SlideShare uma empresa Scribd logo
0
UNIVERSIDADE DE SOROCABA
PRÓ-REITORIA ACADÊMICA
CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE
Aline Cristiane S. Sardinha
Márcio Domingues
Marcos Roberto dos Santos Sá
Moisés Ribeiro
Paulo Edson R. dos Santos
Tied Humberto Nakahara
KAIZEN
MELHORIA CONTÍNUA
Sorocaba / SP
2013
1
Aline Cristiane S. Sardinha
Márcio Domingues
Marcos Roberto dos Santos Sá
Moisés Ribeiro
Paulo Edson R. dos Santos
Tied Humberto Nakahara
KAIZEN
MELHORIA CONTÍNUA
Trabalho apresentado como exigência
parcial para obtenção do Diploma de
Graduação em Gestão da Qualidade da
Universidade de Sorocaba.
Orientador: Prof. Odirlei Amaro Ferreira
Sorocaba / SP
2013
2
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO .........................................................................................................3
2 FILOSOFIA KAIZEN................................................................................................4
2.1 Sistema Kaizen....................................................................................................5
2.2 Melhoramento Revolucionário e Melhoramento Contínuo..............................5
3 MODELOS DE CICLO DE MELHORAMENTO ......................................................6
3.1 Ciclo PDCA ..........................................................................................................6
3.2 Ciclo DMAIC.........................................................................................................6
4 FERRAMENTAS KAIZEN .......................................................................................7
4.1 Muda.....................................................................................................................7
4.2 Programa 5S ........................................................................................................8
5 CUSTO KAIZEN ......................................................................................................9
5.1 Objetivo................................................................................................................9
5.2 Diferença Conceitual...........................................................................................9
5.3 Diferença de Procedimento..............................................................................10
6 TOYOTA ...............................................................................................................10
7 CONSIDERAÇÕES................................................................................................12
REFERÊNCIAS.........................................................................................................13
3
1. INTRODUÇÃO
Os sistemas e as teorias de melhoria na produção começaram a surgir, em
sua maioria, após a Segunda Guerra Mundial, período marcado pela reconstrução
da economia mundial e na qual a população, em sua grande parte, passou a exigir
mais atenção aos seus direitos, tanto no que diz respeito a sua posição de
consumidor de bens e serviços, quanto no papel de produtor desses mesmos bens.
A visão administrativa desenvolvida pelos japoneses difere das demais por
dar maior ênfase à participação de seus colaboradores nas responsabilidades
empresariais, principalmente ao trabalho em equipe, para que desta forma, eles
compreendam os processos produtivos e administrativos como um todo e se tornem
parte da tomada de decisão. Este processo foi denominado de Círculo de Controle
de Qualidade (CCQ), disseminado por Kaoru Ishikawa que objetiva desenvolver em
todos os funcionários a necessidade da busca constante da qualidade global das
empresas.
A perspectiva de melhoria contínua reconhece que o ambiente de negócios
muda constantemente, e que somente pela constante melhoria uma empresa pode
acompanhar esse ambiente mutável (CALDWELL et al, 2011).
A filosofia kaizen está diretamente envolvida neste processo e prega que a
mudança seja realizada diariamente sempre visando o melhoramento em algum
lugar na empresa ou na vida pessoal. A idéia principal é buscar no ser humano, o
conhecimento para encontrar soluções para os problemas de qualidade nas
atividades que realizam, para isso incentiva a potencialização de um recurso já
obtido pela organização que é o seu colaborador. A busca pela melhoria contínua
tem como objetivo alcançar uma vantagem competitiva promovendo a criatividade, a
integração, e o bem-estar de seus colaboradores.
Imai (1994) afirma que o melhoramento é dividido em kaizen e inovação. A
inovação envolve um melhoramento drástico, como resultado de um grande
investimento em uma tecnologia e/ou equipamento, este enfoque diferencia as
empresas ocidentais que prezam mais pela inovação que os avanços tecnológicos
ou novas técnicas e conceitos trazem, das empresas orientais que preocupam-se
com as pequenas e sutis mudanças trazidas pela filosofia, com suas técnicas
simples.
4
2 FILOSOFIA KAIZEN
O termo Kaizen é formado a partir de Kai, que significa modificar, e Zen, que
significa para melhor (MARTINS; LAUGENI, 2005). A filosofia kaizen foi criada no
Japão pelo engenheiro Taichi Ohno, com a finalidade de reduzir os desperdícios
gerados nos processos produtivos, buscando a melhoria contínua da qualidade dos
produtos e o aumento da produtividade esta filosofia tornou-se mundialmente
conhecida pela sua aplicação dentro do Sistema Toyota de Produção (STP).
De acordo com Oishi (1995), por meio do Kaizen busca-se, na empresa, a
melhoria em diferentes vertentes (econômica, técnica e de eficácia) dentro do
contexto de harmonia e considerações humanas; ou seja, a melhoria da
produtividade ou lucratividade da empresa não pode ser visada em detrimento do
melhor condicionamento dos elementos humanos inerentes.
Esta filosofia está baseada na eliminação de desperdícios com base no bom
senso, no uso de soluções baratas que se apoiem na motivação e criatividade dos
colaboradores para melhorar a prática nos seus processos de trabalho, com foco na
busca pela melhoria contínua (SHARMA; MOODY, 2003).
A partir de 1986, o kaizen foi introduzido na administração por Masaaki Imai e,
a exemplo de outras idéias lançadas pelos japoneses, seus conceitos iniciais se
expandiram para uma filosofia organizacional e comportamental (MARTINS;
LAUGENI, 2005).
Imai sugere a aplicação do kaizen em oito etapas, cujo cumprimento pode
ajudar a solucionar problemas baseados em análise de dados, facilitar a
visualização e a comunicação do processo de solução de problemas a ser um modo
eficaz de manter registros de atividades de kaizen:
Escolha do foco da aplicação (determinados conforme as políticas
administrativas de acordo com a prioridade, importância, urgência ou
situação econômica);
Análise do contexto;
Coleta e análise de dados para identificação da causa-raiz;
Estabelecer contramedidas com base em análise de dados;
Implementar contramedidas;
Confirmar os efeitos das contramedidas;
Estabelecer ou revisar padrões para evitar recorrência;
5
Analisar os processos anteriores e começar a trabalhar nas etapas
seguintes.
2.1 Sistema Kaizen
O sistema kaizen tem como premissa a melhoria contínua e sua filosofia
consiste em um importante recurso na busca incessante da melhora de processos
produtivos e administrativos, tornando-os mais enxutos e velozes.
Segundo Siqueira (2005), no que se refere à aplicação do sistema kaizen em
uma organização pode-se considerar o seguinte:
- a alta administração da empresa passa assumir os valores do kaizen
(basicamente a melhoria contínua) como parte da política da qualidade;
- a alta administração precisa instituir uma série de atividades para a
promoção dos valores adotados. Isto pressupõe a disponibilização dos recursos
necessários a todas essas atividades. Essas atividades podem variar de empresa
para empresa e pode-se citar como exemplo o estímulo à formação de Círculos da
Qualidade, Programas de Sugestão, Programa 5S, programas de treinamento em
técnicas estatísticas e ferramentas da qualidade e principalmente técnicas de
solução de problemas, entre outros.
- o corpo de funcionários passa a incorporar no seu dia-a-dia práticas
relacionadas com a melhoria contínua. Normalmente a melhoria se aplica ao
desempenho dos processos, à satisfação do cliente (tanto externo, quanto interno),
à qualidade de vida na empresa, à organização do ambiente de trabalho, à
segurança pessoal, etc.
2.2 Diferença entre melhoramento revolucionário e melhoramento contínuo
O melhoramento revolucionário dá grande valor para soluções criativas. Ele
incentiva o pensamento livre e a iniciativa individual. É uma filosofia radical, à
medida que alimenta uma abordagem de melhoramento que, de fato, não aceita
muitas limitações sobre o que é possível. “Começar com uma folha de papel em
branco”, “voltar aos princípios básicos” e “repensar completamente o sistema” são
típicos princípios do melhoramento revolucionário.
O melhoramento contínuo, por outro lado, é menos ambicioso, pelo menos
em curto prazo. Ele favorece a adaptabilidade, o trabalho em grupo e a atenção a
detalhes. Ele não é radical; ao contrário, é aquele construído da experiência
6
acumulada dentro da operação em si; confia com frequência nas pessoas que
operam o sistema para melhorá-lo.
3 MODELOS DE CICLO DE MELHORAMENTO
A natureza cíclica e repetida do melhoramento contínuo é geralmente
resumida pela ideia de ciclos de melhoramento.
3.1 Ciclo PDCA
O ciclo consiste em uma sequência de passos utilizado para controlar
qualquer processo definido, esta ferramenta auxilia na organização do processo de
implementação de melhorias fornecendo uma diretriz para sua condução.
O método começa com o estágio P (planejar-plan), que envolve o exame do
atual método ou área problema estudada, isso envolve coletar e analisar dados de
modo a formular um plano de ação que melhore o desempenho. O segundo estágio
é o D (fazer-do), esse é o estágio de implementação, durante o qual são avaliadas
as dificuldades, o terceiro estágio é o C (checar-check) nesta etapa é verificado se a
nova solução implementada resultou no melhoramento do desempenho esperado e
finalmente o vem último estágio; A (agir-action) nesta fase a mudança é consolidada
ou padronizada, se foi bem sucedida.
3.2 Ciclo DMAIC
O ciclo DMAIC abrange um modelo de administração de negócios ou
desenvolvimento de um projeto, também é um método de resolução de problemas
onde se pretende realizar melhorias e é realizado em cinco etapas: D (definir-define)
os processos críticos e os objetivos diante do negócio e das expectativas e
necessidades dos clientes; M (medir-measure) expectativas e necessidades do
cliente e o desempenho do processo, identificar os problemas e a intensidade dos
mesmos; A (analisar-analyse) e determinar o desempenho e as causas dos
problemas; I (melhorar-improve) o processo eliminando os problemas, reduzindo
custos e agregando valores para os clientes; C (controlar-control) o desempenho do
processo.
7
4 FERRAMENTAS KAIZEN
Imai destaca que existem três atividades indispensáveis para um kaizen
eficiente e bem sucedido, fáceis de entender e implementar, não exigindo
conhecimentos ou tecnologia sofisticados, cuja única dificuldade é o
desenvolvimento da autodisciplina necessária para mantê-las: a padronização, a
eliminação do muda (palavra japonesa que significa perda/desperdício) e refere-se a
qualquer coisa ou atividade que não agregue valor e os 5S.
4.1 MUDA
Para a redução efetiva dos custos da produção, os desperdícios devem ser
analisados e ponderados, pois tem uma relação entre si e são muitas vezes
ocultados pela complexidade de uma grande organização.
As sete categorias do desperdício são:
- Desperdício de Superprodução: é o desperdício de se produzir
antecipadamente à demanda, para o caso de os produtos serem requisitados no
futuro.
- Desperdício de Estoque: os produtos finais, produtos semiacabados ou
