SlideShare uma empresa Scribd logo
INDIVIDUOS E GRUPOS
Processos de relação entre indivíduos e grupos
ATRAÇÃO, AGRESSÃO E INTIMIDADE
Asrelações queseestabelecem entreosmembrosdeumgrupoestão
marcadas pela afetividade, estabelecendo entre si diferentes tipo de
interação:
- Atração: A atração interpessoal reflete-se pela preferência por
determinadas pessoas, o que nos leva a procurar partilhar a sua presença.
Baseia-se na avaliação cognitiva e afetiva que fazemos dos outros.
A atração pessoal está muito marcada pelas emoções, afetos e
sentimentos. Está relacionado com a história pessoal de cada um. Os
fatores que intervêm no processo de atração pessoal são:
1. Proximidade
2. Familiaridade
3. Atração Física
4. Semelhanças Interpessoais
5. Qualidades Positivas
6. Complementaridade
7. Reciprocidade
- Agressão: Comportamento que visa causar danos físicos ou psicológicos
a alguém e que se reflete a intenção de destruir.
Quanto à intenção do sujeito temos a agressão hostil – envolve
emoção e impulsividade e visa causar danos a outrem -, e a agressão
instrumental – visa um objetivo que, para ser atingido, pode ou não causar
danos, é planeada logo não é impulsiva.
Quanto ao alvo há a agressãodireta – dirige-seao objeto quejustifica
a agressão -, a agressão deslocada – o sujeito dirige a agressão a um alvo
que não é responsável pela causa que lhe deu origem -, e a autoagressão.
Quanto à forma de expressão temos a agressão aberta – agressão
explícita -, a agressão dissimulada – recorre a meios não abertos ou não
explícitos, como o sarcasmo ecinismo -, e a agressão inibida – o sujeito não
manifesta a agressão e guarda rancor.
Origem da agressividade – Inata ou produto da aprendizagem?
 Freud – A agressividadetem origem nas pulsões inatas (pulsões de vida
– manutenção do individuo e pulsões sexuais -, e pulsões de morte –
autodestrutivas, explicam os comportamentos agressivos). Sefossemos
imortais não haveria guerra nem comportamentos agressivos;
 Lorenz – A agressividade está programada geneticamente e é ativada
por impulsos específicos. O ser humanos não a consegue regular e ela é
fundamental à sua preservação;
 Dollard – A agressividade é provocada pela frustração;
 Bandura – Os comportamentos agressivos são fruto da aprendizagem
social (observação e imitação desses comportamentos), já que se
adquirem no processo de socialização.
Pode concluir-se que a agressão se relaciona com fatores de carater
orgânico (envolve vários processos fisiológicos), o que não significa que o
ser humano esteja geneticamente programado para desenvolver
comportamentos agressivos. Fatores relacionados com o meio social, com
a aprendizageme comas experiências pessoais têmum papel fundamental
na expressão da agressão.
A flexibilidade e a plasticidade do ser humanos leva-o a escapar a
programas fechados e deterministas. Os esquemas inatos são flexíveis e
moldáveis, como com a agressividade. A sua manifestação e expressão
relaciona-se com o contexto social. A predisposição para a agressividade
pode ser estimulada ou inibida. A agressão explica-se pela interação
complexa de vários fatores:
 Mecanismo biológicos;
 Álcool e drogas;
 Cultura;
 Mass media;
 Frustração, provocações, insultos e humilhações.
- Intimidade: Experiência que implica entre ambas as partes uma forte
vivência, um grande envolvimento e uma comunicação profunda, na qual
separtilham sentimentos, pensamentos e experiencia, criando, assim, uma
relação de abertura, sinceridade e confiança.
As relações íntimas são um tipo particular de interação social que se
manifesta em diferentes níveis dependendo das pessoas com quem nos
relacionamos. Nem todas as pessoas mantêm ou estabelecem essas
relações, devido à sua história pessoa, personalidade e experiencia.
As relações de intimidade não são todas iguais, havendo uma dimensão
relacional e uma dimensão pessoal (personalidade, história de vida,
contexto da vida em que se encontra). Podem, então, considerar-secinco
tipos de dimensão de intimidade:
1. Social (ter amigos);
2. Sexual (partilhar contacto físico e/ou sexual);
3. Emocional (proximidade de sentimentos, compreensão e apoio);
4. Intelectual (partilha de ideias, conceções, teorias);
5. Lúdica (partilhar tempos livres e de lazer e gostos comuns).
As relações interpessoais íntimas são, geralmente, relações intensas,
duradouras, frequentes, nas quais é privilegiada a comunicação de
sentimentos, crenças, dados pessoais e afetos.
As componentes das interações íntimas são as interações verbais –
comunicação através da palavra -, e as interações não-verbais –
manifestam-seatravésda proximidadefísica,do toque, dapostura,da troca
de olhares, das expressões faciais, e têm graus diferentes.
O contexto socialcondiciona,atravésdasconvençõessociais,asrelações
de intimidade e as suas expressões (amizade e amor, neste caso).
Intimidade e Amizade
Uma relação de amizade é pessoal, informal, voluntária, que envolve
reciprocidadee atração pessoal, que facilita os objetivos que os envolvidos
querem atingir, é positiva e de longa duração. Estas relações envolvem
