SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
Baixar para ler offline
Aula 8
Cultura Organizacional e
Gestão do Conhecimento
Educação Corporativa
Carlos Luiz Alves
Entender a cultura organizacional é compreender os
comportamentos dos indivíduos, é estabelecer uma estratégia
de mudança a partir dos pressupostos da gestão do
conhecimento.
Objetivos:
- Definir cultura e cultura organizacional
- Conhecer os elementos que compõem a cultura organizacional.
- Compreender as dificuldades de implementação de mudanças
tendo como referência a cultura organizacional;
- Implementar mudanças na cultura organizacional
No nosso dia a dia, constantemente ouvimos falar que tal
indivíduo tem uma cultura fantástica, quando pretendermos
elogiar seu conhecimento e suas vivências. É comum também
ouvirmos esta expressão em projetos ditos culturais, que
representam as manifestações artísticas de uma dada cidade ou
região.
Mas, afinal o que é cultura?
Cultura é o conjunto de ideias, crenças, arte, moral, direito,
hábitos e padrões de comportamento que caracterizam uma
sociedade e que, oportunamente, modelam também os
comportamentos dos indivíduos, estabelecendo modelos
mentais (Senge) e arquétipos (Carl Jung)
É por meio das várias instituições sociais (família, clube, escola,
empresa, etc.) que aprendemos a cultura do país e da região em
que estamos inseridos. É pelo processo de socialização (tácito
para tácito) que assimilamos os valores, as crenças de uma
determinada sociedade.
É por meio das várias instituições sociais (família, clube, escola,
empresa, etc.) que aprendemos a cultura do país e da região em
que estamos inseridos. É pelo processo de socialização (tácito
para tácito) que assimilamos os valores, as crenças de uma
determinada sociedade.
Não podemos valorizar uma cultura de um povo em detrimento
de uma outra, pois são coisas totalmente distintas que
representam um universo próprio de sentidos de uma
determinada sociedade.
Precisamos também compreender que as diferenças culturais
fazem com que uma palavra, objeto, gesto ou manifestação
adquiram sentidos também diferentes. Vejam alguns exemplos:
A palavra rapariga tem uma conotação negativa no Brasil,
enquanto em Portugal trata-se de uma jovem moça. Unir os
dedos indicador e polegar, para dizer OK, nos Estados Unidos é
perfeitamente normal, enquanto no Brasil, é considerado uma
grave ofensa.
É por meio das interações sociais, da linguagem, do
vestuário, da estética e dos hábitos alimentares que uma
cultura é transmitida e se manifesta.
- Interações Sociais – hábitos de apertar as mãos (indicando
amizade, respeito), bater palmas nas frentes das casas (chamar as
pessoas), beijar o rosto (em sinal de respeito e amizade), dar
presentes, etc.
- Linguagem – algumas palavras são evitadas em determinados
contextos sociais, pois fazem referências às questões da
sexualidade.
- Vestuário – no Afeganistão as mulheres solteiras usam uma
burca (roupa que encobre todo o corpo).
- Estética – em algumas tribos africanas, algumas mulheres
possuem um pescoço alongado (mulheres-girafa) como símbolo
de beleza e prestígio. No Japão, os pés das meninas são reduzidos
por um sapatinho.
- Hábitos Alimentares – Na França, há consumo de escargots. No
Brasil, há o costume de consumir tanajuras (formigas saúvas),
corações e moelas de frango.
Em um mesmo país, podemos ter diferentes culturas. Na
Região Sul é comum o consumo do Chimarrão (mate quente
em uma cuia), enquanto na Região Nordeste há o consumo de
“buchada de bode”.
Cultura Indiana: alguns aspectos
A Cultura Indiana é rica em vários aspectos e fortemente estabelecida em características marcantes
decorrentes da forma como os indianos vivem.
Uma de suas particularidades é a sociedade estratificada (castas). Na organização social através de
castas, a permanência no mesmo grupo social ao longo da vida do indivíduo é obrigatória.
A música relaciona-se fortemente com a religião desse povo, para o qual essa arte traz o equilíbrio
Religião
As religiões indianas são: Hinduísmo, Budismo, Jainismo e Sikhismo. O Hinduísmo é das religiões que
compreende o maior número de adeptos no mundo.
As casas indianas costumam ter um santuário onde os atos de adoração envolvem oferenda de incenso, flores e
frutos aos deuses.
Além de orações, os mantras (considerados sons poderosos e divinos) são praticados pelo povo indiano que têm o
costume de fazer peregrinações.
Uma delas consiste em ir até ao rio Ganges para lá jogar as cinzas dos mortos, o que, de acordo com a crença da
Índia, assegura o descanso eterno das suas almas.
Deuses
A divindade na Índia é composta por uma série de deuses; o Hinduísmo - principal religião nesse país - é
politeísta. Shiva é o principal deus do Hinduísmo e é conhecido como o destruidor. Junto com Brahma (o
criador) e Vishnu (o conservador) simbolizam a trindade hindu, a qual, representa a relação cíclica de destruição,
criação e conservação.
Costumes
Casamento
O casamento indiano é uma festa que dura pelo menos um dia inteiro, em que há muito colorido na decoração e,
especialmente, mesa farta.
Para o casamento, a noiva se prepara durante um semana. As suas mãos, pés e braços são tatuados com a técnica
da henna, cuja tinta permanece na pele apenas alguns dias. A tatuagem consiste nas letras do nome do seu noivo.
A noiva indiana não se veste de branco, mas sim roupas bastante coloridas, especialmente em tons avermelhados.
Vestuário
Sari, kurta e dothi são os nomes de algumas peças do vestuário indiano. O sari, que é uma grande peça de pano,
é uma veste feminina que pode ser amarrada de várias formas. A maneira como é vestida varia não só das regiões
da Índia como do estatuto da mulher que a veste, de modo que esse traje transmite a sua classe social, bem como
o seu estilo de vida.
O kurta e o dothi, por sua vez, são vestes masculinas.
Gastronomia
A maior parte dos indianos não comem carne de vaca. Eles são vegetarianos porque na Índia, esse animal é
sagrado.
A gastronomia indiana caracteriza-se por ser bem condimentada, pela diversidade das especiarias e pelo
abundante uso de frutos secos. A bebida de predileção é o chá.
Dança
É considerada uma dança exótica para os brasileiros. Não só em termos dos movimentos, mas também em
virtude das vestes e adereços utilizados pelas dançarinas (pulseiras e tornozeleiras), os quais ajudam a promover
mais musicalidade.
Os mudras ajudam a compor os movimentos que requerem bastante técnica dessa bela dança. Esses gestos com
as mãos evocam os ensinamentos de Buda e são usados durante a meditação.
A Cultura Organizacional
Cada organização tem sua cultura, ou seja, sua maneira de gerir e
resolver problemas. Quem já transitou por várias delas, sabe o
quanto é importante ter flexibilidade e capacidade de adaptação.
As organizações trazem as culturas de seus países de origem e sofrem
influências da região, cidade ou país em que estão sediadas. Neste
contexto, saber que nenhuma organização está imune à cultura,
compreender as crenças, os valores que são compartilhados pelos
