SlideShare uma empresa Scribd logo
A MENTE
 
Alguns aspectos da história da mente… Durante muito tempo o conceito de mente  esteve associado à dimensão cognitiva do ser humano. Correspondia ao raciocínio, abstração … ao pensamento. No final do século XX esta concepção é revista. Para isso contribuíram as neurociências. Compreendeu-se finalmente que a mente humana implicava também a emoção, os sentimentos, a afectividade, a acção.
PROCESSOS ASSOCIADOS À MENTE 1 – Processos cognitivos –  SABER  – o quê? 2 – Processos emotivos –  SENTIR  – como? 3 – Processos conativos –  AGIR  – porquê?
PROCESSOS COGNITIVOS Processos cognitivos : correspondem aos processos, complexos, de criação, de transformação e de utilização de informação do meio. Os principais processos cognitivos são: 1 – a percepção 2 – a aprendizagem 3 – a memória
1 – A PERCEPÇÃO Percepção :  designa o conjunto de mecanismos fisiológicos e psicológicos cuja função geral é a apreensão e interpretação de informação proveniente do meio ou do próprio organismo . Assim sendo, a percepção supõe: Contacto com o mundo Exige a presença do objecto/realidade a conhecer Organiza e interpreta as informações Supõe os órgãos dos sentidos.
 
SENSAÇÃO E PERCEPÇÃO SENSAÇÃO:  é o primeiro contacto que estabelecemos com o meio ambiente. Existe nos órgãos receptores e está associada à recepção dos estímulos dos órgãos dos sentidos. Normalmente são traduzidas em impulsos nervosos que são conduzidos ao sistema nervoso central e processados pelo cérebro. PERCEPÇÃO : processa a informação sensorial. Não se limita ao registo da informação, mas atribui-lhe um sentido de acordo com a nossa experiência. Têm um carácter activo, uma vez que são fruto de um trabalho complexo de análise e de síntese. Não reproduz o mundo como um espelho, mas elabora sobre ele uma representação.
FACTORES QUE DETERMINAM A CONSTÂNCIA PERCEPTIVA 1 –  CONSTÂNCIA DO TAMANHO : o tamanho de um objecto é percepcionado independentemente da distância a que se encontra. 2 –  CONSTÂNCIA DA FORMA : reconhecemos o objecto independentemente das alterações a que esteja sujeito. 3 –  CONSTÂNCIA DO BRILHO E DA COR : a memória retém as características dos objectos no que respeita ao brilho e à cor.
 
FACTORES QUE AFECTAM O MODO COMO PERCEPCIONAMOS O MUNDO A motivação A expectativa Os interesses Os estados emocionais Todos estes factores provam o carácter de subjectividade inerente à percepção.
PERCEPÇÃO SOCIAL : processo que está na base das interacções sociais. Os valores sociais e as experiências socioculturais influenciam o modo como se percepcionam o mundo e a sociedade. Assim sendo, podemos afirmar que a cultura influencia a forma como percepcionamos o mundo.
Fazer a Ficha de trabalho “A percepção”, página 51
2 - MEMÓRIA Da história … A Mitologia grega reflecte a importância desde sempre dada à memória. Mnemosine era a deusa da memória, mãe das 9 musas que presidiam às letras, ciências e artes. No séc. IV a.C. Aristóteles falava da faculdade de conservar o passado. Ao longo do tempo desenvolveram-se técnicas para desenvolver a memória Magos, feiticeiros e alquimistas procuraram substâncias que aumentavam o poder da memória O computador, hoje em dia, é a resposta mais recente à necessidade de preservar   as informações que a memória não consegue reter.
 