reciprocidade (há expetativas que quando não são atingidas podem
comprometer a relação) e privilegiam qualidades como a confiança, a
lealdade, o carinho e afeto.
As relações de amizade correspondem a um importante suporte
psicológico e a sua rutura pode ser um fator de grande perturbação. As
amizadesvariamsegundoumconjunto defatores:Idade,Género, Contexto
Social e Características Individuais.
Intimidade e Amor
O amor, ao contrário de gostar, inclui uma excitação e interesse noutra
pessoa, uma oscilação de emoções e vários elementos de paixão. Dentro
dele existe o amor apaixonado e o amor companheiro.
O amor apaixonado é um estado de envolvimento muito intenso, no
qual existe um sentimento intenso e repentino de “amar”, um desejo de
amor mútuo, de proximidade física e de medo que a relação acabe e onde
intervém a excitação e o desejo sexual.
O amor companheiro é uma amizade muito íntima de ternura, cuidado
e respeito mutos e de atração meramente platónica, onde existe um forte
afeto pelas pessoas com quem temos essas relações fortes (familiares,
amigos íntimos).
O amor tem três dimensões:
1. Intimidade– Sentimentos que visama proximidade emocional, a união,
a compreensão mútua e a partilha (Componente emocional);
2. Paixão – Intenso desejo sexual, vontade imensa de estar com o outro
(Componente motivacional);
3. Compromisso – Intensão de um comprometimento em manter uma
relação amorosa (Componente cognitiva).
O amor consumado integraria as três componentes.
ESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS E DISCRIMINAÇÃO
- Estereótipos: São crenças que dão uma imagem simplificada das
características de um grupo ou dos membros de um grupo; São formas
rígidas e esquemáticas de pensar que resultam de processos de
simplificação e que se generalizam a todos os elementos do grupo (p.e. Os
alemães são sérios).
Estereótipos e Categorização
Os estereótipos aprendem-se no processo de socialização e
correspondema um processo de categorização social que ter a função de
simplificar a interpretação quefazemos do real, de modo a orientarmo-nos
na vida social e a assegurar a integração social.
As funções dos estereótipos
 Função sociocognitiva – Ao categorizar a realidade social, transmitem
dados que promovem a nossa adaptação;
 Função socioafetiva – Dão um sentimento de identidade social ao grupo
que os partilha, reforçando o sentimento do “nós” por oposição aos
“outros” e a identidade do nosso grupo. Ao desenvolver uma imagem
negativa dos outros, os estereótipos contribuem para reforçar a
identidade positiva do nosso grupo.
Os estereótipos caracterizam-se por simplificar, uniformidade,
tonalidade afetiva (nunca é neutro), durabilidade e constância, e
pregnância (grau de adesão varia – superficial até profunda).
- Preconceitos: São atitudes que envolvem um pré-juízo, um pré-
julgamento, geralmente negativo, relativamente a pessoas ou grupos
sociais.
O preconceito tem como basea categorização social e distinguem-se
do estereótipos porque não se limita a atribuir características a um
determinado grupo ou pessoa: envolve uma avaliação, frequentemente
negativa. Subjacente ao estereótipo está o preconceito, já que o
estereótipo fornece os elementos cognitivos e o preconceito acrescenta-
lhes uma componente afetiva/avaliativa constituída, normalmente, por
sentimentos negativos. O preconceito é uma disposição adquirida cujo
objetivo é uma diferenciação social. Eles aprendem-se no processo de
socialização e uma vez adquiridos é difícil abandoná-los.
O preconceito tem três componentes:
 Componente cognitiva – Corresponde a um estereótipo geralmente
negativo que se formula face a um grupo social;
 Componente afetiva – Refere-se aos sentimentos que se experimentam
relativamente ao objeto do preconceito;
 Componente comportamental – Refere-se à orientação do
comportamento face à pessoa ou grupo.
Nos preconceitos predominam a função socioafetiva, assumindo,
frequentemente, posições radicais contra grupos sociais, o que podem
levar a atos de discriminação.
- Discriminação: Comportamento que decorre do preconceito (atitude) e
que, no limite, pode conduzir à eliminação física do objeto da
discriminação.
As atos discriminatórios são intencionais e assentam em distinções
injustas e injuriosas relativamente a uma pessoa ou a um grupo social.
Na base da discriminação está o preconceito que a fundamenta, seja
ele racial, sexista, religioso, etc.
Os comportamentos discriminatórios manifestam-se com mais
intencionalidade em períodos de crise económica ou social: o sentimento
de impotência leva a que dirijam sentimentos negativos e a agressividade
contra grupos ou pessoas inocentes.
A discriminação pode ir desde uma atitude de evitamento até a
comportamentos hostis e a agressões aos indivíduos e grupos visados
(outsiders – estão à margem ou fora do sistema social reconhecido).
A discriminação pode ser positiva quando nos referimos às medidas
que pretendem apoiar aqueles que sofrem a exclusão económica, física
e/ou social.
Discriminação e Autoestima
