SlideShare uma empresa Scribd logo
Comunicação Empresarial
Aula 11
Relação com os investidores
Prof. Carlos Luiz Alves
Tema: Relacionamento com investidores
Ementa: À medida que as empresas se esforçam para maximizar o seu valor para os
acionistas, precisam comunicar continuamente seu progresso em relação a esse
objetivo para o público investidor. As relações com os investidores (RI) se torna parte
essencial de um bom programa de comunicação empresarial.
Objetivos:
- Conceituar RI (Relacionamento com Investidores)
- Refletir sobre os objetivos de um bom programa de RI
- Compreender o mercado acionário.
Primeiras palavras:
Embora falar sobre resultados financeiros e sobre lucros sejam atividades próprias de
uma comunicação com os investidores. Hoje é importante que as empresas façam algo
ainda mais, ou seja, não apenas comunicar ou informar, mas engajar os investidores
(grandes e pequenos) nos processos de gestão (decisórios) da empresa.
Relacionamento com investidores, é, portanto, um conjunto de atividades, métodos,
técnicas e práticas que, direta ou indiretamente, propiciam a interação das áreas de
Contabilidade, Planejamento, Comunicação, Marketing e Finanças, com o propósito de
estabelecer uma ligação entre a administração da empresa, os acionistas (e seus
representantes) e os demais agentes que atuam no mercado de capitais e que integram a
comunidade financeira nacional ou internacional.
Dessa forma, os profissionais de RI devem relacionar a comunicação às estratégias e
visão da empresa. Além de sólidos conhecimentos de finanças, os profissionais de RI
devem ser ótimos comunicadores e saber utilizar tais ferramentas para atrair e fidelizar
investidores.
“Estamos competindo pelo investimento. A história da sua empresa tem de atrair o
mundo dos investidores mais do que a história da empresa concorrente; caso contrário,
não se pode esperar conquistar o cobiçado lugar ao sol pelo qual todos estão lutando”
(Fala de um Diretor Financeiro – CFO)
Dessa forma, as relações com os investidores (RI) são ao mesmo tempo uma disciplina
financeira e uma função da comunicação empresarial (TAVARES, p.194).
Nos últimos tempos, mudanças no mundo dos negócios têm afetado diretamente a
forma de como as empresas se comunicam com seus investidores (acionistas,
DONOS da empresa). Hoje não basta apenas anunciar um lucro ou oportunidades de
investimentos, é preciso ir além dos números, convencer seus acionistas sobre os
planos e estratégias (visão) da empresa, pois os investidores necessitam de
explicações mais compreensíveis sobre o desempenho global da corporação. Isso
significa que informações sobre a credibilidade da administração, a capacidade da
empresa em atrair talentos e a qualidade e a execução de planos estratégicos
definirão a compra ou venda de ações.
“Uma pesquisa da McKinsey & Co. revelou que três quartos dos investidores
(acionistas) dos Estados Unidos, da Europa, da América Latina e da Ásia afirmaram
que as práticas da diretoria são tão importantes quanto os resultados financeiros ao
se considerar a decisão de investir em uma empresa”. (TAVARES, p.195)
Para que um departamento de RI obtenha sucesso ao incorporar tais atribuições,
ele precisa estar diretamente ligado à diretoria, ao campo estratégico da
organização.
A evolução das relações com os investidores
À medida que as empresas ganhavam mais recursos e mais investidores, principalmente
de aposentados ou clubes de investimentos, leis estaduais e federais americanas
começaram a exigir mais “dados” ou “informações” sobre a administração das
empresas, além dos números e ou resultados financeiros, pois, muitos investidores, em
sua maioria pequenos, não tinham informações mais detalhadas como a de muitos
“privilegiados”, para os quais outrora perdiam oportunidades de investimentos.
Em função dessa nova demanda, ao longo dos últimos 50 anos, a RI ganhou muito
respeito e a atenção por parte da alta administração das empresas (direção sênior),
reconhecendo-a como uma parte estratégica da comunicação empresarial, pois, uma vez
que, os atuais investidores exigem mais comunicação, mais transparência e mais acesso
às empresas do que antigamente. Hoje, para que uma empresa atraia investidores, é
necessário que ela tenha um bom plano de RI que atendam a essas exigências, tanto de
natureza legal como de natureza ética.
Os objetivos das relações com investidores
Embora a estrutura de um programa de RI varie de uma organização para outra
(tamanho da empresa), em relação à complexidade dos seus negócios e à composição
de sua base de acionistas, o principal objetivo de um programa de RI (TAVARES, p.198) é
posicionar a empresa para competir de forma eficiente pelo capital dos investidores.
Para que atinja tais metas, segundo Tavares (2006), uma empresa precisa estar atenta
aos seguintes objetivos:
1 – Explicar a visão, a estratégia e o potencial da empresa para os investidores e para os
“elementos de ligação”, tais como os analistas e a mídia. Isso significa que os resultados
da empresa e os futuros precisam estar bem claros para esses públicos.
2 – Assegurar que as expectativas do preço da ação da empresa sejam apropriadas
para as suas perspectivas de lucro, o panorama da indústria e a economia. Em outras
palavras, a empresa deve gerenciar e atender às expectativas de seus investidores de
forma apropriada, tirando dúvidas sobre os preços das ações no tempo presente e no
tempo futuro, para que os investidores possam ter uma projeção de “lucro” sobre os
seus investimentos. Não raramente, os preços das ações não refletem
necessariamente o potencial econômico e financeiro da empresa. Logo, é sensato um
programa de RI para esclarecimento de possíveis dúvidas.
3 – Reduzir a volatilidade do preço das ações. Em um ambiente de compra e venda de
ações (venda agora e pergunte depois), um profissional de RI deve ficar atento em
informar bem os investidores, assegurando a eles as vantagens de manter as ações por
mais tempo. Em outras palavras, um programa de RI deve convencer e manter
investidores por longo tempo. Ao fazer isso, haverá menos oscilações (especulação)
sobre o preço das ações nas bolsas. Segundo analistas, as empresas com preços de
ações estáveis costumam ter um custo de capital menor e atrair novos investidores.
Tipos de investidores
Os profissionais de RI devem lidar tanto com investidores de varejo (acionistas
individuais) quanto com investidores institucionais (fundos de pensão, fundos
mútuos, seguradoras e bancos). Para isso, é necessário fazer uso de diferentes
canais de comunicação, tanto para atender os acionistas individuais quanto os
institucionais.
Investidores Institucionais
“As instituições norte-americanas administram atualmente US$7,5 trilhões de um total
aproximado de US$13,8 trilhões do mercado acionário dos Estados Unidos” (TAVARES,
p.200). Pelo tamanho dessa participação, os investidores institucionais têm um peso maior
do que os investidores individuais em oscilar os preços das ações. Logo, deve ser uma
preocupação constante do departamento de RI, pois “suas atividades de transação em
bloco podem ter um imenso efeito em curto prazo sobre o desempenho do valor das ações