peças e suprimentos mantidos em estoque não agregam valor, ao contrário,
aumentam o custo operacional ocupando espaço, exigindo equipamento adicional,
instalações e mão de obra para operação e administração, estoque é o resultado do
excesso de produção.
- Desperdício de Produzir Produtos Defeituosos: os refugos interrompem a
produção e exigem retrabalho, frequentemente precisam ser descartados, gerando
perda de recursos, mão de obra, equipamentos, além da movimentação e inspeção,
podendo ser eliminado pelo trabalho correto desde a primeira vez.
- Desperdício de processamento: muitas vezes, a tecnologia ou projeto
inadequado resulta em muda no próprio processamento do trabalho, é a realização
de funções ou etapas do processo que não agregam valor ao produto.
- Desperdício de espera: trata-se do material que está esperando para ser
processado, ou quando o trabalho de um operador fica em espera devido a
desequilíbrios de linha, falta de peças ou paralisação de máquinas.
- Desperdício de Transporte: o transporte e a movimentação de materiais são
atividades que não agregam valor ao produto produzido e são necessárias devido às
8
restrições do processo e das instalações que impõem grandes distâncias a serem
percorridas pelo material ao longo do processo.
- Desperdício de Movimentação: são os desperdícios presentes nas mais
variadas operações do processo produtivo decorrentes da interação entre o
operador e a máquina/ferramenta ou material do processo, movimento que não
agrega valor é improdutivo, isso pode ser identificado e a posição das peças pode
ser reorganizada ou desenvolver ferramentas e matrizes adequadas.
4.2 PROGRAMA 5S
O programa 5S é um conjunto de atividades que visa aperfeiçoar o
comportamento das pessoas, refletindo em uma mudança de hábitos e atitudes,
permite a eliminação de perdas e desperdícios e é capaz de modificar o humor,
harmonizar o ambiente e a maneira da condução do trabalho de todos.
O 5S são as iniciais de 5 palavras japonesas: Seiton, Seiri, Seiketsu e
Shitsuke.
- Seiton, providenciar a arrumação e deixar tudo em ordem. Todos os
materiais (sejam quais forem) necessitam ser mantidos em ordem, para que possam
ser encontrados de imediato e estejam prontos para uso sempre que necessários.
Deixar as coisas no lugar certo, para não se perder tempo e gastar energia
desnecessária, procurando-as.
- Seiri, evitar o desnecessário. Separar o desnecessário do necessário e
guardá-lo num lugar que lhe é próprio para que não atrapalhe a rotina de trabalho ou
qualquer outra atividade. Disponibilizar as coisas realmente necessárias ao trabalho
e aquelas desnecessárias doá-las.
- Seiso, manter limpo. O local de trabalho assim como qualquer outro local e
material, para que a sujeira não atrapalhe a produtividade nem provoque má
qualidade na produção.
- Seiketsu, manter a higiene, padronização e arrumação. Os equipamentos e
áreas de trabalho devem estar sempre limpos e asseados, de modo a garantir
segurança no local de trabalho, através da remoção de itens quebrados, supérfluo e
desnecessário.
- Shitsuke, disciplina. Quando os 4S’s anteriores estiverem em prática
observa-se que foi estabelecido uma nova maneira de trabalhar e não deve ser
permitido o regresso às antigas práticas.
9
5 CUSTO KAIZEN
O custo kaizen significa manter os níveis correntes de custo para os produtos
atualmente manufaturados e trabalhar sistematicamente para reduzir os custos aos
valores desejados. O sistema de custo kaizen abrange o sistema contábil
administrativo da empresa e seu programa de atividades kaizen ao nível do chão-de-
fábrica (JIT, TQM, etc).
Existem dois tipos de custo kaizen:
Atividades de custo kaizen específicas por departamento ou por
fábrica, programadas para cada período de negócios.
Atividades de custo kaizen por modelo de produto executado como
projetos especiais com ênfase na Análise de Valor.
5.1 Objetivo
O principal objetivo do custo kaizen é a constante busca de reduções de custo
em todas as etapas da manufatura para ajudar a eliminar qualquer diferença entre
os lucros-alvo (lucros orçados) e os lucros estimados. Essa abordagem difere em
termos de conceito e de procedimentos em relação à administração de custo da
forma praticada em um sistema de custeio-padrão.
5.2 Diferença Conceitual
Um sistema de custeio-padrão:
Exerce controle para tornar custos reais iguais a custos-padrão (o
objetivo é a manutenção dos custos).
Supõe que as condições atuais de manufatura serão mantidas e não
modificadas.
Um sistema de custo kaizen:
É um sistema de redução de custos que visa reduzir custos reais para
um patamar inferior aos dos custos-padrão.
Exerce controle para atingir reduções de custo-alvo.
Modifica continuamente as condições de manufatura para reduzir
custos.
10
5.3 Diferenças de Procedimento
Um sistema de custeio-padrão:
Estabelece custos-padrão uma ou duas vezes ao ano.
Conduz análises de diferenças entre custos-padrão e custos reais.
Executa investigações e medidas corretivas quando os custos-padrão
não são atingidos.
Um sistema de custo kaizen:
Estabelece novos alvos de redução de custos todo mês; tais alvos são
projetados para eliminar diferenças entre lucros-alvo (lucros-orçados) e
lucros estimados.
Conduz atividades kaizen (melhorias contínuas) durante todo o ano
comercial para atingir reduções de custo-alvo.
Conduz análises de diferenças entre custo-alvo e custos reais.
Faz investigações e toma medidas corretivas quando as reduções de
custo-alvo não são atingidas.
6 TOYOTA
Com o acirramento da concorrência, mercado globalizado e o surgimento de
um consumidor mais exigente, o alinhamento dos preços para os produtos passou a
ser determinado pelo mercado, sendo assim, a única forma de aumentar ou manter
o lucro é através da redução dos custos. Um dos grandes ícones dos últimos tempos
no foco de redução de custos é a Toyota Motor Co.
No período da reconstrução do Japão o fato da produtividade americana ser
tão superior à japonesa chamou a atenção para a única explicação razoável: a
diferença de produtividade só poderia ser explicada pela existência de perdas no
sistema de produção japonês, a produtividade dos trabalhadores americanos era
aproximadamente dez vezes superior à produtividade da mão de obra japonesa.
Taiichi Ohno, então engenheiro-chefe da Toyota, percebeu que os seus
trabalhadores eram subutilizados, as tarefas eram repetitivas além de não agregar
valor, existia uma forte divisão (projeto e execução) do trabalho, a qualidade era
negligenciada ao longo do processo de fabricação e existiam grandes estoques
intermediários. Na linguagem da engenharia industrial consagrada pela Toyota,
havia perdas (MUDA em japonês) presentes no sistema produtivo a partir daí, o que
11
se viu foi a estruturação de um processo sistemático de identificação e eliminação
das perdas, focando na identificação dos componentes do trabalho que não
agregavam valor; atividades completamente desnecessárias que geravam custo e
que, portanto, deveriam ser imediatamente eliminadas.
Neste período com a ajuda de Deming, Juran e Feigenbaum foi apresentado
aos japoneses técnicas de controle estatístico apoiadas em ferramentas estatísticas
de uso corriqueiro, bem como o uso do ciclo PDCA e outros, originando o sistema de
Controle da Qualidade Total (TQC) que foi disseminado por Kaoru Ishikawa. Seus
esforços em treinar operadores resultaram nas atividades de pequenos grupos
(CCQ’s – Círculos de Controle da Qualidade). Outro elemento introduzidos pelo
Controle da Qualidade Total é a ideia da melhoria contínua.
A filosofia kaizen tem sido um dos três pilares de sustentação desse processo
de redução e enxugamento de perdas desenvolvido pela Toyota, conhecido também
como Sistema Toyota de Produção (STP). Conceitualmente, kaizen é a melhoria
incremental e contínua de uma atividade, focada na eliminação de perdas, de forma
a agregar mais valor ao produto/serviço com um mínimo de investimento.
Este processo desenvolve-se a partir da padronização da melhor solução e
subsequentemente melhoria deste padrão, garantindo que os pequenos ganhos
sejam incorporados às práticas operacionais, evitando distorções de condutas no
dia-a-dia por parte de quem conduz os processos, gerando incertezas quanto ao
resultado final do mesmo.
O kaizen busca otimizar o processo para atingir as necessidades do cliente no
menor tempo possível, na qualidade esperada e no mais baixo custo admissível. A
essência de todas as palavras japonesas da administração: TQC, Produtividade,
CQ, Robótica, Kanban, JIT, Zero Defeito..., ficam reduzidas na palavra KAIZEN. É,
pois, um guarda chuva que abrange a maioria dessas práticas.
Observamos que empresas de classe mundial têm usado a filosofia kaizen
com os seguintes propósitos: Foco na melhoria contínua, olhar seu processo cada
dia de maneira diferente; criatividade para utilizar o poder de quem está diretamente
ligado aos processos e utilizar também pessoas que não estão ligadas ao processo
para estimular o senso crítico e o desapego aos paradigmas.
Total comprometimento dos empregados em assumir papéis e
responsabilidades pelos resultados de todos os processos, deixando claro que o
12
sucesso ou o fracasso de uma empresa não pode ser atribuído apenas a seus
executivos.
7 CONSIDERAÇÕES
O processo de globalização, a alta competitividade e às inovações
tecnológicas vem interferindo diretamente nas formas de trabalho e com isso novas
práticas e novos conceitos vão se formando com o tempo, buscando sempre a
satisfação do cliente e a otimização dos custos e processos para as empresas.
O principal objetivo das empresas é a sua manutenção e o seu crescimento
junto ao mercado global. Para que estes resultados positivos sejam obtidos são
utilizadas várias ferramentas para a melhoria de seus processos dentre elas o
Programa 5S.
A aplicação prática e sistemática da filosofia kaizen por meio de suas
ferramentas, busca estar a cada dia em todos os processos, introduzindo
alternativas de redução de custos e mantendo a qualidade de seu produto, isso
garante o amadurecimento contínuo das atividades de melhoria contínua na
organização onde é fundamental o envolvimento das pessoas nas atividades,
dividindo responsabilidades e com isso melhorando o resultado como um todo.
13
R E F E R Ê N C I A S
MONDEN, Yasuhiro. Sistemas de redução de custos: custo-alvo e custo kaizen.
Porto Alegre: Bookman, 1999. 270p.
SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da
Produção. São Paulo: Atlas, 2009, 703p.
Rodrigues, Marcos Vinicius Carvalho. Ações para a Qualidade: Gestão
Estratégica e Integrada para a Melhoria dos Processos na Busca da Qualidade
e Competitividade. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2010, 456p.
ALMEIDA, M.R; BELO,J.N.A.; SILVA, B.C. Evento Kaizen: Estudo de Caso em uma
Metalúrgica Brasileira. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXXI, 04
a 07/11/2011, Belo Horizonte, MG, Brasil.
GUARNIERI, P; OLIVEIRA, L.S; PURCIDONIO, P.M.; PAGANI, R.N.;
HATAKEYAMA, K. In: Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais, II,
14 e 15/08/2009, Campos Gerais, MG, Brasil.
HONBURG, S; WILL, D.M; GARGIONI, P.C. Introdução da Filosofia de Melhoria
Contínua nas Fábricas através de Eventos Kaizen. In: Encontro Nacional de
Engenharia de Produção, XXVII, 09 a 11/10/2007, Foz do Iguaçu, PR,Brasil.
KAIZEN ou Melhoria Contínua. Disponível em:
<http://www.lean.org.br/leanmail/49/kaizen-ou-melhoria-continua.aspx>. Acesso em:
08/05/2013.
DMAIC. Disponível em: <http://br.kaizen.com/artigos-e-livros/artigos/dmaic.html>.
Acesso em: 08/05/2013.
O Sistema Toyota de Produção. Disponível em: <http://www.tga-
online.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=132&Itemid=55>
Acesso em: 08/05/2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento de Administracao do Tempo
Treinamento de Administracao do TempoTreinamento de Administracao do Tempo
Treinamento de Administracao do Tempo
George Dias
 