Osgruposfrequentementediscriminadosacabamporpartilhar juízos
negativos sobre si próprios – baixa autoestima.
CONFLITO E COOPERAÇÃO
- Conflito: Tensão que envolve pessoas ou grupos quando existem
tendências ou interesses incompatíveis entre eles.
A situação deconflito podeassumiro carater de conflito intrapessoal
(interno), conflito interpessoal(entre pessoas) e conflito intergrupal(entre
grupos).
Conflito e relação
O conflito apenas ocorre em relações próximas e/ou
interdependentes em que existe um estado de insatisfação entreas partes,
e pode ser visto de uma perspetiva positiva.
A vivência e a ultrapassagemdos conflitos correspondema processo
de desenvolvimento pessoal e grupal, já que depois de ultrapassados,
favorecem respostas mais adaptadas.
Os conflitos têm aspetos negativos porque correspondem a períodos
de tensão e de insatisfação das pessoas edos grupos sociais, etêmaspetos
positivos porque o confronto é gerador de mudança, que é o fundamento
da evolução e do desenvolvimento social.
Os conflitos são vistos como estados de relacionamento inerentes à
vida social.
Conflito e identidade grupal
O conflito entre os dois grupos implicava uma aplicação das
ocorrências em que o endogrupo era encarado como “bom” e o exogrupo
era avaliado como “mau”. O conflito gera avaliações que atribuem ao
próprio grupo comportamentos positivos decorrentes das suas
características, sendo que qualquer aspeto negativo é atribuído a causas
externas ao grupo edecorrentes da situação ou ao outro grupo (exogrupo).
Os conflitos intergrupais reforçama identidade grupal, aumentam a
coesão do endogrupo, o que pode aumentar a rejeição do exogrupo. Estes
sentimentos relacionam-se com o desenvolvimento dos preconceitos e da
discriminação.
Osconflitos impedema estagnação,podendo estimular o surgimento
de novas ideias e estratégias, o que integrará os grupos na sociedade de
forma mais adequada, ajustada e dinâmica.
Conflito e cooperação
A superação de conflitos será alcançada mais facilmente se o
contacto envolver a cooperação, a entreajuda e a interdependência e não
só o simples contacto entre grupos hostis.
- Cooperação: Acão conjunta que implica a colaboração dos envolvidos
para se atingir um objetivos comum.
Conflito e mediação
- Mediação: Forma de resolver um conflito recorrendo a uma outra parte
– mediador – que não está envolvida no conflito.
A mediação pode ocorrer no meio familiar, laboral e nas relações
internacionais. O papel do mediador é promover a comunicação entre as
partes em conflito.
Etapas: Conflito – Decide recorrer a uma mediação – Método usado –
Resultados da mediação (Se não solucionar o problema, começa-se o
processo de novo).
Conflito e negociação
- Negociação: Processo de resolução de conflitos em que as partes
intervenientes, voluntariamente, procuramconstruirumacordono sentido
de impedir o desenvolvimento da hostilidade para fases mais agudas e que
visa evitar a confrontação direta.
A cooperação, a mediação e a negociação são os meios a que se
recorre para se ultrapassarem conflitos.
Inter-relações entre os contextos
REDES SOCIAIS
Cada individuo possuiuma redede pessoasa quemestá ligado e com
quem se relaciona. Ligamo-nos a ela através de comportamentos ou
interações particulares.
Todas as pessoas têm diferentes redes sociais, já que eles variam
quanto à dimensão, à coesão, à quantidade de apoio de que necessitem,
etc.
- Redesocial: Conjuntodas ligações entrepessoas,àsrelações e interações
particulares que estabelecem entre si.
Para além de providenciarem ou requisitarem apoio material ou
afetivo, as redes sociais são fontes de informação sobre o contexto, sobre
o queé esperadodecada um, o modocomo sepodemou devemcomportar
em certas situações, etc.
Da múltipla informação contextual veiculada no seio das redes
sociais, salientam-se os valores e normas partilhados que orientam as
interações e que concorrem para a adaptação e regulação das ações das
pessoas nos seus contextos socioculturais.
As redes sociais influenciam o desenvolvimento e o comportamento
dos indivíduos.
O papel contextos no comportamento dos indivíduos
As influências dos contextos da vida nas pessoas são sempre
dinâmicas e as suas consequências, no desenvolvimento dos indivíduos,
dependemdas característicaspessoaiseda forma comocada uminterpreta
a sua posição.
No desenvolvimento do individuo tem-se em conta quatro dimensões:
 Pessoa – Características pessoais, contexto cultural e história pessoal;
 Contexto – Microssistema, mesossistema, exossistema e
macrossistema;
 Processo – Interações reciprocas entre ambiente e pessoa;
 Tempo – Tempo pessoal, sequência histórica dos acontecimentos.
A adaptação,a plasticidadee a possibilidadede mudançadesempenham
um papel fundamental no desenvolvimento.
Modelo bioecológico – Brofenbrenner passou a dar maior enfase a papel
do individuo nos contextos eà importância dosmicrossistemasnoprocesso
de desenvolvimento.
Processosproximais–Interaçõesquedecorremnosmicrossistemasemque
se insere o individuo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
Jorge Barbosa
 