da empresa”.
Para administrar tamanha demanda, os profissionais de RI podem constituir um Banco de
Dados sobre seus investidores institucionais, alocando-os em perfis, grau de investimento,
índices preço/lucro (P/L), taxas de retorno e classificação do setor e oferecer informações
precisas que contribuam para a manutenção e preço das ações.
Reuniões formais na sede da empresa ou nos principais centros com investidores
institucionais são ótimas estratégias para que o CEOs os convençam a permanecer com as
ações em um longo prazo.
Investidores Individuais
Nos Estados Unidos, os investidores individuais representam US$6,3 trilhões em ações e
merecem ser ouvidos e atendidos pela administração. Eles podem transacionar
livremente os títulos financeiros e possuem interesses diversos aos investidores
institucionais que almejam ações com maiores taxas de rentabilidade em longo prazo.
Por seres numerosos e difíceis de serem identificados, um bom programa de RI terá
aquela e fazer uso de ferramentas de comunicação (mídia e incumbência de “identificar”
e “cadastrar” cada investidor propaganda) mais apropriadas para atender suas
necessidades ou expectativas de lucros sobre os preços das ações.
A Internet pode ser um excelente canal de comunicação tanto para os investidores
individuais quanto para os investidores institucionais.
Intermediários
Os investidores têm outras fontes de informação além das empresas, como a mídia e os
analistas.
Em outras aulas, descobrimos o poder da mídia em divulgar informações positiva e
negativas das empresas. Cada vez mais, a mídia acaba adquirindo importante papel no
meio corporativo, principalmente, na divulgação de resultados financeiros das empresas.
Segundo especialistas e alguns casos recentes, informações veiculadas pela mídia podem
alterar o valor do preço das ações, tanto para cima como para baixo, resultando em perdas
bilionárias para empresas e investidores.
Quanto aos analistas, cada vez mais eles são requisitados pelas agências de investimento e
investidores, suas análises sobre os papéis acabam adquirindo grande relevância na
definição dos preços das ações, assim como no estabelecimento do valor dos papéis e na
definição das taxas de juros no mercado.
Agências de Classificação
Standard & Poor’ e Moody’s são exemplos notáveis de agências de classificação nos Estados Unidos.
Elas são responsáveis em analisar a credibilidade das empresas, classificando-as em graus de
investimentos. Essas classificações ficam disponíveis para o público em relatórios, onde as pessoas
têm acesso aos graus de investimento e riscos. As maiores classificações são AAA (S&P) e Aaa
(Moody’s) e as menores são D (S&P) e C (Moody’s). As empresas que são classificadas como BBB/Baa
ou acima são consideradas “grau de investimento” e aquelas abaixo não são consideradas grau de
investimento ou de “alto retorno”. Quanto menor a classificação, maior a avaliação da agência de que
a empresa tem grande potencial para ficar inadimplente com seus financiamentos, tornando assim
mais caro para a empresa aumentar capital por meio da emissão de dívida.
“Os classificadores de crédito têm a chave para o capital e a liquidez, o sangue da América corporativa
e de nossa economia capitalista. A classificação de risco afeta a capacidade da empresa de tomar
dinheiro emprestado, indica se um fundo de pensão ou um fundo do mercado monetário pode
investir nos títulos da empresa e a influencia o preço das ações. A diferença entre uma boa
classificação de risco e uma ruim pode significar a diferença entre sucesso e fracasso, prosperidade e
má sorte. ” (Joseph Liebermann, senador americano)
Como usar a função de RI para agregar valor
Como foi visto, a função de RI assume um papel de marketing da empresa, que envolve
não somente a produção e divulgação de relatórios anuais e trimestrais, como também
responde às perguntas de acionistas, envia informações aos analistas, tendo um papel
proativo e reativo dentro da organização.
Visitas à empresa e reuniões ou almoços, são estratégias eficazes que combinadas aos
relatórios e ou programas de RI, podem fornecer aos investidores ou potenciais
investidores um “feeling” ou “sentimento real” que a empresa é lucrativa e séria.
Além dos planos de investimento e captura de investidores, os profissionais de RI
trabalham em eventos internos como a de fusões e aquisições ou venda da empresa, a
fim de orientar e tranquilizar as pessoas sobre as mudanças, respondendo às perguntas
e dirimindo as dúvidas.
“Quando acontece uma crise ou a empresa passa por uma mudança estrutural à qual o
mercado reage negativamente, os investidores já perderam dinheiro, já que as ações
da empresa caem quase instantaneamente. Os acionistas podem vender ações ou
mantê-las esperando sua recuperação. Para assegurar que os acionistas não vendam,
as empresas devem estar preparadas com comunicação honesta e rápida para os
investidores quando o preço das ações começarem a espiral descendente”. (TAVARES,
2006, p.213)
Caso uma empresa não consiga resolver o problema por “n” motivos, cabe ao
profissional de RI informar à mídia e aos analistas sobre como a empresa está
lidando com a situação, pois quanto maior clareza melhor.
“A informação reduz o risco. O mercado de ações, como um processo, chega ao preço
da ação com base em todos os elementos relacionados a uma empresa. Alguns dos
fatores desconhecidos aumentam o preço, outros diminuem. Áreas da empresa
pouco conhecidas geralmente contribuem para o lado negativo da equação”. (Thomas
Garbett)
Relações com os investidores e o ambiente em constante mudança
Em tempos de mudanças com o uso maciço da Internet modificaram o modo de se
comunicar na atual sociedade moderna. Hoje, cada vez mais, as empresas e pessoas
fazem uso intensivo dessas novas tecnologias em tempo real, fazendo com que uma
mensagem possa ser significativa para uma empresa ou pessoa.
Segundo Tavares (2006), sete das 15 maiores falências nos Estados Unidos que
ocorreram em 2001 (no auge das ponto.com) foram em virtude da rapidez dos fatos que
circularam pelos meios de comunicação, como o caso ENRON que saiu da 7ª posição das
maiores empresas de energia dos Estados Unidos (Fortune 500) para a maior falência
individual da história. Muitos analistas afirmam, que a ENRON poderia ter sido poupada
se não tivesse abalado sua credibilidade e confiança junto aos seus investidores.
Enfim, as relações com investidores são importantes nas incertezas e na
falta de confiança. Assim, uma boa divulgação dos resultados da empresa
e de sua gestão pode colocar a organização em um nível positivo de
competição, com possibilidades de atrair sempre novos investimentos.
Leitura Complementar:
Guia de Relações Com os Investidores- IBRI – disponível em:
http://www.ibri.com.br/Upload/Conteudo/Guia_de_RI.pdf
Referências:
ARGENTI, Paul A. Comunicação Empresarial – A construção da Identidade, Imagem e Reputação – 4 ed. Rio de
Janeiro: Campus: 2006, p.193-224.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CáLculos Trabalhistas Alunos
CáLculos Trabalhistas   AlunosCáLculos Trabalhistas   Alunos
CáLculos Trabalhistas Alunos
SCDP
 