MEMÓRIA:  é o processo dinâmico que consiste na codificação, armazenamento e recuperação dos conteúdos mnésicos ou de informação. A memória implica tratamento de informação. A esse respeito distinguem-se três tipos de operações: a  codificação , o  armazenament o e a  recuperação .
ESTÁDIOS PARA A FORMAÇÃO E RECUPERAÇÃO  DA MEMÓRIA 1 -  CODIFICAÇÃO :É a primeira fase do processo de formação de novas memórias. Toda a informação implica a codificação dos dados informativos, isto é, a sua transformação de modo a poder ser armazenada na memória. Se por vezes essa codificação é automática, outras vezes temos de lhe dar uma forma que permita memorizá-la e recordá-la. Os dados são traduzidos num código que pode ser acústico (memória ecóica), visual (memória icónica) ou semântico.
ESTÁDIOS PARA A FORMAÇÃO E RECUPERAÇÃO  DA MEMÓRIA 2 –  ARMAZENAMENTO : é o processo mediante o qual mantemos na memória a informação que foi adquirida. A informação é conservada por períodos mais ou menos longos de tempo, para poder ser utilizada quando necessário. Cada informação (engrama) produz modificações nas redes neuronais que permitem que se recorde o que se memoriza.
3 –  RECUPERAÇÃO : quando precisamos, procuramos recuperar, actualizar a informação armazenada, para a utilizar na experiência presente. Reactualizar significa pois localizar a informação armazenada e fazê-la aceder à consciência
TIPOS DE MEMÓRIA: MEMÓRIA A CURTO PRAZO Retém a informação durante um período limitado de tempo, podendo ser esquecida ou passar a memória de longo prazo. Apresenta duas componentes: Memória imediata:  É   uma armazém com capacidade limitada (7 itens ou peças de informação) que consegue manter a informação durante 20 a 30 segundos. Memória de trabalho : a informação mantém-se enquanto for útil. NOTA :  qualquer informação que tenha estado na memória a curto prazo e se tenha perdido, estará perdida para sempre.
TIPOS DE MEMÓRIA: MEMÓRIA A LONGO PRAZO Permite conservar dados, informações, durante dias, meses, anos, ou mesmo toda uma vida. Contém dados que têm a sua origem na memória a curto prazo. Existem dois tipos de memória a longo prazo: Memória não declarativa : memória automática que permite realizar tarefas básicas, associadas a comportamentos motores. Memória declarativa : memória explicita, associada a factos, informações gerais e episódios ou acontecimentos pessoais.
O ESQUECIMENTO Incapacidade, provisória ou definitiva, em recordar, recuperar dados, informações, experiências que foram memorizadas. O esquecimento é essencial à memória, uma vez que tem uma função selectiva e adaptativa
O ESQUECIMENTO
FACTORES QUE INFLUENCIAM O ESQUECIMENTO 1 .  Esquecimento regressivo : ocorre quando surgem dificuldades em reter novos materiais e em recordar factos e nomes aprendidos recentemente. É especialmente sentido em pessoas de certa idade e pode estar associado ao envelhecimento dos tecidos cerebrais. 2 .  Esquecimento motivado : recordações penosas e traumatizantes tendem a ser esquecidas para evitar a angústia e ansiedade, permitindo assim a manutenção do equilíbrio psicológico.
3 –  Influência dos processos de interferência : as  novas memórias interferem com a  recuperação das memórias mais antigas. -  inibição proactiva : influência negativa que a aprendizagem anterior tem sobre a recor- dação de uma nova informação -  inibição retroactiva : efeito negativo que a informação nova tem sobre a anterior.
O ESQUECIMENTO
“  A MEMÓRIA É ASSIM COMO UM ALBUM QUE NOS RESTITUI MAIS OU MENOS INTACTOS OS FRAGMENTOS DA EXPERIÊNCIA” Francois Pine
Alzheimer http://www.youtube.com/watch?v=h30Qn5YQNLw&feature=related Gato fedorento http://www.youtube.com/watch?v=uLtny8qfne4
 
Memória, aprendizagem e identidade pessoal A memória permite-nos: A adaptação ao meio, uma vez que é condição indispensável da aprendizagem. Atribuir significado às nossas experiências. Constituir um “sentimento de si”, um sentimento de identidade pessoal, dando continuidade à nossa vida (Ex. amnésia )
PERCEPÇÃO SOCIAL : processo que está na base das interacções sociais. Os valores sociais e as experiências socioculturais influenciam o modo como se percepcionam o mundo e a sociedade. Assim sendo, podemos afirmar que a cultura influencia a forma como percepcionamos o mundo.
Ficha de trabalho “A memória”, página 53
A APRENDIGAZEM Aprendizagem : modificação relativamente estável do comportamento ou do conhecimento, que resulta do exercício, experiência, treino ou estudo. Envolve processos cognitivos, motivacionais e emocionais e manifesta-se em comportamentos.
 