Influencia social
Influencia socialInfluencia social
Influencia social
Silvia Revez
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
Escoladocs
 
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxSíntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
LaraCosta708069
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
Ana Tapadas
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
João Pedro Rodrigues
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Anabela Fernandes
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
Os indivíduos e os grupos
Os indivíduos e os gruposOs indivíduos e os grupos
Os indivíduos e os grupos
Ana Isabel
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
Maria Oliveira
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
Silvia Revez
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANOSocialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Drew Mello
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
davidaaduarte
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
Sara Afonso
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
norberto faria
 

Mais procurados (20)

Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 
Influencia social
Influencia socialInfluencia social
Influencia social
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxSíntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
O conformismo
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Os indivíduos e os grupos
Os indivíduos e os gruposOs indivíduos e os grupos
Os indivíduos e os grupos
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANOSocialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 

Destaque

A relatividade cultural
A relatividade culturalA relatividade cultural
A relatividade cultural
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitosRelações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Janaina Becker
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Antónia Rocha
 
Cerebro
Cerebro Cerebro
Cerebro
superego
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
Vitor Manuel de Carvalho
 
Psicologia: cérebro
Psicologia: cérebroPsicologia: cérebro
Psicologia: cérebro
davidaaduarte
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Universidade Católica Portuguesa
 
Watson.conclusões
Watson.conclusõesWatson.conclusões
Wunt.associacionismo
Wunt.associacionismoWunt.associacionismo
Wunt.associacionismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
Universidade Católica Portuguesa
 
Ft.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoaisFt.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoais
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
Silvia Revez
 
Objectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 bObjectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 b
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Psicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial KillerPsicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial Killer
Universidade Católica Portuguesa
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
Universidade Católica Portuguesa
 
Transtornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_kTranstornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_k
Universidade Católica Portuguesa
 

Destaque (20)

A relatividade cultural
A relatividade culturalA relatividade cultural
A relatividade cultural
 
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitosRelações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano AR
 
Cerebro
Cerebro Cerebro
Cerebro
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
 
Psicologia: cérebro
Psicologia: cérebroPsicologia: cérebro
Psicologia: cérebro
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Watson.conclusões
Watson.conclusõesWatson.conclusões
Watson.conclusões
 
Wunt.associacionismo
Wunt.associacionismoWunt.associacionismo
Wunt.associacionismo
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
 
Ft.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoaisFt.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoais
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Objectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 bObjectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 b
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Psicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial KillerPsicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial Killer
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
 
Transtornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_kTranstornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_k
 

Semelhante a Psicologia 12º

Indivíduos e grupos
Indivíduos e gruposIndivíduos e grupos
Indivíduos e grupos
hap99
 
Afectividade
AfectividadeAfectividade
Afectividade
Carla Neves
 
Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas Escolas
Michele Pó
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
Jorge Barbosa
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
Liberty Ensino
 
Início da Vida
Início da VidaInício da Vida
Início da Vida
cincodarazao
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
mgmedeiros
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
Jorge Barbosa
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
Isabelctx
 
