História A - módulo 3, 4 e 6

15.139 visualizações

Publicada em

Resumo da matéria do módulo 3 do 10º e dos módulos 4 e 6 do 11º ano para o Axame Nacional de História A de 2015

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.139
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
60
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
161
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História A - módulo 3, 4 e 6

  1. 1. EXAME NACIONAL DE HISTÓRIA A 12º ANO 10ºANO Módulo 3: A abertura europeia ao mundo – mutações nos conhecimentos, sensibilidade e valores nos séculos XV e XVI Unidade 1 – A geografia cultural europeia de quatrocentos e quinhentos 1.1. Principais centros culturais de produção e difusão de sínteses e inovações Objetivo 1. A ampliação do conhecimento do Mundo pelos Europeus nos séculos XV e XVI Idade Moderna: 1450 - 1789 (Rev. Francesa) – desanuviamento da “trilogia negra” – propícios à época dos Descobrimentos. SéculosXV e XVI:paz, apoioda Burguesia háexpediçõese auxíliodosinventostécnicos (mapa com rosa-dos-ventos, bússola, astrolábio, balestilha e caravela portuguesa). Descobrimentos - Destaque para os Portugueses e os Espanhóis:  Bartolomeu Dias (1487/88) – Cabo das Tormentas;  Vasco da Gama (1497/99) – Caminhomarítimopara a Índia– Rotas marítimasde comércio das especiarias;  PedroÁlvaresCabral (1500) – DescobertadBrasil – Colóniasportuguesasmaispromissoras;  Cristóvão Colombo (1492/93) – Antilhas (continente americano);  Fernão de Magalhães (1519/22) – Circum-navegação – Alteração dos conhecimentos geográficos e astronómicos. Objetivo 2. Progresso económico, demográfico, social e político Idade Moderna - Dinamismo geral: Crescimento demográfico, Desenvolvimento económico(comérciomundial),Criaçãode elitesburguesase aristocráticase Reforçodo poder político de príncipes e monarcas. Objetivo 3. Importância de certos inventos Séculos XV e XVI - Proliferação de inventos técnicos - Navegação transoceânica: p.e. astrolábio e caravela; - Dominação europeia: pólvora e armas de fogo; - Quotidianos: óculos, relógio portátil. - Invenção da imprensa: passagem da cópia manual à impressão em tipos, por Gutenberg, permitiuarápidadifusãodosescritosgregose latinose tambémdasobrasrevolucionadorasda perceção do mundo. O livro impresso tornou-se no meio de difusão cultural (fácil acesso e barato). O primeiro exemplar impresso foi a Bíblia.
  2. 2. Objetivo 4. A renovação renascentista Renascimento (Vasari,século XVI): A Europa fez renascer toda a cultura greco-latina, esquecida durante a Idade Média. A Antiguidade Clássica (Grécia e Roma) foi o grande modelo dos humanistas (intelectuais) do Renascimento: na arte e na inspiração em filósofos gregos. Objetivo 5. Principais centros culturais da Europa do Renascimento Itália – Primeiro centro cultural do Renascimento Países Baixos – Jan Van Eyck, pintura a óleo; Erasmo de Roterdão, exemplar modelar do humanista do Renascimento, graças aos escritos plenos de espirito crítico. França – Paris e Lião, lugares centrais do Renascimento, apoiado por Francisco I. Império Germânico – Invenção da imprensa, centros de Humanismo (universidade de Nuremberga ou cidade de Colónia) - Pintores: Durer e Holbein. Inglaterra – Universidade de Oxford e Cambridge – Thomas More, Utopia. Península Ibérica – Colégio das Artes e Humanidades em Coimbra, por D. João III em 1547 Hungria – Biblioteca Corviniana, pelo monarca Matias Corvino Polónia – Rei Casimiro IV estimulou a difusão cultural, Universidade de Cracóvia – Nicolau Copérnico, teoria heliocêntrica Objetivo 6. O papel inspirador de Itália Pontosfortesde Itália:Herança, em solopróprio,dos vestígiosda cultura greco-latina; Passado histórico de sucesso económico (Idade Média, dominaram os principais circuitos mercantisentre a Europa e o restante mundoconhecido);Presençade famíliasricasligadasao poderreligiosoque apoiaramfinanceiramenteosartistas(mecenato) –osMédicisemFlorença. Polos culturais italianos: - Florença: sábio Picco della Mirandola, arquiteto Brunelleschi, escultor Donatello, pintor Boticelli, génio Leonardo da Vinci; - Nápoles: Lorenzo Valla; - Roma: obras de Rafael e Miguel Ângelo; - Veneza: pintores Tintorretto e Ticiano (oficinas tipográficas). Objetivo 7. Inovações e sínteses culturais Homensdorenascimento:Intervieramnaarte e naculturamovidospelaspreocupações do seu tempo. Fusão entre a influência greco-latina e as diversidades regionais: - Construções manuelinas em Portugal (Torre de Belém): decoração arcaizante a elementos marítimos (Descobrimentos);
  3. 3. - Castelos do vale de Loire (castelo de Chambord): decoração de gosto italiano às estruturas do gótico francês. Objetivo 8. Dinamismo civilizacional e a “promoção do Ocidente” NosséculosXV e XVIhouveramtransformaçõesquecolocaramaEuropaaum nível equiparável ao das avançadascivilizaçõeschinesae muçulmana.Destacam-se comofatoresde dinamismo: - Produção de grandes obras literárias escritas tanto em grego e latim como nas línguas nacionais; - Nascimento do sentimento nacionalista; - Desenvolvimento do individualismo; - Reformas religiosas (protestantes e católica); - Difusão da instrução entre as classes privilegiadas; - Progresso económico; - Descoberta (e exploração económica) do Extremo Oriente e da América; - Enorme quantidade de inventos ou aperfeiçoamentos técnicos; - Revisão de conhecimentos científicos sobre o Homem e o universo. Em suma, o Renascimento consistiu no “grande momento da promoção do Ocidente”. Objetivo 9. Especificidade do contributo ibérico para a síntese renascentista Oprincipal contributodaPenínsulaIbérica paraoRenascimentosconsistiu,porumlado, na descoberta do Mundo, através das viagens de navegação e, por outro lado, o domínio do tráfico comercial à escola mundial, transferindo o centro da economia do mar Mediterrâneo para o oceano Atlântico. 1.2. O cosmopolitismo das cidades hispânicas – importância das Lisboa e Sevilha Objetivo 10. O cosmopolitismo de Lisboa e Sevilha Lisboa– SéculoXVIfoi umperíodoáureo.Herdeirade umatradiçãocomercial,acidade beneficioudaexpansãoultramarina portuguesa.Oseuespaçourbanoexpandiu-se,enquantoo contingente populacional aumentou: final do século, Lisboa registava uma população superior à de Roma e à de Amesterdão, devido ao intenso cosmopolitismo (capacidade de atração). A cidade do Porto, que teve um importante papel na aventura dos Descobrimentos, evoluiu em menor escala e passou para segundo plano. Marcos de prosperidade na Lisboa quinhentista: 1. O intenso tráfego, no porto de Lisboa, de navios de diferentes origens e envergaduras. 2. Os estaleiros da Ribeira das Naus, onde se construíam e reparavam as embarcações. 3. O afluxo de produtos e de metais preciosos às Casas da Mina e da Índia. 4. A vinda de mercadorias e de banqueiros europeus a Lisboa.
  4. 4. 5. A riqueza em conhecimentos geográficos, astronómicos e cartográficos, proporcionada pelas viagens de descoberta. 6. A expansão urbana. 7. Afirmação de Lisboa enquanto metrópole politica. Sevilha–controlodaCarreiradasÍndias(rotadosmetaispreciososque ligavaaEspanha à América, continente descoberto por Cristóvão Colombo em 1492). Aspetos importantes: 1. O movimento portuário. 2. A riqueza da cidade em homens. 3. A riqueza em bens alimentares. 4. A tradição comercial. 5. Os conhecimentos de astronomia e de cartografia. 6. A riqueza em ouro e prata. 7. O controlo da rota do Extremo Oriente. 8. A renovação urbanística. 9. O poder dos reis Católicos. Unidade 2 – O alargamento do conhecimento do mundo*** 2.1. O contributo português*** Objetivo 1. Os progressos náuticos e cartográficos Os principais progressos náuticos e cartográficos resultaram do aperfeiçoamento de técnicas muito antigas, difundidas por Árabes e Judeus: 1. A bússola ou agulha de marear (navegação por rumo); 2. O astrolábio (navegação astronómica); 3. A balestilha (navegação astronómica); 4. O leme montado no cadaste (mudança mais rápidas de direção); 5. A tábua quadrienal de declinação solar (valor da latitude); 6. A caravela portuguesa (viagens de exploração costeiras); 7. A nau e o galeão (viagens de longo curso); 8. Os guias náuticos e os roteiros resumiam os dados mais relevantes para a navegação – ventos, correntes, etc.; 9. As cartas-portulanos eram onde se assinalavam os portos e as rotas de navegação obtidas através da bússola. Objetivo 2. Apropriação do espaço planetário proporcionado pela expansão marítima 1. As viagens de expansão marítima colocaram problemas novos aos marinheiros,tais como os ventoscontráriose a força dascorrentes.Para tal,a caravela,navioveloze manobrável, permitia navegar à bolina graças às suas velas triangulares ou latinas; 2. As viagens do longo curso, até ao Oriente e à América, exigiam navios maiores (mais mercadoria) e mais resistentes (evitar naufrágios). A nau e o galeão surgiram para tal; 3. A navegação costeira e a navegação por rumo e estima, com recurso à bússola, não eram suficientes.Assim,osPortuguesesrecorreramaoastrolábioe aoquadrante e inventarema
  5. 5. balestilha. Associaram-nos às tábuas de declinação solar, inaugurando a navegação astronómica; 4. Aas anotaçõesfeitasdurante as viagensmarítimasoriginaramos guiasnáuticose roteiros, bases de dados de apoio à navegação fundamentada na experiência direta; 5. Até às viagens de descoberta, a cartografia existente era falsa: existiam apenas três continentes e a configuração de África e do Oriente não correspondia à verdade; 6. Asviagensde descobertarevelaramainvalidadedosmapasanteriores,substituindo-ospor cartas-portulanos(baciadomediterrâneo),cartascomescaladelatitudes,planisférios(cabo da Boa Esperança, litoral brasileiro e costa africana. Objetivo3. Contributos da expansãomarítima nos domíniosda Geografiafísicae humana, da Botânica, da Zoologia e da Cosmografia Os portugueses descobrirão que as regiões equatoriais eram habitáveis e que a comunicaçãoentre osoceanosAtlânticoe Índicoerapossível.Graçasà navegaçãoastronómica, a cartografia avançou bastante, com base em informações exatas quanto aos contornos geográficos e às distâncias. Oencontrocomoutrospovose regiõesdeuaconhecernovasculturas,novasfaturase novas floras. Noque diz respeitoàcosmografia,asviagensde descobertatornaramimpossível sustentar as antigas noções sobre o universo (p.e., a teoria geocêntrica). 2.2. O conhecimento científico da Natureza*** Objetivo 4. Carater experiencialistas deste novo saber Na Idade Moderna,em virtude docontacto diretocom outros continentesaquandoda Expansão ultramarina, privilegia-se um novo tipo de saber, o experiencialismo, baseado na observação e descrição direta da natureza. Paralelamente ao experiencialismo, foi-se afirmando uma mentalidade quantitativa: para que a observação se tornasse objetiva, era fundamental recorrer ao número. Objetivo 5. Experiencialismo VS ciência moderna O experiencialismo baseava-se mais nos sentidos e no bom senso. A ciência, baseada em hipóteses verificadas pela experiência, só surge no século XVII. Objetivo 6. A Revolução cosmológica coperniciana – manifestação de ciência moderna O nascimento da ciência moderna associa-se à afirmação da Matemática como linguagem científica universal. Leonardo da Vinci, Itália, já defendia a verificação matemática das hipóteses,assim como Pedro Nunes, Portugal, defendia as demonstrações matemáticas. O papel da matemática eleva-se no campo da visão cosmológica do Universo. A teoria geocêntrica (Aristóteles e Ptolomeu), que agradava à Igreja não era válida. Nicolau Copérnico concluiu,noséculoXVI,apartirdaobservaçãoastronómica,que oSol eraocentrodo Universo, sobre qual giraria tudo o resto. A teoria heliocêntrica resultou de cálculos matemáticos e provocou uma revolução cosmológica: Galileu inaugura o pensamento científico moderno –
  6. 6. realizaçãode experiênciascomtelescópio,utilizaçãodamatemáticacomo linguagemuniversal e espírito crítico. Apesar da perseguição pela Inquisição, as ideias de Galileu (teoria heliocêntrica,fasesdaLua,anéisde saturno,etc.) impuseram-se pelademonstraçãodosfactos, nascendo a ciência moderna (século XVI). Unidade 3 – A produção cultural*** 3.1. Distinção social e mecenato Objetivo 1. Atitudes socioculturais de cariz individualista Renascimento – Um das suas principais características é reconhecimento do valor do indivíduo.OHomemé válidoporsi próprio,pelassuasqualidadesintelectuais.Oindividualismo revela-senaostentaçãodaselitescortesãse burguesas,noestatutode prestígiode intelectuais e artistas, na prática do mecenato, na mentalidade antropocêntrica, na redescoberta do indivíduo na arte. Objetivo 2. Ostentação das elites cortesãs e burguesas Na Idade Moderna, as elites cortesãs e burguesas viviam em ambiente de desafogo económico e otimismo, o que as levava a exibir a sua condição privilegiada: vestes luxuosas, joias, banquetes, palácios decorados, bibliotecas, símbolos de ostentação. A demonstração de riqueza servia o propósito de reforçar a sua ascensão social. Assim, a cultura foi incentivada e apoiada pelaselites, transformando-se num símbolo de refinamento e de riqueza material. Objetivo 3. A sociabilidade renascentista As relaçõessociaisentre as elitesrenascentistasdesenvolviam-se noâmbitodas cortes.A vida cortesã tinha grandes festas e eventos culturais onde brilhavam os talentos artísticos dos humanistas.O cortesão,peloseuestatuto,estavasujeitoa regras pré-definidasquantoaoseu comportamento emsociedade:asregrasde civilidade,devendoassimserummodeloemboas maneiras: porte elegante, vestuário cuidado, capacidades militares,dotes de sociabilidade e erudição. Devia também respeitar e elogiar as mulheres. Objetivo 4. O mecenato e o estatuto de prestígio dos intelectuais e artistas No Renascimento, os artistas encontravam-se dependentes financeiramente de burguesesounobresde elevadoestatuto.Estapráticadomecenato,que condicionouacriação artística, foi fundamental paratodaa produção cultural doRenascimento,doqual se destacam osmecenas:Médicis,de Florença,PapaLeãoX,e D.JoãoII, D.Manuel I e D. JoãoIIIde Portugal. O estatutodosintelectuaise artistasascendeu:oartistaplásticopassouaservalorizado pela sua função criativa, passando a assinar as suas obras – Miguel Ângelo, Leonardo da Vinci, Botticelli, Rafael ou Brunelleschi. Intelectuais como Erasmo de Roterdão ou Rabelais eram admirados por reis e papas, adquirindo uma dignidade ímpar na sociedade. Por vezes os protegidos, devido ao seu prestígio, chegavam a impor os seus desejos aos seus protetores.
