lelio Lauretti EticaMBA IBRI Fipecafi Lelio Lauretti Etica
MBA IBRI Fipecafi Lelio Lauretti EticaIBRI
 
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3Christie Freitas
 
Gorete empreendedorismo na universidade
Gorete empreendedorismo na universidadeGorete empreendedorismo na universidade
Gorete empreendedorismo na universidadeGorete Figueiredo
 
Globalização e internet unicastelo
Globalização e internet   unicasteloGlobalização e internet   unicastelo
Globalização e internet unicasteloAmarildo Souza
 
Gestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VIGestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VIHarutchy
 
Oficina Economia Criativa (dez 2015)
Oficina Economia Criativa (dez 2015)Oficina Economia Criativa (dez 2015)
Oficina Economia Criativa (dez 2015)Aline Bueno
 
Sebrae MT Novembro Versao 04
Sebrae MT Novembro Versao 04Sebrae MT Novembro Versao 04
Sebrae MT Novembro Versao 04Ricardo Neves
 
No mundo do Grátis, quem paga a conta do conteúdo?
No mundo do Grátis, quem paga a conta do conteúdo?No mundo do Grátis, quem paga a conta do conteúdo?
No mundo do Grátis, quem paga a conta do conteúdo?Michel Lent Schwartzman
 
O Poder da Colaboração para a Inovação
O Poder da Colaboração para a InovaçãoO Poder da Colaboração para a Inovação
O Poder da Colaboração para a InovaçãoLeandro Ogalha
 
Moedas sociais, clubes de troca na Argentina e o Projeto SOL na Franca
Moedas sociais, clubes de troca na Argentina e o Projeto SOL na FrancaMoedas sociais, clubes de troca na Argentina e o Projeto SOL na Franca
Moedas sociais, clubes de troca na Argentina e o Projeto SOL na FrancaHeloisa Primavera
 
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2Ruy De Queiroz
 

Semelhante a Aula 3 sociedade do conhecimento (20)

Economia Criativa3.pptx
Economia Criativa3.pptxEconomia Criativa3.pptx
Economia Criativa3.pptx
 
Economia criativa
Economia criativaEconomia criativa
Economia criativa
 
Unidade 2
Unidade 2Unidade 2
Unidade 2
 
Economia criativa um-olhar_para_projetos_brasileiros
Economia criativa um-olhar_para_projetos_brasileirosEconomia criativa um-olhar_para_projetos_brasileiros
Economia criativa um-olhar_para_projetos_brasileiros
 
Marketing%20 estratégico[1]
Marketing%20 estratégico[1]Marketing%20 estratégico[1]
Marketing%20 estratégico[1]
 
MBA IBRI Fipecafi Lelio Lauretti Etica
MBA IBRI Fipecafi Lelio Lauretti EticaMBA IBRI Fipecafi Lelio Lauretti Etica
MBA IBRI Fipecafi Lelio Lauretti Etica
 
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
 
Gorete empreendedorismo na universidade
Gorete empreendedorismo na universidadeGorete empreendedorismo na universidade
Gorete empreendedorismo na universidade
 
Conhecimento e Inovação em Gestão Pública CBTIM 2009
Conhecimento e Inovação em Gestão Pública CBTIM 2009Conhecimento e Inovação em Gestão Pública CBTIM 2009
Conhecimento e Inovação em Gestão Pública CBTIM 2009
 
Globalização e internet unicastelo
Globalização e internet   unicasteloGlobalização e internet   unicastelo
Globalização e internet unicastelo
 
Gestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VIGestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VI
 
Oficina Economia Criativa (dez 2015)
Oficina Economia Criativa (dez 2015)Oficina Economia Criativa (dez 2015)
Oficina Economia Criativa (dez 2015)
 
Sebrae MT Novembro Versao 04
Sebrae MT Novembro Versao 04Sebrae MT Novembro Versao 04
Sebrae MT Novembro Versao 04
 
Apcap2
Apcap2Apcap2
Apcap2
 
No mundo do Grátis, quem paga a conta do conteúdo?
No mundo do Grátis, quem paga a conta do conteúdo?No mundo do Grátis, quem paga a conta do conteúdo?
No mundo do Grátis, quem paga a conta do conteúdo?
 