5 s's
 5 s's  5 s's
Slide 5 s
Slide 5 s Slide 5 s
Slide 5 s
Camila Oliveira
 
Programa 5 s apresentação
Programa 5 s apresentaçãoPrograma 5 s apresentação
Programa 5 s apresentação
Ricardo Vasconcelos
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - Ergonomia
Amanda Dias
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
Nyedson Barbosa
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
Armazenamento, transporte e movimentação de cargas
Armazenamento, transporte  e movimentação de cargasArmazenamento, transporte  e movimentação de cargas
Armazenamento, transporte e movimentação de cargas
ProfessorRogerioSant
 
Plano de implantação do programa 5 s no departamento
Plano de implantação do programa 5 s no departamentoPlano de implantação do programa 5 s no departamento
Plano de implantação do programa 5 s no departamento
Maximiliano Barroso Bonfá
 
Treinamento 5s
Treinamento 5sTreinamento 5s
Treinamento 5s
Vinicius Souza
 
Cartilha Assédio Moral e Sexual
Cartilha Assédio Moral e SexualCartilha Assédio Moral e Sexual
Cartilha Assédio Moral e Sexual
Robson Peixoto
 
Apresentação 5 s
Apresentação 5 sApresentação 5 s
Apresentação 5 s
Aildo de Lima
 
Kaizen
KaizenKaizen
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Geisa Duarte
 