TIPOS DE APRENDIGAZEM 1 – APRENDIZAGEM NÃO ASSOCIATIVA Este tipo de aprendizagem realiza-se mediante duas formas: Habituação : consiste em aprender a reagir apenas ao estímulo seleccionado (um estímulo sem importância ou benigno). Sensibilização : aprendem-se as propriedades de um estímulo ameaçador   ou prejudicial .
TIPOS DE APRENDIGAZEM 2 – APRENDIZAGEM ASSOCIATIVA É um tipo de aprendizagem mais complexa, que pode ser abordada em duas perspectivas: O condicionamento clássico O condicionamento operante
CONDICIONAMENTO CLÁSSICO Autor : Ivan Pavlov Situação : Experiência do cão: um reflexo neutro (uma campainha) é emparelhado com um estímulo não condicionado – comida e vai produzir uma resposta não condicionada (reflexo – salivar). Resultado : o estímulo neutro torna-se um estímulo condicionado, isto é, um estímulo que por si só desencadeia uma resposta condicionada. Conclusão : aprendemos com o que nos acontece . Manual pág: 48
CONDICIONAMENTO OPERANTE  Autor : Skinner Situação : Experiência dos ratos. Em determinada situação, um comportamento ou resposta está na origem de consequências agradáveis ou desagradáveis. Resultado : Se tem consequências agradáveis, um comportamento é fortalecido, passando a ser emitido com mais frequência; se tem consequências desagradáveis (punição), um comportamento é enfraquecido, passando a ser emitido com menos frequência. Conclusão : aprendemos com as consequências dos nossos actos, isto é, com o resultado do que fazemos. Manual pág: 49/50
TIPOS DE APRENDIGAZEM 3 – APRENDIZAGEM POR OBSERVAÇÃO E IMITAÇÃO Este tipo de aprendizagem pode ser definida como a modificação de um indivíduo, através da observação de uma sequência como se o próprio observador estivesse envolvido nessa sequência de acontecimentos. “ Aprendemos sobretudo com as consequências dos actos das outras pessoas, ou seja, observando os resultados do que os outros fazem ” Bandura
A APRENDIGAZEM Aprendizagem por observação e imitação http://www.youtube.com/watch?v=quqkR_LlQ5U http://www.youtube.com/watch?v=kjTJmp3kXaU
TIPOS DE APRENDIGAZEM 4 – APRENDIZAGEM COM RECURSO A SÍMBOLOS E REPRESENTAÇÕES Toda a aprendizagem envolve uma relação e uma integração em relação a conhecimentos e pré-requisitos anteriores. Pressupões todo um conjunto de competências e esquemas mentais que obrigam à compreensão de uma simbologia e à capacidade de elaborar representações.
COMO APRENDER? A aprendizagem implica a existência de alguns factores (manual pág: 54) A motivação Os conhecimentos anteriores A quantidade de informação A diversificação das actividades A planificação e a organização A cooperação.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e Expectativas
RaQuel Oliveira
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
Silvia Revez
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Universidade Católica Portuguesa
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
norberto faria
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Antónia Rocha
 
Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3
Rolando Almeida
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
Jorge Barbosa
 
As leis da perceção
As leis da perceçãoAs leis da perceção
As leis da perceção
Luis De Sousa Rodrigues
 
Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
Luis De Sousa Rodrigues
 
Cérebro
CérebroCérebro
Perceção
PerceçãoPerceção
Perceção
psicologiaazambuja
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
psicologiaazambuja
 
Indivíduos e grupos
Indivíduos e gruposIndivíduos e grupos
Indivíduos e grupos
Vitor Manuel de Carvalho
 
Psicologia: cérebro
Psicologia: cérebroPsicologia: cérebro
Psicologia: cérebro
davidaaduarte
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
norberto faria
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
psicologiaazambuja
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
A memória
A  memória A  memória
A memória
Edgar Rendeiro
 

Mais procurados (20)

Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e Expectativas
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano AR
 
Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 
As leis da perceção
As leis da perceçãoAs leis da perceção
As leis da perceção
 
Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
Perceção
PerceçãoPerceção
Perceção
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
 
Indivíduos e grupos
Indivíduos e gruposIndivíduos e grupos
Indivíduos e grupos
 
Psicologia: cérebro
Psicologia: cérebroPsicologia: cérebro
Psicologia: cérebro
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
A memória
A  memória A  memória
A memória
 

Destaque

Mente Tranquila
Mente TranquilaMente Tranquila
Mente Tranquila
Juan Carlos Fernandez
 
Relaxamento
RelaxamentoRelaxamento
Relaxamento
Wilma Badan C.G.
 