Móveis Planejados - Super ação 2016
Móveis Planejados - Super ação 2016Móveis Planejados - Super ação 2016
Móveis Planejados - Super ação 2016
Norberto Almeida De Andrade
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Elmano Cavalcanti
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
Valéria Lins
 
Aulas Gestão de Processos & Produtividade
Aulas Gestão de Processos & ProdutividadeAulas Gestão de Processos & Produtividade
Aulas Gestão de Processos & Produtividade
Marcos Magnanti
 
Projeções aulas gestão de pessoas
Projeções aulas gestão de pessoasProjeções aulas gestão de pessoas
Projeções aulas gestão de pessoas
LUCIANABATISTADESA
 
ÉTica organizacional
ÉTica organizacionalÉTica organizacional
ÉTica organizacional
Thamires Sant'Ana
 
Endomarketing
EndomarketingEndomarketing
Endomarketing
JanainaSMachado
 
Exercicio para construção de orçamento gerencial
Exercicio para construção de orçamento gerencialExercicio para construção de orçamento gerencial
Exercicio para construção de orçamento gerencial
Cesar Ventura
 
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
Prof. Randes Enes
 
Introdução à Gestão Empresarial
Introdução à Gestão EmpresarialIntrodução à Gestão Empresarial
Introdução à Gestão Empresarial
Eliseu Fortolan
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
Marcela Montalvão Teti
 
Gestão Comercial FGV
Gestão Comercial FGVGestão Comercial FGV
Gestão Comercial FGV
Eduardo Maróstica
 
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro PessoalPalestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Benjamim Garcia Netto
 
Departamento Pessoal
Departamento PessoalDepartamento Pessoal
Departamento Pessoal
Desiree Melo
 
Palestra Encantamento de Clientes Disney
Palestra Encantamento de Clientes DisneyPalestra Encantamento de Clientes Disney
Palestra Encantamento de Clientes Disney
Eduardo Maróstica
 
Dinamicas de negociacao
Dinamicas de negociacaoDinamicas de negociacao
Dinamicas de negociacao
Niloar Bissani
 
A nova contabilidade pública
A nova contabilidade públicaA nova contabilidade pública
A nova contabilidade pública
Aline E Alex
 
As Mulheres e o Dinheiro
As Mulheres e o DinheiroAs Mulheres e o Dinheiro
As Mulheres e o Dinheiro
Yupee
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
PMY TECNOLOGIA LTDA
 

Mais procurados (20)

CáLculos Trabalhistas Alunos
CáLculos Trabalhistas   AlunosCáLculos Trabalhistas   Alunos
CáLculos Trabalhistas Alunos
 
Móveis Planejados - Super ação 2016
Móveis Planejados - Super ação 2016Móveis Planejados - Super ação 2016
Móveis Planejados - Super ação 2016
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
 