seus membros, é condição indispensável para se compreender o
funcionamento e entender a identidade de uma empresa.
Sendo assim, a cultura organizacional é um universo simbólico
que se apresenta no dia a dia através das atitudes,
comportamentos, valores, reações, linguagens, vestimenta,
ritos, mitos e etc.
O importante é compreender que uma cultura organizacional
pode ser modificada, controlada e gerenciada
intencionalmente. Por meios de recrutamentos e seleção
adequados, treinamentos constantes e orientados pelos valores
da organização, salários dignos... possibilitam o surgimento de
uma cultura mais arrojada diante dos desafios que são impostos
pela modernidade às empresas.
Desta forma, a cultura organizacional são os símbolos, imagens,
mitos, estórias, linguagem, rituais, cerimônias, hábitos e
valores, além da organização espacial, arquitetura, móveis e
espaço físico das organizações.
Alguns aspectos da cultura organizacional são bastante
evidentes, como as festas de final de ano, com a participação de
todos os colaboradores, que se tornou um ritual. Ou na hora das
refeições, que alguns líderes, como o presidente da organização,
através de um circuito interno de TV, conversa com todos os
funcionários, mostrando-lhes os resultados e motivando-os para
os próximos desafios.
Muitas empresas trabalham com mitos, como as histórias de
sucesso de seus idealizadores e formadores. Veja, por
exemplo, a história de Steve Jobs na Apple, ou a de Bill Gates
na Microsoft.
Para Jung a cultura é vista como estereótipos (modelos sociais)
que “modelam” a nossa forma de ser e ou agir. São por meio
desses modelos, que compreendemos melhor o outro e
falamos basicamente na mesma linguagem. A cultura faz com
que a nossa comunicação seja mais eficiente e eficaz.
Alguns traços de uma cultura organizacional podem ser
verificados nos modos como a empresa tratam seus diversos
skateholders (clientes, fornecedores, imprensa, investidores,
etc). Podemos também ver nos modos de como negociam
(comportamento agressivo ou conservador) ou no grau de
autonomia que a organização dá a seus gerentes e demais
colaboradores, em que se estabelecem um vínculo. Um bom
exemplo de vínculo é o caso da Varig em que seus funcionários
chegaram a abrir mão de suas indenizações para salvar a
companhia da falência.
“A Varig era mais que uma empresa, era um modo de vida e uma
referência no cenário nacional e deixá-la fechar não representava
apenas o fim de uma empresa, mas o término de tudo aquilo em
que se acreditava e que havia sido construído”.
A Varig pertencia à Fundação Rubem Berta. Uma fundação, cujos
membros eram os próprios funcionários. Seu idealizador, Rubem
Berta, deixou todas as ações da empresa em mãos de seus
funcionários. Por décadas, foram os funcionários que
administraram a empresa, um modelo de gestão organizacional
que dava orgulho à nação e a todos os seus funcionários.
A cultura organizacional trata das normas informais que
orientam a ação dos membros com foco nos objetivos, visão e
missão da empresa. Ao se pensar o planejamento estratégico, é
importante que os líderes levem em consideração esses
critérios, sob pena de ir para lugar nenhum.
Aspectos da cultura brasileira que influenciam a cultura das
organizações
Quando falamos da cultura brasileira, falamos de um processo
étnico e multicultural que a caracteriza, proveniente da
miscigenação de três povos: o europeu, o africano e o indígena.
Alguns traços são perceptíveis:
1 – Hierarquia
O Brasil sempre foi marcado pela hierarquia, ou seja, a divisão
entre senhores e escravos, entre coronéis e empregados, entre
governantes e governados. Isso é proveniente de nossa época
colonial e imperial, em que reis e governadores (cultos)
detinham controle sobre a população (inculta).
Na França, devido a suas várias revoluções, há menos hierarquia
e menor distância entre ricos e pobres, devido aos seus ideais
de igualdade, fraternidade e liberdade pregados em fins do
século XVIII.
2 – Paternalismo
A família brasileira sempre foi patriarcal. Devido ao próprio
processo civilizatório. Há um grau de dependência entre
senhores de engenho e escravos, entre monarcas e súditos,
entre protetores e protegidos. As expressões “ ser amigo do
rei”, “aos amigos tudo, aos inimigos a lei”, são marcas de nossa
cultura.
3 – Jeitinho
O famoso “jeitinho brasileiro” é fruto desse modo de organizar a
sociedade. Para burlar leis e normas, sempre se descobriu um
“jeitinho” para proteger amigos e pessoas ligados ao nosso
círculo. Embora tenha um traço de criatividade, o “jeitinho”
pode ser um problema, como o que pode ser visto no atual
cenário político em que se encontra a nação brasileira.
4 – Senso desbravador
Herança dos bandeirantes que exploraram a terra e dos jesuítas e
navegadores portugueses, este espírito desbravador,
“empreendedor”, é marca de nossa sociedade. Sempre há um
jeitinho para superar as dificuldades.
5 – Cordialidade
Os brasileiros são conhecidos pela cordialidade. Temos um
Cristo com braços abertos. Seguimos muitas vezes os impulsos
do coração. Veja o exemplo que ocorreu durante a Copa de
2014 em que os jogadores foram solidários com a saída
prematura de Neymar e esqueceram de jogar! Fato que
culminou com a famosa derrota diante da seleção alemã.
Esses traços de nossa cultura marcam profundamente as
organizações que operam no Brasil. Saber lidar com eles, é
fator de sucesso para uma gestão voltada ao conhecimento.
A cultura organizacional como interpretação da realidade
A partir de 1980, o conceito de cultura organizacional passou
por uma profunda restruturação. Atualmente, podemos
compreendê-lo a partir de duas vertentes: a mecanicista e a
holográfica.
1 – Mecanicista – nesta abordagem, a cultura organizacional
pode ser compreendida por diferentes elementos distintos, tais
como: crenças, valores, histórias, mitos, heróis, normas e rituais.
Acredita-se que é possível interferir e ou modificar a cultura de
uma empresa, a partir da manipulação de cada elemento
(variável). Nesta visão, a soma das partes acaba constituindo o
todo. Verificou-se também que tal abordagem não reflete
necessariamente a realidade, uma vez que os elementos podem
não pertencer necessariamente à organização, mas fazer parte
das pessoas. Neste caso, uma abordagem psicológica se faz
necessária.
2 – Holográfica - nesta abordagem, a cultura organizacional é
entendida como um reflexo da interpretação da organização feita
pelos seus colaboradores. Como em uma holografia, cada parte
contém características do todo. Em outras palavras, cada parte
reflete o todo.
A cultura organizacional na gestão do conhecimento
A gestão do conhecimento se tornou uma forma estratégica de
alavancar a produtividade e competitividade das organizações.
Só para se ter uma ideia dessa nova sistemática, em 1998, 28%
das empresas norte-americanas a adotavam. Entre 1998 e
2002, esta taxa aumentou para 96%, um salto quântico!
Segundo a revista Information Strategy Online, 73% dos
executivos entrevistados tratam deste tema, dada a
importância desta abordagem nos dias atuais.