Patogenia y patologia-i-nguyen_van_nghi
Patogenia y patologia-i-nguyen_van_nghiPatogenia y patologia-i-nguyen_van_nghi
Patogenia y patologia-i-nguyen_van_nghi
Eva Gonzalez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoais Relações interpessoais
Relações interpessoais
AnaKlein1
 
Condicionamento operante
Condicionamento operanteCondicionamento operante
Condicionamento operante
AnaKlein1
 
EmoçõEs
EmoçõEsEmoçõEs
EmoçõEs
AnaKlein1
 
A influência social
A influência socialA influência social
A influência social
AnaKlein1
 
Processos relaçao entre indivíduos e grupos]
Processos relaçao  entre indivíduos e grupos]Processos relaçao  entre indivíduos e grupos]
Processos relaçao entre indivíduos e grupos]
AnaKlein1
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
AnaKlein1
 
Psicologia aplicada
Psicologia aplicadaPsicologia aplicada
Psicologia aplicada
AnaKlein1
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
AnaKlein1
 
MemóRia
MemóRiaMemóRia
MemóRia
AnaKlein1
 
C:\Fakepath\PercepçãO
C:\Fakepath\PercepçãOC:\Fakepath\PercepçãO
C:\Fakepath\PercepçãO
AnaKlein1
 
Conflito e Cooperação
Conflito e CooperaçãoConflito e Cooperação
Conflito e Cooperação
AnaKlein1
 
Cérebro - Trabalho alunos
Cérebro - Trabalho alunosCérebro - Trabalho alunos
Cérebro - Trabalho alunos
AnaKlein1
 
Dicotomias
DicotomiasDicotomias
Dicotomias
AnaKlein1
 
Concepção de Psiquismo em Freud
Concepção de Psiquismo em FreudConcepção de Psiquismo em Freud
Concepção de Psiquismo em Freud
AnaKlein1
 
O contributo de Wundt para a psicologia científica
O contributo de Wundt para a psicologia científicaO contributo de Wundt para a psicologia científica
O contributo de Wundt para a psicologia científica
AnaKlein1
 
Cérebro x Mente
Cérebro x MenteCérebro x Mente
Cérebro x Mente
Mayara Mônica
 
LIÇÃO 08 - SALVAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIO
LIÇÃO 08 - SALVAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIOLIÇÃO 08 - SALVAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIO
LIÇÃO 08 - SALVAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIO
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 

Destaque (20)

Mente Tranquila
Mente TranquilaMente Tranquila
Mente Tranquila
 
Relaxamento
RelaxamentoRelaxamento
Relaxamento
 
Patogenia y patologia-i-nguyen_van_nghi
Patogenia y patologia-i-nguyen_van_nghiPatogenia y patologia-i-nguyen_van_nghi
Patogenia y patologia-i-nguyen_van_nghi
 
Relações interpessoais
Relações interpessoais Relações interpessoais
Relações interpessoais
 
Condicionamento operante
Condicionamento operanteCondicionamento operante
Condicionamento operante
 
EmoçõEs
EmoçõEsEmoçõEs
EmoçõEs
 
A influência social
A influência socialA influência social
A influência social
 
Processos relaçao entre indivíduos e grupos]
Processos relaçao  entre indivíduos e grupos]Processos relaçao  entre indivíduos e grupos]
Processos relaçao entre indivíduos e grupos]
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Psicologia aplicada
Psicologia aplicadaPsicologia aplicada
Psicologia aplicada
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
 
MemóRia
MemóRiaMemóRia
MemóRia
 
C:\Fakepath\PercepçãO
C:\Fakepath\PercepçãOC:\Fakepath\PercepçãO
C:\Fakepath\PercepçãO
 
Conflito e Cooperação
Conflito e CooperaçãoConflito e Cooperação
Conflito e Cooperação
 
Cérebro - Trabalho alunos
Cérebro - Trabalho alunosCérebro - Trabalho alunos
Cérebro - Trabalho alunos
 
Dicotomias
DicotomiasDicotomias
Dicotomias
 
Concepção de Psiquismo em Freud
Concepção de Psiquismo em FreudConcepção de Psiquismo em Freud
Concepção de Psiquismo em Freud
 
O contributo de Wundt para a psicologia científica
O contributo de Wundt para a psicologia científicaO contributo de Wundt para a psicologia científica
O contributo de Wundt para a psicologia científica
 