Aulas Gestão de Processos & Produtividade
Aulas Gestão de Processos & ProdutividadeAulas Gestão de Processos & Produtividade
Aulas Gestão de Processos & Produtividade
 
Projeções aulas gestão de pessoas
Projeções aulas gestão de pessoasProjeções aulas gestão de pessoas
Projeções aulas gestão de pessoas
 
ÉTica organizacional
ÉTica organizacionalÉTica organizacional
ÉTica organizacional
 
Endomarketing
EndomarketingEndomarketing
Endomarketing
 
Exercicio para construção de orçamento gerencial
Exercicio para construção de orçamento gerencialExercicio para construção de orçamento gerencial
Exercicio para construção de orçamento gerencial
 
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
Ppt aula fgv_excelência_no_atendimento_ao_cliente_prof. randes_12.02.14
 
Introdução à Gestão Empresarial
Introdução à Gestão EmpresarialIntrodução à Gestão Empresarial
Introdução à Gestão Empresarial
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
 
Gestão Comercial FGV
Gestão Comercial FGVGestão Comercial FGV
Gestão Comercial FGV
 
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro PessoalPalestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
 
Departamento Pessoal
Departamento PessoalDepartamento Pessoal
Departamento Pessoal
 
Palestra Encantamento de Clientes Disney
Palestra Encantamento de Clientes DisneyPalestra Encantamento de Clientes Disney
Palestra Encantamento de Clientes Disney
 
Dinamicas de negociacao
Dinamicas de negociacaoDinamicas de negociacao
Dinamicas de negociacao
 
A nova contabilidade pública
A nova contabilidade públicaA nova contabilidade pública
A nova contabilidade pública
 
As Mulheres e o Dinheiro
As Mulheres e o DinheiroAs Mulheres e o Dinheiro
As Mulheres e o Dinheiro
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 

Destaque

Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda Corporativa
Carlos Alves
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Carlos Alves
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
Carlos Alves
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Carlos Alves
 
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoAula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Carlos Alves
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Carlos Alves
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Carlos Alves
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação Corporativa
Carlos Alves
 
Aula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalAula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacional
Carlos Alves
 
Aula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoAula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e Inovação
Carlos Alves
 
Planejamento de comunicacao
Planejamento de comunicacaoPlanejamento de comunicacao
Planejamento de comunicacao
Bruno Mastrocolla
 
Processo de negociação de ações
Processo de  negociação de açõesProcesso de  negociação de ações
Processo de negociação de ações
Jean Santos
 
4ª Pesquisa Profissional de RI
4ª Pesquisa Profissional de RI4ª Pesquisa Profissional de RI
4ª Pesquisa Profissional de RI
IBRI
 
Aplicativo
AplicativoAplicativo
Gol 2014 Socialização
Gol 2014 SocializaçãoGol 2014 Socialização
Gol 2014 Socialização
Euripedes Magalhães
 
Habibs delivery slideshare
Habibs delivery slideshareHabibs delivery slideshare
Habibs delivery slideshare
Euripedes Magalhães
 
Proposta Dufry
Proposta DufryProposta Dufry
Proposta Dufry
Euripedes Magalhães
 
Cerveza Presidente
Cerveza PresidenteCerveza Presidente
Cerveza Presidente
Euripedes Magalhães
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Carlos Alves
 
Renault MSite
Renault MSiteRenault MSite
Renault MSite
Euripedes Magalhães
 

Destaque (20)

Aula 10 - Propaganda Corporativa
Aula 10 -  Propaganda CorporativaAula 10 -  Propaganda Corporativa
Aula 10 - Propaganda Corporativa
 
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e ReputaçãoAula 9 Identidade Imagem e Reputação
Aula 9 Identidade Imagem e Reputação
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
 
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do ConhecimentoAula 8   A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
Aula 8 A Cultura Organizacional e a Gestão do Conhecimento
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação Corporativa
 
Aula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacionalAula 5 aprendizagem_organizacional
Aula 5 aprendizagem_organizacional
 
Aula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e InovaçãoAula 11 Criatividade e Inovação
Aula 11 Criatividade e Inovação
 
Planejamento de comunicacao
Planejamento de comunicacaoPlanejamento de comunicacao
Planejamento de comunicacao
 
Processo de negociação de ações
Processo de  negociação de açõesProcesso de  negociação de ações
Processo de negociação de ações
 
4ª Pesquisa Profissional de RI
4ª Pesquisa Profissional de RI4ª Pesquisa Profissional de RI
4ª Pesquisa Profissional de RI
 
Aplicativo
AplicativoAplicativo
Aplicativo
 
Gol 2014 Socialização
Gol 2014 SocializaçãoGol 2014 Socialização
Gol 2014 Socialização
 
Habibs delivery slideshare
Habibs delivery slideshareHabibs delivery slideshare
Habibs delivery slideshare
 
Proposta Dufry
Proposta DufryProposta Dufry
Proposta Dufry
 
Cerveza Presidente
Cerveza PresidenteCerveza Presidente
Cerveza Presidente
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
 
Renault MSite
Renault MSiteRenault MSite
Renault MSite
 

Semelhante a Aula 11 Relação com os investidores

16 ri estudo_ibri_deloitte
16 ri estudo_ibri_deloitte16 ri estudo_ibri_deloitte
16 ri estudo_ibri_deloitte
ceiestudos
 
Comunicação financeira
Comunicação financeiraComunicação financeira
E book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels clubE book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels club
Geraldo Coutinho Jr.
 