  7. 7. Objetivo 5. Ambiente propiciador de cultura na corte régia portuguesa OsreisD. JoãoII,D. Manuel Ie D. JoãoIIIfavoreceramaarte e a culturae utilizaram-nas como meio de reforço do poder régio: acolhimento de humanistasestrangeiros, atribuição de bolsas a estudantes portugueses no estrangeiro, fundação do Colégio das Artes (D. João III), contratação de artistas estrangeiros para a corte portuguesa, construção e intervenção em grandes obras arquitetónicas (mosteiro dos Jerónimos, Torre de Belém, Mosteiro da Batalha), casamentos reais, embaixadas. 3.2. A reinvenção das formas artísticas Objetivo 6. Características antropocêntricas do Humanismo O RenascimentoinauguraumavisãoantropocêntricadoUniverso,colocandooHomem no centro das suas preocupações. No antropocentrismo,oHomemé um ser cujaprincipal característica é o livre-arbítrio, o que permite a sua elevação espiritual mas também a sua corrupção, perda de dignidade e equivalência a seres não-racionais. O Humanista deve escolher dignificar-se para atingir a perfeição. Objetivo 7. Valorização da antiguidade pelo Humanismo Renascimento = renascer da cultura da Antiguidade Clássica (dos gregos e dos romanos). A cultura greco-latina, o modelo dos humanistas, era recuperada de variadas formas: Investigação,preservaçãoe difusão(imprensae bibliotecaspúblicas) dosmanuscritosclássicos (Homero,Virgílioe Cícero); Aprendizagemdogrego,do latim(e do hebreu) comofundamento da erudição;Imitaçãodos autoresgreco-latinos(Eneida de Virgílioserviude inspiraçãopara Os Lusíadas);Traduçãoe reinterpretaçãode obrasclássicas(deturpadasnaIdade Média);Vindade sábios gregos a várias cidades europeias e deslocação de humanistas a locais de interesse cultural, para satisfazer a sede de conhecimento sobre os antigos. Objetivo 8. A consciência da modernidade no movimento humanista O humanista era o intelectual (eclesiástico ou universitário) que, inspirado na herança greco-latina,faziaprogredira arte,a literatura,a ciênciaou o pensamentofilosófico,fundindo o legado antigo com os valores do cristianismo e com as novas conceções renascentistas (observação experimental, saber enciclopédico, espírito crítico). Os humanistas reinventaram o modelo clássico. O próprio estudo das línguas clássicas beneficiouaevoluçãodaslínguasnacionais,nasquaisforamescritasasgrandesobrasliterárias do Renascimento (Cervantes, Shakespeare ou Camões). Objetivo 9. O espírito crítico humanista e a critica social e as utopias A independência de espirito dos humanistas refletiu-se nas suas obras: os humanistas evidenciaram os problemas existentes (crítica social) e propuseram alternativas, muitas sem possibilidade de aplicação (utopias).
  8. 8. Salientam-se:Erasmode Roterdão - criticouoscortesãos,expôsoluxoe acorrupçãodo Clero, tornou-se num exemplo para a Igreja cristã devido ao respeito dos seus princípios originais; Gil Vicente – satirizou tipo sociais portugueses; Cervantes – parodiou a fantasia de grandeza presente na sociedade espanhola. As utopias correspondiamao desejo de justiça dos seus autores: Rabelais (Pantagruel) e Thomas More (Utopia,mundoonde aracionalidade eravalorizadae havialiberdade religiosa, valeu-lhe a condenação à morte por Henrique VIII). Objetivo 10. A ascensão e o declínio do Humanismo em Portugal A política cultural de D. Manuel I e D. João III privilegiava a atribuição de bolsas a estudantes portugueses no estrangeiro, onde recebiam formação de acordo com as ideias humanistas. Os monarcas convidavamtambéma residiremPortugal várioshumanistasde renome, estrangeiros ou portugueses residentes no estrangeiro. Ao nível da literaturatemos:FernãoMendesPinto,André de Resende,Sáde Miranda, Damião de Góis, António Ferreira, Luís de Camões. Porém,o dinamismorenascentistaemPortugal registouumdeclínioa partir do último quartel do século XVI, devido à ação da Inquisição e do Índex. 3.3. Os caminhos abertos pelos humanistas Objetivo 11. Características clássicas e naturalistas da pintura e da escultura renascentistas A pintura e a escultura do Renascimento obedeciam ao classicismo e ao naturalismo. Classicismo – inspiração nos artistas da Antiguidade Clássica:  Utilização de elementos arquitetónicos greco-romanos;  Evocação de elementos clássicos (colunas, águias romanas) em túmulos católicos construídos por escultores do Renascimento;  Temas retratados: mitologia e história clássicas (p.e., os deuses romanos na pintura de Botticelli);  Representação do corpo humanos, glorificando-o (escultura de David de Miguel Ângelo, o primeiro nu desde o Império Romano);  Valorizaçãodaproporção,da simetria,daharmonia(esculturade David de Miguel Ângelo). Naturalismo – admiração pela Natureza; representação verosímil dos rostos, da anatomia, do movimentoe de todoo tipode paisagens.Naescultura,é a estátuaequestre onde se verificao extremo realismo.  Aplicação das regras da perspetiva (ilusão da 3ª dimensão numa superfície plana);  Pintura a óleo (Jan van Eyck, maior detalhe, gradação de cores e secagem mais rápida). Objetivo 12. A superação do legado antigo na pintura renascentista No Renascimento, o artista adquiriu um estatuto de prestígio pois demonstrou a sua originalidade ao reproduzir as obras dos antigos, daí a existência de enumeras obras-primas.
  9. 9. Miguel Ângeloe LeonardodaVinci foramconsideradosgéniosartísticos,pelamestriatécnicae inventividade da sua arte. No entanto, os génios tiveram os seus mestres: Giotto (séc. XIII – XIV, pintura da paisagem, recriação dos volumes e representação dos sentimentos); Masaccio (séc. XV, tridimensionalidade e realismo); Jan van Eyck (técnica da pintura a óleo, naturalismo e luminosidade). Novas técnicas e fundamentos teóricos:  Pintura a óleo (novos efeitos de pormenor, luz e sombra);  Perspetiva(criaçãodumespaçotridimensional –perspetivalinear,figurasmaisafastadase de menor dimensão e linhas convergente para um ponto de fuga, e perspetiva aérea, gradação da luz ou sfumato, sensação de afastamento);  Geometrização(cenasrepresentadasdesenhavamumpirâmide,naarquiteturaumcuboou paralelepípedo);  Proporção (rigor matemático nas proporções do Homem e dos edifícios);  Representaçõesnaturalistas(demonstradasnorealismoe naexpressãode sentimentosdos rostos,nopormenordasrepresentaçõesanatómicase na valorizaçãodofundopaisagístico). Objetivo 13. Características da nova estrutura arquitetónica e da respetiva gramática decorativa Nova estrutura arquitetónica: 1. Proporção – calculadas matematicamente a partir de uma unidade-padrão; 2. Simetria – Planta centrada e simetria das portas e janelas; 3. Perspetiva linear – Pirâmide visual; 4. Linhas e ângulos retos – Horizontalidade dos edifícios; 5. Abóbadas de berço e de arestas; 6. Cúpula; 7. Arco de volta perfeita; 8. Gramática decorativa inspirada na arquitetura clássica – às colunas das ordens arquitetónicas clássicas juntou-se a orem colossal (elevadas dimensões). Objetivo 14. A oposição ao estilo Gótico e a inspiração na Antiguidade Clássica A arquitetura renascentista elegeu como modelo a arquitetura clássica, visível na preferência pela planta centrada, na horizontalidade das linhas dos edifícios, no gosto pelas cúpulas ou no arco de volta perfeita e nas abóbadas de berço. Na decoração a inspiração clássica é visível na aplicação das ordens arquitetónicas (dóricaou toscana, jónicae coríntia),dos frontõese dos grotescos(decoraçãodas paredesem fresco ou alto-relevo). Objetivo 15. Matematização das formas arquitetónicas A proporção entre as partesdo edifícioestabelecia-se apartir de uma unidade-padrão, repetida ou multiplicada sucessivamente: p.e., numa igreja todas as medidas (nave central,
  10. 10. naves laterais, capela-mor, capelas laterais, etc.) eram rigorosamente calculadas de maneira a inscrever o edifício numa forma geométrica. O objetivo da simetria absoluta levou à escolha do círculo (forma perfeita, divina,sem principionemfim,paraplantasdostemplos.Nasfachadas,adistânciaentre asjanelase portas era rigorosamente calculada. Surge uma nova teoria das regras de proporção entre os componentes da ordem: o módulo, medida base. Objetivo 16. Estilo Manuelino e a persistência e renovação do Gótico O estilo gótico-manuelino caraterizou a arquitetura portuguesa entre a última década do séc. XV e o primeiroquartel do séc. XVI.É um estilohibridodevidoàmisturade elementos góticos com uma decoração exuberante baseada em motivos naturalistas e com um simbólica heterogénea. A inspiração nos Descobrimentos verifica-se na presença de troncos, ramagens, conchas, boias,cordase corais. Noentanto,o estilogótico-manuelinoportuguêsreinterpretou oestilogótico,atravésdousode múltiplosarcose daabobadarebaixadae únicaparaas3naves. Exemplos: Janela da Sala do Capítulo no Convento de Cristo em Tomar, Sé de Viseu, Igreja do Mosteiro dos Jerónimos, pórtico das Capelas Imperfeitas no Mosteiro da Batalha. Objetivo 17. Caracterizar a pintura e a escultura portuguesas do Renascimento Escultura – Encontramos os estilos gótico,manuelino e clássico nos túmulos, portais, estátuas de santos, estátuas jacentes e outros elementos religiosos. Para além dos escultores portuguesesopatrimónioescultórioé devedordapresençadosfrancesesChanterene,Joãode Ruão e Filipe Hodarte. Pintura– Aproximaçãoao Renascimentosurge graçasà presençade estrangeiros.Portugueses destacam-se Nuno Gonçalves, com os Painéis de S. Vicente, e Vasco Fernandes (Grão Vasco), com a Sé de Viseu, p.e. Unidade 4 – A renovação da espiritualidade e da religiosidade*** 4.1. A Reforma protestante*** Objetivo1.Manifestaçõesde crise naIgrejanosfinsdaIdade Média/iníciosdaIdade Moderna Nos séculos XIV e XV, a Igreja Católica viveu um período conturbado devido à divisão (Cisma) entre dois papas do Ocidente: o de Roma e o de Avinhão. Além disso, a conduta moral do clero encontrava-se afastada dos princípios do cristianismo: o luxo substituiu o voto de pobreza, os membros do clero tinham filhos (desrespeitodovotode castidade),acorrupção assolavaa Igreja.Assim, surgemváriascríticas e alternativas de fé por parte de fiéis devotos:  O movimentoreligioso Devotio Moderna(séc.XV) apelavaaodesprezopelosbensmateriais e a uma busca individual e interior de Deus;  Wiclif prezava o estudo direto da Bíblia, afastando o valor do claro ou dos sacramentos;