Neste contexto, a cultura organizacional ganha relevância, pois
interfere significativamente no desenvolvimento do capital
intelectual das organizações. Ela é vista como uma
superestrutura que, incorporada ao coletivo humano, possibilita
a geração, o uso e o compartilhamento do conhecimento.
Algumas características presentes da cultura que possibilitam a
gestão do conhecimento:
- Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente
em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos.
- Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente
em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos.
- Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de
encontrar soluções aos problemas da organização.
- Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente
em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos.
- Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de
encontrar soluções aos problemas da organização.
- Uso intensivo do conhecimento nas soluções de problemas.
- Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente
em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos.
- Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de
encontrar soluções aos problemas da organização.
- Uso intensivo do conhecimento nas soluções de problemas.
- Crença no desenvolvimento das pessoas e da organização.
- Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente
em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos.
- Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de
encontrar soluções aos problemas da organização.
- Uso intensivo do conhecimento nas soluções de problemas.
- Crença no desenvolvimento das pessoas e da organização.
- Pressuposto de que a troca de informações é confiável.
- Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente
em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos.
- Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de
encontrar soluções aos problemas da organização.
- Uso intensivo do conhecimento nas soluções de problemas.
- Crença no desenvolvimento das pessoas e da organização.
- Pressuposto de que a troca de informações é confiável.
- Permanente análise dos múltiplos fatores que estão envolvidas
as organizações e suas inter-relações.
Trabalhando a cultura organizacional visando à gestão do
conhecimento
Partindo do entendimento de cultura e suas inter-relações com a
psique humana, as mudanças culturais de uma organização
podem ocorrer de duas maneiras: revolucionariamente ou
gradualmente.
A forma revolucionária é traumática, arriscada e potencialmente
destrutiva, como no caso de reengenharia de empresas. Já a
forma gradual é mais “humana”, ela permite que haja uma
adaptação às novas formas propostas para o ambiente
empresarial.
Há duas maneiras de trabalhar a questão cultural nas
organizações: uma externa aos indivíduos, por meio do estilo
gerencial; e a outra interna, através das mudanças de modelos
mentais.
No estilo gerencial, os líderes
- Contratam e mantém subordinados de acordo com os seus perfis.
No estilo gerencial, os líderes
- Contratam e mantém subordinados de acordo com os seus perfis.
- Doutrinam e socializam subordinados, segundo seu modo de
pensar e agir.
No estilo gerencial, os líderes
- Contratam e mantém subordinados de acordo com os seus perfis.
- Doutrinam e socializam subordinados, segundo seu modo de
pensar e agir.
- Sinalizam suas posturas e comportamentos como estilo que deve
ser seguido e imitado pelos seus subordinados.
No estilo gerencial, os líderes
- Contratam e mantém subordinados de acordo com os seus perfis.
- Doutrinam e socializam subordinados, segundo seu modo de
pensar e agir.
- Sinalizam suas posturas e comportamentos como estilo que deve
ser seguido e imitado pelos seus subordinados.
- Redefinem processos e rotinas organizacionais que servem de
apoio às mudanças pretendidas.
Embora se trate de um pensamento autoritário, este modelo pode
levar a resultados concretos em relação às mudanças incrementais
na cultura da organização.
No trabalho com modelos mentais, os líderes devem
trabalhar com componentes psicológicos de sua equipe, que
fomentam modelos mentais, que segundo Senge (1990), são
as formas pelas quais vemos e interpretamos o mundo e que
influenciam o nosso agir. Isso ocorre por meio da
comunicação e do diálogo, em que padrões e
comportamentos nocivos, que impedem às mudanças, são
“conscientizados” pelos seus membros.
CONCLUSÃO
Finalmente compreender a cultura organizacional é uma
etapa importante para uma gestão focada no
desenvolvimento do conhecimento de uma organização,
como já vimos, tornou-se fator de sucesso para o
estabelecimento da competitividade e de garantia de
sobrevivência.
ATIVIDADES: CASO PLANEJAMENTO DE CULTURA ORGANIZACIONAL
Considere que vocês pretendam abrir uma empresa de pequeno porte, conforme abaixo
descrito, dada a identificação de demanda para a cidade de São Paulo e região. Seu negócio:
restaurante de comida indiana. Seus clientes: classes econômicas A e B. Capacidade inicial:
10 mesas (40 pessoas simultaneamente, aproximadamente). Para seu pleno funcionamento
nos 6 primeiros meses, você precisará de recursos humanos assim distribuídos, conforme
levantamento preliminar: 1 Chef, 5 cozinheiros, 10 ajudantes, 6 garçons, 1 recepcionista, 1
caixa, 1 serviços gerais. As funções gerenciais e administrativas, inclusive de atendimento aos
clientes, são divididas entre os sócios (vocês). Definam: - missão - visão de futuro para 5
anos. Apontem e descrevam quais seriam os elementos centrais de sua cultura
organizacional – a ser criada e desenvolvida: - crenças e pressupostos = estabeleçam 3 -
valores = estabeleçam 5. Descrevam políticas e práticas que vocês adotariam para realizar
a missão e a visão da empresa, no que diz respeito a: - recrutamento e seleção -
reconhecimento do trabalho e desempenho - demissão - comportamentos esperados. Em
linhas gerais: Que traços da cultura brasileira vocês evitariam e como? Que traços da
cultura brasileira vocês explorariam e como?
ATIVIDADES
1 – Como as características das culturas regionais de um povo
podem auxiliar ou dificultar os processos de mudança de uma
organização?
2 – Quais as principais características da cultura organizacional
que favorecem a gestão do conhecimento?
3 – Que práticas poderiam ser aplicadas caso fosse adotada uma
estratégia de mudança cultural revolucionária? Quais são seus
limites e riscos?
4 – Por que uma estratégia de mudança gradual da cultura
organizacional é mais indicada na gestão do conhecimento?
REFERÊNCIAS
ANGELONI, M. T. (Org.) Organizações do Conhecimento:
infraestrutura, pessoas e tecnologia, 2. Ed. – São Paulo:
Saraiva, 2008.
SVEIBY, Karl Erick. A nova riqueza das organizações. Rio de
Janeiro: Campus, 1998.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura e clima organizacional xerox lins 2010
Cultura e clima organizacional xerox lins 2010Cultura e clima organizacional xerox lins 2010
Cultura e clima organizacional xerox lins 2010Givanildo Ribas
 