Ativos intangiveis
Ativos intangiveisAtivos intangiveis
Ativos intangiveis
Neilson Mendes
 
trabalho academicos
trabalho academicostrabalho academicos
trabalho academicos
Fábio Henrique Siviero
 
Check list
Check listCheck list
Check list
Paulo Roberto
 
Start-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de Empreendimentos
Start-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de EmpreendimentosStart-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de Empreendimentos
Start-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de Empreendimentos
Gilberto C Porto
 
Planejamento de negocios 2013 apostila.3
Planejamento de negocios 2013   apostila.3Planejamento de negocios 2013   apostila.3
Planejamento de negocios 2013 apostila.3
Silvina Ramal
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Prof. Leonardo Rocha
 
Ufc estrutura plano_de_negócios
Ufc estrutura plano_de_negóciosUfc estrutura plano_de_negócios
Ufc estrutura plano_de_negócios
janainaa95
 
Relações com investidores
Relações com investidores Relações com investidores
Relações com investidores
Érica Rangel
 
Plano de negócios estrutura
Plano de negócios   estruturaPlano de negócios   estrutura
Plano de negócios estrutura
Túlio Costa
 
Inss GestãO De Marketing Handout
Inss GestãO De Marketing HandoutInss GestãO De Marketing Handout
Inss GestãO De Marketing Handout
guest3d9dc0c
 
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Elizabeth Custodio
 
Disclosure, inteligência de mercado e aspectos estratégicos de Relações com I...
Disclosure, inteligência de mercado e aspectos estratégicos de Relações com I...Disclosure, inteligência de mercado e aspectos estratégicos de Relações com I...
Disclosure, inteligência de mercado e aspectos estratégicos de Relações com I...
Valter Faria
 
Relato Integrado | GT 4 Investidores
Relato Integrado | GT 4 Investidores Relato Integrado | GT 4 Investidores
Relato Integrado | GT 4 Investidores
Relato Integrado - Comissão Brasileira
 
O papel e o ambiente da administracao financeira
O papel e o ambiente da administracao financeiraO papel e o ambiente da administracao financeira
O papel e o ambiente da administracao financeira
Reidene Oliveira
 
E-Book Top 10 Mais Lidos DOM Strategy Partners 2010
 E-Book Top 10 Mais Lidos DOM Strategy Partners 2010 E-Book Top 10 Mais Lidos DOM Strategy Partners 2010
E-Book Top 10 Mais Lidos DOM Strategy Partners 2010
DOM Strategy Partners
 
REVISTA RI-ricardo_MZ
REVISTA RI-ricardo_MZREVISTA RI-ricardo_MZ
REVISTA RI-ricardo_MZ
Ricardo Bettoni Agrelli
 
E-Book Gestão de Valor DOM Strategy Partners 2010
E-Book Gestão de Valor DOM Strategy Partners 2010 E-Book Gestão de Valor DOM Strategy Partners 2010
E-Book Gestão de Valor DOM Strategy Partners 2010
DOM Strategy Partners
 

Semelhante a Aula 11 Relação com os investidores (20)

16 ri estudo_ibri_deloitte
16 ri estudo_ibri_deloitte16 ri estudo_ibri_deloitte
16 ri estudo_ibri_deloitte
 
Comunicação financeira
Comunicação financeiraComunicação financeira
Comunicação financeira
 
E book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels clubE book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels club
 
Ativos intangiveis
Ativos intangiveisAtivos intangiveis
Ativos intangiveis
 
trabalho academicos
trabalho academicostrabalho academicos
trabalho academicos
 
Check list
Check listCheck list
Check list
 
Start-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de Empreendimentos
Start-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de EmpreendimentosStart-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de Empreendimentos
Start-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de Empreendimentos
 
Planejamento de negocios 2013 apostila.3
Planejamento de negocios 2013   apostila.3Planejamento de negocios 2013   apostila.3
Planejamento de negocios 2013 apostila.3
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
 
Ufc estrutura plano_de_negócios
Ufc estrutura plano_de_negóciosUfc estrutura plano_de_negócios
Ufc estrutura plano_de_negócios
 
Relações com investidores
Relações com investidores Relações com investidores
Relações com investidores
 
Plano de negócios estrutura
Plano de negócios   estruturaPlano de negócios   estrutura
Plano de negócios estrutura
 
Inss GestãO De Marketing Handout
Inss GestãO De Marketing HandoutInss GestãO De Marketing Handout
Inss GestãO De Marketing Handout
 
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
Empreendedorismo teleaula 4_tema_5
 
Disclosure, inteligência de mercado e aspectos estratégicos de Relações com I...
Disclosure, inteligência de mercado e aspectos estratégicos de Relações com I...Disclosure, inteligência de mercado e aspectos estratégicos de Relações com I...
Disclosure, inteligência de mercado e aspectos estratégicos de Relações com I...
 