  11. 11.  Erasmo de Roterdão critica à corrupção, ignorância e hipocrisia do clero;  Savonarolacriticouosdesviosàpurezadocristianismopelocleroe pelopapaAlexandreVI. Alguns deste crítico da Igreja pagaram com a vida a sua frontalidade, muito acabaram queimados na fogueira. Objetivo 2. A questão das indulgências e a Reforma protestante Uma das maiores polemicas no seio da Igreja Católica foi a venda de indulgências (perdão para os pecados), o que desvalorizoua prática do “boas obras”. O dinheiro obtidona venda das indulgências servia para as obras da Basílica de S. Pedro do Vaticano MartinhoLutero,monge agostinhoque levavaumavidade despojamentoe misticismo, insurge contraa vendade indulgênciase afixa,em1517, na porta dacatedral de Wittenberg, as suas “95 teses contra as indulgências”. O facto de não ter mostradoarrependimentoe de terafirmadoque a Bíblia era a única fonte de autoridade e apóster queimadoabulapapal que condenavaas suastesese ameaçaa excomungação, levaram à sua excomungação e banimento, em 1520, da Igreja Católica. Banido também do Império, refugiou-se junto dum príncipe e deu início a uma nova doutrina, o luteranismo. Objetivo 3. Princípios do luteranismo O luteranismo, de modo a resolver os problemas que minavam a Igreja Católica, estabeleceu novos princípios, buscando a pureza original do cristianismo: 1. Justificação pela Fé 2. Teoria da predestinação 3. Primado das Escrituras 4. Ritos simplificados 5. Sacerdócio universal 6. Igrejas Nacionais Evangélicas 7. Dois Sacramentos – Batismo e Comunhão Objetivo 4/5. Inovação teológica do luteranismo e a sua rápida difusão A IgrejaLuterana assentanasrelaçõesindividuaisde cadaum dosfiéiscomCristo,sem a obrigatoriedade de seguir com o clero como intermediário. A hierarquia religiosa foi desvirtuada do poder e do carisma de que goza na Igreja Católica. Em suma, esta inovação teológica consistiu em aproximar a Igreja do povo. Para tal contribuiuadifusãodaBíblia(invençãodaimprensa)e ousode línguasnacionais,quernaBíblia quer na pregação religiosa. A expansão do luteranismo deveu-se à adesão dos príncipes e da pequena nobreza. Estes apoderaram-se dos bens materiais da Igreja alemã que tinham sido secularizados. Também contribuiu para a expansão a aceitação dos novos princípios teológicos pelos burgueses e pelos camponeses,que aspiravam maior justiça social. Por último, a difusão da
  12. 12. reforma está ligada ao avanço da tecnologia da informação: a impressão de livros, imagens e panfletosde humanistase artistasatuou como veículode propagandado luteranismo.Apenas em 1555 é que a Alemanha declarou liberdade religiosa – Paz de Augsburgo. Objetivo 6. Diversidade de credos protestantes A vontade de aproximação à doutrina original do Cristianismo concretizou-se na Reforma, na qual se incluem o luteranismo, o calvinismo e o anglicanismo. Objetivo 7.Calvinismo VS luteranismo O calvinismo (Suíça) aproximava-se do luteranismo em princípios como a justificação pelafé,aprimaziadaBíbliae osacerdóciouniversal.Tambémnãose prestavaaocultodedeuses nem à Virgem e apenas aceitavam os sacramentos do Batismo e da Eucaristia. Houveram também alterações na hierarquia religiosa. SóainterpretaçãodaBíbliaporCalvinoeraconsideradacorreta:aaboliçãodahierarquia sujeitava o Estado à Igreja, o que originou uma sociedade teocrática que perseguia católicos e protestantes;naEucaristia,Cristoestavaapenaspresenteemespírito.A teoriadapredestinação era absoluta,poisDeusveriatodaa eternidade,decidindooque fazercom cada Homem.Todo aquele que tivessefé nãoaperderiajamais,enquantoparaLuteroo crente poderiadeixarde o ser, comprometendo, assim, a sua salvação. Objetivo 8. O calvinismo e expansão do capitalismo Calvino admitia, nas suas teses, a legitimidade do lucro e valorizava o trabalho e a poupançacomoreferênciasválidasparaaformaçãodoserhumano.Ohomemde negóciostinha lugar entre o grupo de eleitos. Objetivo 9. A Reforma na Inglaterra Na Inglaterra, o desejo de divórcio do rei Henrique VIII, invocando a falta de sucessor varão, levou ao seu afastamento da Igreja Católica. Vendo o seu pedido de divórcio recusado, proclamou,em1534, o Ato de Supremacia,segundooqual o rei era o únicochefe supremoda Igrejade Inglaterra.Estaconversãoparaocalvinismo,fez comque asigrejasentregassemaorei todas as suas riquezas (reinado de Eduardo VI). Objetivo 10. Originalidade do anglicanismo O anglicanismoinstauradonoreinadode IsabelI,que atornava,segundoonovoAtode Supremaciade 1559, a administradorasupremadaIgrejainglesa.Osprincípiosdoanglicanismo foram consignados na Declaração dos Trinta e Nove Artigos, de 1563: 1. Justificação pela fé; 2. Primazia das Escrituras; 3. Dois sacramentos: Batismo e Eucaristia; 4. Abolição do celibato; 5. Culto em língua inglesa; 6. Abolição do culto dos santos, imagens, relíquias e da doutrina do Purgatório; 7. Rejeição da predestinação absoluta do calvinismo.
  13. 13. Objetivo 11. Clima de intolerância nos séculos XVI-XVII Na Alemanha,oluteranismodeuorigema episódiosde guerracivil.Em 1565, deu-se a revolta dos Países Baixos devido à expansão do calvinismo. Em Inglaterra,Isabel Ienfrentouadesaprovaçãode católicose calvinistas.Estesforam perseguidosreforçando,assim,atravésdodomíniosobre aIgreja,aautoridade real e o poderio da Inglaterra no mundo. Na França, Catarina de Médicis deu início a um período de perseguições cruéis contra calvinistas. Por último, ao nível europeu, no séc. XVII, travou-se a Guerra dos Trinta Anos entre protestantesdaBoémia,Alemanha,Dinamarca,Suécia,Françae ProvínciasUnidase a Casa dos Habsburgos, que acabou por assinar a Paz de Vestefália, reafirmando a liberdade de culto. 4.2. Contrarreforma e Reforma católica. O impacto na sociedade portuguesa*** Objetivo 12. Resposta da Igreja Católica à Reforma protestante No século XVI, perante o afastamento crescente dos fiéis em relação à Igreja Católica, esta empreendeu, por uma lado, uma Reforma da Igreja, no sentido de a aproximar dos princípiosdoutrinárioscristãos e,poroutro lado,uma Contra-Reforma,atravésdacondenação explícita e da perseguição das várias formas de protestantismo. Objetivo 13. Conclusões do Concílio de Trento Em 1545, deu-se o Concilio de Trento (Itália), o qual evidenciou a Contra-Reforma da Igreja Católica e reafirmou os seus dogmas: 1. Recusa da justificação pela fé; 2. Confirmação do dogma da transubstanciação; 3. Confirmação da crença no Purgatório; 4. Reafirmação do valor dos escritos dos Padres da Igreja como fonte de fé; 5. Reafirmação dos 7 sacramentos: Batismo, Eucaristia, Confissão, Crisma, Matrimónio, Ordens Sagradas, Extrema-Unção; 6. Reafirmação da suprema autoridade do Papa sobre a Igreja; 7. Reafirmação do culto dos santos e da Virgem Maria; 8. Valorização dos rituais; 9. Manutenção do latim como língua litúrgica; 10. Reafirmação do culto das imagens. O Concilio de Trento regulamentou, também, as questões disciplinares, para evitar os abusos e a corrupção do clero: 1. Preparação dos futuros sacerdotes em seminários; 2. Obrigação do celibato eclesiástico; 3. Estabelecimento de idades mínimas para os cargos de sacerdote e de bispo; 4. Obrigação de residência dos padres nas paróquias e dos bispos nas dioceses; 5. Obrigação de realização de visitas dos bispos às paróquias das dioceses; 6. Proibição de acumulação dos benefícios eclesiásticos.
  14. 14. Para uniformizar a doutrina e regulamentar o culto, redigiram-se 3 documentos importantes: o Catecismo, o Missal e o Breviário. Objetivo 14. Repressão exercida pelo Índex e pela Inquisição Índex – lista dos livros proibidos pela Igreja Católica. Inquisição – tribunal da Igreja Católica criado para perseguir os suspeitos de heresia. Osprincipaisalvosdasperseguiçõeseramoscristãos-novos,mastambémtodosaqueles suspeitosde contactocomos ideaishumanistas.Qualquercomportamento que se afastasseda norma podia ser condenado sob a acusação de bruxaria, bigamia ou sodomia. Uma denúncia levava a interrogatório pela Inquisição, já que eram possível recorrer à sociedade cível para fazeremo seutrabalho.Este facto iniciouumclimade delaçãoconstante e medoda denúncia, até porque os métodos usados na averiguação das culpas incluíam a tortura. Os considerados culpados não obtinham qualquer forma de piedade cristã: nomes afixados, bens confiscados e penas incluíam prisão e auto-de-fé. Quando o condenado era relaxado ao braço secular a jurisdição cumpriria o auto-de-fé, através da morte na fogueira, morte lenta e dolorosa. Desta forma pereceram grandes figuras da intelectualidade portuguesa: António da Silva (o Judeu) e Damião de Góis, conhecido de protestantes. Objetivo 15. Ação das novas congregações religiosas A reforma da IgrejaCatólica manifestou-se noproselitismo(fervorreligioso) dasnovas congregações religiosas. Destacando-se os Jesuítas da Companhia de Jesus a 3 níveis: Missionação (Ásia, América, Africa), Pregação (sermões do padre António Vieira) e Ensino. Objetivo 16. Impacto da Contra-Reforma e da Reforma católica na sociedade portuguesa A dureza com que foram aplicadas, em Portugal, as medidas da Contra-Reforma, principalmente nas penas impostas pela Inquisição e aos Indexes portugueses, valeu-nos um atraso cultural que se arrastou. A ação eficaz das autoridades portugueses que acatavam as medidas repressivas emanadas em Roma provocou a fuga de inúmeras figuras da intelectualidade e do panorama económico (judeus). Unidade 5 – As novas representações da humanidade 5.1. O encontro de culturas e as dificuldades de aceitação do princípio da unidade do género humano Objetivo 1. A atitude dos Ibéricos face aos novos povos que as Descobertas marítimas lhes desvendaram O desconhecimento em relação aos povos que habitavamo mundo levouà criação de mitossobre seresmonstruosos.Graças às Descobertasmarítimasde Portuguesese Espanhóis, as ideias antigas, finalmente desmitificadas, deram lugar ao espanto e à curiosidade. Este
  15. 15. encontro criou a ocasião para registar, por escrito, e transmitir ao rei e aos habitantes da metrópole as características fisionómicas e os costumes dos povos encontrados. Objetivo 2. Encontro entre povos e os confrontos A crença na superioridade da raça branca e da religião cristã foi o fundamento para as atitudesde preconceitoe discriminaçãoque desde cedoenvolveramocontactoentre culturas. O “outro” era constantemente interpretado à luz de uma perspetiva europocêntrica. Para alémdestadesconfiançapeladiferença, umfatorentravouo encontro: o desnível entre o poder do Europeu, baseado nas armas de fogo, e o poder do indígena, assegurado, apenas, pelas armas tradicionais. Objetivo 3/4. Prática da escravatura Embora a prática da escravatura não fosse nova na Idade Moderna, a partir de 1448 inicia-se o tráfico de escravos africanos destinados aos trabalhos mais duros nas colónia americanas e na Europa. A justificação económica e a pretensa justificação moral constituíram as bases da escravização e do completo desrespeito pelos direitos humanos que a acompanhou. A brutalidade com que os detentores de terras espanhóis tratavam os amerindios, sujeitando-os a trabalhos forçados, massacrando-os e desrespeitando a sua imensa riqueza cultural e patrimonial,levantou a questão da legitimidade,ou não, de se condenar os índios à escravização. Defendendoaigualdade entretodosossereshumanos,de acordocomosprincípiosdo Cristianismo,algunssacerdotesdaIgrejaCatólicaposicionaram-se em defesa clara dos índios. Relativamente ao caso português, é incontornável a figura do Padre António Vieira (jesuíta) nadefesadosíndiosdo Brasil,no séc.XVII.Ousoucontrariar o argumentoeconómico, desafiando os colonos a desempenharem as funções habitualmente realizadas pelos índios, e ameaçou abertamente com a condenação ao Inferno todos aqueles que oprimiam os índios, frontalidade que lhe custou o encarceramento da Inquisição. Objetivo 5. Processo de missionação posto em prática por Portugueses e Espanhóis No processo das Descobertas, a motivação religiosa desempenhou um papel importante.A Igrejasempre apoiouaexpansãoibéricadevidoàfunçãoevangelizadoraque lhe era inerente. Assim, a Expansão foi subsidiada, em parte, pelas Ordens religiosas, que daí retiravam influência em matéria religiosa sobre os territórios conquistados. Porém,os missionáriosnãoexpandiamapenasareligiãocristã;incutiamtambém, pela sua presença, a cultura do povo conquistador, do que resultou a adoção dos valores culturais europeus. Em numerosos casos, a evangelização foi exercida pelo uso da força. Ao invés, ficaram famosas as atitudes de defesa e ensino dos povos indígenas da América por parte de frades franciscanos, beneditos e jesuítas.