Benefícios e serviços
Benefícios e serviços Benefícios e serviços
Benefícios e serviços Rosane Queiroz
 
trabalho colaborativo
trabalho colaborativotrabalho colaborativo
trabalho colaborativossuser6ee2851
 
Rh gestão de carreiras
Rh gestão de carreirasRh gestão de carreiras
Rh gestão de carreirasMarco Oliveira
 
FGM - Branding - Estratégias - Parte 2
FGM - Branding - Estratégias - Parte 2FGM - Branding - Estratégias - Parte 2
FGM - Branding - Estratégias - Parte 2Jonas Jaeger
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Introdução ao estudo da fisiologia: parte 01
Introdução ao estudo da fisiologia: parte 01Introdução ao estudo da fisiologia: parte 01
Introdução ao estudo da fisiologia: parte 01Prof. Saulo Bezerra
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e EquipesJOSUE DIAS
 
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptxFillipeNolascoFrana
 
Introdução ao desenvolvimento embrionário
Introdução ao desenvolvimento embrionárioIntrodução ao desenvolvimento embrionário
Introdução ao desenvolvimento embrionárioElizabete Costa
 
Unidade 1 GestãO De Pessoas Unidade 01
Unidade 1   GestãO De Pessoas Unidade 01Unidade 1   GestãO De Pessoas Unidade 01
Unidade 1 GestãO De Pessoas Unidade 01milkinha
 
Cultura Organizacional - cultura como uma metáfora e metáfora de culturas.
Cultura Organizacional - cultura como uma metáfora e metáfora de culturas.Cultura Organizacional - cultura como uma metáfora e metáfora de culturas.
Cultura Organizacional - cultura como uma metáfora e metáfora de culturas. Carlos Jonathan Santos
 
A Influência da Cultura Organizacional no Processo de Liderança e Poder
A Influência da Cultura Organizacional no Processo de Liderança e PoderA Influência da Cultura Organizacional no Processo de Liderança e Poder
A Influência da Cultura Organizacional no Processo de Liderança e PoderPaulo Saldanha
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalCarlos Alves
 

Mais procurados (20)

Cultura e clima organizacional xerox lins 2010
Cultura e clima organizacional xerox lins 2010Cultura e clima organizacional xerox lins 2010
Cultura e clima organizacional xerox lins 2010
 
Benefícios e serviços
Benefícios e serviços Benefícios e serviços
Benefícios e serviços
 
trabalho colaborativo
trabalho colaborativotrabalho colaborativo
trabalho colaborativo
 
Empresas Antifrágeis: como se beneficiar de crises e eventos inesperados
Empresas Antifrágeis: como se beneficiar de crises e eventos inesperadosEmpresas Antifrágeis: como se beneficiar de crises e eventos inesperados
Empresas Antifrágeis: como se beneficiar de crises e eventos inesperados
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
 
Rh gestão de carreiras
Rh gestão de carreirasRh gestão de carreiras
Rh gestão de carreiras
 
FGM - Branding - Estratégias - Parte 2
FGM - Branding - Estratégias - Parte 2FGM - Branding - Estratégias - Parte 2
FGM - Branding - Estratégias - Parte 2
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
 
Distinção entre Cargo e função
Distinção entre Cargo e funçãoDistinção entre Cargo e função
Distinção entre Cargo e função
 
Áreas_funcionais_das_organizacões
Áreas_funcionais_das_organizacõesÁreas_funcionais_das_organizacões
Áreas_funcionais_das_organizacões
 
Introdução ao estudo da fisiologia: parte 01
Introdução ao estudo da fisiologia: parte 01Introdução ao estudo da fisiologia: parte 01
Introdução ao estudo da fisiologia: parte 01
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e Equipes
 
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
 
Introdução ao desenvolvimento embrionário
Introdução ao desenvolvimento embrionárioIntrodução ao desenvolvimento embrionário
Introdução ao desenvolvimento embrionário
 
Unidade 1 GestãO De Pessoas Unidade 01
Unidade 1   GestãO De Pessoas Unidade 01Unidade 1   GestãO De Pessoas Unidade 01
Unidade 1 GestãO De Pessoas Unidade 01
 
Cultura Organizacional - cultura como uma metáfora e metáfora de culturas.
Cultura Organizacional - cultura como uma metáfora e metáfora de culturas.Cultura Organizacional - cultura como uma metáfora e metáfora de culturas.
Cultura Organizacional - cultura como uma metáfora e metáfora de culturas.
 