Cérebro x Mente
Cérebro x MenteCérebro x Mente
Cérebro x Mente
 
LIÇÃO 08 - SALVAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIO
LIÇÃO 08 - SALVAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIOLIÇÃO 08 - SALVAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIO
LIÇÃO 08 - SALVAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIO
 

Semelhante a MENTE

Memória
MemóriaMemória
Memória
Jorge Machado
 
Psicologia tema 2
Psicologia tema 2Psicologia tema 2
Psicologia tema 2
PatriciaPereira240
 
Pro cog a_memória
Pro cog a_memóriaPro cog a_memória
Pro cog a_memória
Lucia Carvalho
 
amente-resumos.pdf
amente-resumos.pdfamente-resumos.pdf
amente-resumos.pdf
ssuser5c8e4f
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
vilcielepazebem
 
Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
Amone Matandaudje
 
Psicologia: Cognição
Psicologia:  Cognição Psicologia:  Cognição
Psicologia: Cognição
CarolinaQ Sousa
 
A memoria
A memoriaA memoria
A memoria
Marcelo Anjos
 
Curso de memorizacao
Curso de memorizacaoCurso de memorizacao
Curso de memorizacao
Raphael Nascimento
 
Aula 5 memória
Aula 5 memóriaAula 5 memória
Aula 5 memória
Psicologia_2015
 
Pós - Ensino e Aprendizagem na Educação
Pós - Ensino e Aprendizagem na EducaçãoPós - Ensino e Aprendizagem na Educação
Pós - Ensino e Aprendizagem na Educação
Érica Paula
 
Terezinha Lindino
Terezinha LindinoTerezinha Lindino
Terezinha Lindino
Agência Estado
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aula
Amyris Fernandez
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
Pedro Silva
 
Memória 2014
Memória 2014Memória 2014
Memória 2014
Pedro Alcario
 
Neuro pp. slides 6. 1 dificuldades na linguagem
Neuro pp. slides  6. 1 dificuldades na linguagemNeuro pp. slides  6. 1 dificuldades na linguagem
Neuro pp. slides 6. 1 dificuldades na linguagem
Rosane Jeronymo
 
A memória a curto prazo
A memória a curto prazoA memória a curto prazo
A memória a curto prazo
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Aulas da pós políticas públicas completo
Aulas da pós   políticas públicas completoAulas da pós   políticas públicas completo
Aulas da pós políticas públicas completo
Dawison Calheiros
 
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da EducaçãoInteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Jemuel Araújo da Silva
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
aritovi
 

Semelhante a MENTE (20)

Memória
MemóriaMemória
Memória
 
Psicologia tema 2
Psicologia tema 2Psicologia tema 2
Psicologia tema 2
 
Pro cog a_memória
Pro cog a_memóriaPro cog a_memória
Pro cog a_memória
 
amente-resumos.pdf
amente-resumos.pdfamente-resumos.pdf
amente-resumos.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
 
Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
 
Psicologia: Cognição
Psicologia:  Cognição Psicologia:  Cognição
Psicologia: Cognição
 
A memoria
A memoriaA memoria
A memoria
 
Curso de memorizacao
Curso de memorizacaoCurso de memorizacao
Curso de memorizacao
 
Aula 5 memória
Aula 5 memóriaAula 5 memória
Aula 5 memória
 
Pós - Ensino e Aprendizagem na Educação
Pós - Ensino e Aprendizagem na EducaçãoPós - Ensino e Aprendizagem na Educação
Pós - Ensino e Aprendizagem na Educação
 
Terezinha Lindino
Terezinha LindinoTerezinha Lindino
Terezinha Lindino
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aula
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
Memória 2014
Memória 2014Memória 2014
Memória 2014
 
Neuro pp. slides 6. 1 dificuldades na linguagem
Neuro pp. slides  6. 1 dificuldades na linguagemNeuro pp. slides  6. 1 dificuldades na linguagem
Neuro pp. slides 6. 1 dificuldades na linguagem
 
A memória a curto prazo
A memória a curto prazoA memória a curto prazo
A memória a curto prazo
 
Aulas da pós políticas públicas completo
Aulas da pós   políticas públicas completoAulas da pós   políticas públicas completo
Aulas da pós políticas públicas completo
 
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da EducaçãoInteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 

Mais de Vitor Manuel de Carvalho

PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
Vitor Manuel de Carvalho
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
Vitor Manuel de Carvalho
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
Vitor Manuel de Carvalho
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
Vitor Manuel de Carvalho
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
PLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURAPLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURA
Vitor Manuel de Carvalho
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
SLIDE IN
SLIDE INSLIDE IN
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 
Imunidade
ImunidadeImunidade
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
Vitor Manuel de Carvalho
 