Relato Integrado | GT 4 Investidores
Relato Integrado | GT 4 Investidores Relato Integrado | GT 4 Investidores
Relato Integrado | GT 4 Investidores
 
O papel e o ambiente da administracao financeira
O papel e o ambiente da administracao financeiraO papel e o ambiente da administracao financeira
O papel e o ambiente da administracao financeira
 
E-Book Top 10 Mais Lidos DOM Strategy Partners 2010
 E-Book Top 10 Mais Lidos DOM Strategy Partners 2010 E-Book Top 10 Mais Lidos DOM Strategy Partners 2010
E-Book Top 10 Mais Lidos DOM Strategy Partners 2010
 
REVISTA RI-ricardo_MZ
REVISTA RI-ricardo_MZREVISTA RI-ricardo_MZ
REVISTA RI-ricardo_MZ
 
E-Book Gestão de Valor DOM Strategy Partners 2010
E-Book Gestão de Valor DOM Strategy Partners 2010 E-Book Gestão de Valor DOM Strategy Partners 2010
E-Book Gestão de Valor DOM Strategy Partners 2010
 

Mais de Carlos Alves

Aula 8 Cultura Organizacional
Aula 8   Cultura Organizacional Aula 8   Cultura Organizacional
Aula 8 Cultura Organizacional
Carlos Alves
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
Carlos Alves
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Carlos Alves
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Carlos Alves
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE Básico
Carlos Alves
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing
Carlos Alves
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Carlos Alves
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação Institucional
Carlos Alves
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
Carlos Alves
 
Aula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingAula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketing
Carlos Alves
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação interna
Carlos Alves
 
Aula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoAula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimento
Carlos Alves
 
Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4
Carlos Alves
 
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrnaTodo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
Carlos Alves
 
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoAula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Carlos Alves
 
Aula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativaAula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativa
Carlos Alves
 
Plano de comunicação
Plano de comunicaçãoPlano de comunicação
Plano de comunicação
Carlos Alves
 
O ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarialO ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarial
Carlos Alves
 
Introdução à comunicação empresarial
Introdução à comunicação empresarialIntrodução à comunicação empresarial
Introdução à comunicação empresarial
Carlos Alves
 

Mais de Carlos Alves (19)

Aula 8 Cultura Organizacional
Aula 8   Cultura Organizacional Aula 8   Cultura Organizacional
Aula 8 Cultura Organizacional
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do ConhecimentoRevisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
Revisão Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégicaComunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
Comunicação Empresarial: uma ferramenta estratégica
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE Básico
 
Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing Aula 8 comunicação de marketing
Aula 8 comunicação de marketing
 
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6  Modelos Mentais: conceito e análiseAula 6  Modelos Mentais: conceito e análise
Aula 6 Modelos Mentais: conceito e análise
 
Aula 7 Comunicação Institucional
Aula 7   Comunicação InstitucionalAula 7   Comunicação Institucional
Aula 7 Comunicação Institucional
 
Aula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectualAula 4 capital intelectual
Aula 4 capital intelectual
 
Aula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketingAula 6 endomarketing
Aula 6 endomarketing
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação interna
 
Aula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimentoAula 3 sociedade do conhecimento
Aula 3 sociedade do conhecimento
 
Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4Comunicação Integrada - Aula 4
Comunicação Integrada - Aula 4
 
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrnaTodo processo tem suas partes comunicação intenrna
Todo processo tem suas partes comunicação intenrna
 
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimentoAula 2 cibercultura: informação e conhecimento
Aula 2 cibercultura: informação e conhecimento
 
Aula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativaAula 1 introdução educação_corporativa
Aula 1 introdução educação_corporativa
 
Plano de comunicação
Plano de comunicaçãoPlano de comunicação
Plano de comunicação
 
O ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarialO ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarial
 
Introdução à comunicação empresarial
Introdução à comunicação empresarialIntrodução à comunicação empresarial
Introdução à comunicação empresarial
 

Último

os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 

Último (20)