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoDescrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Templum Consultoria Online
 
Gerenciamento da rotina modulo-3
Gerenciamento da rotina modulo-3Gerenciamento da rotina modulo-3
Gerenciamento da rotina modulo-3
Thiago Reis
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Gustavo Zimmermann
 
Treinamento e desenvolvimento
Treinamento e desenvolvimentoTreinamento e desenvolvimento
Treinamento e desenvolvimento
Ivonei Hilgemberg
 
KAIZEN Interpretação e Gerenciamento - Curso online
KAIZEN Interpretação e Gerenciamento - Curso onlineKAIZEN Interpretação e Gerenciamento - Curso online
KAIZEN Interpretação e Gerenciamento - Curso online
GAC CURSOS ONLINE
 
Apresentação 5S
Apresentação 5SApresentação 5S
Apresentação 5S
teofilobetlen
 

Mais procurados (20)

Treinamento de Administracao do Tempo
Treinamento de Administracao do TempoTreinamento de Administracao do Tempo
Treinamento de Administracao do Tempo
 
5 s's
 5 s's  5 s's
5 s's
 
Slide 5 s
Slide 5 s Slide 5 s
Slide 5 s
 
Programa 5 s apresentação
Programa 5 s apresentaçãoPrograma 5 s apresentação
Programa 5 s apresentação
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - Ergonomia
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Armazenamento, transporte e movimentação de cargas
Armazenamento, transporte  e movimentação de cargasArmazenamento, transporte  e movimentação de cargas
Armazenamento, transporte e movimentação de cargas
 
Plano de implantação do programa 5 s no departamento
Plano de implantação do programa 5 s no departamentoPlano de implantação do programa 5 s no departamento
Plano de implantação do programa 5 s no departamento
 
Treinamento 5s
Treinamento 5sTreinamento 5s
Treinamento 5s
 
Cartilha Assédio Moral e Sexual
Cartilha Assédio Moral e SexualCartilha Assédio Moral e Sexual
Cartilha Assédio Moral e Sexual
 
Apresentação 5 s
Apresentação 5 sApresentação 5 s
Apresentação 5 s
 
Kaizen
KaizenKaizen
Kaizen
 
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
Modelo para-integracao-de-funcionario (1)
 
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoDescrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
 
Gerenciamento da rotina modulo-3
Gerenciamento da rotina modulo-3Gerenciamento da rotina modulo-3
Gerenciamento da rotina modulo-3
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
 
Treinamento e desenvolvimento
Treinamento e desenvolvimentoTreinamento e desenvolvimento
Treinamento e desenvolvimento
 
KAIZEN Interpretação e Gerenciamento - Curso online
KAIZEN Interpretação e Gerenciamento - Curso onlineKAIZEN Interpretação e Gerenciamento - Curso online
KAIZEN Interpretação e Gerenciamento - Curso online
 
Apresentação 5S
Apresentação 5SApresentação 5S
Apresentação 5S
 

Destaque

Kaizen
KaizenKaizen
Kaizen
KaizenKaizen
Como cultivar uma cultura Kaizen?
Como cultivar uma cultura Kaizen?Como cultivar uma cultura Kaizen?
Como cultivar uma cultura Kaizen?
Rodrigo Yoshima
 
7 passos para um bom kaizen
7 passos para um bom kaizen7 passos para um bom kaizen
7 passos para um bom kaizen
Jose Donizetti Moraes
 
Custeio do Ciclo de Vida do Produto
Custeio do Ciclo de Vida do ProdutoCusteio do Ciclo de Vida do Produto
Custeio do Ciclo de Vida do Produto
Ademir Beccegatto Jr.
 
Lean manufacturing 1-introdução
Lean manufacturing   1-introduçãoLean manufacturing   1-introdução
Lean manufacturing 1-introdução
jparsilva
 
Lean Manufacturing 3
Lean Manufacturing 3Lean Manufacturing 3
Lean Manufacturing 3
daniellopesfranco
 
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene SeibelManufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Sustentare Escola de Negócios
 
Kaizen
KaizenKaizen
Kaizen para Tecnologia da Informação
Kaizen para Tecnologia da InformaçãoKaizen para Tecnologia da Informação
Kaizen para Tecnologia da Informação
andreandrade17
 
7 adm apresentação programa de logística empresarial
7 adm apresentação programa de logística empresarial7 adm apresentação programa de logística empresarial
7 adm apresentação programa de logística empresarial
Delano Vieira
 
Custo do Ciclo de Vida (LCC) e Efetividade: Conceitos e Princípios
Custo do Ciclo de Vida (LCC) e Efetividade: Conceitos e PrincípiosCusto do Ciclo de Vida (LCC) e Efetividade: Conceitos e Princípios
Custo do Ciclo de Vida (LCC) e Efetividade: Conceitos e Princípios
Antonio Sallum Librelato
 
Modelos de atuação na Educação a Distância
Modelos de atuação na Educação a DistânciaModelos de atuação na Educação a Distância
Modelos de atuação na Educação a Distância
Luciano Sathler
 
Propostas
PropostasPropostas
Propostas
Kadu Mendes
 
Campanha Vitarella - Mais Sabor, Mais Recheio, Mais Amigos
Campanha Vitarella - Mais Sabor, Mais Recheio, Mais AmigosCampanha Vitarella - Mais Sabor, Mais Recheio, Mais Amigos
Campanha Vitarella - Mais Sabor, Mais Recheio, Mais Amigos
Luciana Ferratto
 
Kaisen ( espina de pescado )
Kaisen ( espina de pescado )Kaisen ( espina de pescado )
Kaisen ( espina de pescado )
Marisol Sanchez
 
Depoimento Disney 2012
Depoimento Disney 2012Depoimento Disney 2012
Depoimento Disney 2012
Ricardo Sartorato
 
Metodologia 5G para Solução de Problemas
Metodologia 5G para Solução de ProblemasMetodologia 5G para Solução de Problemas
Metodologia 5G para Solução de Problemas
Jose Donizetti Moraes
 
Uol
UolUol
Áreas de oportunidad de RSE - Medio ambiente 2
Áreas de oportunidad de RSE - Medio ambiente 2Áreas de oportunidad de RSE - Medio ambiente 2
Áreas de oportunidad de RSE - Medio ambiente 2
resociale
 

Destaque (20)

Kaizen
KaizenKaizen
Kaizen
 
Kaizen
KaizenKaizen
Kaizen
 
Como cultivar uma cultura Kaizen?
Como cultivar uma cultura Kaizen?Como cultivar uma cultura Kaizen?
Como cultivar uma cultura Kaizen?
 
7 passos para um bom kaizen
7 passos para um bom kaizen7 passos para um bom kaizen
7 passos para um bom kaizen
 
Custeio do Ciclo de Vida do Produto
Custeio do Ciclo de Vida do ProdutoCusteio do Ciclo de Vida do Produto
Custeio do Ciclo de Vida do Produto
 
Lean manufacturing 1-introdução
Lean manufacturing   1-introduçãoLean manufacturing   1-introdução
Lean manufacturing 1-introdução
 
Lean Manufacturing 3
Lean Manufacturing 3Lean Manufacturing 3
Lean Manufacturing 3
 
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene SeibelManufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
 
Kaizen
KaizenKaizen
Kaizen
 
Kaizen para Tecnologia da Informação
Kaizen para Tecnologia da InformaçãoKaizen para Tecnologia da Informação
Kaizen para Tecnologia da Informação
 
7 adm apresentação programa de logística empresarial
7 adm apresentação programa de logística empresarial7 adm apresentação programa de logística empresarial
7 adm apresentação programa de logística empresarial
 
Custo do Ciclo de Vida (LCC) e Efetividade: Conceitos e Princípios
Custo do Ciclo de Vida (LCC) e Efetividade: Conceitos e PrincípiosCusto do Ciclo de Vida (LCC) e Efetividade: Conceitos e Princípios
Custo do Ciclo de Vida (LCC) e Efetividade: Conceitos e Princípios
 
Modelos de atuação na Educação a Distância
Modelos de atuação na Educação a DistânciaModelos de atuação na Educação a Distância
Modelos de atuação na Educação a Distância
 