Suíça
SuíçaSuíça
Suíça
 
Ingeniero novos tempos
Ingeniero novos temposIngeniero novos tempos
Ingeniero novos tempos
 
O Poder da Colaboração para a Inovação
O Poder da Colaboração para a InovaçãoO Poder da Colaboração para a Inovação
O Poder da Colaboração para a Inovação
 
Moedas sociais, clubes de troca na Argentina e o Projeto SOL na Franca
Moedas sociais, clubes de troca na Argentina e o Projeto SOL na FrancaMoedas sociais, clubes de troca na Argentina e o Projeto SOL na Franca
Moedas sociais, clubes de troca na Argentina e o Projeto SOL na Franca
 
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
 

Mais de Carlos Alves

Aula 8 Cultura Organizacional
Aula 8   Cultura Organizacional Aula 8   Cultura Organizacional
Aula 8 Cultura Organizacional Carlos Alves
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualCarlos Alves
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaCarlos Alves
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoCarlos Alves
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemCarlos Alves
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaCarlos Alves
 
Aula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoAula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoCarlos Alves
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimentoCarlos Alves
 
Aula 11 Relação com os investidores
Aula 11   Relação com os investidoresAula 11   Relação com os investidores
Aula 11 Relação com os investidoresCarlos Alves
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda CorporativaCarlos Alves
 
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoAula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoCarlos Alves
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Carlos Alves
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalCarlos Alves
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análiseCarlos Alves
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação InstitucionalCarlos Alves
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualCarlos Alves
 

Mais de Carlos Alves (20)

Aula 8 Cultura Organizacional
Aula 8   Cultura Organizacional Aula 8   Cultura Organizacional
Aula 8 Cultura Organizacional
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE Básico
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação Corporativa
 
Aula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoAula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e Inovação
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
 
Aula 11 Relação com os investidores
Aula 11   Relação com os investidoresAula 11   Relação com os investidores
Aula 11 Relação com os investidores
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
 
Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda Corporativa
 
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoAula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação Institucional
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 

Último

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 

Último (20)