A Influência da Cultura Organizacional no Processo de Liderança e Poder
A Influência da Cultura Organizacional no Processo de Liderança e PoderA Influência da Cultura Organizacional no Processo de Liderança e Poder
A Influência da Cultura Organizacional no Processo de Liderança e Poder
 
Planejamento de endomarketing
Planejamento de endomarketingPlanejamento de endomarketing
Planejamento de endomarketing
 
Tecidos animais
Tecidos animais Tecidos animais
Tecidos animais
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 

Semelhante a Cultura organizacional e gestão do conhecimento na Índia

Semelhante a Cultura organizacional e gestão do conhecimento na Índia (20)

Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoAula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
 
Cultura e clima organizacional aula1
Cultura e clima organizacional aula1Cultura e clima organizacional aula1
Cultura e clima organizacional aula1
 
Cultura e Clima Organizacionais
Cultura e Clima OrganizacionaisCultura e Clima Organizacionais
Cultura e Clima Organizacionais
 
Aula 2 sociedade e cultura
Aula 2   sociedade e culturaAula 2   sociedade e cultura
Aula 2 sociedade e cultura
 
Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - Psicologia
 
Escola cultural
Escola culturalEscola cultural
Escola cultural
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Cultura Organizacional .ppt
Cultura Organizacional .pptCultura Organizacional .ppt
Cultura Organizacional .ppt
 
Cultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedadeCultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedade
 
completo_valores_e_etica_humana (1).ppt
completo_valores_e_etica_humana (1).pptcompleto_valores_e_etica_humana (1).ppt
completo_valores_e_etica_humana (1).ppt
 
Cultura.ppt
Cultura.pptCultura.ppt
Cultura.ppt
 
O que é cultura para a sociologia
O que é cultura para a sociologiaO que é cultura para a sociologia
O que é cultura para a sociologia
 
Cultura Organizacional
Cultura Organizacional Cultura Organizacional
Cultura Organizacional
 
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANOSocialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Cultura
Cultura Cultura
Cultura
 
Cultura organizacional.
Cultura organizacional.Cultura organizacional.
Cultura organizacional.
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Comportamento do consumidor online
Comportamento do consumidor online Comportamento do consumidor online
Comportamento do consumidor online
 
Cultura Oganizacional
Cultura OganizacionalCultura Oganizacional
Cultura Oganizacional
 

Mais de Carlos Alves

Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualCarlos Alves
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaCarlos Alves
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoCarlos Alves
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemCarlos Alves
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaCarlos Alves
 
Aula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoAula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoCarlos Alves
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimentoCarlos Alves
 
Aula 11 Relação com os investidores
Aula 11   Relação com os investidoresAula 11   Relação com os investidores
Aula 11 Relação com os investidoresCarlos Alves
 
Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda CorporativaCarlos Alves
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoCarlos Alves
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Carlos Alves
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análiseCarlos Alves
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação InstitucionalCarlos Alves
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualCarlos Alves
 
Aula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingAula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingCarlos Alves
 
Aula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalAula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalCarlos Alves
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação internaCarlos Alves
 
Aula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoAula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoCarlos Alves
 

Mais de Carlos Alves (20)

Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE Básico
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação Corporativa
 
Aula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoAula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e Inovação
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
 
Aula 11 Relação com os investidores
Aula 11   Relação com os investidoresAula 11   Relação com os investidores
Aula 11 Relação com os investidores
 
Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda Corporativa
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação Institucional
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 
Aula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingAula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketing
 
Aula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalAula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacional
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação interna
 
Aula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoAula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimento
 