Propostas
PropostasPropostas
Propostas
 
Campanha Vitarella - Mais Sabor, Mais Recheio, Mais Amigos
Campanha Vitarella - Mais Sabor, Mais Recheio, Mais AmigosCampanha Vitarella - Mais Sabor, Mais Recheio, Mais Amigos
Campanha Vitarella - Mais Sabor, Mais Recheio, Mais Amigos
 
Kaisen ( espina de pescado )
Kaisen ( espina de pescado )Kaisen ( espina de pescado )
Kaisen ( espina de pescado )
 
Depoimento Disney 2012
Depoimento Disney 2012Depoimento Disney 2012
Depoimento Disney 2012
 
Metodologia 5G para Solução de Problemas
Metodologia 5G para Solução de ProblemasMetodologia 5G para Solução de Problemas
Metodologia 5G para Solução de Problemas
 
Uol
UolUol
Uol
 
Áreas de oportunidad de RSE - Medio ambiente 2
Áreas de oportunidad de RSE - Medio ambiente 2Áreas de oportunidad de RSE - Medio ambiente 2
Áreas de oportunidad de RSE - Medio ambiente 2
 

Semelhante a Trabalho final kaizen~ (1)

Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da ProduçãoCompetências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
Maximiliano Barroso Bonfá
 
Administração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosAdministração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanos
Pedro Quinanga
 
Kaisen e 5s
Kaisen e 5sKaisen e 5s
Kaisen e 5s
Michel Rodrigo Atz
 
Trabalho de gestão da qualidade.pptx
Trabalho de gestão da qualidade.pptxTrabalho de gestão da qualidade.pptx
Trabalho de gestão da qualidade.pptx
BrendaReinaldo
 
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas OrganizaçõesOs Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Gerisval Pessoa
 
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria ContínuaO Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
Gerisval Pessoa
 
Gestão da Qualidade - 5S.ppt
Gestão da Qualidade - 5S.pptGestão da Qualidade - 5S.ppt
Gestão da Qualidade - 5S.ppt
sandra468841
 
Qualidade total oficial
Qualidade total oficialQualidade total oficial
Qualidade total oficial
Rodrigo Paulino
 
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicaçõesCiclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Adm. Daniel Paulino
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
GiseleSouza53260
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
Fábio Nascimento
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
claudio864549
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
RicardoSilva562385
 
Almoxarife e seus principais desafios na logistica
Almoxarife e seus principais desafios na logisticaAlmoxarife e seus principais desafios na logistica
Almoxarife e seus principais desafios na logistica
silvasidnalva87
 
Os 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de demingOs 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de deming
Kellecampos Kelle Campos
 
Os 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de demingOs 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de deming
Valéria E Marcos Nós
 
Melhoria continua de processos
Melhoria continua de processosMelhoria continua de processos
Melhoria continua de processos
CLT Valuebased Services
 
O ciclo pdca e outras metodologias curso aula 1
O ciclo pdca e outras  metodologias curso aula 1O ciclo pdca e outras  metodologias curso aula 1
O ciclo pdca e outras metodologias curso aula 1
DeyseQueirosSantos
 
Gestao da qualidade total
Gestao da qualidade totalGestao da qualidade total
Gestao da qualidade total
CÁTIA OLIVEIRA
 
97802804 gerenciamento-da-rotina-falconi
97802804 gerenciamento-da-rotina-falconi97802804 gerenciamento-da-rotina-falconi
97802804 gerenciamento-da-rotina-falconi
Odé Lonim
 

Semelhante a Trabalho final kaizen~ (1) (20)

Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da ProduçãoCompetências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
 
Administração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosAdministração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanos
 
Kaisen e 5s
Kaisen e 5sKaisen e 5s
Kaisen e 5s
 
Trabalho de gestão da qualidade.pptx
Trabalho de gestão da qualidade.pptxTrabalho de gestão da qualidade.pptx
Trabalho de gestão da qualidade.pptx
 
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas OrganizaçõesOs Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
 
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria ContínuaO Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
 
Gestão da Qualidade - 5S.ppt
Gestão da Qualidade - 5S.pptGestão da Qualidade - 5S.ppt
Gestão da Qualidade - 5S.ppt
 
Qualidade total oficial
Qualidade total oficialQualidade total oficial
Qualidade total oficial
 
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicaçõesCiclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Almoxarife e seus principais desafios na logistica
Almoxarife e seus principais desafios na logisticaAlmoxarife e seus principais desafios na logistica
Almoxarife e seus principais desafios na logistica
 
Os 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de demingOs 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de deming
 
Os 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de demingOs 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de deming
 
Melhoria continua de processos
Melhoria continua de processosMelhoria continua de processos
Melhoria continua de processos
 
O ciclo pdca e outras metodologias curso aula 1
O ciclo pdca e outras  metodologias curso aula 1O ciclo pdca e outras  metodologias curso aula 1
O ciclo pdca e outras metodologias curso aula 1
 
Gestao da qualidade total
Gestao da qualidade totalGestao da qualidade total
Gestao da qualidade total
 
97802804 gerenciamento-da-rotina-falconi
97802804 gerenciamento-da-rotina-falconi97802804 gerenciamento-da-rotina-falconi
97802804 gerenciamento-da-rotina-falconi
 

Mais de Moises Ribeiro

Questões multipla escolha segmentação
Questões multipla escolha segmentaçãoQuestões multipla escolha segmentação
Questões multipla escolha segmentação
Moises Ribeiro
 
Questões multipla escolha diferenciação
Questões multipla escolha  diferenciaçãoQuestões multipla escolha  diferenciação
Questões multipla escolha diferenciação
Moises Ribeiro
 
Questões dissertativas mercado global
Questões dissertativas mercado globalQuestões dissertativas mercado global
Questões dissertativas mercado global
Moises Ribeiro
 
W m s
W m sW m s
Trabalho wms
Trabalho wmsTrabalho wms
Trabalho wms
Moises Ribeiro
 
Aula 6 gestão de marketing
Aula 6 gestão de marketingAula 6 gestão de marketing
Aula 6 gestão de marketing
Moises Ribeiro
 
Questionário de quinta
Questionário de quintaQuestionário de quinta
Questionário de quinta
Moises Ribeiro
 
Lean manufacturing slides
Lean manufacturing slidesLean manufacturing slides
Lean manufacturing slides
Moises Ribeiro
 
Questionário de quinta
Questionário de quintaQuestionário de quinta
Questionário de quinta
Moises Ribeiro
 
Questionário josé roberto
Questionário josé robertoQuestionário josé roberto
Questionário josé roberto
Moises Ribeiro
 
Localização industrial slide
Localização industrial slideLocalização industrial slide
Localização industrial slide
Moises Ribeiro
 
Trabalho jit odirlei
Trabalho jit   odirleiTrabalho jit   odirlei
Trabalho jit odirlei
Moises Ribeiro
 
Prod textos atividade_gestao_10_5
Prod textos atividade_gestao_10_5Prod textos atividade_gestao_10_5
Prod textos atividade_gestao_10_5
Moises Ribeiro
 
Prod textos atividade_gestao_10_5
Prod textos atividade_gestao_10_5Prod textos atividade_gestao_10_5
Prod textos atividade_gestao_10_5
Moises Ribeiro
 
Sistemas de amortização
Sistemas de amortizaçãoSistemas de amortização
Sistemas de amortização
Moises Ribeiro
 
Sistemas de amortização
Sistemas de amortizaçãoSistemas de amortização
Sistemas de amortização
Moises Ribeiro
 
Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04
Moises Ribeiro
 
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Moises Ribeiro
 
Características do gestor ideal resposta 03_05
Características do gestor ideal resposta 03_05Características do gestor ideal resposta 03_05
Características do gestor ideal resposta 03_05
Moises Ribeiro
 
Analise dificl haver_bons_resultados_03_05_opinião_argumento
Analise dificl haver_bons_resultados_03_05_opinião_argumentoAnalise dificl haver_bons_resultados_03_05_opinião_argumento
Analise dificl haver_bons_resultados_03_05_opinião_argumento
Moises Ribeiro
 

Mais de Moises Ribeiro (20)

Questões multipla escolha segmentação
Questões multipla escolha segmentaçãoQuestões multipla escolha segmentação
Questões multipla escolha segmentação
 