01 publicado emoções na vida afetiva p.p.b.i 2 t fama
01 publicado emoções na vida afetiva   p.p.b.i 2 t fama01 publicado emoções na vida afetiva   p.p.b.i 2 t fama
01 publicado emoções na vida afetiva p.p.b.i 2 t fama
Graça Martins
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chave
Marcelo Anjos
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
Preconceito - Social
Preconceito - SocialPreconceito - Social
Preconceito - Social
Psicologia_2015
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
Andreecm
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Marcelo Anjos
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
mafertoval
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
mafertoval
 
Isolamento Social
Isolamento SocialIsolamento Social
Isolamento Social
guest3bc9a9
 
Habilidades sociais oficina apostila-pdf
Habilidades sociais oficina   apostila-pdfHabilidades sociais oficina   apostila-pdf
Habilidades sociais oficina apostila-pdf
Anaí Peña
 

Semelhante a Psicologia 12º (20)

Indivíduos e grupos
Indivíduos e gruposIndivíduos e grupos
Indivíduos e grupos
 
Afectividade
AfectividadeAfectividade
Afectividade
 
Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas Escolas
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
 
Início da Vida
Início da VidaInício da Vida
Início da Vida
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
01 publicado emoções na vida afetiva p.p.b.i 2 t fama
01 publicado emoções na vida afetiva   p.p.b.i 2 t fama01 publicado emoções na vida afetiva   p.p.b.i 2 t fama
01 publicado emoções na vida afetiva p.p.b.i 2 t fama
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chave
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Preconceito - Social
Preconceito - SocialPreconceito - Social
Preconceito - Social
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
 
Isolamento Social
Isolamento SocialIsolamento Social
Isolamento Social
 
Habilidades sociais oficina apostila-pdf
Habilidades sociais oficina   apostila-pdfHabilidades sociais oficina   apostila-pdf
Habilidades sociais oficina apostila-pdf
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
Joana Filipa Rodrigues
 
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IApontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Joana Filipa Rodrigues
 
Policy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on BrexitPolicy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on Brexit
Joana Filipa Rodrigues
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
Joana Filipa Rodrigues
 
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by SorensenSoberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Joana Filipa Rodrigues
 
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Joana Filipa Rodrigues
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joana Filipa Rodrigues
 
Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?
Joana Filipa Rodrigues
 
Victor Gavin
Victor GavinVictor Gavin
Liberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. IgualdadeLiberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. Igualdade
Joana Filipa Rodrigues
 
Globalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos HumanosGlobalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos Humanos
Joana Filipa Rodrigues
 
Conferência de Berlim
Conferência de BerlimConferência de Berlim
Conferência de Berlim
Joana Filipa Rodrigues
 
A Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte IA Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte I
Joana Filipa Rodrigues
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Joana Filipa Rodrigues
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Joana Filipa Rodrigues
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
Joana Filipa Rodrigues
 
Fidel Castro
Fidel CastroFidel Castro
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União EuropeiaO acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
Joana Filipa Rodrigues
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues (20)

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
 
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IApontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
 
Policy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on BrexitPolicy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on Brexit
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
 
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by SorensenSoberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by Sorensen
 
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUE
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
 
Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?
 
Victor Gavin
Victor GavinVictor Gavin
Victor Gavin
 
Liberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. IgualdadeLiberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. Igualdade
 
Globalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos HumanosGlobalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos Humanos
 
Conferência de Berlim
Conferência de BerlimConferência de Berlim
Conferência de Berlim
 
A Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte IA Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte I
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
 
Fidel Castro
Fidel CastroFidel Castro
Fidel Castro
 
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União EuropeiaO acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Psicologia 12º