Cultura organizacional e gestão do conhecimento na Índia

  • 1. Aula 8 Cultura Organizacional e Gestão do Conhecimento Educação Corporativa Carlos Luiz Alves
  • 2.
  • 3. Entender a cultura organizacional é compreender os comportamentos dos indivíduos, é estabelecer uma estratégia de mudança a partir dos pressupostos da gestão do conhecimento.
  • 4. Objetivos: - Definir cultura e cultura organizacional - Conhecer os elementos que compõem a cultura organizacional. - Compreender as dificuldades de implementação de mudanças tendo como referência a cultura organizacional; - Implementar mudanças na cultura organizacional
  • 5. No nosso dia a dia, constantemente ouvimos falar que tal indivíduo tem uma cultura fantástica, quando pretendermos elogiar seu conhecimento e suas vivências. É comum também ouvirmos esta expressão em projetos ditos culturais, que representam as manifestações artísticas de uma dada cidade ou região. Mas, afinal o que é cultura?
  • 6. Cultura é o conjunto de ideias, crenças, arte, moral, direito, hábitos e padrões de comportamento que caracterizam uma sociedade e que, oportunamente, modelam também os comportamentos dos indivíduos, estabelecendo modelos mentais (Senge) e arquétipos (Carl Jung)
  • 7. É por meio das várias instituições sociais (família, clube, escola, empresa, etc.) que aprendemos a cultura do país e da região em que estamos inseridos. É pelo processo de socialização (tácito para tácito) que assimilamos os valores, as crenças de uma determinada sociedade.
  • 8. É por meio das várias instituições sociais (família, clube, escola, empresa, etc.) que aprendemos a cultura do país e da região em que estamos inseridos. É pelo processo de socialização (tácito para tácito) que assimilamos os valores, as crenças de uma determinada sociedade. Não podemos valorizar uma cultura de um povo em detrimento de uma outra, pois são coisas totalmente distintas que representam um universo próprio de sentidos de uma determinada sociedade.
  • 9. Precisamos também compreender que as diferenças culturais fazem com que uma palavra, objeto, gesto ou manifestação adquiram sentidos também diferentes. Vejam alguns exemplos:
  • 10. A palavra rapariga tem uma conotação negativa no Brasil, enquanto em Portugal trata-se de uma jovem moça. Unir os dedos indicador e polegar, para dizer OK, nos Estados Unidos é perfeitamente normal, enquanto no Brasil, é considerado uma grave ofensa.
  • 11. É por meio das interações sociais, da linguagem, do vestuário, da estética e dos hábitos alimentares que uma cultura é transmitida e se manifesta.
  • 12. - Interações Sociais – hábitos de apertar as mãos (indicando amizade, respeito), bater palmas nas frentes das casas (chamar as pessoas), beijar o rosto (em sinal de respeito e amizade), dar presentes, etc.
  • 13. - Linguagem – algumas palavras são evitadas em determinados contextos sociais, pois fazem referências às questões da sexualidade.
  • 14. - Vestuário – no Afeganistão as mulheres solteiras usam uma burca (roupa que encobre todo o corpo).
  • 15. - Estética – em algumas tribos africanas, algumas mulheres possuem um pescoço alongado (mulheres-girafa) como símbolo de beleza e prestígio. No Japão, os pés das meninas são reduzidos por um sapatinho.
  • 16. - Hábitos Alimentares – Na França, há consumo de escargots. No Brasil, há o costume de consumir tanajuras (formigas saúvas), corações e moelas de frango.
  • 17. Em um mesmo país, podemos ter diferentes culturas. Na Região Sul é comum o consumo do Chimarrão (mate quente em uma cuia), enquanto na Região Nordeste há o consumo de “buchada de bode”.
  • 18. Cultura Indiana: alguns aspectos A Cultura Indiana é rica em vários aspectos e fortemente estabelecida em características marcantes decorrentes da forma como os indianos vivem. Uma de suas particularidades é a sociedade estratificada (castas). Na organização social através de castas, a permanência no mesmo grupo social ao longo da vida do indivíduo é obrigatória. A música relaciona-se fortemente com a religião desse povo, para o qual essa arte traz o equilíbrio
  • 19. Religião As religiões indianas são: Hinduísmo, Budismo, Jainismo e Sikhismo. O Hinduísmo é das religiões que compreende o maior número de adeptos no mundo. As casas indianas costumam ter um santuário onde os atos de adoração envolvem oferenda de incenso, flores e frutos aos deuses. Além de orações, os mantras (considerados sons poderosos e divinos) são praticados pelo povo indiano que têm o costume de fazer peregrinações. Uma delas consiste em ir até ao rio Ganges para lá jogar as cinzas dos mortos, o que, de acordo com a crença da Índia, assegura o descanso eterno das suas almas.
  • 20. Deuses A divindade na Índia é composta por uma série de deuses; o Hinduísmo - principal religião nesse país - é politeísta. Shiva é o principal deus do Hinduísmo e é conhecido como o destruidor. Junto com Brahma (o criador) e Vishnu (o conservador) simbolizam a trindade hindu, a qual, representa a relação cíclica de destruição, criação e conservação.
  • 21. Costumes Casamento O casamento indiano é uma festa que dura pelo menos um dia inteiro, em que há muito colorido na decoração e, especialmente, mesa farta. Para o casamento, a noiva se prepara durante um semana. As suas mãos, pés e braços são tatuados com a técnica da henna, cuja tinta permanece na pele apenas alguns dias. A tatuagem consiste nas letras do nome do seu noivo. A noiva indiana não se veste de branco, mas sim roupas bastante coloridas, especialmente em tons avermelhados. Vestuário Sari, kurta e dothi são os nomes de algumas peças do vestuário indiano. O sari, que é uma grande peça de pano, é uma veste feminina que pode ser amarrada de várias formas. A maneira como é vestida varia não só das regiões da Índia como do estatuto da mulher que a veste, de modo que esse traje transmite a sua classe social, bem como o seu estilo de vida. O kurta e o dothi, por sua vez, são vestes masculinas.
  • 22.
  • 23. Gastronomia A maior parte dos indianos não comem carne de vaca. Eles são vegetarianos porque na Índia, esse animal é sagrado. A gastronomia indiana caracteriza-se por ser bem condimentada, pela diversidade das especiarias e pelo abundante uso de frutos secos. A bebida de predileção é o chá. Dança É considerada uma dança exótica para os brasileiros. Não só em termos dos movimentos, mas também em virtude das vestes e adereços utilizados pelas dançarinas (pulseiras e tornozeleiras), os quais ajudam a promover mais musicalidade. Os mudras ajudam a compor os movimentos que requerem bastante técnica dessa bela dança. Esses gestos com as mãos evocam os ensinamentos de Buda e são usados durante a meditação.
  • 24.
  • 25. A Cultura Organizacional Cada organização tem sua cultura, ou seja, sua maneira de gerir e resolver problemas. Quem já transitou por várias delas, sabe o quanto é importante ter flexibilidade e capacidade de adaptação.