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 

Aula 3 sociedade do conhecimento

  • 1. Aula 3 Sociedade do Conhecimento e Economia do Conhecimento Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento Prof. Carlos Luiz Alves
  • 2. Aula 2 Disciplina: Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento Professor: Carlos Luiz Alves Tema: Sociedade do Conhecimento e Economia do Conhecimento Ementa: Hoje, tornou-se lugar comum ao tratar o mundo em que vivemos como uma Sociedade do Conhecimento. Mas afinal, o que é essa sociedade? O que representa? Quais são as suas implicações à sociedade em geral, mais significativamente às empresas? Nesta aula, procuraremos desvendar as ideias imbricadas por essa tal sociedade, que já se encontra operante, ampliando significativamente as diferenças entre países ricos e países pobres, entre pessoas que têm e pessoas que não têm o chamado acesso ao conhecimento. Objetivos: - Conceituar Sociedade do Conhecimento e Economia do Conhecimento. - Refletir sobre as implicações dessa sociedade na vida das organizações e na vida das pessoas.
  • 3. INTRODUÇÃO É consenso geral de que o homem é um ser social. Isso significa que o homem só se torna homem à medida que este está inserido na cultura e na vida social. Nesse caso, não é possível compreender as dimensões humanas sem considerar ou compreender a vida social. Somos homens e mulheres, porque vivemos em sociedade. A sociedade nos forma e ao mesmo tempo formamos e modificamos também essa mesma sociedade. É uma via de mão dupla. As relações entre o homem e a sociedade foram sempre de contrastes e confrontos, de harmonias e ajustes, de conciliações e revoltas. Desde a primeira onda a qual chamamos agricultura, o homem deixou- se de ser nômade e colhedor (extrativista) ao passar a plantar, a colher e a produzir seu próprio alimento, sendo o excedente a motivação inicial que propiciou o florescimento do comércio e o surgimento das primeiras civilizações. Através da produção agrícola e do próprio comércio, o homem acabou desenvolvendo os primeiros cálculos matemáticos, uma língua para se comunicar e consequentemente sua capacidade analítica e de abstração.
  • 4. Isso vai até o século XVII, quando surgiu a segunda onda, a indústria, que aumentou a produtividade agrícola, a mineração e o desenvolvimento da infraestrutura urbana como o transporte (locomotivas) e fez com que a maior parte das populações vivesse nas grandes cidades. Já com essa revolução, a qual chamamos industrial, os processos produtivos que eram basicamente artesanais passaram a ser em linha (cada qual fazia uma parte), tornando o homem alienado em relação ao produto de seu trabalho. Antes o homem (artesão) detinha todo o processo produtivo, desde a obtenção da matéria-prima até a distribuição e comercialização do produtivo final.
  • 5. Agora, ele recebia um salário por trabalhar em uma parte do produto, sua criação não era mais sua, mas da empresa. Dava e recebia ordens, recebia um treinamento ou instrução para o exercício de uma função na corporação, fazia uso da força física e vendia a maior parte de seu tempo ao capitalista. Com essa nova configuração, o trabalho artesanal ficou quase escasso, tornou-se arte. Surgiu uma nova classe trabalhadora, a operária e consequentemente uma nova reconfiguração na sociedade que conduzirá toda a humanidade a uma aldeia global (globalização).
  • 6. Por fim, recentemente, no final do século XX passado, o processo de industrialização se desloca para todos os cantos do mundo, principalmente daqueles cuja mão-de-obra é barata e fornece um importante mercado para os produtos. Enquanto esses países recebem um desenvolvimento tardio, outros, os do primeiro mundo, passam a ter o conhecimento como mola propulsora do seu próprio desenvolvimento, essa é a terceira onda. Isso traz uma nova divisão entre os países e pessoas, divisão essa que corresponde àqueles que produzem e detêm conhecimentos e desenvolvem novas tecnologias e em relação a outros que apenas fornecem mão de obra, matéria prima e consomem os produtos que são frutos desse próprio desenvolvimento. Nessa terceira onda, a qual chamamos Sociedade do Conhecimento, surge o trabalhador do conhecimento (qualificado), que é mais flexível, hábil, inovador, criativo e empreendedor, cujo capital intelectual é fator de reprodução e desenvolvimento do próprio sistema capitalista e, portanto, fator crítico de produção e sucesso das grandes e principais organizações.
  • 7. Sociedade do Conhecimento Nessa sociedade, como vimos, o conhecimento passa a ser o diferencial de competitividade das organizações e de empregabilidade dos trabalhadores. Ambos empresas e pessoas passam a ser eternos aprendizes, precisam aprender a aprender, pois o conhecimento não é estático, mas se reformula e se reproduz em novos conhecimentos, fato que muda pessoas e também as próprias organizações.
  • 8. Nesse novo modelo de produção de mercadorias e serviços, alguns impactos para as organizações e pessoas podem ser verificados: - Trabalhadores mais qualificados e maior cobrança sobre eles; - Estruturas organizacionais menos hierarquizadas e mais horizontalizadas; - Foco na criatividade e na inovação de produtos e serviços; -Foco nos processos produtivos e no desenvolvimento do capital intelectual; - Produtos menos tangíveis e de maior valor agregado.
  • 9. Para pensar: Quem é o homem mais rico do mundo? O que ele produz? Qual é a empresa mais rica do mundo? O que ela produz?
  • 10.
  • 11.