  16. 16. Objetivo 6. Miscigenação levada a cabo pela colonização ibérica As uniões maritais entre diferentes grupos étnicos eram encorajadas pelos monarcas Portuguesese Espanhóise peloclarodascolóniascomosobjetivosdefomentaroenraizamento dos Portugueses nos territórios conquistadores e de obter maiores êxitos numa missionação levada a cabo por sacerdotes indígenas. Porém,estaestratégianemsempre surtiuefeito:osmestiçose osmulatoseramolhados com preconceito e discriminação no acesso aos cargos eclesiásticos e civis. 11ºANO Módulo 4: A Europa nos séculos XVII e XVIII – sociedade, poder e dinâmicos coloniais Unidade 1 – A população da Europa nos séculos XVII XVIII: crises e crescimento 1.1. A evolução demográfica Economia Pré-Industrial:  Base agrícola;  Evolução tecnológica lenta. Agricultura (ocupava mais de 80% da mão-de-obra disponível):  Utensílios rudimentares;  Sem fertilizantes químicos;  Sem meios para combater as pragas;  Dependente da fertilidade dos solos;  Dependente do clima. Tecnologia (era debilitada):  Condicionava a produção o Impediu o seu aumento contínuo; o Colocou um entrava aos recursos alimentares disponíveis e ao limite máximo do numero de homens. O equilíbrioentre os recursos alimentares e a população “rompia” com frequência: A morte levava os mais desfavorecidos, criando picos súbitos na mortalidade. Modelo Demográfico Antigo (até ao séc. XVII):  Elevada mortalidade;  Elevada mortalidade;  Crises demográficas periódicas;
  17. 17.  Crescimento ligeiro ou estagnação. Exemplo do séc. XVII (Século trágico)  Trilogia negra (fomes, pestes e guerras);  Frioextremo – Colheitasapodrecem –Preçoselevam-se (Inflação) –Crisesde subsistências sucedem-se – mortes por fome;  Fomes – corpos debilitados – doenças – contágio mais rápido – Epidemias – mortes;  Guerras – Destruíam tudo à sua volta – morriam inocentes nas mãos de soldadoscruéis – mortes (ex.: Guerra dos 30 anos);  Mortes – falta de mão-de-obra – pouca produção – Inflação – mortes. Modelo Demográfico Novo (Séc. XVIII):  Diminuição da mortalidade: o Revolução agrícola; o Revolução Industrial; o Desenvolvimento dos transportes (Menor dependência); o Desenvolvimento da medicina (vacinas).  Crescimento demográfico: o Diminuição das fomes e das doenças; o Bom clima (boas colheitas).  Epidemias desaparecem: o Generalização das quarentenas; o Aumento dos cuidados higiénicos- sanitário; o Descoberta da vacina.  Mais importância dada à infância: o Prática médica no campo da obstetrícia (formação de parteiras); o Criança torna-se o centro de atenções das famílias.  Rejuvenescimento da população: o Aumento da Esperança média de vida.
  18. 18. Unidade 2 – A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos 2.1. Estratificação social e poder político nas sociedades do Antigo Regime (século XVI – finais XVIII) *** Objetivo 1. A sociedade do Antigo Regime A Sociedade do Antigo Regime era constituída por 3 ordens ou estados, definidos pelo nascimento e pelas funções sociais desempenhadas. A mobilidade era rara, devido à hierarquização da sociedade. Objetivo 2. As ordens (composição e estatuto) Clero:  Considerado o mais digno devido à proximidade a Deus e por ser protetor de todas as ordens;  Composto por elementos de todos os grupos sociais, dividindo-se em alto clero e baixo clero;  Único grupo cujo estatuto não se adquiria pelo nascimento;  Tinha muitos privilégios: Tribunal próprio; isenção de impostos; direito de asilo; recebia a dízima e as doações dos crentes por isso vivia em desafogo económico, e até de maneira luxuosa; exercia cargos na administração. Nobreza:  Retiravao seuenorme prestígiodaantiguidade dasua linhagem e da proximidade ao Rei;  Dedicava-se à carreira das armas (nobreza de sangue ou de espada) ou a cargos públicos (nobreza de toga);  Ocupava os cargos mais elevados da administração e do exército;  Regime jurídico próprio;  Não pagava impostos ao Rei;  Detinha grandes propriedades;  Fornecia os elementos que integravam o alto clero. Terceiro Estado:  Ordem mais heterogénea: elite burguesa, ofícios manuais; mendigos e vagabundos;  Dedicava-se principalmente à agricultura;  Pagava impostos. Objetivo 3. Reconhecer, nos comportamentos, os valores da sociedade de ordens Todosos comportamentosestavamrigidamenteestipuladosparacadauma das ordens sociais. Assim, o estatuto jurídico, o vestuário, a alimentação, a forma de tratamento, etc. deviam refletir a pertença a cada uma das ordens. Esta preocupaçãoem tornar visível adiferenciaçãosocial exprimiaosprincipaisvalores defendidosnasociedade de ordens:adefesadosprivilégiospelasordenssociaismaiselevadas a primazia do nascimento como critério de distinção e a fraquíssima mobilidade social.
  19. 19. Objetivo 4. Vias de mobilidade social As vias de mobilidade ascendente da burguesia eram, de forma geral, o estudo, o casamento com nobreza, o dinheiro e a dedicação aos cargos do Estado (nobreza de toga – títulos nobiliárquicos). Objetivo 5. Características do poder absoluto O AntigoRegime caracterizou-se,anível político,pelosistemade monarquiaabsoluta, que atingiuoexpoentemáximonosséculosXVIIe XVIII.Assim, opoderdoRei tinha4atributos: 1. Era sagrado (Direito divino, só presta contas a Deus); 2. Era absoluto(Mas tem que assegurar a ordeme garantir os privilégiosdaIgrejae Nobreza. Tem os 3 poderes – legislativo, judicial e executivo); 3. Era paternal (Tem que satisfazer as necessidades do seu povo); 4. Era sujeito à razão (sabedoria do rei). Os monarcasabsolutosnãoreuniamosórgãosde representaçãodasociedade (Cortes), apesar de eles existirem. Objetivo 6. Papel desempenhado pela corte no regime absolutista O rei utilizava a vida em corte para mais facilmente controlar a Nobreza e o Clero. A sociedade de corte estava constantemente à vigilância deste. Objetivo 7. Encenação do poder Todosos atos quotidianosdorei eramritualizados,“encenados”de modoaendeusara sua pessoa e a submeter as ordens sociais. Cada gesto tinha um significado social ou político, pelo que, através da etiqueta, o Rei controlava a sociedade. Objetivos. Preponderância da nobreza fundiária: A restauração da independência, em 1640, por iniciativa da nobreza, concedeu a estes grandes proprietários de terras um papel social importante, reforçado pelos cargos na governação, na administração ultramarina e no comércio.Assim,asociedadede ordens emPortugal caracteriza-sepelapreponderânciapolítica da nobreza de sangue e pelo afastamento da burguesia do poder. A debilidade da burguesia portuguesa deveu-se, em grande parte, à centralização das atividades mercantis nas mãos da Coroa e da nobreza e à perseguição de judeus e cristãos-novos pela Inquisição. O cavaleiro-mercador: Em Portugal, a nobreza mercantilizada (que se dedica ao comércio) dá origem ao «cavaleiro-mercador», que investe os lucros do comércio não em atividades produtivas mas em terras e bens de luxo. Isto tem duas consequências: a difícil afirmação da burguesia portuguesa (que só no século XVIII, já com o Marquês de Pombal, ganhará preponderância) e o atraso económico de Portugal em relação a outros países da Europa. Relaçõesentre oaparelhoburocrático e a centralizaçãodo poder: AolongodosséculosXVII e XVIII os reis portuguesesprocederam a uma centralização do poder: Século XVII - Depois do domínio filipino, D. João IV reestrutura os órgãos da administração central para enfrentar a guerra. Não sendo um rei de tipo absolutista criou órgãos em quem delegava poderes
  20. 20. (Secretariase Conselhos).AolongodoséculoXVIIasresoluçõestomadasemCortestinhamcada vezmenosimportânciaparaa governaçãodo reino,que asua convocação foi-se tornandocada vez mais rara (até se extinguirem, praticamente, a partir de 1697).Século XVIII - a figura mais marcante do absolutismo português,o rei D. João V, teve um papel muito interveniente na governação,remodelandoosórgãosdoaparelhode estadoe rodeando-sede colaboradoresde confiança. Contudo, o Estado não se tornou mais eficiente para os súbditos: faltava a ligação entre a administraçãocentral e a administraçãolocal e a dependênciade todasas decisõesda aprovação do rei,tornava qualquerpedidonumprocessomuitolento.Naprática,a burocracia afastava o povo do rei. Características do absolutismo joanino: O fenómeno da “encenação do poder” também estavapresente namonarquiaabsolutaportuguesa,emparticularno reinadode D. João V. Tal como Luís XIV, D. João V realçava afigura régia através da magnificência (luxo) permitida pelo ouro e diamantes do Brasil, da autoridade e da etiqueta, de que se salientam os seguintes aspetos:  Subordinação das ordens sociais (não reúne Cortes);  Apoio às artes e às letras (criação da biblioteca da Universidade de Coimbra e da Real Academia de História);  Enviode embaixadasaoestrangeiro;Distribuiçãodemoedasde ouropelapopulação(oque lhe valeu o cognome de o Magnânimo, o generoso);  Política de grandes construções (em especial a do palácio-convento de Mafra, obra que se tornou no símbolo do seu reinado). 2.2. A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político Objetivo 12. Fusão do poder político com o poder económico nas Províncias Unidas Foi o dinheiro que abriu à burgueis das províncias unidas as portas da ascensão social. Com o tempo, a ascensão da burguesia de negócios foi consolidada pela educação, pelos casamento e pela dedicação aos cargos do Estado: graças à descentralização administrativa, eram os chefes das famílias burguesas quem dominava os conselhos das cidades e das províncias, formando uma elite governante. Foram-se quebrando, assim, os princípios da sociedade de ordens baseados nos privilégios do nascimento. Objetivo 13. Teoria do mare liberum O Tratadode Tordesilhas,de 1494, ratificouomonopóliode Espanhae de Portugal com o mare clausum, restando a opção de corso aos outros estados. A defesa do mare liberum era uma forma de legitimar as pretensões holandesas ao comércio internacional, uma vez que o séc. XVII foi, para a Holanda, uma época de grande prosperidade. Objetivo 14. Acontecimentos importantes da história política inglesa (séc. XVII) A luta histórica entre o povo – Parlamento – e os soberanos ingleses remonta à Idade Média (Magna Carta). Porém, é no século XVII que vinga o Parlamentarismo inglês devido a 2 Revoluções:
  21. 21. 1. Instauração da República inglesa – Carlos I assinou a Petição dos Direitos (respeitar a vontade popular),em1628,masnão acumpriu,factoque levouàsuamorte.Oseusucessor foi Cromwell que instaurouumRepúblicarepressiva,que durouaté àsua morte (voltapara a monarquia); 2. Revolução Gloriosa – 1688, Guilherme de Orange vence Jaime II e compromete-se a respeitarsolenemente asliberdadesdopovoconsignadasna Bill of Rights (1689). Este texto estabelecia limites ao poder real, protegendo os direitos dos súbditos. Objetivo 15. Caráter liberal do regime parlamentar O regime parlamentarassume-se comodefensordasliberdadespolíticas,económicase religiosas. O cidadão, protegido das arbitrariedades do governo, substitui o súbdito, e os poderes legislativos, executivo e judicial são divididos por vários órgãos do poder. Objetivo 16. Filosofia política de Locke e o parlamentarismo inglês JohnLocke – Justificaçãoteóricadoparlamentarismo:defendeque todososhomensse encontramnaturalmente numestadode perfeitaliberdade e numestadode igualdade aoqual renunciam, apenas, em favor da coletividade, quando se fazem representar pelos seus governantes. O poder supremo do Estado era o poder legislativo, exercido pelo Parlamente. Se o poder legislativofosse exercido de maneira absoluta ou prejudicasse o bem comum, então os governantes poderiam ser depostos. Objetivo 17. Modelo sociopolítico absolutista VS modelo parlamentar Modelo absolutista:  O Rei detém todo o poder (absoluto);  O Rei não convoca Cortes;  O Rei detém um poder sagrado, paternal, absoluto e submetido à razão;  O Rei encena o seu poder de modo a controlar as ordens privilegiadas;  Os cargos da chefia são entregues à nobreza e ao clero. Modelo parlamentar:  O poder é repartido entre o Rei e o Parlamento;  O Parlamento ocupa o lugar central na estrutura governativa;  A burguesia ocupa cargos importantes na administração do Estado;  Os critérios sociais baseados no nascimento anulam-se. Unidade 3 – O triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII*** 3.1. O reforço das economias nacionais e tentativas de controlo do comércio*** Objetivo 1. Princípios mercantilistas O mercantilismo (riqueza e poder assenta na quantidade de metais preciosos) na foi a doutrina económica vigente nos séculos XVI, XVII e XVIII. Princípios fundamentais:
  22. 22.  Balança comercial positiva;  Protecionismo económico;  Fomento da produção industrial;  Regulamentação do comércio externo. Objetivo 2. Coerência interna do mercantilismo O mercantilismo foi o meio de fortalecer as monarquias e de aumentar a riqueza nacional.A intervençãodoEstadonaeconomiaconsistiaemaumentaraquantidadede dinheiro em circulação no reino; para atingir esse objetivo, a relação entre as importações e as exportações devia ser favorável, de maneira a impedir a saída de metal precioso do país. Para reforçar a restrição às importações, sobrecarregava-se de direitos alfandegários (impostos) a entrada de produtos estrangeiros, o que tornava os produtos nacionais mais baratos,logomaiscompetitivos(protecionismoeconómico).Oprotecionismoreforçava-se com leis que impediam o uso de produtos de luxo importados (leis pragmáticas). Objetivo 3/4. Mercantilismo de Cromwell VS mercantilismo de Colbert O mercantilismofrancêsfoi implementadoporColbert(ministrodorei Luís XIV).A sua política económica, muito dirigista, concedeu o principal relevo ao desenvolvimento das manufaturas como meio de substituir as importações de produtos estrangeiros por produtos franceses.OColbertismosalientou-se pelodesenvolvimentoda frotamercante e damarinhade guerra e pela criação de companhias monopolistas. Cromwell, chefe inglês, encarnou uma faceta do mercantilismo mais flexível, mas igualmente empenhada na supremacia da economia nacional. As suas medidas económicas valorizavam a marinha e o setor comercial (Atos de Navegação). Mercantilismo francês – setor manufatureiro – medidas:  Criação de novas indústrias;  Importação de técnicas;  Criação de manufaturas reais;  Controlo da atividade industrial por inspetores do Estado Mercantilismo inglês – setor comercial – medidas:  Publicação dos Atos de Navegação – apenas podiam entrar em Inglaterra as mercadorias que fossem transportadas em barcos ingleses ou do país de origem;  Política de expansão comercial;  Criação de grandes companhias de comércio, entre as quais a Companhia das Índias Orientais inglesa, que detinha o exclusivo de comércio com o Oriente e amplos poderes a nível da administração, defesa e justiça. Objetivo 5. Protecionismo económico e o agudizar das tensões internacionais As medidas de caráter protecionista dos países mercantilistas levaram à contração do comércio entre os países europeus. Como alternativa, esses países comerciavam com as suas próprias colónias, num regime de exclusivo colonial.
  23. 23. Consequentemente,acriaçãode umimpériocolonial e comercial passouafigurarcomo prioridade dos estados europeus. A prática do capitalismo comercial levou ao agudizar das tensões internacionais. O ponto alto deste clima de tensão foi o desfecho da Guerra dos Sete Anos (1756-1763) que consagrou a supremacia da Inglaterra no comércio mundial. Objetivo 6. Áreas coloniais disputadas pelos estados atlânticos Regiões governadas pelos estados atlânticos:  Império espanhol detém territórios na América espanhola e Filipinas;  Holanda detém territórios na Ásia, na África e no continente americano;  Inglaterraocupou as possessõesfrancesasnasÍndias,territóriosnaAméricae feitoriasem África;  Império francês detém territórios em África, no Oceano Índico e na Índia;  Império português retirava proventos do Brasil, das colónias em África e na Índia. 3.2. A hegemonia económica britânica*** Objetivo 7. Importância das inovações agrícolas e o sucesso económico inglês A revolução agrícola teve o apoio do Paramento, o que permitiu todas as inovações:  Sistema de rotação quadrienal de culturas;  Articulaçãoentre a agriculturae a criação de gado: forrageirasque asseguravamoestrume necessário e incentivavam o melhoramento das raças animais;  Vedação dos campos comunitários (enclosures);  Inovações técnicas: a introdução de máquinas nos campos. As inovações agrícolas resultaram num aumento da produtividade, o qual, por sua vez, estimulouocrescimentodemográficoe canalizouamão-de-obraexcedentáriaparaas cidades. Objetivo 8. O mercado nacional A Inglaterrafoi o país que mais cedose transformounum espaçoeconómicounificado – fatores:  Crescimento demográfico e urbano – motores de desenvolvimento económico, devido ao maior consumo interno;  Desenvolvimentodostransportese viasde comunicação(sistemade canais,maisestradas) permitia resolver os problemas de abastecimento;  Inexistência de alfândegas internas retirava os entraves ao comércio;  União da Inglaterra com a Escócia e com a Irlanda criava um contexto político propício à circulação de produtos. Objetivo 9. Impacto do alargamento dos mercados na economia inglesa Ao nível do mercado esterno, os Ingleses conseguiram abrir brechas no rigoroso protecionismo dos estados europeus e, ainda, comerciar com os continentes americano e asiático:  Comércio triangular – África, América e Inglaterra;
  24. 24.  Oriente –Guerra dos Sete Anos,expulsouosFrancesesdaÍndia,assegurandoàCompanhia Inglesa das Índias Orientais o comércio dos produtos indianos para exportação para a Europa e para trocas locais, proibindo os produtores locais de venderem a outros estrangeiros que não os Ingleses. Índia – China (chá) – Inglaterra. O alargamento dos mercados é um dos fatores da preponderância inglesa sobre o Mundo. Objetivo 10. Progresso no sistema financeiro O sistema financeiro favoreceu o sucesso inglês:  Bolsa de Londres – a compra de ações do Estado ou de companhias industriais permitiu reunir capitais em grande escala e fornecer lucros aos particulares e ao Estado;  Banco de Inglaterra– realizavaasoperaçõesde apoioaocomércio,emitiaopapel-moedae financiava a atividade comercial e industrial. Objetivo 11. Contexto do arranque industrial Segunda metade do século XVIII – Revolução Industrial – alteração tecnológica na produção acompanhada de ruturas em vários aspetos da vida humana. Após a Revolução Agrícola, a rutura tecnológica surgiu nos setores do algodão e da metalurgia. Setor algodoeiro - quando um dos ramos do setor têxtil se desenvolvia, o outro era obrigado a acompanhá-lo. Metalurgia - libertar a indústria do problema de escassez do combustível: carvão de coque em vez do tradicional carvão de madeira, que melhorouo abastecimento de ar quente aos altos-fornos. Máquina a vapor – inventomaisimportante – 1767, fonte de energiaartificial,eficaze adaptável a muitos usos. Objetivo 12. Condições da hegemonia britânica Condições favoráveis à hegemonia inglesa sobre o mundo: 1. No âmbito técnico e económico:  Sistema de rotação de culturas;  Articulação entre a agricultura e criação de gado;  Vedações (enclosures);  Novas máquinas agrícolas;  Inovações técnicas no setor algodoeiro e metalúrgico;  Substituiçãodamanufaturapela maquinofatura nos diferentes setores da economia. 2. No âmbito social e demográfico:  Espírito empreendedor dos landlords;  Afirmação da burguesia industrial;  Crescimento demográfico;  Migração para os centros urbanos. 3. No âmbito político-militar:  Apoio do sistema Parlamentar às enclosures;
  25. 25.  Promulgação dos Atos de Navegação;  Criação das Companhias de Comércio;  Guerras contra a França e a Holanda de que a Inglaterra saiu vitoriosa. 4. No âmbito ideológico:  Fisiocratismo(novadoutrinaeconómicaqueconsideravaaagriculturaabase económica da nação). 5. No âmbito comercial e financeiro:  Comércio triangular a partir dos portos da Inglaterra;  Tratado de Eden (realizadoentre aFrançae a Inglaterra,em1786, com clara vantagem da Inglaterradevidoà exportação de lanifícios e ferragens em condições vantajosas);  Ação da Companhia Inglesa das Índias Orientais;  Comércio com a China;  Bolsa de Londres e Banco de Inglaterra. 3.3. Portugal – dificuldades e crescimento económico*** Objetivo 13. Adoção do mercantilismo e a crise comercial de 1670-92 Entre 1670 e 1692, Portugal enfrentou uma grave crise comercial provocada:  Pela concorrência de Franceses, Ingleses e Holandeses – produção de açúcar e tabaco;  Pelos efeitos da política protecionista de Colbert;  Pelos efeitos da crise espanhola de 1670-1680. Deflação (stocks acumulados e preços muito baixos) – a política do reino orientou-se para a criação de manufaturas e a implementação de medidas protecionistas. Objetivo 14. Semelhanças ao mercantilismo francês Conde da Ericeira adotou o mercantilismo, a estas foram as suas principais medidas: 1. Estabelecimento de fábricas com privilégios; 2. Contratação de artífices estrangeiros que introduziram em Portugal novas técnicas de produção; 3. Proteção da produção nacional através das pragmáticas; 4. Desvalorização monetária; 5. Criação de companhias monopolistas. Objetivo 15. O retrocesso da política industrializadora portuguesa A decadência do esforço industrializante deveu-se à descoberta de minas de ouro no Brasil,que levarama um clima de prosperidade semoesforçodo investimentomanufatureiro. As leispragmáticasjá não eram respeitadase o país voltou-se parao comérciocomo atividade prioritária. A procura do ouro do Brasil era feita pelas bandeiras, que proporcionaram o alargamento e desbravamento do território brasileiro, cujas fronteiras foram então definidas segundo limites mais amplos do que aquelesinicialmente previstos no Tratado de Tordesilhas na época de D. João II.