  • 26. As organizações trazem as culturas de seus países de origem e sofrem influências da região, cidade ou país em que estão sediadas. Neste contexto, saber que nenhuma organização está imune à cultura, compreender as crenças, os valores que são compartilhados pelos seus membros, é condição indispensável para se compreender o funcionamento e entender a identidade de uma empresa.
  • 27. Sendo assim, a cultura organizacional é um universo simbólico que se apresenta no dia a dia através das atitudes, comportamentos, valores, reações, linguagens, vestimenta, ritos, mitos e etc.
  • 28. O importante é compreender que uma cultura organizacional pode ser modificada, controlada e gerenciada intencionalmente. Por meios de recrutamentos e seleção adequados, treinamentos constantes e orientados pelos valores da organização, salários dignos... possibilitam o surgimento de uma cultura mais arrojada diante dos desafios que são impostos pela modernidade às empresas.
  • 29. Desta forma, a cultura organizacional são os símbolos, imagens, mitos, estórias, linguagem, rituais, cerimônias, hábitos e valores, além da organização espacial, arquitetura, móveis e espaço físico das organizações.
  • 30. Alguns aspectos da cultura organizacional são bastante evidentes, como as festas de final de ano, com a participação de todos os colaboradores, que se tornou um ritual. Ou na hora das refeições, que alguns líderes, como o presidente da organização, através de um circuito interno de TV, conversa com todos os funcionários, mostrando-lhes os resultados e motivando-os para os próximos desafios.
  • 31. Muitas empresas trabalham com mitos, como as histórias de sucesso de seus idealizadores e formadores. Veja, por exemplo, a história de Steve Jobs na Apple, ou a de Bill Gates na Microsoft.
  • 32. Para Jung a cultura é vista como estereótipos (modelos sociais) que “modelam” a nossa forma de ser e ou agir. São por meio desses modelos, que compreendemos melhor o outro e falamos basicamente na mesma linguagem. A cultura faz com que a nossa comunicação seja mais eficiente e eficaz.
  • 33. Alguns traços de uma cultura organizacional podem ser verificados nos modos como a empresa tratam seus diversos skateholders (clientes, fornecedores, imprensa, investidores, etc). Podemos também ver nos modos de como negociam (comportamento agressivo ou conservador) ou no grau de autonomia que a organização dá a seus gerentes e demais colaboradores, em que se estabelecem um vínculo. Um bom exemplo de vínculo é o caso da Varig em que seus funcionários chegaram a abrir mão de suas indenizações para salvar a companhia da falência.
  • 34. “A Varig era mais que uma empresa, era um modo de vida e uma referência no cenário nacional e deixá-la fechar não representava apenas o fim de uma empresa, mas o término de tudo aquilo em que se acreditava e que havia sido construído”.
  • 35. A Varig pertencia à Fundação Rubem Berta. Uma fundação, cujos membros eram os próprios funcionários. Seu idealizador, Rubem Berta, deixou todas as ações da empresa em mãos de seus funcionários. Por décadas, foram os funcionários que administraram a empresa, um modelo de gestão organizacional que dava orgulho à nação e a todos os seus funcionários.
  • 36. A cultura organizacional trata das normas informais que orientam a ação dos membros com foco nos objetivos, visão e missão da empresa. Ao se pensar o planejamento estratégico, é importante que os líderes levem em consideração esses critérios, sob pena de ir para lugar nenhum.
  • 37. Aspectos da cultura brasileira que influenciam a cultura das organizações Quando falamos da cultura brasileira, falamos de um processo étnico e multicultural que a caracteriza, proveniente da miscigenação de três povos: o europeu, o africano e o indígena. Alguns traços são perceptíveis:
  • 38. 1 – Hierarquia O Brasil sempre foi marcado pela hierarquia, ou seja, a divisão entre senhores e escravos, entre coronéis e empregados, entre governantes e governados. Isso é proveniente de nossa época colonial e imperial, em que reis e governadores (cultos) detinham controle sobre a população (inculta).
  • 39. Na França, devido a suas várias revoluções, há menos hierarquia e menor distância entre ricos e pobres, devido aos seus ideais de igualdade, fraternidade e liberdade pregados em fins do século XVIII.
  • 40. 2 – Paternalismo A família brasileira sempre foi patriarcal. Devido ao próprio processo civilizatório. Há um grau de dependência entre senhores de engenho e escravos, entre monarcas e súditos, entre protetores e protegidos. As expressões “ ser amigo do rei”, “aos amigos tudo, aos inimigos a lei”, são marcas de nossa cultura.
  • 41. 3 – Jeitinho O famoso “jeitinho brasileiro” é fruto desse modo de organizar a sociedade. Para burlar leis e normas, sempre se descobriu um “jeitinho” para proteger amigos e pessoas ligados ao nosso círculo. Embora tenha um traço de criatividade, o “jeitinho” pode ser um problema, como o que pode ser visto no atual cenário político em que se encontra a nação brasileira.
  • 42. 4 – Senso desbravador Herança dos bandeirantes que exploraram a terra e dos jesuítas e navegadores portugueses, este espírito desbravador, “empreendedor”, é marca de nossa sociedade. Sempre há um jeitinho para superar as dificuldades.
  • 43. 5 – Cordialidade Os brasileiros são conhecidos pela cordialidade. Temos um Cristo com braços abertos. Seguimos muitas vezes os impulsos do coração. Veja o exemplo que ocorreu durante a Copa de 2014 em que os jogadores foram solidários com a saída prematura de Neymar e esqueceram de jogar! Fato que culminou com a famosa derrota diante da seleção alemã. Esses traços de nossa cultura marcam profundamente as organizações que operam no Brasil. Saber lidar com eles, é fator de sucesso para uma gestão voltada ao conhecimento.
  • 44. A cultura organizacional como interpretação da realidade A partir de 1980, o conceito de cultura organizacional passou por uma profunda restruturação. Atualmente, podemos compreendê-lo a partir de duas vertentes: a mecanicista e a holográfica.
  • 45. 1 – Mecanicista – nesta abordagem, a cultura organizacional pode ser compreendida por diferentes elementos distintos, tais como: crenças, valores, histórias, mitos, heróis, normas e rituais. Acredita-se que é possível interferir e ou modificar a cultura de uma empresa, a partir da manipulação de cada elemento (variável). Nesta visão, a soma das partes acaba constituindo o todo. Verificou-se também que tal abordagem não reflete necessariamente a realidade, uma vez que os elementos podem não pertencer necessariamente à organização, mas fazer parte das pessoas. Neste caso, uma abordagem psicológica se faz necessária.
  • 46. 2 – Holográfica - nesta abordagem, a cultura organizacional é entendida como um reflexo da interpretação da organização feita pelos seus colaboradores. Como em uma holografia, cada parte contém características do todo. Em outras palavras, cada parte reflete o todo.