  • 12. Nessa sociedade o conhecimento é valorizado em todas as dimensões 1 - Dimensão Humana: foco na educação, educar as pessoas tornou-se diferencial de competitividade dos países e das grandes organizações. Não é coincidência: os países mais ricos (primeiro mundo) têm como objetivo o desenvolvimento pessoal e intelectual de seu povo. Veja o exemplo da Coréia: em 1980, seu PIB não aparecia entre os 50 países mais ricos, enquanto o Brasil era o 8º. Em 2007, a Coréia era a 12ª economia mais rica e dinâmica, enquanto o Brasil era a 13ª. Isso significa que o Brasil está perdendo competitividade (veja palestra do Prof. Marcos Cavalcanti). Se perguntarmos, qual a riqueza desses dois países?
  • 13. Sabemos que o Brasil possui as maiores reservas de petróleo, minério de ferro, xisto betuminoso, urânio, água doce do planeta, sem contar a biodiversidade da floresta amazônica e tantas outras mais. E a Coréia? Qual é a sua maior riqueza? O seu povo! Segundo Cavalcanti, a educação foi o fator crítico de sucesso da Coreia. Em 1980, o Brasil registrava 40 patentes nos Estados Unidos, enquanto a Coreia quase nada. Em 2008, o Brasil pulou para 80, enquanto a Coreia para mais de 3.000 patentes registradas somente nos Estados Unidos.
  • 14. 2 – Dimensão Tecnológica: foco nas novas tecnologias da informação e do conhecimento. Produtos com valor agregado. Produção de softwares. Quais são os produtos do Brasil? Ferro, aço, soja, carne... agronegócio. Quais são os produtos da Coreia? Carros, computadores, smartphones, televisores de plasma e de LCD, etc. Produtos de valor agregado, com uso intensivo de conhecimento.
  • 15. 3 – Dimensão Cultura: como os brasileiros veem a escola? A educação é prioridade? Como os coreanos enxergam a escola? Há uma nítida diferença de pontos de vista. Como os brasileiros veem o trabalho? E os coreanos? É inegável que o Brasil possui uma cultura riquíssima, mas não está sendo explorada como capital intangível e consequentemente com valor agregado. E o jeitinho brasileiro? É saudável em nosso país? E nos demais?
  • 16.
  • 17. A Economia do Conhecimento Na economia do conhecimento ocorre, conforme o óbvio, a troca de produtos e serviços com valor agregado, ou seja, com o conhecimento. É uma economia que produz vantagens competitivas (capacidade de inovar e criar novos produtos e serviços) para as empresas que têm o conhecimento (capital intelectual), a inovação, a criatividade e o empreendedorismo como fatores críticos. São empresas que tomam decisões e dinamizam o crescimento econômico de um país ou nação através do uso intensivo do conhecimento. A economia do conhecimento baseia-se na valoração do conteúdo, do compartilhamento e do uso intenso de produtos e serviços com valores agregados.
  • 18. Velha Economia X Nova Economia Aspectos dominantes Velha economia Nova economia Características Gerais Mercados Estáveis Dinâmicos Âmbito de competitividade Nacional Global Estrutura Organizacional Hierárquica e burocrática Em rede Indústria Organização da produção Produção de massa Produção flexível Principais motores do crescimento Capital e mão de obra Inovação e conhecimento
  • 19. Velha Economia X Nova Economia Aspectos dominantes Velha economia Nova economia Fontes de vantagens competitivas Redução de custo via economias Inovação, qualidade, tempo de acesso à mercados. Importância da pesquisa e inovação Baixa à moderada Alta Relações com outras empresas Muito pouco frequentes Alianças e parcerias
  • 20. Velha Economia X Nova Economia Aspectos dominantes Velha economia Nova economia Capital Humano Objetivos políticos Pleno emprego Salário-renda elevados Competências Específicas ao posto de trabalho Competências genéricas Requisitos de educação Titulação ou técnica competente Formação contínua Relações de trabalho Chefe/ empregado Colaborativas Emprego Estável Mercado por risco e oportunidades Fonte: Matos e Guimarães (2005)
  • 21. Questões para reflexão: 1 – Segundo Squirra (apud Contini, p. 262) a economia do conhecimento é a mobilização das competências empresarias, acadêmicas e tecnológicas com o objetivo de melhorar o nível de vida das populações. Podemos afirmar que esse propósito vai ao encontro da gestão do conhecimento nas empresas? Justifique-se. 2 – Alguns autores, como Cavalcanti e Drucker, afirmam que a Sociedade do Conhecimento pode gerar países marginalizados, isto é, países que não tem acesso ao conhecimento e às novas tecnologias. Pensando neste contexto, em qual categoria poderíamos colocar o Brasil? Justifique-se. 3 – Squirra afirma que a Sociedade do Conhecimento pode gerar novas formas de exclusão, tanto para países como para pessoas, aumentando ainda mais as diferenças entre ricos e pobres. Quais seriam essas formas de exclusão? Como elas se configuram no mundo corporativo?
  • 22. REFERÊNCIAS ANGELONI, M. T. (Org.) Organizações do Conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologia, 2. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2008. BRITO, L. M. P., Gestão do conhecimento – instrumento de apropriação pelo capital do saber do trabalhador, Cadernos de Educação, FaE/PPGE/UFPel, Pelotas: 135 - 148, janeiro/junho 2008. NONAKA, I. e TAKEUCHI, H. Criação do Conhecimento na Empresa: como as empresas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus,1997. SQUIRRA, S. Sociedade do conhecimento. In: MARQUES DE MELO & SATHER, orgs., Direitos à Comunicação na Sociedade da Informação. São Bernardo do Campo, Editora da UMESP, 2005. ARTIGOS: GUEDES, S. Sociedade do Conhecimento: a exclusão como herança histórica ?, Disponível em: http://www2.metodista.br/unesco/agora/PMC_Acervo_Entretanto_squirra.pdf, acesso em: 20/03/2016 CAVALCANTI, M; GOMES, E. Inteligência Empresarial: um novo modelo de gestão para a nova economia. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6412/4997 PALESTRA: Prof. Dr. Marcos Cavalcanti Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=aRRpWgxXRd0, acesso em: 20/03/2016