  26. 26. Objetivo 16. Dependência da economia portuguesa face à Inglaterra Segundo o tratado de Methuen (1703), a Inglaterra comprava os vinhos portugueses com vantagem competitiva em relação aos vinhos franceses, enquanto Portugal comprava os lanifícios ingleses sem restrições. Isto gerou uma situação de dependência de Portugal em relação à Inglaterra pois contribuía para o abandono das manufaturas de penos em Portugal e para o escoamento do ouro brasileiro para pagar as importações inglesas. Objetivo 17. Contexto da política económica pombalina Face à nova crise de meados do século XVIII, o rei D. José I tentou uma estratégia de mudança em relação à política do seu pai. Marquês de Pombal delineou a recuperação económica com base nos pressupostos mercantilistas. As principais medidas económicas:  Concessão de privilégios às indústrias existentes;  Criação das manufaturasda Covilhãe Portalegre paradesenvolveraindústriade lanifícios;  Introdução dos têxteis de algodão;  Desenvolvimento da indústria de vidro da Marinha Grande;  Fomento de vários setores da indústria;  Contratação de empresários estrangeiros e de mão-de-obra especializada;  Publicação de pragmáticas com o objetivo de diminuir as importações;  Reorganização da Real Fábrica da Seda. O comérciofoi tambémreorganizadode modoadiminuirodéficee de colocarastrocasna mão da burguesia portuguesa, através destas medidas:  Criação de companhias monopolistas que aliavam os capitais privados do Estado;  Atribuição do estatuto nobre aos grandes burgueses acionistas das companhias monopolistas;  Instituição da Aula do Comércio, escola comercial para os filhos dos burgueses;  Criação da Junta do Comércio, órgão que controlava a atividade comercial do reino. Em consequênciadestapolíticaeconómica,ofinal doséculoXVIIIfoi,paraPortugal,um período de prosperidade, com uma balança comercial positiva e a resolução do problema do défice comercial com a Inglaterra. Unidade 4 – Construção da modernidade europeia 4.1. O método experimental e o progresso do conhecimento do Homem e da Natureza Objetivo 1. Reações de aristotélicos e experimentalistas ao conhecimento NoséculoXVII,aatitude peranteaciênciadividia-se entreacrençadogmáticanoslivros dos“Antigos”e a procurado saberatravésdaexperiência.Paraanovaatitude experimentalista contribuíram:
  27. 27.  Espirito crítico herdado do período do Renascimento (séc. XV – XVI);  Conhecimento da Natureza proporcionado pelas viagens da Descoberta. Os eruditos (sábios) criavam associações onde podiam realizar experiencias, debate-las e difundi-las e reuniam coleções privadas de livros, maquinismo, plantas e animais. Objetivo 2. Impacto do método experimental no progresso da ciência Bacon expôs as etapas do método indutivoou experimental - observação, formulação de hipóteses,repetiçãodasexperienciase determinaçãode leisgerais-,valorizandoarealização de experiências,apoiadasnummétodoseguroe fixo.Este métodofoi reforçadopelo“método dadúvida”de Descartes,oqual estabeleciaoprimadodopensamentoracionalista.Istooriginou a Revoluçãocientífica–tentativade apartarasuperstiçãodaverdadecomprovável,desubstituir a credulidade pela investigação. Objetivo 3. Contributos dos principais cientistas dos séculos XVII e XVIII Galileu corroborou com a teoria heliocêntrica de Copérnico. Com a invenção do telescópiocomprovou as fases de Vénus e a irregularidade da Lua, percebendo assim que a matemática deveria ser usada como língua universal. Isto valeu-lhe o julgamento da Igreja Católica. Newton formulou a hipótese de um Universo infinito, sujeito à lei da gravitação universal.Assim,aplicoumetodicamente amatemáticaàpesquisacientífica,tendocontribuído para o avanço de áreas como a ótica, química e mecânica. Harvey descobriu a existência da circulação sanguínea. Contrariando os preconceitos religiososquemimpediamasdissecaçõesdocorpohumano,abriucaminhoaodesenvolvimento da medicina como prática. Objetivo 4. A RevoluçãoCientíficaconsistiuembanirdapesquisasobre aNaturezatodaa formade superstição e de pensamento dogmático. Esta teve como base: o método experimental, a matemática como linguagemuniversal, a medicina como prática e o primado do racionalismo. No entanto, a revolução enfrentou resistência nos países católicos (Índex e Inquisição). 4.2. A filosofia das Luzes*** Movimentofilosóficoe cultural queera afavor da separaçãode poderese dasoberania popular,daliberdade,davalorizaçãoda razão e ensino, daigualdade e direitoàpropriedade,e do direito à justiça e tratamento com humanidade; e contra o Absolutismo (poderes concentrados – poder divino), o fanatismo religioso/Inquisição/Igreja Católica, a escravatura/Censura, a Ignorância/Obscurantismo, a sociedade desigual, e os métodos bárbaros de aplicação da justiça. Pontos-chave do pensamento iluminista:  Igualdade entre todos os Homens;  Liberdade de todos os homens (sem abolir classes);  Direito à posse de bens;
  28. 28.  Direito a julgamento justo;  Direito à liberdade de consciência O pensamentoiluministadefendiaqueestesdireitoseramuniversaise porissoestavam acima das leis de cada Estado, sendo que este deveria usar o poder politico para os assegurar assimcomo para garantira felicidade doHomem.OIluminismoapreciavaoindividualismopois cada individuodeveriaservalorizado,independentemente dos grupos em que se integrasse. A Apologia da Razão e do Progresso Valor da Razão humana como motor de progresso. Acreditava-se que ousoda Razão, livre de preconceitos e outros constrangimentos, conduzira ao aperfeiçoamento moral do Homem,dasrelaçõessociaise dasformasde poderpolítico,promovendoaigualdadee ajustiça. Em suma, a Razão seria a luz que guiaria a Humanidade. O século XVIII ficou conhecido como o século das Luzes. Por luzes ou Iluminismo designa-se o conjunto das novas ideias que marcaram a época. O Direito Natural O espírito e a filosofia das Luzes são fundamentalmente burgueses. A valorização da Razão, da qual são dotados todosos homensvinhaestabelecerumprincípiode igualdade que punha em causa a ordem estabelecida, favorecendo a convicção de que todos os indivíduos possuemdeterminados direitose deveresque lhessão conferidospelaNatureza. Osiluministas consideram o direito natural superior às leis impostas pelos Estados. Com o Iluminismo esta noção se consolidou, tendo-se definidoclaramente o conjunto básico dos direitos inerentes à natureza humana: o direito à liberdade; à justiça; à posse de bens; e, mais importante, à liberdade de consciência. Ao proclamaremosdireitosnaturaisdoHomem, os pensadoresiluministascombatiam a “razão de Estado”. Contrapunham-lhe ovalor própriodo indivíduoque tinhao direitode ver respeitada a sua dignidade. Estabeleceu-se uma moral natural e racional, independente dos preceitos religiosos. Baseada na tolerância, na generosidade e no cumprimento dos deveres naturais, deveria orientar os homens na busca da felicidade terrena. O Contrato Social e a Separação dos Poderes A liberdade e a igualdade defendidaspelosiluministaspareciamemcontradiçãocoma autoridade dos governos. John Locke solucionou o problema com um contrato livremente assumido entre os governados e os governantes, onde o povo conferia aos seus governantes a autoridade necessária ao bom funcionamento do corpo social. Rosseau reforça, no Contrato, a ideia que que a soberania popular se mantém isto porque é através do contrato que os indivíduos assegurama igualdade de direitos,submetendo-se,de formaigual,àvontade da maioria.Caso a autoridade política se afaste dos seus fins, pode e deve ser legitimamente derrubada pelo povo. O podertirânico é,para os iluministas,sinónimode desrespeitopelosdireitosnaturaise de opressão.
  29. 29. Montesquieudefendeumgovernomonárquico,moderadoe representativo,emque o soberano se rege pelas leis e vê as suas atribuições limitadas pela separação dos poderes. A Teoria da Separação de Poderes advoga o desmembramentodaautoridade doEstado emtrês poderes: legislativo, executivo e judicial.Só a separação destes poderes garantiria a liberdade dos cidadãos. A difusão das Luzes Colocadas no centro da vida intelectual da época, as propostas iluministas invadiram os salões burgueses, os clubes privados, os cafés, as academias, as universidades. Surge também a Enciclopédia e a Maçonaria. 4.3. Portugal – o projeto pombalino de inspiração iluminista*** Objetivo 11. As medidas pombalistas e o pensamento setecentista Na lógica do despotismo iluminado do século XVIII, o Marquês de Pombal, enquanto secretário de Estado de D. José I, levou a cabo a reforma do reino em diversas áreas, em todas trabalhando para o reforço do poder régio e o controlo das classes privilegiadas. 1. Instituições de centralização do poder:  O Erário Régio, que centralizava a receção das receitas públicas e a sua redistribuição por todas as despesas;  A Intendência-Geral da Polícia, criada no âmbito da reforma judicial que uniformizou a justiça em termos territoriais;  A Real Mesa Censória, organismo do Estado que retirava a função de censura da alçada da Igreja. 2. Principais episódios da repressão exercida sobre o clero e a nobreza:  O suplício dos Távora (acusados de tentativo de regicídio, toda a família foi executada);  A expulsão da Companhia de Jesus de Portugal e das suas colónias. 3. Ação urbanística: a reconstrução da cidade de Lisboaapós o sismode 1 de novembro de 1755 foi orientada de acordo com o racionalismo iluminista da época.  Traçado geométrico;  Ruas largas e retilíneas;  Subordinação dos projetos particulares à unidade do conjunto;  Sentido prático (evidenciado, p.e., no sistema da gaiola antissísmico);  Valorização da burguesia (Terreiro do Paço passa a Praça do Comércio). 4. Reforma do ensino: os estrangeiros foram colhidos pelo Marquês de Pombal.  Criação do Real Colégio dos Nobres;  Criação da Aula de Comércio para os filhos dos burgueses;  Fundação das Escolas Menores, oficiais e gratuitas;  Instituição de várias classes de preparação para a Universidade;
  30. 30.  Reforma da Universidade de Coimbra, dotada de novos estatutos – faculdades de matemática e filosofia, laboratório de física, jardim botânico e observatório astronómico. A faculdade de medicina adquiriu um caráter mais prático. Este novo ensino era alargado a um conjunto mais vasto da população e aberto à novas ideias da ciência experimental, de acordo com a Filosofia das Luzes; Além disso, servia o propósito de preparar uma elite culta, de apoio à governação, colmatando a ausência dos jesuítas. Módulo 6 – A civilização industrial – economia e sociedade; nacionalismos e choques imperialistas Unidade 1 – As transformações económicas na Europa e no Mundo 1.1. A expansão da Revolução Industrial Objetivo 2. Ligação entre a ciência e a técnica A ciência e a técnica influenciaram-se mutuamente: os conhecimentos teóricos permitiram a criação de novos inventos pois as empresas criaram laboratórios e convidaram engenheiros para trabalhar, em equipa, nas novas descobertas e a indústria (técnica), ao criar produtos e máquinas cada vez mais complexos, exigiu da ciência uma constante pesquisa (progresso científico). Objetivo 1/2. A segunda Revolução Industrial A expansãodaRevoluçãoIndustrialdeu-senasegundametadedoséculoXIX,naEuropa, nos EUA e no Japão. A SegundaRevoluçãoIndustrial corresponde aumconjuntode transformaçõesrápidas que beneficiaramosetorindustrial,de que de destacamasnovasfontesde energia(petróleoe eletricidade),novossetoresdeponta(siderurgia,química) e novosinventos(motorde explosão, lâmpada). Esta revolução ultrapassa os aspetos técnico e produtivo para abranger a expansão do capitalismo industrial com consequências ao nível de toda a vida em sociedade. Objetivo 4. Principais progresso técnicos Século XVIII – primeira Revolução Industrial:  Utilização do carvão de coque;  Aperfeiçoamento dos foles;  Técnica da pudelagem. Século XIX – segunda Revolução Industrial:  Conversor que transforma o ferro em aço de forma mais rápida;  Recuperação de ferragens o que permitiu uma maior produção de aço;  Eliminação do fósforo, aproveitando-se assim maiores quantidades de minério.