os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 

Aula 11 Relação com os investidores

  • 1. Comunicação Empresarial Aula 11 Relação com os investidores Prof. Carlos Luiz Alves
  • 2. Tema: Relacionamento com investidores Ementa: À medida que as empresas se esforçam para maximizar o seu valor para os acionistas, precisam comunicar continuamente seu progresso em relação a esse objetivo para o público investidor. As relações com os investidores (RI) se torna parte essencial de um bom programa de comunicação empresarial. Objetivos: - Conceituar RI (Relacionamento com Investidores) - Refletir sobre os objetivos de um bom programa de RI - Compreender o mercado acionário.
  • 3. Primeiras palavras: Embora falar sobre resultados financeiros e sobre lucros sejam atividades próprias de uma comunicação com os investidores. Hoje é importante que as empresas façam algo ainda mais, ou seja, não apenas comunicar ou informar, mas engajar os investidores (grandes e pequenos) nos processos de gestão (decisórios) da empresa. Relacionamento com investidores, é, portanto, um conjunto de atividades, métodos, técnicas e práticas que, direta ou indiretamente, propiciam a interação das áreas de Contabilidade, Planejamento, Comunicação, Marketing e Finanças, com o propósito de estabelecer uma ligação entre a administração da empresa, os acionistas (e seus representantes) e os demais agentes que atuam no mercado de capitais e que integram a comunidade financeira nacional ou internacional.
  • 4. Dessa forma, os profissionais de RI devem relacionar a comunicação às estratégias e visão da empresa. Além de sólidos conhecimentos de finanças, os profissionais de RI devem ser ótimos comunicadores e saber utilizar tais ferramentas para atrair e fidelizar investidores. “Estamos competindo pelo investimento. A história da sua empresa tem de atrair o mundo dos investidores mais do que a história da empresa concorrente; caso contrário, não se pode esperar conquistar o cobiçado lugar ao sol pelo qual todos estão lutando” (Fala de um Diretor Financeiro – CFO) Dessa forma, as relações com os investidores (RI) são ao mesmo tempo uma disciplina financeira e uma função da comunicação empresarial (TAVARES, p.194).
  • 5. Nos últimos tempos, mudanças no mundo dos negócios têm afetado diretamente a forma de como as empresas se comunicam com seus investidores (acionistas, DONOS da empresa). Hoje não basta apenas anunciar um lucro ou oportunidades de investimentos, é preciso ir além dos números, convencer seus acionistas sobre os planos e estratégias (visão) da empresa, pois os investidores necessitam de explicações mais compreensíveis sobre o desempenho global da corporação. Isso significa que informações sobre a credibilidade da administração, a capacidade da empresa em atrair talentos e a qualidade e a execução de planos estratégicos definirão a compra ou venda de ações. “Uma pesquisa da McKinsey & Co. revelou que três quartos dos investidores (acionistas) dos Estados Unidos, da Europa, da América Latina e da Ásia afirmaram que as práticas da diretoria são tão importantes quanto os resultados financeiros ao se considerar a decisão de investir em uma empresa”. (TAVARES, p.195)
  • 6. Para que um departamento de RI obtenha sucesso ao incorporar tais atribuições, ele precisa estar diretamente ligado à diretoria, ao campo estratégico da organização.
  • 7. A evolução das relações com os investidores À medida que as empresas ganhavam mais recursos e mais investidores, principalmente de aposentados ou clubes de investimentos, leis estaduais e federais americanas começaram a exigir mais “dados” ou “informações” sobre a administração das empresas, além dos números e ou resultados financeiros, pois, muitos investidores, em sua maioria pequenos, não tinham informações mais detalhadas como a de muitos “privilegiados”, para os quais outrora perdiam oportunidades de investimentos. Em função dessa nova demanda, ao longo dos últimos 50 anos, a RI ganhou muito respeito e a atenção por parte da alta administração das empresas (direção sênior), reconhecendo-a como uma parte estratégica da comunicação empresarial, pois, uma vez que, os atuais investidores exigem mais comunicação, mais transparência e mais acesso às empresas do que antigamente. Hoje, para que uma empresa atraia investidores, é necessário que ela tenha um bom plano de RI que atendam a essas exigências, tanto de natureza legal como de natureza ética.
  • 8. Os objetivos das relações com investidores Embora a estrutura de um programa de RI varie de uma organização para outra (tamanho da empresa), em relação à complexidade dos seus negócios e à composição de sua base de acionistas, o principal objetivo de um programa de RI (TAVARES, p.198) é posicionar a empresa para competir de forma eficiente pelo capital dos investidores. Para que atinja tais metas, segundo Tavares (2006), uma empresa precisa estar atenta aos seguintes objetivos: 1 – Explicar a visão, a estratégia e o potencial da empresa para os investidores e para os “elementos de ligação”, tais como os analistas e a mídia. Isso significa que os resultados da empresa e os futuros precisam estar bem claros para esses públicos.
  • 9. 2 – Assegurar que as expectativas do preço da ação da empresa sejam apropriadas para as suas perspectivas de lucro, o panorama da indústria e a economia. Em outras palavras, a empresa deve gerenciar e atender às expectativas de seus investidores de forma apropriada, tirando dúvidas sobre os preços das ações no tempo presente e no tempo futuro, para que os investidores possam ter uma projeção de “lucro” sobre os seus investimentos. Não raramente, os preços das ações não refletem necessariamente o potencial econômico e financeiro da empresa. Logo, é sensato um programa de RI para esclarecimento de possíveis dúvidas. 3 – Reduzir a volatilidade do preço das ações. Em um ambiente de compra e venda de ações (venda agora e pergunte depois), um profissional de RI deve ficar atento em informar bem os investidores, assegurando a eles as vantagens de manter as ações por mais tempo. Em outras palavras, um programa de RI deve convencer e manter investidores por longo tempo. Ao fazer isso, haverá menos oscilações (especulação) sobre o preço das ações nas bolsas. Segundo analistas, as empresas com preços de ações estáveis costumam ter um custo de capital menor e atrair novos investidores.
  • 10. Tipos de investidores Os profissionais de RI devem lidar tanto com investidores de varejo (acionistas individuais) quanto com investidores institucionais (fundos de pensão, fundos mútuos, seguradoras e bancos). Para isso, é necessário fazer uso de diferentes canais de comunicação, tanto para atender os acionistas individuais quanto os institucionais.