Questões multipla escolha diferenciação
Questões multipla escolha  diferenciaçãoQuestões multipla escolha  diferenciação
Questões multipla escolha diferenciação
 
Questões dissertativas mercado global
Questões dissertativas mercado globalQuestões dissertativas mercado global
Questões dissertativas mercado global
 
W m s
W m sW m s
W m s
 
Trabalho wms
Trabalho wmsTrabalho wms
Trabalho wms
 
Aula 6 gestão de marketing
Aula 6 gestão de marketingAula 6 gestão de marketing
Aula 6 gestão de marketing
 
Questionário de quinta
Questionário de quintaQuestionário de quinta
Questionário de quinta
 
Lean manufacturing slides
Lean manufacturing slidesLean manufacturing slides
Lean manufacturing slides
 
Questionário de quinta
Questionário de quintaQuestionário de quinta
Questionário de quinta
 
Questionário josé roberto
Questionário josé robertoQuestionário josé roberto
Questionário josé roberto
 
Localização industrial slide
Localização industrial slideLocalização industrial slide
Localização industrial slide
 
Trabalho jit odirlei
Trabalho jit   odirleiTrabalho jit   odirlei
Trabalho jit odirlei
 
Prod textos atividade_gestao_10_5
Prod textos atividade_gestao_10_5Prod textos atividade_gestao_10_5
Prod textos atividade_gestao_10_5
 
Prod textos atividade_gestao_10_5
Prod textos atividade_gestao_10_5Prod textos atividade_gestao_10_5
Prod textos atividade_gestao_10_5
 
Sistemas de amortização
Sistemas de amortizaçãoSistemas de amortização
Sistemas de amortização
 
Sistemas de amortização
Sistemas de amortizaçãoSistemas de amortização
Sistemas de amortização
 
Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04
 
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
 
Características do gestor ideal resposta 03_05
Características do gestor ideal resposta 03_05Características do gestor ideal resposta 03_05
Características do gestor ideal resposta 03_05
 
Analise dificl haver_bons_resultados_03_05_opinião_argumento
Analise dificl haver_bons_resultados_03_05_opinião_argumentoAnalise dificl haver_bons_resultados_03_05_opinião_argumento
Analise dificl haver_bons_resultados_03_05_opinião_argumento
 

Trabalho final kaizen~ (1)