  31. 31.  O aço, mais moldável e resistente, substitui o ferro – siderurgia, setor de ponta  Corantes artificiais na indústria têxtil;  Novos medicamentos;  Inseticidas e fertilizantes;  Vulcanização da borracha - indústria de pneus.  Novas fontes de energia: petróleo – sua exploração, motor de explosão, motor movido a óleo pesado – e eletricidade – comboio elétrico, telefone, radiofonia, cinema, metropolitanos e carros elétricos.  Progressosnostransportes:energiaavaporaocomboioe aonaviofacilitouacirculaçãodas matérias-primas, dos produtos industriais e das pessoas; utilização do motor de expansão alterou as noções de distância; bicicleta tornou-se meio de transporte e modalidade desportiva de êxito. Objetivo 5. A concentração monopolista A pequena oficina cede lugar à empresa concentrada, ou seja, a produção é realizada em grandes técnicas (concentração geográfica) que reúnem avultados capitais por ações (concentração financeira), onde trabalham numerosos operários (concentração de mão-de- obra),os quaisvigiamnumerosasmáquinas(concentraçãotécnica).Istoexplica-se pelaprópria naturezade algunssetoreseconómicosque exigiammáquinasvolumosase umgrande número de operários e por imperativos económicos que tornavam mais rentável a grande fábrica, abolindoaconcorrênciadaspequenasempresasatravésdacriaçãode monopóliosde produção. Em suma,a tentativade criação de monopóliosjustifica-se pelosistemaeconómicodo capitalismo industrial que caracterizou a segunda metade do séc. XIX. Objetivo 6. Distinção entre concentrações verticais e concentrações horizontais Concentrações verticais – controlo das várias etapas de fabrico de um produto industrial. Controlando todo o processo de produção, a empresa consegue diminuir o grau de imprevisibilidadedonegócioe obteras melhorescondiçõesfinanceirasemcadauma das fases de produção. Concentrações horizontais – agrupamento de empresas de um mesmo ramo que combinam, entre si, as condições de produção que consideram melhores, de maneira a vencer a concorrência. Os bancostambémapostaremnoprocessode concentração: osbancos maispequenos foramsendo absorvidospelosmaispoderosos,osquaisse expandiramemnúmerode sucursais e em volume de operações financeiras. Os bancos alimentaram a expansão industrial, oferecendo os seus serviços às operações comerciais e o crédito à indústria e, por sua vez, lucraram com o desenvolvimento industrial, muitas das vezes investindo diretamente em companhias industriais (“bancos de negócios”). Objetivo 7. Métodos de racionalização do trabalho A racionalizaçãodotrabalho(métodode transformaraproduçãonumprocessoracional para que este seja o mais rentável possível) foi chamada de taylorismo: 1. Divisão da produção por uma série de etapas;
  32. 32. 2. Definição do tempo mínimo necessário para a realização de cada etapa; 3. Produção em série – estandardização. Fordaplicouotaylorismoàproduçãode automóveis,introduzindoalinhade montagem nas suasfábricas.Istoresultounumextraordinárioaumentodaprodutividade,oque permitiuo aumento dos salários e, consequentemente, uma maior motivação dos operários. A racionalização aplicada às fábricas chamou-se fordismo. 1.2. A geografia da industrialização Objetivo 8. A Hegemonia britânica Em meados do século XIX, a Inglaterra detinha a hegemonia:  Primeira potência na produção têxtil e metalúrgica;  Utilizava a energia a vapor em larga escala;  Possuía a maior extensão de caminhos-de-ferro;  Controlavaocomérciointernacional graçasà vastafrota mercantese ao sistemafinanceiro avançado;  Registava o maior crescimento demográfico e urbano;  Exibia,perante todooMundo, que estava à frente, através de exposições internacionais. Objetivo 9. Países mais industrializados: EUA e Japão, França Alemanha, Suíça e Bélgica. Países com industrialização mais lenta: Rússia, Áustria-Hungria, Itália, Portugal e Espanha. Objetivo 10. Particularidades da industrialização nas principais potências industriais França: apenasalcançouamaturidade naprimeiradécadadoséculoXX,poiscareciade matéria- prima – carvão – e a sua economia dependia ainda de uma agricultura de subsistência. A industrialização francesa assentou na eletricidade e na produção automóvel. Alemanha: o arranque industrial deu-se em meados do século XIX com a construção dos caminhos-de-ferro. No final do século XIX, já unificada, foi capaz de competir com a indústria inglesa,suplantando-anaproduçãode açoapartirdoséculoXX.A Alemanhadispunhade carvão em abundância e aumentou as suas reservas após ter conquistado à França a Alsácia-Lorena. EUA: a abundanciade matérias-primasjuntamentecomaconcentraçãoempresariale aenergia elétricafornecidapelasquedasd’águaderamumforte impulsoàindustrializaçãodosEUA,país que arrancará industrialmente cerca de 1830, veio destronar a hegemonia inglesa a partir definais do século XIX. Japão: caso únicono contente asiático,oJapão industrializou-se nasegundametade doséculo XIX devido à intervenção do imperador Mutsu-Hito, o qual apoiou a produção industrial seguindoosmodelosocidentaise abriuo país ao comérciocom o exterior.Ojapão beneficiou, também, de um crescimento demográfico intenso, o qual forneceu mão-de-obra e consumidores à indústria.
  33. 33. Objetivo 11. A persistência de formas de economia tradicional No século XIX o capitalismo industrial triunfou. A produção de bens de consumo conseguiu acompanhar o crescimento demográfico e, no mundo industrializado, uma franja crescente da população beneficiava de uma melhor qualidade de vida. Porém,apar deste mundoindustrializado,nãodevemosesquecerque amaiorparte do planetaera,aindaum mundoatrasado.Algunspaísescomoo ImpérioRusso,oImperioAustro- húngaro e os países da Europa meridional, tiveram o seu arranque industrial tardiamente. As regiões que eram colónias nem sequer se puderam desenvolver. No interior dos países desenvolvidos,os redutos de tradicionalismo,onde uma agricultura de subsistência avessa ao campo facheado, coexistia, no mesmo país, com a agricultura mecanizada e o artesão trabalhava, em casa, perto de uma grande fábrica. 1.3. A agudização das diferenças Objetivo 12. Protecionismo VS Livre-cambismo Nos séculos XVI, XVII e XVIII, foi adotado um sistema económico protecionista, que apoiava o mercantilismo vigente. O protecionismo baseava-se na proteção à indústria e ao comércio nacionais: para conseguir uma balança comercial positiva, o Estado intervinha na economia,decidindoquaisasmanufaturasaimplementar,omontante dastarifasaduaneirasa aplicaraos produtosimportados,opreçodosprodutosinternos,asregrasa imporao comércio com o exterior. Em contraposição,noséculoXIX,aexpansãodaRevoluçãoIndustrial foisustentadapor um sistema económico livre-cambista que substituiu o anterior protecionismo. O livre- cambismo opunha-se à intervenção do Estado na economia: Adam Smith advogava a total liberdade deiniciativaprivada(liberalismoeconómico),jáque aeconomiaseautorregulariapela lei da oferta e da procura e pela livre concorrência. Objetivo 13. As crises do capitalismo Apesar de ser um sistema económico favorável ao capitalismo industrial, o livre- cambismo padecia de um problema intrínseco: de tempo a tempo, o sistema de livre concorrência originava crises económicas para se autorregular (3 etapas): 1. Fase de crescimento económico, durante a qual a produção aumenta e as atividades financeira se expandem para acompanhar a procura dos consumidores. 2. Etapa de crise - rápida diminuição da produção e descida dos preços, numa tentativa de escoar o excessode produção acumulada.Isto conduz à falênciade empresase de bancos e à quebra de investimento na bolsa (crash). A população desempregada não tem meios para consumiremabundância,oque retiraoestímuloàprodução.Olivre-cambismofacilita a expansão da crise e origina a contração do comércio internacional. 3. Etapa de recuperação,emque aofertae a procurase reajustame as atividadeseconómicas são relançadas. As crises de superprodução industrial eram inerentes ao próprio sistema capitalista. No século XX, devido à Grande Depressão dos anos 30, despoletada pela crise de 1929 nos EUA,
  34. 34. tornou-se evidente que o liberalismo económico puro tinha de ser refreado pela intervenção estatal. Objetivo 14. Fundamentos da divisão internacional do trabalho Entende-se por divisão internacional do trabalho a parte de produção e de comercialização que cabe a cada país. O capitalismo industrial contribuiu para criar um mundo económico desigual, no qual apenas uma parte de países detém o controlo das correntes de comércio internacional. Unidade 2 – A sociedade industrial e urbana 2.1. A exploração populacional; a expansão urbana e o novo urbanismo; migrações internas e emigração Objetivo 1. A explosão populacional do século XIX No século XIX, verificou-se um crescimento muito rápido e acentuado da população mundial e da Europa industrializada, daí a chamada explosão demográfica, já conhecida do modelo demográfico moderno. Para tal atuaram fatores como:  Melhores cuidados médicos (p.e., novas vacinas);  Maior abundância de bens alimentares (agricultura mecanizada e revolução dos transportes);  Investimento social e afetivo na criança;  Progresso na higiene (redes de esgotos e abastecimento de água potável). No século XIX e inícios do século XX, face à explosão populacional, muitos lutaram pela contenção da natalidade. Porém, foi nos meios mais abastados, onde a satisfação das necessidades básicas permitia o surgimento de paternidade, que começou a difundir-se a limitação voluntária dos nascimentos. Objetivo 2. A expansão urbana O crescimento das cidades dá-se devido ao crescimento da população. A expansão urbana tem como fatores:  Êxodo rural;  Emigração (vagas de partida para as colónias);  Crescimento dos setores secundário e terciário: indústria, comércio, profissões liberais. Objetivo 3. Novo urbanismo oitocentista O crescimento muito rápido de algumas cidades originou novos problemas que se tornaramum desafioparaaschefiasmunicipaise paraarquitetos,urbanistase filantropos.Este novourbanismotinha2preocupações:criarespaçosparaaburguesiae proporcionarcondições de vida mais dignas para o proletariado. 1. Afirmação da burguesia: destruição das antigas muralhas, novas avenidas, criam-se infraestruturas, redes de transporte públicos e espaços de lazer;
  35. 35. 2. Problemassociais:deficientehabitaçãooperária(alcoolismo,promiscuidade,criminalidade) Objetivo 4. Origem e destino das migrações internas No século XIX, a principal origem das migrações internas era o campo e o principal destinoacidade.A partirde 1850, o êxodorural doresponsável peloacentuadocrescimentoda populaçãourbanada Europa.Outrotipode migraçõeseramasdeslocaçõessazonaisparalocais onde era necessário, pontualmente, um acréscimo de mão-de-obra. Objetivo 5. O fenómeno emigratório A partir de 1850, as vagas de emigração foram sucessivas, tendo como fatores: 1. A pressão populacional; 2. Os problemas do mundo rural; 3. Os problemas ligados à industrialização; 4. A revolução dos transportes; 5. A idealização dos países de destino; 6. A fuga a perseguições políticas e religiosas. 2.2. Unidade e diversidade da sociedade oitocentista*** Objetivo 6. A unidade e diversidade da nova sociedade de classes Na sociedade de classes da Época Contemporânea,embora os cidadãos sejam iguais perante a lei, eles distinguem-se pelo dinheiro e por todas as vantagens que este permite conquistar. Ela divide-se em 2 grupos: 1. Burguesia: grupo dominante porque detém os meios de produção. 2. Proletariado: classe mais baixa que fornece o trabalho à organização industrial. A mobilidade ascensional é mais frequente graças aos feitos e mérito individual de origem humilde – self-made man. Uma vezatingidoo topo da escalasocial,cabe à famíliaburguesao papel fundamental de assegurar a continuidade de estatuto e reforçá-lo. Objetivo 7. Classe burguesa quanto ao estatuto económico e valores, e comportamentos 1. Alta Burguesia: controla os pontos-chave da economia, exerce cargos na política e para afirmar o seu poderos burguesesde negócioscontinuavama ter como modeloa nobreza, tentando aproximar-se da aristocracia. No entanto, pouco a pouco, a burguesia foi definindoe impondo os seus próprios valores comorgulho:apreçopelotrabalho, sentidode poupança,perseverançae solidariedadefamiliar. 2. ClassesMédias:grupomaisheterogéneoe socialmenteflutuante da sociedade industrial. Englobava pequenos empresários da indústria, empregados comerciais, profissionais liberais(trabalhavamporcontaprópriae oseuestatutovalorizou-se namedidaemqueserviam as necessidade da sociedade industrial).