  • 11. Investidores Institucionais “As instituições norte-americanas administram atualmente US$7,5 trilhões de um total aproximado de US$13,8 trilhões do mercado acionário dos Estados Unidos” (TAVARES, p.200). Pelo tamanho dessa participação, os investidores institucionais têm um peso maior do que os investidores individuais em oscilar os preços das ações. Logo, deve ser uma preocupação constante do departamento de RI, pois “suas atividades de transação em bloco podem ter um imenso efeito em curto prazo sobre o desempenho do valor das ações da empresa”. Para administrar tamanha demanda, os profissionais de RI podem constituir um Banco de Dados sobre seus investidores institucionais, alocando-os em perfis, grau de investimento, índices preço/lucro (P/L), taxas de retorno e classificação do setor e oferecer informações precisas que contribuam para a manutenção e preço das ações. Reuniões formais na sede da empresa ou nos principais centros com investidores institucionais são ótimas estratégias para que o CEOs os convençam a permanecer com as ações em um longo prazo.
  • 12. Investidores Individuais Nos Estados Unidos, os investidores individuais representam US$6,3 trilhões em ações e merecem ser ouvidos e atendidos pela administração. Eles podem transacionar livremente os títulos financeiros e possuem interesses diversos aos investidores institucionais que almejam ações com maiores taxas de rentabilidade em longo prazo. Por seres numerosos e difíceis de serem identificados, um bom programa de RI terá aquela e fazer uso de ferramentas de comunicação (mídia e incumbência de “identificar” e “cadastrar” cada investidor propaganda) mais apropriadas para atender suas necessidades ou expectativas de lucros sobre os preços das ações. A Internet pode ser um excelente canal de comunicação tanto para os investidores individuais quanto para os investidores institucionais.
  • 13. Intermediários Os investidores têm outras fontes de informação além das empresas, como a mídia e os analistas. Em outras aulas, descobrimos o poder da mídia em divulgar informações positiva e negativas das empresas. Cada vez mais, a mídia acaba adquirindo importante papel no meio corporativo, principalmente, na divulgação de resultados financeiros das empresas. Segundo especialistas e alguns casos recentes, informações veiculadas pela mídia podem alterar o valor do preço das ações, tanto para cima como para baixo, resultando em perdas bilionárias para empresas e investidores. Quanto aos analistas, cada vez mais eles são requisitados pelas agências de investimento e investidores, suas análises sobre os papéis acabam adquirindo grande relevância na definição dos preços das ações, assim como no estabelecimento do valor dos papéis e na definição das taxas de juros no mercado.
  • 14. Agências de Classificação Standard & Poor’ e Moody’s são exemplos notáveis de agências de classificação nos Estados Unidos. Elas são responsáveis em analisar a credibilidade das empresas, classificando-as em graus de investimentos. Essas classificações ficam disponíveis para o público em relatórios, onde as pessoas têm acesso aos graus de investimento e riscos. As maiores classificações são AAA (S&P) e Aaa (Moody’s) e as menores são D (S&P) e C (Moody’s). As empresas que são classificadas como BBB/Baa ou acima são consideradas “grau de investimento” e aquelas abaixo não são consideradas grau de investimento ou de “alto retorno”. Quanto menor a classificação, maior a avaliação da agência de que a empresa tem grande potencial para ficar inadimplente com seus financiamentos, tornando assim mais caro para a empresa aumentar capital por meio da emissão de dívida. “Os classificadores de crédito têm a chave para o capital e a liquidez, o sangue da América corporativa e de nossa economia capitalista. A classificação de risco afeta a capacidade da empresa de tomar dinheiro emprestado, indica se um fundo de pensão ou um fundo do mercado monetário pode investir nos títulos da empresa e a influencia o preço das ações. A diferença entre uma boa classificação de risco e uma ruim pode significar a diferença entre sucesso e fracasso, prosperidade e má sorte. ” (Joseph Liebermann, senador americano)
  • 15. Como usar a função de RI para agregar valor Como foi visto, a função de RI assume um papel de marketing da empresa, que envolve não somente a produção e divulgação de relatórios anuais e trimestrais, como também responde às perguntas de acionistas, envia informações aos analistas, tendo um papel proativo e reativo dentro da organização. Visitas à empresa e reuniões ou almoços, são estratégias eficazes que combinadas aos relatórios e ou programas de RI, podem fornecer aos investidores ou potenciais investidores um “feeling” ou “sentimento real” que a empresa é lucrativa e séria.
  • 16. Além dos planos de investimento e captura de investidores, os profissionais de RI trabalham em eventos internos como a de fusões e aquisições ou venda da empresa, a fim de orientar e tranquilizar as pessoas sobre as mudanças, respondendo às perguntas e dirimindo as dúvidas. “Quando acontece uma crise ou a empresa passa por uma mudança estrutural à qual o mercado reage negativamente, os investidores já perderam dinheiro, já que as ações da empresa caem quase instantaneamente. Os acionistas podem vender ações ou mantê-las esperando sua recuperação. Para assegurar que os acionistas não vendam, as empresas devem estar preparadas com comunicação honesta e rápida para os investidores quando o preço das ações começarem a espiral descendente”. (TAVARES, 2006, p.213)
  • 17. Caso uma empresa não consiga resolver o problema por “n” motivos, cabe ao profissional de RI informar à mídia e aos analistas sobre como a empresa está lidando com a situação, pois quanto maior clareza melhor. “A informação reduz o risco. O mercado de ações, como um processo, chega ao preço da ação com base em todos os elementos relacionados a uma empresa. Alguns dos fatores desconhecidos aumentam o preço, outros diminuem. Áreas da empresa pouco conhecidas geralmente contribuem para o lado negativo da equação”. (Thomas Garbett)
  • 18. Relações com os investidores e o ambiente em constante mudança Em tempos de mudanças com o uso maciço da Internet modificaram o modo de se comunicar na atual sociedade moderna. Hoje, cada vez mais, as empresas e pessoas fazem uso intensivo dessas novas tecnologias em tempo real, fazendo com que uma mensagem possa ser significativa para uma empresa ou pessoa. Segundo Tavares (2006), sete das 15 maiores falências nos Estados Unidos que ocorreram em 2001 (no auge das ponto.com) foram em virtude da rapidez dos fatos que circularam pelos meios de comunicação, como o caso ENRON que saiu da 7ª posição das maiores empresas de energia dos Estados Unidos (Fortune 500) para a maior falência individual da história. Muitos analistas afirmam, que a ENRON poderia ter sido poupada se não tivesse abalado sua credibilidade e confiança junto aos seus investidores.
  • 19. Enfim, as relações com investidores são importantes nas incertezas e na falta de confiança. Assim, uma boa divulgação dos resultados da empresa e de sua gestão pode colocar a organização em um nível positivo de competição, com possibilidades de atrair sempre novos investimentos. Leitura Complementar: Guia de Relações Com os Investidores- IBRI – disponível em: http://www.ibri.com.br/Upload/Conteudo/Guia_de_RI.pdf
  • 20. Referências: ARGENTI, Paul A. Comunicação Empresarial – A construção da Identidade, Imagem e Reputação – 4 ed. Rio de Janeiro: Campus: 2006, p.193-224.