  • 1. 0 UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE Aline Cristiane S. Sardinha Márcio Domingues Marcos Roberto dos Santos Sá Moisés Ribeiro Paulo Edson R. dos Santos Tied Humberto Nakahara KAIZEN MELHORIA CONTÍNUA Sorocaba / SP 2013
  • 2. 1 Aline Cristiane S. Sardinha Márcio Domingues Marcos Roberto dos Santos Sá Moisés Ribeiro Paulo Edson R. dos Santos Tied Humberto Nakahara KAIZEN MELHORIA CONTÍNUA Trabalho apresentado como exigência parcial para obtenção do Diploma de Graduação em Gestão da Qualidade da Universidade de Sorocaba. Orientador: Prof. Odirlei Amaro Ferreira Sorocaba / SP 2013
  • 3. 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO .........................................................................................................3 2 FILOSOFIA KAIZEN................................................................................................4 2.1 Sistema Kaizen....................................................................................................5 2.2 Melhoramento Revolucionário e Melhoramento Contínuo..............................5 3 MODELOS DE CICLO DE MELHORAMENTO ......................................................6 3.1 Ciclo PDCA ..........................................................................................................6 3.2 Ciclo DMAIC.........................................................................................................6 4 FERRAMENTAS KAIZEN .......................................................................................7 4.1 Muda.....................................................................................................................7 4.2 Programa 5S ........................................................................................................8 5 CUSTO KAIZEN ......................................................................................................9 5.1 Objetivo................................................................................................................9 5.2 Diferença Conceitual...........................................................................................9 5.3 Diferença de Procedimento..............................................................................10 6 TOYOTA ...............................................................................................................10 7 CONSIDERAÇÕES................................................................................................12 REFERÊNCIAS.........................................................................................................13
  • 4. 3 1. INTRODUÇÃO Os sistemas e as teorias de melhoria na produção começaram a surgir, em sua maioria, após a Segunda Guerra Mundial, período marcado pela reconstrução da economia mundial e na qual a população, em sua grande parte, passou a exigir mais atenção aos seus direitos, tanto no que diz respeito a sua posição de consumidor de bens e serviços, quanto no papel de produtor desses mesmos bens. A visão administrativa desenvolvida pelos japoneses difere das demais por dar maior ênfase à participação de seus colaboradores nas responsabilidades empresariais, principalmente ao trabalho em equipe, para que desta forma, eles compreendam os processos produtivos e administrativos como um todo e se tornem parte da tomada de decisão. Este processo foi denominado de Círculo de Controle de Qualidade (CCQ), disseminado por Kaoru Ishikawa que objetiva desenvolver em todos os funcionários a necessidade da busca constante da qualidade global das empresas. A perspectiva de melhoria contínua reconhece que o ambiente de negócios muda constantemente, e que somente pela constante melhoria uma empresa pode acompanhar esse ambiente mutável (CALDWELL et al, 2011). A filosofia kaizen está diretamente envolvida neste processo e prega que a mudança seja realizada diariamente sempre visando o melhoramento em algum lugar na empresa ou na vida pessoal. A idéia principal é buscar no ser humano, o conhecimento para encontrar soluções para os problemas de qualidade nas atividades que realizam, para isso incentiva a potencialização de um recurso já obtido pela organização que é o seu colaborador. A busca pela melhoria contínua tem como objetivo alcançar uma vantagem competitiva promovendo a criatividade, a integração, e o bem-estar de seus colaboradores. Imai (1994) afirma que o melhoramento é dividido em kaizen e inovação. A inovação envolve um melhoramento drástico, como resultado de um grande investimento em uma tecnologia e/ou equipamento, este enfoque diferencia as empresas ocidentais que prezam mais pela inovação que os avanços tecnológicos ou novas técnicas e conceitos trazem, das empresas orientais que preocupam-se com as pequenas e sutis mudanças trazidas pela filosofia, com suas técnicas simples.
  • 5. 4 2 FILOSOFIA KAIZEN O termo Kaizen é formado a partir de Kai, que significa modificar, e Zen, que significa para melhor (MARTINS; LAUGENI, 2005). A filosofia kaizen foi criada no Japão pelo engenheiro Taichi Ohno, com a finalidade de reduzir os desperdícios gerados nos processos produtivos, buscando a melhoria contínua da qualidade dos produtos e o aumento da produtividade esta filosofia tornou-se mundialmente conhecida pela sua aplicação dentro do Sistema Toyota de Produção (STP). De acordo com Oishi (1995), por meio do Kaizen busca-se, na empresa, a melhoria em diferentes vertentes (econômica, técnica e de eficácia) dentro do contexto de harmonia e considerações humanas; ou seja, a melhoria da produtividade ou lucratividade da empresa não pode ser visada em detrimento do melhor condicionamento dos elementos humanos inerentes. Esta filosofia está baseada na eliminação de desperdícios com base no bom senso, no uso de soluções baratas que se apoiem na motivação e criatividade dos colaboradores para melhorar a prática nos seus processos de trabalho, com foco na busca pela melhoria contínua (SHARMA; MOODY, 2003). A partir de 1986, o kaizen foi introduzido na administração por Masaaki Imai e, a exemplo de outras idéias lançadas pelos japoneses, seus conceitos iniciais se expandiram para uma filosofia organizacional e comportamental (MARTINS; LAUGENI, 2005). Imai sugere a aplicação do kaizen em oito etapas, cujo cumprimento pode ajudar a solucionar problemas baseados em análise de dados, facilitar a visualização e a comunicação do processo de solução de problemas a ser um modo eficaz de manter registros de atividades de kaizen: Escolha do foco da aplicação (determinados conforme as políticas administrativas de acordo com a prioridade, importância, urgência ou situação econômica); Análise do contexto; Coleta e análise de dados para identificação da causa-raiz; Estabelecer contramedidas com base em análise de dados; Implementar contramedidas; Confirmar os efeitos das contramedidas; Estabelecer ou revisar padrões para evitar recorrência;
  • 6. 5 Analisar os processos anteriores e começar a trabalhar nas etapas seguintes. 2.1 Sistema Kaizen O sistema kaizen tem como premissa a melhoria contínua e sua filosofia consiste em um importante recurso na busca incessante da melhora de processos produtivos e administrativos, tornando-os mais enxutos e velozes. Segundo Siqueira (2005), no que se refere à aplicação do sistema kaizen em uma organização pode-se considerar o seguinte: - a alta administração da empresa passa assumir os valores do kaizen (basicamente a melhoria contínua) como parte da política da qualidade; - a alta administração precisa instituir uma série de atividades para a promoção dos valores adotados. Isto pressupõe a disponibilização dos recursos necessários a todas essas atividades. Essas atividades podem variar de empresa para empresa e pode-se citar como exemplo o estímulo à formação de Círculos da Qualidade, Programas de Sugestão, Programa 5S, programas de treinamento em técnicas estatísticas e ferramentas da qualidade e principalmente técnicas de solução de problemas, entre outros. - o corpo de funcionários passa a incorporar no seu dia-a-dia práticas relacionadas com a melhoria contínua. Normalmente a melhoria se aplica ao desempenho dos processos, à satisfação do cliente (tanto externo, quanto interno), à qualidade de vida na empresa, à organização do ambiente de trabalho, à segurança pessoal, etc. 2.2 Diferença entre melhoramento revolucionário e melhoramento contínuo O melhoramento revolucionário dá grande valor para soluções criativas. Ele incentiva o pensamento livre e a iniciativa individual. É uma filosofia radical, à medida que alimenta uma abordagem de melhoramento que, de fato, não aceita muitas limitações sobre o que é possível. “Começar com uma folha de papel em branco”, “voltar aos princípios básicos” e “repensar completamente o sistema” são típicos princípios do melhoramento revolucionário. O melhoramento contínuo, por outro lado, é menos ambicioso, pelo menos em curto prazo. Ele favorece a adaptabilidade, o trabalho em grupo e a atenção a detalhes. Ele não é radical; ao contrário, é aquele construído da experiência
  • 7. 6 acumulada dentro da operação em si; confia com frequência nas pessoas que operam o sistema para melhorá-lo. 3 MODELOS DE CICLO DE MELHORAMENTO A natureza cíclica e repetida do melhoramento contínuo é geralmente resumida pela ideia de ciclos de melhoramento. 3.1 Ciclo PDCA O ciclo consiste em uma sequência de passos utilizado para controlar qualquer processo definido, esta ferramenta auxilia na organização do processo de implementação de melhorias fornecendo uma diretriz para sua condução. O método começa com o estágio P (planejar-plan), que envolve o exame do atual método ou área problema estudada, isso envolve coletar e analisar dados de modo a formular um plano de ação que melhore o desempenho. O segundo estágio é o D (fazer-do), esse é o estágio de implementação, durante o qual são avaliadas as dificuldades, o terceiro estágio é o C (checar-check) nesta etapa é verificado se a nova solução implementada resultou no melhoramento do desempenho esperado e finalmente o vem último estágio; A (agir-action) nesta fase a mudança é consolidada ou padronizada, se foi bem sucedida. 3.2 Ciclo DMAIC O ciclo DMAIC abrange um modelo de administração de negócios ou desenvolvimento de um projeto, também é um método de resolução de problemas onde se pretende realizar melhorias e é realizado em cinco etapas: D (definir-define) os processos críticos e os objetivos diante do negócio e das expectativas e necessidades dos clientes; M (medir-measure) expectativas e necessidades do cliente e o desempenho do processo, identificar os problemas e a intensidade dos mesmos; A (analisar-analyse) e determinar o desempenho e as causas dos problemas; I (melhorar-improve) o processo eliminando os problemas, reduzindo custos e agregando valores para os clientes; C (controlar-control) o desempenho do processo.