  • 47. A cultura organizacional na gestão do conhecimento A gestão do conhecimento se tornou uma forma estratégica de alavancar a produtividade e competitividade das organizações. Só para se ter uma ideia dessa nova sistemática, em 1998, 28% das empresas norte-americanas a adotavam. Entre 1998 e 2002, esta taxa aumentou para 96%, um salto quântico! Segundo a revista Information Strategy Online, 73% dos executivos entrevistados tratam deste tema, dada a importância desta abordagem nos dias atuais.
  • 48. Neste contexto, a cultura organizacional ganha relevância, pois interfere significativamente no desenvolvimento do capital intelectual das organizações. Ela é vista como uma superestrutura que, incorporada ao coletivo humano, possibilita a geração, o uso e o compartilhamento do conhecimento. Algumas características presentes da cultura que possibilitam a gestão do conhecimento:
  • 49. - Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos.
  • 50. - Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos. - Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de encontrar soluções aos problemas da organização.
  • 51. - Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos. - Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de encontrar soluções aos problemas da organização. - Uso intensivo do conhecimento nas soluções de problemas.
  • 52. - Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos. - Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de encontrar soluções aos problemas da organização. - Uso intensivo do conhecimento nas soluções de problemas. - Crença no desenvolvimento das pessoas e da organização.
  • 53. - Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos. - Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de encontrar soluções aos problemas da organização. - Uso intensivo do conhecimento nas soluções de problemas. - Crença no desenvolvimento das pessoas e da organização. - Pressuposto de que a troca de informações é confiável.
  • 54. - Crença na possibilidade das organizações em gerir o ambiente em que estão inseridas, onde exigem novos conhecimentos. - Pressuposto ou crença de que as pessoas são capazes de encontrar soluções aos problemas da organização. - Uso intensivo do conhecimento nas soluções de problemas. - Crença no desenvolvimento das pessoas e da organização. - Pressuposto de que a troca de informações é confiável. - Permanente análise dos múltiplos fatores que estão envolvidas as organizações e suas inter-relações.
  • 55. Trabalhando a cultura organizacional visando à gestão do conhecimento Partindo do entendimento de cultura e suas inter-relações com a psique humana, as mudanças culturais de uma organização podem ocorrer de duas maneiras: revolucionariamente ou gradualmente.
  • 56. A forma revolucionária é traumática, arriscada e potencialmente destrutiva, como no caso de reengenharia de empresas. Já a forma gradual é mais “humana”, ela permite que haja uma adaptação às novas formas propostas para o ambiente empresarial.
  • 57. Há duas maneiras de trabalhar a questão cultural nas organizações: uma externa aos indivíduos, por meio do estilo gerencial; e a outra interna, através das mudanças de modelos mentais.
  • 58. No estilo gerencial, os líderes - Contratam e mantém subordinados de acordo com os seus perfis.
  • 59. No estilo gerencial, os líderes - Contratam e mantém subordinados de acordo com os seus perfis. - Doutrinam e socializam subordinados, segundo seu modo de pensar e agir.
  • 60. No estilo gerencial, os líderes - Contratam e mantém subordinados de acordo com os seus perfis. - Doutrinam e socializam subordinados, segundo seu modo de pensar e agir. - Sinalizam suas posturas e comportamentos como estilo que deve ser seguido e imitado pelos seus subordinados.
  • 61. No estilo gerencial, os líderes - Contratam e mantém subordinados de acordo com os seus perfis. - Doutrinam e socializam subordinados, segundo seu modo de pensar e agir. - Sinalizam suas posturas e comportamentos como estilo que deve ser seguido e imitado pelos seus subordinados. - Redefinem processos e rotinas organizacionais que servem de apoio às mudanças pretendidas.
  • 62. Embora se trate de um pensamento autoritário, este modelo pode levar a resultados concretos em relação às mudanças incrementais na cultura da organização.
  • 63. No trabalho com modelos mentais, os líderes devem trabalhar com componentes psicológicos de sua equipe, que fomentam modelos mentais, que segundo Senge (1990), são as formas pelas quais vemos e interpretamos o mundo e que influenciam o nosso agir. Isso ocorre por meio da comunicação e do diálogo, em que padrões e comportamentos nocivos, que impedem às mudanças, são “conscientizados” pelos seus membros.
  • 64. CONCLUSÃO Finalmente compreender a cultura organizacional é uma etapa importante para uma gestão focada no desenvolvimento do conhecimento de uma organização, como já vimos, tornou-se fator de sucesso para o estabelecimento da competitividade e de garantia de sobrevivência.
  • 65. ATIVIDADES: CASO PLANEJAMENTO DE CULTURA ORGANIZACIONAL Considere que vocês pretendam abrir uma empresa de pequeno porte, conforme abaixo descrito, dada a identificação de demanda para a cidade de São Paulo e região. Seu negócio: restaurante de comida indiana. Seus clientes: classes econômicas A e B. Capacidade inicial: 10 mesas (40 pessoas simultaneamente, aproximadamente). Para seu pleno funcionamento nos 6 primeiros meses, você precisará de recursos humanos assim distribuídos, conforme levantamento preliminar: 1 Chef, 5 cozinheiros, 10 ajudantes, 6 garçons, 1 recepcionista, 1 caixa, 1 serviços gerais. As funções gerenciais e administrativas, inclusive de atendimento aos clientes, são divididas entre os sócios (vocês). Definam: - missão - visão de futuro para 5 anos. Apontem e descrevam quais seriam os elementos centrais de sua cultura organizacional – a ser criada e desenvolvida: - crenças e pressupostos = estabeleçam 3 - valores = estabeleçam 5. Descrevam políticas e práticas que vocês adotariam para realizar a missão e a visão da empresa, no que diz respeito a: - recrutamento e seleção - reconhecimento do trabalho e desempenho - demissão - comportamentos esperados. Em linhas gerais: Que traços da cultura brasileira vocês evitariam e como? Que traços da cultura brasileira vocês explorariam e como?
  • 66. ATIVIDADES 1 – Como as características das culturas regionais de um povo podem auxiliar ou dificultar os processos de mudança de uma organização? 2 – Quais as principais características da cultura organizacional que favorecem a gestão do conhecimento? 3 – Que práticas poderiam ser aplicadas caso fosse adotada uma estratégia de mudança cultural revolucionária? Quais são seus limites e riscos? 4 – Por que uma estratégia de mudança gradual da cultura organizacional é mais indicada na gestão do conhecimento?
  • 67. REFERÊNCIAS ANGELONI, M. T. (Org.) Organizações do Conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologia, 2. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2008. SVEIBY, Karl Erick. A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998.