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOSREGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
Vitor Manuel de Carvalho
 
Justificação de faltas
Justificação de faltasJustificação de faltas
Justificação de faltas
Vitor Manuel de Carvalho
 
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTOMODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
Vitor Manuel de Carvalho
 
Gestao do tempo..
Gestao do tempo..Gestao do tempo..
Gestao do tempo..
Vitor Manuel de Carvalho
 

Mais de Vitor Manuel de Carvalho (20)

PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A IDENTIDADE
 
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
A CONAÇÃO
 
PLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURAPLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURA
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III
IMUNIDADE III
 
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
IMUNIDADE II
 
SLIDE IN
SLIDE INSLIDE IN
SLIDE IN
 
Finalistas 2011
Finalistas 2011Finalistas 2011
Finalistas 2011
 
Benalmadena 2011
Benalmadena 2011Benalmadena 2011
Benalmadena 2011
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
Imunidade
ImunidadeImunidade
Imunidade
 
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
 
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOSREGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
 
Justificação de faltas
Justificação de faltasJustificação de faltas
Justificação de faltas
 
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTOMODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
 
Gestao do tempo..
Gestao do tempo..Gestao do tempo..
Gestao do tempo..
 

Último

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
zetec10
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
snerdct
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 

Último (6)

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 

MENTE

  • 2.  
  • 3. Alguns aspectos da história da mente… Durante muito tempo o conceito de mente esteve associado à dimensão cognitiva do ser humano. Correspondia ao raciocínio, abstração … ao pensamento. No final do século XX esta concepção é revista. Para isso contribuíram as neurociências. Compreendeu-se finalmente que a mente humana implicava também a emoção, os sentimentos, a afectividade, a acção.
  • 4. PROCESSOS ASSOCIADOS À MENTE 1 – Processos cognitivos – SABER – o quê? 2 – Processos emotivos – SENTIR – como? 3 – Processos conativos – AGIR – porquê?
  • 5. PROCESSOS COGNITIVOS Processos cognitivos : correspondem aos processos, complexos, de criação, de transformação e de utilização de informação do meio. Os principais processos cognitivos são: 1 – a percepção 2 – a aprendizagem 3 – a memória
  • 6. 1 – A PERCEPÇÃO Percepção : designa o conjunto de mecanismos fisiológicos e psicológicos cuja função geral é a apreensão e interpretação de informação proveniente do meio ou do próprio organismo . Assim sendo, a percepção supõe: Contacto com o mundo Exige a presença do objecto/realidade a conhecer Organiza e interpreta as informações Supõe os órgãos dos sentidos.
  • 7.  
  • 8. SENSAÇÃO E PERCEPÇÃO SENSAÇÃO: é o primeiro contacto que estabelecemos com o meio ambiente. Existe nos órgãos receptores e está associada à recepção dos estímulos dos órgãos dos sentidos. Normalmente são traduzidas em impulsos nervosos que são conduzidos ao sistema nervoso central e processados pelo cérebro. PERCEPÇÃO : processa a informação sensorial. Não se limita ao registo da informação, mas atribui-lhe um sentido de acordo com a nossa experiência. Têm um carácter activo, uma vez que são fruto de um trabalho complexo de análise e de síntese. Não reproduz o mundo como um espelho, mas elabora sobre ele uma representação.
  • 9. FACTORES QUE DETERMINAM A CONSTÂNCIA PERCEPTIVA 1 – CONSTÂNCIA DO TAMANHO : o tamanho de um objecto é percepcionado independentemente da distância a que se encontra. 2 – CONSTÂNCIA DA FORMA : reconhecemos o objecto independentemente das alterações a que esteja sujeito. 3 – CONSTÂNCIA DO BRILHO E DA COR : a memória retém as características dos objectos no que respeita ao brilho e à cor.
  • 10.  