  • 8. 7 4 FERRAMENTAS KAIZEN Imai destaca que existem três atividades indispensáveis para um kaizen eficiente e bem sucedido, fáceis de entender e implementar, não exigindo conhecimentos ou tecnologia sofisticados, cuja única dificuldade é o desenvolvimento da autodisciplina necessária para mantê-las: a padronização, a eliminação do muda (palavra japonesa que significa perda/desperdício) e refere-se a qualquer coisa ou atividade que não agregue valor e os 5S. 4.1 MUDA Para a redução efetiva dos custos da produção, os desperdícios devem ser analisados e ponderados, pois tem uma relação entre si e são muitas vezes ocultados pela complexidade de uma grande organização. As sete categorias do desperdício são: - Desperdício de Superprodução: é o desperdício de se produzir antecipadamente à demanda, para o caso de os produtos serem requisitados no futuro. - Desperdício de Estoque: os produtos finais, produtos semiacabados ou peças e suprimentos mantidos em estoque não agregam valor, ao contrário, aumentam o custo operacional ocupando espaço, exigindo equipamento adicional, instalações e mão de obra para operação e administração, estoque é o resultado do excesso de produção. - Desperdício de Produzir Produtos Defeituosos: os refugos interrompem a produção e exigem retrabalho, frequentemente precisam ser descartados, gerando perda de recursos, mão de obra, equipamentos, além da movimentação e inspeção, podendo ser eliminado pelo trabalho correto desde a primeira vez. - Desperdício de processamento: muitas vezes, a tecnologia ou projeto inadequado resulta em muda no próprio processamento do trabalho, é a realização de funções ou etapas do processo que não agregam valor ao produto. - Desperdício de espera: trata-se do material que está esperando para ser processado, ou quando o trabalho de um operador fica em espera devido a desequilíbrios de linha, falta de peças ou paralisação de máquinas. - Desperdício de Transporte: o transporte e a movimentação de materiais são atividades que não agregam valor ao produto produzido e são necessárias devido às
  • 9. 8 restrições do processo e das instalações que impõem grandes distâncias a serem percorridas pelo material ao longo do processo. - Desperdício de Movimentação: são os desperdícios presentes nas mais variadas operações do processo produtivo decorrentes da interação entre o operador e a máquina/ferramenta ou material do processo, movimento que não agrega valor é improdutivo, isso pode ser identificado e a posição das peças pode ser reorganizada ou desenvolver ferramentas e matrizes adequadas. 4.2 PROGRAMA 5S O programa 5S é um conjunto de atividades que visa aperfeiçoar o comportamento das pessoas, refletindo em uma mudança de hábitos e atitudes, permite a eliminação de perdas e desperdícios e é capaz de modificar o humor, harmonizar o ambiente e a maneira da condução do trabalho de todos. O 5S são as iniciais de 5 palavras japonesas: Seiton, Seiri, Seiketsu e Shitsuke. - Seiton, providenciar a arrumação e deixar tudo em ordem. Todos os materiais (sejam quais forem) necessitam ser mantidos em ordem, para que possam ser encontrados de imediato e estejam prontos para uso sempre que necessários. Deixar as coisas no lugar certo, para não se perder tempo e gastar energia desnecessária, procurando-as. - Seiri, evitar o desnecessário. Separar o desnecessário do necessário e guardá-lo num lugar que lhe é próprio para que não atrapalhe a rotina de trabalho ou qualquer outra atividade. Disponibilizar as coisas realmente necessárias ao trabalho e aquelas desnecessárias doá-las. - Seiso, manter limpo. O local de trabalho assim como qualquer outro local e material, para que a sujeira não atrapalhe a produtividade nem provoque má qualidade na produção. - Seiketsu, manter a higiene, padronização e arrumação. Os equipamentos e áreas de trabalho devem estar sempre limpos e asseados, de modo a garantir segurança no local de trabalho, através da remoção de itens quebrados, supérfluo e desnecessário. - Shitsuke, disciplina. Quando os 4S’s anteriores estiverem em prática observa-se que foi estabelecido uma nova maneira de trabalhar e não deve ser permitido o regresso às antigas práticas.
  • 10. 9 5 CUSTO KAIZEN O custo kaizen significa manter os níveis correntes de custo para os produtos atualmente manufaturados e trabalhar sistematicamente para reduzir os custos aos valores desejados. O sistema de custo kaizen abrange o sistema contábil administrativo da empresa e seu programa de atividades kaizen ao nível do chão-de- fábrica (JIT, TQM, etc). Existem dois tipos de custo kaizen: Atividades de custo kaizen específicas por departamento ou por fábrica, programadas para cada período de negócios. Atividades de custo kaizen por modelo de produto executado como projetos especiais com ênfase na Análise de Valor. 5.1 Objetivo O principal objetivo do custo kaizen é a constante busca de reduções de custo em todas as etapas da manufatura para ajudar a eliminar qualquer diferença entre os lucros-alvo (lucros orçados) e os lucros estimados. Essa abordagem difere em termos de conceito e de procedimentos em relação à administração de custo da forma praticada em um sistema de custeio-padrão. 5.2 Diferença Conceitual Um sistema de custeio-padrão: Exerce controle para tornar custos reais iguais a custos-padrão (o objetivo é a manutenção dos custos). Supõe que as condições atuais de manufatura serão mantidas e não modificadas. Um sistema de custo kaizen: É um sistema de redução de custos que visa reduzir custos reais para um patamar inferior aos dos custos-padrão. Exerce controle para atingir reduções de custo-alvo. Modifica continuamente as condições de manufatura para reduzir custos.
  • 11. 10 5.3 Diferenças de Procedimento Um sistema de custeio-padrão: Estabelece custos-padrão uma ou duas vezes ao ano. Conduz análises de diferenças entre custos-padrão e custos reais. Executa investigações e medidas corretivas quando os custos-padrão não são atingidos. Um sistema de custo kaizen: Estabelece novos alvos de redução de custos todo mês; tais alvos são projetados para eliminar diferenças entre lucros-alvo (lucros-orçados) e lucros estimados. Conduz atividades kaizen (melhorias contínuas) durante todo o ano comercial para atingir reduções de custo-alvo. Conduz análises de diferenças entre custo-alvo e custos reais. Faz investigações e toma medidas corretivas quando as reduções de custo-alvo não são atingidas. 6 TOYOTA Com o acirramento da concorrência, mercado globalizado e o surgimento de um consumidor mais exigente, o alinhamento dos preços para os produtos passou a ser determinado pelo mercado, sendo assim, a única forma de aumentar ou manter o lucro é através da redução dos custos. Um dos grandes ícones dos últimos tempos no foco de redução de custos é a Toyota Motor Co. No período da reconstrução do Japão o fato da produtividade americana ser tão superior à japonesa chamou a atenção para a única explicação razoável: a diferença de produtividade só poderia ser explicada pela existência de perdas no sistema de produção japonês, a produtividade dos trabalhadores americanos era aproximadamente dez vezes superior à produtividade da mão de obra japonesa. Taiichi Ohno, então engenheiro-chefe da Toyota, percebeu que os seus trabalhadores eram subutilizados, as tarefas eram repetitivas além de não agregar valor, existia uma forte divisão (projeto e execução) do trabalho, a qualidade era negligenciada ao longo do processo de fabricação e existiam grandes estoques intermediários. Na linguagem da engenharia industrial consagrada pela Toyota, havia perdas (MUDA em japonês) presentes no sistema produtivo a partir daí, o que
  • 12. 11 se viu foi a estruturação de um processo sistemático de identificação e eliminação das perdas, focando na identificação dos componentes do trabalho que não agregavam valor; atividades completamente desnecessárias que geravam custo e que, portanto, deveriam ser imediatamente eliminadas. Neste período com a ajuda de Deming, Juran e Feigenbaum foi apresentado aos japoneses técnicas de controle estatístico apoiadas em ferramentas estatísticas de uso corriqueiro, bem como o uso do ciclo PDCA e outros, originando o sistema de Controle da Qualidade Total (TQC) que foi disseminado por Kaoru Ishikawa. Seus esforços em treinar operadores resultaram nas atividades de pequenos grupos (CCQ’s – Círculos de Controle da Qualidade). Outro elemento introduzidos pelo Controle da Qualidade Total é a ideia da melhoria contínua. A filosofia kaizen tem sido um dos três pilares de sustentação desse processo de redução e enxugamento de perdas desenvolvido pela Toyota, conhecido também como Sistema Toyota de Produção (STP). Conceitualmente, kaizen é a melhoria incremental e contínua de uma atividade, focada na eliminação de perdas, de forma a agregar mais valor ao produto/serviço com um mínimo de investimento. Este processo desenvolve-se a partir da padronização da melhor solução e subsequentemente melhoria deste padrão, garantindo que os pequenos ganhos sejam incorporados às práticas operacionais, evitando distorções de condutas no dia-a-dia por parte de quem conduz os processos, gerando incertezas quanto ao resultado final do mesmo. O kaizen busca otimizar o processo para atingir as necessidades do cliente no menor tempo possível, na qualidade esperada e no mais baixo custo admissível. A essência de todas as palavras japonesas da administração: TQC, Produtividade, CQ, Robótica, Kanban, JIT, Zero Defeito..., ficam reduzidas na palavra KAIZEN. É, pois, um guarda chuva que abrange a maioria dessas práticas. Observamos que empresas de classe mundial têm usado a filosofia kaizen com os seguintes propósitos: Foco na melhoria contínua, olhar seu processo cada dia de maneira diferente; criatividade para utilizar o poder de quem está diretamente ligado aos processos e utilizar também pessoas que não estão ligadas ao processo para estimular o senso crítico e o desapego aos paradigmas. Total comprometimento dos empregados em assumir papéis e responsabilidades pelos resultados de todos os processos, deixando claro que o
  • 13. 12 sucesso ou o fracasso de uma empresa não pode ser atribuído apenas a seus executivos. 7 CONSIDERAÇÕES O processo de globalização, a alta competitividade e às inovações tecnológicas vem interferindo diretamente nas formas de trabalho e com isso novas práticas e novos conceitos vão se formando com o tempo, buscando sempre a satisfação do cliente e a otimização dos custos e processos para as empresas. O principal objetivo das empresas é a sua manutenção e o seu crescimento junto ao mercado global. Para que estes resultados positivos sejam obtidos são utilizadas várias ferramentas para a melhoria de seus processos dentre elas o Programa 5S. A aplicação prática e sistemática da filosofia kaizen por meio de suas ferramentas, busca estar a cada dia em todos os processos, introduzindo alternativas de redução de custos e mantendo a qualidade de seu produto, isso garante o amadurecimento contínuo das atividades de melhoria contínua na organização onde é fundamental o envolvimento das pessoas nas atividades, dividindo responsabilidades e com isso melhorando o resultado como um todo.
  • 14. 13 R E F E R Ê N C I A S MONDEN, Yasuhiro. Sistemas de redução de custos: custo-alvo e custo kaizen. Porto Alegre: Bookman, 1999. 270p. SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009, 703p. Rodrigues, Marcos Vinicius Carvalho. Ações para a Qualidade: Gestão Estratégica e Integrada para a Melhoria dos Processos na Busca da Qualidade e Competitividade. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2010, 456p. ALMEIDA, M.R; BELO,J.N.A.; SILVA, B.C. Evento Kaizen: Estudo de Caso em uma Metalúrgica Brasileira. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXXI, 04 a 07/11/2011, Belo Horizonte, MG, Brasil. GUARNIERI, P; OLIVEIRA, L.S; PURCIDONIO, P.M.; PAGANI, R.N.; HATAKEYAMA, K. In: Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais, II, 14 e 15/08/2009, Campos Gerais, MG, Brasil. HONBURG, S; WILL, D.M; GARGIONI, P.C. Introdução da Filosofia de Melhoria Contínua nas Fábricas através de Eventos Kaizen. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXVII, 09 a 11/10/2007, Foz do Iguaçu, PR,Brasil. KAIZEN ou Melhoria Contínua. Disponível em: <http://www.lean.org.br/leanmail/49/kaizen-ou-melhoria-continua.aspx>. Acesso em: 08/05/2013. DMAIC. Disponível em: <http://br.kaizen.com/artigos-e-livros/artigos/dmaic.html>. Acesso em: 08/05/2013. O Sistema Toyota de Produção. Disponível em: <http://www.tga- online.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=132&Itemid=55> Acesso em: 08/05/2013.