  • 1. INDIVIDUOS E GRUPOS Processos de relação entre indivíduos e grupos ATRAÇÃO, AGRESSÃO E INTIMIDADE Asrelações queseestabelecem entreosmembrosdeumgrupoestão marcadas pela afetividade, estabelecendo entre si diferentes tipo de interação: - Atração: A atração interpessoal reflete-se pela preferência por determinadas pessoas, o que nos leva a procurar partilhar a sua presença. Baseia-se na avaliação cognitiva e afetiva que fazemos dos outros. A atração pessoal está muito marcada pelas emoções, afetos e sentimentos. Está relacionado com a história pessoal de cada um. Os fatores que intervêm no processo de atração pessoal são: 1. Proximidade 2. Familiaridade 3. Atração Física 4. Semelhanças Interpessoais 5. Qualidades Positivas 6. Complementaridade 7. Reciprocidade - Agressão: Comportamento que visa causar danos físicos ou psicológicos a alguém e que se reflete a intenção de destruir. Quanto à intenção do sujeito temos a agressão hostil – envolve emoção e impulsividade e visa causar danos a outrem -, e a agressão instrumental – visa um objetivo que, para ser atingido, pode ou não causar danos, é planeada logo não é impulsiva. Quanto ao alvo há a agressãodireta – dirige-seao objeto quejustifica a agressão -, a agressão deslocada – o sujeito dirige a agressão a um alvo que não é responsável pela causa que lhe deu origem -, e a autoagressão. Quanto à forma de expressão temos a agressão aberta – agressão explícita -, a agressão dissimulada – recorre a meios não abertos ou não explícitos, como o sarcasmo ecinismo -, e a agressão inibida – o sujeito não manifesta a agressão e guarda rancor.
  • 2. Origem da agressividade – Inata ou produto da aprendizagem?  Freud – A agressividadetem origem nas pulsões inatas (pulsões de vida – manutenção do individuo e pulsões sexuais -, e pulsões de morte – autodestrutivas, explicam os comportamentos agressivos). Sefossemos imortais não haveria guerra nem comportamentos agressivos;  Lorenz – A agressividade está programada geneticamente e é ativada por impulsos específicos. O ser humanos não a consegue regular e ela é fundamental à sua preservação;  Dollard – A agressividade é provocada pela frustração;  Bandura – Os comportamentos agressivos são fruto da aprendizagem social (observação e imitação desses comportamentos), já que se adquirem no processo de socialização. Pode concluir-se que a agressão se relaciona com fatores de carater orgânico (envolve vários processos fisiológicos), o que não significa que o ser humano esteja geneticamente programado para desenvolver comportamentos agressivos. Fatores relacionados com o meio social, com a aprendizageme comas experiências pessoais têmum papel fundamental na expressão da agressão. A flexibilidade e a plasticidade do ser humanos leva-o a escapar a programas fechados e deterministas. Os esquemas inatos são flexíveis e moldáveis, como com a agressividade. A sua manifestação e expressão relaciona-se com o contexto social. A predisposição para a agressividade pode ser estimulada ou inibida. A agressão explica-se pela interação complexa de vários fatores:  Mecanismo biológicos;  Álcool e drogas;  Cultura;  Mass media;  Frustração, provocações, insultos e humilhações. - Intimidade: Experiência que implica entre ambas as partes uma forte vivência, um grande envolvimento e uma comunicação profunda, na qual separtilham sentimentos, pensamentos e experiencia, criando, assim, uma relação de abertura, sinceridade e confiança.
  • 3. As relações íntimas são um tipo particular de interação social que se manifesta em diferentes níveis dependendo das pessoas com quem nos relacionamos. Nem todas as pessoas mantêm ou estabelecem essas relações, devido à sua história pessoa, personalidade e experiencia. As relações de intimidade não são todas iguais, havendo uma dimensão relacional e uma dimensão pessoal (personalidade, história de vida, contexto da vida em que se encontra). Podem, então, considerar-secinco tipos de dimensão de intimidade: 1. Social (ter amigos); 2. Sexual (partilhar contacto físico e/ou sexual); 3. Emocional (proximidade de sentimentos, compreensão e apoio); 4. Intelectual (partilha de ideias, conceções, teorias); 5. Lúdica (partilhar tempos livres e de lazer e gostos comuns). As relações interpessoais íntimas são, geralmente, relações intensas, duradouras, frequentes, nas quais é privilegiada a comunicação de sentimentos, crenças, dados pessoais e afetos. As componentes das interações íntimas são as interações verbais – comunicação através da palavra -, e as interações não-verbais – manifestam-seatravésda proximidadefísica,do toque, dapostura,da troca de olhares, das expressões faciais, e têm graus diferentes. O contexto socialcondiciona,atravésdasconvençõessociais,asrelações de intimidade e as suas expressões (amizade e amor, neste caso). Intimidade e Amizade Uma relação de amizade é pessoal, informal, voluntária, que envolve reciprocidadee atração pessoal, que facilita os objetivos que os envolvidos querem atingir, é positiva e de longa duração. Estas relações envolvem reciprocidade (há expetativas que quando não são atingidas podem comprometer a relação) e privilegiam qualidades como a confiança, a lealdade, o carinho e afeto. As relações de amizade correspondem a um importante suporte psicológico e a sua rutura pode ser um fator de grande perturbação. As amizadesvariamsegundoumconjunto defatores:Idade,Género, Contexto Social e Características Individuais.