  • 11. FACTORES QUE AFECTAM O MODO COMO PERCEPCIONAMOS O MUNDO A motivação A expectativa Os interesses Os estados emocionais Todos estes factores provam o carácter de subjectividade inerente à percepção.
  • 12. PERCEPÇÃO SOCIAL : processo que está na base das interacções sociais. Os valores sociais e as experiências socioculturais influenciam o modo como se percepcionam o mundo e a sociedade. Assim sendo, podemos afirmar que a cultura influencia a forma como percepcionamos o mundo.
  • 13. Fazer a Ficha de trabalho “A percepção”, página 51
  • 14. 2 - MEMÓRIA Da história … A Mitologia grega reflecte a importância desde sempre dada à memória. Mnemosine era a deusa da memória, mãe das 9 musas que presidiam às letras, ciências e artes. No séc. IV a.C. Aristóteles falava da faculdade de conservar o passado. Ao longo do tempo desenvolveram-se técnicas para desenvolver a memória Magos, feiticeiros e alquimistas procuraram substâncias que aumentavam o poder da memória O computador, hoje em dia, é a resposta mais recente à necessidade de preservar as informações que a memória não consegue reter.
  • 15.  
  • 16. MEMÓRIA: é o processo dinâmico que consiste na codificação, armazenamento e recuperação dos conteúdos mnésicos ou de informação. A memória implica tratamento de informação. A esse respeito distinguem-se três tipos de operações: a codificação , o armazenament o e a recuperação .
  • 17. ESTÁDIOS PARA A FORMAÇÃO E RECUPERAÇÃO DA MEMÓRIA 1 - CODIFICAÇÃO :É a primeira fase do processo de formação de novas memórias. Toda a informação implica a codificação dos dados informativos, isto é, a sua transformação de modo a poder ser armazenada na memória. Se por vezes essa codificação é automática, outras vezes temos de lhe dar uma forma que permita memorizá-la e recordá-la. Os dados são traduzidos num código que pode ser acústico (memória ecóica), visual (memória icónica) ou semântico.
  • 18. ESTÁDIOS PARA A FORMAÇÃO E RECUPERAÇÃO DA MEMÓRIA 2 – ARMAZENAMENTO : é o processo mediante o qual mantemos na memória a informação que foi adquirida. A informação é conservada por períodos mais ou menos longos de tempo, para poder ser utilizada quando necessário. Cada informação (engrama) produz modificações nas redes neuronais que permitem que se recorde o que se memoriza.
  • 19. 3 – RECUPERAÇÃO : quando precisamos, procuramos recuperar, actualizar a informação armazenada, para a utilizar na experiência presente. Reactualizar significa pois localizar a informação armazenada e fazê-la aceder à consciência
  • 20. TIPOS DE MEMÓRIA: MEMÓRIA A CURTO PRAZO Retém a informação durante um período limitado de tempo, podendo ser esquecida ou passar a memória de longo prazo. Apresenta duas componentes: Memória imediata: É uma armazém com capacidade limitada (7 itens ou peças de informação) que consegue manter a informação durante 20 a 30 segundos. Memória de trabalho : a informação mantém-se enquanto for útil. NOTA : qualquer informação que tenha estado na memória a curto prazo e se tenha perdido, estará perdida para sempre.
  • 21. TIPOS DE MEMÓRIA: MEMÓRIA A LONGO PRAZO Permite conservar dados, informações, durante dias, meses, anos, ou mesmo toda uma vida. Contém dados que têm a sua origem na memória a curto prazo. Existem dois tipos de memória a longo prazo: Memória não declarativa : memória automática que permite realizar tarefas básicas, associadas a comportamentos motores. Memória declarativa : memória explicita, associada a factos, informações gerais e episódios ou acontecimentos pessoais.
  • 22. O ESQUECIMENTO Incapacidade, provisória ou definitiva, em recordar, recuperar dados, informações, experiências que foram memorizadas. O esquecimento é essencial à memória, uma vez que tem uma função selectiva e adaptativa
  • 24. FACTORES QUE INFLUENCIAM O ESQUECIMENTO 1 . Esquecimento regressivo : ocorre quando surgem dificuldades em reter novos materiais e em recordar factos e nomes aprendidos recentemente. É especialmente sentido em pessoas de certa idade e pode estar associado ao envelhecimento dos tecidos cerebrais. 2 . Esquecimento motivado : recordações penosas e traumatizantes tendem a ser esquecidas para evitar a angústia e ansiedade, permitindo assim a manutenção do equilíbrio psicológico.