  36. 36. Objetivo 8. A condição operária A aplicaçãodo liberalismoeconómiconospaísesindustrializados,aoestabelecera não intervenção do Estado, deixou os operários à mercê das regras do mercado, o que os levou a enfrentar graves problemas:  Ausência de redes de solidariedade;  Elevado risco de acidentes de trabalho e de doenças profissionais;  Ausência de medidas de apoio social;  Proibição e repressão de todo o tipo de reivindicação social;  Contratação de mão-de-obrainfantil,porsermaisbarata, menosreivindicativae maiságil;  Espaços de trabalho pouco saudáveis;  Espaços de habitação sobrelotados e insalubres;  Pobreza extrema e todos os problemas a esta associada. Objetivo 9. O movimento operário Reações dos operários contra a sua condição miserável organizou-se de duas formas: 1. Associativismo – apoiavam os operários em caso de vicissitude mediante o pagamento de uma quota; 2. Sindicalismo – utilizavam como principais meios de pressão sobre o patronato as manifestaçõese asgreves;estaseramuma forte arma de reivindicação,poisprejudicavam a produção e os lucros da indústria e do comércio. Graças às greves a classe trabalhadora havia conquistado um maior poder de compra. Os progressos da legislação social (regulamentação do horário de trabalho, repouso semanal,pensãode velhice,doença,acidente) tornaram-se maisnotóriosporefeitodapressão dos sindicatos, entretanto legalizados, e pela difusão das ideias socialistas. Objetivo 10. A condição operária e as doutrinas socialistas As condições de miséria em que viviam os proletários despertaram a vontade de intervençãosocialde pensadoresdaépoca.NoséculoXX,osocialismocriticavaadesumanidade do sistema capitalista e propunha uma sociedade mas igualitária. Há, no entanto, duas abordagens do socialismo: 1. Socialismo utópico – em alternativa ao capitalismo, propunha criar uma sociedade mais justa, sem distinção entre patrões e empregados. Entregando a propriedade privada a produtores associados e abolindo o Estado pôr-se-ia fim à exploração do homem pelo homem. 2. Socialismo-Marxismo – a luta de classes é inerente a todas as sociedades, assim ela deve extinguir-se: atingir uma sociedade sem classes nem Estado – o Comunismo. Objetivo 11. Os princípios do Marxismo Explicação do Marxismo:  A luta de classes entre opressores e oprimidos é traço fundamental de toda a História;  A sociedade burguesa, dividida entre a burguesia e o proletariado, será destruída quando este, organizado em classe dominante, instaurar a ditadura do proletariado;
  37. 37.  Depois de conquistar o poder político, o proletariado retirará o capital à burguesia e o capitalismo será destruído e construir-se-á o comunismo, pois estarão todos os instrumentos de produção nas mãos do Estado.  Os operários devem unir-se internacionalmente para a fazer a revolução comunista. Objetivo 12. Efeitos do movimento operário A teorização marxista revestiu um caráter prático que faltava ao socialismo utópico e teve um impacto visível na sociedade do seu tempo:  Ideia do internacionalismo: Karl Marx redigiu os estatutos da I Internacional, criada em Londres (1864);  Marx apoiou a Comuna de Paris (1871);  Engels funda a II Internacional (1889);  Internacionais Operárias: promoveu a fundação de partidos socialistas na Europa. Apesar de ter chocado ideologicamente com outras propostas de remodelação da sociedade, o marxismo prevaleceu e foi a base teórica da revolução de 1917, na Rússia. Unidade 3 – Evolução democrática, nacionalismo e imperialismo 3.1. As transformações políticas Objetivo 1. Aperfeiçoamento do sistema liberal ao longo do século XIX Desde doséculoXVIII,foiimplementadoumsistemaliberalmoderado(Portugal,França, Grã-Bretanha, Bélgica), que eliminou os regimes absolutistase os substituiu por monarquias constitucionais, nas quais os cidadãos em representados (soberania popular). No século XIX surgiu um novo entendimento do sistema liberal, o demoliberalismo:  Sistema monárquico é substituído por um regime político republicano, no qual o chefe de Estado e representante do poder executivo é eleito periodicamente;  O sufrágio censitário dá lugar ao sufrágio universal (com algumas exceções ainda);  A idade de votofoi antecipada(21+/-),ovototorna-se secretoe oscargospolíticospassam a ser remunerados. Objetivo 2. Os Estados autoritários da Europa Central e Oriental Na Europa Central e Oriental a estagnação económica prevalecia e era acompanhada pelo imobilismo político (regimes autoritários): Império Alemão, Império Austro-húngaro, Império Russo e Império Otomano. Eram, todos eles, Estados autocráticos, conservadores e repressivos. Objetivo 3. Submissão das nacionalidades nos Estados autoritários Sob a aparente unidade conferida por um imperado, um governo, um exército e uma religião oficial, estava sujeição das minorias étnicas. O Império Alemão dominava os polacos, por exemplo.
  38. 38. Objetivo 4. As aspirações de liberdade nas Estados autoritários Por várias razões, de ordem linguística, histórica ou religiosa, vários povos não se sentiam integrados no Estado imperial a que pertenciam e, como tal, desencadearam movimentos de libertação ao longo do século XIX. No início do século XX, a repressão do princípiodasnacionalidadese alutaporáreasde influênciaporparte dosimpériosacabariapor gerar focos de tensão que conduziriam à 1ª Guerra Mundial. Objetivo 5. Processos de unificação italiana e alemã Unificação Italiana (1861) – A ideia de um Estado único enfrentava a oposição dos Austríacos que dominavamosEstadosdoNorte e Centro,e a desconfiançadoPapa.A unificaçãopartiudo reino do Piemonte-Sardenha (estado liberalista) e Vítor Manuel II tornou-se rei de Itália. UnificaçãoAlemã(1871) – A unificaçãofoi impulsionadapelaPrússiaque jáhaviaderrubadoas barreirasalfandegáriasentre algunsEstadosem 1828 (Zollverein).O rei Guilherme Ida Prússia e o chanceler do rei Otto von Bismark conseguiram a unificação através da força das armas. A unificação é consumada em 1871 com o kaiser Guilherme I – II Reich. Ambas as unificações exprimem o nacionalismo oitocentista que pretendia ligar povos com uma tradição comum e satisfazer interesseseconómicos. A integração de territórios ricos emmatéria-primaparaaindústriae a conquistade colónias paraescoarosprodutosindustriais não foram alheios aos anseios nacionalistas do século XIX. 3.2. Os afrontamentos imperialistas: o domínio da Europa sobre o Mundo Objetivo 6. As zonas de expansão europeia (fins do séc. XIX - Início do séc. XX) Grã-Bretanha– acalentavao projetode dominaroterritórioafricanodoCairo ao Cabo; ocupava os territórios da Índia, Austrália, Canadá; exercia influência sobre a China e recebera, como concessão, Hong-Kong (1842). França – ocupou territórios no Norte e Centro africanos (p.e., Argélia), na Ásia (Indochina) e na América (Antilhas). ImpérioAlemão – possuíaterritóriosemÁfricae exerciainfluêncianaÁsiaMenor e na Península Arábica. Rússia – Império Russo expandiu-se por províncias como a Geórgia e o Azerbaijão e procurou estender a sua influência ao Extremo Oriente. Objetivo 7. Imperialismo e Colonialismo A expansão europeia inscreve-se numa estratégia de controlo de uma vasta extensão territorial comvistaà satisfaçãodasnecessidadeseconómicasdasmetrópolese à afirmaçãode uma pretensa superioridade cultural. O imperialismo e o colonialismo tornaram-se visíveis na ocupação do continente africano.NaConferenciamde Berlim(1884/85),oschefesde Estadoeuropeusrepartiram,entre si, o territórioafricanosematenderàs fronteirasdefinidaspelospovosnativose impuseramo seu domínio a todos os níveis.
  39. 39. Objetivo 8. Contextualização do Imperialismo A formação de impériospelaspotênciaseuropeiasexplica-se nocontextodaexpansão industrial, que necessitava de matérias-primas para a produção maquino-faturada e de mercados para escoar os excedentes. O continente europeu, em fase de explosão populacional, precisava de colónias para avaliar a pressão demográfica. Os anseios nacionalistas que acompanharam a criação das democracias europeias tinham uma vertente imperialista. Objetivo 9. Rivalidades imperialistas A oposição da França à Alemanha explica-se pela disputa da Alsácia-Lorena e pelo desenvolvimento do novo Império Alemão que retirou à França parte da preponderância económica que esta detinha sobre a Europa. Em contrapartida, a França conseguiu dominar grande parte do Norte de África. A rivalidade entre o Império Austro-húngaro e o Império Russo justifica-se, nomeadamente pela disputa da influência nos Balcãs. As ambições do Império Russo no Extremo Oriente colidiam com o imperialismo japonês, o que acabou por provocar, em 1904-1905, a guerra russo-japonesa, da qual saiu vitorioso o Japão. Objetivo 10. Clima de “paz armada” A tensãogeradapelasrivalidadeseconómicaslevouosEstadoseuropeusaprocuraremaliados: 1879 – Dupla aliança (Alemanha e Áustria-Hungria); 1882 – Tríplice Aliança (Alemanha, Áustria-Hungria e Itália); 1907 – Tríplice Entente (França, Rússia e Grã-Bretanha) A política de alianças era complementada por uma corrida aos armamentos. Em 1908, a Áustria-HungriaanexouaBósnia-Herzegovina,gerandoprotestosdaSérvia, a qual pretendia desempenhar um papel influente nos Balcãs. Em 1914, quandoo herdeiroaotronoaustro-húngarofoiassassinado porumestudante sérvio, foi declarada Guerra. Era o fim da paz armada e o início da Primeira Guerra Mundial. Unidade 4 – Portugal, uma sociedade capitalista dependente*** 4.1. A Regeneração entre o livre-cambismo e o protecionismo (1851-1880)*** Objetivo 1. A Regeneração Em 1851, o golpe de Estado do Marechal Saldanha instaurou uma nova etapa política emPortugal,a Regeneração,que se estendeuaté àimplantaçãodaRepública.Estapretendiao
  40. 40. progressomaterial dopaís,como fomentodocapitalismoaplicadoàsatividadeseconómicas,e o encerramento dos conflitos entre as fações liberais (paz foi conseguida com a carta Constitucional e com a promoção do rotativismo entre os partidos do poder). Objetivo 2. Empenho do fontismo na política de obras públicas A política de Obras Políticas do ministro Fontes Pereira de Melo, o fontismo, preocupava-se em recuperar o país do atraso económico. Assim, Fontes inicia uma política de instalação de infraestruturas e equipamentos (estradas,caminhos-de-ferro, pontes, telefones, portos), o que trouxe vantagens como:  A criação, pela1ª vezemPortugal,de um mercadonacional,fazendochegarosprodutosa zonas isoladas e estimulando o consumo;  O incremento agrícola e industrial;  O alargamento das relações entre Portugal e a Europa evoluída. Objetivo 3. Linhas de força do fomento económico da Regeneração 1. Revolução dos transportes – apostou-se na construção rodoviária e na expansão da rede ferroviária. Construíram-se pontes e portos; 2. Livre-cambismo–Reduçãodas tarifasaduaneiraspara que a entrada de matérias-primasa baixo preço favorecesse a produção portuguesa, para a entrada de certos produtos industriais estrangeiros a preços mais baixos beneficiar o consumidor e para que a diminuição das tarifas baixa-se o contrabando. 3. Exploraçãodaagriculturaorientadaparaa exportação –o liberalismoeconómicofavoreceu a especializaçãoemcertosprodutosagrícolasde boa aceitaçãono estrangeiro.A aplicação do capitalismoaosetor agrícola passou pelodesbravamentode terras,reduçãodo pousio, abolição dos pastos comuns, introdução de maquinara nos trabalhos agrícolas, uso de adubos químicos. 4. Arranque industrial –progressosindustriais:difusãodamáquinaa vapor,desenvolvimento dos setores industriais, criação de unidades industriais e concentração empresarial em algunssetores,aumentodapopulaçãooperária,criaçãode sociedadesanónimas,aplicação da energia elétrica à indústria. No entanto, a economia portuguesa padecia de alguns problemas de base que impediram o crescimento industrial: falta de certas matérias-primas, carência de população ativa no setor secundário, falta de formação do operariado e do patronato, orientação dos investimentos particulares para as atividades especulativas e para o setor imobiliário, em detrimento das atividades produtivas, e dependência do capital estrangeiro. 4.2. Entre a depressão e a expansão (1880-1914)*** Objetivo 4. A crise financeira de 1880-90 e os mecanismos de dependência criados Apesar da revolução dos transportes e dos progressos na agricultura e na indústria, a regeneração assentou o fomento económico sobre bases instáveis: 1. Livre-cambismo–entradade produtosindustriaisabaixopreço,comosquaisnãotínhamos capacidade de competir; a exportação de produtos agrícolas decaiu; a balança comercial era, assim, negativa (1890).

×