  • 4. Intimidade e Amor O amor, ao contrário de gostar, inclui uma excitação e interesse noutra pessoa, uma oscilação de emoções e vários elementos de paixão. Dentro dele existe o amor apaixonado e o amor companheiro. O amor apaixonado é um estado de envolvimento muito intenso, no qual existe um sentimento intenso e repentino de “amar”, um desejo de amor mútuo, de proximidade física e de medo que a relação acabe e onde intervém a excitação e o desejo sexual. O amor companheiro é uma amizade muito íntima de ternura, cuidado e respeito mutos e de atração meramente platónica, onde existe um forte afeto pelas pessoas com quem temos essas relações fortes (familiares, amigos íntimos). O amor tem três dimensões: 1. Intimidade– Sentimentos que visama proximidade emocional, a união, a compreensão mútua e a partilha (Componente emocional); 2. Paixão – Intenso desejo sexual, vontade imensa de estar com o outro (Componente motivacional); 3. Compromisso – Intensão de um comprometimento em manter uma relação amorosa (Componente cognitiva). O amor consumado integraria as três componentes. ESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS E DISCRIMINAÇÃO - Estereótipos: São crenças que dão uma imagem simplificada das características de um grupo ou dos membros de um grupo; São formas rígidas e esquemáticas de pensar que resultam de processos de simplificação e que se generalizam a todos os elementos do grupo (p.e. Os alemães são sérios). Estereótipos e Categorização Os estereótipos aprendem-se no processo de socialização e correspondema um processo de categorização social que ter a função de simplificar a interpretação quefazemos do real, de modo a orientarmo-nos na vida social e a assegurar a integração social.
  • 5. As funções dos estereótipos  Função sociocognitiva – Ao categorizar a realidade social, transmitem dados que promovem a nossa adaptação;  Função socioafetiva – Dão um sentimento de identidade social ao grupo que os partilha, reforçando o sentimento do “nós” por oposição aos “outros” e a identidade do nosso grupo. Ao desenvolver uma imagem negativa dos outros, os estereótipos contribuem para reforçar a identidade positiva do nosso grupo. Os estereótipos caracterizam-se por simplificar, uniformidade, tonalidade afetiva (nunca é neutro), durabilidade e constância, e pregnância (grau de adesão varia – superficial até profunda). - Preconceitos: São atitudes que envolvem um pré-juízo, um pré- julgamento, geralmente negativo, relativamente a pessoas ou grupos sociais. O preconceito tem como basea categorização social e distinguem-se do estereótipos porque não se limita a atribuir características a um determinado grupo ou pessoa: envolve uma avaliação, frequentemente negativa. Subjacente ao estereótipo está o preconceito, já que o estereótipo fornece os elementos cognitivos e o preconceito acrescenta- lhes uma componente afetiva/avaliativa constituída, normalmente, por sentimentos negativos. O preconceito é uma disposição adquirida cujo objetivo é uma diferenciação social. Eles aprendem-se no processo de socialização e uma vez adquiridos é difícil abandoná-los. O preconceito tem três componentes:  Componente cognitiva – Corresponde a um estereótipo geralmente negativo que se formula face a um grupo social;  Componente afetiva – Refere-se aos sentimentos que se experimentam relativamente ao objeto do preconceito;  Componente comportamental – Refere-se à orientação do comportamento face à pessoa ou grupo.
  • 6. Nos preconceitos predominam a função socioafetiva, assumindo, frequentemente, posições radicais contra grupos sociais, o que podem levar a atos de discriminação. - Discriminação: Comportamento que decorre do preconceito (atitude) e que, no limite, pode conduzir à eliminação física do objeto da discriminação. As atos discriminatórios são intencionais e assentam em distinções injustas e injuriosas relativamente a uma pessoa ou a um grupo social. Na base da discriminação está o preconceito que a fundamenta, seja ele racial, sexista, religioso, etc. Os comportamentos discriminatórios manifestam-se com mais intencionalidade em períodos de crise económica ou social: o sentimento de impotência leva a que dirijam sentimentos negativos e a agressividade contra grupos ou pessoas inocentes. A discriminação pode ir desde uma atitude de evitamento até a comportamentos hostis e a agressões aos indivíduos e grupos visados (outsiders – estão à margem ou fora do sistema social reconhecido). A discriminação pode ser positiva quando nos referimos às medidas que pretendem apoiar aqueles que sofrem a exclusão económica, física e/ou social. Discriminação e Autoestima Osgruposfrequentementediscriminadosacabamporpartilhar juízos negativos sobre si próprios – baixa autoestima. CONFLITO E COOPERAÇÃO - Conflito: Tensão que envolve pessoas ou grupos quando existem tendências ou interesses incompatíveis entre eles. A situação deconflito podeassumiro carater de conflito intrapessoal (interno), conflito interpessoal(entre pessoas) e conflito intergrupal(entre grupos).