  • 25. 3 – Influência dos processos de interferência : as novas memórias interferem com a recuperação das memórias mais antigas. - inibição proactiva : influência negativa que a aprendizagem anterior tem sobre a recor- dação de uma nova informação - inibição retroactiva : efeito negativo que a informação nova tem sobre a anterior.
  • 27. “ A MEMÓRIA É ASSIM COMO UM ALBUM QUE NOS RESTITUI MAIS OU MENOS INTACTOS OS FRAGMENTOS DA EXPERIÊNCIA” Francois Pine
  • 28. Alzheimer http://www.youtube.com/watch?v=h30Qn5YQNLw&feature=related Gato fedorento http://www.youtube.com/watch?v=uLtny8qfne4
  • 29.  
  • 30. Memória, aprendizagem e identidade pessoal A memória permite-nos: A adaptação ao meio, uma vez que é condição indispensável da aprendizagem. Atribuir significado às nossas experiências. Constituir um “sentimento de si”, um sentimento de identidade pessoal, dando continuidade à nossa vida (Ex. amnésia )
  • 31. PERCEPÇÃO SOCIAL : processo que está na base das interacções sociais. Os valores sociais e as experiências socioculturais influenciam o modo como se percepcionam o mundo e a sociedade. Assim sendo, podemos afirmar que a cultura influencia a forma como percepcionamos o mundo.
  • 32. Ficha de trabalho “A memória”, página 53
  • 33. A APRENDIGAZEM Aprendizagem : modificação relativamente estável do comportamento ou do conhecimento, que resulta do exercício, experiência, treino ou estudo. Envolve processos cognitivos, motivacionais e emocionais e manifesta-se em comportamentos.
  • 34.  
  • 35. TIPOS DE APRENDIGAZEM 1 – APRENDIZAGEM NÃO ASSOCIATIVA Este tipo de aprendizagem realiza-se mediante duas formas: Habituação : consiste em aprender a reagir apenas ao estímulo seleccionado (um estímulo sem importância ou benigno). Sensibilização : aprendem-se as propriedades de um estímulo ameaçador ou prejudicial .
  • 36. TIPOS DE APRENDIGAZEM 2 – APRENDIZAGEM ASSOCIATIVA É um tipo de aprendizagem mais complexa, que pode ser abordada em duas perspectivas: O condicionamento clássico O condicionamento operante
  • 37. CONDICIONAMENTO CLÁSSICO Autor : Ivan Pavlov Situação : Experiência do cão: um reflexo neutro (uma campainha) é emparelhado com um estímulo não condicionado – comida e vai produzir uma resposta não condicionada (reflexo – salivar). Resultado : o estímulo neutro torna-se um estímulo condicionado, isto é, um estímulo que por si só desencadeia uma resposta condicionada. Conclusão : aprendemos com o que nos acontece . Manual pág: 48
  • 38. CONDICIONAMENTO OPERANTE Autor : Skinner Situação : Experiência dos ratos. Em determinada situação, um comportamento ou resposta está na origem de consequências agradáveis ou desagradáveis. Resultado : Se tem consequências agradáveis, um comportamento é fortalecido, passando a ser emitido com mais frequência; se tem consequências desagradáveis (punição), um comportamento é enfraquecido, passando a ser emitido com menos frequência. Conclusão : aprendemos com as consequências dos nossos actos, isto é, com o resultado do que fazemos. Manual pág: 49/50
  • 39. TIPOS DE APRENDIGAZEM 3 – APRENDIZAGEM POR OBSERVAÇÃO E IMITAÇÃO Este tipo de aprendizagem pode ser definida como a modificação de um indivíduo, através da observação de uma sequência como se o próprio observador estivesse envolvido nessa sequência de acontecimentos. “ Aprendemos sobretudo com as consequências dos actos das outras pessoas, ou seja, observando os resultados do que os outros fazem ” Bandura
  • 40. A APRENDIGAZEM Aprendizagem por observação e imitação http://www.youtube.com/watch?v=quqkR_LlQ5U http://www.youtube.com/watch?v=kjTJmp3kXaU
  • 41. TIPOS DE APRENDIGAZEM 4 – APRENDIZAGEM COM RECURSO A SÍMBOLOS E REPRESENTAÇÕES Toda a aprendizagem envolve uma relação e uma integração em relação a conhecimentos e pré-requisitos anteriores. Pressupões todo um conjunto de competências e esquemas mentais que obrigam à compreensão de uma simbologia e à capacidade de elaborar representações.
  • 42. COMO APRENDER? A aprendizagem implica a existência de alguns factores (manual pág: 54) A motivação Os conhecimentos anteriores A quantidade de informação A diversificação das actividades A planificação e a organização A cooperação.
  • 43.