  • 7. Conflito e relação O conflito apenas ocorre em relações próximas e/ou interdependentes em que existe um estado de insatisfação entreas partes, e pode ser visto de uma perspetiva positiva. A vivência e a ultrapassagemdos conflitos correspondema processo de desenvolvimento pessoal e grupal, já que depois de ultrapassados, favorecem respostas mais adaptadas. Os conflitos têm aspetos negativos porque correspondem a períodos de tensão e de insatisfação das pessoas edos grupos sociais, etêmaspetos positivos porque o confronto é gerador de mudança, que é o fundamento da evolução e do desenvolvimento social. Os conflitos são vistos como estados de relacionamento inerentes à vida social. Conflito e identidade grupal O conflito entre os dois grupos implicava uma aplicação das ocorrências em que o endogrupo era encarado como “bom” e o exogrupo era avaliado como “mau”. O conflito gera avaliações que atribuem ao próprio grupo comportamentos positivos decorrentes das suas características, sendo que qualquer aspeto negativo é atribuído a causas externas ao grupo edecorrentes da situação ou ao outro grupo (exogrupo). Os conflitos intergrupais reforçama identidade grupal, aumentam a coesão do endogrupo, o que pode aumentar a rejeição do exogrupo. Estes sentimentos relacionam-se com o desenvolvimento dos preconceitos e da discriminação. Osconflitos impedema estagnação,podendo estimular o surgimento de novas ideias e estratégias, o que integrará os grupos na sociedade de forma mais adequada, ajustada e dinâmica. Conflito e cooperação A superação de conflitos será alcançada mais facilmente se o contacto envolver a cooperação, a entreajuda e a interdependência e não só o simples contacto entre grupos hostis. - Cooperação: Acão conjunta que implica a colaboração dos envolvidos para se atingir um objetivos comum.
  • 8. Conflito e mediação - Mediação: Forma de resolver um conflito recorrendo a uma outra parte – mediador – que não está envolvida no conflito. A mediação pode ocorrer no meio familiar, laboral e nas relações internacionais. O papel do mediador é promover a comunicação entre as partes em conflito. Etapas: Conflito – Decide recorrer a uma mediação – Método usado – Resultados da mediação (Se não solucionar o problema, começa-se o processo de novo). Conflito e negociação - Negociação: Processo de resolução de conflitos em que as partes intervenientes, voluntariamente, procuramconstruirumacordono sentido de impedir o desenvolvimento da hostilidade para fases mais agudas e que visa evitar a confrontação direta. A cooperação, a mediação e a negociação são os meios a que se recorre para se ultrapassarem conflitos. Inter-relações entre os contextos REDES SOCIAIS Cada individuo possuiuma redede pessoasa quemestá ligado e com quem se relaciona. Ligamo-nos a ela através de comportamentos ou interações particulares. Todas as pessoas têm diferentes redes sociais, já que eles variam quanto à dimensão, à coesão, à quantidade de apoio de que necessitem, etc. - Redesocial: Conjuntodas ligações entrepessoas,àsrelações e interações particulares que estabelecem entre si. Para além de providenciarem ou requisitarem apoio material ou afetivo, as redes sociais são fontes de informação sobre o contexto, sobre o queé esperadodecada um, o modocomo sepodemou devemcomportar em certas situações, etc.
  • 9. Da múltipla informação contextual veiculada no seio das redes sociais, salientam-se os valores e normas partilhados que orientam as interações e que concorrem para a adaptação e regulação das ações das pessoas nos seus contextos socioculturais. As redes sociais influenciam o desenvolvimento e o comportamento dos indivíduos. O papel contextos no comportamento dos indivíduos As influências dos contextos da vida nas pessoas são sempre dinâmicas e as suas consequências, no desenvolvimento dos indivíduos, dependemdas característicaspessoaiseda forma comocada uminterpreta a sua posição. No desenvolvimento do individuo tem-se em conta quatro dimensões:  Pessoa – Características pessoais, contexto cultural e história pessoal;  Contexto – Microssistema, mesossistema, exossistema e macrossistema;  Processo – Interações reciprocas entre ambiente e pessoa;  Tempo – Tempo pessoal, sequência histórica dos acontecimentos. A adaptação,a plasticidadee a possibilidadede mudançadesempenham um papel fundamental no desenvolvimento. Modelo bioecológico – Brofenbrenner passou a dar maior enfase a papel do individuo nos contextos eà importância dosmicrossistemasnoprocesso de desenvolvimento. Processosproximais–Interaçõesquedecorremnosmicrossistemasemque se insere o individuo.